23-09-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
A pandemia viral COVID-19 acaba de fazer mais uma vítima da música eletrónica. O festival Tomorrowland deste ano foi cancelado depois das diretrizes dadas pelo governo belga, onde proíbe a realização de todos os eventos e festivais até ao final de agosto. Este cancelamento surge depois da organização do evento, ter sido também obrigada a anular a edição de inverno, que ia decorrer no passado mês de março, nos Alpes Franceses. 

A notícia foi comunicada esta tarde nas redes sociais do festival belga juntamente com as suas datas para o próximo ano. O festival estará de volta a Boom nos fins-de-semana de 16 a 18 e 23 a 25 de julho de 2021. "O que começamos juntos em 2005 tornou-se um forte símbolo global. Vamos juntos triunfar e continuaremos a unir-nos" pode ler-se no comunicado. 

O cartaz da 16.ª edição incluía centenas de artistas da cena eletrónica, como é o caso Carl Cox, Armin Van Buuren, Marshmello, Steve Aoki, Don Diablo, Dimitri Vegas & Like Mike e o português Diego Miranda, que iria atuar pela primeira vez no palco principal. Para já, não é garantido que o cartaz se mantenha no próximo ano.

Nos próximos dias, os festivaleiros que adquiriram os seus ingressos serão contactados por e-mail pela organização com informações específicas sobre possíveis reembolsos.
 
Publicado em Tomorrowland
A economia portuguesa irá sofrer um impacto superior a 1,6 mil milhões de euros com o cancelamento dos festivais de verão deste ano, devido à pandemia de covid-19.

De acordo com o relatório anual da Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest), em 2019 foram realizados 287 festivais de música, gerando cerca de 2 mil milhões de euros, por contraponto com os 400 milhões de euros previstos para este ano, na melhor das hipóteses.

Noticia hoje o JN, que estes valores levam em conta o dinheiro gasto em transportes, sobretudo de carro, mas também de avião, nas deslocações para os festivais. Esta rúbrica é de elevda importância, uma vez que só no ano passado foram gastos 1,7 mil milhões de euros. No entanto, há ainda cerca de 120 empresas que trabalham para festivais, muitas delas em exclusividade. A associação refere ainda que existe uma quebra de 80% no volume de negócios dessas empresas que operam indiretamente no setor.

Recorde-se que a realização de festivais e espetáculos de natureza análoga está proibida até 30 de setembro. A lei promulgada pelo Presidente da República estabelece que o consumidor não terá direito à devolução do preço do bilhete para os espetáculos que estavam marcados entre 28 de fevereiro e 30 de setembro de 2020 e que foram reagendados por causa da pandemia da Covid-19.

Os espetáculos abrangidos por esta lei "devem, sempre que possível ser reagendados", sendo que o reagendamento do espetáculo não dá lugar à restituição do preço do bilhete, nem pode implicar o aumento do respetivo custo para quem à data do reagendamento já fosse seu portador.
Publicado em Festivais
Aquele que é considerado o maior evento Chill Out do país não se realiza em 2011.

A sua quinta edição, inicialmente agendada para o próximo Sábado dia 27 de Agosto, foi cancelada pela sua entidade organizadora, a Câmara Municipal de Loulé.

Em comunicado, a Autarquia refere que pretende não comprometer a qualidade do evento com uma edição mais simples, sendo que 'esta decisão tem por base a necessidade de contenção orçamental, dado que este é um evento que envolve um grande investimento e que, por ser gratuito, não gera retorno financeiro directo '.

Esta foi uma decisão bastante reflectida e surge também da necessidade de definir prioridades de investimento num momento em que o país atravessa sérias dificuldades. Este cancelamento tem um efeito pontual, sendo objectivo da autarquia retomar a organização do evento assim que se reúnam as condições necessárias para a sua realização, refere o comunicado.

Concebida, organizada e promovida integralmente pela Autarquia de Loulé, a Noite Branca veste literalmente a cidade algarvia para a despedida do Verão desde o ano 2007. Numa noite, a cidade é transformada num palco gigante de animação, descontracção e cultura, onde os visitantes são os protagonistas. Centenas de artistas dão vida às ruas e ruelas de Loulé, com o branco como mote permanente e transversal às várias manifestações, que vão da música à animação de rua, da moda à pintura, do novo circo às artes plásticas. Os espectáculos inéditos, são criados em exclusivo para a ocasião, onde o factor surpresa é uma constante. Os locais mais inusitados são palcos de momentos que se pretendem inesquecíveis, desde a varanda de um prédio, à muralha do castelo, ou simplesmente o ar, onde alguns artistas actuam suspensos.

Recorde-se que a Noite Branca de Loulé foi distinguida na ‘Gala dos Eventos 2010’ como 'Melhor Evento Público’.
 

Transcrevemos na íntegra o comunicado da Câmara Municipal de Loulé.
A Câmara Municipal de Loulé, entidade organizadora e promotora da Noite Branca, torna pública a decisão de não realizar, no corrente ano, esta iniciativa.

A decisão tem por base a necessidade de contenção orçamental da autarquia, dado que este é um evento que envolve um grande investimento e que, por ser gratuito, não gera retorno financeiro directo. Assim, a autarquia preferiu não comprometer a qualidade do evento com uma edição mais simples, e adiar a sua realização.
Esta decisão surge também da necessidade de definir prioridades de investimento num momento em que o país atravessa sérias dificuldades.

A Câmara Municipal de Loulé, com esta decisão, procura assim uma melhor racionalização do erário público, focando a sua atenção no apoio às pessoas, nomeadamente os grupos sociais mais frágeis. O momento difícil pelo qual estamos a passar exige uma grande responsabilidade por parte das organizações públicas, pelo que esta decisão, que foi bastante reflectida, assume também ela um carácter simbólico que importa realçar, num quadro de empenho global para a recuperação económica da região e do País.

Este cancelamento tem um efeito pontual, sendo objectivo da autarquia retomar a organização do evento assim que se reúnam as condições necessárias para a sua realização.

 
A Origem da Noite Branca
Com origem em algumas cidades europeias e norte-americanas, o conceito da Noite Branca é normalmente associado a iniciativas de cariz humanitário ou de solidariedade social.

Na Europa, nas zonas turísticas, o conceito urbano de Noite Branca evoluiu entretanto para uma vertente também comercial, associando a música à animação de rua com o comércio aberto num novo conceito de lifestyle onde o glamour e a alegria ganham forma e onde as baixas das cidades ou os seus centros ganham, por uma noite, uma nova dinâmica.

Em Portugal, a Noite Branca tem apenas precedentes em Coimbra quando um grupo de alunos de Engenharia Biomédica da Universidade de Coimbra baseando-se na experiência de alguns estudantes que estiveram na cidade italiana de Turim, através do Programa Erasmus, tomou a iniciativa de realizar esta actividade depois de observar que em Itália havia uma boa participação por parte da população.

Assim nasceu em 2007 a Noite Branca em Loulé, um evento que atingiu, desde a sua primeira edição, níveis elevados de adesão por parte do público.
Publicado em Eventos

A organização do Tomorrowland Winter acaba de confirmar o cancelamento da segunda edição do festival que iria decorrer na próxima semana de 14 a 21 de março, a dois mil metros de altitude nos Alpes franceses. A causa, é conhecida de todos: a propagação do coronavírus. 


A organização refere que o Governo francês tem vindo, desde a semana passada, a tomar medidas drásticas em relação ao COVID-19 em França, proibindo desta forma grandes reuniões/grupos de pessoas e os que juntam participantes de diferentes nacionalidades. De entre muitos outros eventos cancelados, também a meia-maratona de Paris viu esse desfecho. Os dados oficiais disponíveis registam em França 285 pessoas infetadas e 4 mortos.


O Alpe d 'Huez Ski e as suas respetivas estações permanecerão abertas aos visitantes e todas as atividades habituais decorrem normalmente. 


Embora seja uma notícia bastante perturbadora para os festivaleiros que compraram ingressos para o festival, é crucial que os responsáveis dos eventos coloquem a saúde dos participantes, artistas e colaboradores em primeiro lugar nas prioridades.


Recorde-se que o DJ e produtor Ewave tinha atuações marcadas para os dias 15 e 16 de março e seria o primeiro artista português a estar presente na edição de inverno do Tomorrowland. 

Publicado em Tomorrowland
A edição deste ano do Ultra Music Festival acaba de ser cancelada devido ao vírus covid-19, segundo a imprensa internacional. O festival de música eletrónica ia decorrer entre os dias 20 e 22 de março em Miami.
 
A decisão foi tomada hoje, após uma reunião entre a organização do festival e o presidente de Miami, Francis Suarez. Até ao momento, a organização ainda não divulgou nenhum comunicado.
 
Este foi o segundo evento da família Ultra a ser cancelado devido ao novo coronavírus. Esta terça feira, a edição de Abu Dhabi, que iria começar amanhã, foi cancelada “por restrições de viagens impostas por alguns países e companhias aéreas, para indivíduos e grupos”, revelou a organização.
 
Esta é a primeira vez que o festival é cancelado desde a sua primeira edição, em 1999. O festival tem capacidade para acolher cerca de 55 mil pessoas por dia e contava, este ano, com as atuações de Major Lazer, Kygo, DJ Snake, Martin Garrix, entre muitos outros.
 
Os Estados Unidos da América já contam com 9 mortes e mais de 100 pessoas infetadas com o vírus covid-19. O coronavírus soma mais de 95,180 infetados, 3,254 mortes e 51,443 pessoas recuperadas a nível mundial.
 
Atualização (6 de março, 21h40): A organização do Ultra Music Festival emitiu logo um comunicado oficial acerca do cancelamento do festival, através da página oficial de Facebook do evento, lamentando a decisão do presidente de Miami e informou os festivaleiros que irão ser contactados através de e-mail a partir de segunda-feira, para procederem à devoluçao do dinheiro dos bilhetes.
 
O Ultra Music Festival regressa a Miami em 2021, entre os dias 26 e 28 de março.
 
Publicado em Eventos
Em conferência de imprensa e de forma a evitar a propagação do coronavírus, o Governo da Dinamarca tomou a decisão de proibir todos os eventos com capacidade superior a mil pessoas até ao dia 31 de agosto deste ano, estando incluídos todos os festivais de verão deste ano daquele país. 

De entre os vários festivais afetados estão o conhecido festival Roskilde, um dos maiores da Europa, o Northside e o Tinderbox. Além destas, foram ainda tomadas outras medidas drásticas como a proibição de reuniões com mais de 10 pessoas até pelo menos ao dia 10 de maio e as escolas estão encerradas até dia 15 de abril. Atualmente a Dinamarca regista 5597 casos de covid-19 e 218 vítimas mortais.

À escala planetária, a pandemia Covid-19 tem causado prejuízos incalculáveis na indústria musical levando ao cancelamento de inúmeros eventos como é o caso do Ultra Music Festival em Miami e o Tomorrowland Winter nos Alpes Franceses.
Publicado em Eventos
A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou, esta segunda-feira, que eventos com mais de cinco mil pessoas realizados ao ar livre devem ser suspensos ou adiados. O mesmo deve acontecer com aqueles que reúnam mais de 150 pessoas e tenham lugar onde há grupos de transmissão. As medidas vão vigorar até, pelo menos, dia 3 de abril.

Marta Temido disse ainda que se deve ter "especial atenção" aos eventos que contem com a presença de pessoas da China, Irão, Itália. Foi ainda dito que "os profissionais de saúde devem abster-se de reuniões alargadas (conferências e/ou congressos) uma vez que são elementos fundamentais e necessários". 

Até ao momento existem 59 casos confirmados de coronavírus em Portugal, a maioria na região Norte.
Publicado em Eventos
Hoje é um dia decisivo para os festivais de verão em Portugal, uma vez que o governo, após o Conselho de Ministros, anunciará novas medidas tendo em conta o contexto atual de pandemia. De acordo com uma análise da CISION, o seu cancelamento representará para as marcas que patrocinam os dez festivais portugueses mais mediáticos, uma perda de retorno mediático superior a 190 milhões de euros.

O fim do estado de emergência marcou o início do desconfinamento e a reabertura gradual da economia, que procura responder agora à crise provocada pelo novo coronavírus. Na realidade, como afirmou o primeiro-ministro, na passada semana, "enquanto houver COVID, não haverá vida normal".

De acordo com a projeção da CISION, em condições normais, em 2020, os festivais mais mediáticos seriam o Rock in Rio, NOS Alive, MEO Sudoeste, Super Bock Super Rock, Vodafone Paredes de Coura, O Sol da Caparica, NOS Primavera Sound, EDP Vilar de Mouros, MEO Marés Vivas e EDP Cool Jazz.

Recorde-se que os promotores dos festivais estiveram na passada semana reunidos com António Costa, os Ministros da Cultura, Saúde e Economia. À saída do encontro e respondendo aos jornalistas, Graça Fonseca não quis adiantar se haverá ou não condições para se realizarem alguns dos festivais ainda agendados e que geralmente concentram milhares de pessoas.

Rock In Rio, Boom Festival, Tremor, Festival do Crato, Sou Quarteira e North Music Festival cancelaram as suas edições para este ano. Por seu lado, o NOS Primavera Sound, no Porto, reagendou a sua edição para o próximo mês de setembro.
Publicado em Festivais
A primeira edição portuguesa do maior festival de música do mundo, o KaZantip, que arrancou na sexta-feira, nas margens do Alqueva, foi hoje encerrada, mas fonte da organização garantiu que a decisão «não é definitiva».
 
Segundo se pode ler na página oficial do festival na Internet, o evento foi obrigado a encerrar porque ficou impossibilitado de vender bilhetes e comida, devido a um erro no licenciamento.
 
O KaZantip, vulgarmente conhecido como o «festival das orgias», já passou por vários países e, segundo a organização, o primeiro evento realizou-se na Ucrânia e, em 2002, foi obrigado a encerrar pelo governo ucraniano.
 
A primeira edição portuguesa do festival era para decorrer sem parar até 26 de Agosto nas margens do Alqueva, no concelho de Moura, com a presença de mais de 1.200 DJs e muitos desportos radicais.
 
Contactada pela Agência Lusa, a fonte da organização confirmou que o KaZantip pode vir a ser cancelado, devido a uma «questão burocrática» relacionada com uma licença para a restauração do evento, à qual a organização é «completamente alheia».
 
«O encerramento não é definitivo. Esperamos que o problema se resolva amanhã [terça-feira] e que o festival possa continuar», disse a mesma fonte.
 
Também o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Beja da GNR, capitão Eduardo Lérias, adiantou à Lusa que a empresa promotora do KaZantip comunicou à Guarda que iriam proceder ao «encerramento do festival».
«A GNR está só a garantir a segurança no local para evitar que haja alterações de ordem com fornecedores ou espectadores», acrescentou.
 
Fonte: Lusa/SOL.
Publicado em Festivais
Depois de ter sido obrigado a cancelar uma atuação no festival Electric Bounce House na Califórnia após ter sofrido escoriações na cabeça e nariz quando bateu num ecrã gigante de LEDs, Tiësto anunciou que tem outro cancelamento na sua agenda, desta vez no dia 4 de abril, em Caracas, Venezuela. 
 
Como é do conhecimento geral, a população venezuelana está num sério clima de tensão e agitação política e civil, facto que levou o DJ e produtor holandês a cancelar a sua atuação agendada para esta sexta-feira no Metropolitan University Caracas. 
 
"Vamos aguardar até que as coisas estejam mais estáveis. Não é hora de festa", disse Tiësto num comunicado, acrescentando que pretende reagendar o evento em breve e, desta forma, oferecer aos seus fãs um bom momento de música e animação.
 
Publicado em Artistas
Pág. 1 de 4