23-01-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

"We Are Your Friends" é o novo filme protagonizado por Zac Efron, que interpreta o papel de um DJ que trabalha na sua primeira música e pretende alcançar o estrelato.
 
A música eletrónica está a ganhar cada vez mais público e parece que a sétima arte é uma nova área a explorar. Max Joseph é o realizador do filme, que chega aos ecrãs em 2015 e pretende mostrar também a vida noturna de Hollywood.
 
No dia 11 deste mês, Alesso esteve presente no set de filmagens da longa-metragem e deu algumas lições de djing ao ator. Zac partilhou a fotografia no seu Facebook, considerando-o uma lenda. Em relação à banda sonora do filme, ainda não há informações, mas Alesso pode vir a fazer parte do alinhamento tal como outros DJ's.
 
A estrela do videoclip "Blurred Lines" de Robin Thicke e Pharrell, Emily Ratajkowski, faz parte do elenco.
 
Publicado em Artistas
quarta, 01 abril 2009 23:15

Everybody dance now

Neste terceiro volume editado pela Ovação, através da prestigiada ToCo Europe, pode-se de novo escutar alguns dos mais brilhantes DJ's europeus, alguns dos temas mais ilustrativos da linha electro/techno que foram/são sucesso nas pistas de todo o mundo.

Um dos destaques irá para – devido ao êxito obtido nos Tops Digitais - o tema de Carlos Silva feat. Nelson Freitas “Cré Sabe”, que durante semanas comandou a tabela de vendas em Portugal.

Mas há mais: o single popularizado por Madonna «Give It 2 Me» ao som dos , «Love Lockdown» de Kanye West ao som de ou «Save Tonight» de Eagle-Eye Cherry pela batida dos

Everybody Dance Now Vol. 3
A «dance music» no seu melhor!

   1. Carlos Silva ft. Nelson Freitas - Cré Sabe 2009 (Hardwell Sunset Radio Edit)
   2. Tom boxer and Anca Parghek ft. Fly Project - Brasil
   3. Heart of Space - Give it 2 me
   4. House Daddiez feat. Dee James - Love Lockdown (Radio Edit)
   5. Akcent - Stay With Me
   6. Deep Zone - Let the music move ya
   7. D Lete Funk K - Save tonight
   8. Kicken Vs. Yasca Pres Nado - Feel the sunshine
   9. Beasy and Leon - Mojito´s Revenge
  10. Alex Barattini - Keep on push
  11. Spoiled Bratz ft. Daniel Beasley - Don´t you tell me 2 stop
  12. Tanto Project - Perfect color (bossa n´tanto mix)
  13. Andy Callister - We dance (L.A. Barrio)
  14. J.E.L. - Make believe
  15. Chris Feeling ft. Connie Wright - Love on track
  16. Chemical Solution - Call me when you sober
  17. Jean Moiree ft. Pheel - Heavy session
  18. Voila ft. Deej - grrove is in the heart
  19. Yarabi - Homoyo
  20. Wolffman - U get your hands up
  21. Summerlove - Summerlove Part 2
Publicado em Artistas
quinta, 20 dezembro 2012 21:46

10 Músicas que vão impedir o fim do mundo

Não sabemos ao certo nem podemos prever se a "coisa", se "dá". Os grandes cérebros da NASA dizem que não, e é tudo mentira. O reboliço é tanto, que até já entrámos na onda.
Temos a certeza que as 10 músicas que apresentamos em baixo, impedem que isto algum dia acabe. Play!
 
1
 
 
2
 
 
3
 
 
4
 
 
5
 
 
6
 
 
7
 
 
8
 
 
9
 
 
10
 
 
Publicado em Mix
Decorreu este fim-de-semana em Lisboa o primeiro Congresso Profissional de Música Electrónica onde tive o prazer de estar presente e onde fui convidado para partilhar um pouco da minha experiência na conferência sobre "Carreiras e Agenciamento". Se é de saudar esta iniciativa, terei também de partilhar convosco o meu ponto de vista onde todos temos errado nesta indústria. 
 
Existem uma série de questões relacionadas com esta indústria que terão de ser resolvidas e este primeiro passo foi extremamente importante, no entanto, não consigo perceber o porquê de muitos dos interessados não terem estado presentes. Não sei se foi por falta de informação, se teriam estado todos a trabalhar num fim-de-semana à tarde ou se é o que eu penso e cada um só pensa no seu "umbigo" ou se fica com o "orgulho" ferido por não ter recebido um convite formal para estar presente. 
 
Neste Congresso, a conferência mais aguardada era a que iria colocar todos os presentes em "confronto/debate" com os representantes do IGAC, SPA e PASSMÚSICA.
A meu ver, nada do que se pretendia foi alcançado (apesar da abertura para debater os mais variados assuntos por parte das diferentes entidades). 
Esta Conferência e os assuntos relacionados com a mesma deveriam ter tido uma duração muito superior à que teve e onde houve muita gente que não teve oportunidade de colocar as suas questões e ver esclarecidas as suas dúvidas. Mais importante que isso, foi o facto de tudo o que ali foi falado, não adiantou em nada. Ficou por resolver (ou agendar/planear como e onde o resolver) a profissionalização da profissão de DJ, não ficou resolvida nenhuma questão relacionada com as plataformas musicais e apenas ouvimos mais do mesmo... FACTURAS E PAGAMENTOS. Possivelmente as melhores informações vieram da parte de onde menos se esperava (Passmúsica e IGAC) no que diz respeito às fiscalizações, onde as intervenções dos dois elementos ligados à fiscalização mostraram a abertura possível e explicaram que apenas exercem o que a lei (ou ausência dela) exige e o que os artistas/DJs deverão fazer e facilitar no caso de serem fiscalizados. 
 

(...) não consigo perceber o porquê de muitos dos interessados não terem estado presentes.

 
Um primeiro passo foi dado... há abertura por parte das entidades para ouvir os DJs, produtores e os seus representantes, no entanto nada disto irá acontecer porque continuamos nesta indústria a "assobiar para o lado" e ficamos à espera que haja alguém que a resolva em vez de haver uma união e que, em conjunto, seja exercida a devida pressão necessária, deixando "brechas" para que haja uns "iluminados" que abrem associações ilegais, sem estatutos e que não representam ninguém e onde apenas vivem para aumentar a sua conta bancária pessoal e o seu ego (falo directamente e abertamente da APDJs e do seu representante). 
 
Existem apenas 2 passos que podem ser tomados. A abertura LEGAL de uma associação e um sindicato para os DJs e Produtores de música electrónica (o que é praticamente impossível) porque terá de ser provado junto do Governo que a profissão é necessária e tem de ser legislada sendo de interesse público ou teremos de em conjunto com as entidades supracitadas (IGAC, SPA e Passmúsica) conseguir que as mesmas façam chegar essa informação a quem poderá efectuar a legislação devida para a "nossa" profissionalização. 
 
Existe algo que podemos usar como "trunfo" ou forma de conseguir ser ouvidos. A SPA é regida pelas normas "associativas", assim sendo, a única forma que temos disponível para que a nossa voz seja ouvida é termos voz activa dentro da SPA. Não podemos tentar lutar "de fora" e a única forma de fazer algo é estarmos dentro das Associações. Se os milhares de DJs e produtores de música electrónica formarem uma lista associativa (onde todos terão de estar inscritos como associados da SPA) e concorram com essa lista de elementos na próxima Assembleia Geral para a eleição dos órgãos sociais da SPA, com toda a certeza que seremos "olhados" de outra forma por parte de todas as entidades. Se conseguirmos fazer parte da solução e não do problema e conseguirmos ter voz DENTRO de quem realmente consegue ter voz e poderá ajudar, todos irão sair a ganhar com este processo. Temos de ser nós a dar o passo e não estar à espera que haja alguém que não tem ou não sabe o que pretendemos, que resolva o problema da nossa indústria onde o que se pretende é uma profissionalização e que não sejam os DJs e Produtores a pagar, entregar dividendos a autores e produtores que não fazem nada à uma série de anos, que não representam nada (actualmente) na indústria discográfica, dos espectáculos ou entretenimento e que principalmente as entidades percebam que a realidade da reprodução/produção e venda da musica já não é a mesma de à uns anos atrás. 
 

Temos de ser nós a dar o passo e não estar à espera que haja alguém que não tem ou não sabe o que pretendemos(...)

 
Não vamos conseguir explicar que as verbas terão de vir de uma taxa sobre quem fornece o serviço de Internet (operadoras) e que não pode ser imputada uma responsabilidade a quem pretende oferecer a sua música, seja ela para execução pública ou privada. Não vamos conseguir explicar que um "Remix" é uma obra nova (apesar de quando é editado a SPA já o considerar como tal), não vamos conseguir explicar que não temos documentos nem facturas quando uma "promo" ou uma faixa é disponibilizada para "free download" e que não podemos pedir (nem nenhum produtor o fará) um documento escrito com a identificação a quem foi "dada" uma determinada obra (imaginem o que seria se os U2 ou o Bono tivesse de passar um documento a todos os que descarregaram o último trabalho gratuito pelo iTunes). 
 
Só de dentro para fora poderemos ser escutados e se, de uma vez por todas, unirmos os esforços e assumirmos o compromisso que queremos ver legislada a "nossa" profissão e a forma como a desempenhamos bem como os meios que são utilizados. Esta é uma profissão e uma indústria que devidamente trabalhada é do interesse público, gera receitas e fontes de rendimento e inerentemente poderá trazer ao nosso País uma fonte de rendimento acrescida e contribuir directa e indirectamente para o seu crescimento.
 
Ricardo Silva
DWM Management
 
Publicado em Mix
À semelhança do que acontece em Miami ou em Amesterdão, com a Miami Music Week e o Amsterdam Dance Event respetivamente, o Dubai vai receber uma conferência mundial de música eletrónica.
 
A cidade dos Emirados Árabes Unidos tem vindo a crescer a cada dia que passa e tornou-se num grande destino de férias de luxo, com várias discotecas e clubs de prestígio internacional.
 
Esta nova conferência está prevista para acontecer entre os dias 18 e 19 de fevereiro do próximo ano, no hotel JW Mariott Marquis, com grandes nomes da música eletrónica a nível mundial, incluindo marcas e pioneiros da tecnologia. Tal como acontece em Miami e em Amesterdão, a conferência do Dubai vai contar ainda com um festival, que vai decorrer durante os mesmos dias do evento.
 
Em breve, serão revelados mais detalhes sobre a conferência e os respetivos artistas.
Publicado em Eventos
 
O site de venda de música eletrónica Beatport, comemora este ano 10 anos de existência. Para celebrar a data, a marca decidiu oferecer várias músicas por semana de artistas conhecidos, aos seus utilizadores. 
 
A oferta intitulada "Beatport Decade" começou há cerca de um mês, com Hardwell como artista da semana, disponibilizando 5 músicas. A lista seguiu-se com Radio Slave, Afrojack e, esta semana, com Todd Terry. Ao todo, serão 10 semanas com 10 artistas diferentes. Esta iniciativa termina na semana de 17 de novembro, no site oficial.
 
Para comemorar a década de existência, cada editora lançou ainda uma compilação com 10 músicas dos seus artistas, que podem ser adquiridas por 7 dólares.
 
Publicado em Mix

São dois nomes incontornáveis da cena eletrónica e do hip hop, sobejamente conhecidos pelas suas atuações energéticas e pelas produções repletas de talento. Cruzfader e Stickup dão vida ao projeto Dynamic Duo, que anda imparável e tem percorrido o país em grandes eventos. Durante o Rock in Rio Lisboa, o Portal 100% DJ teve a oportunidade de estar à conversa com a dupla, onde ficámos a saber algumas curiosidades e novidades para o futuro.

 

Com tantas atuações a nível nacional e internacional, como é que vocês têm tempo para os vossos projetos paralelos?
Stikup: Vou dizer uma coisa que parece uma bocado estranha. Nós viemos de uma ‘escola’ chamada turntables, que te dá bastante técnica para se fazer tudo a nível de produção e mistura. O scratch é uma coisa que se ganha, treina-se e tem um complemento totalmente diferente dos outros tipos de DJs. Nós conseguimos fazer isso, conseguimos conciliar tocar aqui hoje, amanhã outro estilo, depois outro e ainda estar a produzir. É um bocadinho por aí. Ajuda-nos bastante.
 
Como é a reação do público aos vossos sets, recheados de hip hop nacional e internacional, que é muito habitual nas vossas atuações?
Stikup: É um complemento. O Cruzfader é o pilar do hip hop dos Dynamic Duo.
Cruzfader: Cada atuação é diferente e cada caso é um caso. Por vezes experimento tocar hip hop e não pega e aí vimos que neste caso será mais música eletrónica, mais comercial.
Stikup: Basicamente, eu acho que esse vai ser o futuro do DJ, ser uma pessoa, que não toque só uma linha de música. Eu vejo isto a longo prazo porque as pessoas cada vez mais estão “come e deita fora”, o chamado consumo rápido. E acho que o DJ já é isso. É aquele DJ que toca tudo, que o faz bem porque também não é fácil tocar todos os estilos musicais.
 

(...) as pessoas cada vez mais estão “come e deita fora”, o chamado consumo rápido.

 
Vocês conseguem observar esse aspeto logo no início das atuações?
Stikup: Não. Dynamic Duo é um projeto 100% freestyle. Se for uma Queima das Fitas como a de Coimbra, nós levamos algo já estruturado ou se for algo diferente usamos mais o microfone, o que conta também bastante hoje em dia, mas usamos muito o freestyle.
Cruzfader: Também tem a ver com o line-up do evento. Se for um cartaz com mais artistas de hip hop, obviamente que o público vai estar mais virado para esse estilo. Se há um cartaz mais virado para o kizomba e outros artistas, vai ser um set mais comercial. A leitura do cartaz em si indica mais ou menos como irá ser o set. Nos primeiros 10 a 15 minutos consegue-se ver o que o pessoal quer ouvir.
Stikup: Muitos DJs não têm noção disto. Como me disse sempre o Cruzfader, “os primeiros 15 minutos são a tua marca”. 
Cruzfader: Outra coisa importante que nós fazemos é criar picos de subida e descida dentro do nosso estilo musical. Por exemplo, quando tem de subir, passa-se por uma coisa mais afro, não propriamente hits. Às vezes o balanço da música, o bpm em si, chama pelo público. Depois vamos contornando. É muito importante fazer a gestão do set, que não é só disparar as músicas: é saber coordena-las com o público para criar um ambiente com altos e baixos.
 
Alguma vez pensaram atuar no Rock in Rio Lisboa?
Cruzfader: Sinceramente, não. Quer dizer, como dupla já me passou pela cabeça aquela vontade.
Stikup: Havia uma vontade mas nunca me passou pela cabeça vir ao Rock in Rio. Tem mais a ver connosco o MEO Sudoeste. Mas o Rock in Rio é o início.
 
O que representa esta atuação para vocês?
Cruzfader: Representa um reconhecimento da nossa rádio, a Mega Hits.
Stikup: Nós estamos aqui muito por causa da Mega Hits. É preciso referir isso. E também é certo que o Rock in Rio também tem a sua parte de dizer vai ou não vai. Por isso é um reconhecimento das duas partes.
 
Para quando um tema original dos Dynamic Duo?
Cruzfader: Não sabemos. Estamos sempre a produzir e a fazer coisas mas ainda não veio essa parte.
 
Que projetos pretendem desenvolver agora a curto prazo?
Stikup: Eu tenho um projeto novo com o Kking Kong, que trabalha com o Branko dos Buraka Som Sistema e com o Sensi, o irmão do Fred dos Orelha Negra, que se chama KNS, ou seja Kanalhas e estamos a vir aí com um registo mais trap, de música mais urbana, mais bass music. Temos os nossos projetos a solo.
Cruzfader: Estamos muito em estúdio, sempre a trabalhar.
 
 
Segue Dynamic Duo nas redes sociais

    

 
Publicado em Entrevistas
Há muito tempo que existem concertos direcionados para bebés, mas com o género de música eletrónica será a primeira vez, no próximo domingo no Teatro Miguel Franco em Leiria.
 
Paulo Lameiro, o diretor artístico, explicou à Lusa que o som vai sair por “oito canais independentes, quatro no solo e quatro no ar, criando uma espacialização” que “pode sugerir as memorias sonoras intrauterinas” nos bebés.
 
“A eletrónica em si, que se pode vestir de muitas roupagens, é por norma uma linguagem que se cultiva ou despreza, sendo por isso sempre uma grande surpresa o que acontece em cada concerto”, acrescentou o diretor artístico.
 
A estreia desta iniciativa decorreu em Espanha no passado mês de março. “As crianças estão sobretudo à procura de estímulos e interessam-lhes sons que são diferentes dos que estão habituados a ouvir no dia-a-dia. Não sei como vai ser a reação à eletrónica, pois não podemos ver a música de forma isolada”, salientou Nelson Brites à agência Lusa, que compôs e executou as músicas para estes concertos.
 
O Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, vai ser outro dos locais por onde vai passar este novo projeto, no próximo dia 22 de novembro.
Publicado em Mix
A história da música eletrónica em Portugal vai ser contada através de um documentário. “Tecla Tónica” é o nome da longa metragem realizada por Eduardo Morais e está neste momento a ser gravado, com o apoio da Jameson.
 
A imagem fica a cargo de João Pombeiro, enquanto que o som é obra de Helena Fagundes e as entrevistas feitas por Rui Miguel Abreu.
 
Rui Estêvão, DJ Vibe, DJ Ride e Carlos Lopes são algumas das caras conhecidas que foram entrevistadas para o documentário.
Publicado em Mix
Novembro é o mês das castanhas, da água-pé e da boa música. A prova disso está nesta listagem em baixo, onde te apresentamos em primeira mão, algumas das músicas que vão ser lançadas durante este mês e que tu tens mesmo de ouvir.
Volume no máximo e play!
 
 
1
 
2
 
3
 
4
 
5
 
6
 
7
 
8
 
9
 
10
 
Publicado em Mix
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.