18-02-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

MINDSKAP, ou João Pereira, é o nome do português de 29 anos que produziu recentemente um remix oficial para o tema “Ghosttown” de Madonna. A sua carreira como DJ teve início no ano 2000, mas apenas cinco anos depois é que começou o seu legado discográfico, sendo agora representado pela Citrusonic, de Los Angeles.
 
O produtor, natural de Santo Tirso, foi o primeiro português a remisturar oficialmente temas de artistas como Pet Shop Boys, Cher e Madonna. Algumas das suas faixas foram lançadas em editoras prestigiadas como a Motown Records, Yoshitoshi (da dupla Deep Dish) e a Intec (de Carl Cox) e alcançaram, por vezes, o top 5 de diversas plataformas como o Beatport, Traxsource e Juno.
 
A grande oportunidade de remisturar um tema de Madonna surgiu devido ao “reconhecimento do trabalho anteriormente realizado”, confessou MINDSKAP, em entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ. Estas chances não acontecem “da noite para o dia” e o seu percurso musical, apesar de ser um pouco desconhecido a nível nacional, pode ter “despertado a atenção da indústria internacional”.
 
A notícia de que ia produzir o remix da faixa de Madonna foi recebida de surpresa: “Nem estava a acreditar, é uma enorme responsabilidade quando se trata de remisturar a Rainha da música Pop. Foi um misto de ceticismo do que estava a acontecer, com a determinação em cumprir o prazo de entrega, a multiplicar pela tortura de esperar pela decisão final”. MINDSKAP afirmou ainda que “não é fácil tornar uma balada romântica numa música de dança, sem recorrer ao mainstream”.
 
Para a remistura, o artista tentou, como sempre, fazer a sua própria “interpretação do tema original, independentemente” do uso de “muitos ou poucos elementos”. “Ghosttown (MINDSKAP Remix)” é “uma versão dub, mais underground e um pouco dark, porque é essa a visão apocalíptica que se tem de uma ‘cidade fantasma’”, revelou João.
 
O sucesso do single foi imediato. Não é por acaso que Madonna é considerada a Rainha da música Pop. “Ghosttown” alcançou o primeiro lugar da tabela Dance Club Songs e o remix de MINDSKAP contribuiu também para o êxito, tendo posteriormente recebido destaque por parte da prestigiada revista Billboard, juntamente com Armand van Helden e Don Diablo.
 
Há muito tempo que a eletrónica está de mãos dadas com a música pop. Madonna, “no início da sua carreira chegou a atuar no mítico Paradise Garage, onde gravou o seu primeiro videoclip e já desde esse tempo que tinha amigos que eram DJs”, tendo depois colaborado com grandes nomes como Junior Vasquez, Paul Oakenfold, Martin Solveig ou Avicii. João Pereira afirmou também que a cantora norte-americana lança sempre remixes dos seus temas “de artistas dos mais variadíssimos estilos, seja mainstream ou underground”. “A Madonna é uma artista completa e visionária, sabe muito bem diferenciar o que é moda e reconhecer o que tem potencial. Ela sempre foi reconhecida por contribuir com temas originais e remixes direcionadas para as pistas de dança.”, concluiu MINDSKAP.
 
Publicado em Artistas
segunda, 05 novembro 2012 00:12

The Fox: Talento, técnica e experiência

Ser um DJ de referência implica talento, técnica, anos de experiência, contacto com várias culturas e sobretudo, a partilha de experiências – algo inato e acessível para The FOX.
Teve o seu primeiro contato com a música aos 7 anos de idade, na Alemanha, país onde nasceu. Dez anos depois, entra como animador numa das rádios mais concorridas da grande Lisboa e, em 1994, junta-se aos fundadores da Antena 3, para ficar responsável pelo programa "Planeta E". Na área da televisão é o mentor e produtor do programa "Dance Tv". Gosta de boa música e é um ouvinte atento.
Na entrevista exclusiva ao Portal 100% DEEJAY, revela que está a “cozinhar” alguns projetos, nomeadamente o lançamento de 2 EPs, e analisa vários factos que estão a acontecer na noite nacional.
 
 
Nasceste na Alemanha. Foi lá que tiveste o primeiro contacto com o mundo do Djing? Conta-nos essa primeira experiência...
Nesta perspectiva, posso dizer que provavelmente o primeiro contacto foi com um gravador duplo de cassetes, no qual brincava com passagens. Tinha 7 anos.

A Rádio foi e continua a ser uma boa escola?
Claro. A rádio é um universo excelente para se estar em contato com música, experiências e todo um leque de situações que ajudam quem quer estar envolvido na indústria.

Como surgiu a ideia de criar o "Dance TV"?
O "Dance Tv" já era um sonho quando comecei a fazer o "Planeta E". A ideia era conseguir levar para o pequeno ecrã, aquilo que se fazia no programa e mais além.

Consideras que ser DJ está mesmo na moda e qualquer pessoa o pode ser? É algo negativo e prejudicial o surgimento de tantos DJs?
Esta questão é complicada de se explicar. Por um lado, pode ser benéfico porque mais ideias entram no mercado, por outro lado a saturação e a banalidade pode estar a ser lançada. Julgo que neste ponto apenas os verdadeiros DJs se conseguem manter como profissionais da área. O resto são curiosos.

De certa forma, fazes parte da fase old school da dance scene nacional. Como vês o atual DJing que por cá se pratica?
Acho que além de ter virado moda, muitos dos novos DJs não tocam com aquilo que lhes vai na alma. Seguem apenas artistas e estilos que estão na ordem do dia.
 

Julgo que neste ponto apenas os verdadeiros DJs se conseguem manter como profissionais da área. O resto são curiosos.


Como vês a mudança dos estilos musicais que tem ocorrido nestes últimos 5 anos?
Isso foi algo que sempre aconteceu, estamos numa fase em Portugal onde o comercial parece querer tomar as rédeas, mas tenho a sensação que isso não vai durar muito. Mas foi sempre assim.

Tu que, mais que ninguém estás dentro do meio, de maneira geral como classificas a promoção e divulgação da música electrónica via rádio e televisão?
Julgo que em termos de rádio já estivemos melhor. As atuais playlists estão demasiado óbvias e ninguém arrisca.

Dos DJs com quem já partilhaste a cabine, qual foi aquele que te marcou mais e porquê?
O Sven Väth, pela sua consistência, os Deep Dish pela música e tantos outros que em determinadas noites me puseram a dançar.

Foste residente em casas míticas como a Kremlin e a Locomia. Como é que olhas para esse passado? Com algum sentimento de saudade? Esses clubes fazem falta na noite?
Claro que fazem, eram casas de culto que todas as semanas tinham algo de muito bom para oferecer. O mercado e estado do país eram outros. Agora o dinheiro escassa para os produtores e já não podem "inventar tanto".

Quais as tuas influências musicais?
Gosto de boa música. Sempre fui um ouvinte atento. Bandas como Led Zeplin, Pink Flyod, U2, Stone Roses, Peter Murphy; fazem parte da minha discografia. Na área da eletrónica, procuro aquilo que mexe comigo e temos tido muito boas coisas a sair.

Das tuas produções, qual destacas e porquê?
Estou em estúdio a preparar o lançamento de mais 2 EPs. Mas o tema que tem gerado mais buzz, destaco a remix de "Back to Life", que fiz para o Mikkel Solnado. Mas claro, as que vão sair serão as mais apetecíveis.

Na tua opinião, existe algum produtor ou DJ português que esteja a ter bons trabalhos que achas que valha a pena ser destacado?
Acho que ainda falta um bocado de mais experiência a muitos bons produtores nacionais. Mas destaco o A.PAUL com toda a equipa das suas editoras, o Mikalogic, Jay A, entre outros.

Como vês o futuro da música eletrónica?
Com muitos bons olhos, visto estar a crescer cada vez mais. Os principais festivais já não descuram os DJs. A tendência musical que esta a crescer nos EUA é a eletrónica e isso só pode ser positivo.

Em relação à organização de eventos de música electrónica em Portugal... Há mais profissionalismo do que há uns anos atrás? As produções são melhores?
Infelizmente não temos tido tantas grandes produções como antigamente, mas acho que estão mais cuidadosos.

Neste momento que projetos tens em mãos?
Tenho, como disse, 2 EPs a sair, uma compilação nacional e mais umas propostas de programas de rádio.

O que podemos esperar de The FOX a curto prazo?
Música de qualidade!
 
 
Management | EUROPA
www.europaagency.com
 
Publicado em Entrevistas
Atualmente ocupa a posição número 94 no Top 100 da Revista britânica DJ Mag. Com um prémio quente nas mãos e de enorme responsabilidade, Diego Miranda, sente-se orgulhoso e honrado em ser o único DJ português a representar o seu país. Poucos meses depois da edição de “Say Yeah”, o álbum de estreia, Diego vê confirmado e reconhecido pelo público além-fronteiras aquilo que lhe corre nas veias em abundância: talento. Na entrevista ao Portal 100% DJ revela já ter uma agenda repleta de festivais até ao próximo ano, com paragens pela América, Ásia e África. Faz também referência à sua nova editora que pretende editar música de qualidade e dar a conhecer novos talentos.
Confere a conversa que tivemos com Diego Miranda depois de ter recebido este importante prémio.

 

O que representa para ti estar no Top 100 da DJ Mag?
É um grande orgulho e uma grande honra ser o único português a singrar na lista dos 100 melhores DJs do mundo pela conceituada revista britânica DJ Mag.
 
Estavas à espera de subir no Top em relação a 2012?
Curiosamente nos últimos 2 anos estive a um passo de entrar na lista, ficando nas posições 101 e 108 respetivamente. Este ano, tenho a perfeita noção que trabalhei ainda mais que nos outros anos, lancei o álbum "Say Yeah", toquei muito mais no estrangeiro e obtive mais visibilidade nos media. Por outro lado, tinha consciência que este ano era muito mais difícil entrar, porque houve grandes novos talentos internacionais a explodir por todo o mundo e consequentemente a subir nas posições. Como por exemplo o caso do Hardwell e também por haver novas entradas no ranking. É por isso que esta conquista teve um sabor especial e estou muito feliz por isso.

O facto de estar na DJ Mag não só traz mais visibilidade mas também acarreta mais responsabilidades.


Na tua opinião deveriam estar mais portugueses neste Top?
Claro que sim, é sempre um orgulho haver portugueses a representar o nosso país por todo o mundo e quantos mais melhor, mas acredito que nos próximos anos vão entrar muito mais portugueses neste Top, porque Portugal tem muitos novos talentos que se continuarem a trabalhar como estão, vão dar cartas em todo o mundo.
 
O que podemos esperar de Diego Miranda nos próximos meses?
Para já vou continuar a promover o álbum "Say Yeah" que contém ainda outros temas por mostrar ao público. Entretanto, vou continuar a trabalhar em estúdio para o meu próximo álbum. Vão também sair novas faixas minhas mais mainstream, com novas colaborações de outros produtores. Já tenho festivais agendados até ao próximo ano que incluem várias paragens, nomeadamente pela América, Ásia e África. Tenho também uma nova editora "Less is More Records" que pretende editar, principalmente, música de qualidade e dar a conhecer novos talentos. Quero, também, realizar outros projetos que tenho em mente, mas que ainda é cedo para revelar...

Que mensagem gostarias de deixar aos teus fãs?
O facto de estar na DJ Mag não só traz mais visibilidade mas também acarreta mais responsabilidades, para todos aqueles que acompanham e apoiam a minha carreira só lhes posso prometer que vou trabalhar ainda mais e melhor. De resto, só posso dizer: "The Best is Yet to Come"... e agradecer a todos os que me têm apoiado até aqui.
 
 
Publicado em Entrevistas

No aquecimento para duas atuações em Portugal - em Aveiro a 25 de abril, e em Faro a 10 de maio - falámos em exclusivo com Martin Solveig numa altura em que a EDM vive dias de verdadeira procura de identidade: se por um lado toda a gente toca as mesmas coisas e produz o mesmo tipo de música, por outro os produtores buscam o som do futuro, de um futuro que é já amanhã. Como não podia deixar de ser, graças à sua experiência na cena eletrónica, Martin mostra que está atento e lança pistas para o santo graal da EDM.

 
Olá Martin! Tens duas visitas em breve a Portugal - a 25 de abril na Queima em Aveiro e a 10 de maio na Semana Académica do Algarve - estás feliz por voltar ao nosso país?
Fico sempre feliz e excitado por voltar a Portugal porque considero que os portugueses são um dos melhores públicos do mundo. Na última década construí uma relação especial com os meus fãs portugueses: eles são dos poucos que seguem a minha carreira inteira desde o "Everybody" (de 2005) passando pelo "The Night Out" e "Hey Now", e claro, pelo "Hello" que foi um enorme sucesso também em Portugal. Sempre me senti muito bem recebido pelos portugueses. 
 

Sempre me senti muito bem recebido pelos portugueses.

 
Partilhaste recentemente com o mundo que 2014 seria um ano criativo para ti, que não tocarias muito e que cada atuação seria especial. Podes dizer-nos o que tens preparado para Portugal?
Tenho estado a trabalhar em muitas versões especiais e edits das minhas músicas. Estas versões não estão disponíveis em lado nenhum, não estão na internet, são apenas para usar nos meus DJ sets, por isso têm que vir ver-me e ouvir a música exclusiva que levo comigo e, espero que isso seja o que vai fazer a diferença nas minhas atuações em Portugal.
 
Tens estado ocupado em estúdio a fazer música nova. Quando é que podemos esperar novidades?
Estou neste momento no estúdio, tenho passado muito tempo aqui. Não sei quando a música será editada porque entrei num processo profundo de tentar reinventar o meu estilo, ou pelo menos trabalhar numa evolução sónica digna desse nome. Sinto que chegou a hora de o meu som evoluir. Obviamente um processo destes demora algum tempo e eu sempre preferi esperar até ter algo de verdadeiramente relevante para oferecer aos meus fãs do que apressar e editar algo que não estou seguro a 100%. 
 
Estás a produzir para outros artistas? Vamos ter mais colaborações com a Madonna ou outros artistas pop? 
Não estou a produzir para outros artistas. É algo que farei mais tarde.
 
"Blow", a tua colaboração com o Laidback Luke, foi o teu mais recente single. A música que estás a fazer segue aquela linha?
Não, o "Blow" não é de todo a direção em que estou a trabalhar. O tema foi produzido na alegria do momento, para fundir dois estilos num único tema e pelo divertimento de trabalhar com o Laidback Luke. Mas não define uma nova direcção para mim.
 

Sinto que Miami agora é mais uma celebração do sucesso mundial e do apreço pela EDM e da música de dança em geral.  

Como é que foi a Winter Music Conference? Ouviste alguma música nova e excitante que queiras partilhar connosco?
A WMC é sempre muito caótica, muito louca mas muito boa. Não estive em Miami muito tempo por isso não tive oportunidade de ouvir muita música mas ouvi alguns sets e destaco o do Diplo e do Dillon Francis que tocaram alguns temas exclusivos que são musicalmente entusiasmantes. Comparando os dias de hoje com os dias em que a internet não era tão globalmente disponível, eu diria que os DJ sets hoje têm que chegar a uma audiência mais genérica: para ter um bom feedback do público, tens que tocar uma série de temas que já são conhecidos pelas pessoas. Sinto que Miami agora é mais uma celebração do sucesso mundial e do apreço pela EDM e da música de dança em geral.
Sinto que há grandes mudanças no horizonte para a música eletrónica. Neste momento há duas tendências muito diferentes e muito fortes nos Estados Unidos e na Europa; e ambas vão em direções diferentes. Não estou com isto a querer dizer que uma tendência é melhor que a outra ou que uma vai sobrepor-se à outra, mas as coisas estão a evoluir muito. É uma oportunidade para quem quer inovar. Pode ser um pouco confuso no início mas no fim de contas precisamos que as músicas não soem todas iguais e é isso que irá acontecer, provavelmente, nos próximos anos. E é uma coisa boa.
 
 
Publicado em Entrevistas
O novo festival de Lisboa - Nova Batida - vai ocupar este fim-de-semana a Lx Factory e o Village Underground, em Alcântara. O cartaz conta com mais de 50 artistas, processo longo que exigiu "muita reflexão e energia" conta a organização em entrevista ao Portal 100% DJ. Além de novos talentos a estreia deste festival traz a Lisboa os suecos Little Dragon, o britânico Gilles Peterson, a dupla Mount Kimbie, o nigeriano Seun Kuti, sem esquecer de talentos portugueses como é o caso de Riot, Octa Push e Rita Maia.
 
O festival começa a partir das 13 horas e além da componente musical terá ainda aulas de surf e ioga, festas em barcos e street food. Para saber quais as espectativas e o que podemos esperar desta primeira edição de festival Nova Batida, o Portal 100% DJ esteve à conversa com Dan Flynn, representante da Soundcrash, produtora londrina que organiza festas de música eletrónica em vários países. O Portal 100% DJ é Media Partner do evento.
 

Quais são as expectativas para a primeira edição de Festival Nova Batida?
Esperamos que a primeira edição seja uma experiência incrível para todos os envolvidos e mal podemos esperar que visitantes do Reino Unido e de outros países de todo o mundo testemunhem em primeira mão a vibração calorosa e acolhedora de Lisboa e dos seus residentes. Escolhemos Lisboa não só por causa da sua cena musical, mas porque é uma cidade próxima ao nosso coração por tantas outras razões. A perspetiva de ter a oportunidade de dar algo de volta à cidade é algo que é muito excitante para nós.

São mais de 50 artistas que fazem parte da programação. Foi difícil conseguir este cartaz? 
Foi um processo que levou muitos meses, então, é claro que demorou muito - construir um cartaz de festival exige muita reflexão e energia. Não poderíamos estar mais felizes com o nosso primeiro line up e estamos felizes em trazer um grupo tão talentoso de artistas. Também foi ótimo que tantos artistas de Lisboa estivessem tão entusiasmados em juntar-se ao cartaz e estamos muito contentes por ter tantos representantes da música eletrónica nacional.

Que critérios tiveram em conta na hora de escolher os artistas?
Dos artistas ao vivo que selecionámos, escolhemos artistas que tinham músicas novas a serem lançadas - garantindo que todas as apresentações no festival fossem frescas e excitantes para o nosso público. Como disse anteriormente, também queríamos que muitos artistas portugueses participassem - algo que certamente continuaremos em 2019.
É comum que nos festivais alguns artistas realizem alguns pedidos mais excêntricos à organização. Há algum que vos tenha surpreendido particularmente?
Depois de anos a trabalhar na indústria da música não há muito que nos surpreenda. Para a Nova Batida todos os artistas do line up deste ano mostraram-se muito humildes.

No que se diferencia o vosso festival dos outros?
Acho que é uma combinação de muitas coisas diferentes. O festival principal está dentro dos locais super coloridos e criativos do Village Underground e da LX Factory, mas também há uma festa na praia no domingo dedicada aos participantes que pretendem estar junto da natureza. Temos uma linha de música ampla, mas coesa, da qual estamos muito orgulhosos e sabemos que haverá alguns momentos loucos quando Little Dragon, Mount Kimbie e outros subirem ao palco, mas também mal podemos esperar que os festivaleiros descubram os seus novos DJs favoritos numa área diferente. Também é diferente em que há uma grande comunidade de amantes da música do Reino Unido, França e Alemanha a visitar a cidade, mas também haverá uma grande percentagem de moradores locais no coração da festa. Mal podemos esperar que as vidas destes amantes da música de toda a Europa colidam - vai ser um momento encantador.

Além da componente musical, o que poderão assistir os festivaleiros do Nova Batida?
Temos várias atividades extras disponíveis, desde aulas de surf até aulas de ioga, festas em barcos e muito mais.

Em futuras edições, a cidade de Lisboa continuará a ser o local de eleição para acolher este festival?
Sim, vamos colocar bilhetes da edição de 2019 à venda em breve, apenas um ano do Nova Batida em Lisboa não chega. Vemos isso como um projeto de longo prazo e esperamos ser muito, muito felizes aqui.

Que recomendações gostaria de deixar aos festivaleiros?
Para aqueles que ainda não tiveram a experiência de ir a um festival de música em Lisboa, vão ser bem recebidos. Para os que já foram a eventos do mesmo género, já sabem o quanto se vão divertir!
 
Publicado em Business
Será no próximo sábado, 22 de novembro, a partir das 21 horas, que o Meo Arena volta a receber uma noite épica de música eletrónica com o selo da emissora de rádio Mega Hits. Martin Garrix, Dvbbs, Blasterjaxx, Jay Hardway e o português Kura serão os "maestros" que vão levar a maior arena do país ao rubro, durante cerca de seis horas.
 
Com a realização do "Mega Hits Kings Fest", e depois do espetáculo "I Am Hardwell" em dezembro do ano passado, com lotação esgotada, Lisboa continua a ser uma das capitais europeias de eleição para a atuação dos mais jovens e talentosos DJs/produtores internacionais.
 
Os ingressos podem ser adquiridos nos locais habituais, pelo preço de 65 euros (Bilhete VIP) onde o mesmo dá direito a assistir ao espetáculo a partir de uma bancada de acesso reservado, com visibilidade privilegiada para o palco e oferta de duas bebidas. Já o bilhete da plateia “Golden Circle” tem o custo de 59 euros e garante igualmente a entrada por um acesso exclusivo e a possibilidade de assistir ao espetáculo junto ao palco, numa zona com lotação limitada. Quem quiser optar pelo primeiro balcão, o preço é de 41 euros e toda a zona atrás do "círculo dourado", na plateia, tem o preço de 45 euros.
 
A poucos dias de Portugal receber o "Mega Hits Kings Fest", o Portal 100% DJ foi ao encontro de Nelson Cunha, diretor da Mega Hits, marca que dá nome a este evento que promete marcar a diferença e proporcionar uma noite única a todos os fãs de música eletrónica.
 
As expectativas, os pedidos extravagantes, o porquê de ser só um DJ português a figurar no cartaz, e os pormenores da produção que vai fazer tremer o Meo Arena, são alguns dos temas abordados nesta entrevista exclusiva de antevisão ao evento.
 
Quais são as expectativas para o evento Mega Hits Kings Fest?
O alinhamento do cartaz diz tudo. Estamos confiantes de que teremos uma noite que ficará novamente para a história da música eletrónica em Portugal e fico ainda mais satisfeito por ser a Mega Hits a "carimbar" novamente a sua marca num território que temos vindo a construir de forma consolidada, promovendo eventos para o nosso target que marcam pela diferença e qualidade. 
 
Quantas pessoas são esperadas?
As suficientes para termos uma noite mágica à semelhança do que temos produzido nos últimos anos no Meo Arena com a nossa produtora de eventos - Genius y Meios. Basta recordar a "One Last Tour" dos Swedish House Mafia, "I Am Hardwell" o ano passado, e este ano apresentamos um evento em nome próprio - Mega Hits Kings Fest - com DJ’s/produtores de uma nova geração incrível e super talentosa. 
 
Existe grande procura de ingressos por parte de pessoas de outros países?
Sim. Todos sabemos que Lisboa recebe ano após ano cada vez mais turistas. Procurámos também com a realização deste evento contribuir para o reforço do posicionamento de Lisboa como uma capital mais urbana, jovem e moderna, proporcionando aos turistas uma proposta de espetáculo que felizmente não acontece só nas Arenas de Amesterdão, Londres ou Milão. Estamos a colocar Lisboa cada vez mais na rota favorita dos top DJ’s mundiais.
 
Porquê só um DJ português?
Porque só tínhamos seis horas de scheduling para o line-up de artistas. E achámos que o Kura este ano seria uma aposta vencedora tendo em conta a qualidade do trabalho produzido em estúdio, atuações e a popularidade alcançada junto do target. De resto, enche-nos de orgulho ter o #42 do Top 100 da DJ Mag no line-up do Mega Hits Kings Fest. 

Estamos a colocar Lisboa cada vez mais na rota favorita dos top DJ’s mundiais.

 
Há artistas a fazer pedidos extravagantes? 
Por acaso não. Também eu fiquei admirado. Martin Garrix por exemplo pede imensas toalhas, algo normal tendo em conta a máquina de desidratação do #4 do Top 100 da DJ Mag. Os Dvbbs pedem o mítico barco insuflável. Nenhum pedido demasiado extravagante - querem é fazer a festa com o público. O Martin Garrix está muito motivado pois é a primeira vez em Lisboa e numa entrevista recente à Mega Hits confessou estar a preparar várias surpresas especificas para esta noite. Estamos muito ansiosos.
 
De que forma é importante uma rádio como a Mega Hits produzir um evento deste género?
Primeiro temos uma responsabilidade enorme. O ano passado com o "I Am Hardwell" arriscámos tudo quando anunciámos a vinda de Hardwell e estávamos muito longe de saber que seria o DJ #1 do mundo. Após essa noite percebemos que deixámos a fasquia muito elevada para a preparação do "Mega Hits Kings Fest" de 2014. Fizemos um longo trabalho de prospeção de mercado, encontrar os artistas certos, a combinação ideal alinhada com as disponibilidades de agenda não foi fácil. E não se trata da produção de um evento qualquer numa sala mediana, ou ambiente igual a tantos outros. Teria de ser diferente. Nesse sentido cumprimos o nosso objetivo, construir um alinhamento que fizesse o "fit" com a linha editorial da Mega Hits e o target da estação.
 
 
A Mega Hits vai continuar a apostar na música eletrónica?
É muito provável que sim, mas todos sabemos a facilidade com que os jovens mudam de gostos e hábitos. Estaremos atentos e com novidades a apresentar brevemente.
 
Que mensagem gostaria de deixar ao público?
Quem ainda não comprou bilhete, despache-se. Quem já comprou, acredito que vai viver uma das melhores experiências das suas vidas. Estão a chegar a Lisboa oito camiões de 20 metros de comprimento com equipamento que irá tornar este espetáculo fabuloso. Efeitos especiais, lasers, CO2, pirotecnia em tudo superior aos espetáculos "I Am Hardwell" ou "One Last Tour" dos Swedish House Mafia, mais de 170.000W de som, 200m2 de ecrãs vídeo, um cenário audiovisual nunca antes visto no Meo Arena. Mais de 200 pessoas estão envolvidas na produção do evento. Portanto demasiados motivos para ir e ir. Vão guardar recordações magníficas desta noite, o ambiente no Meo Arena será mágico. Sugeria que fossem cedo de forma a não perderem um único BPM da viagem que tem início marcado para as 21 horas. Na Mega Hits estamos todos muito excitados com a produção deste evento e vamos experienciá-lo de forma muito especial ao lado dos nossos ouvintes e fãs de EDM.
Publicado em Mix
Nos últimos meses, uma das maiores curiosidades que circulou a grande velocidades nas redes sociais foi a pergunta: “afinal, quem são os Kanalhas?”. Depois de terem recebido destaque e apoio a nível internacional com os seus mais recentes remixes, o Portal 100% DJ esteve, em exclusivo, à conversa com a dupla portuguesa que promete dar que falar nos próximos tempos. As suas influências musicais, os projetos e se Portugal é um público difícil de agradar, são apenas alguns dos assuntos abordados nesta entrevista que desvenda quem está por detrás destes Kanalhas.

 

Que influências musicais possuem?
Musicalmente escutamos de tudo um pouco. O que ficar no ouvido serve de influência e inspiração para produzirmos boa música. Somos duas pessoas criadas nos arredores de Lisboa e temos várias influências desde ritmos africanos, latinos, música árabe, brasileira, Rap, Old School, House… Tudo para nós passa por uma fusão de estilos. Enquanto produtores as nossas referências passam por GTA, Major Lazer, Diplo, DJ Snake, Dillon Francis, Bro Safari, Hasse de Moor, Wiwek, Ape Drums, entre muitos outros. As nossas bases vão desde o Hip Hop à música eletrónica. 
Temos em mente que o futuro da música passa por criar uma “fusão” mas temos sempre uma forte influência do Moombahton. 
 
Que projetos querem realizar a curto e longo prazo? 
Nós começámos com dois remixes totalmente diferentes um do outro ao nível da sonoridade. O primeiro completamente Moombahton e o outro muito Jungle com um toque Dirty Dutch.
Podemos dizer que foi inesperado o apoio que tivémos no primeiro remix "Dillon Francis & DJ Snake - Get Low". Desde blogs norte-americanos, a produtores dentro da cultura Moombahton, feedback da América Latina à Holanda (com suporte do tema). Foi algo incrível para o nosso primeiro trabalho. Temos muitas ideias guardadas que nos permitem lançar material a curto prazo. Para já, estamos a trabalhar num original com um artista português bastante conhecido, que ainda não podemos revelar o nome.
Neste momento estamos a finalizar dois remixes. Um para o KURA e outro para um amigo nosso francês - o R.WAN. Será um remix da sua música original com o artista americano Snoop Dogg. A longo prazo estamos já a preparar um EP e estamos em contato com artistas norte-americanos e alguns nacionais.
 
 
 
Consideram que Portugal tem público para este projeto? 
O nosso projeto é virado para o mercado internacional (nem poderia ser de outra forma). Portugal tem um mercado relativamente pequeno e existem imensos artistas com qualidade no nosso país, o que dificulta que todos consigam ganhar cota de mercado. Iremos apenas estar presentes em festivais e eventos que justifiquem, para não “cansar” o projeto e as atuações serão escolhidas com critério. 
Temos recebido bastante apoio nas nossas redes sociais (Facebook e Soundcloud) e queremos que quem vá assistir às nossas atuações se identifique connosco e com a nossa música.  
 
É um público difícil de agradar? 
É uma pergunta complexa. Nos dias de hoje está tudo muito rápido. A música está como a fast food... de “consumo rápido”. O público habituou-se a ter muito por onde escolher e tem um grau de exigência muito maior do que tinha antigamente. Não basta a componente musical. Hoje temos de dar um bom espetáculo e boas atuações e é isso que pretendemos fazer. 
 

Nos dias de hoje está tudo muito rápido. A música está como a fast food... de ‘consumo rápido’.

 
Para finalizar, a pergunta que se impõe: quem são os Kanalhas ?
Os Kanalhas são uma dupla composta por dois DJs e produtores: o Stikup e o King Kong (Pedro Maurício).
O Stikup tem um longo trajeto e passou por projetos como Makongo, Flow 212 e agora com os Dynamic Duo tem percorrido os palcos e clubes nacionais. O King Kong esteve ligado à Enchufada (editora dos Buraka Som Sistema) e já produziu temas com o Branko, Fred (Orelha Negra, 5-30, Banda do Mar), além de originais e temas para inúmeros artistas tais como Carlão, Blaya, Diogo Piçarra, Francis Dale, entre outros. Produziu recentemente com Fred a famosa música "Hands Up" para a Moche.
Já nos conhecemos desde o início do movimento Moombahton e da altura do Dirty House (Holandês) e como temos o mesmo gosto musical decidimos produzir algo a dois e ficou logo uma química. A partir daí foi trabalhar e aqui estamos. 


 
Que mensagem querem deixar aos leitores da 100% DJ?


Antes de mais, queremos agradecer à 100% DJ pelo trabalho que tem feito e pela importância que tem no mercado nacional da música eletrónica. Para os leitores, deixamos uma mensagem de agradecimento pelo apoio que temos recebido. A seguir ao verão, iremos iniciar os nossos concertos e esperamos por vocês. 
 

Segue os Kanalhas nas Redes Sociais

   

 
 
Publicado em Entrevistas
Deixou a carreira de professor de educação física e moral para se dedicar de corpo e alma ao djing e à produção musical. Quando se fala de Yves V, é inevitável referir o festival Tomorrowland, uma vez que o artista belga é considerado o DJ residente. Graças ao impacto das suas atuações transmitidas para todo o planeta, hoje em dia cumpre um dos seus maiores sonhos: viajar por todo o mundo acompanhado da sua música e dos seus fãs. O Portal 100% DJ teve a oportunidade de conversar com o produtor belga, sobre temas como a sua carreira atual, o nosso país e, claro, o festival que é a sua segunda casa.
 
 
És o DJ residente do Tomorrowland. Como te sentes ao fazer parte do maior festival do mundo?
É ótimo. Todas as pessoas me perguntam isso. Eu estou lá quase desde o início por isso eu vi toda a evolução. Agora tenho o meu próprio palco e atuei também no Main Stage, na edição do Brasil e dos Estados Unidos da América. Estou muito feliz por continuar lá e posso chamar-me de ‘DJ residente’ daquele festival, porque às vezes as pessoas não sabem onde é a Bélgica, a minha terra natal, mas sabem onde é o Tomorrowland.
 
Qual é a tua opinião sobre a expansão do Tomorrowland para outros países como o Brasil ou os Estados Unidos da América?
É muito bom, penso eu. Especialmente o Brasil, na minha opinião, é um grande mercado para mim. O público brasileiro e o Tomorrowland são uma combinação muito boa. A primeira edição ficou esgotada em duas horas e a edição americana também vendeu bem. Acho bem que não o façam em todos os países, mas sim em todos os continentes. É positivo expandir a marca.
 
Já atuaste várias vezes no nosso país. O que tens a dizer sobre Portugal e o nosso público?
Fantástico! Amo o clima, porque é muito diferente da Bélgica e o público tem sempre muita energia. Todos estão felizes e sabem as músicas, é uma das coisas que se consegue ver. A última vez que cá estive, havia pessoas no público com uma bandeira com o nome de uma faixa minha que ainda não tinha sido lançada, foi muito bom. 
 
Conheces algum DJ português?
Sim, o Kura. Que outros DJs portugueses me aconselham?
 
E para quando uma colaboração com um DJ português?
Atualmente estou a planear com o Kura para fazermos alguma coisa. Até agora não tenho nenhuma produção com um artista português mas nunca se sabe o que o futuro possa trazer.
 

(…) o meu maior objetivo: viajar pelo mundo e partilhar a minha música.

 
Qual é a tua colaboração de sonho?
É difícil dizer um só nome, mas se pudesse escolher seria alguém fora da música de dança. Alguém de uma banda de rock, de música clássica, ou um cantor. Algo totalmente diferente e que as pessoas não estejam à espera.
 
Como por exemplo?
Há muitos bons cantores, como por exemplo a Birdy. Ela tem uma voz muito boa que desperta muitas emoções. Iria ser uma excelente combinação. Mas há muitos outros bons nomes que seriam uma boa hipótese. 
 
Qual foi o melhor momento da tua carreira?
É óbvio que tenho de referir novamente o Tomorrowland. O mundo inteiro está a ver o Main Stage e aquilo que tu estás a reproduzir naquele momento. Cada vez que atuo lá, consigo ver as reações nas redes sociais. O Tomorrowland é sempre um momento alto na minha carreira.
 
Na tua opinião, quem merece a primeira posição do Top 100 DJs da DJ Mag?
É uma pergunta muito difícil. Mas acho que a resposta é Dimitri Vegas & Like Mike. São os meus irmãos da Bélgica. Na minha opinião é muito difícil dizer quem possa ser o melhor DJ do mundo, porque existem muitos bons artistas.
 
Que novidades podes desvendar acerca do futuro da tua carreira?
Tenho muitas novas produções a chegar. Espero que tudo corra bem. Vou estar em digressão e esse é o meu maior objetivo: viajar pelo mundo e partilhar a minha música.
 
Que mensagem gostarias de deixar aos seguidores e leitores do Portal 100% DJ?
Quero agradecer a todos que têm ido às minhas atuações e se nunca o fizeram, espero conhecê-los em breve num dos meus próximos shows. Continuem a apoiar a música eletrónica!
 
 
Segue Yves V nas redes sociais
     
 
Publicado em Entrevistas
Disse aos amigos, que no Ultra Music Festival, não se importava de tocar em qualquer lado, nem mesmo na roulotte das bifanas. Este ano, João Rosário, membro da dupla KEVU, estreou-se no cartaz do evento e atuou, não na roulotte, mas no palco The Arrival, que embora pequeno em tamanho, tem um significado gigante na sua carreira. Uns metros ao lado e pela segunda vez consecutiva, o jovem português, em conjunto com Mykris subiu à cabine do palco principal para apresentar o seu novo remix para Sean Paul. Além dessa experiência, nesta entrevista exclusiva realizada em Miami, quisemos também saber que oportunidades tem tido nos vários eventos internacionais por onde tem passado e que novidades tem na sua carreira.

Pelo segundo ano consecutivo subiste ao palco principal do Ultra Music Festival. Conta-nos como foi essa experiência.
Tanto este como no ano passado fui ao mainstage com o Mykris. O Ultra para mim é o melhor festival do mundo, além do Tomorrowland. Prefiro o Ultra porque gosto muito de Miami. Subir ao palco foi uma experiência incrível. Começámos a ver o livestream há 4 anos, ainda não eramos DJs e estarmos a ver na televisão é uma coisa e depois pisar o palco é um pouco surreal. Foi uma experiência espetacular que também me ajudou a nível de credibilidade da marca KEVU. Foi inesperado para muita gente e ajudou-nos também no nosso país. A experiência em si é surreal. 

Que expectativas tinhas para a edição deste ano?
A representar os KEVU, fui tocar num palco novo, pequenino, mas que já é um palco do Ultra. Eu disse aos meus amigos, que no Ultra, nem que fosse na roulotte das bifanas, eu não me importava de tocar. Toquei num palco bastante interessante, o The Arrival, penso que é para aqueles DJs que estão agora a entrar no Ultra. Quem sabe, para o ano, não tocamos no mainstage, não é impossível. Se há 4 anos eu nem sequer era DJ e agora estou aqui… tudo pode acontecer.

Qual é a sensação de representarem Portugal na Miami Music Week e também no Ultra Music Festival?
Portugal é um dos países mais fortes, senão o mais forte a nível de público e paixão pela música. Tivemos a oportunidade de estar na EDP Beach Party no ano passado e conseguir ver isso. É um orgulho imenso mas a vontade é cada vez chegar mais longe, para podermos continuar a crescer como marca e colocar o nosso país no mapa, porque há mesmo muito talento em Portugal.

Certamente que este tipo de eventos internacionais dá-vos a oportunidade de conhecer artistas e personalidades do meio da música eletrónica. Consideras que são importantes para a vossa carreira? Já vos abriram algumas portas?
Sim, quer seja o Ultra, a Miami Music Week ou o Amesterdam Dance Event na Holanda, são eventos onde está presente todo o negócio. Já conheci nestes dias muita gente, conversei com várias pessoas no backstage e depois surgem colaborações, troca de ideias e números de telefone. Ou seja, em casa não se conseguia fazer isto. Aqui há uma facilidade muito maior de se chegar a outros DJs de renome, a outras labels e fazer contactos com pessoas de outros países, como do México ou do continente asiático. São esse tipo de coisas que vamos falando no backstage e que vai ajudar-nos na carreira certamente.

Que novidades podem desvendar sobre o futuro dos KEVU?
Felizmente temos uma agenda muito preenchida daqui para a frente. Temos também quatro ou cinco músicas já assinadas em grandes labels mundiais, colaborações com Blasterjaxx a sair agora, com o MOTi também. 
 

Publicado em Entrevistas
O DJ português Steven Rod encontra-se em Miami, com várias atuações marcadas durante a semana da música eletrónica, em clubes como Ora, D-A Vila Downtown, Ocean’s Tem Ocean Drive e Seaspice. Estivémos à conversa com o artista acerca da cidade norte-americana, do espírito da Miami Music Week e da sua carreira.
 
Já atuaste em Miami por várias vezes, quase já é a tua segunda casa. Além de boa energia, o que consideras importante transmitir ao público durante estes cinco dias?
Sim é verdade, já são alguns anos a atuar em Miami e podem acreditar que cada vez mais me sinto em casa, tem sido uma caminhada fantástica. Na semana do Miami Music Week, a maior parte das pessoas vem para cá com o espírito de festa, à procura de grandes eventos com os melhores artistas do mundo! Toca-nos a nós que estamos em cima dos palcos dar um grande show e acima de tudo fazer algo que ninguém está à espera, apresentar temas novos e fazer com que as pessoas passem realmente um bom momento. Nesta semana, Miami está repleto de várias culturas, pessoas de todas as partes do mundo e é sem dúvida fantástico podermos mostrar o que tenho vindo a trabalhar ao longo deste tempo.
 
Na área dos eventos o que encontras em Miami que não existe e fazia falta em Portugal?
O clima! O ambiente tropical. Cada evento é uma experiência, cada evento ensina-nos algo diferente e na verdade eu penso que é a vontade que as pessoas têm de ouvir uma boa sessão. Sinto que aqui vão a um evento e esperam ouvir algo diferente, têm vontade de ouvir o que o DJ tem para lhes mostrar. Não vou dizer que nunca senti isso em Portugal, já senti mas gostava de ver ainda mais esse espírito no meu país. Acredito que no futuro isso vai acontecer. Gostava também que este tipo de eventos em clubes começassem mais cedo, como aqui em Miami.
 
Atuar no Ultra Music Festival é uma meta que pretendes alcançar?
Sem dúvida! Todos sonham em subir ao palco do Ultra Music Festival em Miami. Já alcancei tantas coisas na minha vida que até eu mesmo pensava que nunca iria lá chegar... Porque não continuar a trabalhar para conseguir isso?! 
 
Qual é a sensação de representar Portugal na Miami Music Week?
A sensação é muito boa e torna-se ainda melhor quando sentes o apoio do público português, seja daqueles que estão por cá ou os que me seguem diariamente nas minhas redes sociais. É brutal, muito satisfatório ver e reconhecer portugueses nos eventos onde estou a atuar!
 
Que novidades a curto prazo podes desvendar a cerca da tua carreira?
Felizmente como em todos os anos vou ter o calendário repleto de grandes eventos em Portugal e também em outros países. O início de 2018 foi absolutamente incrível e assim vai continuar! Há também umas colaborações com um artista nacional e outra com um grande internacional e espero que o prazo seja mesmo curto para poder relevar o trabalho que tenho vindo a fazer.
 
Que mensagem gostarias de deixar aos leitores e seguidores do Portal 100% DJ?
Continuem a apoiar a música eletrónica em Portugal e nunca deixem de marcar a vossa presença nos eventos que são produzidos no nosso país. Temos muita qualidade e podemos ser o melhor party people do mundo!
 
Publicado em Entrevistas
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.