20-07-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

A música corre-lhe nas veias. Encara o dia-a-dia com naturalidade e "energia" é a palavra que melhor o define. Aos 25 anos, Hardwell transforma um sonho realidade. Tornou-se o DJ número um do mundo - cimentado, desta feita, a sua posição na cena eletrónica mundial, sendo o mais novo DJ a conquistar o cobiçado Top 100 da Revista Britânica DJ Mag. A ascensão do menino da cidade de Breda (Holanda) tornou-se um conto inspirador para todos, relatado na primeira pessoa no documentário 'I Am Hardwell' - que será exibido em várias salas em todo o mundo - desenvolvido com o lema "Se você pode sonhar, você pode fazê-lo".

A poucos dias da sua vinda a Portugal, o Portal 100% DJ foi ao encontro de Hardwell, para saber quais as suas expectativas e a resposta foi direta: "Vai ser brutal!", estando o DJ holandês à espera de uma "festa selvagem" no próximo dia 14 de dezembro, em Lisboa. Na entrevista exclusiva, o DJ e produtor falou do importante prémio recebido, de Portugal, do evento 'I Am Hardwell' e revelou quais os seus planos para concretizar no próximo ano.

 

Antes de mais, queremos felicitar-te em nome de todos os teus fãs portugueses. Como é que te sentiste quando foi revelado o teu nome nos prémios da DJ Mag?
Fiquei sem palavras e ainda estou estupefacto! Tive um sorriso de orelha a orelha durante duas semanas.
 
Consideras este prémio um marco importante na tua carreira? É uma responsabilidade de peso ter este prémio nas mãos?
Estou muito orgulhoso e sinto-me honrado em ter sido votado para o número 1 e é definitivamente um marco importante para mim, mas não é tudo. A minha música é a coisa mais importante e desde que os fãs estejam contentes com ela, tudo é secundário.
 
Se pudesses dedicar o prémio a alguém, a quem seria?
Aos meus fãs, por mostrarem todo o seu apoio e acreditarem em mim ao longo do caminho.
 
Descreve em três palavras o evento 'I Am Hardwell'...
O, melhor, incrível, espetáculo… ok, são quatro palavras, mas prometo será uma festa fantástica.
 
Desta tour mundial qual foi até agora o gig que mais te surpreendeu e porquê?
Não consigo escolher apenas um, pois são todos diferentes, no entanto estou a gostar imenso dos espetáculos ‘I Am Hardwell’. A produção, a energia de cada evento… nunca senti nada igual.
 
Que feedback tens tido nos outros países?
Muito, muito feedback positivo. Tem sido muito divertido até agora e mal posso esperar para vos levar este espetáculo, porque vocês vão adorar.
 
Quais são as tuas expectativas para o próximo dia 14 de dezembro no Meo Arena?
Vai ser brutal! Estou à espera de uma festa «selvagem».
 
Vais trazer o teu amigo Dannic. Consideras que a ajuda que lhe tens dado, serviu também para o impulsionar a nível mundial?
O sucesso do Dannic tem sido feito por ele próprio. Somos bons amigos e conhecemo-nos há muitos anos e ele sempre foi muito dedicado à sua música e ao djing. Ele é extremamente trabalhador e tem uma boa visão. Estou muito contente de o ver a dar-se muito bem com a sua música.
 
O que é que te vem à cabeça quando se fala em Portugal? Que referências tens?
Praias incríveis, marisco e que deu ao mundo alguns futebolistas famosos.
 
O que é que gostarias de conhecer melhor em Portugal?
Estou desejoso de poder passar algum tempo no vosso país nesta viagem e experienciar mais da vossa cultura e da maravilhosa comida.
 
Que planos tens para concretizar em 2014?
Em 2014 será tudo à volta da música. Quero concentrar-me em acabar o meu primeiro álbum como artista. Também estou a concentrar-me na minha tour mundial 'I Am Hardwell' e pretendo levá-la a mais destinos à volta do mundo. O próximo ano vai ser muito ocupado e um período excitante para mim tanto em estrada como no estúdio.
 
Tens em vista a edição de mais trabalhos de produtores portugueses na tua editora Revealed?
Estou aberto para trabalhar com diferentes escritores, cantores e produtores de todo o mundo, e claro que seria muito bom trabalhar com portugueses. Alguma sugestão?
 
Que mensagem gostarias de enviar para os teus fãs portugueses e leitores do Portal 100% DJ?
Obrigado pelo suporte contínuo que me têm dado. Estou desejoso de poder «rebentar» a vossa festa dia 14.
 

 

Publicado em Entrevistas
Boom, na Bélgica, é uma cidade com menos de 20 mil habitantes. Durante os próximos dias 24, 25 e 26 de julho, a localidade vai receber milhares de festivaleiros unidos por um objetivo: a música eletrónica, vivida nos vários palcos do festival Tomorrowland.
 
A edição deste ano conta com nomes como Alesso, Avicii, David Guetta, Dyro, Nicky Romero, Oliver Heldens, Steve Aoki, Ummet Ozcan, W&W, Armin van Buuren, Axwell /\ Ingrosso, Blasterjaxx, Deorro, Martin Garrix e muitos outros.
 
Pelo segundo ano consecutivo, o Portal 100% DJ foi ao encontro de alguns portugueses que vão embarcar na experiência Tomorrowland e que têm uma única paixão: a música eletrónica.
 

“NÃO É UM FESTIVAL, É UMA RELIGIÃO!”

 
Já tentei explicar a centenas de pessoas. É mais do que um festival, é uma religião! Não se explica, sente-se. Uma vez ‘Tomorrowlander, Tomorrowlander’ até à morte! Estranho? Depois de lá irem vão entender”, são as palavras de João Santos, de 48 anos e natural de Sintra, que parte para o festival belga pela terceira vez. Na sua mala de viagem constam produtos de higiene e roupa prática para ver alguns dos seus artistas favoritos como Coone e Brennan Heart.
 
Em relação às expetativas para a edição deste ano, João afirma que “as lágrimas ameaçam quando começo a pensar só de entrar no avião e ouvir aquela mensagem arrepiante do comandante: ‘flight to Tomorrowland’”. O sintrense considera ainda que “este festival é muito caro, mas é um facto que as pessoas como eu, que adoram electronic dance music (EDM) e apesar da minha idade e de já ter ido duas vezes... ainda vou uma terceira. Isto tem a ver com um facto: o Tomorrowland não é um festival, é uma religião!”.
 
Apesar de achar que Portugal tem falta um evento deste género, João Santos não acredita “que fosse possível um espírito igual ao da Bélgica”.
 

“TENTO NÃO CRIAR EXPETATIVAS”

 
Bruno Alves tem 31 anos e vai ao festival pela primeira vez, diretamente de Vizela. “Tento não criar muitas expetativas para poder ser completamente surpreendido por tudo! Mas como é lógico, são elevadíssimas”, confessou o festivaleiro em exclusivo ao Portal 100% DJ. Na sua mala, além da bandeira nacional, leva a GoPro, telemóvel, óculos de sol e a camisola do seu ídolo: Francesco Totti (jogador do Roma).
 
No festival pretende assistir às atuações de Axwell /\ Ingrosso e Oliver Heldens, e destaca “o ambiente, os palcos que são mágicos, as pessoas e claro, a música”. Em relação a Portugal, Bruno considera que o público não se pode queixar com o que já tem, visto que já existem “eventos que vão decorrendo ao longo do ano e onde podemos ver os melhores DJs do mundo”.
 

“VALE TODOS OS CÊNTIMOS GASTOS”

 

Com 33 anos, Marco Reis parte da Trofa em direção à Bélgica pela segunda vez consecutiva. “Tudo no Tomorrowland é especial. É o festival que promove a magia e o amor. Isso nota-se a cada passo que damos: existe magia no ar e é tudo feito ao pormenor. Não se consegue exprimir em palavras o que é o Tomorrowland”, salientou Marco.
 
As suas expetativas “são sempre elevadas”, principalmente para “ver como será o palco Main Stage”. Na bagagem leva “o essencial”, como a máquina fotográfica e telemóvel “para registar todos os momentos e mais tarde recordar”, comida, bebida, um impermeável e objetos de higiene.
 
“É um festival caríssimo. Temos de poupar um ano inteiro para termos três dias de loucura inesquecível. Mas vale todos os cêntimos gastos. É talvez a maior e melhor memória que teremos para o resto das nossas vidas”, destaca Bruno.
 
O português garante que Portugal não necessita de um festival desta envergadura, pois existe o MEO Sudoeste e outras festas com grandes nomes da música eletrónica, porém, atesta que “o país em si, não inspira confiança para um festival do género”.
 

“É O MAIOR FESTIVAL DO MUNDO”

 
Rui Sá, natural de Braga, tem 22 anos e também é estreante no Tomorrowland, prometendo que vai “aproveitar ao máximo aquele que é o maior festival do mundo. Sentir o ambiente proporcionado pelos artistas e que entusiasma o público e, acima de tudo, conhecer malta que, tal como eu, ‘vive’ a música eletrónica!”.
 
A bandeira portuguesa e a camisola de Steve Angello, o seu “artista de eleição” que não quer perder, vão bem guardadas na mala de viagem. Para conseguir ir à Bélgica, Rui confessa que quem “tem o sonho de ir ao Tomorrowland, que nunca desista desse objetivo, pois mais cedo ou mais tarde, há-de conseguir”, apesar de não ser fácil economicamente.
 

“UM SONHO DO QUAL QUEREMOS FAZER PARTE”

 
Depois de viajar até ao Ultra Music Festival de Miami e Ultra Europe na Croácia, Cristina Lima parte agora para o Tomorrowland pela segunda vez. A portuguesa de 31 anos e natural do Porto confessou estar “bastante ansiosa por ver o Main Stage” e afirma que os organizadores do evento “vendem um sonho do qual queremos fazer parte”.
 
Dois pares de sapatilhas e uma câmara fotográfica “para captar os melhores momentos” são os objetos essenciais que destacou em exclusivo ao Portal 100% DJ. Após ver Tiesto no Ultra Europe, Cristina está “curiosa por vê-lo no Tomorrowland”.
 
“Em Portugal fazem-se festivais à medida das mentalidades. Neste momento temos bons festivais, com bons cabeças de cartaz de EDM”, respondeu a portuense quando questionada sobre a falta de um festival do género no nosso país. Para viajar até Boom, “desejar apenas não chega, é preciso querer. Quando se quer algo temos de fazer opções, ir menos vezes ao café, despender menos dinheiro na noite... para quando chegar a hora temos tudo a postos para comprar o sonho!” confessou Cristina Lima.
 

“É A DISNEYLAND PARA ADULTOS!”

 
Laëtitia Esteves, de 29 anos e natural de Guimarães, viaja pela terceira vez consecutiva até Boom e espera voltar a “ser surpreendida com a magia que se respira durante aqueles três dias”, destacando ainda “um dos momentos marcantes e mais emocionantes” de cada ano como “a descoberta do Main stage”.
 
“Na realidade, tudo é especial. Eu costumo dizer que não se consegue descrever, é preciso vivê-lo e toda a gente deveria de lá ir pelo menos uma vez na vida. Tudo é pensado ao pormenor de forma a marcar as nossas vidas para sempre. E marca mesmo!”, confessou Laëtitia.
 
A amante de EDM destaca ainda que “a música é sem dúvida o ponto alto do festival com os seus inúmeros artistas de renome internacional. Mas a decoração, a organização, o ambiente que se vive... é a Disneyland para adultos! São mais de 200 mil pessoas vindas dos quatro cantos do mundo com a mesma paixão. Não interessa a cor, raça, idade, sexo e nacionalidade, porque no fundo a música une-nos”.
 
Na mala de viagem não vai poder faltar a bandeira nacional, roupas leves, calçado confortável, óculos de sol, protetor solar e a camisola do seu ídolo, Alesso. Quando questionada sobre que atuações mais deseja assistir, Laëtitia salienta Alesso, Armin van Buuren, Steve Angello e Axwell /\ Ingrosso, deixando ainda uma sugestão à organização: “um dia gostava de ver Pete Tha Zouk no Tomorrowland. É o meu ídolo nacional”.
 
Relativamente aos seus gostos musicais, a vimaranense considera que Portugal tem falta de um festival como o Tomorrowland, mas tem dúvidas em relação à adesão das pessoas. E porquê? “A entrada para o Tomorrowland é cerca de três vezes mais cara do que a de um MEO Sudoeste” e “neste momento está enraizada uma ‘onda’ de Kizomba no nosso país. As casas foram praticamente obrigadas a apostarem nessa ‘onda’ porque é o que se vende”.
 
O investimento para uma aventura como estas não é “nada fácil”. “Termina um Tomorrowland e já estamos a poupar para o próximo, porque os bilhetes são vendidos cerca de seis meses antes da realização do festival. Fica caro pelo facto de serem apenas três dias, mas vale cada cêntimo investido”, confessou Laëtitia Esteves ao Portal 100% DJ.

 

{youtube}NtDG-Cnj-pw{/youtube}

 

Publicado em Tomorrowland
quarta, 16 novembro 2011 19:52

Carlsberg celebra apuramento de Portugal

A Carlsberg celebra com os adeptos portugueses o apuramento de Portugal para o UEFA Euro 2012. Assim, a marca vai oferecer "experiências únicas e exclusivas", tais como a possibilidade de um consumidor entregar o prémio Homem do Jogo Carlsberg, no final do campeonato. Para se habilitar aos prémios, basta ir à página oficial da marca no Facebook e participar no passatempo que lá decorre. Nele, os adeptos são desafiados a escrever um texto onde refiram aquilo que fariam para ver a selecção nacional jogar no Euro 2012. Cantar o hino nacional num espaço público ou ir para o local de trabalho, durante uma semana, com o equipamento da selecção são algumas das sugestões da marca.

A Carlsberg junta-se, assim, aos fãs na celebração do apuramento para mais um europeu de futebol, com uma série de actividades que decorrerão até à grande final do Euro 2012, que vão para além da oferta de bilhetes para o campeonato e merchandising
Publicado em Marcas
terça, 29 novembro 2016 19:25

Lisboa: a cidade mais divertida da europa

A marca internacional Time Out divulgou um top das “most fun cities”. Para se chegar às cidades mais divertidas do mundo, foram inquiridas 20 mil pessoas que analisaram seis parâmetros: Dinamismo, inspiração, comida e bebida, comunidade, sociabilidade e acessibilidade em termos monetários.
 
Lisboa alcançou 55,6 pontos tornando-se a cidade com melhor pontuação a nível europeu enquanto que a nível mundial o primeiro lugar é ocupado por Chicago, logo seguida por Melbourne. Depois de Lisboa, está Nova Iorque, Madrid, Cidade do México, São Paulo, Los Angeles, Barcelona e Londres.
 
“Os lisboetas não avaliaram com altas pontuações a cidade apenas pela capacidade de fazer amigos e encontrar o amor, eles são os habitantes com mais probabilidade de conhecer os vizinhos e encontrar amigos por coincidência, transformando-os naqueles com menos probabilidade de descrever a cidade como ‘solitária’ ou ‘esmagador’”, refere a Time Out London no seu site.
 
 
Publicado em Mix
A campanha portuguesa da Cerveja Desperados "É Boa nas Horas" foi a grande vencedora da terceira edição do concurso internacional Desperados Best Practice Contest, arrecadando o 1º lugar como a melhor campanha de ativação da marca a nível mundial.
 
Esta campanha da cerveja que, em Portugal, é distribuída pela Sociedade Central de Cervejas, foi lançada no mercado nacional a 17 de maio e está online até ao final de agosto na página de facebook da marca.
 
Por cada garrafa comprada, o consumidor ganha cinco minutos de tempo para "curtir". Ao acumular minutos suficientes, pode usufruir de tempo para "curtir" através de experiências que a marca oferece, tais como táxi à porta de casa, passes VIP para entrar em festas e discotecas e evitar filas, um cabeleireiro em casa ou ainda um serviço de entrega ao domicílio de caixas de Desperados para "curtir em casa com os amigos".
 
A marca está a percorrer o país na sua Party Van até ao final do Verão, dando mais tempo para "curtir" em festas relâmpago junto aos bares aderentes sendo as próximas festas no Porto e em Braga, a 21 e 22 de junho. A campanha de Desperados "É Boa nas Horas" conta com a assinatura criativa da agência FunnyHoW.
 
Fonte: Imagens de Marca.
Publicado em Marcas
Segundo fontes seguras confirmaram à minutos atrás à redacção do 100% DJ, a gigantesca 'máquina branca' denominada 'Sensation White' este ano não passará por terras lusas, ficando assim o nosso país, excluído da Tour 2011 do 'maior evento de música do Mundo'.
 
Concebido pela ID&T, o espectáculo 'Sensation' foi realizado pela primeira vez em Amesterdão no ano 2000, já vendeu mais de 40.000 ingressos, percorrendo cerca de 18 países deixando milhares fãs a 'chorar por mais' devido à beleza e imensidão arrebatadora do evento.
 
Sempre com os melhores line-ups de sempre, recorde-se que o 'Sensation White' esteve em Portugal pela primeira vez no dia 09 de Maio de 2009 com o espectáculo 'The Ocean Of White', tendo como gestão nacional as empresas 'Hiper Eventos' e 'Hype Live Events' e no dia 19 de Junho de 2010 a segunda edição contou com o espectáculo 'Wicked Wonderland' cabendo à 'Hype Live Events' a gestão do mesmo.
 
Até ao momento desconhecem-se os motivos que levaram a Duncan Stutterheim, responsável pela ID&T e criador do evento, a excluír Portugal da Tour 2011 do 'Sensation White'. No entanto, esperamos que 2012 seja um ano favorável para a realização do mesmo em Portugal.
 
Publicado em Eventos
O número de festivais de música cresceu 18% em 2016, atraindo mais de dois milhões de espetadores, com um impacto na economia nacional de 100 milhões de euros, segundo uma informação divulgada na sexta-feira pelo Ministério do Ambiente. 
 
“Em 2016, realizaram-se em Portugal 249 festivais de música, o que representa um crescimento de 18% face ao ano anterior”, salienta o Ministério, que cita dados do Instituto Português de Administração de Marketing para referir que “o impacto desses eventos na economia portuguesa foi de 100 milhões de euros”. 
 
Considerado que estes eventos “têm de se diferenciar para se manterem uma referência”, o ministério liderado por João Matos Fernandes criou o programa “Sê-lo Verde” para incentivar os promotores dos festivais a adotar medidas visando a sustentabilidade ambiental. O programa será apresentado segunda-feira, em Lisboa e terá 500 mil euros vindos do Fundo Ambiental para apoiar soluções ambientais que permitam uma redução dos impactos resultantes da participação em festivais, relacionados, por exemplo, com o lixo produzido ou as emissões de dióxido de carbono. 
 
O Governo pretende também incentivar a utilização de novas tecnologias e de energias renováveis e a opção por ações que contribuam para uma sensibilização ambiental de todos os intervenientes nos festivais, dos espetadores aos patrocinadores e municípios.
Publicado em Festivais
A Google acaba de anunciar o lançamento do 'Music' no serviço Google Play Portugal, um espaço de entretenimento digital onde é possível "encontrar, desfrutar e partilhar" aplicações, jogos e (a partir de agora) música, no telemóvel ou tablet equipado com sistema operativo Android.
 
Com o lançamento do 'Music' no Google Play, a marca afirma que comprar músicas e álbuns e adicioná-los à biblioteca pessoal de cada consumidor é "ainda mais simples". O serviço permite ouvir as músicas em qualquer computador ou dispositivo móvel Android online e offline.
 
O Instant Mix, funcionalidade que seleciona automaticamente 25 músicas correspondentes em tom e estilo a partir de uma música, a possibilidade de partilhar socialmente uma faixa no Google+ e a inclusão do Artist Hub, onde artistas independentes podem vender a sua música, são algumas das novidades que os consumidores encontrarão no Music.
Publicado em Mix
No Dia Internacional da Amizade e a poucos momentos do arranque de mais uma edição do festival Tomorrowland, fomos conhecer a “Tomorrowland Crew Portugal”, um grupo de amigos bastante especial que tem uma paixão em comum: a música eletrónica. Laëtitia Esteves desde 2013 que lidera esta comunidade, que tem vindo a ganhar cada vez mais seguidores.
 
O grupo, fundado em 2013, inicialmente não tinha um nome específico. “A partir daí, sempre que um DJ internacional vinha a Portugal, sempre que havia um evento de Electronic Dance Music (EDM) ou sempre que o Pete Tha Zouk atuava, juntávamo-nos todos. Começaram-se a juntar amigos nossos que não tinham ido ao Tomorrowland mas que acabaram por fazerem parte deste grupo por acharem o ambiente fantástico”, salientou.
 
Vestiam-se sempre a rigor, com t-shirts, pulseiras e a famosa bandeira do Tomorrowland, que os acompanha em todos os eventos. O nome “Tomorrowland Crew Portugal” surgiu através de Pete Tha Zouk. Durante uma atuação do DJ português na Discoteca Pedra do Couto, em Santo Tirso, a crew esteve “na frontline a noite toda”, uma das características do grupo e “durante o set foi puxando pelo público, como é habitual e apelidou-nos de Tomorrowland Crew Portugal”, incluindo o novo nome numa publicação na sua página oficial de Facebook. “Desde então somos a Tomorrowland Crew Portugal com o melhor padrinho que alguma vez poderíamos ter: Pete Tha Zouk”.
 

 
O grupo conta com cerca de 60 elementos “mas vai crescendo todos os dias. A cada evento, juntam-se mais pessoas” e “temos a sensação que nos conhecemos há imenso tempo. No fundo, temos uma única coisa que nos junta: a paixão por música eletrónica”. Laëtitia Esteves revelou ainda que a “Tomorrowland Crew Portugal” tem como objetivo principal “juntar o maior número possível de elementos” para “formar o maior e melhor grupo de festivaleiros portugueses de sempre”.
 
Esta Crew já esteve presentes em eventos como o Ultra Music Festival, Ultra Europe, Amesterdam Music Festival, Qapital, Mega Hits Kings Fest, Melhores do Ano da rádio Nova Era, EDP Beach Party, RFM SOMNII - O Melhor Sunset de Sempre, MEO Sudoeste, Where’s The Party by Carlsberg, Azurara Beach Party e em digressões de artistas como Armin van Buuren, Hardwell, Alesso e o português Pete Tha Zouk por vários países do mundo.
 
Laëtitia Esteves ainda não tem um futuro definitivo para a Tomorrowland Crew Portugal, porque “é tudo muito recente”, mas pode “passar pela organização de eventos de EDM”.
 
Publicado em Tomorrowland
quarta, 20 fevereiro 2013 14:42

Boiler Room conquistou Portugal

Algumas dezenas de metros acima do nível do chão, como se Lisboa estivesse pronta para descolar para o espaço, ali mesmo com o rio Tejo aos pés e a ponte 25 de Abril como rampa de lançamento. Foi assim o Boiler Room Lisboa Red Bull Music Academy Takeover, estreia em grande no nosso país de uma iniciativa que tem gerado ondas de entusiasmo em todo o mundo.
 
A ideia simples foi conseguida: um sound system de luxo, uma sala repleta de clubbers fanáticos, um line-up do mais avançado que a eletrónica tem para oferecer e uma série de câmaras a transmitirem tudo pela internet, transformando o planeta numa pista de dança.
 
Em Lisboa, quem pôs tudo a ferver foram os Sensible Soccers, os Voxels, Ivvvo, Buraka Som Sistema, Dj Ride, Switchst(d)ance e a «cereja em cima do bolo» - DJ Vibe.
 
Para chegar ao Boiler Room Lisboa Red Bull Music Academy Takeover era necessário subir as escadas metálicas que conduziam ao topo de um antigo reservatório de àgua na LXFactory. Uma vez lá em cima, podia-se desfrutar das incríveis vistas do terraço com a banda sonora proporcionada pelos DJs de serviço ou então subir mais um lanço de escadas para mergulhar no antigo depósito propriamente dito: luzes baixas, som alto com a qualidade inexcedível "Funktion One" e uma energia que se podia literalmente cortar à faca.
 
Dizer que foi memorável é, pois claro, dizer muito pouco: a estreia do Boiler Room em Portugal pela mão da Red Bull Music Academy pode muito bem ter ficado para a história. Diferentes sonoridades, diferentes gerações, diferentes ferramentas, mas uma mesma vontade de impor a dança como prática comum. Os presentes talvez não tenham reparado, mas por um momento aquele antigo reservatório de água descolou e viajou pelo espaço: as colunas foram os reactores, a música o combustível e os clubbers os tripulantes.
 
Boiler Room Lisboa Red Bull Music Academy Takeover signing out: Missão cumprida!
 
Publicado em Eventos
Pág. 1 de 8
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.

Este site utiliza cookies. Ao navegares neste site estás a consentir a sua utilização. Para mais informações consulta a nossa Política de Privacidade.