24-02-2020

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

domingo, 01 dezembro 2013 15:20

Como posso ser um DJ agenciado?

Resolvi puxar este tema no meu segundo artigo de opinião para a 100% DJ porque é algo com o qual sou confrontado diariamente.
 
Todos os dias recebo e-mails e mensagens via redes sociais com pedidos para agenciar artistas. De uma vez por todas, os artistas (especialmente os DJ’s) têm de perceber que não são os artistas que têm de procurar agenciamentos. Quando uma agência pretende representar um artista, não tenham dúvidas que farão tudo para o ter. 
 
Há muita gente que não consegue perceber que uma agência ou agente não é um centro de emprego, não é uma organização sem fins lucrativos e muito menos será uma instituição de caridade. 
 
As agências existem para proteger o artista, encaminhar e apoiar nas decisões da sua carreira, promover o produto (leia-se artista) e obter dividendos com o seu trabalho. Os artistas que pensam que ter um agente ou estar agenciado é ter um investidor, um empregado ou alguém que lhes vai meter dinheiro no bolso a troco de nada, vivem uma ilusão. O meu conselho é simples e directo... deixem de sonhar. 
 
Regra geral, uma agência ou agente, só trabalha com artistas que já tenham nome no mercado e que consigam obter dividendos para poder pagar o serviço de agenciamento. A ideia (errada) que os artistas têm, em que caso tenham um agente vão ter dinheiro, só entra mesmo na cabeça de alguns (neste caso de muitos). Possivelmente serei o único ou dos poucos agentes em Portugal que "foi buscar" artistas sem estarem no topo. Mesmo neste caso, fui eu que os contactei e a quem propus os meus serviços e em quem invisto por acreditar no trabalho dos mesmos. 
 
A diferença entre management e booking
 
Outra situação recorrente e que é confundida vezes sem conta pelos artistas nacionais, é a diferença entre management e booking. 
O que a larga maioria dos artistas querem, é um serviço de booking. Este é um serviço de marcações de actuações, onde o Booker recebe um percentual ou comissão pela marcação da data. Qualquer pessoa com conhecimentos e trabalho pode ser booker (até o próprio artista). 
 

Há muita gente que não consegue perceber que uma agência ou agente não é um centro de emprego, não é uma organização sem fins lucrativos...

 
São muito poucos os artistas que conseguem compreender que para terem actuações, precisam de um management profissional e de qualidade para que possam ter um booking em condições. Um bom management é essencial para quem quer entrar, permanecer e "crescer" no mercado. Outro dos erros recorrentes dos artistas nacionais é quererem fazer as "coisas" à maneira deles, mesmo tendo um manager. Se tomaram a decisão de ter um management, então sigam as directrizes de quem (à partida) sabe o que está a fazer, ou então façam vocês próprios o vosso management. 
 
Nunca devem esquecer que ambos os serviços são pagos. Seja o management, seja o "comissionista" (leia-se booker). Se vocês não trabalham de borla (ou pelo menos não deviam, salvo actuações promocionais ou de solidariedade), quem trabalha convosco também tem de receber pelo seu trabalho. 
 
Então como posso ser um artista agenciado?
 
Para seres agenciado, tens de perceber tudo o que foi mencionado anteriormente. Caso alguma agência ou agente "notar" em ti, eles próprios irão entrar em contacto contigo. Mas não desesperes... São inúmeros os casos em que fazer o próprio management e booking resultam da mesma forma (desde que trabalhes, tenhas formação e experiência ou pagues por serviços pontuais). 
 
Um artista tem de mentalizar-se que após acabar uma actuação, no minuto a seguir está novamente "desempregado" e que voltou à estaca zero (no que diz respeito a actuações). Um artista tem de olhar para si como um produto. Produto esse que tem de ser constantemente promovido/divulgado e que seja "apetecível" a sua aquisição. Nunca se podem esquecer que o vosso preço é proporcional ao retorno que dão, seja ele financeiro ou pelo serviço que prestam. 
 
Se não souberem o que fazer, mentalizem-se que têm de investir/pagar a alguém. Ninguém irá dar nada gratuitamente e as queixas que todos ouvimos diariamente de falta de oportunidades são meramente desculpas de quem não compreende que não existem negócios sem investimento. Se ninguém abre um negócio sem dinheiro, como é que querem ser um prestador de serviços sem investir? Poderão dizer-me que são artistas, que "fazem arte" mas mesmo assim, a arte vale o que alguém está disposto a pagar por ela e só a compra quem quer. 
 
Se estão neste meio porque gostam da "arte de pôr música" ou de a produzir, tentem perceber se há quem goste, se há quem a queira consumir e quem queira pagar por ela. Se querem viver da música, têm de ter um produto ou serviço que outros queiram comprar ou que sejam impulsionados a adquirir através da promoção da mesma. As regras de mercado são as mesmas para a música e para os artistas como são para uma lata de refrigerante ou para um quadro pintado por um artista ou pintor. Enquanto continuarem à procura de alguém para trabalhar por vocês, continuarem com a desculpa de que não são o que queriam ser porque não vos dão oportunidades e enquanto não perceberem que nem todos podemos ser aquilo que sonhámos, vão continuar a viver num "limbo" de onde dificilmente irão conseguir sair.
 

Um artista tem de olhar para si como um produto. Produto esse que tem de ser constantemente promovido/divulgado e que seja "apetecível" a sua aquisição.

 
Possivelmente este será o texto mais duro que escrevi até hoje para um meio de comunicação mas tinha de o fazer. A partir do momento em que queres envolver dinheiro, as regras para este meio são as mesmas do resto do mercado. 
 
Se achas que o teu serviço de DJ é uma arte ou se a música que produzes tem de ser comprada ou "consumida", tens de perceber que ninguém é obrigado a "ouvir-te" e só te pagam por isso se quiserem ou se deres retorno a quem adquire os teus serviços. A partir do momento em que queres envolver dinheiro, as regras para este meio são as mesmas do resto do mercado.
 
Desculpas como "ser DJ é ser educador musical" ou "não quero produzir música comercial mas quero que a comprem" é algo que não faz sentido nenhum nos dias de hoje. Ninguém te disse que eras professor de educação musical nem ninguém compra algo que não quer consumir. Aproveito ainda este texto para esclarecer que música comercial é algo "vendável" e que seja comprada/adquirida, seja ela de que estilo for, do mais underground ao mais pop. Há música alternativa que é extremamente comercial e artistas sobejamente conhecidos e reconhecidos. Ouvir produtores dizerem que se recusam fazer música comercial mas depois querem que ela seja comprada, é algo que ainda estou a tentar perceber a lógica. 
 
Hoje vou terminar por aqui porque já estou a entrar no tópico do meu próximo artigo de opinião mas não vos posso deixar sem umas palavras mais motivadoras depois de tudo o que escrevi. Não deixem de perseguir os vossos sonhos. Como alguém disse uma vez, "o sonho comanda a vida", só precisam de entender que se querem colocar o dinheiro no meio do vosso sonho, então deixam de estar a sonhar e têm de viver a realidade.
 
Ricardo Silva
DWM Management
Publicado em Ricardo Silva
segunda, 03 junho 2013 19:59

O que fazer e o que mudar

Aceitei o desafio da 100% DJ para poder dirigir algumas palavras a todos os leitores/visitantes.
Escolher o tema para esta primeira crónica foi complicado. Não por não haver inspiração, mas porque há tanto para falar e dizer sobre a música, DJs, produtores e noite Portuguesa. 
 
Para quem não me conhece, sou o responsável pela DWM e representamos vários DJs e produtores Nacionais e fazemos o seu management.
Vou partilhar convosco alguns pensamentos e experiência adquirida em 20 anos de mercado. 
 
Em primeiro lugar, já é tempo de se mudar mentalidades entre DJs e produtores. Em Portugal em vez de se pensar em "crescer" profissionalmente, prefere-se deitar abaixo os colegas de profissão. Se olharmos para países como a Holanda ou a Suécia, vemos o quanto estamos errados. Não é a denegrir um colega que o nosso trabalho sai valorizado. Especialmente na produção, é altura de puxarmos uns pelos outros para conquistar o mercado Internacional. Portugal tem muitos e bons produtores que não são valorizados porque existe esta "guerrilha interna" onde ninguém ajuda ninguém e o "falar mal" é muito mais fácil. Todos os produtores sofrem com isto e não há quem saia beneficiado. 

Não é a denegrir um colega que o nosso trabalho sai valorizado. Especialmente na produção, é altura de puxarmos uns pelos outros para conquistar o mercado Internacional.

 
Dentro da produção, há algo que tem de ser interiorizado. Quem produz (independentemente do estilo) tem de perceber para quem a sonoridade é destinada. Vejo muitos produtores a lançarem faixas Afro, Latinas, com sonoridades Brasileiras, vocais em Português e que depois não compreendem porque é que não têm datas Internacionais ou não vendem as suas produções. O motivo é fácil de perceber. São estilos musicais destinados ao mercado interno, PALOP's, Brasil e comunidades Lusas. 
 
Não estou a dizer com isto que não o devem fazer, apenas pretendo que compreendam que é um produto esgotado, limitado geograficamente e pouco "consumido" quando se trata de vendas musicais. Ou conseguem produzir algo "fresh" e com um estilo muito próprio, ou estarão a produzir algo com limitações e muita concorrência. 
 
Ainda dentro da produção, outro erro recorrente é a produção excessiva de sonoridades mais "clubbing" onde a concorrência Internacional é feroz. Para esta situação é essencial editarem numa label Internacional que promova convenientemente a vossa faixa. Editar num "depósito" de faixas ou numa label Nacional, é apenas um capricho. A vossa música por mais qualidade que tenha, não chega como promo aos Top DJs Internacionais (que são quem a pode projectar ao ser tocada), não é divulgada, não há seguidores da label onde editam a faixa para a poderem ouvir (e comprar), etc.
 
 
Quais são as alternativas? 
Como é que se pode projectar a música e abrir portas para as actuações?
 
Chegamos a um ponto que muitos rejeitam e teimam em não aceitar. A Promoção. 
Quer gostem ou não, hoje em dia é essencial terem imensos Likes, Followers, Subscribers, etc. Se não querem investir, falam mal de quem paga anúncios publicitários, não investem em vídeo e imagem e julgam que só a música vai ser suficiente, então nunca vão sair do patamar onde estão. 
Se a vossa música não chega ao público e profissionais, se a quiserem oferecer (free download) mas não têm seguidores ou têm muito poucos, como é que alguém sabe do vosso trabalho se a informação não chegou ao destinatário?
 

Tirem da ideia que vão produzir uma faixa que vai ser um Hit se não tiverem uma máquina à vossa volta para projectar a vossa música.

Podem não saber como o fazer ou a melhor forma de executar. Afinal de contas, são DJs/produtores e não têm obrigação de saber alguma coisa de Marketing. Neste caso, recorram a profissionais. Contactem um management (que vão ter de pagar, não julguem que há alguém que vai trabalhar de borla), falem com um PR (Public Relations) que vos coloque a música nas rádios, "disparem" newsletters, etc., e mentalizem-se que para colher, têm de semear. 
 
Não existe nenhum produtor actualmente que tenha ganho notoriedade sem ter efectuado investimento em Marketing. Tirem da ideia que vão produzir uma faixa que vai ser um hit se não tiverem uma máquina à vossa volta para projectar a vossa música. 
 
 
Então e os DJs?
 
O DJ como o conhecíamos acabou. Sim... acabou. Quem conseguiu atingir patamares elevados, foi porque andou (anda) há muitos anos no mercado. Actualmente o DJ mudou. Com as novas tecnologias tornou-se fácil passar musica (o que para mim, por si só, não faz um DJ). 
 
Situações como tocar durante 5 ou 6 horas seguidas, saber "ler a pista" ou saber baixar a intensidade musical para os clientes irem ao bar consumir e agarrar a pista novamente, são coisas que os actuais DJs não sabem fazer. Foi incutida uma ideia diferente do que é na realidade um DJ, principalmente quando todos pensam em tocar num palco para milhares de pessoas, quando o lugar do DJ é numa cabine a fazer aquilo que sabe (ou sabia) fazer melhor que ninguém. 
 
Um DJ era um "educador musical". Hoje em dia, ninguém quer ser educado porque a Internet dá-lhe tudo para ele escolher por si e é influenciado pelo que ouve na rádio ou na TV. O DJ actual tem de mentalizar-se que tem de optar. Ou toca um estilo muito próprio e fica sujeito à aceitação do mercado e dos clubes que aceitam essa sonoridade, ou "regressa às origens" e é um executante musical que tem de tocar para o que o publico quer ouvir. 
 
Muitos estarão a pensar que vêm DJs a tocar em palcos para milhares de pessoas em Festivais por todo o mundo. Sim, é verdade, mas se virem bem, ou são DJs/produtores que vão para passar a sua música ou ficaram conhecidos por uma determinada faixa ou então são DJs com muitos anos de experiência que ganharam a sua notoriedade há anos atrás. 
 
Actualmente não há um único profissional que seja apenas DJ que nos últimos 6/7 anos tenha atingido a ribalta. Principalmente para os novos DJs que todos os dias aparecem, tirem da ideia que por saberem misturar com um software e passarem as músicas dos SHM, Avicii ou Hardwell, que isso irá levar-vos a algum palco Internacional ou atingir um patamar elevado.
 

Um DJ era um "educador musical". Hoje em dia, ninguém quer ser educado porque a Internet dá-lhe tudo para ele escolher por si e é influenciado pelo que ouve na rádio ou na TV.

O meu conselho para todos os DJs que agora surgiram, é o de procurarem uma residência para trabalhar. Se realmente é como dizem e argumentam (que a música é a vossa vida, o vosso sonho, etc.) vivam então a música como ela tem de ser vivida e principalmente pensem no que realmente querem. Se o que querem é ser um Hardwell, Avicii, Skrillex ou Carl Cox (seja qual for o estilo) sigam o vosso sonho por causa da música e nunca pela fama, dinheiro, prestigio, sexo, copos, etc. porque para atingirem um patamar elevado, não basta ter vontade, qualidade e sorte. Precisam de muito investimento financeiro, "padrinhos", contactos, imenso trabalho e mesmo assim nada é garantido. 
 
Por hoje é tudo e há muito mais para falar, mas o texto já vai longo.
 
Lembrem-se que a oferta é muita e a procura é pouca. Vivam um sonho mas não criem ilusões e valorizem os outros profissionais e principalmente os Portugueses, porque só dando as mãos, podemos sair para o Mundo que é um mercado muito maior que este País no cantinho da Europa.
 
Ricardo Silva
DWM Management
Publicado em Ricardo Silva
terça, 01 abril 2014 16:16

(Sem título)

Escrever nunca é fácil.
Sobretudo quando se trata de uma primeira vez: os temas escorregam, misturam-se e nem sempre à velocidade certa.
Andei com dúvidas. Queria falar sobre o Djiing no feminino. Não, quero falar das novas sonoridades. Não, quero falar da noite no geral. E, afinal, quero só contar uma história.
 
Hoje quando me sentei na minha Workstation, chuva de primavera a bater na janela, gata com fome, assuntos por resolver, era um dia que começava como os outros. Vi os mails, abri o Facebook e entre os posts delirantes de um 1 de Abril cinzento a noticia da morte de Frankie Knuckles. 
 
Pus o Your Love a tocar.
Homenagem pequena. Era eu também assim, pequena, quando aprendi a gostar de House Music. A minha entrada na rádio tratou de me afinar o ouvido, de me mostrar sonoridades que estavam longe dos meus hábitos e que tinham essa capacidade. A de me levar para longe.
 
Quando, anos depois, pensei que poderia ser uma musical contadora de histórias: ele estava lá. Referencia, reverência. Inspiração. Intocável.
Tal e qual está agora. Ah, a p*ta da insustentável leveza da vida. 
Lugar-comum, tanta verdade nunca antes dita: hoje ficamos mais pobres. Mas depois não. Porque se é o imaterial que nos enriquece, então temos hoje mais de estrela do que pó. Numa House Music pura, bonita, cheia de bom feeling. Pode ser que já não se ouça. Tanto melhor porque é coisa que se sente.
 
Como sempre, para sempre: obrigada pela inspiração. São breves linhas, as tais difíceis de escrever. Mas são a única coisa breve da tua partida, porque o que nos deixas é muito maior do que algum dia poderias imaginar. Há legados que não morrem. Mesmo assim, esta poderia ser uma mentira de 1 de Abril.
See you on the dancefloor, godfather.

 

Publicado em Mariana Couto
terça, 01 março 2016 20:53

Obrigação ou imposição?

Olá noctívagos, foi longo o tempo que passou desde a minha ausência neste meio editorial de temática noturna. O pedido de participação da 100% DJ estende-se desde longa data e várias foram as recusas, não por falta de interesse, não por falta do mérito neste editorial que merece desde sempre e cada vez mais o apoio dos profissionais da noite, simplesmente porque o meu rumo profissional foi-se afastando desde meio, nunca a 100%, mas a vida são portas que selecionamos, abrimos e fechamos no constante dia-a-dia. Atempadamente a 100% DJ fez o convite que foi aceite no momento, no entanto os dias passam a correr, as semanas e meses sem vermos vão riscando o calendário e dei por mim a 24 horas da entrega desta crónica. Não é fácil cumprir prazos editoriais, mas eu, confesso que abusei da boa vontade tão atempada por parte da 100% DJ. Com isto, dei por mim a pensar se escrever esta crónica seria uma obrigação ou uma imposição. A minha forma de escrita é direta e sincera, dito isto, a resposta não podia ser mais clara que, não é uma obrigação, nem é uma imposição, é o respeito pela 100% DJ, é o respeito pelos seus leitores.
 
Na noite há situações nas quais se aplicaria a mesma questão “obrigação ou imposição?”, ora vejamos, selecionemos uma das posições de profissionais mais aclamadas do sector, o DJ! É obrigação aceitar alguns trabalhos ou é imposto que o faça? É obrigação ter que tocar alguns temas ou é imposição? Focaremos inicialmente o primeiro ponto. O aceitar algumas datas, gigs, trabalhos, como acharem melhor expressão, vai depender muito da carreira do mesmo, do “estatuto” que o mesmo conseguiu ganhar, conquistar e alcançar. Um artista em início de carreira e completamente amador deverá aceitar todo e qualquer tipo de trabalho, é em prólogo do mesmo esta aprendizagem, o ganhar experiência, sujeitar-se mesmo àquelas casas que nada conhece e por vezes de pista vazia…
 
Um DJ em início de carreira mas já com nome “regional”, não diria que bloqueia casas que não são do seu interesse, mas não aceita caches ridículos, não aceita tocar numa casa que trabalhe com um estilo musical com que não se identifica, ou fora da sua zona de conforto; este modelo ambiciona alcançar mais degraus, patamares e estatuto, preocupa-se com cada passo que possa dar em falso, prejudicando o seu futuro.
 

(…) pedir uma kizomba, a um DJ bem definido na vertente Techno, House, ou mesmo EDM, seria no mínimo ridículo (…)

 
Por fim, temos o DJ de renome, e não, não falo de um estatuto “topo”, não falo do artista que já alcançou inclusive renome internacional, este, antes de aqui chegar esteve anos num “piso” que não é “carne nem é peixe”, no entanto é alguém com nome no mercado, é aquele artista que no mínimo quando é falado, quem não conhece, responde, “não sei quem é, mas já ouvi falar”. Este artista está num patamar em que se pode dar ao luxo de selecionar onde irá tocar, esta questão pode não só partir de pontos pessoais, como de uma questão de gestão de carreira, ou seja, não tocar repetidamente num raio de quilómetros dentro de um determinado tempo de modo a não cansar o mercado e por sua vez o seu nome. Esta gestão neste patamar é já muitas vezes feita por um manager ou um bom booker que tenha capacidade de aconselhamento. Aquando a chegada a este “estatuto” o artista jamais aceita tocar num evento, ou numa casa que não seja o seu estilo musical (já muito bem definido neste patamar), a título de exemplo, pedir uma kizomba, a um DJ bem definido na vertente Techno, House, ou mesmo EDM, seria no mínimo ridículo, e o próprio público com “dois palmos de testa” nem se atreveria a fazer este pedido, isto aquando conseguida a aproximação do artista, muitas vezes inalcançada já neste DJ.
 
“Estatuto” - palavra tão usada nas linhas anteriores, de ânimo leve, bem sei, trata-se de anos de trabalho, nos quais tantos ficam “à sombra da bananeira” e acabam por desistir.
 
Em suma, e tentando concluir sem me alongar este ponto, até serem “gente”, sejam humildes! Vivemos uma geração em que está na moda ser DJ, quem leva esta profissão a sério são poucos, o que torna tudo muito mais difícil. “Obrigação ou imposição?” - depende de ti!
 
A música, o género, as faixas! 
É aqui que se coloca a grande questão, a prova de fogo. Para bons entendedores, as linhas anteriores serviriam de resposta a este segundo ponto. No entanto, vivemos nos últimos anos a “geração Juke Box”, dou por mim a partilhar a cabine com profissionais, colegas, amigos, que são abordados constantemente ao longo da noite com pedidos de temas, géneros e autores. Ora… falemos do passado, a cabine do Disc Jockey não era inacessível ao público há 15 anos porque ele tinha mau feitio, era justo por situações como a descrita agora.
 

(…) um DJ, nomeadamente os residentes, tantas vezes esquecidos, e são quem exerce a função de melhor escola dentro da profissão (…)

 
Escuto entre conversas, entre amigos de profissão, entre profissionais por diversas vezes, que o público é limitado, pede sempre os mesmos temas! A questão impõe-se: devo ou não ceder a estes pedidos?
 
Serei obrigado? Sinto a imposição do público…
 
Como tudo na vida aplica-se o bom senso, o nem 8 nem 80, mas acima de tudo, se um DJ, nomeadamente os residentes, tantas vezes esquecidos, e são quem exerce a função de melhor escola dentro da profissão, um artista que toca numa casa de estilo misto e que acabou de tocar mais de 15 minutos de kizomba, muda o seu estilo para house ou qualquer outro, e eis que surge o “piolho” do público a pedir aquele tema da moda dentro do género “kizomba”, é óbvio que este pedido deve ser totalmente ignorado! 
 
Eis que se coloca a grande questão… “mas passado uma hora devo repetir? É uma obrigação? Ou é uma imposição?” Tantas vezes do público, tantas outras do gerente ou proprietário da casa. A resposta certa?! Gostaria de dizer que não! Não vão repetir um tema que acabaram de tocar, MESMO HÁ UMA HORA ATRÁS! Lembram-se do bom senso? Eis a hora de aplicar o mesmo. Para obter a resposta, pensem, ou perguntem-se! Quem sou eu? Onde estou a tocar? Mas acima de tudo… quem está na pista? A noite é um negócio! A mercearia vende batatas, o banco notas e a discoteca bebidas, consumidas por quem vos ouve, sem eles, não és nada! É a eles que tens de agradar! Significa isso que tens de te repetir? Significa isso que tens de fazer um mau trabalho que não gostas nem consideras correto? Volta ao ponto 1! Em que patamar estás tu?
 
Obrigação ou imposição? Foste obrigado a colocar ou a tocar aquele género musical? Foi-te imposto aquele tema? 
 
Não! O bom senso! Tu mesmo deverás chegar à resposta do que foi certo naquele momento. Naquela casa. Naquele gig. Naquele momento da tua carreira! Mas acima de tudo, o que o público estava a sentir.
 
Mais que um profissional, és um educador musical. Não o fazes por obrigação, não o fazes por imposição. É a profissão que escolheste, é isso que queres ser?
 
Ivo Bacelar
Publicado em Ivo Bacelar
quarta, 03 julho 2013 21:18

Summer Sessions

 
Uma crónica de Verão tem sempre muito que se lhe diga. E tem, principalmente, porque como a "Silly Season" costuma ser a patetice pegada em quase todas as áreas, escrever coisas sérias parece-me também pretensioso...
 
Sublinho o quase, porque se houver, no entanto, a viabilidade de algum motivo sério de conversa... talvez essa seja a da área da Música. Sim, é a época áurea do rodopio de internacionais, cá a poisar na terrinha. E cada canto vai ter um. Ou mais.
 
Festivais "à séria", festas "da terrinha" e populares, discotecas da moda e "disco-nights" da aldeia... tudo vai ter os seus Steve Angelos, David Guettas e Axwells da vida , os seus Allessos e Hardweels, Sashas milionários e com quase pornográficos cachets.
 
Eles vão a todas. Desde a grandes certames de qualidade, com outros grandes nomes comerciais lado a lado no cartaz, como se "sujeitam" a locais estranhos em que o dono é um qualquer novo rico  do local que decide "fazer mexer" a terriola e desembolsa 50 mil euros para um destes monstros da house music tocar a seguir ao residente Huguinho, Zézinho ou Luisinho.
 
Por isso é que o meu amor pela música eletrónica se mantém fiel a alguns dos que considero "estrelas" à séria, não porque exigem 100 mil euros por set, mas porque mantém a coerência e o cuidado quanto aos eventos em que se envolvem.
 
Ritchie Hawtin, Plasticman, Marco Carola, Dubfire, Steve Lawler, Loco Dice... são alguns aos quais, sim, tiro o chapéu. Tocam no que considero os melhores Clubes. E há uma real diferença entre Discoteca e Club. As primeiras são para massas, os segundos para amantes de música. E para estes estes senhores não há cá "pão para malucos"... tocam e tocam bem, não há cá buzinadas e loops de 2 minutos. Eles continuam a encantar e são elitistas nos sítios que escolhem para trabalhar e por isso... os sítios também fazem "nome" ligado a eles.
 
A bola de neve é esta: um DJ e um estilo, fazem a onda do espaço e o espaço onde toca, vai criando pouco a pouco a verdadeira credibilidade do DJ.
 
Os nomes que falei também são grandes e não podem sequer ser considerados "alternativos", mas basta não serem "vendidos" e manterem a sua linha musical para os aplaudir de pé. Não vivem do hit do momento, mas sim da carreira consolidada, não arrastam os miúdos de 18 anos mas o público da minha geração, dos 30, os que cresceram com o puro house e com o tecno apurado. Para mim, a base de tudo o resto.
 
As festas, nesta altura multiplicam-se. Mesmo!! Cada beco tem a sua e parece que o dinheiro cresce, num tempo de crise anunciada, vivida e choramingada  por quase todos - mesmo na noite, onde tantas casas têm fechado portas - para competir com o "vizinho" do lado que trouxe o DJ X ou Y. Por vezes, batalhas ganhas, por vezes perdidas. E a quantos lamentos de produtores, já assisti, quando ao investirem largos milhares "certos de retorno", se tornam menos certos e perdem outras tantas milenas, que inviabilizam os Verões e Invernos seguintes.
 

É Verão, "Silly Season" e a melhor altura de trabalho, com mais mercado para os DJs, com mais público na rua, com mais dinheiro para gastar.

 
Quero chegar ao seguinte: DJ de renome já foi dinheiro certo em caixa, já lá vão os tempos em que se gastava 100 mil para ganhar 300... Mas nessa altura, haviam 4 ou 5 festivais, não 50. Mas nessa altura os DJs conceituados eram 10 no mundo e não 100. Mas os cachets a que chamávamos milionários eram de 10 mil euros e não 100 mil. As apostas hoje em dia já não são tão certeiras, há quem se ria e há quem chore. E depois ainda há os "sets de merda" a que nos submetem por ser o que o povinho que enche as casas quer ouvir…
 
Uff... Volto à carga. É Verão, "silly season" e a melhor altura de trabalho, com mais mercado para os DJs, com mais público na rua, com mais dinheiro para gastar. Mas é também, cada vez mais, nos tempos que correm, altura mais do que obrigatória para fazer triagem. Não ir a "todas" (nem como DJ e muito menos como público) e, a não ser que se vá para "ver as gajas"..., escolher a vibe e a qualidade musical que se procura e aí sim... seguir a "Yelow Brick Road" até... ao bom festival mais próximo!
 
Neo Pop, Refresh e numa onda mais comercial - Azurara... Para mim são os eleitos. Não que seja lei, mas é a minha opinião até porque o Verão é feito de brisas e por aí vão sempre existir os momentos que elegemos como nossos e marcantes, as memórias que farão parte da nossa vida e claro, sempre com a banda sonora perfeita, a que se adequou à hora certa, e com a batida que tinha que ser. 
 
A procura é nossa, a escolha também, a coerência faz parte dessa escolha. E quem ama a Club Scene, sabe do que falo, não sabe?
 
Bom Verão e encontramo-nos por aí? Nas boas e quem sabe, até nas medíocres festas! 
 
Como DJ, RP e Music Blogger... no fundo, terei que "papar" com o bom e com o mau, para poder falar com conhecimento de causa e claro... ganhar o meu. :)
 
Certo?
 
 
Rita Mendes
Publicado em Rita Mendes
terça, 05 setembro 2017 17:49

Eu ainda acredito

Acabou o verão (leia-se Julho e Agosto) e regressamos a outra realidade para os DJs Portugueses. Voltam a olhar para os clubes/discotecas como a sua fonte principal de rendimento, depois de dois meses em que puderam pisar palcos por todo o país.
 
Estamos claramente na mudança para um novo ciclo da música electrónica onde apenas alguns conseguirão manter-se no mercado. Durante vários anos vimos o aparecimento de “fornadas” de novos DJs (peço desculpa pelo uso da palavra) e rapidamente perceberam que ser DJ não é tocar uma playlist de um PC e de um controlador ou produzir música com uns samples “sacados” da net e fazer umas coisas num programa pirata. 
O mercado está a mudar novamente e "o DJ" perdeu imenso do espaço que tinha conquistado nos últimos cinco anos. 
Os palcos perderam a necessidade de fazer um cartaz repleto de DJs que nada de novo trouxeram ao mercado nos últimos três anos. Um formato "gasto", baseado no "show off" e utilização excessiva de "efeitos especiais" que deviam servir de "complemento" e tornaram-se na própria actuação, relegando para segundo plano o principal - a música. 
 
Quem conseguiu perceber "o caminho certo" foi quem conseguiu manter e afirmar-se. Os Turntablists, DJs de Hip Hop e principalmente os DJs com sonoridades mais "clubbing" (House, Techouse, etc.) conquistaram o seu espaço por mérito próprio e temos assistido a um crescimento de festivais e eventos com essas sonoridades por todo o país e com uma autêntica legião de seguidores.
 

Durante vários anos assistimos à degradação da profissão de DJ por culpa própria.

 
Ninguém consegue prever o futuro mas tudo indica que vamos ter um novo ciclo onde a "música de fusão" pode ser a única alternativa para todos aqueles DJs que quiseram afirmar-se com estilos que "só servem" para festivais e com uma produção gigantesca em torno da actuação. Querer actuar em clubes/discotecas regularmente e massacrar os clientes com Big Room e Electro deixou de fazer sentido (excepto se o evento ou temática for adequada).
 
Durante vários anos assistimos à degradação da profissão de DJ por culpa própria. Qualquer um era DJ. O dono da casa, a malta que saiu dos Reality Shows, as figuras públicas que não tinham trabalho, o desempregado que achou que era fácil, o "modelo" que ficou velho e ficou sem trabalho, o "puto" da escola preparatória que queria ser o David Guetta ou as "raparigas ou rapazes" que queriam ser "famosos" e que para eles a música não era o importante.
 
Dizer a alguém "sou DJ", deixou de ser algo que era dito com orgulho. Deixou de ser aquela pessoa que tinha cultura, conhecimento musical, a pessoa que tinha capacidade para "mexer contigo" durante 5 ou 6 horas para passar a ser um indivíduo que mete uma playlist durante 1h00, dispara uns confetis e CO2 e vai para casa com o ego em alta a pensar que é o melhor artista do mundo.
 
Perdeu-se o principal... A MÚSICA.
 
O DJ deixou de o ser para passar a ser um mero "entertainer". Alguém que "não precisa" de ter "skills", alguém que não "arrisca" e testa novas músicas e sonoridades. O DJ é alguém que é uma cópia de outro DJ que tem mais sucesso que ele. O DJ deixou de ser um "educador musical" para ser uma "jukebox" em que ele lá estar a ser pago pelo serviço que presta ou uma caixa onde inserimos moedas e escolhemos o que queremos ouvir é a mesma coisa.
 
Eu ainda acredito que há esperança para a profissão tão nobre que é ser DJ. 
Acredito que vai piorar antes de melhorar mas que os DJs voltarão às cabines e deixarão os palcos onde tocam playlists. Acredito que o verdadeiro DJ ainda existe e está apenas "adormecido" e a aguardar que esta fantochada termine. 
Eu ainda acredito nos verdadeiros DJs.

Ricardo Silva
DWM Management
Publicado em Ricardo Silva
quinta, 10 julho 2014 22:20

Agente ou não? Eis a questão

 
Ter ou não ter um agente ou um manager? Acho que essa é a questão de tantos DJs, a partir de certa altura. Os prós e os contras existem, dependendo da direção que se quer seguir, a de continuar a ser "o amiguinho" dos donos das festas e dos clubes (aqui também há vantagens e desvantagens) ou a de tentar profissionalizar a coisa no mercado, que, como o português, pouco ou nada é "profissionalizável" (lol)... e com que pena digo eu isto... assumo que acredito muito pouco em algumas empresas de eventos, que tantas vezes nem coletadas estão... enfim, mas isso já é outra praia... porque também os há, os idóneos e com essa mão cheia de gente dá mesmo gosto trabalhar.
 
Ter ou não ter um agente ou um manager? Das duas uma: ou quando as coisas não estão a correr bem e se precisa de um input de carreira ou então porque as coisas correm tão bem e as solicitações são tantas que se precisa de alguém que faça a sua gestão como de deve ser.
 
Sim... para profissionalizar a coisa, ter um agente é um "must", mas os agentes são mesmo isso... "a-gente". E aqui, há, como em tudo, gente "da boa" e gente "da má". Por isso, este passo é de extrema importância para um DJ ou qualquer outro artista - sei de histórias de extrema empatia e sei de outras que acabaram em lutas de cão e gato daquelas à séria...
 
Ter uma pessoa que nos represente pode ser condicionante para a consolidação da nossa carreira ou para o fracasso da mesma. 
 
Para mim, estas serão as exigências que qualquer DJ tem que ter atenção para que um "namoro" passe a "casamento": A imagem dele(a) tem que ter a ver necessariamente com a do artista. Ele(a) será um pouco como o cartão-de-visita do mesmo. Imaginem um metaleiro a tratar dos teus gigs de DJ de house... não liga pois não?!
 

Imaginem um metaleiro a tratar dos teus gigs de DJ de house... não liga pois não?!

Terá sempre que ficar bem assente, em conversas quase formais para que não se desfoquem, se a direção que o artista deseja para a sua carreira e a que o agente/manager está a estruturar correspondem aos mesmos desejos (imaginem um estar na onda dos sunsets e o outros vendê-lo para afters.)
 
Um agente pode negociar valores e um DJ, nunca deve ir por trás e renegocia-los (nem que isso, nos corroa por dentro...)
 
Um agente deve orientar o agenciado, mas a última palavra deverá ser sempre do DJ (há quem prometa mundos e fundos… mas a vida é nossa e daqui a um ano ou dois, se o agente já cá não estiver, o seu "legado" mantém-se e muitas vezes a imagem criada nessa época também, nunca nos esqueçamos disso)
 
Por fim, deixem-me só dizer que ter um agente e ter um manager não é a mesma coisa. Um agente "vende", faz "booking", trabalha com o material que existe, é um "flirt" na tua vida. Um manager é quase como um novo membro da família. Normalmente quando estão empenhados e são bons no que fazem, são quase como uma sombra de ti mesmo. Ajudam-te a construir uma imagem específica, criam situações quando não as há, são criativos a arranjar trabalhos, vivem-te e respiram-te. São raros. Mas existem. Encontrá-los é que não é fácil. Muitas vezes, pagar-lhes... também não.
 
Como em tudo, quem é bom merece a nossa confiança, mas todo o cuidado é pouco, principalmente para alguém, que, como eu e outros, já temos um caminho percorrido e um nome criado na praça. Quantos "agentes" julgam que encontraram a "galinha de ovos de ouro" e depois o trabalho afinal no terreno não é tão fácil como acreditavam ser e passamos de "bestiais a bestas" num ápice... não, cruzes credo! Desses cá não queremos! Mas aqui entre nós... já me calharam uns quantos oportunistas no caminho e que depois não são de fácil desapego.
 

(...) esta questão é tal e qual como numa relação amorosa, pode ser um pau de dois bicos: Ou uma prisão e foco de tensão, ou um descanso e sensação de companheirismo e foco.

 
Ter visibilidade pública é um "acepipe" muito grande para alguns passarões, tenham cuidado. Mas não desmotivem. Olhem para mim, ao fim de algumas relações falhadas, encontrei a minha "alma gémea". Não, não dormimos juntas, nem damos beijinhos na boca, mas partilhamos ideais, sonhos criativos, temos elasticidade suficiente para ir criando estratégias de acordo com as exigências do mercado e… sinto-me acompanhada o que é tão bom para uma pessoa como eu. Nunca gostei de caminhar sozinha mas também estou tão queimada com as "más companhias" que o destino me foi oferecendo ao longo dos anos, que encontrar a pessoa certa é uma bênção.
 
Ter ou não ter um agente ou um manager? Então cá vai: para mim, esta questão é tal e qual como numa relação amorosa, pode ser um pau de dois bicos: Ou uma prisão e foco de tensão, ou um descanso e sensação de companheirismo e foco. Resta-me desejar-vos sorte na escolha da pessoa que vos acompanha e no percurso da vossa carreira.
 
Beijinhos eletrónicos e cheios de boas vibes! ;)
 
Rita Mendes
Publicado em Rita Mendes
terça, 31 maio 2016 23:04

Vale a pena continuar a fazer música?

De vez em quando esta pergunta surge-me nas muitas horas em que estou em estúdio, a produzir/misturar/ masterizar novos temas. Vale mesmo a pena perder tantas horas no “bunker” a produzir novas músicas que, muito a custo, chegam aos DJs/Produtores aos quais eu quero que cheguem, ou até mesmo ao público que eu acho que vai ouvir/tocar os meus temas? É uma pergunta pertinente...
 
Já se sabe que hoje em dia, as vendas de música online descem de ano para ano. Pelo menos é o que dizem os distribuidores/lojas online aos artistas/editoras, e em parte deve ser verdade porque pelo que ouço, a maior parte da malta mais nova (e não só...) nem sequer se dá ao trabalho de ir às lojas legais comprar os temas, que na sua maior parte custam entre 1.50 e 2.50 consoante sejam novidades ou não. Procuram nas páginas de descarga gratuita, procuram no Youtube e tentam fazer o “download”, entre outros métodos. Há até algumas páginas que disponibilizam os temas por “megabyte” ou seja, pagas por quantidade de informação que descarregas e não por tema/álbum individualmente. Escusado será dizer que nenhuma parte desse dinheiro chega aos artistas/editoras...
 
Lembro-me de quando começaram as vendas online (o Beatport abriu em 2004), ainda se vendiam bastantes discos em vinil. No caso da Magna Recordings, eram os suficientes para podermos pagar toda a produção dos discos seguintes aos artistas e ainda sobrava algum para pagarmos as despesas. Na altura dizia-se que com a venda online, os nossos temas iam passar a ser vendidos em todo o lado, de uma forma mais prática, e que não iriamos ter todas as despesas do processo de fabricação dos discos em vinil, que eram muitas. Era sempre um risco grande editar um disco em vinil porque os custos de produção eram altos.
 
Essa teoria até foi correcta durante algum tempo. As edições em vinil e em digital existiram em simultâneo durante algum tempo e a venda em formato digital complementava a dos discos em vinil. Até que o medo que as pessoas tinham em ser apanhadas a fazer download ilegal dos temas, desapareceu. Com o avanço das velocidades de descarga, essa situação chegou aos jogos, aos filmes, aplicações, a praticamente tudo.
Sinceramente ainda pensei que quando os downloads ilegais chegaram aos filmes e aos jogos, finalmente algo iria ser feito para controlar essa situação, uma vez que já não era só a indústria musical que estava ameaçada mas sim várias indústrias de entretenimento que representam milhares de milhões de dólares.
Estava enganado.
 

Infelizmente (ou talvez não) não sou dos produtores que demoram 4 horas a fazer uma música.

 
E chegámos aos dias de hoje. Milhares de músicas são editadas todos os dias nas várias lojas online que existem. O avanço da tecnologia e consequente descida de preço do equipamento, provocou que cada vez mais pessoas se dedicassem à produção de música, seja ela electrónica ou não. Obviamente isso é positivo, mas essa situação provocou uma “avalanche” de música. Claro que no meio de milhares de temas, há muitos em que a qualidade não é a melhor, o que torna cada vez mais difícil encontrar “aquele” tema que vai fazer a diferença no “set”.¬ Por isso, cada vez é mais difícil um bom tema ter algum destaque nas lojas online. Há várias maneiras “menos convencionais” para colocar um tema nos charts de vendas do Beatport, praticamente todas passam por comprar as próprias músicas para que estas subam nos charts de vendas e tenham visibilidade. Eu recuso-me frontalmente a ter que pagar para isso! 
 
 
É verdade que para ter visibilidade hoje em dia há que editar muitos temas, e que a maior parte desses temas cheguem aos charts de vendas. É isso que (pelo menos em teoria) te vai ajudar a ter mais “gigs”. É um facto que se queres realmente ter destaque a nível Internacional, terás que ter temas que se destaquem lá fora. Mas RECUSO-ME a ter que pagar para que isso aconteça! Se uma música minha entrar num top de vendas, óptimo, se não entrar, óptimo também. Claro que se não entrar vai chegar a menos pessoas, até porque com a quantidade de temas que saem todos os dias, uma das “táticas” para comprar música é ouvir o que está nos charts. Eu próprio faço isso quando compro música.
 
Infelizmente (ou talvez não) não sou dos produtores que demoram 4 horas a fazer uma música. Vejo muitos a dizer no Facebook “mais uma música terminada, em 4 horas!!”. Claro que com os “packs” de “samples” que há à venda é relativamente fácil fazer um tema, em 4 horas, só a juntar “samples”. Mas sinceramente esse não é o meu conceito. Obviamente não tenho nada contra quem consegue (e alguns fazem-no muito bem!) fazer um tema em 4 horas, mas o meu processo é mais lento, e passa por alterar muito dos “samples” que uso nos temas, acrescentar os meus “baixos”, os meus efeitos, etc. É um processo lento de criação que provavelmente eu deveria “acelerar” para ser mais produtivo, para ter mais temas/remisturas no mercado e assim ter mais possibilidades de chegar aos charts de vendas.
 

Não há nada melhor que levarmos o nosso tema novo a “testar” a um club/evento.

 
Cada vez que a pergunta do título desta Crónica me aparece e a dúvida me ocorre, a resposta também me aparece em seguida: SIM, vale a pena “perder tempo” a fazer música! Não há nada melhor que levarmos o nosso tema novo a “testar” a um club/evento e que este funcione muito bem, o público “salte” e que a “pista” se manifeste efusivamente, mesmo não sabendo que tema é, nem quem é o seu autor. É uma sensação única que “apaga” logo todos os “problemas” que surgiram na sua criação, todas as “frustrações”, todos os “test mixes”, todas as alterações que fizemos e que não estavam bem. Mas todo esse (no meu caso, longo) processo contribuiu para o resultado final!
 
Por isso se realmente querem ir mais longe na vossa carreira como DJ, o meu conselho é: mesmo naqueles momentos em que mandaram as vossas demos para 50 editoras e nenhuma respondeu, mandaram o vosso tema novo para os vossos DJs favoritos e nenhum deles respondeu, não desistam! Insistam, ouçam e comparem os temas que mais gostam com os vossos e vejam onde podem melhorar. Se conseguirem fazer isso, mais cedo ou mais tarde, a vossa oportunidade vai chegar. Acreditem nisso!
 
Carlos Manaça
 
(Carlos Manaça escreve de acordo com a antiga ortografia)
Publicado em Carlos Manaça
quarta, 05 junho 2019 21:55

Miss Sheila - 20 Anos de Música

Para a minha primeira crónica de 2019, o tema selecionado é imprescindivelmente o meu 20.º aniversário de carreira e o meu percurso no mundo da música, desde o dia "zero", até aos dias de hoje.

20 anos, parece que foi ontem, no entanto muito tempo se passou desde o dia em que fiz a minha primeira atuação profissional ao vivo. "20", não é o número exacto e correspondente à minha ligação com a musica electrónica, mais concretamente com o "House e Techno". Comecei bem antes de 1999, a experiência das primeiras "raves", o meu cargo na Bimotor DJ com as encomendas internacionais de vinyl para Portugal, os eventos no Rocks, a Kaos Records, a Supersonic... tudo isto e muito mais faz parte da minha introdução ao "mundo" que hoje chamo "meu", e um importante pilar naquilo que hoje sou.

Resumir a minha carreira não é de todo tarefa fácil. 
Sempre tive uma imensa paixão pela música. Nasci em Sasolburg (Africa de Sul), depois vivi em Nova York, até que conheci o maravilhoso país que é Portugal, onde passei a residir.

Iniciei bem cedo a minha experiência com a música no geral, já nos Estados Unidos, com as aulas de piano, flauta e bateria. Sempre senti que eu e a musica éramos mais que meros "conhecidos", havia algo que me fazia sentir bem e em harmonia, sempre que ouvia um tema com que me identificasse. Naturalmente, senti a necessidade de partilhar esses sentimentos. Daí surgiram as primeiras experiências com a arte do "DJing", isto já em Portugal, no bar do qual era proprietária em conjunto com o meu irmão. Malibu Bar, era na Praia De Esmoriz e foi onde tive a oportunidade de dar início e desenvolver a minha paixão pela electrónica. Na altura, Esmoriz era prova-velmente uma das cidades onde residiam mais DJs. A forma como falávamos acerca dos temas mais recentes, do panorama no geral, contribuiu bastante para aquilo que sou hoje e para todo o "background" que ganhei.

Considero que tenho uma carreira solida e sinto-me imensamente grata por isso. Contudo, o processo de gestão de uma carreira para que tudo prevaleça de forma relevante e consistente não é de todo fácil, tema que já abordei de uma forma mais concreta na minha Crónica de Opinião: "A Máquina atrás do artista".

Fazendo uma retrospectiva, passei por varias gerações. Inicialmente onde apenas existia o "vinyl",  aquelas malas pesadas e os "White Labe" exclusivos, posteriormente o início da "Era Digital", onde surgiram os primeiros "CDjs", mais atualmente os DJ Softwares. Todo este processo de evolução no que diz respeito às ferramentas para actuação fez-me ganhar bastante experiência, que se reflete nos dias de hoje, sempre que saio para trabalhar.
 
A música também mudou bastante, felizmente a música boa nunca vai acabar, isto é algo certo, mas é normal que existam mudanças, devido às influências (culturais, sociais, políticas) ou mesmo ao material de estúdio, que em paralelo ao de performance ao vivo, também foi alvo de um grande "upgrade" ao longos dos tempos.

A música também mudou bastante, felizmente a música boa nunca vai acabar, isto é algo certo, mas é normal que existam mudanças, devido às influências (culturais, sociais, políticas) ou mesmo ao material de estúdio, que em paralelo ao de performance ao vivo, também foi alvo de um grande "upgrade" ao longos dos tempos.


Resumidamente, o facto de no início não ser tudo tão simplificado, fez com que eu e os artistas da minha geração tivéssemos que nos esforçar um pouco mais para que o produto final fosse o mais perfeito possível.

A nível do trabalho de estúdio e produção, como já referi inicialmente, também houve um grande desenvolvimento, seja a nível do Hardware, Software ou mesmo a forma como a informação é partilhada.

Editei o meu primeiro disco em 2001, pela conceituada "Tango" em parceira com o Joeski. Desde aí fui desenvolvendo as técnicas de forma intensa e editando originais e remisturas um pouco pelos quatro cantos do mundo, Digital Waves, Kaos, Magna (Portugal), Fresh Form, Datagroove (Espanha), Moderate (Itália), Fatal (Holanda), Na-nowave (Japão), Tango (EUA), Hypno (Reino Unido) e mais recentemente pela conceitua-da e restrita Natura Viva onde apenas figuram os melhores do mundo. 

De salientar também que em 2014 realizei um dos meus sonhos, abrir uma editora. A minha Digital Waves está também de parabéns em 2019 com os seus já 5 anos de existência. Estou a preparar desde Janeiro alguns temas, que vão sair até ao final do ano juntamente com tudo o que está projectado entre mim e a minha agência para esta temática.

Para finalizar, durante todo este percurso tive o prazer de conhecer pessoas fantásticas e conhecer outros países e culturas, como foi mais concretamente o caso de Nova Iorque, Ibiza, Geneva, Luanda, Cidade do Sal, Luxemburgo, Rotterdam, Bruxelas, Funchal, Lyon, Hartford, Sevilha, Vigo, Neuchatêl, Friburgo, Amsterdão, entre muitas ou-tras fantásticas cidades do mundo, como Portugal, obviamente! 

Assim sendo e de forma a celebrar este marco na minha carreira, do qual não podia estar mais grata por cada minuto, decidi retribuir todo o apoio e carinho que recebi ao longo dos anos, com a temática "20 Years of Music", que irá originar dois grandes eventos no final do ano. Um a Norte e outro a Sul. Mais novidades estão planeadas para sair, por isso fiquem atentos, este ano festejamos juntos.
 
Publicado em Miss Sheila
terça, 04 julho 2017 22:50

Algarve: destino de festa

A noite algarvia é um tema recorrente na minha vida, perguntam-me frequentemente por ela – como é? Como está? E por aí em diante – especialmente quando vou em tour para o Brasil, país irmão e cheio de curiosidade pela cena portuguesa.
 
Nasci e cresci no Algarve, e com mais de 20 anos como DJ foi no Algarve que tive as primeiras oportunidades da minha carreira. Essas oportunidades aconteceram em espaços que fazem hoje parte da história e são referências quando se fala da dance scene nacional. A primeira de todas foi como DJ residente do bar Mitto, em Albufeira, que se tornou lugar de visita obrigatória para todos as pessoas influentes na noite de Lisboa e Porto que iam sempre lá no início da noite. Com a palavra a passar e uma clientela conhecedora da música e do meio, o meu trabalho no Mitto resultou num convite para tocar em algumas noites do Capítulo V, um club único, com um glamour e uma clientela selecionada a dedo, e que não voltou a repetir-se na cena nacional.
 
Algum tempo depois, em 1998, fui convidado para ser DJ residente da Locomia, que vivia os seus anos de ouro que ficaram inscritos na história da electrónica nacional. Ali, na cabine com vista para a Praia de Santa Eulália, pude tocar com praticamente todos os nomes de referência da dance scene mundial tanto do techno (que fazia as festas de sexta-feira), como do house (aos sábados). Partilhar a cabine com vultos como Deep Dish, Erick Morillo, David Morales, Richie Hawtin, Jeff Mills, ou Frankie Knuckles, entre muitos outros.
 
O Mitto, o Capítulo V e a Locomia foram as minhas escolas musicais, naquelas cabines aprendi tudo sobre a arte de ser DJ, da comunicação com o público ao trabalho de fazer, com ele, uma viagem musical e, em última instância como a política musical constrói uma casa.
 
Escrever sobre o Algarve sem mencionar a Páscoa é quase impossível. No final dos anos 90 e início dos anos 2000, as férias da Páscoa eram obrigatórias ser passadas no Algarve. Nessa altura do ano as casas do Norte do país assentavam arraiais no Algarve e havia uma sucessão louca de festas com nomes nacionais e internacionais de referência. Vejo as festas à tarde na piscina da Locomia como a pré-história dos sunsets de hoje. Recentemente tive oportunidade de rever o Little Louie Vega, e não é que ele se recordava de lá estar a atuar com Masters at Work?
 

Vejo o fenómeno dos sunsets como uma alternativa muito saudável e inclusiva – permite que todos, independentemente da idade, possam frequentar a festa.

 
O que nos ficou desses tempos em que a Páscoa era no Algarve, e não num Spring break na costa espanhola, foram os sunsets. Apesar desta perda para Espanha – e os operadores turísticos deviam pensar em relocalizar as celebrações dos finalistas para o Algarve – tudo se tem vindo a transformar, e surgem novos espaços que apesar de existirem apenas 20 a 30 noites entre Julho e Agosto, trazem novidades a cada noite enriquecendo a cena nacional.
 
Vejo o fenómeno dos sunsets como uma alternativa muito saudável e inclusiva – permite que todos, independentemente da idade, possam frequentar a festa. Por ser durante o dia e porque as pessoas que estão na praia são “seduzidas” pela música que os DJs tocam em alguns espaços nas mais diversas praias algarvias. As pessoas acabam por se agrupar perto destes "beach points", e ficam a dançar e a curtir até para lá das 22h.
 
As festas nos barcos também eram, e continuam a ser, muito procuradas. Apesar de terem uma vertente e um público mais alternativo são momentos únicos e espetaculares que o Algarve continua a oferecer. Aqui destaco as que participei com a subida pelo Rio Guadiana em que o barco que fazia a travessia de pessoas pra Espanha, saía de Vila Real de Sto. António, e regressava ao final das tardes de verão.
Fui acompanhando sempre muito de perto as tendências e mudanças dos mais variados espaços no Algarve, como algarvio de gema, e há muitos anos que realizo um sunset em parceria com o grupo No Solo Água, que começou em Vilamoura e em 2011 ganhou a designação por que ficaria conhecido até hoje: Infinity Sunset by Pete Tha Zouk.
 
Na segunda edição, ainda em Vilamoura, decidi saltar de paraquedas e aterrar numa praia da Falésia repleta de gente, 18 mil pessoas segundo as contas oficiais, e depois de aterrar fui conduzido à cabine onde toquei mais de 5 horas de set. Foi algo único, com a adrenalina no máximo, e absolutamente inesquecível na minha carreira de DJ.
Este ano marquem a data de 13 de Agosto nas vossas agendas, porque o Infinity Sunset by Pete Tha Zouk acontece no No Solo Agua da Marina de Portimão, com entrada gratuita e permitida a todos, para que juntos possamos fazer uma grande festa a dança na areia ou com os pés dentro de água. Até lá!
 
Pete Tha Zouk
Publicado em Pete Tha Zouk
Pág. 1 de 10
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.