17-02-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

É já no dia 22 de Setembro que parte o avião Rock in Rio 2011 com destino ao Rio de Janeiro levando a bordo 330 pessoas, entre portugueses e espanhóis, que vão assistir ao maior evento de música e entretenimento do mundo.

Em Portugal 273.826 pessoas participaram nos vários passatempos feitos pela organização do Rock in Rio e pelos parceiros EMBRATUR, Millennium bcp, SIC, RFM, SAPO, Diário de Notícias e Sagres, que vão proporcionar aos felizes contemplados uma experiência única e inesquecível.

Os participantes podem esperar uma viagem bastante animada até à Cidade Maravilhosa, durante a qual poderão contar com as actuações do DJ Nuno Lopes, o actor de 33 anos, conhecido por ser um artista multifacetado com cartas dadas no teatro, televisão, cinema e mais recentemente na música integrando a dupla de DJ’s “Tha Lovely Bastards”. A Banda 84 será mais uma das surpresas a descobrir pelos passageiros portugueses. Formada em 2005, a banda espanhola lançou em 2008 o seu primeiro álbum virtual “El Burdel de las Sirenas” com a ajuda da Movistar, patrocinador da edição espanhola do Rock in Rio. A partir de então começou a tocar por toda Espanha tendo feito a abertura de concertos dos Tequila, Amaia Montero, Pereza, entre outros.
No Rio de Janeiro, os vencedores têm direito a estadia em hotel de 5 estrelas durante 4 noites com pequeno-almoço incluído e bilhetes para o Rock in Rio 2011 com transferes para a Cidade do Rock.
Durante esse fim-de-semana poderão assistir aos concertos do Palco Mundo que apresentará nomes como Elton John, Rihanna, Katy Perry, Red Hot Chili Peppers, Snow Patrol, Metallica, entre muitos outros. A música portuguesa também estará presente com as actuações dos portugueses Rui Veloso e The Gift no Palco Sunset e DJ Vibe na Electrónica.

O Avião Rock in Rio 2011 é uma promoção ibérica na qual a organização do Rock in Rio vai fretar um avião que parte de Lisboa, passa por Madrid e leva os vencedores dos passatempos realizados em ambas as cidades à abertura da 10ª edição do maior evento de música e entretenimento do mundo, a 4ª edição no Rio de Janeiro, 10 anos depois da anterior em território brasileiro.
Roberta Medina explica “Esta foi a forma que encontramos de premiar o carinho do público português e espanhol que têm acompanhado as novidades sobre esta edição. A intenção é que os fãs do evento possam acompanhar não só online mas em directo tudo o que acontece sobre o Rock in Rio, independentemente do país em que se realiza. Queremos estar presentes de forma permanente na vida das pessoas e não só quando nos preparamos para mais uma edição local”.
 
O regresso da viagem de sonho está marcado para dia 26 de Setembro.
Publicado em Rock in Rio
O festival Tomorrowland realiza-se este ano pela primeira vez no Brasil. Foi uma notícia dada por David Guetta no ano passado, que pôs os cariocas em delírio. Nomes como Afrojack, Alok, Armin van Buuren, Blasterjaxx, Borgore, Don Diablo, Hardwell, Oliver Heldens e Steve Angello vão pisar os vários palcos do evento, que irá decorrer nos dias 1, 2 e 3 de maio em Itu, São Paulo.
 
O evento de música eletrónica já se encontra completamente esgotado e está prevista a presença de 180 mil pessoas durante os três dias de festa, de 56 nacionalidades diferentes. O local escolhido para a edição brasileira do Tomorrowland foi o Parque Maeda, que vai receber 178 artistas, 116 deles internacionais. A organização prevê que o Tomorrowland Brasil se realize naquele local durante os próximos 10 anos.
 
O festival terá um forte impacto na economia local, uma vez que a sua realização deu emprego temporário a cerca de 2000 pessoas e num raio de 30 km, mais de 90% dos quartos estão ocupados. Para o Tomorrowland correr bem, foram contratadas cerca de 7000 pessoas para trabalharem durante os três dias. Devido à crise hídrica que está a afetar aquela área brasileira, o fornecimento de água para o evento é independente, ou seja, foram pedidos 1600 tanques com 15 mil litros de água. O espetáculo visual é um dos pormenores mais importantes, além da música, o que fez com que fossem instalados 56 geradores para garantir toda a energia necessária. A decoração é outro ponto forte do Tomorrowland, que chegou ao Brasil em 89 contentores.
 
A transmissão em direto no Youtube ainda não foi anunciada, mas o canal MTV Brasil já confirmou a transmissão de algumas atuações ao vivo. No canal serão transmitidas duas horas do festival, enquanto que no site oficial serão seis horas. A gravação vai ser depois transmitida em todo o mundo, em dois especiais MTV World Stage de 60 minutos cada, numa parceria entre a SFX Entertainmet e a MTV. No site oficial tomorrowlandbrasil.com também será possível assistir ao vivo o festival durante os 3 dias.
 
A equipa do Portal 100% DJ reuniu algumas informações que podem ser essenciais para quem vai ao Tomorrowland Brasil, mas também são interessantes para os mais curiosos.
 
Acampamento Dreamville
 
Nas DreamLodges vão existir cacifos, mas os festivaleiros deverão levar um cadeado. A tenda inclui um cadeado, almofadas e um ponto de USB.
 
Para quem vai pernoitar nas Easys Tents, se adquirir um upgrade, terá direito a uma tomada (220v). A tenda é impermeável mas não possui lençol ou almofadas.
 
Na Dreamville haverá cabines de duche individual. Para quem for para o Regular Camping ou Easy Tent, cada banho tem o custo de 3 tokens. Quem possui o pacote DreamLodge, terá direito a um banho por dia. Os valores dos banhos não incluem produtos de higiene pessoal. A área dos banhos tem um horário de funcionamento.
Vão estar disponíveis diversas tomadas (220v) apenas nas casas de banho da Dreamville. Também irão estar à venda e para alugar diversos carregadores de telemóvel.
 
Pagamentos
 
Dentro do festival, a moeda oficial é o Token. Podem ser adquiridos dentro do recinto, em dinheiro ou cartão, tal como na loja online. 15,42 euros, por exemplo, correspondem a 9 tokens e o valor está sujeito a alterações. Os tokens que não forem usados, não serão reembolsados.
 
Objetos proibidos
 
Não é permitida a entrada a: Chuveiros portáteis, cadeiras de praia, brinquedos, cartazes, gelo (que pode ser adquirido dentro do recinto), embalagens de vidro, máquinas fotográficas profissionais (sem acreditação), desodorizante em spray (roll on é permitido)...
 
Recomendações
 
Não exagerar no tamanho das malas, apesar de não existir um tamanho máximo permitido. A bagagem com rodas não é recomendável, pois o caminho entre o estacionamento e o festival tem um terreno irregular. A mala considerada ideal pela organização é a backpack, uma mochila para acampamento.
 
Para entrar na área de acampamento com alimentos e bebidas, o festivaleiro deve possuir o voucher de autorização, que é solicitado durante o check-in na Dreamville, no ato da troca do bilhete pela pulseira. Em toda a área do festival não existem bebedouros.
 
Para quem possui o Day Pass, não pode sair e voltar a entrar no festival. A idade mínima para entrar no Tomorrowland é de 18 anos, que vai ser comprovada à entrada, com a apresentação de um documento oficial com fotografia.
 
Segurança
 
O festival conta com o apoio de várias equipas de segurança, entre elas o Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal, Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Estadual.
Os objetos pessoais não devem estar longe de alcance e visão.
 
VIP ZONE
 
Em frente ao palco principal vai existir a área VIP, com 14 mesas a partir de 4 pessoas e uma vista privilegiada e confortável. O preço é de 3638,16 euros por dia. Cada mesa terá direito a uma garrafa de vodka, 2 garrafas de champanhe, 12 bebidas energéticas, água e comida.
 
Quem possuir uma mesa, tem também direito a 4 lugares de estacionamento. Depois de deixar o carro, um transfer gratuito irá deixar os festivaleiros na entrada da área VIP.
 
Publicado em Tomorrowland
Após ter comprado marcas como o Beatport, Tomorrowland e adquirido 50% do Rock in Rio, o grupo de entretenimento SFX criado em 2012, acaba de comprar da agência PlusTalent - uma das maiores empresas do Brasil liderada por Luiz Eurico Klotz, Edo Van Duyn e Silvio Conchon, responsável pelo agenciamento e management de DJs, e a criação e produção de eventos de música eletrónica, incluindo o Tomorrowland em terras de Vera Cruz.
 
“Ter os ingressos do Tomorrowland Brasil esgotados em tempo recorde é a consagração do poder da música eletrónica no Brasil. A Plus Talent é uma empresa talentosa, criativa e que possuí a mais profunda experiência no mercado brasileiro”, disse o presidente e CEO da SFX Robert F.X Sillerman em comunicado.
 
O Festival Tomorrowland - criado na Bélgica em 2005 - terá a sua primeira edição no Brasil nos dias 1, 2 e 3 de maio do próximo ano na cidade de Itu, interior de São Paulo. Com 870.000 pré-registos e 180.000 ingressos vendidos em menos de 3 horas, conseguiu-se constatar a força do mercado brasileiro no que diz respeito aos eventos de música eletrónica.
 
Além destas aquisições, a SFX obteve recentemente a marca de cerveja Skol - que já possui um longo e relevante histórico ligado à música eletrónica.
 
Publicado em Mix
sábado, 12 setembro 2015 22:46

Alok: 'O meu berço foi a música eletrónica'

Chama-se Alok e é um dos nomes da atualidade da música eletrónica brasileira, que mais destaque tem alcançado a nível internacional com atuações no Rock In Rio Las Vegas e em várias edições das famosas festas das cores Happy Holi. Depois de ser considerado como o DJ e produtor mais popular da terra do carnaval pela House Mag, o artista estreou-se em Portugal na edição de Cascais da Where’s The Party by Carlsberg. O Portal 100% DJ esteve à conversa com Alok numa entrevista exclusiva, acompanhada pelas filmagens do seu novo documentário, onde os temas destacados na mesma foram a sua carreira, o nosso país e o cenário da música eletrónica no Brasil.
 
 
O facto dos teus pais serem DJs influenciou a tua escolha desta profissão?
Com certeza. Eu nasci neste meio eletrónico. O meu berço foi a música eletrónica e os meus pais inspiraram-me muito e ainda inspiram.
 
Porque decidiste criar a tua própria editora “Up Club Records”?
Porque acho que há muitas pessoas talentosas por aí e muitas vezes não conseguem demonstrar o seu trabalho, porque não se conseguem encaixar ou adequar-se ao formato das editoras. A editora é aberta para todos os tipos de criatividade - o que importa é a criatividade, nós não rotulamos nada. É mais uma porta e uma oportunidade para as pessoas poderem mostrar o seu trabalho e não serem influenciados pelas editoras a criar a música que eles querem.
 
Que novos talentos tens debaixo de olho?
Há muito bom talento. É o caso de um rapaz chamado Illusionize - ele está a “rebentar”. Existe também o Dazzo, ele já toca há muitos anos, mas está agora a ter destaque. Também comecei a ver vários nomes novos que nunca tinha ouvido falar e vou fazer o lançamento. Possivelmente irei divulgar no melhor momento, depois de toda a parte burocrática, contrato, etc…
 

A editora é aberta para todos os tipos de criatividade - o que importa é a criatividade, nós não rotulamos nada.

 
Tens viajado em digressão por quase todo o Brasil. Qual é a tua visão do cenário da música eletrónica no país?
No Brasil, estamos a viver agora um momento de maior ascensão. Começamos a apercebermo-nos que as crianças hoje estão muito inseridas na música eletrónica e isso é algo inédito, porque anteriormente as pessoas só se inseriam na música eletrónica a partir dos 18 ou 19 anos.
 
Nos últimos meses, o Brasil tem recebido grandes e importantes festivais de música eletrónica, como é o caso do Tomorrowland, onde também atuaste. Qual foi a sensação de estar na cabine do Main Stage, daquele que é considerado o melhor festival do mundo?
Foi a realização de um sonho e não poderia ter sido melhor. Realmente foi o melhor gig da minha vida. Abriu portas a muitas coisas positivas na minha carreira, e bem... o Tomorrowland é um fenómeno, não é? Fiquei muito feliz por fazer parte desse palco e dividi-lo com grandes nomes.
 
Tencionas atuar na edição da Bélgica?
Este ano não, somente no TomorrowWorld, nos Estados Unidos da América.
 
Sabemos que o teu nome significa luz. Consideras a luz uma fonte de inspiração para as tuas produções?
Nunca tinha parado para pensar, mas pode-se dizer que sim.
 
Foste considerado pela House Mag como o DJ número 1 do Brasil. Com que sentimento recebeste essa distinção?
É curioso porque em todos os outros anos eu nunca tinha entrado. E na minha estreia, foi logo em primeiro lugar. Eu sei que há muitas pessoas muito boas no Brasil também, pela qualidade e até pessoas com mais técnicas que eu, só que de repente faltou um pouco de acreditar em si mesmo entendeu? E eu sempre acreditei, colhi frutos e acabei sendo... Os meus números falam muito alto, como o voto é de popularidade e não há juízes por trás, o DJ mais popular do Brasil hoje sou eu.
 
 
A tua vinda mais cedo para Portugal, deu para conheceres um pouco do nosso país?
Sim, eu dei uma volta por vários sítios e estou apaixonado. É muito porreiro.
 
Tencionas voltar?
Com certeza. Quero voltar e quero comer muito aqui nos restaurantes porque foi a melhor comida que comi na vida.
 
Como descreves a atuação no Where’s The Party em Cascais? Superou as expetativas?
Para ser sincero foi muito difícil... A minha sonoridade, no meio da “EDM” é muito mau para mim. Mas faz parte e nós temos que estar preparados para tudo. Criei muitas expectativas, uma ideia na minha cabeça e acabou por ser mais difícil do que eu imaginava. Nem tudo é assim tão fácil - o que é bom, porque saí da minha zona de conforto, que no Brasil para mim é tudo mais fácil, logo foi um desafio também.
 
Que artistas portugueses de música eletrónica conheces?
O Diego Miranda apenas.
 
Que projetos tens para desenvolver a curto e longo prazo?
A curto prazo vou lançar o meu álbum e a editora. Estamos também a produzir o documentário da minha vida que acho que vai levar um a dois anos para estar no ar, ou seja um projeto a longo prazo.
 
Vais fazer campanha este ano para o Top 100 da DJ Mag?
Estamos a fazer uma campanha muito forte. O ano passado nem apostámos muito e fiquei em 117º lugar.
 
Acreditas portanto na tua estreia no Top 100?
Vamos ver, acredito que sim.
 
Que mensagem queres deixar aos leitores do Portal 100% DJ?
Quero agradecer por me terem recebido tão bem aqui e quero voltar mais vezes, esperando que da próxima vez não me coloquem entre dois DJs de EDM, mas sim no horário certo.
 
 
Segue Alok nas redes sociais

     

 
Publicado em Entrevistas
terça, 26 agosto 2014 20:32

Cerveja Sagres quer conquistar o Brasil

A Cerveja Sagres anunciou hoje que está a produzir no Brasil, numa unidade da Heineken Brasil. O objetivo, para já, é comercializar no Rio de Janeiro a cerveja Premium Sagres Clássica adaptada ao perfil e gosto dos consumidores cariocas.
 
Com um teor alcoólico de 5%, a receita desta cerveja foi desenvolvida pelo mestre cervejeiro da Sociedade Central de Cervejas em parceria com o homólogo brasileiro da Heineken Brasil. A marca garante que para o lançamento foram realizados vários estudos de mercado junto dos consumidores brasileiros, assim como o desenvolvimento de ações de degustação em diversos pontos de venda.
 
Nuno Pinto de Magalhães, Diretor de Comunicação e Relações Institucionais da Sociedade Central de Cervejas referiu, em comunicado, que este lançamento "só é possível através da disponibilidade e oportunidade que a plataforma de produção e de distribuição local nos proporciona".
 
Fonte: Imagens de Marca.
 
Publicado em Marcas
domingo, 06 setembro 2015 16:55

Festival brasileiro tem o maior palco do mundo

Considerado pelo Guiness Book como a maior estrutura de palco do mundo, o festival brasileiro Villa Mix realiza-se hoje em Goiânia com vários artistas, incluindo Alok e Felix Jaehn.
 
O palco conta com 628 toneladas de equipamentos, mais de 600 pessoas envolvidas, 52,34 metros de altura, 44,8 metros de profundidade, 117,4 metros de largura e 2,724 metros quadrados. O antigo recorde era do palco dos U2, com 2,694 metros quadrados.
 
A organização do festival anunciou a transmissão em direto das atuações, através do canal oficial de Youtube do Villa Mix.
 
{youtube}Gw73v1oond4{/youtube}
Publicado em Festivais

O seu nome artístico é Leo Smillle, é cego e está a concretizar um sonho. Após uma formação na Academia Internacional de Música Eletrónica (AIMEC) foi convidado por Alok, o DJ mais popular do Brasil, a subir ao palco do Happy Holi em Campinas e atuar para milhares de pessoas.

 
A AIMEC é considerada a melhor escola para DJs do Brasil e deu um grande apoio a Leonardo Freire durante o curso e na preparação para a atuação no Club 88 e no Happy Holli. “Hoje o meu coração transbordou de todos os sentimentos lindos que existem. Sem palavras: meu aluno Leo Smille tocando na Happy Holi com Alok! Obrigado por abraçar esta causa comigo parceiro!”, salientou Rafaella de Vuono, DJ e professora na AIMEC, na sua página pessoal de Facebook.
 
O próprio Alok já partilhou várias fotografias e testemunhos nas redes sociais, incluindo um vídeo de bastidores e da atuação de Leo Smille no Happy Holi, onde é possível observar a felicidade do brasileiro ao ouvir o público.
 
“Ele é cego... Mas quem disse que isso impede ele de sonhar? O sonho dele é se tornar um DJ e hoje ele pôde viver um pouco disso comigo no palco! (...) Não é preciso de visão para enxergar, mas de sensibilidade. A mesma sensibilidade que a música pede e isso o Leo tem de sobra, alem de muita determinação e força de vontade”, referiu Alok na sua página oficial de Facebook.

 

 

 
DJ Leo Smille

Não é preciso de visão pra enxergar, mas de sensibilidade, a mesma sensibilidade que a música pede, e isso o Leo tem de sobra, além de muita determinação e força de vontade. Que seja apenas o primeiro passo na sua carreira Leo!

Posted by Alok on Segunda, 6 de julho de 2015
Publicado em Artistas
A Cerveja Sagres está a convidar todos os portugueses a assistirem em direto aos jogos da Seleção Nacional, durante o Mundial 2014 que se realiza no Brasil, nos três Estádios Sagres, em Lisboa, Braga e Faro.
 
O Estádio Sagres de Faro abre as portas dia 6, enquanto que os de Lisboa e Braga são inaugurados no dia 12 de junho. A entrada é gratuita, e todos os adeptos da Seleção Nacional vão assim poder assistir, através de ecrãs gigantes, aos jogos do Campeonato Mundial de Futebol.
 
No espaço irá haver ainda muita animação, música e outras surpresas para todos os adeptos de futebol.
 
Publicado em Marcas
Natural da Margem Sul do Tejo, é no país da cidade maravilhosa que faz vida há 10 anos. Começou a sua carreira na música com oito anos de idade, a estudar piano, tocou numa banda de baile, mas rapidamente percebeu que o "bailinho" era outro, com acordes mais eletrónicos e decibéis muito mais altos. Rui Oliveira é o rosto do projeto Paranormal Attack, que está comemorar 15 anos de existência. Nesta entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ, ficámos a conhecer as suas influências e algumas novidades musicais, como foi a sua passagem pelo Festival Tomorrowland Brasil e quais os seus próximos projetos.
 
 
A música fez parte da tua infância. Estudaste piano, tocaste numa banda de baile e aos 20 anos começaste a produzir música eletrónica. Conta-nos como foi essa mudança da música de baile para a eletrónica.
Na verdade sempre odiei música de baile mas era uma boa fonte de dinheiro e dava-me tempo para poder produzir enquanto Paranormal Attack durante a semana. Sempre fui fã de Rock e Metal, nem prestava muita atenção ao som eletrónico até ao dia em que fui a uma rave e apaixonei-me completamente. Comecei logo a descobrir como se fazia aquilo. Os conhecimentos que tinha de música ajudaram-me muito na produção!
 
Na produção musical quais são as tuas influências?
No trance a minha maior influência sempre foi Skazi, além de ser como um irmão para mim também foi ele que me ajudou muito no início da carreira. No geral o meu produtor preferido é o Rob Swire dos Pendulum/Knife Party.
 
Já lançaste uma faixa em conjunto com os Karetus. Com que outros artistas portugueses gostarias de colaborar?
Os Karetus são grandes amigos meus e grandes produtores. Estou a terminar uma colaboração com os Ninja Kore e gostaria de fazer algumas coisas diferentes no mundo Pop também. Estou também a preparar uma colaboração com os Pratta.
 
Faz dois anos que fundaste a editora Fxxk Tomorrow. Como surgiu essa ideia e que balanço fazes da mesma?
Quando tive a ideia de criar a editora foi com o intuito de ter liberdade para lançar a minha música quando quisesse sem ter que esperar por agendas de outras editoras. As coisas foram crescendo e comecei a receber muitas demos e os planos foram sendo maiores. Já lançámos músicas de vários artistas, vários estilos e conseguimos alcançar alguns Top 100 no Beatport. Recentemente começámos a fazer eventos e temos grandes planos para Portugal a partir do próximo ano, que em breve serão revelados. Mas esperem grandes noites no nosso país.
 
Como vês a cena Trance tanto em Portugal como no Brasil?
São cenas muito diferentes. O Brasil devido ao tamanho do país e também ao tamanho a que o Trance chegou os eventos são mega produções com milhares de pessoas. E também o público é mais quente e mostra mais o quanto gostam do DJ. Já Portugal tem uma cena mais tradicional, mais underground e mais pequena e as pessoas são um pouco mais introvertidas. Mas amo os dois países. Cada um com as suas particularidades.
 
O ano passado tiveste uma atuação no Tomorrowland Brasil. Como foi essa experiência?
Foi uma experiência maravilhosa, poder estar num evento desses é o sonho que qualquer DJ provavelmente tem. Lembro-me que até chorei de felicidade no dia que saiu o meu nome no line-up. Foi uma emoção enorme.
 
Que diferenças encontras entre o público português e o brasileiro?
Como já disse, acho que a maior diferença é mesmo a reacção do público quando ouvem a minha música. Os dois países gostam muito do som mas no Brasil as pessoas gritam, pulam, levam placas com o meu nome, bandeiras de Portugal, etc. Em Portugal o público preocupa-se mais com a experiência de cada um durante o set. Dançam muito mas são mais contidos. Mas isto é uma coisa do Trance, porque vejo que noutro tipo de eventos o público português é bastante animado também.
 
No início do mês tiveste uma atuação na Costa de Caparica, margem do Tejo que te viu crescer. Como foi esse regresso? Pode-se afirmar a velha máxima de que "o bom filho à casa torna"?
Foi muito boa a festa, grande ambiente e o local escolhido foi muito bom também. Isto foi só o começo de uma caminhada que estamos a planear. Grandes notícias estão a caminho. Fico muito feliz de voltar ao meu país depois de estar 10 anos no Brasil.
 
O que representou para ti a entrada direta para o TOP 30 de 2016 levado a cabo pelo Portal 100% DJ?
Foi outra grande surpresa para mim e fiquei muito feliz com isso. O país onde nasci reconheceu o meu trabalho e consegui um 19.º lugar. Muita gente que não me conhecia ficou a conhecer e os que conheciam se calhar passaram a respeitar mais o meu trabalho. Espero que este ano suba mais umas posições nesse ranking.
 
Quais são os teus projetos musicais a curto e médio prazo?
Este ano vou lançar o álbum de 15 anos do projeto com 15 músicas e tenho algumas colaborações para sairem também em labels mais comerciais. Temos também grandes planos para eventos da Fxxk Tomorrow em Portugal.
 
E por último, a pergunta da praxe. Que mensagem queres deixar aos teus fãs/seguidores?
Quero agradecer a todos por me proporcionarem a vida que eu escolhi. Poder fazer aquilo que se ama é uma grande vitória na nossa vida. Nunca desistam dos vossos sonhos. Por vezes demoram a chegar mas o que é nosso está guardado e então a nossa hora sempre chega. Um abraço gigante a todos! Amo vocês!
 
Publicado em Entrevistas
sexta, 29 janeiro 2016 21:14

Ultra Music Festival regressa ao Brasil

O Ultra Music Festival está de volta ao Brasil. Segundo a Phouse, projeto parceiro do Portal 100% DJ, o festival de música eletrónica vai realizar-se no próximo dia 14 de outubro, na Marina da Glória do Rio de Janeiro.
 
O anúncio oficial foi feito hoje durante a Rio Music Conference, no Porto Maravilho do Rio de Janeiro. Até ao momento não há artistas confirmados para o line up do Ultra Music Festival Brasil, mas a Phouse avança com nomes como Martin Garrix e Carl Cox como prováveis presenças no evento.
 
Nos últimos anos o Brasil tem sido palco de grandes festivais como é o caso do Tomorrowland e o Electric Daisy Carnival. O território carioca já recebeu outras edições do Ultra Music Festival no passado, mais propriamente em 2008, 2010 e 2011, em locais diferentes e com artistas como Erick Morillo, Benny Benassi, Gui Boratto, Kaskade, Swedish House Mafia e Laidback Luke no cartaz.
 
{youtube}VhyCqQ3b1U8{/youtube}
Publicado em Ultra Music Festival
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.