23-03-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

×

Erro

[sigplus] Erro crítico: A pasta da galeria de imagens RockInRio/2016 deve ter um caminho relativo para a pasta base das imagens especificada na back-end.

Decorreu este fim-de-semana em Lisboa o primeiro Congresso Profissional de Música Electrónica onde tive o prazer de estar presente e onde fui convidado para partilhar um pouco da minha experiência na conferência sobre "Carreiras e Agenciamento". Se é de saudar esta iniciativa, terei também de partilhar convosco o meu ponto de vista onde todos temos errado nesta indústria. 
 
Existem uma série de questões relacionadas com esta indústria que terão de ser resolvidas e este primeiro passo foi extremamente importante, no entanto, não consigo perceber o porquê de muitos dos interessados não terem estado presentes. Não sei se foi por falta de informação, se teriam estado todos a trabalhar num fim-de-semana à tarde ou se é o que eu penso e cada um só pensa no seu "umbigo" ou se fica com o "orgulho" ferido por não ter recebido um convite formal para estar presente. 
 
Neste Congresso, a conferência mais aguardada era a que iria colocar todos os presentes em "confronto/debate" com os representantes do IGAC, SPA e PASSMÚSICA.
A meu ver, nada do que se pretendia foi alcançado (apesar da abertura para debater os mais variados assuntos por parte das diferentes entidades). 
Esta Conferência e os assuntos relacionados com a mesma deveriam ter tido uma duração muito superior à que teve e onde houve muita gente que não teve oportunidade de colocar as suas questões e ver esclarecidas as suas dúvidas. Mais importante que isso, foi o facto de tudo o que ali foi falado, não adiantou em nada. Ficou por resolver (ou agendar/planear como e onde o resolver) a profissionalização da profissão de DJ, não ficou resolvida nenhuma questão relacionada com as plataformas musicais e apenas ouvimos mais do mesmo... FACTURAS E PAGAMENTOS. Possivelmente as melhores informações vieram da parte de onde menos se esperava (Passmúsica e IGAC) no que diz respeito às fiscalizações, onde as intervenções dos dois elementos ligados à fiscalização mostraram a abertura possível e explicaram que apenas exercem o que a lei (ou ausência dela) exige e o que os artistas/DJs deverão fazer e facilitar no caso de serem fiscalizados. 
 

(...) não consigo perceber o porquê de muitos dos interessados não terem estado presentes.

 
Um primeiro passo foi dado... há abertura por parte das entidades para ouvir os DJs, produtores e os seus representantes, no entanto nada disto irá acontecer porque continuamos nesta indústria a "assobiar para o lado" e ficamos à espera que haja alguém que a resolva em vez de haver uma união e que, em conjunto, seja exercida a devida pressão necessária, deixando "brechas" para que haja uns "iluminados" que abrem associações ilegais, sem estatutos e que não representam ninguém e onde apenas vivem para aumentar a sua conta bancária pessoal e o seu ego (falo directamente e abertamente da APDJs e do seu representante). 
 
Existem apenas 2 passos que podem ser tomados. A abertura LEGAL de uma associação e um sindicato para os DJs e Produtores de música electrónica (o que é praticamente impossível) porque terá de ser provado junto do Governo que a profissão é necessária e tem de ser legislada sendo de interesse público ou teremos de em conjunto com as entidades supracitadas (IGAC, SPA e Passmúsica) conseguir que as mesmas façam chegar essa informação a quem poderá efectuar a legislação devida para a "nossa" profissionalização. 
 
Existe algo que podemos usar como "trunfo" ou forma de conseguir ser ouvidos. A SPA é regida pelas normas "associativas", assim sendo, a única forma que temos disponível para que a nossa voz seja ouvida é termos voz activa dentro da SPA. Não podemos tentar lutar "de fora" e a única forma de fazer algo é estarmos dentro das Associações. Se os milhares de DJs e produtores de música electrónica formarem uma lista associativa (onde todos terão de estar inscritos como associados da SPA) e concorram com essa lista de elementos na próxima Assembleia Geral para a eleição dos órgãos sociais da SPA, com toda a certeza que seremos "olhados" de outra forma por parte de todas as entidades. Se conseguirmos fazer parte da solução e não do problema e conseguirmos ter voz DENTRO de quem realmente consegue ter voz e poderá ajudar, todos irão sair a ganhar com este processo. Temos de ser nós a dar o passo e não estar à espera que haja alguém que não tem ou não sabe o que pretendemos, que resolva o problema da nossa indústria onde o que se pretende é uma profissionalização e que não sejam os DJs e Produtores a pagar, entregar dividendos a autores e produtores que não fazem nada à uma série de anos, que não representam nada (actualmente) na indústria discográfica, dos espectáculos ou entretenimento e que principalmente as entidades percebam que a realidade da reprodução/produção e venda da musica já não é a mesma de à uns anos atrás. 
 

Temos de ser nós a dar o passo e não estar à espera que haja alguém que não tem ou não sabe o que pretendemos(...)

 
Não vamos conseguir explicar que as verbas terão de vir de uma taxa sobre quem fornece o serviço de Internet (operadoras) e que não pode ser imputada uma responsabilidade a quem pretende oferecer a sua música, seja ela para execução pública ou privada. Não vamos conseguir explicar que um "Remix" é uma obra nova (apesar de quando é editado a SPA já o considerar como tal), não vamos conseguir explicar que não temos documentos nem facturas quando uma "promo" ou uma faixa é disponibilizada para "free download" e que não podemos pedir (nem nenhum produtor o fará) um documento escrito com a identificação a quem foi "dada" uma determinada obra (imaginem o que seria se os U2 ou o Bono tivesse de passar um documento a todos os que descarregaram o último trabalho gratuito pelo iTunes). 
 
Só de dentro para fora poderemos ser escutados e se, de uma vez por todas, unirmos os esforços e assumirmos o compromisso que queremos ver legislada a "nossa" profissão e a forma como a desempenhamos bem como os meios que são utilizados. Esta é uma profissão e uma indústria que devidamente trabalhada é do interesse público, gera receitas e fontes de rendimento e inerentemente poderá trazer ao nosso País uma fonte de rendimento acrescida e contribuir directa e indirectamente para o seu crescimento.
 
Ricardo Silva
DWM Management
 
Publicado em Mix
A organização do Lisboa Dance Festival, que vai decorrer entre os dias 9 e 10 de março no Hub Criativo Beato, na capital portuguesa, anunciou recentemente os primeiros nomes a constar no cartaz.
 
Nao, Nosaj Thing (live), Joe Goddard (live), Midland, Saoirse, Monoloc, Optimo, Mirror People e Xinobi (DJ set) são as primeiras confirmações para o festival de música eletrónica lisboeta, cuja terceira edição muda de local mas mantém o conceito.
 
O evento vai acontecer em várias salas ao mesmo tempo, criando assim diferentes ambientes.
 
Os bilhetes já se encontram à venda a um preço de 30 euros, em edição limitada.
 
Publicado em Festivais
A cerimónia dos Iberian Festival Awards, inserida no Talkfest – International Music Festivals Forum, decorreu no passado dia 15 de março, no Museu das Comunicações, em Lisboa e foram divulgados os grandes vencedores da edição deste ano.
 
The BPM Festival, Lisboa Dance Festival e Lisb-On foram alguns dos eventos que levaram o troféu para casa, nas categorias de “Best New Festival”, “Best Indoor Festival” e “Best Communication”, respetivamente.
 
Confere abaixo a lista completa de vencedores, nas respetivas categorias e países:
 
01. BEST MAJOR FESTIVAL
Resurrection Fest (ES) Winner
O Sol da Caparica (PT) National Winner
 
02. BEST MEDIUM-SIZED FESTIVAL powered by Polishows
Festival Med (PT) Winner
Tsunami Xixon (ES) National Winner
 
03. BEST SMALL FESTIVAL
Party Sleep Repeat (PT) Winner
La Mar de Musicas (ES) National Winner
 
04. BEST NEW FESTIVAL
The BPM Festival: Portugal (PT) Winner
Wam Estrella de Levante (ES) National Winner
 
05. BEST LINE-UP powered by Artcor Light
Resurrection Fest (ES) Winner
Edp Cool Jazz (PT) National Winner
 
06. BEST CAMPING SITE
 Resurrection Fest (ES) - Winner
Bons Sons (PT) - National Winner
 
07. BEST INDOOR FESTIVAL
Lisboa Dance Festival (PT) - Winner
Universal Music Festival (ES) - National Winner
 
08. BEST MEDIA PARTNER
Mondo Sonoro (ES) - Winner
Antena 3 (PT) - National Winner
 
09. BEST LIVE PERFORMANCE (INT.)
Rammstein - Resurrection Fest (ES) - Winner
Red Hot Chili Peppers - SBSR (PT) - National Winner
 
10. BEST LIVE PERORMANCE (PT/ES)
Desakato - Viña Rock (ES) - Winner
Miguel Araújo - Festival F (PT) - National Winner
 
11. BEST NON-MUSIC FESTIVAL
Andanças (PT) - Winner
Fes-map (ES) - National Winner
 
12. BEST LUSOPHONE  AND HISPANIC FESTIVAL
O Sol da Caparica (PT)
 
13. BEST ACADEMIC FESTIVAL
Semana Académica Lisboa (PT) - Winner
Telecogresca (ES) - National Winner
 
14. BEST TOURISTIC PROMOTION
Bilbao BBK Live (ES) - Winner
Festival Med (PT) - National Winner
 
15. BEST CULTURAL PROGRAMME powered by Gerador
FMM Sines (PT) - Winner
Wam Estrella de Levante (ES) - National Winner
 
16. BEST COMMUNICATION
Lisb-On #Jardim Sonoro (PT) - Winner
Sonorama Ribera (ES) - National Winner
 
17. BEST SERVICE PROVIDER
Cision (PT) - Winner
Event Industries (ES) - National Winner
 
18. BEST BRAND ACTIVATION powered by Fire! Comunicação
Ron Barceló / PortAmérica (ES) - Winner
Smas / O Sol da Caparica (PT) - National Winner
 
19. BEST USE OF TECHNOLOGY powered by Embly
Mb Way (PT) - Winner
Idasfest (ES) - National Winner
 
20. BEST HOSTING AND RECEPTION
Bilbao BBK Live (ES) - Winner
Bons Sons (PT) - National Winner
 
21. BEST INFRASTRUCTURE
Bilbao BBK Live (ES) - Winner
MImo (PT) - National Winner
 
22. CONTRIBUTION TO SUSTAINABILITY
Edp Cool Jazz (PT) - Winner
Low Festival (ES) - National Winner
 
23. EXCELLENCE AWARD
Roberta Medina ( director Rock in Rio Lisboa)
 
Publicado em Eventos

[sigplus] Erro crítico: A pasta da galeria de imagens RockInRio/2016 deve ter um caminho relativo para a pasta base das imagens especificada na back-end.

O Rock in Rio esteve de volta ao Parque da Bela Vista, em Lisboa. Este ano a música eletrónica foi um dos grandes destaques do festival, que mais uma vez contava com um DJ internacional no Palco Mundo.
 
Avicii, Carl Cox, Carlos Manaça, DJ Vibe, Poppy, Dynamic Duo, Dan Maarten, Pedro Cazanova, Diego Miranda, Amanda Chang, Beatbombers e Alok foram alguns dos artistas de música de dança convidados para o festival de origem brasileira.
 
Este ano, o palco de música eletrónica alcançou uma grande procura, desde as pool parties ao final da tarde e até à madrugada do dia seguinte. Não houve cabeça de cartaz do Palco Mundo que fizesse esvaziar a pista de dança do Rock in Rio Lisboa. 
 
Passaram pelo Parque da Bela Vista 329 mil pessoas de mais de 15 países diferentes durante os cinco dias de festival. A edição de 2018 já foi confirmada pela organização e promete surpresas.
 

NOVIDADE NO PALCO ELETRÓNICO

Uma das grandes novidades da edição deste ano foram as pool parties do palco de música eletrónica, que decorreram entre as 18 e as 21 horas. Com um ambiente inspirado em Las Vegas, os festivaleiros foram convidados a experienciar uma verdadeira sunset party com direito a piscina.
Dynamic Duo, Poppy e Dan Maarten foram alguns dos artistas que deram música aos festivaleiros presentes na piscina do Rock in Rio Lisboa. No penúltimo dia Olga Ryazanova foi obrigada a cancelar a sua atuação devido a um atraso no voo e foi substituída por Paula Chalup.
 

OH YES! OH YES! CARL COX NO ROCK IN RIO

Uma das maiores lendas da música eletrónica mundial esteve presente no Rock in Rio Lisboa e encheu o recinto do palco eletrónico do festival. O line up da mesma noite era de luxo, com os ‘mestres’ nacionais Carlos Manaça e DJ Vibe.
Carl Cox foi recebido de braços abertos pelos seus ansiosos fãs portugueses. Em agosto, o DJ está de volta a Portugal, desta vez no festival NEOPOP em Viana no Castelo.
 

PORTUGAL E BRASIL DE MÃOS DADAS

O nosso país e o território carioca sempre estiveram juntos em todas as edições do Rock in Rio Lisboa e este ano não houve exceção. Além dos lusitanos Diego Miranda, Pedro Cazanova, Beatbombers, DJ Vibe e Carlos Manaça, o palco de música eletrónica do festival contou também com a presença dos brasileiros Alok e Amanda Chang.
 

UMA DAS ESTREIAS NO ROCK IN RIO

O DJ e produtor português Dan Maarten realizou a sua estreia no festival Rock in Rio Lisboa nas novas pool parties e considera que “é um reconhecimento do trabalho que tenho vindo a ter até agora. Claro que tocar num festival com esta envergadura é sempre um marco na carreira. Espero que daqui a dois anos esteja aqui outra vez e que abra portas para outras coisas”, confessou o artista ao Portal 100% DJ.
O seu mais recente single, “A Little Love”, já alcançou o Top 100 do Shazam por diversas vezes e está presente na banda sonora na nova novela da TVI intitulada de “Massa Fresca”. “Estou muito contente porque é o meu primeiro single a sério desde que eu tenho este projeto a solo e o feedback, na minha opinião, não poderia ser melhor”, afirmou Dan.
Para o futuro do seu projeto, referiu que já tem novas músicas a sair, como é o caso “Down On You”, revelado em primeira mão e em exclusivo ao Portal 100% DJ, uma colaboração com Alon que possivelmente verá a luz do dia ainda este verão. Em relação a uma colaboração de sonho, o artista afirmou que gostaria de trabalhar com Michael Calfan ou Jauzz mas “para já, a minha colaboração de sonho é comigo próprio, ter bons songwriters a trabalhar comigo, bons cantores e criar o meu caminho sem precisar de estar a colaborar com alguém”.
Sempre atento às novidades, Dan Maarten considera que Portugal está recheado de novos talentos no mundo da música eletrónica, como é o caso de Francisco Cunha e Zinko.
 

PRESENÇA ASSÍDUA NO FESTIVAL

O ‘mestre’ DJ Vibe é um dos artistas com presença assídua nos festivais Rock in Rio, seja em Lisboa, Las Vegas ou Brasil. Este ano, subiu ao palco antes de Carl Cox. 
Há dois anos atrás, Vibe ocupou a “aranha” eletrónica com um dos projetos mais importantes deste género musical em Portugal: “Os Underground Sound Of Lisbon”, com Rui da Silva, autores do clássico “So Get Up”. Sobre um possível regresso da dupla, Vibe respondeu que “nunca se sabe”, pois “o Rui vive em Londres e as coisas não são muito fáceis. (...) Não sei de hoje para amanhã, se poderá aparecer alguma coisa de novo” deste projeto.
Para o futuro, está previsto o lançamento de uma colaboração com Fauvrelle, intitulada de “Newtons” na editora de Dixon, bem como alguns temas originais durante este verão.
 

AVICII ENCERRA EDIÇÃO 2016

Foi a primeira e a última vez que Avicii esteve em Lisboa. Depois de anunciar a sua retirada das digressões, o DJ e produtor sueco esteve presente em Portugal para se despedir dos seus fãs, com uma atuação enérgica, repleta de efeitos visuais, pirotecnia, c02 e fogo. 
Durante o seu set, grande parte do catálogo musical incluiu alguns dos seus maiores êxitos como “I Could Be The One”, “Hey Brother”, “Seek Bromance”, “Addicted To You”, “Waiting For Love” e “Wake Me Up”. Depois de reproduzir temas de colegas como David Guetta, Blasterjaxx ou Sebastian Ingrosso, Avicii terminou a sua atuação em grande: com o hit “Levels” e no final a versão dubstep assinada por Skrillex, recheada de pirotecnia que levou o público ao rubro. A última atuação de Avicii vai ficar para sempre na memória das 47 mil pessoas e ficou registada pela SIC Radical. 
 
Confere aqui a lista de faixas reproduzidas por Avicii no Rock in Rio Lisboa e em baixo, a reportagem fotográfica de Jorge Afonso.
 
{gallery}RockInRio/2016{/gallery}
 
Publicado em Reportagens
sábado, 14 outubro 2017 14:12

Meo Arena muda de nome. Mais uma vez

O anúncio será feito no próximo dia 16, segunda-feira, no espaço de eventos do Parque das Nações, em Lisboa, perante mais de 1500 convidados. Entre eles estão parceiros corporativos, clientes empresariais, universidades, startups, parceiros tecnológicos e de conteúdos, mas também colaboradores da Altice/PT. O antigo pavilhão Atlântico chamar-se-á Altice Arena.
 
O grupo fundado por Patrick Drahi anunciou em maio, em Nova Iorque, que iria unificar as diversas marcas do grupo, com presença em dez países, sob o mesmo nome: Altice. O primeiro passo foi dado logo na República Dominicana, onde o grupo operava com a marca Orange.
 
Segundo o Diário de Notícias, na estratégia da mudança da marca levada a cabo de forma gradual a opção tem sido dar prioridade a eventos de grande exposição mediática, como foi o caso da Champions. O próximo grande passo vai ser alterar o nome do Meo Arena, uma das maiores salas de espetáculos do país e que recebe eventos internacionais, para Altice Arena.
Publicado em Mix
A Polícia de Segurança Pública (PSP) já terá identificado os autores das agressões a um jovem na zona dos bares do Cais do Sodré, divulgadas num vídeo captado pelo jornal Público no dia 20 de fevereiro. O subcomissário do Comando Metropolitano da PSP, Hugo Abreu, confirmou ao jornal Público que foram levadas a cabo “diligências para a descoberta da verdade e identificação dos autores do crime”. Todavia, refere também que, uma vez que se trata de um crime de ofensas à integridade física, está dependente de uma queixa da pessoa agredida, algo que ainda não foi efetuado.
 
De acordo com o Correio da Manhã, os agressores serão seguranças, certificados pelo Ministério da Administração Interna, já identificados pela polícia. O Público precisa que um deles trabalharia na empresa de segurança privada “Cosmos”. No entanto, o diretor da empresa, Bruno Sousa, garante que o suspeito "já não pertence ao efetivo da empresa" e assegura ainda que não conhece a identidade do segundo agressor. Os outros seguranças vistos no vídeo foram entretanto suspensos "enquanto decorre um processo interno". 
 
O Público obteve também uma declaração de um membro do movimento que representa 13 dos bares situados nesta zona, Miguel Gonçalves, que se refere a situação como “normal em todas as cidades da Europa e do mundo, em qualquer zona de diversão noturna”. O empresário referiu ainda que “aquela situação não sucederia se não tivesse havido uma razão muito forte”, dando a entender que a “suposta vítima” deve ser culpado de algum crime.
 
 
Fonte: Público.
Publicado em Nightlife
Lisboa ultrapassa este ano o Rio de Janeiro como a cidade que mais vezes acolheu o festival Rock in Rio, evento brasileiro que cumpre dez anos de existência em Portugal.
 
A capital portuguesa acolheu o Rock in Rio pela primeira vez em 2004, colocando a Cidade do Rock no Parque da Bela Vista, uma área arborizada e relvada com 200 mil metros quadrados - o equivalente a 20 campos de futebol.
 
Desde então, o festival, criado pelo empresário brasileiro Roberto Medina, aconteceu em Lisboa em todos os anos pares, cumprindo agora a sexta edição e dez anos de permanência em Portugal.
 
Este festival nasceu no Rio de Janeiro em 1985 como um evento destinado a promover o Brasil, tornando-se num dos maiores festivais de música do mundo, tendo tido edições também em 1991, 2001, 2011 e 2012. A sexta edição do Rock in Rio, no Brasil, acontecerá em 2015.
 
Roberto Medina escolheu Lisboa como porta de entrada do festival na Europa, pela proximidade linguística e pelo potencial da cidade. Já depois de Lisboa, o festival estendeu-se a Madrid (em três edições) e terá uma estreia nos Estados Unidos em 2015, em Las Vegas.
 
Nos dez anos de existência em Portugal, o festival Rock in Rio contou com cerca de 1,7 milhões de espetadores, cerca de 400 concertos de alguns dos mais sonantes artistas do pop rock, como Paul McCartney, Peter Gabriel, Stevie Wonder, Metallica, Foo Fighters, Sting, Roger Waters ou Shakira.
 
Na memória ficaram também a atuação cambaleante de Amy Winehouse, o concerto da cantora Britney Spears - acusada de ter feito «playback» - e o de Miley Cyrus, na altura já a transitar da personagem Hanna Montana para a irreverente e polémica intérprete pop da atualidade.
 
A organização do festival tem já garantida a realização do Rock in Rio Lisboa em 2016 e 2018. A autarquia de Lisboa aprovou em abril as duas novas edições do festival, isentando a promotora do pagamento de taxas.
 
Semanas antes da decisão camarária, a responsável pelo festival, Roberta Medina afirmava à agência Lusa a vontade de a organização se manter em Lisboa, dado o sucesso dos anos anteriores: "A nossa intenção é ficar para sempre".
Publicado em Rock in Rio
Segundo a revista Arte Sonora, a maior sala de espetáculos do país começou esta semana uma intervenção, com o objetivo de melhorar as condições de acústica. Desde a sua inauguração, quando ainda era chamado de Pavilhão Atlântico, os visitantes e os especialistas já criticavam a qualidade do som.
 
“Numa primeira fase, esta intervenção irá reduzir expressivamente – entre 28% e 33% - o tempo de reverberação existente, fazendo com que melhore significamente a qualidade sonora para os utilizadores do espaço. O objetivo seguinte é atingir – após testes em ambiente real – uma redução da reverberação em 50%”, afirmou a empresa a cargo da intervenção, Jocavi, em declarações à Arte Sonora.
 
Para tudo correr da melhor maneira, a intervenção está a ser feita em parceria com o arquiteto do MEO Arena, Regino Cruz, e a equipa técnica da sala de espetáculos do Parque das Nações. A primeira fase da obra vai demorar cerca de 2 meses e deve terminar a 4 de julho, com o objetivo de deixar tudo a postos para o concerto de Rod Stewart.
 
“A intervenção contempla a contrução de um elemento absorvente circundante em todo o perímetro do pavilhão, a aplicação de painéis acústicos em certas áreas das torres técnicas e a aplicação de milhares de pequenas peças absorventes nas bancadas”, revelou a Jocavi no comunicado oficial.
 
{youtube}R1-sWDhzB50{/youtube}
Publicado em Mix
O final do ano de 2015 vai ser em grande, na companhia das estrelas da editora de Hardwell, em duas cidades em simultâneo: Lisboa e Gondomar. O MEO Arena e o Pavilhão Multiusos de Gondomar preparam-se para um espetáculo repleto de energia, com Dannic, Sick Individuals, Joey Dale, Julian Calor, Manse, Tom & Jame, Thomas Newson e o português Kura a assumirem os comandos da cabine.
 
A Mega Hits e a Revealed Recordings assinam a produção da passagem de ano que promete ficar para a história, com grandes sucessos da música eletrónica internacional, canhões de confetis, explosões de pirotecnia e um cenário incrível, abrindo assim um novo capítulo nas festas de final de ano em Portugal.
 
Thomas Newson é o artista exclusivo da edição de Gondomar, enquanto que Julian Calor vai subir ao palco apenas em Lisboa. A Revealed Recordings, criada por Hardwell, tem vindo a evoluir e a ganhar destaque a nível mundial, com palcos próprios em festivais como o Tomorrowland e com a recente tour asiática da editora, que contou com cinco artistas e colegas do antigo número 1 do Top 100 da DJ Mag.
 
Os bilhetes para a noite de 31 de dezembro estão à venda a 16 euros (plateia), 49 euros (Golden Circle) e 75 euros (Zona VIP). Ao comprar um bilhete para a plateia, a organização oferece outra entrada com quatro bebidas. Mas se já tens bilhete comprado, podes levar mais uma pessoa contigo, carimbando a tua entrada nas bilheteiras do MEO Arena e do Pavilhão Multiusos de Gondomar a partir das 18 horas do dia 31 de dezembro, com o comprovativo e ganhas automaticamente outro bilhete de oferta. Esta promoção estende-se a todo o tipo de bilhetes. Todas as entradas incluem duas bebidas.

 

Portugal! Hardwell got a special message for you guys!

Posted by Revealed Recordings on Segunda, 28 de dezembro de 2015
 
Publicado em Eventos
segunda, 19 março 2012 19:28

Rock in Rio 'acorda' Portugal

A organização do maior evento de música e entretenimento do mundo apresenta “Wake Up Portugal”, uma campanha multimeios gravada no Brasil que já se encontra a circular em vários suportes.
 
O filme “Wake Up Portugal” é protagonizado pelos brasileiros Sepultura e pelos franceses Tambours du Bronx, dupla que atuará no Palco Mundo no dia 25 de maio, e foi gravado numa das melhores vistas do Rio de Janeiro, o Mirante Dona Martha. Neste local, a banda brasileira é rodeada pelos franceses e seus tambores, num ambiente portentoso onde o claim “Wake Up Portugal” é entoado em alto e bom som, relembrando a todos que o Rock in Rio-Lisboa está de regresso com toda a sua força.

Esta campanha marca, sem dúvida, a abertura da temporada Rock in Rio-Lisboa 2012. O filme, cuja produção exigiu um investimento à volta dos 400.000 euros é o “toque de despertar” para todos os que desejam garantir um lugar na Cidade do Rock em maio e junho próximos”, afirmou Agatha Arêas, Diretora de Marketing do Rock in Rio-Lisboa 2012.

Os bilhetes para os dias 25 e 26 de Maio, 1 e 3 de Junho já se encontram à venda e custam 61 euros. Os interessados em adquirir bilhetes para estes dias podem fazê-lo na FNAC, em 68 sucursais do Millennium bcp, nos postos de abastecimento da BP aderentes (33 euros + 1.500 pontos BP premierplus) e no site oficial do evento em www.rockinriolisboa.sapo.pt. Já é também possível comprar bilhetes para o evento através do site do Continente, em http://www.rockinrio.continente.pt/, com 20% de desconto em cartão. Relembramos que quem adquiriu o Kit de Natal do Rock in Rio-Lisboa 2012 deve trocar o voucher até dia 7 de abril por um bilhete para qualquer dia de evento.

O Rock in Rio-Lisboa volta ao Parque da Bela Vista nos dias 25, 26 de maio e 1, 2 e 3 de junho de 2012 e até ao momento estão confirmadas as presenças de Metallica, Evanescence, Mastodon e Sepultura com os Tambours du Bronx no dia 25 de maio; Smashing Pumpkins, Linkin Park, The Offspring e Limp Bizkit no dia 26 de maio; Lenny Kravitz, Maroon 5, Ivete Sangalo e Expensive Soul no dia 1 de junho; e Bruce Springsteen, Xutos & Pontapés e James no dia 3 de junho.
 
 
Publicado em Rock in Rio
Pág. 1 de 38
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.