23-10-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
Recompostos da folia da reentre, o Neopop Festival regressa ao Porto e junta dois amigos de longa data e nomes gigantes da história da música de dança: Danny Tenaglia e DJ Vibe. A festa está marcada para a noite de 5 de janeiro no Hard Club e a partilhar cabine vão estar outros dois pesos-pesados da modalidade Gusta-vo b2b Rui Vargas. Aos comandos da sala 2 estarão os DJs Mário Roque, DJ Myro, Nuno Cacho, Peter Mør e Ruizinho.

O lendário DJ nova-iorquino Danny Tenaglia regressa a Portugal depois de ter atuado no Algarve, na edição portuguesa do BPM Festival. Já DJ Vibe está atualmente a comemorar os seus 35 anos de carreira cujas celebrações se iniciaram recentemente em Lisboa com o espectáculo audiovisual 35v50 e que ao longo de 2018 percorrerá todo o país em tour.

Os bilhetes para o reencontro assinado pelo Neopop Festival já estão à venda nos locais habituais com preços que variam entre os 15 e 20 euros.
 
Publicado em Eventos
O ‘Sensation”, concebido em 2000 pela ID&T, a maior organizadora de eventos da Holanda, regressa a Lisboa, no Pavilhão Atlântico, a 19 de Junho de 2010, pelas mãos da Hype, Live Events, este ano com o novo tema  “Wicked Wonderland” que se estreou em Julho de 2009 na Holanda.

É com um enorme prazer que se anuncia o nome dos dois DJ’s nacionais que vão actuar na arena principal do Sensation e que serão nada mais nada menos que os dois melhores DJ´s Nacionais: Diego Miranda e DJ Vibe que pela sua história representam a total unidade nacional que o Sensation Portugal faz questão de ostentar.

Os dois top Dj´s nacionais vêm fechar o line up do evento de dia 19 de Junho e que consta por ordem de actuação com:
22:00 Diego Miranda
23:00 Mr White
00:00 DJ Vibe
01:15 The Mix
01:30 Martin Solveig
02:50 Sebastian Ingrosso & Steve Angello
04:40 Gui Boratto
Publicado em Eventos
segunda, 15 outubro 2012 22:28

Top 100 DJ Mag: DJ Vibe ocupa número 150

A mais famosa votação a nível mundial de DJs acaba de divulgar a posição número 150, que corresponde exatamente ao Português DJ Vibe.
 
Até sexta-feira, dia em que será conhecido o TOP 100, a Revista DJ Mag irá divulgar em género de countdown, os artistas que ocupam as posições compreendidas entre os números 100 e 150.

Recorde-se que em 2011, Vibe ocupava a posição número 84 e em 2010 a posição número 100.

Prevê-se portanto que este, seja um ano de grandes oscilações no TOP 100 da Revista DJ Mag.
Que chegue sexta-feira!
 
 
O TOP em 2011 era neste figurino:
 
1. David Guetta
2. Armin Van Buuren
3. Tiesto
4. DeadMau5
5. Above & Beyond
6. Avicii
7. Afrojack
8. Dash Berlin
9. Markus Schulz
10. Swedish House Mafia
Publicado em Mix
É a lenda da música eletrónica em Portugal e está de parabéns. Hoje, DJ Vibe, comemora 50 primaveras e 35 anos de carreira numa festa única, que vai decorrer no Armazém 16, em Lisboa, a partir das 22h00.
 
O início da atuação de DJ Vibe está marcado para as 00h00 até às 06h00, desde o vinyl à era moderna, percorrendo todos os grandes clássicos dos anos 80 até à atualidade. Durante a festa vão ser revividos todos os momentos altos da carreira do artista português, com a ajuda de vídeos e fotografias.
 
DJ Vibe convida ainda todos os presentes a chegarem à festa a partir das 22h00, pois muitas surpresas estão reservadas e irão acontecer antes das 00h00.
 
Este é o primeiro espetáculo de comemoração, que depois se estenderá numa digressão chamada de “35v50”, com locais a revelar em breve.
 
Os bilhetes encontram-se à venda com preços entre os 15 e os 25 euros, na porta do evento.
 
Publicado em Eventos
No âmbito do combate à pandemia de covid-19, o DJ e produtor português DJ Vibe deu a cara por uma campanha de sensibilização acerca dos cuidados a ter contra o novo coronavírus, num vídeo gravado e partilhado pela Direção-Geral de Saúde.
 
"Os melhores programas e divertimento não têm de ser em multidão. Continuem a manter a distância física, mas não a social. Estar distante éestar bem e proteger os que nos rodeiam. Não te esqueças que o vírus continua a circular. Nós, todos juntos, temos de ajudar a travar novos casos desta doença. Continuem os bons gestos e sejam responsáveis", referiu o artista.
 
Esta campanha tem vindo a ser feita ao longo dos últimos meses, com caras bem conhecidas do público português, das mais diversas áreas artísticas.
 
Publicado em Artistas
A discoteca Pacha de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, vai encerrar portas em janeiro de 2016, depois de 10 anos de sucesso. A (má) notícia foi dada através da página oficial de Facebook da discoteca.
 
“O maior abalo na música de dança da década teve lugar na pista de dança do Pacha. Durante 10 anos, foi a casa das maratonas de mais de 24 horas ao estilo de Nova Iorque, onde a música eletrónica e de dança testou as suas variações e ganhou vínculos, onde as estrelas nasceram e os fãs ficaram convertidos. Em janeiro, o Pacha de Nova Iorque fecha as portas pelo melhor.”, são as palavras deixadas na rede social.
 
O espaço noturno, no entanto, não vai fechar as suas portas sem proporcionar um mês inesquecível aos seus clientes. O aniversário de uma década vai ser comemorado com várias festas especiais, que vão contar com a presença de Puff Daddy, Carnage, Dirty South e Markus Schulz. Um dos destaques vai para a atuação de Erick Morillo, DJ residente e um dos proprietários do espaço, que vai subir à cabine do Pacha de Nova Iorque pela última vez no próximo dia 12 de dezembro. A passagem de ano também está marcada, tal como as últimas festas, que estão a ser preparadas em jeito de despedida.
 
“A média de duração de uma discoteca é de 18 meses – nós durámos 120”, disse o presidente do Pacha de Nova Iorque, Eddie Dean, em comunicado na página oficial do espaço noturno norte-americano. “Tem sido uma viagem selvagem que nenhum de nós vai conseguir esquecer. As últimas festas vão comemorar os diferentes artistas, estilos e momentos que fizeram o Pacha ser o melhor”, concluiu.
 
O Pacha de Nova Iorque ganhou diversos prémios ao longo dos últimos 10 anos, incluindo o de “Melhor Superclub” dos Club World Awards cinco vezes consecutivas e um dos melhores clubs do mundo pela revista DJ Mag.
 
Segundo o site oficial, durante os últimos 10 anos passaram 6 milhões de pessoas pela pista de dança, durante mais de 12 mil horas, o que dá um total de 1500 atuações em 500 semanas. Os fãs de uma das casas noturnas mais conhecidas a nível americano e mundial queimaram cerca de 10 bilhões de calorias ao longo de dez anos e os empregados correram cerca de 10 mil milhas e queimaram um milhão de calorias a transportar mais de 2 milhões de garrafas de álcool, o suficiente para encher duas piscinas de tamanho olímpico.
 
O português DJ Vibe foi um dos artistas nacionais que teve a oportunidade de atuar neste grande espaço.
 
{youtube}Rs54kZUm7k8{/youtube}
Publicado em Nightlife
A praia artificial de Mangualde vai receber a 12 de setembro o Get Wet Festival, um evento que terá 24 horas de música eletrónica onde irão atuar Carlo Lio, Christian Smith, Egbert live, Marc Maya, Nakadia, Sasha Carassi, Secret Cinema, Stephan Bodzin live, Woo York live, DJ Vibe e Fauvrelle.
 
Além da música, estão também previstas outras atividades que os festivaleiros poderão usufruir como é o caso de "body painting, guerra de balões, street art, entre outras", disse à agência Lusa Bruno Gandra, produtor do evento.
 
Segundo o produtor, o Get Wet Festival pretende preencher "uma lacuna no mercado português", procurando apresentar um festival "à imagem do que acontece em Ibiza", explicando que a aposta em Mangualde surgiu através da centralidade que o concelho tem, assim como pela proximidade a Espanha, permitindo chegar ao público do país vizinho.
 
A 12 de setembro, são esperadas entre duas a três mil pessoas na praia artificial de Mangualde, com a organização a registar "uma boa aceitação" na pré-venda dos bilhetes.
 
Os bilhetes estão disponíveis nos locais habituais, custam 15 euros até ao final do mês de agosto e, posteriormente 20 euros, dando direito a campismo gratuito para os festivaleiros. Face aos incêndios que ocorreram no concelho, a organização decidiu ainda doar 5% da pré-venda de bilhetes aos Bombeiros Voluntários de Mangualde.
 
Publicado em Festivais

O cenário mágico dos jardins e recantos do Condado de Beirós em São Pedro do Sul, recebe este sábado a partir das 16 horas, um evento especial que irá celebrar a música contemporânea unido as várias gerações dos artistas nacionais convidados.


Até às seis da manhã do primeiro dia deste Verão, a cabine será ocupada por vários nomes consagrados do panorama da eletrónica, é o caso de Magazino, Xinobi, Rui Vargas, Miguel Nery, Miguel Torga (live), DJ Vibe, Inês Duarte, Diana Oliveira e dois "back-to-back" com Gustavo e Sérginho e ainda Sam com Zé Nuno. 


Segundo a organização, esta é "a escolha perfeita para nos encantar, mais de um século depois de ali se soltarem as mais loucas energias do seu Conde e convidados secretos da Realeza dos Fidalgos e até membros do Clero."


Os bilhetes estão disponíveis na bilheteira CTT com o custo de 20 euros.

Publicado em Eventos
sexta, 03 agosto 2012 21:59

“Sou eu, a música e as pessoas”

Tinha quinze anos quando começou a prestar uma certa e especial atenção à música e a demonstrar maior interesse pelo que se vendia na loja de discos do pai - a primeira em Portugal a importar dos EUA máxi-singles de música de dança, área que começou desde logo a reparar com outros olhos.
Aos vinte anos começou a animar o ambiente em discotecas e não demorou muito até começar a atuar lado a lado com nomes de referência da dance music. Em 1994 juntou-se ao conhecido Rui da Silva e criaram o projecto ‘Underground Sound of Lisbon’. Mais tarde nasceu o tema "So Get Up" que rapidamente se espalhou pela rota mundial da música electrónica. Ganhou 25 contos no primeiro cachet. Hoje, além da profissão de DJ, é gerente da Indústria no Porto, e faz um programa de rádio na Antena3. É considerado em Portugal como um verdadeiro ícone da noite. Num excelente fim de tarde, antes da sua atuação no Rock In Rio Lisboa, tivemos uma agradável conversa com ele. Dispensa apresentações. DJ Vibe em entrevista.

 

Como descreves atualmente a noite em Portugal?
Já teve melhores dias, mas acho que continua a haver muita casa e muita oferta. Hoje em dia, devido às circunstâncias em que o país se encontra, há uma grande limitação… Mas enquanto houver noite e festas as pessoas vão continuar querer divertir-se.

És um DJ que percorreu várias gerações, sendo um dos principais pioneiros da música eletrónica em Portugal. Quais são para ti, as principais diferenças entre gerir um set hoje e há 20 anos atrás?
Não são muitas. Hoje o que é diferente passa pelo facto do público ser outro, a música também é outra, a forma como se toca também é outra, a tecnologia que apareceu veio ajudar de certa forma, a melhorar a performance, mas a maneira como o set é preparado ou pensado, é exatamente a mesma coisa. Não há grande diferença.

Vens de uma época que o som caloroso do vinyl envolvia as pistas de dança mas atualmente tocas com o sistema digital.
Defendes que o digital é o futuro e uma mais valia para o djing?
Eu sou defensor de tudo o que possa ajudar nas minhas performances. Se isso passa, pelo digital…
Não quer dizer, que não continue a comprar vinyl, passo tudo a digital, mas realmente as tecnologias vieram ajudar bastante, principalmente para quem viaja como eu, para deixar de andar com caixas de discos de quarenta quilos cada uma, e hoje em dia está tudo num computador e se calhar até levo mais música, e é bastante mais prático.
Acho que a tecnologia que apareceu serviu essencialmente para ajudar a trabalhar melhor ainda.

Mas és um adepto da qualidade e tens preferência por material analógico...
Hoje em dia os próprios sistemas mais recentes, já estão mais ‘afinados’ para poderem tocar o digital. Obviamente que não dá para fazer uma comparação: Estás a tocar um disco de vinyl num sistema analógico ou estás a tocar uma faixa em MP3 num sistema digital – são diferentes. Por outro lado, a maior parte da música que se faz hoje, também, toda ela é mais eletrónica do que era há uns anos atrás. Antigamente podia-se usar elementos mais acústicos, samples, etc. Hoje em dia, não é tanto assim, pelo menos nesta fase. Não quer dizer que não venha a acontecer daqui a uns meses, comecem a aparecer. E depois lá está… as origens são analógicas mas depois tocam-se em digital.
Para mim, o essencial é sentir-me confortável, ter um sistema de som que possa responder. Se é digital ou analógico… já não me faz diferença.

 

"Para mim, o essencial é sentir-me confortável, ter um sistema de som que possa responder. Se é digital ou analógico... já não me faz diferença"

 

Ultimamente tens estado ausente no que diz respeito a produção. Podemos esperar novos temas teus para breve?
Sim. Estou a trabalhar nalguns temas novos. Tive parado durante alguns tempos, devido à discoteca no Porto que foi um projeto grande, mudei-me para o Porto, agora estou de volta a Lisboa. Espero até ao final do Verão já ter algumas coisas para poderem ser tocadas.

Fala-nos um pouco sobre o Indústria…
O Indústria foi uma coisa que não foi pensada, não estava à espera de me envolver assim num projecto… mas aconteceu e todas as minhas energias de há dois anos para cá, estiveram viradas para a Discoteca. Construir um clube com aquelas características não foi fácil, mas felizmente a agora está a ‘rolar’ e estou muito satisfeito com o resultado da casa. Está a trabalhar bem com uma grande diversificação de DJs.

A tua presença no Rock In Rio tem sido assídua. Fala-nos um pouco dessa experiência…
Sim, tenho tocado praticamente em todas as edições tanto de Lisboa como de Madrid. No Rio de Janeiro não foi muito feliz, pois toquei numa hora complicada, mas no geral tem disso uma boa experiência. De todos, para mim, o melhor Rock In Rio é o de Lisboa, por causa de todo o envolvimento. O Parque da Bela Vista é realmente espantoso para se fazer este tipo de eventos e de todos os que eu tive presente, destaco sempre o de Lisboa.

Na tua opinião, qual é a característica que um DJ tem de possuir para se consolidar no mercado atual?
Penso que há dois ou três factores importantes. Um deles é gostar mesmo de música, outro é dedicar-se a isso e essencialmente tocar para as pessoas.
Eu sou de uma geração, e de uma escola, se é que existe… que ‘sou eu, a música e as pessoas”. Toco para as pessoas e o importante é perceber que as mesmas estão a divertir-se pela música que estou a tocar e não por me verem a fazer umas ‘palhaçadas’.

 
Publicado em Entrevistas
domingo, 21 setembro 2008 20:30

Algarve Summer Closing Party

É já esta noite que a Praia do Caniço no Alvor irá receber Dj Vibe, desta feita acompanhado pelos djs Diego Miranda, Tó Ricciardi e Nuno Leote.

A já tradicional festa de fim de Verão no caniço, que este ano, surge em dia de Outono mas com idênticas expectativas, promete continuara a alimentar o ego de todos aqueles que ao estarem presentes acabam sempre com a sensação de se sentirem especiais pelo momento.

O “warm-up” está marcado para as 17h00 nas piscinas, seguindo-se à noite a rumaria até à praia. Se chover, lá diz o ditado, festa molhada, festa abençoada.
Publicado em Eventos
Pág. 1 de 3