21-03-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

sexta, 23 janeiro 2015 22:17

Os talibãns dos géneros musicais

 
A guerra dos géneros musicais que hoje em dia se vive na scene é quase tão inútil, descabida e infrutífera como a guerra dos sexos. Discutir se há um género musical superior ou inferior é o mesmo que discutir quem é que é melhor: os homens ou as mulheres. É óbvio que não há géneros musicais superiores ou inferiores e é óbvio que a música evolui, mas o talibanismo musical tem sido a saga da história da música electrónica: pelo menos em Portugal.
 
Comecei a interessar-me a sério pela música electrónica em pleno auge do Iberican Sound, quando o house progressivo era rei e senhor e era totalmente diferente do que é hoje em dia. Os ritmos tribais e étnicos pareciam encaixar na perfeição nas teclas mais dark e atmosféricas. E Portugal tinha uma palavra gigante a dizer na scene internacional. Rui da Silva tinha acabado de chegar a níveis estratosféricos com o tema "Touch Me" e artistas como DJ Vibe ou Carlos Manaça eram dos mais aclamados do mundo inteiro, o que fazia do nosso país: "A Paradise Called Portugal".
 
Depois aconteceu o inevitável quando se espreme uma laranja até à casca. Deixa de haver sumo e passamos para a próxima. E surgiu uma vaga de electro house que trouxe para a ribalta artistas como Trentemoller, Mylo, Tiga, Tiefschvartz e, numa vertente mais comercial, o mais conhecido David Guetta. Eu, que tinha nascido em plena era do tribal house e do house progressivo via esta nova vaga com um quase ódio. Eram os destruidores da minha cultura. Era um miúdo e sem o saber estava a comportar-me como um autêntico "velho do Restelo": acalorado pelo conforto do "mais do mesmo" e aterrorizado com a ideia de mudança. Mas tudo na vida evolui e a história - mesmo que cíclica - escreve-se sempre em frente. Foi então que o maximalismo do electro house e, de certa forma, do tribal house gerou a emergência de uma nova corrente: o minimal techno.

Não estar na redoma de um estilo musical único faz-nos evoluir musicalmente mesmo dentro do nosso estilo musical de origem.

Foi a primeira vez que evoluí a sério e num curto espaço de tempo a minha produção musical. Não estar na redoma de um estilo musical único faz-nos evoluir musicalmente mesmo dentro do nosso estilo musical de origem. Só depois de me dedicar a tentar perceber o conceito, técnicas e elementos do minimal é que consegui, enfim, colocar-me num patamar de produção musical que me satisfazia pessoalmente. 
 
Mas, rapidamente, o minimal techno gerou o ressurgimento com grande pompa e circunstância de um estilo que estava adormecido há demasiado tempo - o techno. Muita gente falava num novo techno com um BPM mais lento e capaz de se fundir facilmente com os estilos que tinha sucedido.
 
E foi com a exaustão desta vaga que começa a surgir o que actualmente se chama de "EDM" muito influenciado primeiramente pelo trabalho do Deadmau5 e da fusão brilhante entre o trance e o house que teve a mestria de fazer na altura certa. Muito do que se fez entre 2008 e 2010 eram reproduções quase intactas de um estilo muito próprio do canadiano. E é nessa senda que surgem os Swedish House Mafia e mais tarde Hardwell e tantos outros.
 
Tudo isto para vos dizer que a música, na minha opinião, é como a história: cíclica e pendular. Precisa de se esgotar, de se deteriorar, de degenerar-se e depois de uma revolução de abanões, e de gente que coloque tudo em causa para voltar a tornar-se interessante. Um exemplo que costumo dar e que acho dos mais interessantes é o dos Beatles. Quem ouvir pela primeira vez o primeiro LP "Please Please Me" e o último "Let it Be" de seguida, certamente achará que se trata de uma banda totalmente diferente. Mas quem ouvir todo o trabalho que está pelo meio e analisar a realidade musical da época rapidamente se apercebe que se tratou de uma profunda e extraordinária evolução. No final da década de 60 lançar temas como "Love me Do" ou "From me To You" já não faziam o mesmo sentido e, neste sentido, não deixa de ser curioso que o álbum que demonstrou de forma mais vincada a evolução musical dos Beatles: "Sgt. Pepper’s Lonelly Hearts Club Band" seja considerado pela Rolling Stone como o "maior álbum de todos os tempos."
 

(…) a música, na minha opinião, é como a história: cíclica e pendular.

 
É por este motivo que fico chocado ao ver os talibãs dos géneros musicais a actuar na internet. Estou a falar directamente para os arautos do underground/tech house e techno que vêm na EDM: "música de carrinhos de choque" e para os talibãs do EDM que só de pensarem na possibilidade de a house music voltar a ganhar terreno em géneros musicais como o "future house" ficam logo com urticária. Foram SEMPRE, mas SEMPRE os que souberam sair e aventurar-se, os que fizeram a scene evoluir e dar o próximo passo. Não estou com isto a dizer que todos devamos agora produzir e consumir todos os géneros musicais, mas somente que não se barriquem atrás do EDM e apedrejem o vosso vizinho que por acaso até gosta é de música latina, tech house, psy trance e vice-versa.
 
E acabo com as palavras do insuspeito Carl Cox: "It's about music! Not one music style is better than the other, not one music style is more truly than the other. The whole thing is based on respect. It's all about respect, respect to the music, respect to the DJ's, respect to the crowd and respect to each other. It's all music, music never separates people!". 
 
Hugo Rizzo
Publicado em Hugo Rizzo
sexta, 10 janeiro 2014 21:35

Qual é o teu estilo, DJ?

 
Falemos dos "estilos". Passam os tempos e cada vez se torna mais difícil defini-los, garanto-vos. Pelo menos definir o que é que este ou aquele DJ toca.
 
São raros, raríssimos os que se conseguiram manter fieis às suas ondas originais. Armin Van Buuren no trance, Carl Cox, Richie Hawtin, Adam Beyer, Marco Carola no tecno, Steve Aoki, Afrojack, Chuckie no electro mais acessível, e pronto, à excepção dos incontornáveis de que não falei (e ainda são alguns pelo mundo fora, "graça a Deus!")... por aí... o resto é tudo uma adaptação do que se ouve agora, do que se quer agora, do que faz mexer as pistas, do que as rádios e playlists online veiculam.
 
Acredito que uma das coisas que mais incomoda um DJ, hoje em dia, é por isso, a pergunta: "Então e qual é o teu estilo?" Irrita, porque todos nós temos, obviamente as nossas preferências. Podemos gostar de minimal, progressivo, tecno, puro house... mas obviamente, que se queremos trabalhar nos dias que correm, temos mesmo que nos adaptar e tentar, fazer a melhor "viagem" possível durante as duas ou três horas normais de um set, MISTURANDO, sim, misturando... estilos, sonoridades e fazendo até o que à partida os puristas te ensinam a não fazer... colar a "bota e a perdigota"... uma de house comercial, seguida de uma "electrozada" e a seguir um techouse bem metido.
 
É obra dura de fazer.  E aqui, a diferença de quem o sabe ou não fazer, tem a ver com o bom senso, o bom gosto, a coerência... dentro do que à partida seria incoerente.
 
É mais isso, do que  passar uma horas seguidinhas das batidas certinhas da onda com que nos identificamos. Porque aí, à partida, sabemos que não falhamos (tecnicamente é mais fácil, claro, porque não há o perigo de "picos" e porque estamos fechados e encantados com o que nos enche as medidas como artistas). Mas, a verdade é que... não falhamos para nós, mas para o pessoal que está lá na frente, a não ser que vá já completamente formatado a ouvir o "nosso som" (ui, e é tão bom quando isso acontece), eles querem é diversidade e que a tal viagem os surpreenda, encha as medida, que as músicas lhes sejam familiares na sua maioria. E até os tais "picos" que às vezes não seriam aquilo que para nós faria sentido... é o que se quer.  E a nós... ai ai… e a nós, DJs de casa cheia, resta a magia (que esperamos ser certeira) de conseguir fazê-lo sábia e energeticamente.
 
Falo por mim, que nunca fui adepta do comercial puro e duro e cada vez mais a ele tenho que recorrer. Porque assim as casas o exigem  (ou só tocaria em mini clubes e bares com cachets baixinhos e onde o público seria muito menor em número que nas discotecas e festas mais massificadas por este país fora) e porque mesmo os "grandes", os internacionais, que em tempos produziram sons que nos ficaram no coração e na memória cada vez mais se dedicam a criar tendências comerciais e que os outros seguem pelo mundo fora.
 
"E é assim que é"... o Amor à música eletrónica, como tudo na nossa sociedade, tem que ser readaptado. Pelo menos a forma de o transmitir. E aí volto de novo aos estilos. "Qual é o teu estilo, DJ?"... Acho que a resposta da maioria, se não é, deveria ser: "O que eu toco? Ou o que eu gosto?".
 

Qual é o teu estilo, DJ? Acho que a resposta da maioria, se não é, deveria ser: "O que eu toco? Ou o que eu gosto?"

 
Amigos... o estilo confunde-se com o local, com a carreira, com a imagem que têm de nós, com o party people que temos à frente, com a hora a que tocamos, com o tipo de evento. Eu, por exemplo, toco desde em eventos corporativos às 4 da tarde até ao pico da hora dos "chalalás" todos comerciais que é às 3 da manhã e até de vez em quando faço um ou outro after em que me estico com o tecno e electro menos acessível.
 
Além de tudo isto... é impressionante constatar as "modas" que tão rapidamente entram e saem de cena. Por exemplo, o ano passado o público mais novo, quase que inexplicavelmente (porque não fazia parte da sua cultura musical, foi sim uma moda passageira) exigia quase lado a lado com os temas comerciais do Avicii, Alesso e afins... o dubsetp para embalar uma noite bem bebida. Este ano que passou... foi o Afrobeat. Para todos. Brancos. Pretos. Na cidade. No interior. Mesmo que não tenham qualquer afinidade com a cultura africana... gostam de afrobeat e mais espantoso ainda... de Kizomba e Kuduro.
Pergunto-me o que virá este ano e que... fará esquecer o que ficou para trás e que já foi apagado no iPod, para ganhar mais espaço para músicas novas?...
 
Falemos de "estilos", comecei assim a minha crónica... Ou não. Falemos então da nova filosofia de DJ. Da forma de adaptação à pista. Da vontade que temos que fazer crescer em nós de continuar a pôr o público a dançar. Da arte que considero perfeito de oferecer "uma para nós" e "duas para o público" e da magia que já raramente acontece, mas que não é, obviamente impossível quando a comunhão entre eles e nós - os DJs - acontece e esta máxima passa a ser: "uma para nós", "uma para eles" ou até mesmo "todas para todos".
 
São noites dessas que ficam na nossa história pessoal e independentemente de ondas, estilos ou géneros são noites dessas que mantêm aceso o nosso amor por esta arte.
 
E... que este ano tenha umas quantas dessas. Desejo-o para mim e para vocês. E assim, nos cruzaremos, aí pelas estradas desse país, de clube em clube, com aquele sorriso de satisfação e realização de que tão bem conhecemos o puro feeling, e é cada vez mais raro.
 
Rita Mendes
Publicado em Rita Mendes
sábado, 02 março 2013 17:44

Seleção musical

 
Hoje em dia quando saímos encontramos festas e clubes onde a "onda" musical é a mais variada possível. Essa mesma diversidade nem sempre é do agrado de todos. Mas a verdade é que essa variedade é um "mal necessário" bem-vindo, visto que os "gregos e troianos" saem por demais satisfeitos e realizados com essa "confusão" musical. No entanto, essa "estratégia" nem sempre é do agrado de todos pelo que os telemóveis começam (nessa altura) a voar na direção da cabine com sugestões e "exigências".
 
Todos os artistas poderão encarar isso como algo desanimador mas não o devem fazer. Qualquer DJ pode encontrar nesses momentos um forte fio condutor para se orientar numa boa leitura de pista. Aliado a isso vêm boas oportunidades de estreitar a relação com o público e/ou fãs.
 

Nem todos se podem dar ao luxo de passar o que realmente gostam em troca de um bom cachet.

 
Nós, 'FY2 - The Party Rockers', enquanto profissionais da área temos neste ponto um grande suporte para o nosso trabalho/projeto. A leitura de pista e a biblioteca musical diversificada são dois pormenores fulcrais na hora de "bombar" as pistas que encontramos no nosso caminho. Quilómetros de festas e eventos que nos desafiam a cada noite.
 
Claro está que as opiniões entre os DJs variam na hora de falar sobre este assunto. Mas iremos sempre cair na velha definição do que é realmente ser DJ. Nem todos se podem dar ao luxo de passar o que realmente gostam em troca de um bom cachet.
 
Por isso "caros colegas" sempre que torcerem o nariz neste tipo de situações fechem os olhos por momentos e lembrem-se que tudo tem uma vantagem, só temos que a encontrar no meio de toda a confusão de luzes, música e fumo.
 
 
Francisco Praia
FY2 - The Party Rockers
Publicado em Francisco Praia
quinta, 07 abril 2016 14:37

Trabalhar com a música electrónica

Neste primeiro artigo de opinião de 2016, resolvi escrever sobre a "Pedra Filosofal" do novo Milénio - A Musica Electrónica. 
 
Tudo começou com o aparecimento dos DJs aos grandes palcos mundiais, com a especulação criada pelos Países Nórdicos da Europa e com o Marketing agressivo da indústria musical virada para o mercado electrónico. 
De um momento para o outro, os DJs eram as novas estrelas mundiais e tudo o que era "miúdo" quis ser DJ. Todos aqueles que não sabiam fazer mais nada, viram na profissão de DJ uma alternativa para fazerem alguma coisa, encher os bolsos e ter notoriedade e reconhecimento (pelo menos nas suas cabeças). 
O facilitismo em ser DJ era (é) tanto, que tudo o que era gente neste País foi DJ. Ias a um reality show e no dia a seguir eras DJ. Aparecias na TV, viravas DJ. Eras RP? Porque não ser DJ? Etc, etc. 
 
Rapidamente apareceram em Portugal a partir de 2009/2010 uns largos MILHARES de DJs mas tal como apareceram, também desapareceram e perceberam que afinal a "galinha dos ovos de ouro" não era o que parecia. 
Pelo caminho, muitos deles sonharam que, devido ao facilitismo, havia outros negócios que os fariam enriquecer com a música electrónica. Foram os anos em que toda a gente era produtor musical e abriram centenas de editoras discográficas. Ia tudo enriquecer com a venda da música mas, mais uma vez, não resultou...
 
Os Portugueses sempre foram "casmurros" e não desistem facilmente. Toda a gente tinha de conseguir enriquecer com a música electrónica. Mas como? 
Foi a altura dos agentes/agências de artistas. Tudo era agente artístico neste país. Ganhavam-se comissões de cachets de 40 euros só para poderem dizer que eram agentes ou que estavam no meio... Rapidamente viram que também não era este o caminho e chegámos aos últimos anos e à nova "descoberta" de como enriquecer com esta indústria - PRODUTOR DE EVENTOS. 
Hoje em dia está na moda ser Produtor de Eventos. Se é verdade que há muitos que se dão bem, a ganância deixa de lado a larga maioria de quem quer entrar neste meio. Se um evento corre bem, querem logo fazer outro no dia a seguir (dá sempre mau resultado). Se correu bem a primeira vez e as escolhas artísticas, dia, local, equipa de trabalho, etc. foi bem escolhida, no evento a seguir já dão tudo como garantido e o prejuízo é a única garantia que conseguem ter. 
 
Tudo isto é "Ser Português". Somos (ou tentamos) ser sempre mais espertos que os outros num país com 10 milhões de habitantes, uma mentalidade retrógrada quando comparada com países como a Holanda ou Alemanha, onde temos um mercado interno muito curto, com pouca expressão mundial na música electrónica mas onde tentamos furar como podemos. 
 
Os primeiros parágrafos deste texto deram-te a impressão de uma crítica rude da minha parte. 
A ideia foi essa mas o objectivo era outro. 
 
AINDA BEM que somos assim. Que apareçam DJs, RPs, Produtores de música, Produtores de eventos, Discográficas e tudo o que esteja ligado a esta indústria da musica electrónica. É o próprio mercado que irá encarregar-se de fazer uma triagem entre o "bom e o mau", quem fica e quem sai, quem vence e quem sai derrotado.    
O que realmente é mau é não haver "sangue novo", ideias novas, investimentos diversificados e que haja pessoas a errar. Os erros são sempre aprendizagem e em Portugal temos aprendido muito. 
 

Quem trabalha ou quer trabalhar neste meio, tem de perceber que a própria música electrónica está em constante mudança (…)

 
Um novo ciclo da música electrónica está a entrar. Os "nichos" estão a voltar a ser mainstream e os gostos do público já não são o que alguns diziam que era impingido pelas rádios e TV. O público escolhe o que quer e ninguém impinge nada nos dias que correm. A diversidade de comunicação e o fácil acesso à informação, não permite condicionalismos extremos seja a quem for. 
 
Agarrem no Ipod ou na "cloud" de um miúdo da Preparatória ou do Secundário e vejam o que ele lá tem para ouvir... Tem música que "Parte-me o pescoço" e a seguir um "hardcore" que me parte a cabeça, seguido do Justin Bieber, alternando com Hip Hop do Sam The Kid, Xeg e Dillaz e a seguir remata com Trap e acaba com Hardwell ou uma faixa do Anselmo Ralph, enquanto tem um set de Carl Cox que ouve todos os dias a caminho da escola. 
 
Quem trabalha ou quer trabalhar neste meio, tem de perceber que a própria música electrónica está em constante mudança e que já não é apenas aquela sonoridade a 4 tempos, compassada e com uns Kicks, Drops e uns Claps. É necessária uma adaptação aos novos tempos e por isso é que entrar gente nova no mercado é sempre essencial para esta indústria sobreviver. 
 
Que venha mais gente para este mercado e quem olhar para ti como concorrência ou falar mal de ti, é sinal que estás a fazer as coisas bem feitas. Precisamos de mais gente com ideias novas e vontade de trabalhar para elevar a fasquia da indústria musical portuguesa e é o próprio mercado que irá definir se és válido ou não para permanecer no meio.   
 
Ricardo Silva
Publicado em Ricardo Silva
domingo, 01 dezembro 2013 15:20

Como posso ser um DJ agenciado?

Resolvi puxar este tema no meu segundo artigo de opinião para a 100% DJ porque é algo com o qual sou confrontado diariamente.
 
Todos os dias recebo e-mails e mensagens via redes sociais com pedidos para agenciar artistas. De uma vez por todas, os artistas (especialmente os DJ’s) têm de perceber que não são os artistas que têm de procurar agenciamentos. Quando uma agência pretende representar um artista, não tenham dúvidas que farão tudo para o ter. 
 
Há muita gente que não consegue perceber que uma agência ou agente não é um centro de emprego, não é uma organização sem fins lucrativos e muito menos será uma instituição de caridade. 
 
As agências existem para proteger o artista, encaminhar e apoiar nas decisões da sua carreira, promover o produto (leia-se artista) e obter dividendos com o seu trabalho. Os artistas que pensam que ter um agente ou estar agenciado é ter um investidor, um empregado ou alguém que lhes vai meter dinheiro no bolso a troco de nada, vivem uma ilusão. O meu conselho é simples e directo... deixem de sonhar. 
 
Regra geral, uma agência ou agente, só trabalha com artistas que já tenham nome no mercado e que consigam obter dividendos para poder pagar o serviço de agenciamento. A ideia (errada) que os artistas têm, em que caso tenham um agente vão ter dinheiro, só entra mesmo na cabeça de alguns (neste caso de muitos). Possivelmente serei o único ou dos poucos agentes em Portugal que "foi buscar" artistas sem estarem no topo. Mesmo neste caso, fui eu que os contactei e a quem propus os meus serviços e em quem invisto por acreditar no trabalho dos mesmos. 
 
A diferença entre management e booking
 
Outra situação recorrente e que é confundida vezes sem conta pelos artistas nacionais, é a diferença entre management e booking. 
O que a larga maioria dos artistas querem, é um serviço de booking. Este é um serviço de marcações de actuações, onde o Booker recebe um percentual ou comissão pela marcação da data. Qualquer pessoa com conhecimentos e trabalho pode ser booker (até o próprio artista). 
 

Há muita gente que não consegue perceber que uma agência ou agente não é um centro de emprego, não é uma organização sem fins lucrativos...

 
São muito poucos os artistas que conseguem compreender que para terem actuações, precisam de um management profissional e de qualidade para que possam ter um booking em condições. Um bom management é essencial para quem quer entrar, permanecer e "crescer" no mercado. Outro dos erros recorrentes dos artistas nacionais é quererem fazer as "coisas" à maneira deles, mesmo tendo um manager. Se tomaram a decisão de ter um management, então sigam as directrizes de quem (à partida) sabe o que está a fazer, ou então façam vocês próprios o vosso management. 
 
Nunca devem esquecer que ambos os serviços são pagos. Seja o management, seja o "comissionista" (leia-se booker). Se vocês não trabalham de borla (ou pelo menos não deviam, salvo actuações promocionais ou de solidariedade), quem trabalha convosco também tem de receber pelo seu trabalho. 
 
Então como posso ser um artista agenciado?
 
Para seres agenciado, tens de perceber tudo o que foi mencionado anteriormente. Caso alguma agência ou agente "notar" em ti, eles próprios irão entrar em contacto contigo. Mas não desesperes... São inúmeros os casos em que fazer o próprio management e booking resultam da mesma forma (desde que trabalhes, tenhas formação e experiência ou pagues por serviços pontuais). 
 
Um artista tem de mentalizar-se que após acabar uma actuação, no minuto a seguir está novamente "desempregado" e que voltou à estaca zero (no que diz respeito a actuações). Um artista tem de olhar para si como um produto. Produto esse que tem de ser constantemente promovido/divulgado e que seja "apetecível" a sua aquisição. Nunca se podem esquecer que o vosso preço é proporcional ao retorno que dão, seja ele financeiro ou pelo serviço que prestam. 
 
Se não souberem o que fazer, mentalizem-se que têm de investir/pagar a alguém. Ninguém irá dar nada gratuitamente e as queixas que todos ouvimos diariamente de falta de oportunidades são meramente desculpas de quem não compreende que não existem negócios sem investimento. Se ninguém abre um negócio sem dinheiro, como é que querem ser um prestador de serviços sem investir? Poderão dizer-me que são artistas, que "fazem arte" mas mesmo assim, a arte vale o que alguém está disposto a pagar por ela e só a compra quem quer. 
 
Se estão neste meio porque gostam da "arte de pôr música" ou de a produzir, tentem perceber se há quem goste, se há quem a queira consumir e quem queira pagar por ela. Se querem viver da música, têm de ter um produto ou serviço que outros queiram comprar ou que sejam impulsionados a adquirir através da promoção da mesma. As regras de mercado são as mesmas para a música e para os artistas como são para uma lata de refrigerante ou para um quadro pintado por um artista ou pintor. Enquanto continuarem à procura de alguém para trabalhar por vocês, continuarem com a desculpa de que não são o que queriam ser porque não vos dão oportunidades e enquanto não perceberem que nem todos podemos ser aquilo que sonhámos, vão continuar a viver num "limbo" de onde dificilmente irão conseguir sair.
 

Um artista tem de olhar para si como um produto. Produto esse que tem de ser constantemente promovido/divulgado e que seja "apetecível" a sua aquisição.

 
Possivelmente este será o texto mais duro que escrevi até hoje para um meio de comunicação mas tinha de o fazer. A partir do momento em que queres envolver dinheiro, as regras para este meio são as mesmas do resto do mercado. 
 
Se achas que o teu serviço de DJ é uma arte ou se a música que produzes tem de ser comprada ou "consumida", tens de perceber que ninguém é obrigado a "ouvir-te" e só te pagam por isso se quiserem ou se deres retorno a quem adquire os teus serviços. A partir do momento em que queres envolver dinheiro, as regras para este meio são as mesmas do resto do mercado.
 
Desculpas como "ser DJ é ser educador musical" ou "não quero produzir música comercial mas quero que a comprem" é algo que não faz sentido nenhum nos dias de hoje. Ninguém te disse que eras professor de educação musical nem ninguém compra algo que não quer consumir. Aproveito ainda este texto para esclarecer que música comercial é algo "vendável" e que seja comprada/adquirida, seja ela de que estilo for, do mais underground ao mais pop. Há música alternativa que é extremamente comercial e artistas sobejamente conhecidos e reconhecidos. Ouvir produtores dizerem que se recusam fazer música comercial mas depois querem que ela seja comprada, é algo que ainda estou a tentar perceber a lógica. 
 
Hoje vou terminar por aqui porque já estou a entrar no tópico do meu próximo artigo de opinião mas não vos posso deixar sem umas palavras mais motivadoras depois de tudo o que escrevi. Não deixem de perseguir os vossos sonhos. Como alguém disse uma vez, "o sonho comanda a vida", só precisam de entender que se querem colocar o dinheiro no meio do vosso sonho, então deixam de estar a sonhar e têm de viver a realidade.
 
Ricardo Silva
DWM Management
Publicado em Ricardo Silva
Confesso que tenho saudades de ouvir um "prego". Tenho saudades de ouvir o ruído de uma agulha num vinil sujo, da agulha a saltar e um DJ a "desenrascar" uma passagem, de uma mistura menos acertada e um beat mais ao lado. 
 
A era do educador musical acabou. A saída à noite para ouvir aquilo que não oiço em casa ou no carro terminou. O DJ deixou de ser aquela pessoa admirável, dotado de uma técnica de mistura invejável, de uma noção e cultura musical que debitava sonoridades que nunca tinha ouvido. É certo que ainda existem alguns e há clubes ou eventos onde podemos ver estes indivíduos em "vias de extinção" mas são cada vez mais raros... São raros porque não conseguem sobreviver com a mudança e a banalização que se tornou a profissão chamada DJ. 
 
Hoje em dia vemos o dono da casa DJ, o actor DJ, o RP que também é DJ, o indivíduo que apareceu num reality-show como DJ e até menores de idade são DJs. Tudo é DJ.
 
O DJ já não é o "mestre dos pratos ou dos decks". Hoje em dia o DJ é aquele que não conseguiu vingar na profissão que escolheu ou aquele que não sabe fazer mais nada. 
 

Antigamente o DJ gastava dinheiro no que realmente interessava... a Música.

 
Ninguém "compra" o verdadeiro DJ. Esses estão todos no desemprego ou a passar dificuldades. Já ninguém quer saber se sabes acertar uma batida (à unha), se a tua escolha musical é diferente e com qualidade. Ninguém quer saber se consegues tocar seis horas seguidas, se consegues mandar os clientes de um clube ao bar para consumir e voltar a agarrar uma pista de dança ou se consegues ter uma sequência musical para manter os clientes várias horas no clube. Esse DJ desapareceu (ou está no desemprego). 
 
Hoje em dia o DJ teve de inventar. Tem de falar ao micro (não sendo MC), solicitar todo o tipo de "adereços" (CO2, confetis, etc.), ter boa imagem, bons vídeos para passar enquanto actua, gastar milhares de euros nas redes sociais e na sua promoção e ter uma equipa a trabalhar com ele (que também tem de ser paga). Antigamente o DJ gastava dinheiro no que realmente interessava... a Música.
 
Não sou daqueles que são contra a evolução e as novas tecnologias, nem contra as formas que foram encontradas para divulgação e promoção da música electrónica. Sou apenas contra o uso da palavra DJ para definir pessoas que não são mais que animadores e que nem de "toca discos" podem ser chamadas. 
 

O DJ (na sua verdadeira essência da palavra) está em "vias de extinção" e eu tenho saudades de os ver e ouvir.

Ninguém quer contratar um DJ nos dias que correm. Não vamos confundir as coisas. O DJ como o conhecemos está a morrer. Hoje em dia o que é contratado é um produtor que vai usar um equipamento essencialmente de software para difundir o que produz e alguma música que ouvimos na rádio. Poucos são aqueles que se podem dar ao luxo de efectuar uma actuação sem colocar uma única música conhecida ou pelo menos um remix ou edit de algo que todos estão fartos de ouvir.
 
O DJ (na sua verdadeira essência da palavra) está em "vias de extinção" e eu tenho saudades de os ver e ouvir. Fico feliz por ver a evolução que a música electrónica teve e como se tornou global, mas por favor, não usem mais a palavra DJ porque de "Discos" não tem nada e de arte para os usar nada tem.  

 

Ricardo Silva
Publicado em Ricardo Silva
quarta, 01 agosto 2012 21:15

A moda de ser DJ

 
Assunto proibido para um suspeito Ser como eu, e por si só ainda mais aliciante de abordar. Esmiuçar, rapinando a expressão aos Gatos, ou desenvolvendo melhor o tema: esmigalhar, esboroar, retalhar, desmantelar, esquartejar ou pura e simplesmente… Opinar. O famoso e perigoso tema tem como título “A Moda de Ser DJ” (e reparem nas letras maiúsculas que aqui não foram arrumadas ao acaso) e fala de todos aqueles atores, apresentadores, modelos e afins que acodem a sua vida profissional já pouco dada a ovações… virando DJ e trocando a bancada, o palco, a mesa ou a passerelle… pela cabine da discoteca. Portanto… de alguém como… a minha pessoa.

Quando se tem exposição pública, com ela acarreta-se não só a fama, as entradas à pala, os patrocínios, as festas exclusivas, os olhares derretidos e os espécimes do sexo oposto a dar graxa até mais não, mas também os olhares desconfiados, as invejas, as bruxarias e os maus-olhados dos malogrados “wannabe’s”, o descrédito dos pseudo-intelectuais e principalmente – e aqui entra o nosso tema – as desconfianças dos “velhos do Restelo”, sim, aqueles para quem tudo o que é discrepante das suas crenças de sempre, lhes cheira a esturro. E pronto. Assim chegamos ao fulcro da questão. Porque raio é que uma pessoa não pode mudar de profissão ou até acrescentar outra às competências já adquiridas e mesmo assim poder, conseguir e ser bom profissional? Ser comunicador e bom comunicador é isso mesmo, ensaiar a vida que ela é para isso mesmo, chegar ao público, com a Palavra, com o Gesto ou neste caso com a Música… e mais, importantíssimo: com a energia de um Palco – que muitos DJs “de origem” se esquecem de utilizar mesmo quando tecnicamente excelentes.

A questão é esta: E se por acaso, por uma qualquer vicissitude da vida, te aperceberes que tens jeito para mais do que uma coisa? E por acaso já és conhecido a essa altura do campeonato… Ai!! O medo, o terror!! O que fazer num país em que ao invés de te olharem como talentoso, te tentam cortar as pernas a cada passo pioneiro que dás?? Desistir? No Way. E que venham os desafios que eles existem é para ser superados. E que venha a Música a acompanha-los que em toda a boa Vida que se preze uma boa banda sonora é requerida.
 

"Não posso falar pelos outros - 5 ou 6 ou 7, 8 ou 9... - que têm aparecido a ocupar com mais ou menos mérito as cabines dos clubes, bares e discotecas do nosso país. Como em todas as profissões, há bons e maus, há sérios e charlatães, há mestria e há incompetência."

 
Não posso falar pelos outros – 5 ou 6 ou 7, 8 ou 9… - que têm aparecido a ocupar com mais ou menos mérito as cabines dos clubes, bares e discotecas do nosso país. Como em todas as profissões, há bons e maus, há sérios e charlatães, há mestria e há incompetência. Mas por mim falo, ou neste caso, tratando de Música, o nosso tema, por mim, misturo os sons do vocábulo que sem palavras povoa actualmente a minha Vida e confesso em tom de alegação final, respirar melodia, trabalhar batidas, aprender sôfrega produção e novas técnicas e tecnologias, desembolsar muito do que recebo nos “milionários” cachês em música, material, software e cursos. Ah, além de semanalmente fazer do público - que vou por aí alegremente descobrindo  nas esquinas do nosso país - cúmplice destas minhas descobertas constantes que considero mais constatações do que indagações. Sentir os sorrisos no ar, enquanto exerço as minhas escolhas musicais, criar emoções, servir de tom ao primeiro beijo ou apaziguar uma discussão com o volume dos decibéis, fazer a festa onde quer que passe! Sonhar com os temas novos que comprei no dia anterior e sentir que cada noite que passa, os meus dedos acompanham cada vez mais os meus pensamentos e sabem exatamente o efeito a fazer, o timming da mistura, descobrem a tempo a “a capela” perfeita que os faz cantar comigo. Digam-me, se isto não é ser DJ, o que é afinal?

E brilhar… sim, brilhar como só um DJ iluminado consegue fazer quando acerta no set perfeito e encontra assim a noite exemplar. Talvez aí possa concordar que os apresentadores, actores modelos e afins, que tanto são criticados, gostam efetivamente de brilhar, porque assim cresceram na sua profissão “de base”, se assim lhe quisermos chamar. Mal – ou bem – habituados, a verdade é que a profissão de DJ acaba por lhes afagar o ego e lhes oferecer o seu público, as suas palmas, os seus créditos, por lhes dar o fogo que gostam de ver a arder. Tudo o que precisam, para se sentirem como se tivessem bebido um batido energético, revigorados e entusiastas. E… que mal há nisso? Ser criador, comunicador, artista, é isso mesmo. E é tão bom. Porquê ter vergonha?

Enfim, toda esta conversa para que entendam, que por vezes, para nós “os tais”, os “meninos bonitos e conhecidos”, vingar nesta profissão, pode até ser mais difícil do que para os outros. Vingar à palavra, não aparecer, porque aí, já a estória é outra e exista quem o faça ou não, é algo que nem me apraz comentar. Para os capazes e verdadeiros, talvez se possa assegurar já um palco montado à nossa espera, sem o esforço de o alcançar já que ele já nos recebe há anos e já nos aguarda de uma forma familiar. Mas, por outro lado os focos nunca apagam, não saem um minuto de cima, a exigência é muito maior e o tombo, que tanto torcem para que dêmos, a acontecer… É sempre muito maior porque até aí há espetadores. E o tema vira sempre nacional e não só conversa na coletividade ou na rua dos amigos.
 

"[...] Sonhar com os temas novos que comprei no dia anterior e sentir que cada noite que passa, os meus dedos acompanham cada vez mais os meus pensamentos e sabem exatamente o efeito a fazer, o timming da mistura, descobrem a tempo a "a capela" perfeita que os faz cantar comigo. Digam-me, se isto não é ser DJ, o que é afinal?"

 
Toda esta conversa para vos dizer que para os 3, 4, 5 ou 6 DJs - figuras públicas (os sérios, que dos outros, em breve não rezará a história) que querem um público, não de moucos mas sim uma audiência com bom gosto, uma mão cheia de groovy party people e uma série de críticos do seu lado… a vida não é de todo assim tão facilitada como tantos gostam de apregoar. E o maior gozo que podemos ter é, quando no final de um gig, numa qualquer noite de inspiração, um daqueles DJs “à séria”, um senhor, um profissional com anos de carreira e sabedoria, perícia e experiência, vem ter connosco e diz: “Miúda. Parabéns! ATÉ te estás a sair bem!” E aí… mesmo com um ATÉ à mistura, a força volta a estar contigo e que se lixem os que à partida já têm um dedo apontado e uns tampões nos ouvidos… só porque és a Rita da televisão.

Se ser DJ virou moda? Moda vira o que é bom, o que sabe bem e dá vontade de imitar. E asseguro-vos que ser DJ é efetivamente Fenomenal!!

E assim destes pequenos grandes nadas se faz a Lei da Vida :).

Turn on the music!
 
Rita Mendes
Publicado em Rita Mendes
segunda, 02 abril 2012 21:33

Conversas à beira bar

 
DJs...
Nos dias que correm, surgem cada vez mais DJs (wannabes) ou projetos envolvendo os mesmos. A polémica estalou! As casas agradecem os cachets mais baixos e a capacidade de movimentar gente, característica típica de RPs. Mas no meio de tanta polémica acabamos por atirar pedras, quando de facto mesmo nós temos telhados de vidro...

Um dia ao olhar à volta cheguei a uma conclusão: no nosso dia-a-dia protagonizamos algo que segue a mesma linha lógica sobre a qual muitos de nós se queixam.

As casas procuram DJs mais baratos que arrastem gente para os ouvir, fazendo um paralelo com outra realidade. Neste mundo existe tanta gente que tem um amigo habilidoso que consegue arranjar o nosso computador, TV ou máquina de lavar roupa, aí poupamos uns trocos por não precisarmos de recorrer a pessoas ou empresas especializadas que nos sairiam mais caras.
Então essas mãos e mentes habilidosas, embora não sejam formadas ou treinadas para a área especifica, acabam por “desenrascar” de uma forma que nos serve perfeitamente e nos favorece economicamente, retirando trabalho a quem estudou, treinou ou se especializou em determinada arte, ciência, etc.
 
A luta dos DJs já remonta a tempos míticos em que se criticava quem não tinha um mix perfeito ou não tocava uma determinada linha musical da eleição da maioria dos artistas mais conceituados. Agora para além da técnica ser quase nula por parte destes, ainda existe a problemática da qualidade musical que é em grande parte a única possível... numa conversão medíocre de um vídeo online para formato áudio (o que é ainda mais reprovável)!
 
Mas no meio de tantas polémicas esquecemo-nos que ser DJ não é apenas o “mix perfeito”, é sim a espiritualidade e a forma de estar com a música e o público numa sintonia repleta de boas vibrações e, de facto, o que falta em profissionalismo ou habilidade a todos os "wannabes" é compensado com essa boa vibe que eles levam para as cabines e pistas!

Prego atrás de prego (usando a gíria DJística) eles constroem uma noite bem regada de sorrisos, dança e amizade ainda que a técnica e qualidade sonora estejam ausentes... se bem que a base da história do DJing era apenas passar música sem ter necessariamente que existir o "mix". Se formos ao "fusilis" da questão, este novos iniciados também podem ser considerados DJs porque passam música (mesmo que pareça uma noite de feira popular ou um bom bailarico da terrinha)!

Já cansa tanta queixa. Vivemos num mundo livre e cada um tem o direito de experimentar, viver, vibrar e a música e o público potenciam toda uma panóplia de emoções. Chega de tanto drama, "diz que disse" e mau estar entre os demais.
Todos sabemos que no final prevalece sempre a qualidade e a alma que poucos podem oferecer. Em todo esse mundo se procura o barato de biscates mas no final quando queremos qualidade garantida, acabamos por recorrer a quem “sabe o que faz” e está certificado para isso, porque o mais barato por vezes sai caro...
Fica esta no ar para os mais atentos: “Deixa-os andar” como diria o mais típico dos portugueses!
 
Francisco Praia
www.facebook.com/funkyou2djs
Publicado em Francisco Praia
quarta, 01 fevereiro 2017 21:25

It's all about music

Vivemos numa era digital. Inicialmente, quando surgiram as primeiras tecnologias digitais todos e em todas as áreas profissionais, mas em particular na música mostraram alguma resistência à mudança. No entanto, rapidamente os benefícios e vantagens do formato digital conquistaram os profissionais em todos os quadrantes.
 
Eu, por acaso, confesso ter sido um dos resistentes a esta mudança e deixei o vinyl muito depois de ter aparecido a possibilidade de trabalhar a música de forma digital. Mas isto tem uma justificação forte. Antigamente, nos primórdios da cena digital, todo o material técnico para DJ não era de grande qualidade. Felizmente as coisas mudaram, hoje em dia a qualidade por exemplo dos CDJ seja da gama mais básica aos topo de gama, apresentam qualidades técnicas e funcionalidades que os seus primórdios nem sonhavam.
 
Na minha área musical, atravessando esta nova tendência, alguns temas que me interessavam começaram a deixar de ser prensados em vinyl e por isso quase de uma forma natural fui incorporando no meu setup de DJ a tal vertente digital (CDJ) para poder ir acompanhando o que se passava e tocar até alguns temas exclusivos, remix’s ou mashup´s que em parte não eram editados no formato vinyl. Facto esse, prende-se com a redução de custos, não só de produção como de edição e distribuição. O formato digital revela-se assim, um meio extremamente económico e com potencial lucrativo brutal.
Com isto, viria mais tarde a comprar um Mac (computador portátil) para poder iniciar-me nesta nova era. À primeira vista só o facto de me libertar de kilos de peso das malas de discos para me movimentar de gig para gig já era uma grande vantagem.
 
Desenvolveu-se no entanto, ainda algum preconceito especialmente entre a comunidade DJ relativamente aos DJs que optam por abraçar esta evolução tecnológica recorrendo assim, por exemplo, ao tão afamado sync ou a controladores digitais que recorrem a comunicação MIDI. Parece-me um assunto que apesar de muito polémico, se afasta do conceito essencial que é o trabalho de DJ na sua essência.
 

O facto de um DJ assumir a utilização de sync, não faz dele menos DJ do que um DJ que continue a trabalhar com vinyl.

 
A essência de ser DJ não é, nem nunca foi o formato de som que se opta para tocar ou trabalhar, mas sim a forma como o faz, ou seja, a escolha dos discos e a técnica com que os passa é sempre o primordial, no entanto, historicamente o DJ é conhecido pela utilização de discos em vinyl, através do qual também a técnica transparecia, aliás, nos dias de hoje ainda se registam vendas muito acentuadas que são na sua maioria graças aos DJs que persiste com a utilização do vinyl.
 
O vinyl hoje é visto como uma jóia e os temas lançados neste formato são aclamados muitas vezes como raridades ou edições limitadas que são muito apetecíveis especialmente entre os DJs mais underground o que acontece mais em vertentes como o techno, tech-house e house.
 
Este preconceito de que falamos prende-se muito, na minha opinião, com a resistência a mudança. O facto de um DJ assumir a utilização de sync, não faz dele menos DJ do que um DJ que continue a trabalhar com vinyl. A época em que o DJ precisava e gostava do vinyl também para demonstrar a sua superioridade técnica já era… Na verdade, um "SYNC DJ" pode tornar o seu trabalho bem mais complexo e personalizado relativamente a qualquer outro DJ. Existem vários exemplos de sucesso internacional que utilizam um setup complexo recorrendo a sync para poderem introduzir desde samples,  loops ou acapellas.
 
O paradigma de DJ hoje é muito diferente do que era ha 10 anos... ou nem tanto. Porque na realidade as pessoas não querem muito saber se o DJ X ou Y toca em vinyl ou cd ou pen... a sério? Ainda há quem acredite que isso é a essência do que quer que seja? 
Pode ser um plus, ou algo que abone a favor do DJ para quem aprecie o som do vinyl por exemplo, mas mesmo assim nem nisso vejo uma vantagem... tudo depende do que é melhor para cada DJ... cada um escolhe o seu setup de acordo com o que acredita ser melhor para o seu trabalho. E aqui encontramos outra grande vantagem, na minha opinião da era digital que é a oferta de possibilidades de escolha e da entrada mais facilitada de novos talentos no mercado.
 

As pessoas não querem muito saber se o DJ X ou Y toca em vinyl ou cd ou pen.

Temos que olhar para tudo isto como uma espécie de benção. Temos DJs como o Richie Hawtin ou o Dubfire no techno ou ainda Deadmau5 do house progressivo que hoje em dia quase sempre só tocam recorrendo a controladores MIDI e eventualmente CDJ ou ainda exemplos como Ricardo Villalobos, Sven Vath, entre outros que preferem utilizar ainda o vinyl. 
 
Achei importante abordar este tema no sentido de tentar fazer as pessoas perceberem que o trabalho de DJ é muito mais do que o formato de música que utiliza para trabalhar. Embora trabalhe hoje em dia recorrendo unicamente ao formato digital mais precisamente aos CDJ, acho injusto muitas críticas que ouço, tanto de profissionais como de amadores ou público em geral relativamente ao facto de se usar CDs, pens ou ainda recorrendo a softwares como o Traktor ou o Serato para tocar fazendo assim parecer que só o vinyl é valido para profissionais e tudo o resto não interessa.
 
Hoje em dia, com a qualidade dos estúdios, das tecnologias, etc., a música tem uma qualidade incrível e portanto o formato analógico ou digital não diz respeito, nem afeta negativamente a música, ou pelo menos esse não é o suposto... a tecnologia existe para facilitar o nosso trabalho e para nos ajudar a desempenhar os nossos trabalhos.... mas seja como for, e aliás como dizia a musica... "It's All About Music”.
 
Publicado em João Garcia
domingo, 01 julho 2012 23:23

União vs crítica?!

 
Em Portugal, infelizmente, a união não existe, deu lugar à crítica… Basta recuar uns dias e analisar o caso da nossa seleção que participou no EURO 2012. Como a primeira partida não correu da forma esperada, (quase) toda a gente a abandonou e a crítica massiva invadiu todas as redes sociais. Ao invés de a apoiarem incondicionalmente, acreditarem que seria possível fazer mais e melhor, e de alguma forma motivarem os nossos jogadores. O mesmo se passa no mundo dos DJs e Produtores nacionais, e é algo que me entristece...
 
Tudo bem que hoje em dia "toda" a gente quer ser DJ, e em cada 10 novos DJs, 8 fazem parte do leque de "estrelas" de TV ou vítimas de programas da mesma, e esses "desesperados" que começam a perceber que a vida não lhes corre bem então viram para o DJing. Mas ainda sobram 2, e esses 2, podem vir a ser grandes DJs e grandes produtores de música. Mas numa primeira fase, o que é que se julga? O estilo musical…
Hoje em dia há uma grande luta pelo que é considerado "boa" música  - mas a música é ao gosto de cada um e só e apenas cada um pode decidir o que é bom ou mau. Não podemos deixar que os outros decidam por nós! É igual a comprar um carro, vamos comprar um determinado modelo de carro só porque o vizinho gosta dele ou porque nós o queremos assim?
 
Se um DJ passa temas comerciais, já não presta, porque o que é bom é o desconhecido (até ser conhecido - depois passa a ser mau… porque é comercial). Independentemente do estilo preferido de cada um de nós, o que interessa na verdade, é o trabalho duro que cada um investe naquilo que considera ser o seu sonho, objetivo de vida e a forma como o exterioriza para com as pessoas que o vão ver atuar.
 
Continuo também sem perceber porque é que não podemos apoiar a nossa "dance scene" como um todo, como fazem "lá fora"? Porque é que é preciso criticar tudo e todos? Na verdade, criticar é tão mais fácil do que fazer melhor…
 

"Porque é que é preciso criticar tudo e todos? Na verdade, criticar é tão mais fácil do que fazer melhor..."

 
Se, por exemplo, os Holandeses e os Suecos tomaram de assalto a dance scene "mainstream" não foi por acaso! Eles são todos unidos e trabalham em conjunto para atingir um fim em comum - há espaço para toda a gente, eles sabem disso, e vão-se apoiando à medida que vão subindo, independentemente do estilo musical de cada um.
 
Em Portugal o mesmo não acontece porquê? Porque é que a primeira coisa que fazem é criticar destrutivamente e descredibilizar, baseado nas suas preferências musicais?
"Ora, se eu não gosto de David Guetta, porque é que vou apoiar um ‘gajo’ que toca David Guetta?"
 
Se hoje a EDM (Electronic Dance Music) está no estado que está (bom ou mau, depende do ponto de vista) é graças aos artistas "mainstream", mas estes não abriram portas única e exclusivamente para o resto da comunidade de artistas "mainstream", abriram portas para TODOS os artistas que dedicam a sua vida à música de dança - seja ela de que estilo for, porque hoje existem cada vez mais festas de música eletrónica, as rádios passam cada vez mais música eletrónica, existem muitas mais editoras, existe muito mais suporte que pode ser aproveitado - a EDM é algo GLOBAL!

Vá, vamos lá canalizar esta energia negativa e fazer com que o nosso país tenha, pelo menos, o mesmo sucesso no mundo da música (independemente do estilo musical) que tem no mundo do futebol!
 
Daniel Poças
FY2 - The Party Rockers
Publicado em Daniel Poças
Pág. 1 de 9
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.