27-05-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

A MEO Arena, em Lisboa, recebeu no passado sábado cerca de 14 mil pessoas para assistir ao novo espetáculo de Hardwell, “United We Are”, especialmente dedicado ao seu álbum de estreia, lançado em janeiro. O evento teve a duração de cinco horas e contou com o warm-up de Kill The Buzz. O DJ “número 1”, segundo a revista britânica DJ Mag, voltou a encantar os portugueses num dos eventos de música eletrónica mais aguardados do ano, tendo os seguidores do holandês começado a concentrar-se nas imediações do recinto logo pela manhã.
 

A ESTREIA QUE FEZ “BUZZ” (COM ENTREVISTA)

Diretamente de Breda, a mesma cidade de Robbert, chega Kill The Buzz, o primeiro a dominar a batuta. Além das suas próprias faixas e da estreia de novos temas, The Buzz durante as duas horas de set, reproduziu também músicas de David Guetta (“Just One Last Time” com Taped Rai) e Alesso (“Tear The Roof Up”). No dia anterior ao espetáculo, tinha estreado uma nova faixa intitulada “Metric”, em colaboração com Manse, no radioshow “Hardwell On Air”.
 
Numa entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ e ainda com a adrenalina pós-gig a fervilhar, Kill The Buzz não escondeu o orgulho e satisfação que é fazer o warm-up de Hardwell: “Eu e o Robbert somos amigos desde, mais ou menos, 8 ou 9 anos, e tenho-o acompanhado nas suas tours como amigo, nomeadamente em muitos festivais na Holanda. Há cerca de três anos atrás produzi três faixas que ele gostou imenso. Significa muito para mim que ele me tenha trazido para o seu espetáculo. É ótimo estar aqui!”
 
Questionado quanto ao grau de dificuldade em abrir as hostes do “#1”, The Buzz confessa que Hardwell lhe diz as coisas mais difíceis de tocar ao vivo. “Por exemplo, não podes tocar muitas músicas que são “top” e que grande parte das pessoas quer ouvir num festival. Essencialmente não te podes expor. A coisa mais inteligente num warm-up é dizer às pessoas que tu estás ali” referiu.
 
 
Esta é a primeira vez do holandês em Portugal: “Estou a adorar esta cidade - Lisboa. Um ótimo sítio para estar, e as pessoas são simpáticas, bem como a comida. É ótima!” rematou com um sorriso nos lábios, indicando Kura como o DJ português que conhece.
 

A PROVA QUE SOMOS UNIDOS

A estrutura e logística de palco teve assinatura portuguesa, enquanto que a estrutura superior foi desenhada na Holanda e irá acompanhar Hardwell nesta tour. Semelhante a uma nave espacial, Hardwell, que desta vez “aterrou” em Portugal acompanhado pela sua cara-metade, levou os fãs a uma viagem alucinante e cheia de energia, ao som dos maiores êxitos do passado, do presente, e ainda, de novas músicas.
 
Vestindo uma nova camisola de Portugal, oferecida pela rádio Mega Hits, tal como aconteceu no espetáculo de 2013, o artista holandês contagiou os presentes com a sua paixão e dedicação pela música eletrónica, criando uma forte interação e ligação com o público que delirava em todo o recinto, erguendo por vezes uma bandeira portuguesa e um cachecol, gritando algumas palavras como “braços no ar” e “obrigado”.
 
As letras de algumas músicas eram visíveis no ecrã gigante, que acompanhadas por efeitos de CO2, pirotecnia e um conjunto de luzes único, transformaram a MEO Arena numa autêntica pista de dança gigante. Na plateia e no balcão 1, podiam-se observar vários cartazes, t-shirts e ainda bandeiras do Tomorrowland e de países como Portugal, Espanha, Colômbia, Holanda e Brasil.
 
 
Apesar do balcão 2 não ter sido aberto ao público, a moldura humana de 14 mil fãs do “#1” demonstrou que Portugal tem um dos melhores públicos a nível mundial.
 
Além do seu álbum de estreia, “United We Are”, lançado em janeiro, Hardwell também estreou novas sonoridades. Da sua autoria, não podiam faltar os sucessos como “Spaceman” e “Dare You”, enquanto gritava “Portugal, i love you!”. Hit’s como “Blame” (Calvin Harris & John Newman), “A Sky Full Off Stars” (Coldplay & Avicii), “Drop It Like It’s Hot” (Snoop Dogg & Pharrel Williams) e “Leave The World Behind” (Swedish House Mafia) fizeram as delícias dos fãs, que receberam uma pequena surpresa no final: as últimas duas músicas contaram com selo português: “Hangover” e “Kalemba (Wegue Wegue)”, dos Buraka Som Sistema, foram os temas que finalizaram a atuação, numa recordação que nos retornou ao espetáculo de 2013, ocorrido no mesmo local.
 

NEM OS FAMOSOS RESISTEM A HARDWELL

Algumas caras conhecidas compareceram no MEO Arena para assistir a um dos eventos mais esperados do ano. Nomes como Inácio Ramos, Luís Evaristo, Diogo Dias, Diana Monteiro, João Montez, Dan Maarten, Olga Ryazanova, Dynamic Duo, Hugo Rizzo, Ricardo Silva, Mauro Barros, Olívia Ortiz e Joana Vieira fizeram questão de marcar presença neste regresso de Hardwell ao nosso país.
 

VOX POP

José Paulo Costa, de 20 anos, veio de Santa Maria da Feira para assistir ao concerto de Hardwell pela primeira vez. Para ele, a prestação do “número 1” foi "espetacular e fantástica". Já Telma Silva, de 32 anos, "estava à espera de um pouco melhor" em relação à área VIP do evento. Tiago, natural de Almeirim, de 36 anos, confessou-nos que achou um bom espetáculo, mas que o mesmo "acabou muito cedo". Já Mónica, de 31 anos, gostou do seu primeiro espetáculo de Hardwell e admitiu voltar um dia.
 
 

A PARCERIA DE SUCESSO CONTINUA (COM ENTREVISTA A NELSON CUNHA)

Depois de “One Last Tour” (Swedish House Mafia), o RFM SOMNII e a tour “I Am Hardwell”, foi a vez da “United We Are” chegar a Portugal. Mais uma vez, a parceria entre a Genius Y Meios, a Mega Hits e a Sociedade Lusa de Espetáculos foi um sucesso, elevando a fasquia para aquilo que poderá vir no futuro. 
 
“Duas vezes ‘melhor do mundo’, duas vezes em Portugal no MEO Arena, e superámos as espectativas. Voltámos a repetir a ‘dose’ com um espetáculo diferente, inovador... e o Hardwell está praticamente a ‘jogar em casa’”, revelou-nos Nelson Cunha, Diretor da Mega Hits. “Existem fortes afinidades de Hardwell com Portugal, ele sente o nosso país de uma maneira muito especial. A maior parte dos países da Europa onde ele toca não tem um público tão emotivo, e aqui sim, ao mínimo toque/gesto, o público português reage e isso é muito bom”, por isso, “ele gosta de vir a Portugal e é por isso que veio cá outra vez” disse o diretor da estação.
 
Em relação à rádio Mega Hits, Nelson desvendou algumas das novidades, como a estreia do radioshow da editora de Hardwell – Revealed Records, o radioshow semanal do Quintino, a residência mensal com Djeff Afrozilla e, além dos Beatbombers, o “regresso” do DJ Glue e a Mega DJ Academy. Quanto ao Mega Hits Kings Fest, que contou com a presença de Martin Garrix no ano passado, está a ser realizado um “trabalho de pesquisa”.
 
Para concluir e em relação ao Portal 100% DJ, Nelson Cunha prestou um agradecimento: “Quero agradecer à 100% DJ por ter vindo mais uma vez, pelo grande apoio dado à dance music em Portugal, mantendo sempre aquela isenção, que é importante, e respeitando os artistas e produtores. Têm feito um trabalho excecional - parabéns a vocês”.

 

BACKSTAGE

Nos bastidores do espetáculo, Hardwell teve ainda tempo de conhecer alguns dos seus fãs portugueses, através de um Meet & Greet. Diogo Calhó, de 16 anos, foi um dos fãs sortudos que teve a oportunidade de conhecer o seu ídolo. “Achei-o uma pessoa simpática e nada fria com os fãs”, foi a descrição que Diogo nos fez, em exclusivo, sobre o sonho de conhecer o DJ holandês, pois é o seu ídolo e inspiração. Relativamente ao espetáculo, o jovem de Barcarena confessou que adorou todo o espetáculo, desde os “LED’s, sonoridade, ambiente e a interação com o público”. Foi o primeiro espetáculo de “EDM” de Diogo e “teve um maior significado por ser do Hardwell”, revelou.
                        
A Mega Hits, patrocinadora do evento, além da t-shirt, ofereceu a Hardwell o prémio de “Melhor DJ do Ano”, um totem com logótipo da rádio em 3D.
 

BILHETES SOLIDÁRIOS

Todos os espetáculos da tour “United We Are” têm uma vertente solidária. Para quem comprou bilhete, contribuiu automaticamente com 50 cêntimos para a organização DANCE4LIFE. Este projeto de solidariedade é apoiado por Robbert e tem como objetivo o combate à SIDA nos jovens a nível mundial, através da educação, música e dança.
 

REDES SOCIAIS

Nas redes sociais como o Facebook, Instagram e Twitter, Hardwell foi um dos temas que mais “buzz” gerou. Quando o DJ chegou ao nosso país, fez questão de colocar uma fotografia na sua página oficial de Facebook e do Instagram, de uma vista privilegiada de Lisboa, elogiando o clima: “A aproveitar o lindo clima em Lisboa. Preparado para a I Am Hardwell desta noite!”. Kill The Buzz publicou também uma fotografia sua, com a descrição: “A aproveitar esta vista de topo em Lisboa, Portugal”. Após o espetáculo na MEO Arena, Hardwell partilhou ainda uma fotografia tirada durante o concerto, onde se pode ler “Obrigado Portugal! #UnitedWeAre”.
 

 

O REGRESSO ANUNCIADO

O DJ e produtor holandês, em entrevista à Mega Hits, confirmou acidentalmente o seu regresso ao MEO Sudoeste deste ano, pouco tempo antes da sua atuação em Lisboa. Entretanto, a organização do festival alentejano já confirmou a presença de Hardwell na Zambujeira do Mar, no dia 8 de agosto. Robbert esteve presente na edição de 2014 do MEO Sudoeste.
 
Vemo-nos em Agosto, Robbert!
 
Publicado em Reportagens
Um dos objetivos editoriais do Portal 100% DJ, passa por oferecer aquilo que os leitores procuram. Em 2013 não fugimos à regra e a nossa extensa oferta de conteúdo é fruto da procura dos nossos leitores, a quem agradecemos publicamente a preferência e confiança. 
 
Fizemos um apanhado das três palavras mais procuradas e das que receberam mais 'hits' no Portal 100% DJ durante todo o ano de 2013. O resultado no gráfico em baixo.
 
 

 
Publicado em Infografias
quarta, 13 março 2013 18:29

Hardwell ‘queima as fitas’ em Coimbra

O DJ e Produtor Hardwell, conhecido mundialmente pelas suas explosivas produções e gigs de outro mundo, é o primeira artista confirmado da Queima de Coimbra para este ano.
 
A informação foi confirmada à redação do Portal 100% DJ pela organização do evento, revelando ainda que o ocupante da posição número 6 do 'Top 100 DJ MAG', e fundador da Revealed Recordings, atuará dia 8 de maio, quarta-feira.
 
A mais antiga Queima das fitas do país, decorre entre os dias 3 e 10 de maio, na Praça da Canção, local que vai mais uma vez servir de palco para os inúmeros espetáculos, de forma a proporcionar aos estudantes, noites de máxima diversão e bons momentos.
 
A edição deste ano apresenta um orçamento reduzido em comparação com edições anteriores, mas a organização quer manter a qualidade dos festejos.
 
Recorde-se que no início do mês de fevereiro, a Comissão Organizadora da Queima das Fitas colocou à venda 1000 bilhetes gerais a preço de 'saldo' – 39 euros – que entretanto esgotaram em poucas horas. Continuando com o regime de pré-venda, para o mês de março, foram disponibilizados 2500 bilhetes pelo preço de 45 euros, que podem ser adquiridos na Sala da Queima das Fitas no Edifício da Associação Académica de Coimbra. Terminada a venda antecipada, os ingressos terão o valor de 49 euros.
 
Os artistas a figurar o cartaz 2013, serão divulgados em breve.
 
Publicado em Artistas
Pela terceira vez consecutiva, Hardwell vai ser um dos cabeças de cartaz do festival MEO Sudoeste, que comemora em 2016 os seus 20 anos de existência, segundo o Diário de Notícias.
 
O DJ número 1 do Top 100 da DJ Mag está de volta à Herdade da Casa Branca, na Zambujeira do Mar, depois de ter atuado nas duas últimas edições. O português Agir é outra das primeiras confirmações, mas desta vez vai subir ao palco principal.
 
Segundo Luís Montez, da promotora Música no Coração, cerca de 188 mil pessoas passaram pelo MEO Sudoeste na edição deste ano, com um aumento de público inglês e espanhol. “Isto é um festival para divertir, não é para deprimir”, referiu Luís ao Diário de Notícias, confirmando a continuação da aposta em artistas de música eletrónica no festival alentejano.
 
{youtube}ALM1CwRMrmw{/youtube}
Publicado em Festivais
O MEO Arena, em Lisboa, foi o palco escolhido pela editora de Hardwell, a Revealed Recordings e pela rádio Mega Hits, para receber uma passagem de ano especial com um line up recheado de vários artistas internacionais incluindo o português Kura.
 
Dannic, Sick Individuals, Joey Dale, Julian Calor, Manse e Tom & Jame transformaram a maior sala de espetáculos do país numa festa única com a melhor música eletrónica em grande destaque.
 
A inaugurar a cabine e durante cerca de uma hora esteve a dupla Tom & Jame que antes de voar até Gondomar, passou o ‘testemunho’ ao DJ e produtor Manse. O melhor amigo de Hardwell, Dannic, mais uma vez não desiludiu e foi com um set cheio de energia que contagiou tudo e todos, abrindo assim caminho para o artista que se seguia, o único português no line up: Kura - artista que ficou encarregue de inaugurar o ano 2016. Julian Calor assumiu já no dia 1 de janeiro de 2016 os comandos do MEO Arena com um set único, provando o seu talento para a arte do djing. De seguida, Joey Dale subia à cabine para provar, em terras nacionais, que é um dos jovens produtores dono de um potencial e talento singular.
 
Para finalizar a noite, a chegada da dupla Sick Individuals estremeceu o antigo Pavilhão Atlântico com hits da atualidade, temas originais e faixas melódicas acompanhadas dos habituais e energéticos drops.
 
Um palco repleto de ecrãs LED, efeitos pirotécnicos, fogo, lasers e C02, juntamente com as melhores músicas do momento, fizeram as delícias dos presentes que tiveram a oportunidade de receber o ano de 2016 rodeados de amigos e família.
 
O Pavilhão de Multiusos de Gondomar também recebeu a mesma festa de passagem de ano, uma iniciativa que aconteceu em Portugal pela primeira vez. Thomas Newson foi o artista exclusivo do New Year Revealed da zona norte.
 
Em baixo poderás conferir a entrevista de Joey Dale ao Portal 100% DJ, momentos antes da sua atuação no MEO Arena.
 
Quais são as tuas expectativas para esta noite?
As minhas expectativas para Portugal são sempre altas. O público é sempre fantástico. E agora no MEO Arena, uma das maiores arenas da Europa, tenho umas expectativas muito altas.
 
Qual é a tua opinião acerca do público português?
Esta é a quinta vez que atuo cá e o público português é sempre bom. Sempre cheio de energia, sabem as músicas e qual é a faixa que estou a tocar. É um público muito bom, um dos melhores da Europa.
 
 
Que memórias guardas em relação às tuas atuações em Portugal?
Uma das atuações que está no meu Top 3 em toda a minha vida foi no RFM Somnii, um dos meus primeiros espetáculos por cá. Foi já há um ano atrás mas continua a ser um dos melhores que já fiz.
 
Como é atuar ao lado de grandes colegas e amigos como Dannic ou Kura?
É uma mistura de sentimentos. O Kura é um herói nacional no vosso país e o Dannic é um dos meus ídolos há muitos anos e atuar com ele, tal como os Sick Individuals e grandes talentos como Thomas Newson e Julian Calor é uma mistura de sentimentos.
 
O apoio de Hardwell continua a ser essencial para a tua carreira?
Sim, continua a ser muito importante. É o fundador da Revealed Recordings e eu lancei a maior parte das minhas músicas nessa editora. Sem Hardwell ou a Revealed eu acredito que neste momento não estava aqui.
 
Qual é o segredo para ter uma carreira de sucesso no mundo da música eletrónica?
É uma pergunta difícil! Eu acho que não existe segredo, apenas trabalho árduo e dedicação à tua paixão. Se o teu sonho é ser um DJ de sucesso, não existe segredo nenhum, é só trabalhar muito.
 

Se o teu sonho é ser um DJ de sucesso, não existe segredo nenhum, é só trabalhar muito.

 
Que novidades podes desvendar em relação ao futuro da tua carreira?
Tenho muitas músicas a sair. Passei os últimos dois meses em casa e fiz umas sete faixas até agora. Vou lançar mais um tema pela Revealed, por isso vem aí muita música.
 
Alguma nova colaboração?
Sim, com os Paris & Simo, vai sair pela Revealed e também outras colaborações que podem vir a acontecer, mas nada está planeado ainda.
 
Para ti, quais foram os hits de 2015?
Uma das minhas favoritas é dos Major Lazer e DJ Snake, “Lean On”.
 
E da Revealed Recordings?
Aquela que ocorre agora é dos Paris & Simo e Makko, “Not Alone”, é uma faixa muito, muito boa. Continuo a ouvi-la todos os dias.
 
Com que artista português gostarias de colaborar?
Kura, claro! Nós por acaso já falámos sobre isso e trocámos algumas ideias entre nós. Nada está planeado até agora mas há de acontecer de certeza absoluta.
 
Que mensagem gostarias de deixar aos leitores e seguidores do Portal 100% DJ?
Como já disse, vocês são um dos melhores públicos do mundo e eu amo atuar aqui. Para mim, é um dos meus países favoritos da Europa. Obrigado por aqui estarem e espero ver-vos em breve!

 

Publicado em Reportagens
Pertence à lista restrita de protegidos de Hardwell e vai estar em Lisboa a 5 de Março próximo para tocar no MAIN, apenas dois dias antes do mestre chegar a Lisboa com a sua tour “I Am Hardwell - United We Are”. A 100% DJ falou em exclusivo com Joey Dale que nos fez algumas revelações em primeira-mão!

 

Acabas de editar “Zodiac/Gladiator EP” pela Revelead Recordings do Hardwell que está a correr bem nas tabelas de vendas. Qual é a história por detrás destes dois temas?
Produzi o “Zodiac” poucos dias antes de ir tocar ao Tomorrowland. Toquei no sábado e aproveitei o gig para estrear o tema, - há festa melhor para testar um tema do que o Tomorrowland? -, o público adorou e eu fiquei muito feliz com a reacção. O “Gladiator” foi produzido alguns dias depois de voltar do Tomorrowland. Senti-me tão inspirado naquele fim de semana que queria fazer música que fosse forte e melódica ao mesmo tempo. Foi dessa inspiração que nasceu o “Gladiator”!
 
Hardwell é um grande apoiante da tua música, e incluiu a vossa colaboração em “Arcadia” no seu novo álbum, “United We Are”. O que é que este apoio do DJ número 1 mundial significa para ti?
Significa tudo para mim. Sem o apoio do Hardwell eu não estaria onde estou. Ele deu-me a oportunidade de crescer e de construir uma carreira com a qual sonhava.
 
Tocaste em Portugal duas vezes, a estreia foi no palco enorme do RFM Somnii e depois regressaste para o aniversário do KURA no Bliss. Vimos as fotos e sabemos que estavas feliz, mas compreendes agora o porquê de tantos DJs internacionais gostarem de tocar no nosso país?
Sim, compreendo! Portugal tem um dos melhores públicos do mundo, a energia é fantástica! É muito fácil para um DJ ligar-se ao público e esse factor é fundamental para qualquer artista.
 
 
Apesar de já teres tocado em Portugal, 5 de Março vai marcar a tua estreia em Lisboa, o que é que sabes da nossa capital?
Honestamente não sei nada sobre Lisboa! Sei que é linda como o resto de Portugal. Estou em pulgas para chegar a Lisboa!
 
O teu palco de 5 de Março vai ser o club mais trendy e lotado da capital, o MAIN, o que estás a preparar para Lisboa?
O que quero é pôr toda a gente a dançar! Tenho a certeza que vou conseguir.
 
Vens a Portugal apenas dois dias antes da grande tour mundial do Hardwell -  I Am Hardwell - regressar a Lisboa, a 7 de Março. Vais ficar para ver o espectáculo? Estás excitado para ouvir o Hardwell tocar o “Arcadia” em Lisboa?
Sim! Vou ficar para ver o “I Am Hardwell - United We Are”. E vou cantar o “Arcadia” com toda a gente que estiver no Meo Arena!
 
Por último, o que estás a preparar em termos de novas produções?
Tenho um novo EP que vai sair dentro de algumas semanas na Revelead (e estou a fazer esta revelação em primeira-mão!) e também tenho uma remistura de “Fire In Our Hearts” a sair brevemente. Além disso estou a trabalhar numa colaboração com o Thomas Newson que está quase acabada.
 
Segue Joey Dale
     
 
Publicado em Entrevistas
O atual número 1 do mundo, segundo o Top 100 da revista britânica DJ Mag, está de regresso a Portugal para uma atuação no dia 7 de março de 2015, no Meo Arena, em Lisboa. Esta data está incluída na sua mais recente digressão mundial "United We Are", que terá início no dia 24 de janeiro do próximo ano, em Amesterdão.
 
O espetáculo conta com a produção da Genius Y Meios, WDB Management e Sociedade Lusa de Espetáculos.
 
A última vez que o artista esteve no Meo Arena foi a 14 de dezembro de 2013, com todos os ingressos esgotados. Podes recordar aqui a passagem da digressão "I Am Hardwell" por terras lusas, que contou também com a presença de Dannic.
 
Os bilhetes já estão à venda nos locais habituais com o preço de 35,50 euros para a Plateia em pé, Balcão 1 a 25,50 euros e a Zona VIP localizada numa zona do Balcão 1, tem o preço de 50,50 euros.
 
Publicado em Artistas
Por esta altura são vários os brinquedos que invadem as prateleiras dos hiper e supermercados de todo o mundo. A oferta é amplamente variada e este ano conta com duas novidades: os conhecidos DJs Hardwell e Armin van Buuren em forma de bonecos.
 
As duas novas figuras foram apresentadas hoje Amesterdão, cidade natal de ambos os artistas. O evento contou com o comediante holandês e amigo de Hardwell, Guido Weijers que fez questão de entregar as primeiras estatuetas a ambos os DJs.
 
Outras estrelas internacionais como Michael Jackson, Elvis Presley, Kiss e os Beatles foram também imortalizadas através de uma estatueta. Armin van Buuren e Hardwell seguiram o exemplo e são agora os primeiros DJs a receber suas próprias figuras de ação.
 
Estes bonecos foram criadoss através do uso da mais recente tecnologia de digitalização e impressão 3D, sendo o resultado final uma estatueta detalhada que pode ser adquirida pelo preço de 49,95 euros através da loja online da Revealed e da Cloud9Music.
 
Para além das figuras de ação foi também lançado o vídeo oficial da música "Off The Hook”- uma colaboração entre Hardwell e Armin van Buuren, também em destaque no "Embrace", o mais recente e sexto álbum de estúdio de Armin van Buuren. 
 
 
Publicado em Artistas
O «spaceman» holandês Hardwell, conquistador de inúmeros títulos, nomeadamente o de número um do mundo segundo a revista britânica DJ Mag, está de regresso a terras lusas este sábado, dia 7 de março, prometendo uma viagem alucinante a um universo sem paralelo. A abertura ficará a cargo de um dos seus prodígios, o Kill The Buzz, e quem sabe não irão acontecer outras surpresas na cabine, até porque ninguém controla a energia e a capacidade de improviso de Robbert em palco.
 
Durante cinco horas, poder-se-á assistir a um espetáculo de som, luz, efeitos especiais e talento musical, que não vai deixar ninguém indiferente. Todas as tours de Hardwell têm configurações especiais e esta não será exceção. O Meo Arena será dotado de uma gigantesca logística onde tudo, mesmo tudo, é delineado ao pormenor, funções da Alda Events, produtora responsável pela conceção do espetáculo, da Genius Y Meios e da Sociedade Lusa de Espetáculos.
 
Os bilhetes estão à venda na Blueticket e nos locais habituais e têm o custo de 35,50 euros (plateia em pé), 25,50 euros para quem quiser presenciar do balcão 1 e 50,50 euros para a bancada vip, que entretanto já esgotou. A componente social está também associada a estes ingressos, onde 0,50 cêntimos revertem para a Dance4life, um projeto de solidariedade apoiado por Robbert Van de Corput, que tem como principal objetivo o combate à SIDA nos jovens a nível mundial, através da educação, música e dança.
 
 
A tour mundial “United We Are” arrancou a 24 de janeiro, no Ziggo Dome, em Amesterdão, um espetáculo que foi transmitido, em direto, na Mega Hits, emissora que nas madrugadas de sábado para domingo, emite o programa de rádio mais ouvido do mundo, o “Hardwell On Air”, que supera mais de 200 mil visualizações e é transmitido por 35 rádios internacionais.
 
No que diz respeito às acessibilidades, a CP criou um comboio especial Intercidades, que parte da estação de Lisboa - no Oriente, na madrugada do dia 8, às 3h30, após o espetáculo. Este comboio fará paragens nas estações de Santarém, Entroncamento, Pombal, Coimbra B, Aveiro, Espinho, Gaia e Porto-Campanhã. Existem também descontos de 25% em todos os serviços e desconto para família e amigos de 50% em Alfa Pendular e Intercidades. Os bilhetes podem ser adquiridos na Bilheteira Online, Linha de Atendimento, bilheteiras CP, Agências de Viagens e no Multibanco.
 
Mais uma vez, a Slide In criou um programa de autocarros que irá percorrer várias cidades do país até Lisboa, incluindo ainda a viagem de regresso. O preço pode incluir o bilhete para o espetáculo na plateia em pé e estão disponíveis na página de Facebook da Slide In Travel. A chegada ao MEO Arena está prevista para as 19 horas.
 
No histórico de atuações, esta será a sétima vez que o «Spaceman» irá "aterrar" em Portugal, sendo que a sua primeira presença foi a 5 de junho de 2009 na Marina de Cascais, um evento organizado na altura pela “B-Cool Productions” e “New Limit”. Entretanto já passou pela antiga Discoteca The Loft em Lisboa, pelo Kimika Club em Castelo Branco, pelo festival Sudoeste e pelo Meo Arena (ex-Pavilhão Atlântico).
 
 
Nota de Redação 05-03-2015: Atualizado número de atuações de Hardwell em Portugal.
 
Publicado em Eventos
Quer seja um ponto final ou uma simples pausa na carreira de DJ, certo é que a decisão de Hardwell apanhou tudo e todos de surpresa. Num comunicado divulgado esta sexta-feira, o artista holandês afirmou que "ser Hardwell 24 horas por dia e 7 dias por semana acaba por deixar pouca energia, amor, criatividade e atenção" para a sua vida como uma pessoa normal. 

Além das suas grandes tours pelo planeta, a vida de Hardwell é também ocupada com a sua editora Revealed e com "Hardwell On Air", programa emitido não só na internet como em várias rádios por todo o mundo e onde já vários artistas portugueses tiveram em destaque, como é o caso de Ben Ambergen, Kevu, Zinko, Se7en e o seu amigo pessoal Kura

A propósito desta decisão de Hardwell fomos ao encontro dos referidos artistas onde a opinião é unânime. No DJing nem tudo é como parece ser e para combater a pressão e desgaste físico e psicológico nada melhor de que uma pausa. Neste caso, por tempo indeterminado.
 
 
Ben Ambergen
Esta decisão de Hardwell é para mim de coragem e merece todo o nosso respeito. A mesma coragem que ele teve quando decidiu deixar toda uma vida pessoal, enquanto Robbert, para se tornar Hardwell a "full time". Não imagino o que é ser o Hardwell, a pressão de todos os compromissos com tudo e com todos. Calculo que seja uma vida, tal como os espetáculos dele, programada ao segundo. É certamente difícil e desgastante seja fisicamente seja psicologicamente. No documentário do Avicii, deparamo-nos com esse mesmo facto. Imagino que este comunicado não será o fim das tours do Hardwell mas sim o repensar de uma carreira com tours mais moderadas. Espera-se que seja apenas uma breve pausa para que possa descansar e estar junto da família e amigos. Toda a gente precisa e ele merece. Ele deixa boas notícias ainda há música para sair e que não vai deixar de produzir. Agora percebe-se o adiamento do álbum Hardwell & Friends Vol. 4. Acho que teremos direito uma atuação surpresa dele no Ultra Music Festival 2019, como "comeback" e que será a sua melhor atuação de sempre.
 
 
 
Kevu (João Rosário)
A ideia que o público em geral tem da vida de um DJ internacional é bastante errada. Muitas pessoas pensam que é tudo fácil, muitas festas, passear, estar junto dos fãs... mas existe uma história bem diferente daquilo que se mostra nas redes sociais. O viajar constantemente onde inúmeras vezes os horários de sono são bastante reduzidos, a pressão de dar bons espetáculos enquanto se tem de lançar musica regularmente acaba por afetar toda a gente. Acredito que o Hardwell com o seu horário incrivelmente preenchido sentiu que estava na hora de aproveitar algum tempo para si mesmo. Não nos podemos esquecer que é um homem normal, com família de quem está muitas vezes longe. Acredito que seja essa umas das razões porque decidiu fazer uma pausa. Sendo ele quem é, tenho a certeza que vai voltar ainda mais forte. Às vezes temos de dar um passo atrás para dar dois em frente.
 
 
 
Zinko
Não sei o que pensar nestas situações, pois a especulação é sempre muita e muitas vezes sem fundos de fontes seguras do que realmente acontece, dou a minha opinião mais sincera. Todos sabemos quem é o Hardwell, o que fez, o que ajudou no crescimento do EDM no mundo e de alguma forma no nosso país, obviamente que o peso de uma retirada é enorme e causa um impacto brutal na indústria. Ele e a sua equipa sabem com certeza do envolvente deste facto. Nunca falei com o Hardwell pessoalmente, tenho alguma ligação por intermédios a partir da editora Revealed, por isso vou comparar de certo modo com a minha situação. A minha carreira já tem alguns anos, e de alguma forma já senti o peso da pressão, e muitas vezes eu próprio digo... "Bem se eu tenho 4 ou 5 gigs seguidos chego a casa todo partido, imagino alguém como o Hardwell, por exemplo". E a verdade é esta, todo um acumular de uma carreira no EDM numa altura em que a música eletrónica é na maior parte dos eventos Mainstream é uma alta pressão, acho que ele diz a verdade quando tem de pensar nele enquanto pessoa e enquanto "parte" de uma família, não só por já ter alguns longos anos disto, mas também porque as nossas bases seja para o que for, estão nos nossos princípios familiares, a falta de imaginação pode ser motivo para um artista entrar em depressão. Considero esta retirada do Hardwell como um "precaver" a uma situação similar a isso, não acho que seja jogada, nem um estudo de mercado, acho que é sim uma pausa interior e pessoal para com ele mesmo. Será para voltar em força daqui a algum tempo? Será para realmente sentir falta da pressão e da vida agitada? Não sei. Mas sei que Hardwell estando ou não no ativo já deixou provas e a sua marca ao mundo de que sempre será um nome de referência no EDM. Claro que fico triste, mas por outro lado fico tranquilo por saber que a música continuará a existir. Espero que não seja mais um caso Avicii e que o "Rei" do EDM volte em força brevemente.
 
 
 
Se7en
Penso que foi a melhor opção que ele possa ter tomado. Não é saudável ter de lidar com uma agenda cheia de entrevistas e atuações, e chegar ao final do dia e ainda ter forças para se focar em futuros lançamentos e na produção musical... Portanto percebo perfeitamente como se sente e respeito totalmente a sua decisão. Se formos a ver as coisas como elas são, é dos poucos artistas que mantém-se fiel ao seu género de música e trabalha diariamente de forma árdua para agradar os seus fãs. Leve o tempo que precisar, tenho a certeza que o número 1 do mundo voltará com toda a energia que nos tem acostumado ao longo dos anos. Força Hardwell!
 
 
 
Kura
A decisão do Robbert foi bastante pensada pois ele sabe o impacto que vai ter nos fãs que o adoram e que o gostariam de ver atuar brevemente, mas precisamos de ter tempo para cuidar de nós. Esta vida é extremamente exigente, tanto psicologicamente como fisicamente. A maioria das pessoas pensa que é tudo um mar de rosas mas não é bem assim, são centenas de voos por ano, várias noites sem dormir, onde o cansaço se começa a acumular, não vês os teus familiares e amigos durante semanas a fio, enfim. Todos estes fatores começam a desgastar o artista e por vezes a melhor solução é parar um bocado para recarregar baterias.
Publicado em Artistas
Pág. 1 de 7
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.