Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Mensal
O DJ e produtor Hardwell acaba de cancelar a sua atuação em Antuérpia, na Bélgica, incluída na digressão “I Am Hardwell United We Are”, devido a uma ameaça terrorista.
 
A atuação estava marcada para o próximo dia 13 de maio e os fãs do artista holandês foram avisados do cancelamento através de um e-mail. A equipa de Hardwell decidiu “que este não é o momento e o local certo para realizar este evento”, como se pode ler no comunicado oficial.
 
A digressão “I Am Hardwell United We Are”, que passou por Portugal em março do ano passado, vai terminar com uma atuação numa cidade europeia, numa data ainda a anunciar. Até ao momento, Hardwell não se pronunciou acerca deste cancelamento.
 
Recorde-se que a Bélgica continua em alerta máximo, depois dos atentados terroristas de 22 de março no aeroporto de Zaventem, local onde anualmente desembarcam todos os festivaleiros do Tomorrowland, que causaram a morte de mais de 30 pessoas e mais de 200 feridos.
 
Sobre o clima de insegurança, a redação do Portal 100% DJ falou com a organização do Tomorrowland, onde ficou claro que a equipa “está ciente de tudo o que se está a passar pelo mundo e como tal estamos em constante comunicação com todas as instituições governamentais na Bélgica e pelo mundo inteiro”, disse Debby Wilmsen, representante do festival, em exclusivo ao Portal 100% DJ.
 
Entretanto, o governo belga está a preparar uma nova proposta de lei, juntamente com a organização de grandes festivais como o Tomorrowland, que passa pela proibição da entrada de mochilas nos eventos.
 
{youtube}R1-sWDhzB50{/youtube}
Publicado em Eventos
Hoje é um dia decisivo para os festivais de verão em Portugal, uma vez que o governo, após o Conselho de Ministros, anunciará novas medidas tendo em conta o contexto atual de pandemia. De acordo com uma análise da CISION, o seu cancelamento representará para as marcas que patrocinam os dez festivais portugueses mais mediáticos, uma perda de retorno mediático superior a 190 milhões de euros.

O fim do estado de emergência marcou o início do desconfinamento e a reabertura gradual da economia, que procura responder agora à crise provocada pelo novo coronavírus. Na realidade, como afirmou o primeiro-ministro, na passada semana, "enquanto houver COVID, não haverá vida normal".

De acordo com a projeção da CISION, em condições normais, em 2020, os festivais mais mediáticos seriam o Rock in Rio, NOS Alive, MEO Sudoeste, Super Bock Super Rock, Vodafone Paredes de Coura, O Sol da Caparica, NOS Primavera Sound, EDP Vilar de Mouros, MEO Marés Vivas e EDP Cool Jazz.

Recorde-se que os promotores dos festivais estiveram na passada semana reunidos com António Costa, os Ministros da Cultura, Saúde e Economia. À saída do encontro e respondendo aos jornalistas, Graça Fonseca não quis adiantar se haverá ou não condições para se realizarem alguns dos festivais ainda agendados e que geralmente concentram milhares de pessoas.

Rock In Rio, Boom Festival, Tremor, Festival do Crato, Sou Quarteira e North Music Festival cancelaram as suas edições para este ano. Por seu lado, o NOS Primavera Sound, no Porto, reagendou a sua edição para o próximo mês de setembro.
Publicado em Festivais
sexta, 03 abril 2020 12:29

Rock in Rio Lisboa adiado para 2021

A 9.ª edição do Rock in Rio Lisboa foi adiada para o próximo ano na sequência da pandemia do novo coronavírus, anunciou esta sexta-feira em comunicado a vice-presidente executiva, Roberta Medina.

O festival que ia decorrer nos últimos dois fins de semana de junho deste ano, no Parque da Bela Vista, em Lisboa, passar assim para os dias 19, 20, 26 e 27 de junho de 2021 sendo que também está confirmada a 10.ª edição do evento em 2022.

Os bilhetes já adquiridos para a edição deste ano serão válidos para as novas datas, ficando os dias em aberto até confirmação do cartaz.

Foo Fighters, The National, The Black Eyed Peas, Post Malone são alguns dos artistas que iriam animar a Cidade do Rock em 2020.
 
Publicado em Rock in Rio
A primeira edição portuguesa do maior festival de música do mundo, o KaZantip, que arrancou na sexta-feira, nas margens do Alqueva, foi hoje encerrada, mas fonte da organização garantiu que a decisão «não é definitiva».
 
Segundo se pode ler na página oficial do festival na Internet, o evento foi obrigado a encerrar porque ficou impossibilitado de vender bilhetes e comida, devido a um erro no licenciamento.
 
O KaZantip, vulgarmente conhecido como o «festival das orgias», já passou por vários países e, segundo a organização, o primeiro evento realizou-se na Ucrânia e, em 2002, foi obrigado a encerrar pelo governo ucraniano.
 
A primeira edição portuguesa do festival era para decorrer sem parar até 26 de Agosto nas margens do Alqueva, no concelho de Moura, com a presença de mais de 1.200 DJs e muitos desportos radicais.
 
Contactada pela Agência Lusa, a fonte da organização confirmou que o KaZantip pode vir a ser cancelado, devido a uma «questão burocrática» relacionada com uma licença para a restauração do evento, à qual a organização é «completamente alheia».
 
«O encerramento não é definitivo. Esperamos que o problema se resolva amanhã [terça-feira] e que o festival possa continuar», disse a mesma fonte.
 
Também o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Beja da GNR, capitão Eduardo Lérias, adiantou à Lusa que a empresa promotora do KaZantip comunicou à Guarda que iriam proceder ao «encerramento do festival».
«A GNR está só a garantir a segurança no local para evitar que haja alterações de ordem com fornecedores ou espectadores», acrescentou.
 
Fonte: Lusa/SOL.
Publicado em Festivais
Os governantes de Miami, cidade do estado americano da Flórida, vão debater esta quinta-feira, se permitem ou não a realização do segundo fim-de-semana (Phase 2), previsto e já anunciado pela produção do gigantesco evento de música electrónica Ultra Music Festival, para os dias 22, 23 e 24 de março.
 
Em 2012 os bilhetes para os três e únicos dias de evento esgotaram em poucas horas. Possivelmente esse facto pesou na decisão da produção em alargar o evento para mais um fim-de-semana de música. No entanto essa decisão não agradou aos moradores e empresários da cidade. Os mesmos afirmam que a realização do evento no Bayfront Park levará a perturbações de ruído e tráfego, que influenciam a estrutura da própria cidade e funcionamento dos ecossistemas. Os distúrbios e a desordem causada pelos festivaleiros, estão também em cima da mesa.
 
O documento se for aprovado pela autarquia da cidade, limita a 15ª edição do Festival a apenas um fim-de-semana. O responsável por este assunto - Vice-Presidente Marc Sarnoff - até ao momento, não teceu comentários à comunicação social.
 
A "Phase 1" do evento decorre nos dias 15, 16 e 17 de março e já estão confirmados os mais importantes nomes da música de dança, tais como Tiësto, David Guetta, Armin van Buuren, Avicii Above & Beyond, Afrojack, Bassnectar, Calvin Harris, Carl Cox, Fatboy Slim, Kaskade, Knife Party e Richie Hawtin.
 
Recorde-se que em 2012 passaram pelo festival cerca de 150 mil pessoas de todo o Mundo, divididas por três palcos que representavam diferentes sonoridades musicais. Avicii, David Guetta, Skrillex e Fatboy Slim foram apenas alguns dos artistas que passaram pelo Ultra 2012.
 
 
Publicado em Ultra Music Festival
terça, 29 dezembro 2009 18:46

Concerto de 'Xutos' cancelado

O concerto de passagem de ano dos Xutos & Pontapés, agendado para a Torre de Belém, foi cancelado devido ao internamento de Zé Pedro.

De acordo com o comunicado enviado às redacções, o guitarrista da banda foi internado com uma hemorragia digestiva alta encontrando-se em “situação estável” e "sob vigilância médica”.

A Banda 'GNR' substituí os Xutos e Pontapés.
Publicado em Artistas
A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou, esta segunda-feira, que eventos com mais de cinco mil pessoas realizados ao ar livre devem ser suspensos ou adiados. O mesmo deve acontecer com aqueles que reúnam mais de 150 pessoas e tenham lugar onde há grupos de transmissão. As medidas vão vigorar até, pelo menos, dia 3 de abril.

Marta Temido disse ainda que se deve ter "especial atenção" aos eventos que contem com a presença de pessoas da China, Irão, Itália. Foi ainda dito que "os profissionais de saúde devem abster-se de reuniões alargadas (conferências e/ou congressos) uma vez que são elementos fundamentais e necessários". 

Até ao momento existem 59 casos confirmados de coronavírus em Portugal, a maioria na região Norte.
Publicado em Eventos
A edição deste ano do Ultra Music Festival acaba de ser cancelada devido ao vírus covid-19, segundo a imprensa internacional. O festival de música eletrónica ia decorrer entre os dias 20 e 22 de março em Miami.
 
A decisão foi tomada hoje, após uma reunião entre a organização do festival e o presidente de Miami, Francis Suarez. Até ao momento, a organização ainda não divulgou nenhum comunicado.
 
Este foi o segundo evento da família Ultra a ser cancelado devido ao novo coronavírus. Esta terça feira, a edição de Abu Dhabi, que iria começar amanhã, foi cancelada “por restrições de viagens impostas por alguns países e companhias aéreas, para indivíduos e grupos”, revelou a organização.
 
Esta é a primeira vez que o festival é cancelado desde a sua primeira edição, em 1999. O festival tem capacidade para acolher cerca de 55 mil pessoas por dia e contava, este ano, com as atuações de Major Lazer, Kygo, DJ Snake, Martin Garrix, entre muitos outros.
 
Os Estados Unidos da América já contam com 9 mortes e mais de 100 pessoas infetadas com o vírus covid-19. O coronavírus soma mais de 95,180 infetados, 3,254 mortes e 51,443 pessoas recuperadas a nível mundial.
 
Atualização (6 de março, 21h40): A organização do Ultra Music Festival emitiu logo um comunicado oficial acerca do cancelamento do festival, através da página oficial de Facebook do evento, lamentando a decisão do presidente de Miami e informou os festivaleiros que irão ser contactados através de e-mail a partir de segunda-feira, para procederem à devoluçao do dinheiro dos bilhetes.
 
O Ultra Music Festival regressa a Miami em 2021, entre os dias 26 e 28 de março.
 
Publicado em Eventos
A economia portuguesa irá sofrer um impacto superior a 1,6 mil milhões de euros com o cancelamento dos festivais de verão deste ano, devido à pandemia de covid-19.

De acordo com o relatório anual da Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest), em 2019 foram realizados 287 festivais de música, gerando cerca de 2 mil milhões de euros, por contraponto com os 400 milhões de euros previstos para este ano, na melhor das hipóteses.

Noticia hoje o JN, que estes valores levam em conta o dinheiro gasto em transportes, sobretudo de carro, mas também de avião, nas deslocações para os festivais. Esta rúbrica é de elevda importância, uma vez que só no ano passado foram gastos 1,7 mil milhões de euros. No entanto, há ainda cerca de 120 empresas que trabalham para festivais, muitas delas em exclusividade. A associação refere ainda que existe uma quebra de 80% no volume de negócios dessas empresas que operam indiretamente no setor.

Recorde-se que a realização de festivais e espetáculos de natureza análoga está proibida até 30 de setembro. A lei promulgada pelo Presidente da República estabelece que o consumidor não terá direito à devolução do preço do bilhete para os espetáculos que estavam marcados entre 28 de fevereiro e 30 de setembro de 2020 e que foram reagendados por causa da pandemia da Covid-19.

Os espetáculos abrangidos por esta lei "devem, sempre que possível ser reagendados", sendo que o reagendamento do espetáculo não dá lugar à restituição do preço do bilhete, nem pode implicar o aumento do respetivo custo para quem à data do reagendamento já fosse seu portador.
Publicado em Festivais
Foi cancelada a primeira edição do festU - Festival Nacional do Estudante. O evento estava marcado para esta sexta-feira e sábado, na FIL, em Lisboa. A organização, a cargo da Do It Produções, ainda não se pronunciou até ao momento sobre o cancelamento do mesmo.

"A AIP - Feiras, Congressos e Eventos esclarece que o festU - Festival Nacional do Estudante - com realização prevista para os dias 16 e 17 de Março nas instalações da FIL não irá realizar-se nas referidas datas e local", pode ler-se na página da AIP.

Boss AC, Diego Miranda, Homens da Luta e Tara Perdida eram os cabeças de cartaz do primeiro Festival Nacional do Estudante - FestU.

Tal como se lê no comunicado da AIP, os titulares de bilhetes para o evento que tenham sido adquiridos na FIL, deverão apresentar os mesmos nas bilheteiras para que possam ser reembolsados.
 
Publicado em Eventos
Pág. 2 de 4

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.