22-10-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

×

Erro

[sigplus] Erro crítico: A pasta da galeria de imagens umfpalco deve ter um caminho relativo para a pasta base das imagens especificada na back-end.

O Ultra Music Festival em Miami, que decorrerá entre os dias 27 e 29 de março, fechou hoje o line up da edição de 2015, onde consta um nome português.
 
RAC é o nome artístico de André Allen Anjos, nascido no Porto, mas vive atualmente em Portland, nos Estados Unidos da América. Uma das suas especialidades são os remixes de grandes artistas como Lady Gaga, Katy Perry, Kings Of Leon ou Lana Del Rey. Recentemente lançou um álbum de originais pela Cherrytree/Interscope Records intitulado “Strangers”, onde estão incluídos os singles “Let Go”, “Hollywood” e “Cheap Sunglasses”.
 
O artista português faz parte do line up do Ultra Music Festival em Miami, subindo ao Live Stage no dia 27 de março. RAC também irá atuar na edição americana do Coachella, nos dias 12 e 19 de abril.
 
No cartaz do festival americano estão ainda incluídos nomes como Afrojack, Alesso, Armin van Buuren, Avicii, Axwell /\ Ingrosso, Carl Cox, David Guetta, Eric Prydz, Hardwell, Knife Party, Nicky Romero, Skrillex, Martin Garrix, Steve Angello, Tiesto, Steve Aoki, entre outros. Podes consultar a lista completa no site oficial do evento.
 
Publicado em Ultra Music Festival
Miami é todos os anos palco de um dos maiores eventos de música eletrónica a nível mundial: o Ultra Music Festival. Inserido na Winter Music Conference, o festival junta na mesma cidade DJs, produtores, agências, editoras e várias pessoas da área da música, onde são apresentados novos temas e projetos a cada ano que passa.
 
O primeiro Ultra Music Festival aconteceu em 1999, com a duração de um dia, num local diferente dos dias de hoje. South Beach, em Miami, era o sítio escolhido pela organização, fundada pelos empresários Russel Faibish, Bruce Braxton e Alex Omes, falecido no ano passado. No ano de 2006, devido ao seu crescimento em larga escala, o festival passou a ter a duração de dois dias, já no local atual, no Bayfront Park, a zona baixa de Miami. 
 
Esse crescimento deve-se também ao livestream feito através do Youtube, no canal UMFTV para todo o mundo, aumentando a sua notoriedade. A partir do ano 2007, o Ultra Music Festival começou a sua expansão para outros países. Espanha (Ibiza), Brasil, Argentina, Coreia do Sul, Chile, Croácia, África do Sul, Colômbia, Japão, Paraguai, Tailândia, Bali e Macau são alguns dos locais por onde o evento já passou e irá continuar a ser realizado. 
 
Este ano, o Ultra Music Festival acontece entre os dias 27 e 29 de março, em Miami. O cartaz de luxo, composto com alguns dos melhores artistas a nível mundial, inclui também RAC, um português, que sobe ao palco do evento no dia 27 de março. As rádios SiriusXM e UMF Radio irão transmitir os sets de vários artistas, bem como entrevistas exclusivas.
 
O Portal 100% DJ entrevistou em exclusivo alguns portugueses que irão viajar até Miami para vivenciar o Ultra Music Festival de 2015.
 
Filipe Pereira tem 27 anos e viaja pela primeira vez para Miami desde Oliveira de Azeméis. Para ele, a sua presença no festival é a “realização de vários sonhos, num só sítio”, e a nível de adereços levará camisolas da seleção nacional, do clube de fãs do Armin van Buuren, do Space Ibiza e a bandeira portuguesa na sua bagagem. Um dos espetáculos que mais quer ver é de Dash Berlin e afirmou ainda que em Portugal não há condições “para um festival de tal envergadura, tanto a nível logístico como financeiro”. O investimento feito para a viagem de sonho foi feito “com muito sacrifício” e muita vontade.
 
 
Natural do Porto, Cristina Lima, de 31 anos, parte em direção ao Festival de Miami pela segunda vez. As suas expetativas “são sempre altas”, pois “é um festival fantástico, enquadrado dentro da cidade de Miami, o que lhe dá um ambiente espetacular”. Cristina tem conhecimento da atuação do português RAC e está “ansiosa por vê-lo ao vivo”, porque “será um orgulho erguer a nossa bandeira na frontline!”. Na sua mala de viagem, “para além do bilhete e da nossa bandeira”, estão também “um bom par de sapatilhas, protetor solar e uma mochila com depósito de água”, um objeto que considera “essencial”. Entre os artistas que mais quer ver ao vivo, destaca a dupla Axwell /\ Ingrosso, no local onde “estamos todos unidos pela cultura da EDM”. Em relação ao Ultra, Cristina afirmou que “não é só o cartaz que conta”, destacando “as condições de segurança, higiene e organização” do mesmo. Em relação ao público alvo, deve ser um conjunto de pessoas “que viva a música”, para não tornar o evento num “festival de adolescentes” que pensam que são “umas férias para estarem com os amigos fora de casa”. Além de ir a Miami, Cristina vai também ao Tomorrowland e ao Ultra Music Festival na Croácia, pois “com planeamento e organização tudo se consegue”.
 
Diogo Lobo é um português de 34 anos, que vive na Dinamarca, e embarca este ano pela primeira vez em direção ao Ultra, apesar de já ter estado presente na Winter Music Conference em 2011. A escolha deste festival deve-se aos artistas, à “variedade de estilo” de música eletrónica, à “praia, calor e a um ambiente multicultural”. Kygo, Gordon City, Odesza, Armin van Buuren e Eric Prydz são alguns dos artistas que tem mais curiosidade em ver, mas “com sete ou oito palcos a atuar ao mesmo tempo, o difícil vai ser escolher quem ver/ouvir”. Para isso, vai “imprimir um horário e definir previamente” a quais pretende assistir. Diogo leva consigo “a carteira, protetor solar, óculos de sol e talvez um boné”, referindo ainda que “não há muito espaço para levar coisas, pois as regras de segurança são muito restritas”. Apesar do território português ter muitos eventos de música durante o verão, “um festival destes faz falta em Portugal, pois seria um estilo alternativo e um público bem mais internacional do que é habitual”. O investimento feito para ir a este Festival “para a maioria das pessoas que vivem e trabalham em Portugal não é fácil, pois tem um peso elevado no orçamento das pessoas”.
 
Vive na capital portuguesa, tem 26 anos e chama-se Armando Gomes. O lisboeta estreia-se este ano no Ultra. Bandeiras de Portugal e calções de praia são alguns dos objetos escolhidos para o acompanharem na viagem, enquanto vai ver alguns dos seus artistas favoritos: Armin van Buuren, Carl Cox, Eric Prydz, Axwell /\ Ingrosso, Kygo, Krewella e Knife Party. Em relação a Portugal, Armando tem a opinião de que “temos condições” para receber um festival deste género, afirmando que o “Ultra Europe bem poderia ser realizado cá”. Para realizar este sonho americano, o jovem revelou que “não é fácil”, pois “estamos a falar de mais de 1000 euros, só entre a viagem de avião e o bilhete do festival”, além do 
“alojamento e os gastos com comida”. Para poupar um pouco, Armando confessa que “requer um controlo orçamental relativamente rigoroso, mas, como é óbvio, um sonho é um sonho e quem corre por gosto, não cansa!”.
 
Com expetativas “muito altas, uma vez que o local é Miami”, Tiago Gomes, de 29 e natural de Cucujães (Oliveira de Azeméis), leva essencialmente alguns dólares, a moeda americana, que certamente lhe irão fazer muita falta. Hardwell e Armin van Buuren são os seus artistas de eleição e não quer perder a sua atuação. Tiago preferiu o Ultra Music Festival ao Tomorrowland “por ser no local que é” e considera que Portugal precisa de um festival do mesmo género.
 
 
 
 
Publicado em Mix
terça, 16 fevereiro 2010 22:31

Ultra Music Festival: de cortar a respiração

Já alguma vez foste a um evento em que tenhas ficado sem respiração? Não?
Então faz as malas para os melhores dias da tua vida e prepara-te para voares até ao maior evento do mundo de música electrónica ao ar livre - Ultra Music Festival.
 
É realizado anualmente em Miami, na Flórida no mês de março, coincidindo com o Winter Music Conference.
Este festival lendário já ganhou os prémios: "Evento Best Music" pela International Dance Music Awards (IDMA) em 2009, 2008, 2007 e 2005, "International Dance Music Festival" pela Ibiza DJ Awards, em 2008 e "Melhor Festa" pela Village Voice Media New York Times em 2009, 2008, 2007 e 2006.
 
Até à data, Ultra tem crescido a cada ano no atendimento, na força do line-up e no valor da produção.
Em 2009 este mega festival, estabeleceu um novo recorde com mais de 85.000 pessoas na festa, presentes durante dois dias, vindos de 56 países e territórios, 50 estados.
 
Originalmente criado em 1999, Ultra tem crescido ao longo dos anos para apresentar os mais quentes, os maiores e os melhores artistas do mundo.
The Prodigy, The Chemical Brothers, Tiesto, Underworld, Moby, Fatboy Slim, Carl Cox, Paul van Dyk, David Guetta, Armin Van Buuren, Erick Morillo, Deadmau5 e Paul Oakenfold, são alguns dos exemplos.
 
Todos os promenores do UMF estão em www.ultramusicfestival.com.
 
Publicado em Ultra Music Festival
Disse aos amigos, que no Ultra Music Festival, não se importava de tocar em qualquer lado, nem mesmo na roulotte das bifanas. Este ano, João Rosário, membro da dupla KEVU, estreou-se no cartaz do evento e atuou, não na roulotte, mas no palco The Arrival, que embora pequeno em tamanho, tem um significado gigante na sua carreira. Uns metros ao lado e pela segunda vez consecutiva, o jovem português, em conjunto com Mykris subiu à cabine do palco principal para apresentar o seu novo remix para Sean Paul. Além dessa experiência, nesta entrevista exclusiva realizada em Miami, quisemos também saber que oportunidades tem tido nos vários eventos internacionais por onde tem passado e que novidades tem na sua carreira.

Pelo segundo ano consecutivo subiste ao palco principal do Ultra Music Festival. Conta-nos como foi essa experiência.
Tanto este como no ano passado fui ao mainstage com o Mykris. O Ultra para mim é o melhor festival do mundo, além do Tomorrowland. Prefiro o Ultra porque gosto muito de Miami. Subir ao palco foi uma experiência incrível. Começámos a ver o livestream há 4 anos, ainda não eramos DJs e estarmos a ver na televisão é uma coisa e depois pisar o palco é um pouco surreal. Foi uma experiência espetacular que também me ajudou a nível de credibilidade da marca KEVU. Foi inesperado para muita gente e ajudou-nos também no nosso país. A experiência em si é surreal. 

Que expectativas tinhas para a edição deste ano?
A representar os KEVU, fui tocar num palco novo, pequenino, mas que já é um palco do Ultra. Eu disse aos meus amigos, que no Ultra, nem que fosse na roulotte das bifanas, eu não me importava de tocar. Toquei num palco bastante interessante, o The Arrival, penso que é para aqueles DJs que estão agora a entrar no Ultra. Quem sabe, para o ano, não tocamos no mainstage, não é impossível. Se há 4 anos eu nem sequer era DJ e agora estou aqui… tudo pode acontecer.

Qual é a sensação de representarem Portugal na Miami Music Week e também no Ultra Music Festival?
Portugal é um dos países mais fortes, senão o mais forte a nível de público e paixão pela música. Tivemos a oportunidade de estar na EDP Beach Party no ano passado e conseguir ver isso. É um orgulho imenso mas a vontade é cada vez chegar mais longe, para podermos continuar a crescer como marca e colocar o nosso país no mapa, porque há mesmo muito talento em Portugal.

Certamente que este tipo de eventos internacionais dá-vos a oportunidade de conhecer artistas e personalidades do meio da música eletrónica. Consideras que são importantes para a vossa carreira? Já vos abriram algumas portas?
Sim, quer seja o Ultra, a Miami Music Week ou o Amesterdam Dance Event na Holanda, são eventos onde está presente todo o negócio. Já conheci nestes dias muita gente, conversei com várias pessoas no backstage e depois surgem colaborações, troca de ideias e números de telefone. Ou seja, em casa não se conseguia fazer isto. Aqui há uma facilidade muito maior de se chegar a outros DJs de renome, a outras labels e fazer contactos com pessoas de outros países, como do México ou do continente asiático. São esse tipo de coisas que vamos falando no backstage e que vai ajudar-nos na carreira certamente.

Que novidades podem desvendar sobre o futuro dos KEVU?
Felizmente temos uma agenda muito preenchida daqui para a frente. Temos também quatro ou cinco músicas já assinadas em grandes labels mundiais, colaborações com Blasterjaxx a sair agora, com o MOTi também. 
 

Publicado em Entrevistas
O design do palco do Ultra Music Festival deveria estar no segredo dos deuses, mas foi acidentalmente divulgado por Martin Garrix, através de uma fotografia publicada na sua página oficial de Instagram.
 
Na foto, o DJ e produtor holandês aparece junto da sua equipa, que preparam os efeitos de iluminação e vídeo. É possível observar nos ecrãs a maquete do palco do Ultra Music Festival, com os testes dos efeitos que irão ser utilizados.
 
Em entrevista ao website Your EDM, Martin Garrix revelou que irá reproduzir no seu espetáculo do primeiro dia do Ultra Music Festival, 8 ou 9 faixas inéditas, que fazem parte do seu álbum de estreia com data de lançamento marcada para abril. O festival de Miami vai decorrer entre os dias 18, 19 e 20 de março, com o português Diego Miranda no cartaz.
 
 
Publicado em Ultra Music Festival

[sigplus] Erro crítico: A pasta da galeria de imagens umfpalco deve ter um caminho relativo para a pasta base das imagens especificada na back-end.

Dois dos quatro trabalhadores, que estavam a operar no palco principal do Ultra Music Festival, que começa hoje no centro de Miami, ficaram gravemente feridos, na noite de ontem, quando uma tela gigante de LEDs caiu, prendendo-os debaixo do mesmo.

Segundo Inácio Carroll, porta-voz dos bombeiros, dois homens sofreram lesões fatais, e possivelmente um deles terá ambas as pernas partidas.

Dois outros trabalhadores também foram atingidos pela queda de equipamentos, sendo que um está considerado estável, e o outro foi tratado no local. Os trabalhadores gravemente feridos foram transportados para o Hospital universitário de Miami 'Jackson Memorial'.

O acidente ocorreu nas 24 horas que antecedem a abertura de portas do Festival, quando um ecrã gigante de leds estava a ser içado no palco. Em vez disso, caiu sobre os quatro homens. Várias fontes, indicam que o LED screen iria ser utilizado na atuação do trio sueco Swedish House Mafia marcado no line-up para as 10:30 [pm].
 
O porta-voz dos bombeiros, adiantou à comunicação social que às primeiras horas do dia, iriam voltar ao local, em conjunto com a organização, para determinar as possíveis causas do acidente.

A comemorar 15 anos de existência, o UMF, considerado um dos maiores festivais de música eletrónica do mundo, receberá durante 6 dias (2 fins-de-semana), artistas como David Guetta, Swedish House Mafia, Deadmau5, Armin van Buuren, Avicii, Snoop Dogg, Afrojack, Fedde Le Grand, entre outros, espalhados por 7 palcos/zonas instalados no Bayfront Park em Miami.

Nota de redação: As primeiras notícias a serem divulgadas indicavam que tinha sido o próprio palco, que tinha colapsado, no entanto veio a confirmar-se, já com equipas de reportagem no local e informações das autoridades, que apenas tinha caído equipamento de leds.
 
Última atualização: 15-03-2013, 15:02h.
 
{gallery}umfpalco{/gallery}
 
 
Publicado em Ultra Music Festival
1828 dias passaram desde a última atuação do mais bem sucedido projeto de música de dança eletrónica. No palco principal do Ultra Music Festival em Miami e perante milhares de pessoas, não só presentes no evento como a assistir à transmissão em direto em todo o mundo, o trio despediu-se de forma emotiva das luzes da ribalta, pelo menos enquanto tutores da "máfia sueca".
 
Nos últimos anos, os rumores dispararam sempre que existia algum movimento, um encontro entre artistas. Muita tinta correu a propósito de um possível regresso e muitos arrepios foram sentidos no corpo só de pensar nisso mesmo. A estratégia de três artistas juntos é delineada ao pormenor e nada pode falhar, nem o término, nem o regresso: cinco anos depois, no mesmo local, numa edição em que tudo pode acontecer, assim garante a organização.
 
A confirmação é feita em exclusivo à redação do Portal 100% DJ por fontes próximas dos artistas e juntando inúmeros factos que ocorreram nas últimas semanas, a margem de erro é quase nula. Garantidamente os três artistas estarão juntos no palco principal durante cerca de 1 hora, no domingo, 25 de março, quando forem 03 horas da madrugada em Portugal. Fica a dúvida se Axwell, Sebastian Ingrosso e Steve Angello darão continuidade ao projeto Swedish House Mafia.
 

As movimentações

O primeiro sinal foi dado no início deste mês na Página de Facebook do coletivo, aquando a atualização de uma nova fotografia de perfil e de capa.
 
O possível reencontro também foi dado como certo por Hardwell. Numa entrevista à rádio holandesa SLAM!, o DJ e produtor holandês foi questionado sobre os rumores do regresso do projeto sueco. “Eu acredito que vai acontecer. Do nada, Steve Angello cancelou sua tour na Ásia, não tem nenhum espetáculo agendado e está em Miami. Para mim, isso significa que vão voltar”.
 
Charly Bendenounm, técnico de iluminação que já trabalhou com o trio, também deixou os fãs a salivar, quando recentemente colocou uma publicação (entretanto eliminada) no seu Facebook, afirmando que os artistas iriam atuar no festival.
 
A pressão é gigante e a fasquia está elevada. Diariamente as redes sociais dos artistas são inundadas com centenas de comentários com pedidos muito sentidos. Dificilmente os artistas suecos não irão ceder. É esperar e ver para crer.
 
Última atualização às 19:00h, 25-03-2018: Hora de atuação. 
 
Publicado em Artistas
O Ultra Music Festival (UMF) regressa à baixa de Miami pela 18ª vez consecutiva nos próximos dias 18, 19 e 20 de março. É um dos festivais de música eletrónica mais famosos, reconhecidos e desejados a nível internacional, com um cartaz de luxo e repleto de novidades a cada ano que passa.
 
Este ano o cartaz é composto por nomes como Blasterjaxx, Don Diablo, Alok, Dyro, Julian Jordan, Afrojack, Carl Cox, Dash Berlin, deadmau5, Kygo e o português Diego Miranda que se estreia no UMF no Stage7.
 
Para quem não tem oportunidade de se deslocar, existem as habituais transmissões em direto através da internet, que deixam os fãs do evento literalmente colados ao ecrã durante várias horas. O livestream da edição deste ano já foi anunciado, através de um video que tem como protagonista Hardwell e o seu cão Jager van de Corput. A transmissão em direto vai ter início a 18 de março e prolonga-se durante os dois dias seguintes.
 
 
A exemplo do ano passado, o Portal 100% DJ esteve à conversa com vários amantes da música eletrónica que já embarcaram no avião com destino a Miami, para viver e experienciar toda a magia do UMF e da Miami Music Week.
 
João Santos é natural de Sintra, tem 22 anos e vai pela primeira vez ao festival. Com expectativas “muito elevadas”, pretende ver bem de perto artistas como The Prodigy, Yellow Claw, Andrew Rayel, e deadmau5. “Para mim existem dois festivais de música eletrónica no mundo: Tomorrowland (Bélgica) e UMF (Miami). O resto é cópia. Uma vez que já fui ao Tomorrowland, falta-me o UMF para cumprir o meu sonho. Não podia estar mais feliz!”, confessa o jovem ao Portal 100% DJ. As suas preferências recaem sobre Pete Tha Zouk e Massivedrum, quando questionado sobre os artistas nacionais que gostaria de ver no "UMF". Na mala de viagem leva a bandeira de Portugal, t-shirt da "Tomorrowland Crew Portugal", protetor solar e calçado confortável. Na opinião do português, no nosso país falta um festival “grandioso”, uma vez que estão reunidas todas as condições tais como “espaço, sol e cerveja”. “Bastava um espaço cuidado e um cartaz competitivo! As pessoas vinham de todo o lado. Vejam o exemplo do Tomorrowland”, diz. Uma vez que ir ao "UMF" não é um investimento barato, o jovem admite que “não foi nada fácil arranjar todo o dinheiro necessário” e teve de “fazer uma espécie de contrato” consigo mesmo: todos os meses, levantava uma quantia certa de dinheiro. O bilhete e os voos foram planeados com alguma antecedência “para garantir os melhores preços”.
 
 
Uma das representantes do sexo feminino português é Susana Coelho, de 35 anos, que partiu diretamente de Boliqueime para Miami pela primeira vez. Apesar de já ter estado presente em alguns festivais, “as expectativas são as mais altas possíveis” e nem as consegue exprimir por palavras. Em Portugal, Susana afirma que existem “excelentes profissionais e pessoas super talentosas” que poderiam subir a um dos palcos do "UMF", como vai acontecer com Diego Miranda. Sapatos e roupa confortável “para dançar e pular todos os segundos do festival”, máquina fotográfica “para poder reviver em Portugal os grandes momentos” e a bandeira nacional são alguns dos objetos que leva na bagagem. Para viajar até Miami, a algarvia realizou algumas poupanças mas afirma que “com algum esforço todos os meses, 'grão a grão' consegue-se. Quando colocamos metas e objetivos, tudo se consegue!”. Um dos conselhos que deixa a quem pretende ir ao "UMF" no futuro é comprar as viagens e bilhetes bastante tempo antes, uma vez que o preço é mais acessível e “não custa tanto, porque os pagamentos são faseados ao longo do ano”.
Hardwell, Armin van Buuren e Steve Angello são os artistas que deseja ver com mais atenção em Miami. “Já que temos tanto turismo, praia e clima fantásticos, porque não sermos conhecidos também por festivais brutais e controlados”, que ao mesmo tempo atraem “mais pessoas a virem conhecer o nosso país?”, questiona Susana deixando a sugestão para a realização de um grande festival em Portugal.
 
 
Tiago Rodrigues tem 27 anos e vive em Issy-les-Moulineaux, em França, de onde partiu em direção ao Ultra Music Festival pela primeira vez. O português não vive de ilusões e vai para Miami com o objetivo de “ver para crer”, toda a grandiosidade do festival de música eletrónica. Apesar de não estar presente atualmente em Portugal, Tiago não foge às suas origens e destaca Pete Tha Zouk como o artista nacional que gostaria de ver num palco do Ultra Music Festival. Na sua mala de viagem, além de todos os objetos essenciais, o português garante que não se vai esquecer da sua garrafa de whisky. Relativamente a Portugal, Tiago afirma que “a nível de festivais, não estamos mal servidos” e que não tem “razão de queixa” quando questionado a respeito do investimento feito para viajar até ao Ultra. Nos seus planos, a atuação de Martin Garrix será imperdível.
 
 
Residente em Leiria, Zé Manel leva as suas expectativas para Miami “muito altas, visto que o line-up está muito bom”. Em Portugal, considera que existem ótimos DJs como o Kura, afirmando que seria “muito bom” vê-lo atuar neste Festival. A câmara GoPro, carteira, bilhete do festival, bandeira de Portugal e da marca Armin van Buuren Intense são alguns dos objetos que irão consigo para Miami. “Infelizmente Portugal precisa de um festival a sério”, afirma Zé Manel ao Portal 100% DJ, poucos dias antes de embarcar no avião com destino aos Estados Unidos da América. Para esta viagem, o português admite que é fácil: “Basta querer. Lutei para ir, pois é complicado devido aos salários baixos que se recebe em Portugal”. Entre os artistas que pretende assistir estão deadmau5, Armin van Buuren e Tiesto.
 
 
Daniel Reis tem 28 anos e vive na Cordinhã (Coimbra). Esta vai ser a sua estreia no Ultra, juntamente com o seu irmão. As suas expectativas são “muito grandes” e consigo leva a bandeira de Portugal, uma “peça fundamental”, tal como o bilhete pois “sem ele não há festa”. Pete Tha Zouk seria a sua escolha nacional para estar presente no cartaz do UMF, se o português fizesse parte da equipa de organização do festival. A atuação dos The Prodigy é uma das mais esperadas por Daniel, que certamente irá assistir bem de perto, uma vez que para realizar esta “viagem de sonho para um festival único” teve “dois anos a juntar dinheiro”. Em relação ao facto de Portugal vir a receber no futuro um evento como o Ultra Music Festival, o jovem confessa que o território lusitano “não tem condições nem logística para um festival deste género”.
 
 
{youtube}F0xoBUDUYyo{/youtube}
 
Publicado em Reportagens

 
Dia 7
 
Segundo dia de Ultra. A manhã é passada a descansar porque hoje o recinto abre ao meio dia. Entramos e vamos ver Fedde Le Grand no mainstage. Depois, andámos a percorrer todos os palcos e fomos até ao merchandising comprar umas lembranças.
 
Adorei o set do Tiësto e, para mim, o momento alto foi mesmo quando a mulher subiu ao palco. Foi arrepiante. Vimos também Jauz, Alan Walker e Afrojack. Fomos até ao palco Resistance ver o rei Carl Cox. Nunca desilude. Fomos até ao palco para ver Kevu e regressamos ao mainstage para o grande show dos The Chaimsmokers. Encerrou o segundo dia de Ultra.
 
Regressámos a casa para descansar porque amanhã será um dia histórico: o regresso do trio Swedish House Mafia aos palcos.
 
Publicado em Ultra Music Festival
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.

Este site utiliza cookies. Ao navegares neste site estás a consentir a sua utilização. Para mais informações consulta a nossa Política de Privacidade.