18-07-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

Pela primeira vez, na história do Top 100 DJs, uma dupla chegou ao número 1: os irmãos belgas Dimitri Vegas & Like Mike, subiram este ano 1 posição, para descoroar o holandês de 27 anos, Robbert Van de Corput, conhecido no meio por Hardwell. O restante Top 5 foi, sem surpresas, preenchido por Martin Garrix (3), Armin Van Buuren (4) e Tiesto na quinta posição.
 
Como se isso não bastasse, este ano pela redação da revista DJ Mag passou um verdadeiro tornado, baralhando várias posições, que se dizem injustas aos olhos de quem perdeu o seu tempo a votar nos artistas favoritos, onde muitos deles nem sequer figuram nesta tabela.
 
Nesse sentido e pelo quarto ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou um desafio a rostos conhecidos e influentes na noite Portuguesa, a fim de responderem à questão “Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da DJ Mag?”. O nosso primeiro convidado a responder é o DJ e produtor Will Pit-a-Pat
 

Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da DJ Mag?

 
Antes de mais, gostaria de agradecer ao 100% DJ este convite para comentar os resultados do DJ Mag TOP 100 2015.  É uma honra para mim ser convidado para este tipo de iniciativas que englobam vários profissionais ligados à industria da dance scene nacional.
 
Relativamente ao tópico em questão, o meu primeiro e principal comentário vai para os artistas nacionais que conseguiram entrar neste TOP 100 em 2015: Diego Miranda e Kura. São duas referências fantásticas para qualquer DJ/produtor português e devemos apoiá-los, tal como devemos apoiar todos aqueles que trabalham arduamente para serem melhores artistas, elevando a sua qualidade como produtores e DJs, mantendo a humildade e realçando cada vez mais o seu valor. O Diego Miranda fez tours alucinantes no Brasil, conquistou residências em Ibiza e chegou ao continente asiático. A sua versatilidade e qualidade enquanto DJ é fenomenal! O Kura, um dos meus ídolos, produziu faixas espetaculares e atingiu um patamar de sonho para qualquer artista: editar por labels de topo e a colaborar com o “anterior melhor do mundo”: Hardwell. Parabéns portugueses! Queremos mais e espero que tanto eu como muitos outros produtores portugueses cheguem um dia tão alto.
 

Parabéns portugueses! Queremos mais e espero que tanto eu como muitos outros produtores portugueses cheguem um dia tão alto.

 
Como tal, isto leva-me ao assunto central deste texto e apesar de não gostar de “lavar roupa suja em praça pública”, aproveito para questionar o objetivo deste TOP 100. Publicidade? Marketing? Valorização profissional? Premiação dos melhores DJs ou produtores? Retorno financeiro? Uma coisa é certa, a dignidade do TOP 100 da DJ Mag decresceu a partir do momento em que passou a vender publicidade em prol de melhores classificações, passando de revista séria para “entidade circense”.
 
A vitória dos irmãos belgas (Dimitri Vegas & Like Mike) veio provar que o dinheiro pode comprar até o primeiro lugar do pódio, principalmente quando o não apresentam mérito pelas suas produções, tal como acontece com outros artistas! Para além disto, a divulgação da troca de e-mails entre o DJ Stamen e a DJ Mag e a entrada do indiano DJ Chetas faz-me pensar se a entidade responsável por este TOP 100 é a DJ Mag ou algum criador de uma aplicação de riso! Mas também é verdade que há mais para avaliar. A classificação dos suecos Axwell /\ Ingrosso prova que a música pode tocar mais as pessoas do que qualquer outra coisa. Valorizo a permanência de artistas fenomenais como MAKJ, Laidback Luke e Bassjackers apesar da sua injusta classificação e fico muito feliz por ver nomes como Tujamo, DJ Snake, Oliver Heldens, Tchami e Will Sparks. Fantástico prémio para Don Diablo que teve um ano estrondoso e criou uma marca fortíssima no mercado! Superior a isto, só mesmo Diplo a entrar com o seu próprio nome e com os projectos Major Lazer e Jack U. No entanto, coloca-se a questão: onde está hoje a grandeza deste TOP 100 e onde andam artistas como Kryder, Tom Staar, Matisse & Sadko, Bass Kleph, Dzeko & Torres, Dillon Francis e Martin Solveig?
 
Para mudar isto, espero mais e melhor da electrónica, da dance scene e dos portugueses. Acredito que temos todo o potencial para crescermos e existe muito talento e trabalho a ser desenvolvido. Como artista, cronista, formador, profissional e ser humano, quero fazer mais e melhor e gostava que pensassem se não faz sentido existir mais união entre todos. Vamos trabalhar e crescer juntos!
 
Até breve, Will Pit-a-Pat.
Publicado em Mix
Segundo os últimos resultados do mais famoso e polémico ranking de DJs - divulgado no passado sábado, 18 de outubro - Hardwell, sem grandes surpresas, volta a alcançar o número 1 de uma listagem de 100 artistas. O DJ e produtor holandês recebe, desta feita, a medalha de “mais popular do mundo”, com Dimitri Vegas & Like Mike e Armin van Buuren a completar o pódio, no segundo e terceiro lugar respetivamente.
 
A lista tem recebido inúmeras críticas relacionadas com o desajustado posicionamento de alguns DJ's reconhecidos mundialmente, como é o caso de Carl Cox, ou pela ausência de Erick Morillo, por exemplo.
 
Pelo terceiro ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou o desafio a três rostos conhecidos e influentes na noite nacional para participar no Vox Pop, onde a pergunta é: "Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"
 
O nosso terceiro e último convidado a opinar é o DJ e produtor Hugo Rizzo.
 
A Redação 100% DJ.

 
Para mim o top 100 da DJ Mag é um top de popularidade referente a um período de tempo. E acho que o motivo de tantas críticas é que pouca gente o encara como tal.
 
É óbvio que os resultados são sempre controversos. Não há vivalma que consiga compreender que artistas como Erick Morillo, Fatboy Slim, Licle Louie Vega, Danny Tenaglia, Roger Sanchez ou Bob Sinclar fiquem de fora de um Top que avalia os melhores do mundo. Não há também vivalma que consiga conceber uma dimensão em que projectos com tão pouca história - apesar da sua inequívoca qualidade - como Martin Garrix, DVBBS ou Blasterjaxx fiquem melhor posicionados do que artistas como Daft Punk ou Carl Cox. Nem mesmo haverá vivalma que ache normal que artistas de topo de géneros musicais como o Tech House, Techno, Deep House ou mesmo Hip Hop sejam completamente excluídos desta votação ano após ano.
 
Eu simplesmente acho que o problema não é o TOP mas sim as expectativas que são criadas em seu redor. Isto não é o TOP do DJ tecnicamente mais evoluído, se não certamente que o nosso Ride era dos mais votados. Não é o top do DJ com melhor leitura de pista se não certamente que há por aí dezenas de DJs residentes por esse mundo fora que não ficariam de fora. Não é o TOP do DJ mais eclético ou evoluído musicalmente ou onde estariam nomes como Laurent Garnier?

Eu simplesmente acho que o problema não é o TOP mas sim as expectativas que são criadas em seu redor.

É este o meu argumento principal nas conversas que tenho tido com várias pessoas sobre isto.
 
O Top 100 da DJ Mag é um top de popularidade referente ao ano de 2014. Ou seja, os DJs que mais alcançaram ou mantiveram popularidade no último ano foram os melhores classificados. Ponto final. Não façam dele mais do que é.
 
PS: Eu sei que vou chover no molhado mas como raio é possível não destacar o desempenho excepcional do Kura este ano? Foi sem dúvida uma grande notícia para a scene portuguesa. E se alguém algum dia duvidou que o trabalho compensa... já estará convencido do contrário certo?
 
DJ e Produtor
 
Publicado em Mix
 
Ainda com a "febre" do Top 100 da Revista DJ Mag a fervilhar, eis que te apresentamos 8 curiosidades, que provavelmente não sabes. Mas elas existem.
 
1Não tens de estar muito tempo na "moda" para te tornares o DJ número 1 do mundo. Os DJs que anteriormente alcançaram o topo como Armin van Buuren, Tiësto e David Guetta já trabalhavam nesta área há muitos anos quando finalmente conseguiram o primeiro lugar no Top da DJ Mag. Tiësto alcançou a primeira posição quando tinha 33 anos, Armin van Buuren aos 30 anos e David Guetta quando fez 43 anos. Hardwell é o mais novo vencedor de sempre do Top 100 da DJ Mag com apenas 25 anos.
 
2Já não importa ter um Radioshow ou marcar presença em grandes eventos como por exemplo o Tomorrowland ou o Ultra Music Festival. Basta apenas produzires um hit e estás seguramente no Top 100. A "lenda" Carl Cox ficou em 46º e o mais novo DJ do Top - Martin Garrix em 40º.
 
 
3Não é necessário seres um DJ para estar no Top 100 da DJ Mag. Os Daft Punk lançaram o seu novo álbum "Random Access Memories" em maio deste ano, após longos anos de silêncio e já não atuavam para um público (pagante) desde 2007, mesmo assim subiram 22 lugares, para ocuparem o número 22 no Top.
 
4Se tiveres um peito favorável e produzires uma espécie mashups, poderás acabar no 87º lugar como a Tenashar. Já agora, nunca ouvimos falar de tal pessoa antes. (?!)
 
 
5Avicii é um sólido número três. Apesar de todos os comentários negativos acerca do seu set no Ultra Music Festival em Miami, ainda se chegou a pensar que o tempo de Avicii tinha terminado, mas o "puto maravilha" da Suécia atacou e bem. "Wake Me Up" tornou-se o single mais vendido do Reino Unido de 2013 e ficou nos Tops de 20 países. 
 
6Mais uma vez, os holandeses tomaram de assalto o Top 100, com seis DJs holandeses no Top 10 inclusive. Não sabemos o que tomam na água, mas gostariamos de saber.
 
 
7É favorável ter um evento que patrocine a 200%. Podes acabar na posição número 6. Dimitri Vegas & Like Mike subiram 32 lugares na lista deste ano. É justo dizer que o Tomorrowland/Tomorrowworld teve "culpa" na grande promoção desta dupla. Por serem residentes nestes festivais, os milhares de festivaleiros de todos os cantos do mundo foram quase que "obrigados" a conhecer estes dois DJs Belgas. 
 
 
8Numa cena dominada por homens, felizmente há espaço para duas fantásticas mulheres denominadas de NERVO no Top 20 da lista deste ano. As gémeas australianas posicionam-se no 16º lugar.
 
Fonte: exQlusiv.
 
Publicado em Mix
A ‘campanha eleitoral’ para o Top 100 da DJ Mag deste ano já começou. Além dos artistas internacionais, são muitos os DJs e produtores portugueses que estão a apelar ao voto, utilizando, maioritariamente, as redes sociais.
 
Kura, que se estreou o ano passado na lista ocupando a posição número 42, iniciou a sua campanha através de um vídeo que mostra os bastidores da vida de DJ. “As votações da DJ Mag já começaram, o vosso apoio é mais importante do que nunca!”, revelou Kura na sua página oficial de Facebook.
 
Há também outros DJs portugueses empenhados a tentar a sua sorte para a edição deste ano do mais disputado TOP 100 de DJs, com apelo ao voto através das redes sociais, junto dos fãs. É o caso do DJ The Fox, que considera que “esta entrada em votação é idealizada de forma a querer mostrar mais do que se faz em Portugal. A produção é o foco e um resultado inesperado pode acontecer!”.
 
Tom Enzy também já iniciou a sua ‘campanha eleitoral’, afirmando que “tem sido um ano incrível” e que “é o momento certo para fazer isto acontecer!”. Depois de apelar votos aos seus fãs, agradece por tornar este “sonho em realidade”.
 
Depois de atuarem no mesmo palco de grandes nomes como Dimitri Vegas & Like Mike ou Steve Angello, a dupla Club Banditz decidiu também apelar ao voto. “As votações da DJ Mag já começaram, o vosso apoio é muito importante!”, relatam os DJs e produtores na página oficial de Facebook.
 
Diego Miranda é também outro português que quer continuar a marcar presença na lista mais cobiçada da música eletrónica. Além de apelar ao voto durante as suas atuações o DJ aposta ainda na distribuição de autocolantes pelos fãs. Através de um vídeo com alguns dos melhores momentos da sua carreira nos últimos anos, o DJ tem contado com o apoio dos seus seguidores para fazer história.
 
Desde o ano 1997 que a presença de portugueses na lista já vem sendo habitual. DJ Vibe foi o estreante, na posição número 36, a mais alta de um DJ nacional até aos dias de hoje.
 
Pete Tha Zouk, Diego Miranda e Kura também já estiveram presentes no Top 100 da DJ Mag nos últimos anos.
 
Em baixo poderás conferir todas as posições de DJs portugueses no Top da DJ Mag, nos respetivos anos:
 
DJ Vibe:
  • 1997 - #36
  • 1998 - #87
  • 2004 - #80
  • 2005 - #40
  • 2006 - #47
  • 2007 - #40
  • 2008 - #79
  • 2010 - #100
  • 2011 - #84
 
Pete Tha Zouk:
  • 2010 - #80
  • 2011 - #37
  • 2012 - #47
 
Diego Miranda:
  • 2013 - #94
  • 2014 - #70
 
Kura:
  • 2014 - #42
 
 
{youtube}b_fjj48U3zk{/youtube}
Publicado em Mix
Na noite desta sexta-feira, 16 de outubro, todas as atenções estarão centradas em Amesterdão, cidade onde será apresentado o Top 100 DJs que tem tanto de afamado como de polémico. 
 
A cerimónia tem início marcado para as 18:45 horas (menos uma hora em Portugal). Mais uma vez a listagem será apresentada de forma gradual no palco do Amsterdam Music Festival e contará com atuações de vários artistas, entre eles os vencedores das primeiras quatro posições, Vicetone e as irmãs australianas NERVO, que recentemente estiveram em Portugal.
 
Nesse sentido, o Portal 100% DJ está a preparar uma ação inédita, que irá acompanhar em tempo real, a partir das 18 horas, todos os desenvolvimentos e momentos antes, durante e depois do evento que divulgará o Top 100 DJs e que é levado a cabo pela revista britânica DJ Mag. Estarão em destaque as reações dos artistas e seguidores, as posições divulgadas e a festa propriamente dita.
 
Esta ação será conduzida pela redação do Portal 100% DJ, através de uma plataforma dinâmica que estará disponível na página www.100-dj.pt e onde os visitantes podem e devem interagir com as publicações. Também os conhecidos canais da marca 100% DJ estarão em constante atualização como a Página Oficial no Facebook, Twitter e Instagram.
 
Recorde-se que o Top 100 DJs é realizado desde 1993, mas as diferentes posições só começaram a partir do ano 1997, onde o primeiro artista a estrear a posição número 1, foi o mítico Carl Cox. Em 2014 foram contabilizadas 900 mil votações, provenientes de mais de 200 países de todo o mundo. Este ano as votações decorreram entre os dias 6 de julho e 14 de setembro.
Publicado em 100% DJ
O holandês Nicky Romero, que atuou na última edição do RFM SOMNII – O Maior Sunset de Sempre, na Figueira da Foz, lançou uma campanha original para arrecadar votos para o Top 100 da DJ Mag deste ano.
 
No ano passado, o DJ e produtor ficou colocado na 9ª posição e este ano pretende subir na tabela. Para isso, lançou um jogo online, semelhante ao famoso Super Mario, onde o jogador tem de saltar e deslizar por baixo dos camiões da Protocol Recordings, a sua editora.
 
O jogo tem três níveis diferentes e ao longo do mesmo, Nicky, a personagem principal, vai encontrando membros da sua equipa, que o levam depois de helicóptero para um club, onde vai atuar para uma multidão de fãs. A banda sonora do videojogo é o seu conhecido single “Toulouse”.
 
Clica aqui e começa a jogar.
 
{youtube}N5mhz7pH9lU{/youtube}
Publicado em Artistas
terça, 16 setembro 2008 19:52

Já decorre a eleição do Top 100

Está a decorrer a votação para a eleição do Top 100 da prestigiada Dj Mag, pull em que Dj Vibe obteve no ano transacto um prestigiante 40º lugar.

Tido a par com a Dj List como um dos mais prestigiados rankings de djs do mercado mundial, e tendo Vibe, vindo a ocupar ao longo do último ano e meio posições de grande relevo nestas tabelas, nunca será demais informar que em http://top100djs.djmag.com/ poderá elaborar o seu top e votar naqueles que são os seus djs de eleição, de maneira a que também por estes lados se façam sentir as preferências nacionais.
Publicado em Mix
Chega a altura do ano em que os amantes de música electrónica ficam na expectativa pelos resultados do Top da revista DJ Mag. Não serão certamente todos, mas grande parte, porque continuamos com o embate entre duas tabelas distintas: A DJ Mag e o Resident Advisor. 
 
É mais um ano em que recebo com agrado o convite do Portal 100% DJ para comentar e efectuar uma antevisão dos resultados da DJ Mag, que serão revelados no Amsterdam Dance Event e este ano, antes de deixar essa antevisão, vou dizer algumas palavras para tentar clarificar alguma confusão e críticas que esta votação parece exercer. 
 
Apesar de se chamar ‘Top’, temos todos de perceber que os resultados desta tabela valem o que valem, ou seja, não é por um determinado DJ estar numa posição superior ou inferior que é melhor ou pior que outro que nem sequer apareça nesta tabela. 
 
Estes resultados são de alguma forma o reconhecimento dos fãs pelo trabalho que um DJ efectuou durante um ano, uma forma de promoção dos artistas que terá reflexo no valor da actuação dos mesmos, um investimento elevadíssimo por parte de agências ou dos próprios DJs e um ‘veículo promocional’ onde a marca/produto (leia-se DJ) chega aos clientes em todo o globo. Quem não conseguir compreender o objectivo e as diferenças deste ‘Top’ para uma simples votação ou análise de produção ou skills técnicas, irá sempre criticar esta tabela e os seus resultados.
 
No que diz respeito à antevisão dos resultados propriamente dita, este ano não tenho tantas certezas como o ano passado. Foram feitas campanhas e investimentos elevadíssimos e a indústria da Electronic Dance Music está cada vez mais forte. Está a entrar numa espiral que, na minha opinião, está errada com investimentos das largas centenas de milhares de euros, quer em valores cobrados nas actuações, quer no investimento efectuado, o que leva a um descrédito da qualidade musical e dos artistas. A música e o DJ deve estar sempre acima de tudo mas é fácil entender que sem promoção e investimento, por muita qualidade que exista, é difícil alguém chegar a um patamar elevado e global. 
 
No Top 10 julgo que não devemos ter diferenças e os nomes serão os mesmos do ano passado. Hardwell, Dimitri Vegas & Like Mike, Armin van Buuren, Martin Garrix, Tiësto, Avicii, David Guetta, Skrillex e Steve Aoki deverão estar presentes, deixando Calvin Harris e Afrojack na luta pela entrada nestes 10. A minha convicção é a de que este ano, Calvin Harris irá subir a sua classificação, que o Top 5 não terá mudanças e que Axwell /\ Ingrosso vão subir na tabela, tal como DJ Snake (vamos ter surpresas) e os projectos Major Lazer e JackÜ vão aparecer. 
 

Será que não atingimos já valores de actuações descabidos e pedidos inimagináveis por parte dos DJs? Será que o grau de exigência dos DJs desta tabela justificam o que se paga por eles?

 
Relativamente aos portugueses, Kura é claramente onde depositamos as nossas maiores expectativas, com o Diego Miranda sempre à espreita de uma entrada no Top 100. Uma certeza, é que Mastiksoul e Pete Tha Zouk não irão entrar nesta tabela, apesar das suas actuações e reconhecimento mundial, mas por opção própria pois nem sequer fizeram campanha. 
 
Do Brasil, fica a expectativa se Ftampa irá entrar, depois de ter ficado na 102ª posição o ano passado e se os Felguk conseguirão permanecer nos 100. 
 
Certamente iremos ver nomes a sair desta tabela, tendo alguns deles entrado pela primeira vez o ano passado e DJs que muita gente desconhece vão dar entrada. Haverá algumas surpresas (há sempre) como a classificação em 2014 do Deorro e do Borgore e são esses resultados que trazem a curiosidade sobre os mesmos. 
 
Deixo uma última nota e um pensamento sobre esta tabela e o que ela fez nos últimos anos. Será que não atingimos já valores de actuações descabidos e pedidos inimagináveis por parte dos DJs? Será que o grau de exigência dos DJs desta tabela justificam o que se paga por eles?
 
Fica ao critério de cada um que paga para os ir ver/ouvir e de quem os contrata, essa mesma análise. Sabemos os cachets dos DJs portugueses e quem os contrata acha sempre caro, mas continuamos a pagar centenas de milhares de euros por artistas que não são melhores do que temos por cá e na larga maioria das vezes não atraem público que justifique esse investimento. 
 
Esperemos que as mentalidades mudem e que a valorização do que é nosso e da nossa música seja uma realidade em 2016.
 
Ricardo Silva
 
Publicado em Mix
Conhecido pela sua simplicidade e profissionalismo explosivo, o DJ algarvio, acarinhado por todos os portugues venceu na noite de ontem um importante prémio que valoriza por completo a sua carreira de DJ.
Levada a cabo pela Revista DJ Mag, o TOP 100 DJ's é uma importante votação a nível Mundial na dance scene que se realiza todos os anos, através de uma votação que é disponibilizada na web. Este ano, 500 mil pessoas votaram nos seus DJ favoritos.
Pela primeira vez, um DJ Português alcançou um lugar no TOP bastante reconhecedor.
Pete Tha Zouk subiu 44 posições e arrecadou este ano o 37º lugar. Sendo que é 2010 deu entrada neste importante TOP no lugar 81º.
O TOP também é ocupado pelo português DJ Vibe (84º) que subiu 16 posições em relação a 2010 que estava no último lugar (100º).
Esta dupla vitória é sem dúvida um orgulho para Portugal. 'O que é Nacional, é bom!'
Em jeito de 'medir a pulsação' e ainda na euforia do lugar alcançado, o Projecto 100 % DJ foi ao encontro de Pete Tha Zouk.

 

O que representa para ti estar entre os 100 melhores DJ’s do Mundo?
Representa todo o reconhecimento de um trabalho enquanto DJ, que faço com todo muito gosto, adoro aquilo que faço, principalmente sentir que faço muitas pessoas felizes enquanto estou a tocar!

Esta é uma excelente forma de recompensar o teu trabalho até agora desenvolvido?
Sim, é óptimo ter obtido esta classificação, para mim é quase indescritível o que senti quando vi a tabela deste ano... fiquei MUITO FELIZ!!!

Que mensagem deixas aos teus fiéis seguidores?
LUTEM PELOS VOSSOS SONHOS... mesmo que vos digam em algum ponto da vossa vida... Não vais conseguir!

 

Parabéns Pete Tha Zouk e DJ Vibe!
Publicado em Mix
Segundo os últimos resultados do mais famoso e polémico ranking de DJs - divulgado no passado sábado, 18 de outubro - Hardwell, sem grandes surpresas, volta a alcançar o número 1 de uma listagem de 100 artistas. O DJ e produtor holandês recebe, desta feita, a medalha de “mais popular do mundo”, com Dimitri Vegas & Like Mike e Armin van Buuren a completar o pódio, no segundo e terceiro lugar respetivamente.
 
A lista tem recebido inúmeras críticas relacionadas com o desajustado posicionamento de alguns DJ's reconhecidos mundialmente, como é o caso de Carl Cox, ou pela ausência de Erick Morillo, por exemplo.
 
Pelo terceiro ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou o desafio a três rostos conhecidos e influentes na noite nacional para participar no Vox Pop, onde a pergunta é: "Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"
 
O nosso primeiro convidado a opinar é o DJ Van Breda. Nos próximos dias, apresentaremos mais duas importantes opiniões deste Vox Pop que incide sobre o tão falado Top 100.
 
A Redação 100% DJ.

 
O Top 100 DJ Mag, é para mim, o catálogo de DJs da moda.
 
A DJ Mag faz um top 100 de DJs desde 2004, ou seja há 10 anos e só nos últimos 4 ou 5 é que o comum consumidor de música electrónica tomou consciência da sua existência e testemunhou o galopante crescimento da sua importância na dance scene mundial. E tudo isto, porquê? A meu ver, o destaque que tem sido dado nos últimos anos a este top 100, deve-se a um conjunto de factores:
 
Deve-se à crescente necessidade que os festivais e casas nocturnas de todo mundo têm de fazer valer os seus investimentos, ou seja, quando contratam um artista, além do comum "DJ X autor do hit Y e Z", podem agora vangloriar-se de ter na sua casa um DJ que consta na posição “tal” do top 100. Até que ponto é isto bom para um artista?
 
Imaginem o seguinte, um clube comprou o Cristiano Ronaldo, qual a noticia que faz mais sentido? "Clube Y compra Ronaldo" ou "Clube Y compra Ronaldo, que marcou 234 golos, ganhou 10 campeonatos, faz a depilação, não tem pé de atleta e namora com a Irina.”?
 
Não que eu ache que fazer referências da carreira de um artista na publicidade do mesmo esteja de alguma forma a denegrir a sua imagem, mas quando temos que explicar ao cliente desalmadamente quem ele é, se calhar ele não é assim tão bom ou tão famoso.
 
O Top 100 veio fazer dos DJs os deputados do mundo da noite, entristece-me e irrita‐me ver DJs de todo o mundo literalmente envolvidos em campanhas eleitorais, a fazerem todo o tipo de publicidade ao seu nome, à sua carreira e a relembrar os seus fans que chegou a hora de votarem neles. É do senso comum que a competição existe e é importante se for saudável, da mesma maneira que todos já nos apercebemos que hoje em dia os DJs são mais que artistas e entertainers, são marcas gigantes, com branding e marketing elaborado e é normal que nenhuma marca quer ficar fora seja de que top for.
 
Mas é curioso ver alguns DJs (e por sinal muito bons) a criticarem e até mesmo a boicotarem o top 100, como por exemplo o Diplo e o Dillon Francis que frequentemente falam disso em entrevistas. Existem outros DJs que apesar de figurarem no top não se gabam do mesmo, nem deixam que as casas o façam, a meu ver, uma decisão acertada para quem acha que o seu nome e o seu trabalho fala mais alto.
 

(...) prefiro um dia ser referenciado ou destacado por uma instituição de renome que por um público embebido em campanhas e opiniões distorcidas.

No ano passado fui analisar o top 100 e encontrei um nome que me suscitou imensa curiosidade pois nunca tinha ouvido falar, uma DJ de Hong Kong com pouco mais de 20 anos, até aqui tudo bem, não fosse o seu facebook parecer uma revista masculina reles, ao que eu me pergunto: "Como pode esta criatura estar ao lado de monstros como Carl Cox, Daft Punk ou Axwell?".
 
Não sou contra este top, sou contra o frenesim criado à volta do mesmo. Se este top é realmente para quem tem a melhor campanha e tem mais votos, é algo do qual eu nunca quererei fazer parte, prefiro um dia ser referenciado ou destacado por uma instituição de renome que por um público embebido em campanhas e opiniões distorcidas.
 
Não podia deixar de referenciar a entrada no nosso Kura para o lugar 42, a quem dou os meus mais sinceros parabéns, não só por este objectivo concretizado, mas sim por todo o trabalho e sucesso alcançado ao longo dos últimos anos, ele já constava no meu top muito antes de entrar neste.
 
Para finalizar lanço um exercício mental, imaginem a revista Rolling Stone criar anualmente o top 100 de bandas Rock, quantas acham que se iam envolver nisto?
 
Vemo-nos na pista de dança.
 
DJ
Publicado em Mix
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.

Este site utiliza cookies. Ao navegares neste site estás a consentir a sua utilização. Para mais informações consulta a nossa Política de Privacidade.