21-05-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

domingo, 02 março 2014 23:53

Tomorrowworld estuda edição no Brasil

No início de fevereiro o festival belga Tomorrowland viu 360 mil ingressos, para dois fins-de-semana, esgotarem em menos de uma hora prometendo a maior edição de sempre. No passado mês de setembro, o evento saíu pela primeira vez do espaço que o viu nascer, com uma edição internacional, intitulada "TomorrowWorld" que levou 150 mil festivaleiros a Chattahoochee Hills, nos Estados Unidos. Esse gigantesco sucesso está a levar a organização a estudar novas localizações para o festival.
 
Em 2013 os irmãos Manu e Michael Beers, responsáveis da ID&T, empresa tutora do Festival Tomorrowland, deram uma entrevista para o De Tijd, um jornal de finanças da Bélgica, onde falaram sobre os planos de implementar o Tomorrowland em todos os continentes. Esse mesmo jornal informou recentemente que os cérebros máximos da ID&T estão a projetar a possibilidade de realizar uma edição no país da cidade maravilhosa.
 
Entretanto e sem querer desvendar pormenores, ao mesmo jornal belga, a porta-voz da produtora, Debby Wilmsen referiu "Estamos a procurar países noutros continentes para uma expansão internacional do evento. Uma boa localização e a combinação do time ideal são condições essenciais para a realização do evento".
 
Recorde-se que o ano passado e sete meses após os comentários sobre a expansão do evento, o TomorrowWorld foi realizado em Chattahoochee Hills, na Georgia (Estados Unidos), local que também irá receber a segunda edição este ano, nos dias 26, 27 e 28 de setembro.
 
Publicado em Tomorrowland
Emocionante e comovente são adjectivos que definem a abertura dos portões do maior evento de música e entretenimento do mundo. Os visitantes foram recepcionados pessoalmente por Roberto Medina, Presidente do Rock in Rio, que fez questão de receber e elogiar o público que entrava na Cidade do Rock às 14 horas em ponto de sexta-feira, dia 23 de Setembro.
O clima festivo e harmonioso marcou o primeiro fim-de-semana de Rock in Rio, que contou com lotação esgotada. Cerca de 100 mil pessoas visitaram diariamente o primeiro fim-de-semana da 4º edição do Rock in Rio, na cidade que o viu nascer.
Nos últimos 3 dias a área central do evento esteve repleta de fãs sedentos de música e espectáculo.

O primeiro dia de Rock in Rio foi caracterizado pelos ritmos Pop de artistas como Katy Perry, Elton John, Rihanna e pelos portugueses The Gift e Rui Veloso, no Palco Sunset. A abertura do Palco Mundo foi marcada por um espectáculo de fogo-de-artifício, que culminou com a actuação dos Paralamas do Sucesso e Titãs, com a participação especial de Milton Nascimento.
Já o segundo dia, 24 de Setembro, foi dedicado ao Rock com o destaque para as actuações de Snow Patrol e Red Hot Chilli Peppers. Na electrónica DJ Vibe animou os visitantes, com o seu som contagiante.
Por sua vez, dia 25 de Setembro, Domingo, deu a vez aos fãs de Heavy Metal, com as actuações de Motörhead, Slipknot e Metallica a fazerem as delícias do público presente.
A Rock Street, grande novidade desta edição de 2011, encantou todos os que se deslocaram à Cidade do Rock, com actuações de malabaristas, bandas de Jazz, artistas de sapateado, mágicos, acrobatas, estátuas humanas, entre muitos outros. Esta cidade cenográfica, inspirada em Nova Orleães, abre portas às artes performativas alargando o leque de diversão ao dispor dos visitantes do Rock in Rio.

O Rock in Rio regressa nos próximos dias 29 e 30 de Setembro e 1 e 2 de Outubro, com mais concertos e animação. Em Portugal os fãs podem continuar a acompanhar o evento através do site oficial rockinriolisboa.sapo.pt.
Publicado em Rock in Rio
sábado, 04 julho 2015 20:21

Frechaut conquista público brasileiro

O DJ e produtor Frechaut, uma das jovens promessas do nosso país no género da música eletrónica, já começou a dar cartas no Brasil. Esteve recentemente em território carioca em digressão e passou por várias cidades como Niterói, Ararauama, Campos dos Goytacazes, Cachoeiro do Itapemirim e Volta Redonda.
 
Esta viagem serviu também para captar algumas imagens que vão ser utilizadas no próximo videoclip de Frechaut. O DJ teve também a oportunidade única de estar em estúdio com vários produtores brasileiros, incluindo Roger Lyra.
 
Está também disponível um aftermovie da tour brasileira de Frechaut, onde poder-se-á ver filmagens das melhores paisagens, festas brasileiras e ainda o DJ a distribuir merchandising do Portal 100% DJ. As imagens foram captadas e editadas por Rodrigo Albuquerque.
 
{youtube}FdMbr7amaF4{/youtube}
Publicado em Artistas
O português Diego Miranda acaba de ser confirmado para a próxima edição do Ultra Brasil, que vai decorrer entre os dias 12 e 14 de outubro no Sambódromo do Rio de Janeiro. O autor de “Turn The Lights Out” torna-se assim o primeiro artista nacional a subir ao main stage do Ultra Brasil a 14 de outubro.
 
A atuação de Diego Miranda está marcada para as 19 horas locais, antecedendo a performance de Sander van Doorn. O DJ e produtor português tem vindo a participar em outras edições de festivais internacionais como o Tomorrowland ou o Ultra Music Festival nos últimos anos.
 
Alesso, Armin van Buuren, Knife Party, Paco Osuna, Steve Angello, W&W, Jamie Jones e David Guetta são outros dos artistas confirmados para a edição brasileira do Ultra Music Festival.
 
Os bilhetes estão à venda exclusivamente no site oficial do evento em ultrabrasil.com.
 
Publicado em Ultra Music Festival
Os Club Banditz arrancam em breve para uma nova tour internacional.
Primeiro vão até à Europa de Leste, assaltar a Lituânia, num fim-de-semana que promete agitar as hostes, a 7 e 8 de setembro.
Depois seguem para a terceira tour no Brasil em 2012. De 14 de Setembro a 20 de Outubro, a quadrilha vai rebentar, mais uma vez, com o seu som nas Terras de Vera Cruz.

Confere a agenda:

EUROPA DE LESTE
07.09.2012 - POP STAR - KAUNAS | LITUÂNIA
08.09.2012 - PORT- KLAIPEDA | LITUÂNIA

BRASIL TOUR
14.09.2012 - 2ME - BALNEÁRIO CAMBURIÚ | SC
15.09.2012 - FESTA FANTASIA - UBERABA | MG

28.09.2012 - BALLROOM - SÃO PAULO | SP

05.10.2012 - RAKENNE - ITAJAÍ | SC
06.10.2012 - CONFRARIA CLUB - FLORIANÓPOLIS | SC

12.10.2012 - CINEMA D - RIBEIRÃO PRETO | SP
13.10.2012 - OPERA CLUB - CONCÓRDIA | SC
Publicado em Artistas
sábado, 12 setembro 2015 22:46

Alok: 'O meu berço foi a música eletrónica'

Chama-se Alok e é um dos nomes da atualidade da música eletrónica brasileira, que mais destaque tem alcançado a nível internacional com atuações no Rock In Rio Las Vegas e em várias edições das famosas festas das cores Happy Holi. Depois de ser considerado como o DJ e produtor mais popular da terra do carnaval pela House Mag, o artista estreou-se em Portugal na edição de Cascais da Where’s The Party by Carlsberg. O Portal 100% DJ esteve à conversa com Alok numa entrevista exclusiva, acompanhada pelas filmagens do seu novo documentário, onde os temas destacados na mesma foram a sua carreira, o nosso país e o cenário da música eletrónica no Brasil.
 
 
O facto dos teus pais serem DJs influenciou a tua escolha desta profissão?
Com certeza. Eu nasci neste meio eletrónico. O meu berço foi a música eletrónica e os meus pais inspiraram-me muito e ainda inspiram.
 
Porque decidiste criar a tua própria editora “Up Club Records”?
Porque acho que há muitas pessoas talentosas por aí e muitas vezes não conseguem demonstrar o seu trabalho, porque não se conseguem encaixar ou adequar-se ao formato das editoras. A editora é aberta para todos os tipos de criatividade - o que importa é a criatividade, nós não rotulamos nada. É mais uma porta e uma oportunidade para as pessoas poderem mostrar o seu trabalho e não serem influenciados pelas editoras a criar a música que eles querem.
 
Que novos talentos tens debaixo de olho?
Há muito bom talento. É o caso de um rapaz chamado Illusionize - ele está a “rebentar”. Existe também o Dazzo, ele já toca há muitos anos, mas está agora a ter destaque. Também comecei a ver vários nomes novos que nunca tinha ouvido falar e vou fazer o lançamento. Possivelmente irei divulgar no melhor momento, depois de toda a parte burocrática, contrato, etc…
 

A editora é aberta para todos os tipos de criatividade - o que importa é a criatividade, nós não rotulamos nada.

 
Tens viajado em digressão por quase todo o Brasil. Qual é a tua visão do cenário da música eletrónica no país?
No Brasil, estamos a viver agora um momento de maior ascensão. Começamos a apercebermo-nos que as crianças hoje estão muito inseridas na música eletrónica e isso é algo inédito, porque anteriormente as pessoas só se inseriam na música eletrónica a partir dos 18 ou 19 anos.
 
Nos últimos meses, o Brasil tem recebido grandes e importantes festivais de música eletrónica, como é o caso do Tomorrowland, onde também atuaste. Qual foi a sensação de estar na cabine do Main Stage, daquele que é considerado o melhor festival do mundo?
Foi a realização de um sonho e não poderia ter sido melhor. Realmente foi o melhor gig da minha vida. Abriu portas a muitas coisas positivas na minha carreira, e bem... o Tomorrowland é um fenómeno, não é? Fiquei muito feliz por fazer parte desse palco e dividi-lo com grandes nomes.
 
Tencionas atuar na edição da Bélgica?
Este ano não, somente no TomorrowWorld, nos Estados Unidos da América.
 
Sabemos que o teu nome significa luz. Consideras a luz uma fonte de inspiração para as tuas produções?
Nunca tinha parado para pensar, mas pode-se dizer que sim.
 
Foste considerado pela House Mag como o DJ número 1 do Brasil. Com que sentimento recebeste essa distinção?
É curioso porque em todos os outros anos eu nunca tinha entrado. E na minha estreia, foi logo em primeiro lugar. Eu sei que há muitas pessoas muito boas no Brasil também, pela qualidade e até pessoas com mais técnicas que eu, só que de repente faltou um pouco de acreditar em si mesmo entendeu? E eu sempre acreditei, colhi frutos e acabei sendo... Os meus números falam muito alto, como o voto é de popularidade e não há juízes por trás, o DJ mais popular do Brasil hoje sou eu.
 
 
A tua vinda mais cedo para Portugal, deu para conheceres um pouco do nosso país?
Sim, eu dei uma volta por vários sítios e estou apaixonado. É muito porreiro.
 
Tencionas voltar?
Com certeza. Quero voltar e quero comer muito aqui nos restaurantes porque foi a melhor comida que comi na vida.
 
Como descreves a atuação no Where’s The Party em Cascais? Superou as expetativas?
Para ser sincero foi muito difícil... A minha sonoridade, no meio da “EDM” é muito mau para mim. Mas faz parte e nós temos que estar preparados para tudo. Criei muitas expectativas, uma ideia na minha cabeça e acabou por ser mais difícil do que eu imaginava. Nem tudo é assim tão fácil - o que é bom, porque saí da minha zona de conforto, que no Brasil para mim é tudo mais fácil, logo foi um desafio também.
 
Que artistas portugueses de música eletrónica conheces?
O Diego Miranda apenas.
 
Que projetos tens para desenvolver a curto e longo prazo?
A curto prazo vou lançar o meu álbum e a editora. Estamos também a produzir o documentário da minha vida que acho que vai levar um a dois anos para estar no ar, ou seja um projeto a longo prazo.
 
Vais fazer campanha este ano para o Top 100 da DJ Mag?
Estamos a fazer uma campanha muito forte. O ano passado nem apostámos muito e fiquei em 117º lugar.
 
Acreditas portanto na tua estreia no Top 100?
Vamos ver, acredito que sim.
 
Que mensagem queres deixar aos leitores do Portal 100% DJ?
Quero agradecer por me terem recebido tão bem aqui e quero voltar mais vezes, esperando que da próxima vez não me coloquem entre dois DJs de EDM, mas sim no horário certo.
 
 
Segue Alok nas redes sociais

     

 
Publicado em Entrevistas
A maior rede de escolas de DJs do Brasil acaba de chegar a Lisboa, sendo a primeira escola internacional de música eletrónica presente em Portugal. A AIMEC (Academia Internacional de Música Eletrónica) foi fundada em 2004 e hoje já conta sete unidades espalhadas pelo Brasil. Na passada quinta-feira foi a vez de inaugurar o seu novo espaço, no 12.º andar do Edifício Castil em Lisboa.

Com amplas salas e uma incrível vista sobre a capital alfacinha, além de uma Academia de aprendizagem, neste novo espaço será possível estabelecer contatos com artistas, construir novos projetos e viver uma experiência imersiva dentro da música eletrónica. 


"Portugal precisa de uma escola como a nossa"

Foi precisamente essa a ideia, que Luísa Pyrrait e António Penalva tiveram em mente há cerca de dois anos atrás, quando, depois de 10 anos no Brasil, decidiram regressar ao país que os viu nascer, muito por culpa da família que "falou mais forte" conta Luísa. Além da agora nova Academia de Lisboa, Luísa e António são também proprietários das AIMEC de Balneário Camboriú e Florianópolis. "Feitos os estudos de mercado, e de encontrarmos o Bernardo, nosso sócio e peça fundamental para que a AIMEC Portugal hoje exista, resolvemos abrir esta escola" releva à nossa redação.

A oferta de um ensino de qualidade e a criação de uma comunidade são os principais objetivos desta Academia e Luísa Pyrrait garante que "o grande mérito da AIMEC é que além do seu ensino ser muito bom e das técnicas utilizadas serem únicas, é o conseguir sempre formar à sua volta uma comunidade e uma segunda família para os nossos alunos que não têm idade." A provar que a idade é apenas um número, Luísa conta que no Brasil existem "alunos com 10, 11 anos e temos também avós que fizeram cursos com os filhos na mesma turma".
 


Em termos comerciais, a AIMEC Portugal tem disponíveis cursos de DJ, Produção Musical, Produção Musical Avançada, Teoria Musical e Mixagem & Masterização. Embora o rol de professores não esteja totalmente fechado, alguns nomes já foram selecionados, como é o caso do DJ Handerson (Brasil) e DJ Nokin (Portugal).

"Primeiramente, conheçam a AIMEC, quero muito, de coração, que todos os leitores saibam o que é a AIMEC. Não queremos ser uma escola de DJs, mas sim uma Academia de música eletrónica, onde as pessoas possam vir, tenham convívio, tenham uma comunidade que envolva o país e até Europa inteira, e que os nossos alunos sejam cabeças de cartaz dos melhores festivais e clubs, tal como no Brasil" convida Allan Gee, também sócio da Academia de Lisboa.

Questionados sobre uma possível expansão na Europa, Luísa e Allan Gee não têm dúvidas que esse será o caminho a seguir, "mas primeiro pretendemos cimentar bem a marca em Portugal" afirmam.
 
Publicado em Reportagens
Pires de Lima há muito que o queria: levar Água das Pedras para o mercado brasileiro. Agora conseguiu-o. A marca de águas com gás da Unicer chegou ao Brasil, tendo-se apresentado oficialmente na ExpoVinis, em São Paulo.
 
"A entrada da marca Água das Pedras no Brasil é mais uma importante etapa na estratégia de internacionalização da Unicer, um programa que pretendemos prosseguir com a entrada noutras importantes cidades cosmopolitas. É uma marca muito conceituada nos quatro cantos do mundo mas por ser um recurso limitado temos de gerir a sua exportação com muita atenção. É um recurso português que queremos e merece ser preservado", declarou António Pires de Lima, presidente executivo da Unicer.
 
No Brasil, a Água das Pedras vai integrar o segmento de águas de luxo "devido aos seus atributos mais valiosos, como a origem e as características únicas" e estará presente no universo gourmet, em restaurantes, hotéis e bares de categoria superior, bem como em retalho premium, informa a empresa.
 
Para apresentar a marca na ExpoVinis, aos críticos de gastronomia, sommeliers, enólogos e outros profissionais da restauração, foram desenvolvidas algumas iniciativas, como várias harmonizações de menus de chefs reconhecidos no Brasil com Água das Pedras - como, o chef português Vítor Sobral, restaurante Tasca da Esquina, em S.Paulo; chef Bel Coelho, restaurante Dui; e os chefs Ligia Karazawa e Raúl Jiménez, restaurante Clos de Tapas.
 
Com 140 anos, a Água das Pedras prossegue assim a aposta na sua internacionalização e prepara-se para entrar noutras cidades mundiais, como Nova Iorque e Berlim, onde pretende posicionar-se também no segmento premium.
Publicado em Marcas
Metallica, Iron Maiden e Bruce Springsteen são os primeiros nomes revelados para o cartaz do Rock in Rio 2013, a realizar no Rio de Janeiro em setembro do próximo ano.

A 15 de setembro de 2013, Bruce Springsteen e a The Street Band regressam ao Brasil 25 anos após o primeiro e único concerto no país. Em junho deste ano, o músico norte-americano e a sua banda fecharam com chave de ouro a mais recente edição portuguesa do Rock in Rio, em Lisboa, perante 80 mil pessoas.

Os Metallica, que também passaram pelo Rock in Rio Lisboa 2012, serão os cabeças-de-cartaz de do festival brasileiro no dia 19 de setembro. Esta será a sexta vez que a banda californiana atua no evento que nos últimos anos se tem dividido por Portugal, Brasil e Espanha.

Presentes no primeiro e no terceiro Rock in Rio, no Brasil, em 1985 e 2001, os Iron Maiden voltam ao Rio de Janeiro a 19 de setembro com o novo espetáculo, «Maiden England», que recria a digressão mundial da banda britânica em 1988.

O Rock in Rio 2013 acontecerá no Rio de Janeiro nos dias 13, 14, 15, 19, 20, 21 e 22 de setembro.
 
Publicado em Rock in Rio
A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados do Brasil aprovou no passado mês de novembro, um projeto de lei que regulamenta a profissão de DJ. Entretanto foi alterado e volta em breve ao Parlamento brasileiro para que possa ser novamente discutido e, por sua vez, votado.
 
Para exercer a profissão de DJ no Brasil, os artistas têm de ter frequentado um curso técnico de 800 horas, em instituições reconhecidas pelo Ministério da Educação. Para realizar o curso, é obrigatório ter pelo menos 16 anos e o ensino médio completo (ou estar ainda a frequentar).
 
Esta nova regra não se aplica aos profissionais que já estejam a trabalhar na área há, pelo menos, cinco anos, nem para os DJ estrangeiros que permaneçam no Brasil até um mês.
 
A duração do trabalho de um DJ profissional também foi tida em conta e não pode superar as seis horas por dia e ir até 30 horas por semana. Essa duração é o período de apresentação ao público, incluindo também ensaios e atividades de promoção do artista. O DJ deverá ainda ter direito a um intervalo para refeição e descanso de 45 minutos, no mínimo. Em relação às horas extras, o pagamento tem uma subida de 100% sobre o valor normal. Se o artista trabalhar em condições perigosas, o projeto de lei prevê ainda que o mesmo deva receber um pagamento adicional.
 
Em Portugal, “Disc Jockey” é reconhecido como um profissional das artes do espetáculo. Isto é, desde 2010 que o Instituto Nacional de Estatística inclui o “Djing” na Classificação Portuguesa de Profissões com o número 26.59.1 e é conferido o direito de usar o C.A.E. 90010 a quem iniciar/exercer a atividade com esse número.
 
Em termos burocráticos, recorde-se que a PassMúsica (entidade legal de proteção dos direitos autor ligados à música) possui uma licença - a Licença de Reprodução para DJs - que abrange todas as pessoas que exerçam a atividade de DJ (profissional ou acessória) cujo objetivo objetivo passa por permitir aos DJs a utilização de gravações musicais em formatos diferentes daqueles em que foram adquiriram originalmente. A licença tem o valor anual de 350 euros.
Publicado em Mix
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.