18-04-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
A dupla algarvia Bubba Brothers vai levar o seu espetáculo "Resiliência" à Sala SIGA da Associação Recreativa e Cultural de Músicos, no próximo dia 24 de Abril pelas 22 horas.

O espetáculo, que já foi apresentado em dezembro do ano passado no Teatro Lethes, será desta vez transmitido em formato livestream nas redes sociais a partir da Sala SIGA em Faro. 

"Houve muita gente que não esteve presente na nossa Silent Party no Lethes e que pediu para repetirmos. Na altura estava a ser preparada uma mini tournée pelo Algarve mas o confinamento estragou tudo, mais uma vez. Assim, decidimos trazer o espetáculo sem público, em formato livestream e a sala SIGA foi uma escolha natural" conta a dupla.

É sabido que os Bubba nunca fazem dois espetáculos iguais e embora este será parecido com o apresentado no Lethes, mas vai ter algumas surpresas. A dupla revela que terá "a estreia da participação de uma guitarra elétrica para nos apoiar nalgumas músicas, a cargo de Bruno Madeira e outras coisas mais.”

A multimédia estará sob responsabilidade de Jorge Santos da ARCM e a transmissão será assegurada pela equipa da Dirty Sock.
O produtor e DJ português Meith acaba de lançar um novo single. A música chama-se "Memories" e foi escrita pelo artista Irati que também dá a voz ao tema.

"Memories" é um tema de House Music e conta a história de alguém que está a passar por uma luta interna com um antigo amor, e que não consegue ultrapassar o facto de estar sem a pessoa que tantas boas memórias lhe deu.

O single já se encontra disponível em todas as plataformas digitais habituais e conta mais uma vez com o selo da Kazukuta Records.
 
Cinco mil pessoas assistiram no passado fim-de-semana a um concerto em Barcelona após uma triagem à Covid-19, realizada no mesmo dia. Segundo a agência Lusa, todos os participantes nesta experiência, que serviu para testar a eficácia desta solução na prevenção de surtos da doença em grandes eventos culturais, foram sujeitos a testes e a entrada foi autorizada apenas aos que obtiveram resultados negativos.

O bilhete para o concerto da banda de rock Love of Lesbian incluía também uma máscara de alta qualidade e a realização de um teste antigénio no mesmo dia do evento. Quem teve resultado negativo no teste recebeu um código no telemóvel, validando os bilhetes para o concerto, que se realizou no Palau Sant Jordi. 
 

Segundo a organização, de todos os testes realizados apenas seis tiveram resultado positivo. Este concerto foi autorizado pelas autoridades de saúde e no recinto o uso de máscara era obrigatório, sendo possível retirar a mesma para comer ou beber, em áreas designadas para o efeito.

A organização deste espetáculo, já tinha sido responsável por um outro, com cerca de 500 pessoas, que aconteceu em dezembro.

Os resultados desse estudo preliminar mostraram que a pré-seleção, com testes antigénios, e a utilização de máscaras conseguiu evitar infeções no concerto, apesar de não haver regras de distanciamento social.
A Associação Nacional de Discotecas (AND) anunciou esta terça feira que o Governo mostrou disponibilidade para aumentar os apoios ao setor e discutir a reabertura dos espaços de diversão noturna, encerrados desde março de 2020 devido à pandemia.

Segundo a AND, estas garantias foram dadas pelo secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, no decorrer de uma reunião em Lisboa com a associação sobre o plano de desconfinamento, no âmbito da pandemia da covid-19.

"Vemos com bons olhos todas as ideias que o que o secretário João Torres nos apresentou. Ficou uma porta aberta para a discussão sobre as reaberturas junto da Direção-Geral da Saúde (DGS) e a ADN quer participar", adiantou José Gouveia, presidente da Associação.
 
Apesar da disponibilidade da tutela para, através da DGS, discutir, "de forma célere", um plano de reabertura, José Gouveia ressalvou que não foi adiantado qualquer prazo.

"Desde já vamos ser indicados para discussão e aquilo que se pretende é estarmos presentes e podermos mostrar com casos reais o que se pode ou não fazer e o que é exequível para este setor poder reabrir as suas portas. Este setor não pode arriscar ficar mais um ano nestas discussões. É uma discussão que tem de ser feita", apontou.

Para a AND, existem condições para que os bares e espaços ao ar livre possam reabrir as portas já em julho e as discotecas, com espaço indoor, o possam fazer em agosto.

"Nós acreditamos que não podemos estar a pensar em discotecas abertas no seu esplendor, até às 06h00 ou com pistas de dança a funcionar, mas podemos pensar em discotecas com lugares sentados, música e serviço de bebidas", exemplificou.

Por outro lado, segundo José Gouveia, o Governo comprometeu-se a majorar os apoios ao setor, nomeadamente no apoio das rendas, que será feito nas próximas semanas, e agilização de candidaturas que estão à espera de serem aprovadas.
O Governo vai avançar com um mecanismo financeiro para apoiar eventos, incluindo os que contribuam para aumentar a notoriedade das regiões onde se realizam, adiantou a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, numa conferência, organizada pela Apecate nesta quinta-feira.

No evento da Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (Apecate), a governante disse que o executivo está a "trabalhar na criação de um mecanismo financeiro que visa a concessão de apoios a organização dos eventos de interesse turístico".

Segundo Rita Marques, o objetivo é "sobretudo apoiar eventos de grande dimensão internacional nomeadamente desportiva, artística, cultural, mas também espetáculos que contribuam para a imagem do destino turístico regional em que se realizam", ou seja para o "aumento da notoriedade da região, quer no mercado interno quer no mercado externo".

"Este novo mecanismo responde às necessidades das micro, pequenas e médias empresas" e realçou que associações e organizações não governamentais são muitas vezes detentores dos direitos de organização destes eventos. "Estamos a trabalhar na mobilização de mais recursos para esta linha".

O Governo vai ainda relançar o selo Clean & Safe, em maio, tendo em conta que este instrumento tem a duração de um ano e termina em abril.
 
No decorrer da conferência, o presidente da Apecate, António Marques Vidal, deu conta de uma série de problemas com que o setor dos eventos se tem deparado desde o início da pandemia, sobretudo no que diz respeito à burocracia e falta de clarificação de regras.
A cidade polaca de Gdansk recebe nos dias 5 e 6 de novembro a final mundial do Red Bull BC One e o top 16 mundial masculino e feminino. Será a décima oitava edição da competição que já percorreu os cinco continentes, de Tóquio a Nova Iorque, passando pelo Rio de Janeiro e Paris.
 
Este regresso acontece depois dos condicionalismos ditados pela pandemia em 2020, com todas as qualificações canceladas e uma final mundial realizada em Salzburgo com atletas convidados. Para este ano estão previstas 60 qualificações em 30 países à volta do mundo que prometem revelar ou confirmar os talentos emergentes do Breaking.
 
Uma das novidades da final mundial de 2021 do Red Bull BC One é o alargamento do programa da competição para dois dias, o que permite assegurar no alinhamento do evento da Final Mundial um top 16 feminino.
 
Durante as duas últimas décadas, o Red Bull BC One tem sido o grande palco internacional de uma modalidade claramente em expansão. O Breaking, uma das várias formas de expressão das danças urbanas, movimento cultural iniciado nos anos 80 do século passado nas ruas de Nova Iorque e que rapidamente se expandiu por todo o mundo.
 
A maior e mais prestigiada competição mundial de Breaking 1v1 tem envolvido ao longo dos anos as referências da cena nacional, com os B-Boys Bruce Almighty e Lagaet e a B-Girl Vanessa a levarem bem longe as cores de Portugal. Na final mundial de 2020, o título masculino foi para o B-Boy Shigekix (Japão) - o mais novo de sempre a vencer a competição - enquanto que nas mulheres a B-Girl Kastet (Rússia) conseguiu a revalidação do título conquistado em 2019 na Índia.
 
Em jeito de celebração dos seus 20 anos com o Breaking, o Red Bull BC One lançou, em 2021, a campanha "Breaking Since 2001".
 
Os deputados da Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habilitação, destacaram no início da semana a importância do setor de animação noturna para o país numa reunião teve em vista a petição da Associação de Bares da Zona História do Porto.

A petição foi lançada com o intuito de ser criado um apoio para salvar empresas e trabalhadores de bares e discotecas e, na apresentação, António Fonseca, presidente daquela associação, salientou que, devido à covid-19, "os reais bares e discotecas estão encerrados há quase um ano".

"Chegou o momento de nos ajudarem", apelou, defendendo um "apoio a fundo perdido para os encargos permanentes" dos sócios destes espaços de diversão noturna.

Na sessão a deputada Maria Manuel Rola, do BE, salientou que o "partido tem estado a acompanhar de perto a situação do setor" e questionou os peticionários sobre os apoios que têm sido dados aos trabalhadores com "falsos recibos verdes" do setor, bem como da moratória proposta.

O deputado do PS, André Pinotes Batista, destacou a "especial importância" do setor para o país, defendendo a necessidade dos empresários e entidades representativas manterem "o diálogo" com o Governo.

Já o deputado do CDS, João Gonçalves Pereira, defendeu que o partido "desde cedo alertou para o setor da diversão noturna", considerando que o Estado deveria "ressarcir os empresários".

"Não podia estar mais solitário e infelizmente os apoios chegaram, tarde (...) é importante que a retoma se faça tendo em conta este setor". disse.

Quanto aos funcionários dos "falsos recibos verdes", o presidente da Associação garantiu que os empresários que não cumprem os seus encargos nem obrigações de empregabilidade "não têm o apoio" daquela entidade.

Também na sessão, Mário Carvalho, empresário da noite do Porto, defendeu o alargamento das moratórias de arrendamento "por 60 meses", considerando que o pagamento das mesas vai coincidir com o momento da retoma, onde os empresários "não vão ter condições" para assegurar esses pagamentos.

"Não entendemos porque é que temos de pagar as rendas de 2020 e porque é que só somos apoiados de janeiro a junho de 2021" salientou o empresário, acrescentando que o período "é muito curto".
Um ano depois, o cenário repete-se. A realização de festivais está comprometida e estes vão sendo adiados num clima de incerteza à espera de dias melhores para a sua concretização.

Depois do NOS Primavera Sound ter sido adiado para o próximo ano, é agora a vez da organização do Rock in Rio Lisboa comunicar que ainda não será este ano que o Parque da Bela Vista irá ganhar vida com o festival, que em dias de lotação esgotada, chega a ter no mesmo recinto 85 mil pessoas.  

A nova edição do festival regressa em 2022, a 18, 19, 25 e 26 de junho, altura em que Roberta Medina, rosto da organização do festival, acredita que já "estejam reunidas as condições para realizarmos o festival no seu modelo original". 

"Por esta altura estaríamos a todo o vapor a preparar mais uma edição do Rock in Rio Lisboa, que atrairia para o país cerca de 20 mil turistas, geraria um impacto positivo para a economia superior a 70 milhões de euros e conectaria com energia, esperança e alegria mais de 5,8 milhões de pessoas através da música e do entretenimento", lembra Roberta Medina.

Quem já tenha bilhete comprado para as datas deste ano, o ingresso fica automaticamente válido para as novas datas. Quem preferir optar pelo reembolso, poderá pedir a emissão de um vale de igual valor ao bilhete até 31 de dezembro.
O DJ e produtor Souza apresenta esta sexta-feira, 5 de março, o último episódio do projeto "Praia L!ve" que em quatro transmissões deu a conhecer alguns dos locais mais emblemáticos do concelho da Praia da Vitória, nos Açores, unindo a música eletrónica a paisagens de cortar a respiração. 

Para a despedida deste projeto o local escolhido foi a Baía de Agualva e a transmissão será feita a partir das 19 horas (18 horas nos Açores) nas redes sociais do artista e dos parceiros deste projeto, onde a 100% DJ também faz parte.
 
Nesta viagem musical, Souza apresentou o Miradouro do Facho, a Serra do Cume, a Baía da Praia da Vitória e na sexta-feira apresentará ao mundo a magnifica Baía de Agualva.

O artista açoriano confessou que este projeto lhe trouxe "conforto" e que foi um "desafio enquanto artista poder partilhar com o mundo alguns dos locais mais especiais da minha Praia da Vitória".
 
O DJ e produtor natural de Brooklyn morreu subitamente no passado sábado aos 55 anos de idade, "rodeado de pessoas que o amavam incondicionalmente" pode ler-se no comunicado divulgado na sua página no Facebook.

No mesmo texto são confirmadas duas cerimónias fúnebres, uma em Nova Iorque outra em Montreal, cidades que marcaram a vida artística do nova-iorquino que ganhou destaque no final dos anos 80. 

Além de produzir e dirigir a sua própria editora, a Hot 'N' Spycy ao lado de Jeffery Rodman, Moares fundou em Montreal o conhecido clube Stereo em 1998.

O ícone da "New York House", remixou uma várias faixas ao longo da sua carreira, incluindo "Plastic Dreams" de Jaydee, "I'm So Grateful" de Kings Of Tomorrow, "Paninaro 95" de Pet Shop Boys e "Native New Yorker" da Black Box. Em 1996 teve também um programa na BBC Radio 1. O seu último EP foi lançado em 2019 pela Nervous Records.

Em janeiro, Moraes lançou um mix de Ano Novo de 2021, que pode ser ouvido em baixo.
 

Pág. 1 de 73