22-03-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

Poucos eventos no mundo da música de dança suscitam mais controvérsias nas redes sociais do que o famoso TOP 100 da Revista DJ Mag. As disputadas posições serão reveladas este sábado numa cerimónia integrada no Amsterdam Music Festival, evento onde são esperadas mais de 35 mil pessoas e que já tem os ingressos esgotados.
 
Mais uma vez a contagem regressiva começará ao final do dia na página do Instagram e do Twitter da DJ Mag e mais tarde terá lugar a transmissão em direto da Amsterdam Arena.
 
Nos últimos anos, o topo da listagem foi ocupado por Martin Garrix, Armin van Buuren, Hardwell, Dimitri Vegas e Like Mike, Tiësto e o épico Carl Cox. As representações portuguesas têm sido feitas por Diego Miranda, Kura, Pete Tha Zouk e DJ Vibe.
 
No ano passado, Martin Garrix tornou-se o mais jovem vencedor deste ranking. O DJ e produtor holandês recebeu o prémio de "DJ número 1" das mãos do seu mentor, Tiësto.
 
Publicado em Mix
Chega a altura do ano em que os amantes de música electrónica ficam na expectativa pelos resultados do Top da revista DJ Mag. Não serão certamente todos, mas grande parte, porque continuamos com o embate entre duas tabelas distintas: A DJ Mag e o Resident Advisor. 
 
É mais um ano em que recebo com agrado o convite do Portal 100% DJ para comentar e efectuar uma antevisão dos resultados da DJ Mag, que serão revelados no Amsterdam Dance Event e este ano, antes de deixar essa antevisão, vou dizer algumas palavras para tentar clarificar alguma confusão e críticas que esta votação parece exercer. 
 
Apesar de se chamar ‘Top’, temos todos de perceber que os resultados desta tabela valem o que valem, ou seja, não é por um determinado DJ estar numa posição superior ou inferior que é melhor ou pior que outro que nem sequer apareça nesta tabela. 
 
Estes resultados são de alguma forma o reconhecimento dos fãs pelo trabalho que um DJ efectuou durante um ano, uma forma de promoção dos artistas que terá reflexo no valor da actuação dos mesmos, um investimento elevadíssimo por parte de agências ou dos próprios DJs e um ‘veículo promocional’ onde a marca/produto (leia-se DJ) chega aos clientes em todo o globo. Quem não conseguir compreender o objectivo e as diferenças deste ‘Top’ para uma simples votação ou análise de produção ou skills técnicas, irá sempre criticar esta tabela e os seus resultados.
 
No que diz respeito à antevisão dos resultados propriamente dita, este ano não tenho tantas certezas como o ano passado. Foram feitas campanhas e investimentos elevadíssimos e a indústria da Electronic Dance Music está cada vez mais forte. Está a entrar numa espiral que, na minha opinião, está errada com investimentos das largas centenas de milhares de euros, quer em valores cobrados nas actuações, quer no investimento efectuado, o que leva a um descrédito da qualidade musical e dos artistas. A música e o DJ deve estar sempre acima de tudo mas é fácil entender que sem promoção e investimento, por muita qualidade que exista, é difícil alguém chegar a um patamar elevado e global. 
 
No Top 10 julgo que não devemos ter diferenças e os nomes serão os mesmos do ano passado. Hardwell, Dimitri Vegas & Like Mike, Armin van Buuren, Martin Garrix, Tiësto, Avicii, David Guetta, Skrillex e Steve Aoki deverão estar presentes, deixando Calvin Harris e Afrojack na luta pela entrada nestes 10. A minha convicção é a de que este ano, Calvin Harris irá subir a sua classificação, que o Top 5 não terá mudanças e que Axwell /\ Ingrosso vão subir na tabela, tal como DJ Snake (vamos ter surpresas) e os projectos Major Lazer e JackÜ vão aparecer. 
 

Será que não atingimos já valores de actuações descabidos e pedidos inimagináveis por parte dos DJs? Será que o grau de exigência dos DJs desta tabela justificam o que se paga por eles?

 
Relativamente aos portugueses, Kura é claramente onde depositamos as nossas maiores expectativas, com o Diego Miranda sempre à espreita de uma entrada no Top 100. Uma certeza, é que Mastiksoul e Pete Tha Zouk não irão entrar nesta tabela, apesar das suas actuações e reconhecimento mundial, mas por opção própria pois nem sequer fizeram campanha. 
 
Do Brasil, fica a expectativa se Ftampa irá entrar, depois de ter ficado na 102ª posição o ano passado e se os Felguk conseguirão permanecer nos 100. 
 
Certamente iremos ver nomes a sair desta tabela, tendo alguns deles entrado pela primeira vez o ano passado e DJs que muita gente desconhece vão dar entrada. Haverá algumas surpresas (há sempre) como a classificação em 2014 do Deorro e do Borgore e são esses resultados que trazem a curiosidade sobre os mesmos. 
 
Deixo uma última nota e um pensamento sobre esta tabela e o que ela fez nos últimos anos. Será que não atingimos já valores de actuações descabidos e pedidos inimagináveis por parte dos DJs? Será que o grau de exigência dos DJs desta tabela justificam o que se paga por eles?
 
Fica ao critério de cada um que paga para os ir ver/ouvir e de quem os contrata, essa mesma análise. Sabemos os cachets dos DJs portugueses e quem os contrata acha sempre caro, mas continuamos a pagar centenas de milhares de euros por artistas que não são melhores do que temos por cá e na larga maioria das vezes não atraem público que justifique esse investimento. 
 
Esperemos que as mentalidades mudem e que a valorização do que é nosso e da nossa música seja uma realidade em 2016.
 
Ricardo Silva
 
Publicado em Mix
A discoteca Lux, localizada na capital portuguesa, subiu 38 lugares na tabela dos melhores clubs do mundo realizada pela revista DJ Mag. O prestigiado espaço de diversão noturna alcançou a posição número 58, depois de no ano passado ter estado colocada em 96º lugar.
 
O Top 3 da lista, divulgada hoje, é composto pelo Space Ibiza, Green Valley e Amnesia, em primeiro, segundo e terceiro lugar respetivamente. No ano passado, o pódio era ocupado por Green Valley, Space Ibiza e Hakkasan.
 
Confere a lista completa:
 
  • 1 – Space Ibiza (Espanha)
  • 2 – Green Valley (Brasil)
  • 3 – Amnesia (Espanha)
  • 4 – Pacha Ibiza (Espanha)
  • 5 – Octagon (Coreia do Sul)
  • 6 – Zouk (Singapura)
  • 7 – Hakkasan (Estados Unidos da América)
  • 8 – Ushuaia (Espanha)
  • 9 – Sirena (Brasil)
  • 10 – BCM Planet Dance (Espanha)
  • 11 – Papaya (Croácia)
  • 12 – DC10 (Espanha)
  • 13 – Echostage (Estados Unidos da América)
  • 14 – Paradise Club (Grécia)
  • 15 – Fabric (Reino Unido)
  • 16 – Berghain/Panorama Bar (Alemanha)
  • 17 – Bootshaus (Alemanha)
  • 18 – Anzu (Brasil)
  • 19 – Motion (Reino Unido)
  • 20 – Noa Beach Club (Croácia)
  • 21 – Warung (Brasil)
  • 22 – Cavo Paradiso (Grécia)
  • 23 – Ministry Of Sound (Reino Unido)
  • 24 – Guaba Beach Club (Chipre)
  • 25 – Cocorico (Itália)
  • 26 – Zouk KL (Malásia)
  • 27 – Sankeys (Espanha)
  • 28 – The Warehouse Project (Reino Unido)
  • 29 – Baum (Bogotá)
  • 30 – Air (Holanda)
  • 31 – Digital (Reino Unido)
  • 32 – Omnia (Estados Unidos da América)
  • 33 – Exchange (Estados Unidos da América)
  • 34 – Arma 17 (Rússia)
  • 35 – Marquee (Estados Unidos da América)
  • 36 – Elrow (Espanha)
  • 37 – Matahari (Brasil)
  • 38 – Club Space (Estados Unidos da América)
  • 39 – Barbarellas (Croácia)
  • 40 – El Fortin (Brasil)
  • 41 – Yalta (Bulgária)
  • 42 – Avalon (Estados Unidos da América)
  • 43 – Icon (Estados Unidos da América)
  • 44 – Guendalina (Itália)
  • 45 – Aquarius (Croácia)
  • 46 – New City Gas (Canadá)
  • 47 – Fabrik (Espanha)
  • 48 – Output (Estados Unidos da América)
  • 49 – White Club (Emirados Árabes Unidos)
  • 50 – Surrender/Encore Beach Club (Estados Unidos da América)
  • 51 – Versuz (Bélgica)
  • 52 – Privilege (Espanha)
  • 53 – Cacao Beach (Bulgária)
  • 54 – Egg LDN (Reino Unido)
  • 55 – Womb (Japão)
  • 56 – D-Edge (Brasil)
  • 57 – Lost Beach Club (Equador)
  • 58 – Lux (Portugal)
  • 59 – Sub Club (Escócia)
  • 60 – Myst (China)
  • 61 – The Palace (Filipinas)
  • 62 – Beach Club MTL (Canadá)
  • 63 – Sankeys MCR (Reino Unido)
  • 64 – Colosseum Club (Indonésia)
  • 65 – Elements (China)
  • 66 – Duel:Beat (Itália)
  • 67 – Rex Club (França)
  • 68 – Watergate (Alemanha)
  • 69 – Mint Club (Reino Unido)
  • 70 – Drai’s (Estados Unidos da América)
  • 71 – La Huaka (Peru)
  • 72 – Cielo (Estados Unidos da América)
  • 73 – E11even (Estados Unidos da América)
  • 74 – Concrete (França)
  • 75 – Revelin (Croácia)
  • 76 – Xoyo (Reino Unido)
  • 77 – Tresor (Alemanha)
  • 78 – Dragonfly (Indonésia)
  • 79 – Light Nightclub (Estados Unidos da América)
  • 80 – Chinese Laundry (Austrália)
  • 81 – Club Cubic (China)
  • 82 – Foundation Seattle (Estados Unidos da América)
  • 83 – Velvet (Paraguai)
  • 84 – Modo Ultra Club (China)
  • 85 – Loft Metropolis (França)
  • 86 – Phonox (Reino Unido)
  • 87 – Kitty SU (Índia)
  • 88 – Razzmatazz (Espanha)
  • 89 – Cé La Vi (Malásia)
  • 90 – Mad Club (Suíça)
  • 91 – Verboten (Estados Unidos da América)
  • 92 – Illuzion (Tailândia)
  • 93 – Stealth (Reino Unido)
  • 94 – Coda (Canadá)
  • 95 – Rainbow Venues (Reino Unido)
  • 96 – X2 (Indonésia)
  • 97 – Studio 338 (Reino Unido)
  • 98 – Space Ibiza NY (Estados Unidos da América)
  • 99 – Robert Johnson (Alemanha)

 

Publicado em Mix
No dia em que serão apresentados os resultados das votações do TOP 100 da DJ MAG, as expectativas são muitas para sabermos se será o ano de Hardwell.
Sabendo da força que os PR (Public Relations) de Armin Van Buuren, Aviici, Tiesto e Nicky Romero têm, o resultado deste ano é imprevisível. 
Certo, é que no topo estarão todos estes nomes, com David Guetta, Skrillex, Deadmau5, Swedish House Mafia, Afrojack, Zedd e Daft Punk incluídos. Especial curiosidade para saber o posicionamento de Zedd, Daft Punk e SHM, com David Guetta a ser sempre um nome a ter em conta devido ao seu investimento na promoção para estas votações. 
 
Em segundo plano mas a espreitar um bom resultado, teremos alguns nomes como Above & Beyond, Steve Aoki, Calvin Harris, Alesso e Dimitri Vegas e Like Mike (muito por culpa do seu empresário ser o "mentor" do Tomorrowland). Não será de estranhar que algum deles consiga entrar no TOP 10. 
 

Tudo isto são previsões mas não andará longe da verdade... todos sabemos que sendo estas votações fruto de imenso marketing, especulações e investimentos financeiros monstruosos, poderá haver sempre surpresas (...)

 
Certo será o desaparecimento de alguns nomes mais antigos e que não farão parte desta lista. O rei Carl Cox tem o seu lugar assegurado, mas nomes como Erick Morillo, David Morales e outros "dinossauros" não farão parte desta lista. 
 
Sabendo que esta votação não é feita para sonoridades mas "Clubing", estamos curiosos para saber se Seth Troxler, Richie Hawtin, Maceo Plex, Marco Carola ou Jonh Digweed terão lugar neste TOP. 
 
Os DJ's de Trance marcarão presença, bem como nomes mais "desconhecidos" dos Portugueses. A grande novidade este ano serão entradas de nomes com sonoridades EDM/Progressive e Bass Music. Nomes como Otto Knows, Dyro, Dannic ou Quintino poderão aparecer, sendo certo que Skrillex estará no TOP 15 e Felguk, Knife Party e Infected Mushroom integrarão este TOP 100, deixando de fora nomes como Excision, Datsik ou Borgore
 
Também no TOP estarão nomes como Chuckie, Nervo, R3hab, Laidback Luke e nomes como Fatboy Slim, Bob Sinclair, ou Mark Knight poderão não constar nesta lista. 
 
Tudo isto são previsões mas não andará longe da verdade... todos sabemos que sendo estas votações fruto de imenso marketing, especulações e investimentos financeiros monstruosos, poderá haver sempre surpresas e nomes de menor relevo poderão integrar esta lista. Facto é que a presença no TOP 100 assegura um acréscimo no valor comercial e financeiro de qualquer artista. 
 
Os Portugueses
 
Para muita pena minha, não acredito que este ano haja algum Português no TOP 100. Mastiksoul consolidou a sua posição no mercado Nacional (a meu ver, bem) e apesar da sua presença em festivais em todo o mundo, o "grosso" da sua votação será em Portugal o que não permitirá a sua entrada nesta tabela. Pete Tha Zouk irá descer imenso as suas votações e não acredito que este ano tenha votação suficiente, visto em anos anteriores ter obtido votos do mercado Brasileiro, onde este ano esteve muito menos visível que em anos anteriores. Pedro Cazanova com mercado nos Países de Leste e Diego Miranda com as suas actuações no Ushuaia e Green Valley não irão estar no TOP 100 deste ano.
Buraka Som Sistema e Karetus, apesar de terem andado no TOP Mundial de vendas das suas musicas, nem sequer quiseram entrar nesta corrida, tomando a decisão correcta na minha óptica. 
DJ VIBE irá sofrer com o desaparecimento dos nomes dos "dinossauros" e apesar do respeito e admiração do publico, não terá votação de relevo. O outro nome forte Português - DJ RIDE - não irá entrar nas contas, visto o seu mercado ser basicamente o Português e a sua presença tardia no Rock In Rio do Brasil, não trazer votos e o próprio artista meteu-se à margem desta votação. 
 
Muitos outros Portugueses apelaram ao voto para esta tabela mas todos sabemos que é apenas um "capricho" porque infelizmente, continuamos nesta "guerrilha" interna onde temos muito que aprender com Suecos e Holandeses. 
 
Agora é esperar mais uns minutos e saberemos os resultados...
 
Ricardo Silva
DWM Management
Publicado em Mix
terça, 07 outubro 2014 22:56

Top 100 DJ Mag: a antevisão dos resultados

É com enorme agrado que pelo segundo ano consecutivo, aceito o desafio do portal 100% DJ para fazer a antevisão dos resultados para o TOP 100 da DJ MAG. 
 
Este ano continuou a ser marcado por "Animals" e "Tsunamis" onde o Progressive continuou em destaque, apesar de termos presenciado uma mudança nos hits de Verão para temas mais "Deep". No entanto, o "miúdo" que surpreendeu tudo e todos ao entrar na tabela de 2013 directamente para a 40ª posição (Martin Garrix) é falado como o próximo numero 1 do mundo (ainda à dias, o Laidback Luke afirmou que assim seria). 
 
Nesta previsão de resultados que venho apresentar, posso garantir que "Garrix" estará seguramente no TOP 5 mundial mas não acredito que este fenómeno consiga destronar nomes como o de Hardwell ou Armin Van Buuren.
 
Vou fazer algo que não fiz o ano passado e vou "arriscar" na ordem do TOP 5 deste ano, colocando como numero 1 o Hardwell, seguido por Armin Van Buuren, com o fenómeno Martin Garrix a ocupar o ultimo lugar do pódio. Na 4ª posição estarão os "afilhados" do organizador do Tomorrowland - Dimitri Vegas e Like Mike e apesar de ter anunciado o cancelamento dos Tours Mundiais, o Avicii ficará na 5ª posição. Poderei estar enganado na classificação mas acho muito difícil que não seja este o TOP 5 em 2014. 
 

Estou plenamente convencido da 'queda' do Nicky Romero e das 'manas' NERVO (...)

 
No que diz respeito aos lugares cimeiros, estou plenamente convencido da "queda" do Nicky Romero e das "manas" NERVO, numa subida do Steve Angello e tenho algumas dúvidas sobre o posicionamento de David Guetta. Os W&W irão cair certamente, Calvin Harris e Alesso deverão subir e não se consegue prever se Skrillex continuará a ter uma grande votação com a queda do Dubstep e se a sua ligação ao Diplo com o projecto JackU terá sido suficiente para recolher os votos necessários dos fãs.
 
Tiesto, Steve Aoki e Deadmau5 continuam com uma base de fãs sólida e entrarão sem grandes dúvidas nos lugares de destaque tal como o Afrojack. 
 
Algo que ninguém consegue prever, é se nomes como Swedish House Mafia vão continuar na tabela (por razões óbvias e visto os seus elementos "competirem" a solo) e o que será que vai acontecer com os Daft Punk. 
 
Obviamente que faltam aqui imensos nomes que vão constar neste TOP (Above & Beyond, Zedd, Knife Party, Showtek, Dyro, Chuckie, Quentin Mosimann, Blasterjaxx, etc.) mas não quero perder mais tempo e vou falar do realmente interessa a todos nós. OS PORTUGUESES. 
 
Sim, escrevi bem... OS PORTUGUESES. Tudo leva a crer que vamos ter 2 Portugueses no TOP 100 Mundial em 2014. É escusado dizer os nomes mas o KURA e DIEGO MIRANDA estarão nesta tabela e estou convicto de uma entrada histórica do Kura (perto da posição 80) e de uma melhoria do posicionamento do Diego Miranda (em 2013 atingiu a 94ª posição) podendo mesmo chegar aos "70's". 
 

É escusado dizer os nomes mas o KURA e DIEGO MIRANDA estarão nesta tabela (...)

 
Volto a referir que isto são tudo previsões que são baseadas no conhecimento e experiência que fui obtendo ao longo dos anos e que permitem uma análise mais aprofundada mas poderei estar errado (faço votos para que não esteja porque é um orgulho ver 2 Portugueses nesta tabela). 
 
Não posso esquecer os nossos irmãos Brasileiros nesta minha previsão (até porque estou a torcer por um deles). Se os Felguk são presença certa nesta tabela, estou convicto da entrada de um "fenómeno" chamado Ftampa e de quem muito me orgulho, não só pelo seu trabalho e qualidade mas também pelo trabalho do seu manager de quem sou amigo e admirador confesso (Guilherme Tannenbaum) que tem feito um trabalho notável apesar da sua tenra idade.
 
Não vou alongar-me mais e cá estaremos todos para conferir se estas previsões em forma de antevisão estarão correctas e se iremos celebrar a presença de 2 nomes Portugueses nesta tabela que tem servido de referência na escolha dos melhores DJ's dos mundo.
 
Ricardo Silva
Publicado em Mix
O jovem Martin Garrix voltou a conquistar o número 1 do Top 100 da DJ Mag, pelo segundo ano consecutivo. A cerimónia de entrega dos famosos e polémicos prémios decorreu esta noite na Amsterdam Arena, na capital da Holanda, durante o Amsterdam Music Festival.
 
Os restantes lugares do pódio foram entregues à dupla Dimitri Vegas & Like Mike e Armin van Buuren, no segundo e terceiro lugar, artistas que também já ocuparam a primeira posição em anos anteriores. Hardwell desceu uma posição e ocupa o 4.º lugar.
 
Na representação portuguesa voltamos a contar com as subidas de Kura, colocado agora na 48ª posição e Diego Miranda na 56.ª.
 
O ex-membro dos Swedish House Mafia, Steve Angello, sofreu uma descida vertiginosa de 52 lugares, ficando colocado na posição número 82. Lucas & Steve, Solomun, Black Coffee e Maceo Plex foram algumas das novas entradas neste ranking.
 
Confere em baixo a listagem completa da edição deste ano do Top 100 da DJ Mag:
 
100 - Disclosure
99 - Swanky Tunes
98 - DJ L
97 - Paul Kalkbrenner
96 - Porter Robinson
95 - Tchami
94 - Julian Jordan
93 - Quentin Mosimann
92 - Carta
91 - Maceo Plex
90 - Ferry Corsten
89 - Alison Wonderland
88 - Shogun
87 - Flume
86 - Dillon Francis
85 - Black Coffee
84 - Mariana Bo
83 - Will Sparks
82 - Steve Angello
81 - Solomun
80 - Richie Hawtin
79 - Andrew Rayel
78 - Carnage
77 - Andy C
76 - Robin Schulz
75 - Sam Feldt
74 - Cat Dealers
73 - Jauz
72 - Vini Vici
71 - Florian Picasso
70 - Martin Jensen
69 - Claptone
68 - Jay Hardway
67 - Da Tweekaz
66 - Galantis
65 - Warface
64 - Lucas & Steve
63 - Carl Nunes
62 - Carl Cox
61 - Dannic
60 - Mike Williams
59 - Brennan Heart
58 - Miss K8
57 - Yellow Claw
56 - Diego Miranda
55 - Yves V
54 - ATB
53 - Aly & Fila
52 - Danny Avila
51 - Paul Van Dyk
50 - Nicky Romero
49 - deadmau5
48 - Kura
47 - Tom Swoon
46 - Tujamo
45 - Major Lazer
44 - Radical Redemption
43 - Timmy Trumpet
42 - NERVO
41 - Wolfpack
40 - Angerfist
39 - Fedde le Grand
38 - Ummet Ozcan
37 - Alesso
36 - Blasterjaxx
35 - Bassjackers
34 - Eric Prydz
33 -Headhunterz
32 - VINAI
31 - Vintage Culture
30 - Quintino
29 - Zedd
28 - Avicii
27 - Above & Beyond
26 - Lost Frequencies
25 - Diplo
24 - Kygo
23 - DJ Snake
22 - DVBBS
21 - Axwell /\ Ingrosso
20 - Dash Berlin
19 - Alok
18 - R3hab
17 - Alan Walker
16 - Skrilexx
15 - Calvin Harris
14 - W&W
13 - Oliver Heldens
12 - KSHMR
11 - Don Diablo
10 - Marshmello
9 - Steve Aoki
8 - Afrojack
7 - David Guetta
6 - The Chainsmokers
5 - Tiesto
4 - Hardwell
3 - Armin Van Buuren
2 - Dimitri Vegas & Like Mike
1 - Martin Garrix
 
Publicado em Mix
Segundo os últimos resultados do mais famoso e polémico ranking de DJs - divulgado no passado sábado, 18 de outubro - Hardwell, sem grandes surpresas, volta a alcançar o número 1 de uma listagem de 100 artistas. O DJ e produtor holandês recebe, desta feita, a medalha de “mais popular do mundo”, com Dimitri Vegas & Like Mike e Armin van Buuren a completar o pódio, no segundo e terceiro lugar respetivamente.
 
A lista tem recebido inúmeras críticas relacionadas com o desajustado posicionamento de alguns DJ's reconhecidos mundialmente, como é o caso de Carl Cox, ou pela ausência de Erick Morillo, por exemplo.
 
Pelo terceiro ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou o desafio a três rostos conhecidos e influentes na noite nacional para participar no Vox Pop, onde a pergunta é: "Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"
 
O nosso segundo convidado é Hugo Dinis Silva, diretor da Realize Event Lab & Booking. 
 
A Redação 100% DJ.

 
O TOP 100 da DJ MAG mudou a visão da música electrónica há alguns anos para cá. Criado em 2004, ou seja há precisamente dez anos atrás, tem vindo ano após ano a tomar uma importância bastante interessante nas áreas dos artistas, das agências e dos promotores de eventos. Um dos factores que mais ajudou foi indiscutivelmente o aparecimento das redes sociais, que fez com que estes tivessem maior visibilidade, e que a imagem fosse reforçada. 
 
Estar neste momento no TOP 100 da DJ MAG é uma razão para as agências subirem o preço dos artistas o que faz com que os promotores de eventos não tenham a capacidade financeira para suportar os custos de um artista. Se por um lado os promotores quando contratam um artista fazem uma forte referência ao lugar que este atingiu no DJ MAG, sendo uma espécie de carimbo de qualidade, por outro lado faz com que as propostas que apareçam de clubs com menor poder económico diminuam.

Estar neste momento no TOP 100 da DJ MAG é uma razão para as agências subirem o preço dos artistas (...)

 
Em Portugal e depois do último TOP 100 da DJ MAG, vai ser curioso observar como é que a WDB, a agência que mudou completamente a carreira do KURA, e o próprio artista vão responder ao 42º lugar. É indiscutível o trabalho que foi feito pela agência nos últimos anos, dando a possibilidade a um artista que há anos era DJ residente de uma das melhores casas de Lisboa, de neste momento ser para a maioria o melhor DJ português da actualidade, fazendo renascer a vontade de alguns jovens enveredarem por uma carreira como DJ de música electrónica. 
 
O resultado obtido só foi possível devido ao trabalho a médio prazo feito pela WDB. As agências são determinantes para o sucesso dos artistas, pelo trabalho de management e booking que fazem. Não é unânime o TOP 100 da DJ MAG, mas é um orgulho para todos os portugueses ter dois artistas nacionais presentes, e mais uma vez se comprova que o trabalho das agências é uma mais-valia para o crescimento dos artistas. Estes podem ter uma qualidade indiscutível, mas só com o trabalho de agências que conhecem o mercado é que é possível este resultado.
 
Hugo Dinis Silva
Publicado em Mix
quinta, 25 outubro 2012 21:30

Vox Pop: o Top 100 da revista DJ Mag

Segundo os resultados da mais famosa votação de deejays, Amin Van Buuren é o melhor DJ do Mundo. O DJ e Produtor de 35 anos, influente num género virado para o trance, voltou a conquistar o primeiro lugar, depois de em 2011, David Guetta ter ficado à sua frente por apenas 1 lugar. Van Buuren soma agora um total de 5 troféus só da Revista DJ Mag.
 
A grande novidade desta edição foi divulgação dos 49 DJs (através da Página de Facebook da Revista) que não entraram no TOP dos 100. Nessa mesma lista, estão os três portugueses: DJ Vibe, Mastiksoul e Diego Miranda. Já Pete Tha Zouk, ocupa a posição número 47.
Todos eles desceram de posição em relação ao ano de 2011.

Quisemos saber a opinião de três pessoas influentes na noite nacional e para este VOX POP convidámos, a Deejay Mariana Couto, Duarte Carvalho da editora Exklusive, e Nuno Gonçalves, Diretor da Revista Supernoite.
 
 

"Qual é a sua opinião sobre o TOP da DJ Mag?"

 
 
Mariana Couto, Deejay
 
Foi incredulamente que tomei conhecimento dos resultados da votação da DJ MAG. Na verdade, fiquei quase em estado de choque. Mas depois de alguns minutos percebi que, o que nos transmite o resultado desta votação é muito mais do que um golpe baixo à qualidade da house music. De facto, todos os DJs, e amantes da noite em geral, devem reflectir sobre este top.

Porque é uma votação que assenta nas opiniões dos clubbers, que votam nos seus artistas favoritos. Ponto. Sim, é evidente que aqui há uma grande dose de "engano": os resultados da votação também dependem diretamente de quanto o DJ investe na sua fan base em termos de campanha "pro voto". E sabemos que muitos investem ao ponto de parar sets, enquanto sabemos que outros se dedicam ao trabalho e deixam que o público fale por si.
(...) Quanto a mim, não votei. Nem neste, nem nenhum do género. A minha forma de homenagear os melhores do mundo, passa por comprar os seus temas, passa por ir vê los, passa por tocar as sonoridades que marcam. (...)
 
De facto, com a massificação e popularização da house music a barreira entre o bom e o mau esbateu-se e dessa mistura, às vezes quase irreal de sonoridades, resulta um top perfeitamente atípico, mas... que, também, dá uma lição de marketing (e aposto que o PSY é que não chegou a tempo...)
 
Quanto a mim, não votei. Nem neste, nem nenhum do género. A minha forma de homenagear os melhores do mundo, passa por comprar os seus temas, passa por ir vê los, passa por tocar as sonoridades que marcam.
O resto? É entretenimento.

PS - Já estive nos headquarters da DJ Mag, em Londres e lembro-me da Liz (na altura a diretora) me dizer que se a revista quisesse enriquecer com os DJs era fácil: não faltavam os que queriam comprar lugares no top. Como diz o outro: "agora pensa!"
 

 

Duarte Carvalho, Exklusive Records
 
O Top dos 100 melhores DJ Mag está cada vez mais polémico. Não concordo inteiramente com isto e passo a explicar porquê. Se olharmos para os primeiros 20, não acho nada estranho ver os nomes tais como, Armin Van Buuren, um gigante do trance que se rendeu ao progressivo, conquistando assim mais uma grande massa de público. Tiësto, já por várias vezes em número 1, de certa forma teve exactamente o mesmo percurso que o Armin. Avicii, acho que nem há comentários a fazer. David Guetta, foi somente o homem que abriu o mercardo norte-americano para a música de dança, e por aí fora...
(...) o que faz a diferença hoje em dia é somente isto, uma boa máquina de promoção a funcionar, algo que, seguramente qualquer um dos TOP 20 tem (...)
 
Creio que o Top se torna algo estranho quando verificamos que grandes mestres da cena electrónica, tais como, Roger Sanchez, Erick Morillo, Fatboy Slim, Sven Vath e outros, caíram do TOP 100.
 
Creio que isto se explica por uma questão de máquinas de promoção, seja em redes sociais, blogs, magazines, TV, e por aí fora, o que faz a diferença hoje em dia é somente isto, uma boa máquina de promoção a funcionar, algo que, seguramente qualquer um dos TOP 20 tem e os que estão mais abaixo são capazes de não ter ou, pelo menos, não se encontra a funcionar a pleno.
 

 

Nuno Gonçalves, Dir. Revista Supernoite
 
Bom, na minha humilde opinião e sem retirar mérito aos restantes DJs, acho que o TOP 10 dos 100 melhores DJs está ocupado realmente pelos "melhores" (Mas será que alguns deles são os melhores? Pelo género musical? Pelas suas capacidades técnicas? Ou pelos seus playbacks ao vivo? Pelo mediatismo que se faz em volta deles? Ficam as questões).
(...) na verdade há que saber dar valor a quem vence, mas temos de dar ainda mais valor a quem batalha ano após ano para, pelo menos tentar vencer, isso sim é um esforço reconhecido.
Voltando à realidade dos 100 melhores, quero apenas dizer que, para a quantidade de DJs que concorre, mais uma vez Portugal está de Parabéns pelas excelentes participações dos nossos artistas (ainda que não inseridos nos 100 melhores), que demonstram mais uma vez que, o que é nacional é bom, e muito.
 
Para finalizar quero apenas deixar uma nota crítica, não só ao mundo da música, mas ao mundo em geral: "as votações valem o que valem, desde que inventaram o dinheiro tudo é subjectivo", na verdade há que saber dar valor a quem vence, mas temos de dar ainda mais valor a quem batalha ano após ano para, pelo menos tentar vencer, isso sim é um esforço reconhecido.
Parabéns a todos os DJs Portugueses que participaram nesta votação.
 
 
Publicado em Mix
terça, 22 outubro 2013 22:07

Vox Pop: o top 100 da revista DJ Mag 2013

Quisemos - e a exemplo do ano passado - saber a opinião de três pessoas influentes na noite nacional sobre o já revelado Top da Revista DJ Mag que sem surpresas dá vitória ao jovem holandês Hardwell. Para este VOX POP convidámos, o DJ e Produtor Carlos Manaça, Andreia Parrinha da Groove TV e Ricardo Silva, responsável pela DWM-D World Management.
 

"Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"

 
 
Carlos Manaça
DJ/Produtor
 
Apesar de ter sido assinante da revista entre os anos 1993 e 2005, há muitos anos que não presto muita atenção ao Top 100 da DJ Mag. Por vários motivos. No início do Top 100, a votação era feita através de um impresso destacável que era enviado, por correio, para os escritórios da revista. Fazia algum sentido ser os leitores da revista e eventuais "clubbers" a elegerem os "100 Melhores DJs". Embora a contagem fosse feita pela redacção da revista e sempre terem havido algumas suspeitas de "favorecimento" de alguns artistas, (tal como em quase todos os Top DJs nas várias revistas da especialidade...) na minha opinião, o método de votação fazia sentido.
 
A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet (através de empresas de marketing que gerem as suas páginas de Facebook, Twitter, Soundcloud, Instagram, entre muitas outras...) ou aqueles que cujas músicas atingem uma maior quantidade de pessoas (neste momento, os produtores do chamado "EDM"), quer sejam "clubbers", quer sejam simplesmente miúdos que não têm sequer idade para entrar numa discoteca/evento de música electrónica. 

A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet.

 
No entanto, acho que o principal problema das votações online foram as muitas irregularidades que foram detectadas logo desde o início, com alguns DJs (ou as suas agências de marketing) a serem "apanhados" (e desclassificados) a fazerem votações massivas com a mesma direcção IP, através de emails "fantasma" ou através de outros métodos. A partir desse momento, as pessoas passaram obviamente a questionar a autenticidade dos votos. Basta fazer uma busca no Google e facilmente se encontram "scripts", aplicações e outros métodos de "contornar" os métodos "normais" de verificação que as páginas usam para "certificar" os votos que são colocados nos respectivos artistas... ou seja, é praticamente impossível garantir que as votações online sejam 100% fiáveis.
 
É um facto que com as votações online a votação no Top 100 da DJ Mag "democratizou-se", permitindo a muitas mais pessoas votarem nos seus DJs favoritos. Também é um facto que neste momento, qualquer pessoa pode ver no Youtube (ou outros), em directo ou diferido, as actuações dos DJs, em alguns eventos, por isso podem ter uma opinião sobre os seus "sets", logo podem votar tendo isso em conta. Mas também é verdade que muita gente vota num determinado DJ sem nunca o ter visto actuar ao "vivo", simplesmente porque gosta dos temas que edita, ou seja pela sua vertente de produtor. Ou porque gosta dos vídeos em que o artista tem "performances" que nada têm a ver com o acto de "Djying" (basta ver as actuações de Steve Aoki).
 
O que me leva a perguntar: o "Top" da DJ Mag deveria continuar a chamar-se "Top 100 DJ"? Não se deveria retirar a palavra "DJ" e substitui-la por uma mais "abrangente"?
 
 
 
Andreia Parrinha
Groove TV
 
O Top 100 da DJ Mag, é apenas mais um concurso injusto como tantos outros.
E com o passar dos anos tem caído no ridículo com tanta especulação em volta das "acções" de marketing para angariar votos. Está completamente viciado e descredibilizado, ao ponto de, na minha opinião, ser preferível nem participar.
 
Não é por estar no Top 100 que se é o melhor, e a prova disso, é a quantidade de nomes (dos verdadeiros senhores) da dance-scene mundial que ficam de fora. Ainda assim, e já que esta votação acontece, é bom ver pelo menos um português na lista.
 
 
 
 
 
Ricardo Silva
DWM-D World Management
 
Mais uma edição do Top 100 da revista DJ MAG, mais uma "avalanche" de indignações sobre a votação. Todos sabemos como funcionam este tipo de "concursos" e a sua "veracidade" dos nomes que constam neste Top. 
 
Num ano em que apenas um Português (Diego Miranda) entrou nesta tabela, há algo que todos temos de compreender. A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação. Não se pode deixar de dar o mérito e o devido valor a quem integra esta lista, mas sabemos a quantidade de artistas que deviam constar na mesma (e não constam).

A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação.

 
Independentemente de todos os factores agregados a este concurso e a esta listagem, quem vive e trabalha neste meio, só tem duas opções. Ou aceita e faz o mesmo que os outros, ou continua o seu trajecto de trabalho, abdicando e sujeitando-se onde poderá chegar. É um mercado cada vez mais difícil e onde a qualidade e o trabalho não são suficientes para garantir o sucesso. É justo? Não. De forma alguma, mas são estas as regras e nem todos conseguem ter condições financeiras, contactos, managers e tempo para poder competir mundialmente. 
 
Por último deixo apenas um pensamento. Quantos DJ's Portugueses poderiam ter uma entrada nesta tabela e porquê? Tirando uma elite de 5 ou 6 que têm actuações ao nível Mundial, Portugal continua com muito pouca qualidade musical para poder ver novos DJ’s a "entrar" nos melhores palcos mundiais. Não será com certeza com as sonoridades que ouvimos na larga maioria dos nossos clubes e discotecas, nem com o que os produtores Portugueses fazem, que os convites aparecem. Produções com "influências" brasileiras e africanas sem qualidade, onde nem ao Brasil ou aos Palop's chegam ou são ouvidas, não são certamente o caminho para podermos ver os novos produtores em festivais de renome mundial.
 
Devido a isso, todas as "queixas" que se possam ter (no que diz respeito aos Portugueses) são infundadas, mesmo sabendo a forma que se pode chegar ao Top 100 da DJ MAG. 
Publicado em Mix
 
Ainda com a "febre" do Top 100 da Revista DJ Mag a fervilhar, eis que te apresentamos 8 curiosidades, que provavelmente não sabes. Mas elas existem.
 
1Não tens de estar muito tempo na "moda" para te tornares o DJ número 1 do mundo. Os DJs que anteriormente alcançaram o topo como Armin van Buuren, Tiësto e David Guetta já trabalhavam nesta área há muitos anos quando finalmente conseguiram o primeiro lugar no Top da DJ Mag. Tiësto alcançou a primeira posição quando tinha 33 anos, Armin van Buuren aos 30 anos e David Guetta quando fez 43 anos. Hardwell é o mais novo vencedor de sempre do Top 100 da DJ Mag com apenas 25 anos.
 
2Já não importa ter um Radioshow ou marcar presença em grandes eventos como por exemplo o Tomorrowland ou o Ultra Music Festival. Basta apenas produzires um hit e estás seguramente no Top 100. A "lenda" Carl Cox ficou em 46º e o mais novo DJ do Top - Martin Garrix em 40º.
 
 
3Não é necessário seres um DJ para estar no Top 100 da DJ Mag. Os Daft Punk lançaram o seu novo álbum "Random Access Memories" em maio deste ano, após longos anos de silêncio e já não atuavam para um público (pagante) desde 2007, mesmo assim subiram 22 lugares, para ocuparem o número 22 no Top.
 
4Se tiveres um peito favorável e produzires uma espécie mashups, poderás acabar no 87º lugar como a Tenashar. Já agora, nunca ouvimos falar de tal pessoa antes. (?!)
 
 
5Avicii é um sólido número três. Apesar de todos os comentários negativos acerca do seu set no Ultra Music Festival em Miami, ainda se chegou a pensar que o tempo de Avicii tinha terminado, mas o "puto maravilha" da Suécia atacou e bem. "Wake Me Up" tornou-se o single mais vendido do Reino Unido de 2013 e ficou nos Tops de 20 países. 
 
6Mais uma vez, os holandeses tomaram de assalto o Top 100, com seis DJs holandeses no Top 10 inclusive. Não sabemos o que tomam na água, mas gostariamos de saber.
 
 
7É favorável ter um evento que patrocine a 200%. Podes acabar na posição número 6. Dimitri Vegas & Like Mike subiram 32 lugares na lista deste ano. É justo dizer que o Tomorrowland/Tomorrowworld teve "culpa" na grande promoção desta dupla. Por serem residentes nestes festivais, os milhares de festivaleiros de todos os cantos do mundo foram quase que "obrigados" a conhecer estes dois DJs Belgas. 
 
 
8Numa cena dominada por homens, felizmente há espaço para duas fantásticas mulheres denominadas de NERVO no Top 20 da lista deste ano. As gémeas australianas posicionam-se no 16º lugar.
 
Fonte: exQlusiv.
 
Publicado em Mix
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.