28-07-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
segunda, 07 novembro 2016 19:24

101 a 150: DJ Mag divulga segunda listagem

Depois da polémica divulgação dos resultados do Top 100 DJs deste ano, que deu a vitória ao jovem holandês Martin Garrix, a revista DJ Mag divulgou nos últimos dias as posições compreendidas entre os números 101 e 150.
 
Disclosure, Sander van Doorn, Kaskade, Richie Hawtin e o francês Bob Sinclar são alguns dos artistas que compõem esta segunda e menos importante listagem que não contempla artistas portugueses. 
 
Confere em baixo a listagem.
 
101. Cosmic Gate
102. Nucleya
103. Merk & Kremont
104. Chuckie
105. FTampa
106. Gunz For Hire
107. Warface
108. Disclosure
109. Tchami
110. Jetfire
111. Atmozfears
112. Knife Party
113. Sander van Doorn
114. Kaskade
115. Tenishia
116. Zomboy
117. Lost Frequencies
118. Frontliner
119. Noisecontrollers
120. Illusionize
121. R-Wan
122. Krewella
123. Francis Davila
124. Richie Hawtin
125. Quentin Mosimann
126. Kyroman
127. MAKJ
128. Julian Jordan
129. UMEK
130. Chapeleiro
131. Frequencerz
132. Kryder
133. Bob Sinclar
134. Curbi
135. Code Black
136. Junior Jack
137. Berg
138. TJR
139. Paul Kalkbrenner
140. Arty
141. 3 Are Legend
142. Solomun
143. Wasted Penguinz
144. Madeon
145. Fatboy Slim
146. Maceo Plex
147. Astrix
148. MOTi
149. Skazi
150. Orjan Nilsen
 
Publicado em Nightlife
segunda, 15 outubro 2012 22:28

Top 100 DJ Mag: DJ Vibe ocupa número 150

A mais famosa votação a nível mundial de DJs acaba de divulgar a posição número 150, que corresponde exatamente ao Português DJ Vibe.
 
Até sexta-feira, dia em que será conhecido o TOP 100, a Revista DJ Mag irá divulgar em género de countdown, os artistas que ocupam as posições compreendidas entre os números 100 e 150.

Recorde-se que em 2011, Vibe ocupava a posição número 84 e em 2010 a posição número 100.

Prevê-se portanto que este, seja um ano de grandes oscilações no TOP 100 da Revista DJ Mag.
Que chegue sexta-feira!
 
 
O TOP em 2011 era neste figurino:
 
1. David Guetta
2. Armin Van Buuren
3. Tiesto
4. DeadMau5
5. Above & Beyond
6. Avicii
7. Afrojack
8. Dash Berlin
9. Markus Schulz
10. Swedish House Mafia
Publicado em Nightlife
Foi com agrado que recebi o convite da 100% DJ para efectuar uma antevisão do TOP 100 da DJ MAG. 
Se em anos anteriores foi relativamente "fácil" acertar nas posições cimeiras desta tabela (um lugar acima ou abaixo), este ano não tenho tantas certezas. 
Muitos de vocês poderão estar neste momento a pensar que é óbvio que este será o ano do Martin Garrix, outros que o Hardwell ou o Armin Van Buuren regressam ao primeiro lugar e ainda outros que os vencedores do ano passado (Dimitri Vegas e Like Mike) permanecem no topo da tabela, no entanto, nenhum de nós pode afirmar com toda a certeza que o seu palpite será o correcto. 
 
2016 foi ano de Campeonato Europeu de Futebol e tivemos o David Guetta com uma exposição planetária com o seu tema oficial, temos sempre um Tiësto na "corrida" e não nos podemos esquecer do "adeus" do Avicii, do "Sr. dos bolos" Steve Aoki, do Calvin (Harris) e do ano em grande do Oliver Heldens, sem esquecer o DJ Snake, KSHMR e o Kygo (qualquer um destes últimos três nomes devem subir lugares na tabela). 
 
A "luta" pelo Top 20 vai ser mais renhida que nunca e não arrisco dar a minha previsão para posições certas. Estou a esquecer-me de muitos nomes que poderão entrar nos 20 primeiros? 
Certamente que sim (Skrillex, Alesso, W&W, Afrojack, DVBBS, Axwell e Ingrosso, Nicky Romero e até os JackU ou o próprio Diplo). 
 
Por esta altura, já estarás tão baralhado e sem certezas tal como eu estou e nem sequer mencionei os Yellow Claw, Eric Prydz, Major Lazer, Carnage, Kaskade, Don Diablo ou o Steve Angello. Percebes agora as minhas dúvidas para a tabela deste ano? 
 
Falta-me falar dos "nossos" portugueses. Parece-me óbvio que o Kura e o Diego vão fazer parte do Top 100 mas também não consigo prever se irão subir ou descer na classificação. O importante para mim e para os portugueses é que ambos se mantenham nesta tabela sendo a sua classificação irrelevante. Teria certamente um relevo maior se estivessem a competir ou com probabilidades de entrar num Top 10 ou 20 mas não é o caso e assim sendo a classificação que tiverem, para nós portugueses, já é motivo de orgulho (seja ela qual for). 
 

O importante para mim e para os portugueses é que ambos se mantenham nesta tabela sendo a sua classificação irrelevante.

 
Gostava de deixar uma última nota. 
Muitos de vocês ainda se lembram dos nomes que compunham esta tabela à meia dúzia de anos atrás. Certamente 70% ou 80% desses nomes não entram neste Top. Podíamos divagar e voltar a abrir a discussão dos motivos e/ou da forma como estas votações são efectuadas e seria algo que não nos levaria a lado nenhum. Todos temos de compreender que a indústria da música electrónica mudou. É uma indústria que envolve milhões (dinheiro e pessoas) e devido a isso teve de ser adaptada. Hoje em dia "não se vende música" (formato físico ou até digital) como se vendia antigamente, as fontes de rendimento são outras (actuações, streaming, youtube, etc.) e o marketing tem uma importância vital no sucesso dos DJs, mas, na minha opinião, o principal factor de mudança foi a própria musica. 
 
Se à 10 anos atrás me dissessem que o D&B ia mover multidões, que ia haver um estilo "esquisito" como o Dubstep que enchia pavilhões e arenas ou que o Electro ia ter este impacto, eu iria desatar a rir. Tudo acelerou e o que antigamente era "Underground" passou a ser "pop". O que era "moda" e todos ouviam (House, Techouse, etc.) passaria para segundo plano em termos de massas. Alguém conseguiria prever que haveria festivais só com DJs que levassem mais pessoas que os concertos de bandas Internacionais? 
 
Quero acreditar que a música era e vai continuar a ser o principal factor para todas as tabelas, rankings, escolhas do público e até investimento desta indústria. Quem decide é sempre quem consome a música que é produzida. A dimensão que um DJ ou produtor atinge, se é com investimento em marketing, se é produzida por terceiros, se são factores externos (sejam eles quais forem) é sempre algo secundário porque se o público não consumir a música desse artista, não há marketing que lhe valha ou investimento que dê retorno. A música é sempre o primeiro factor de diferenciação.
 
Ricardo Silva
 
Publicado em Nightlife
quinta, 25 outubro 2012 21:30

Vox Pop: o Top 100 da revista DJ Mag

Segundo os resultados da mais famosa votação de deejays, Amin Van Buuren é o melhor DJ do Mundo. O DJ e Produtor de 35 anos, influente num género virado para o trance, voltou a conquistar o primeiro lugar, depois de em 2011, David Guetta ter ficado à sua frente por apenas 1 lugar. Van Buuren soma agora um total de 5 troféus só da Revista DJ Mag.
 
A grande novidade desta edição foi divulgação dos 49 DJs (através da Página de Facebook da Revista) que não entraram no TOP dos 100. Nessa mesma lista, estão os três portugueses: DJ Vibe, Mastiksoul e Diego Miranda. Já Pete Tha Zouk, ocupa a posição número 47.
Todos eles desceram de posição em relação ao ano de 2011.

Quisemos saber a opinião de três pessoas influentes na noite nacional e para este VOX POP convidámos, a Deejay Mariana Couto, Duarte Carvalho da editora Exklusive, e Nuno Gonçalves, Diretor da Revista Supernoite.
 
 

"Qual é a sua opinião sobre o TOP da DJ Mag?"

 
 
Mariana Couto, Deejay
 
Foi incredulamente que tomei conhecimento dos resultados da votação da DJ MAG. Na verdade, fiquei quase em estado de choque. Mas depois de alguns minutos percebi que, o que nos transmite o resultado desta votação é muito mais do que um golpe baixo à qualidade da house music. De facto, todos os DJs, e amantes da noite em geral, devem reflectir sobre este top.

Porque é uma votação que assenta nas opiniões dos clubbers, que votam nos seus artistas favoritos. Ponto. Sim, é evidente que aqui há uma grande dose de "engano": os resultados da votação também dependem diretamente de quanto o DJ investe na sua fan base em termos de campanha "pro voto". E sabemos que muitos investem ao ponto de parar sets, enquanto sabemos que outros se dedicam ao trabalho e deixam que o público fale por si.
(...) Quanto a mim, não votei. Nem neste, nem nenhum do género. A minha forma de homenagear os melhores do mundo, passa por comprar os seus temas, passa por ir vê los, passa por tocar as sonoridades que marcam. (...)
 
De facto, com a massificação e popularização da house music a barreira entre o bom e o mau esbateu-se e dessa mistura, às vezes quase irreal de sonoridades, resulta um top perfeitamente atípico, mas... que, também, dá uma lição de marketing (e aposto que o PSY é que não chegou a tempo...)
 
Quanto a mim, não votei. Nem neste, nem nenhum do género. A minha forma de homenagear os melhores do mundo, passa por comprar os seus temas, passa por ir vê los, passa por tocar as sonoridades que marcam.
O resto? É entretenimento.

PS - Já estive nos headquarters da DJ Mag, em Londres e lembro-me da Liz (na altura a diretora) me dizer que se a revista quisesse enriquecer com os DJs era fácil: não faltavam os que queriam comprar lugares no top. Como diz o outro: "agora pensa!"
 

 

Duarte Carvalho, Exklusive Records
 
O Top dos 100 melhores DJ Mag está cada vez mais polémico. Não concordo inteiramente com isto e passo a explicar porquê. Se olharmos para os primeiros 20, não acho nada estranho ver os nomes tais como, Armin Van Buuren, um gigante do trance que se rendeu ao progressivo, conquistando assim mais uma grande massa de público. Tiësto, já por várias vezes em número 1, de certa forma teve exactamente o mesmo percurso que o Armin. Avicii, acho que nem há comentários a fazer. David Guetta, foi somente o homem que abriu o mercardo norte-americano para a música de dança, e por aí fora...
(...) o que faz a diferença hoje em dia é somente isto, uma boa máquina de promoção a funcionar, algo que, seguramente qualquer um dos TOP 20 tem (...)
 
Creio que o Top se torna algo estranho quando verificamos que grandes mestres da cena electrónica, tais como, Roger Sanchez, Erick Morillo, Fatboy Slim, Sven Vath e outros, caíram do TOP 100.
 
Creio que isto se explica por uma questão de máquinas de promoção, seja em redes sociais, blogs, magazines, TV, e por aí fora, o que faz a diferença hoje em dia é somente isto, uma boa máquina de promoção a funcionar, algo que, seguramente qualquer um dos TOP 20 tem e os que estão mais abaixo são capazes de não ter ou, pelo menos, não se encontra a funcionar a pleno.
 

 

Nuno Gonçalves, Dir. Revista Supernoite
 
Bom, na minha humilde opinião e sem retirar mérito aos restantes DJs, acho que o TOP 10 dos 100 melhores DJs está ocupado realmente pelos "melhores" (Mas será que alguns deles são os melhores? Pelo género musical? Pelas suas capacidades técnicas? Ou pelos seus playbacks ao vivo? Pelo mediatismo que se faz em volta deles? Ficam as questões).
(...) na verdade há que saber dar valor a quem vence, mas temos de dar ainda mais valor a quem batalha ano após ano para, pelo menos tentar vencer, isso sim é um esforço reconhecido.
Voltando à realidade dos 100 melhores, quero apenas dizer que, para a quantidade de DJs que concorre, mais uma vez Portugal está de Parabéns pelas excelentes participações dos nossos artistas (ainda que não inseridos nos 100 melhores), que demonstram mais uma vez que, o que é nacional é bom, e muito.
 
Para finalizar quero apenas deixar uma nota crítica, não só ao mundo da música, mas ao mundo em geral: "as votações valem o que valem, desde que inventaram o dinheiro tudo é subjectivo", na verdade há que saber dar valor a quem vence, mas temos de dar ainda mais valor a quem batalha ano após ano para, pelo menos tentar vencer, isso sim é um esforço reconhecido.
Parabéns a todos os DJs Portugueses que participaram nesta votação.
 
 
Publicado em Nightlife

Há muito tempo que se especula a veracidade do Top 100 da revista britânica DJ Mag. Pela internet circulam inúmeras críticas que além de colocarem em causa da credibilidade da mesma, acusam também a publicação de receber dinheiro por parte dos artistas e agências, de forma a que os mesmos consigam figurar na lista anual. A mais recente “bomba” rebentou pelo testemunho de DJ Stamen, que divulgou através da sua página oficial de Facebook, imagens de e-mails trocados com a revista, a poucos dias de ser divulgada a listagem deste ano.

 
Segundo Stamen, toda esta história começou quando o mesmo contatou a DJ Mag a fim de solicitar os preços de publicidade no website da marca, que vão desde os 40 aos 50 mil euros, um valor que o artista considera alto. Quando se iniciaram as votações, em julho, Stamen partilhou um link direto para a votação do Top 100, que alcançou mais de 127 mil cliques. Cada 1.000 cliques no site oficial da publicação correspondem a 15 euros. Feitas as contas, a partilha de Stamen rendeu à revista mais de 1.900 euros.
 
Terminadas as votações - no passado dia 14 de setembro - o DJ recebe um e-mail da DJ Mag (no dia 28 do mesmo mês) com a excelente notícia de que tinha conseguido entrar no concorrido Top 100, e que teria ainda um lugar especial na revista que poderia aumentar, caso o artista quisesse pagar publicidade à DJ Mag.
 
 
Após receber um novo e-mail, a redação comunica que Stamen ficou colocado na posição número 83 e que o seu perfil vai ser publicado na edição norte-americana da revista. Na mesma mensagem, pode ler-se uma lista de preços e respetivos descontos, para que o artista apareça também em todas as revistas da marca a nível mundial, com valores que oscilam entre os 1.000 e 2.700 euros.
 
 
Em resposta à DJ Mag, o produtor ofereceu um máximo de 500 euros pelo anúncio, alegando que não poderia aumentar o valor. Entretanto foi-lhe apresentada uma contraproposta de 750 euros, que entretanto recusara. No meio de tanto e-mail, foi-lhe também solicitada uma entrevista, posteriormente enviada, com fotografias incluídas.
 
Passado algum tempo, Stamen recebe um novo e-mail da DJ Mag, a afirmar que todos os anos, enquanto se contam os votos, são encontradas várias fraudes e que os seus votos tinham sido excluídos. Concluindo e devido a este alegado problema, o produtor ficou de fora do Top 100 de 2015. Fica no ar a questão de como é que a DJ Mag divulgou a posição de Stamen num dos e-mails trocados, se os votos ainda estavam a ser contados.
 
 
Indignado com a situação, o produtor contatou a DJ Mag a fim de pedir esclarecimentos relativos à origem do problema, oferecendo ainda o ficheiro que provava os 127 mil cliques dos seus seguidores. Depois de vários e-mails trocados, Stamen recebe uma chamada telefónica a 2 de outubro, com a notícia de que a redação não poderia apresentar nenhuma prova sobre os votos fraudulentos, uma vez que os mesmos já tinham sido eliminados.
 
 
A confirmar-se a veracidade deste testemunho que está a dar muito que falar, certo é que a credibilidade do Top 100 levado a cabo pela DJ Mag ficará mais uma vez posta em causa, registando a partir de agora mais um ponto negativo, depois de uma ação não muito clara que contradiz os primeiros e-mails trocados entre a redação da revista e o artista.
 
Stamen ainda é desconhecido no mundo de música eletrónica, no entanto já possui diversos temas editados na Spinnin’, Ultra e Mixmash Records. Os resultados do Top 100 da DJ Mag de 2015 são revelados no próximo dia 16 de outubro, durante o Amsterdam Dance Event, na Holanda.

 

Publicado em Nightlife
Na noite desta sexta-feira, 16 de outubro, todas as atenções estarão centradas em Amesterdão, cidade onde será apresentado o Top 100 DJs que tem tanto de afamado como de polémico. 
 
A cerimónia tem início marcado para as 18:45 horas (menos uma hora em Portugal). Mais uma vez a listagem será apresentada de forma gradual no palco do Amsterdam Music Festival e contará com atuações de vários artistas, entre eles os vencedores das primeiras quatro posições, Vicetone e as irmãs australianas NERVO, que recentemente estiveram em Portugal.
 
Nesse sentido, o Portal 100% DJ está a preparar uma ação inédita, que irá acompanhar em tempo real, a partir das 18 horas, todos os desenvolvimentos e momentos antes, durante e depois do evento que divulgará o Top 100 DJs e que é levado a cabo pela revista britânica DJ Mag. Estarão em destaque as reações dos artistas e seguidores, as posições divulgadas e a festa propriamente dita.
 
Esta ação será conduzida pela redação do Portal 100% DJ, através de uma plataforma dinâmica que estará disponível na página www.100-dj.pt e onde os visitantes podem e devem interagir com as publicações. Também os conhecidos canais da marca 100% DJ estarão em constante atualização como a Página Oficial no Facebook, Twitter e Instagram.
 
Recorde-se que o Top 100 DJs é realizado desde 1993, mas as diferentes posições só começaram a partir do ano 1997, onde o primeiro artista a estrear a posição número 1, foi o mítico Carl Cox. Em 2014 foram contabilizadas 900 mil votações, provenientes de mais de 200 países de todo o mundo. Este ano as votações decorreram entre os dias 6 de julho e 14 de setembro.
Publicado em 100% DJ
A ‘campanha eleitoral’ para o Top 100 da DJ Mag deste ano já começou. Além dos artistas internacionais, são muitos os DJs e produtores portugueses que estão a apelar ao voto, utilizando, maioritariamente, as redes sociais.
 
Kura, que se estreou o ano passado na lista ocupando a posição número 42, iniciou a sua campanha através de um vídeo que mostra os bastidores da vida de DJ. “As votações da DJ Mag já começaram, o vosso apoio é mais importante do que nunca!”, revelou Kura na sua página oficial de Facebook.
 
Há também outros DJs portugueses empenhados a tentar a sua sorte para a edição deste ano do mais disputado TOP 100 de DJs, com apelo ao voto através das redes sociais, junto dos fãs. É o caso do DJ The Fox, que considera que “esta entrada em votação é idealizada de forma a querer mostrar mais do que se faz em Portugal. A produção é o foco e um resultado inesperado pode acontecer!”.
 
Tom Enzy também já iniciou a sua ‘campanha eleitoral’, afirmando que “tem sido um ano incrível” e que “é o momento certo para fazer isto acontecer!”. Depois de apelar votos aos seus fãs, agradece por tornar este “sonho em realidade”.
 
Depois de atuarem no mesmo palco de grandes nomes como Dimitri Vegas & Like Mike ou Steve Angello, a dupla Club Banditz decidiu também apelar ao voto. “As votações da DJ Mag já começaram, o vosso apoio é muito importante!”, relatam os DJs e produtores na página oficial de Facebook.
 
Diego Miranda é também outro português que quer continuar a marcar presença na lista mais cobiçada da música eletrónica. Além de apelar ao voto durante as suas atuações o DJ aposta ainda na distribuição de autocolantes pelos fãs. Através de um vídeo com alguns dos melhores momentos da sua carreira nos últimos anos, o DJ tem contado com o apoio dos seus seguidores para fazer história.
 
Desde o ano 1997 que a presença de portugueses na lista já vem sendo habitual. DJ Vibe foi o estreante, na posição número 36, a mais alta de um DJ nacional até aos dias de hoje.
 
Pete Tha Zouk, Diego Miranda e Kura também já estiveram presentes no Top 100 da DJ Mag nos últimos anos.
 
Em baixo poderás conferir todas as posições de DJs portugueses no Top da DJ Mag, nos respetivos anos:
 
DJ Vibe:
  • 1997 - #36
  • 1998 - #87
  • 2004 - #80
  • 2005 - #40
  • 2006 - #47
  • 2007 - #40
  • 2008 - #79
  • 2010 - #100
  • 2011 - #84
 
Pete Tha Zouk:
  • 2010 - #80
  • 2011 - #37
  • 2012 - #47
 
Diego Miranda:
  • 2013 - #94
  • 2014 - #70
 
Kura:
  • 2014 - #42
 
 
{youtube}b_fjj48U3zk{/youtube}
Publicado em Nightlife
Pela primeira vez, na história do Top 100 DJs, uma dupla chegou ao número 1: os irmãos belgas Dimitri Vegas & Like Mike, subiram este ano 1 posição, para descoroar o holandês de 27 anos, Robbert Van de Corput, conhecido no meio por Hardwell. O restante Top 5 foi, sem surpresas, preenchido por Martin Garrix (3), Armin Van Buuren (4) e Tiesto na quinta posição. Como sempre os resultados foram  apresentados debaixo de fogo e muito comentados pelas redes sociais, com frases de revolta e desagrado em relação à edição deste ano levada a cabo pela revista britânica DJ Mag.
 
Nesse sentido e pelo quarto ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou um desafio a rostos conhecidos e influentes na noite Portuguesa, a fim de responderem à questão “Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da DJ Mag?”. O nosso segundo convidado a responder é Ricardo Silva, da DWM Management. 
 

Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da DJ Mag?

 
Na antevisão dos resultados do TOP da DJ MAG, escrevi e tentei clarificar algumas situações relativas a esta tabela, onde todos sabemos que os resultados são baseados nos votos dos fãs mas também num forte investimento em promoção e na "angariação" de votos. 
 
Após ver os resultados e ler os meios de comunicação social, sites e blogs (worldwide) surgiu a indignação (que não tinha) referente a esta tabela. 
 
Ficou provado pelas classificações e entradas nesta tabela que houve muito mais do que simples investimento em promoção para haver subornos e métodos de persuasão na angariação de votos. 
 
Desde promotoras com Ipads a "solicitar" votos diretos em eventos (Dimitri Vegas e Like Mike foi um dos casos) a ofertas (leia-se subornos) de presentes em troca de votos, tudo valeu nestas votações. Ver entradas de "desconhecidos" a nomes como "Chetas e Miss K8" nesta tabela que destaca os nomes mais sonantes a nível mundial, deixa qualquer um indignado e que prova que neste mercado "vale tudo" para atingir os fins. 
 

Ficou provado pelas classificações e entradas nesta tabela que houve muito mais do que simples investimento em promoção (…)

De uma vez por todas, temos de perceber as diferenças entre investimento em promoção onde é dada a liberdade de escolha e de um "clique" e a "compra ou suborno" que nada traz de benéfico a este mercado e cria uma falsa ilusão de "fama e estatuto". Esta situação aplica-se também às redes sociais (Facebook e Youtube principalmente). Há diferenças entre ter anúncios promovidos ou patrocinados em que é dada a liberdade de fazermos um "like" ou um "view" com uma compra de um simples número irreal e que não traduz a realidade. 
 
Espero que seja o próprio mercado, os clientes e principalmente os fãs que pagam para assistir às actuações que consigam fazer a triagem e separar "o trigo do joio" para que esta tabela tenha algum significado.
 
Ricardo Silva
DWM Management
 
Publicado em Nightlife
A discoteca Lux Frágil voltou a figurar no TOP 100 dos melhores clubs do mundo, divulgado pela revista britânica DJ Mag. O espaço de referência da movida lisboeta subiu este ano quatro posições e ocupa agora o lugar número 78 numa listagem liderada novamente pela discoteca brasileira Green Valley. 

A Hï Ibiza (Ibiza) e a Echostage (Washington) completam as primeiras posições, respetivamente. Além destes, também outros reconhecidos espaços de diversão noturna figuram nas dez primeiras posições, como o Berghain (Berlim, #8), o Zouk Club (Singapura, #9) e o Octagon (Seul, #10). 

Confere o TOP 10 e a listagem completa no site da DJ Mag.

1. Green Valley (Balneário Camboriú, Brasil)
2. Hï Ibiza (Ibiza, Espanha)
3. Echostage (Washington, Estados Unidos)
4. Ushuaïa (Ibiza, Espanha)
5. Printworks (Londres, Inglaterra)
6. Bootshaus (Colónia, Alemanha)
7. Papaya (Zrce Beach, Croácia)
8. Berghain (Berlim, Alemanha)
9. Zouk Club (Singapura)
10. Octagon (Seul, Coreia do Sul)
Publicado em Nightlife
A votação para o mais famoso Top 100 de DJs, este ano patrocinado pela marca de bebida 7UP, arranca a 6 de julho e termina no dia 14 de setembro. Segundo dados divulgados, só em 2014 foram contabilizadas 900 mil votações provenientes de mais de 200 países.
 
Sempre debaixo de uma feroz polémica e da maior especulação, esta votação é levada a cabo desde 1993 pela revista britânica DJ Mag, mas será novamente em Amesterdão, que se realizará a grande festa de apresentação dos resultados e suas respetivas posições. 
 
E por falar em posições, será que este ano, Hardwell irá renovar pela terceira vez consecutiva o título de “número 1”? Ou será que os irmãos Dimitri Vegas & Like Mike conseguirão subir no pódio? E que novos artistas portugueses irão entrar na listagem?
 
Muitas serão as hipóteses, mas tudo ficará em aberto até 16 de outubro, data da cerimónia que irá decorrer no Amsterdam Music Festival, evento inserido no ADE (Amsterdam Dance Event), aquele que é considerado o maior encontro de música eletrónica a nível mundial e que este ano realiza a sua 20ª edição de 14 a 18 de outubro.
 
Recorde-se que desde 1997 e até ao momento, apenas quatro portugueses alcançaram um lugar entre os 100, são eles: DJ Vibe, Pete Tha Zouk, Diego Miranda e mais recentemente a estreia de Kura. 
 
 
Publicado em Nightlife
Pág. 1 de 5

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.