20-07-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

Segundo os últimos resultados do mais famoso e polémico ranking de DJs - divulgado no passado sábado, 18 de outubro - Hardwell, sem grandes surpresas, volta a alcançar o número 1 de uma listagem de 100 artistas. O DJ e produtor holandês recebe, desta feita, a medalha de “mais popular do mundo”, com Dimitri Vegas & Like Mike e Armin van Buuren a completar o pódio, no segundo e terceiro lugar respetivamente.
 
A lista tem recebido inúmeras críticas relacionadas com o desajustado posicionamento de alguns DJ's reconhecidos mundialmente, como é o caso de Carl Cox, ou pela ausência de Erick Morillo, por exemplo.
 
Pelo terceiro ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou o desafio a três rostos conhecidos e influentes na noite nacional para participar no Vox Pop, onde a pergunta é: "Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"
 
O nosso primeiro convidado a opinar é o DJ Van Breda. Nos próximos dias, apresentaremos mais duas importantes opiniões deste Vox Pop que incide sobre o tão falado Top 100.
 
A Redação 100% DJ.

 
O Top 100 DJ Mag, é para mim, o catálogo de DJs da moda.
 
A DJ Mag faz um top 100 de DJs desde 2004, ou seja há 10 anos e só nos últimos 4 ou 5 é que o comum consumidor de música electrónica tomou consciência da sua existência e testemunhou o galopante crescimento da sua importância na dance scene mundial. E tudo isto, porquê? A meu ver, o destaque que tem sido dado nos últimos anos a este top 100, deve-se a um conjunto de factores:
 
Deve-se à crescente necessidade que os festivais e casas nocturnas de todo mundo têm de fazer valer os seus investimentos, ou seja, quando contratam um artista, além do comum "DJ X autor do hit Y e Z", podem agora vangloriar-se de ter na sua casa um DJ que consta na posição “tal” do top 100. Até que ponto é isto bom para um artista?
 
Imaginem o seguinte, um clube comprou o Cristiano Ronaldo, qual a noticia que faz mais sentido? "Clube Y compra Ronaldo" ou "Clube Y compra Ronaldo, que marcou 234 golos, ganhou 10 campeonatos, faz a depilação, não tem pé de atleta e namora com a Irina.”?
 
Não que eu ache que fazer referências da carreira de um artista na publicidade do mesmo esteja de alguma forma a denegrir a sua imagem, mas quando temos que explicar ao cliente desalmadamente quem ele é, se calhar ele não é assim tão bom ou tão famoso.
 
O Top 100 veio fazer dos DJs os deputados do mundo da noite, entristece-me e irrita‐me ver DJs de todo o mundo literalmente envolvidos em campanhas eleitorais, a fazerem todo o tipo de publicidade ao seu nome, à sua carreira e a relembrar os seus fans que chegou a hora de votarem neles. É do senso comum que a competição existe e é importante se for saudável, da mesma maneira que todos já nos apercebemos que hoje em dia os DJs são mais que artistas e entertainers, são marcas gigantes, com branding e marketing elaborado e é normal que nenhuma marca quer ficar fora seja de que top for.
 
Mas é curioso ver alguns DJs (e por sinal muito bons) a criticarem e até mesmo a boicotarem o top 100, como por exemplo o Diplo e o Dillon Francis que frequentemente falam disso em entrevistas. Existem outros DJs que apesar de figurarem no top não se gabam do mesmo, nem deixam que as casas o façam, a meu ver, uma decisão acertada para quem acha que o seu nome e o seu trabalho fala mais alto.
 

(...) prefiro um dia ser referenciado ou destacado por uma instituição de renome que por um público embebido em campanhas e opiniões distorcidas.

No ano passado fui analisar o top 100 e encontrei um nome que me suscitou imensa curiosidade pois nunca tinha ouvido falar, uma DJ de Hong Kong com pouco mais de 20 anos, até aqui tudo bem, não fosse o seu facebook parecer uma revista masculina reles, ao que eu me pergunto: "Como pode esta criatura estar ao lado de monstros como Carl Cox, Daft Punk ou Axwell?".
 
Não sou contra este top, sou contra o frenesim criado à volta do mesmo. Se este top é realmente para quem tem a melhor campanha e tem mais votos, é algo do qual eu nunca quererei fazer parte, prefiro um dia ser referenciado ou destacado por uma instituição de renome que por um público embebido em campanhas e opiniões distorcidas.
 
Não podia deixar de referenciar a entrada no nosso Kura para o lugar 42, a quem dou os meus mais sinceros parabéns, não só por este objectivo concretizado, mas sim por todo o trabalho e sucesso alcançado ao longo dos últimos anos, ele já constava no meu top muito antes de entrar neste.
 
Para finalizar lanço um exercício mental, imaginem a revista Rolling Stone criar anualmente o top 100 de bandas Rock, quantas acham que se iam envolver nisto?
 
Vemo-nos na pista de dança.
 
DJ
Publicado em Mix
terça, 16 setembro 2008 19:52

Já decorre a eleição do Top 100

Está a decorrer a votação para a eleição do Top 100 da prestigiada Dj Mag, pull em que Dj Vibe obteve no ano transacto um prestigiante 40º lugar.

Tido a par com a Dj List como um dos mais prestigiados rankings de djs do mercado mundial, e tendo Vibe, vindo a ocupar ao longo do último ano e meio posições de grande relevo nestas tabelas, nunca será demais informar que em http://top100djs.djmag.com/ poderá elaborar o seu top e votar naqueles que são os seus djs de eleição, de maneira a que também por estes lados se façam sentir as preferências nacionais.
Publicado em Mix
Os rumores já circulam a bom ritmo, mas apenas será a 18 de outubro que será desvendado o DJ número 1 - segundo a Revista DJ Mag. O tão disputado pódio, foi em 2013 ocupado pelo holandês Hardwell que assumiu o lugar do colega Armin van Buuren. Este ano, os murmúrios apontam que Martin Garrix terá grande oportunidade de se tornar o novo número 1 do Top 100. Em entrevista à revista digital Inthemix, Laidback Luke confessou que a sua preferência está "inclinada" para Martin Garrix. Se isso se vier a confirmar, o topo deste ranking de DJs será ocupado pelo mais jovem artista de sempre, atualmente com 18 anos.
 
"Todo o mundo está convicto que este será o ano de Martin Garrix", disse Luke. "Eu gosto realmente do Martin, ele é um rapaz com os pés bem assentes no chão que apenas está afim de fazer música e de viajar pelo mundo." O DJ, produtor e campeão de Kung Fu considera que o mundo da música de dança precisa de mais estrelas como Garrix. "Ele teve um ano exaustivo e continua a manter-se. Eu sei que é difícil passar de um conjunto de atuações locais para o circuito mundial” referiu.
 
Recorde-se que neste momento Garrix tem mais de 8 milhões de seguidores no Facebook, ultrapassando o atual número 1 da DJ Mag, Hardwell, que detém mais 6 mil e 900 milhões de seguidores.
 
Martin Garrix é o cabeça-de-cartaz da edição deste ano do Mega Hits Kings Fest, que vai decorrer a 22 de novembro do Meo Arena (Pavilhão Atlântico). Nesta festa exclusiva de música de dança, vai partilhar a cabine com Dvbbs, Blasterjaxx, Jay Hardway e o português Kura. Os ingressos já se encontram disponíveis na Blueticket e nos postos de venda habituais com preços que variam entre os 65 euros (Bilhete VIP), 59 euros (Plateia Golden Circle), 41 euros (Balcão 1) e os 45 euros (Bilhete regular).
 
Laidback Luke tem presença marcada em Portugal, na noite em que será anunciado o Top 100, em Coimbra na Festa das Latas e Imposição de Insígnias.
 
Publicado em Artistas
O mais famoso e polémico Top de DJs a nível internacional está de volta e as votações arrancaram hoje, no site oficial do Top 100 DJs da DJ Mag. Este ano, a iniciativa é uma parceria com a UNICEF.
 
No ano passado foi o jovem Martin Garrix a ficar colocado no topo da tabela da DJ Mag, lista onde também estiveram presentes os portugueses Diego Miranda e Kura, nas posições 58 e 51, respetivamente.
 
As votações decorrem até ao próximo dia 13 de setembro. Os resultados vão ser apresentados em outubro, durante o Amsterdam Dance Event.
 
Publicado em Mix

Há muito tempo que se especula a veracidade do Top 100 da revista britânica DJ Mag. Pela internet circulam inúmeras críticas que além de colocarem em causa da credibilidade da mesma, acusam também a publicação de receber dinheiro por parte dos artistas e agências, de forma a que os mesmos consigam figurar na lista anual. A mais recente “bomba” rebentou pelo testemunho de DJ Stamen, que divulgou através da sua página oficial de Facebook, imagens de e-mails trocados com a revista, a poucos dias de ser divulgada a listagem deste ano.

 
Segundo Stamen, toda esta história começou quando o mesmo contatou a DJ Mag a fim de solicitar os preços de publicidade no website da marca, que vão desde os 40 aos 50 mil euros, um valor que o artista considera alto. Quando se iniciaram as votações, em julho, Stamen partilhou um link direto para a votação do Top 100, que alcançou mais de 127 mil cliques. Cada 1.000 cliques no site oficial da publicação correspondem a 15 euros. Feitas as contas, a partilha de Stamen rendeu à revista mais de 1.900 euros.
 
Terminadas as votações - no passado dia 14 de setembro - o DJ recebe um e-mail da DJ Mag (no dia 28 do mesmo mês) com a excelente notícia de que tinha conseguido entrar no concorrido Top 100, e que teria ainda um lugar especial na revista que poderia aumentar, caso o artista quisesse pagar publicidade à DJ Mag.
 
 
Após receber um novo e-mail, a redação comunica que Stamen ficou colocado na posição número 83 e que o seu perfil vai ser publicado na edição norte-americana da revista. Na mesma mensagem, pode ler-se uma lista de preços e respetivos descontos, para que o artista apareça também em todas as revistas da marca a nível mundial, com valores que oscilam entre os 1.000 e 2.700 euros.
 
 
Em resposta à DJ Mag, o produtor ofereceu um máximo de 500 euros pelo anúncio, alegando que não poderia aumentar o valor. Entretanto foi-lhe apresentada uma contraproposta de 750 euros, que entretanto recusara. No meio de tanto e-mail, foi-lhe também solicitada uma entrevista, posteriormente enviada, com fotografias incluídas.
 
Passado algum tempo, Stamen recebe um novo e-mail da DJ Mag, a afirmar que todos os anos, enquanto se contam os votos, são encontradas várias fraudes e que os seus votos tinham sido excluídos. Concluindo e devido a este alegado problema, o produtor ficou de fora do Top 100 de 2015. Fica no ar a questão de como é que a DJ Mag divulgou a posição de Stamen num dos e-mails trocados, se os votos ainda estavam a ser contados.
 
 
Indignado com a situação, o produtor contatou a DJ Mag a fim de pedir esclarecimentos relativos à origem do problema, oferecendo ainda o ficheiro que provava os 127 mil cliques dos seus seguidores. Depois de vários e-mails trocados, Stamen recebe uma chamada telefónica a 2 de outubro, com a notícia de que a redação não poderia apresentar nenhuma prova sobre os votos fraudulentos, uma vez que os mesmos já tinham sido eliminados.
 
 
A confirmar-se a veracidade deste testemunho que está a dar muito que falar, certo é que a credibilidade do Top 100 levado a cabo pela DJ Mag ficará mais uma vez posta em causa, registando a partir de agora mais um ponto negativo, depois de uma ação não muito clara que contradiz os primeiros e-mails trocados entre a redação da revista e o artista.
 
Stamen ainda é desconhecido no mundo de música eletrónica, no entanto já possui diversos temas editados na Spinnin’, Ultra e Mixmash Records. Os resultados do Top 100 da DJ Mag de 2015 são revelados no próximo dia 16 de outubro, durante o Amsterdam Dance Event, na Holanda.

 

Publicado em Mix
terça, 07 outubro 2014 22:56

Top 100 DJ Mag: a antevisão dos resultados

É com enorme agrado que pelo segundo ano consecutivo, aceito o desafio do portal 100% DJ para fazer a antevisão dos resultados para o TOP 100 da DJ MAG. 
 
Este ano continuou a ser marcado por "Animals" e "Tsunamis" onde o Progressive continuou em destaque, apesar de termos presenciado uma mudança nos hits de Verão para temas mais "Deep". No entanto, o "miúdo" que surpreendeu tudo e todos ao entrar na tabela de 2013 directamente para a 40ª posição (Martin Garrix) é falado como o próximo numero 1 do mundo (ainda à dias, o Laidback Luke afirmou que assim seria). 
 
Nesta previsão de resultados que venho apresentar, posso garantir que "Garrix" estará seguramente no TOP 5 mundial mas não acredito que este fenómeno consiga destronar nomes como o de Hardwell ou Armin Van Buuren.
 
Vou fazer algo que não fiz o ano passado e vou "arriscar" na ordem do TOP 5 deste ano, colocando como numero 1 o Hardwell, seguido por Armin Van Buuren, com o fenómeno Martin Garrix a ocupar o ultimo lugar do pódio. Na 4ª posição estarão os "afilhados" do organizador do Tomorrowland - Dimitri Vegas e Like Mike e apesar de ter anunciado o cancelamento dos Tours Mundiais, o Avicii ficará na 5ª posição. Poderei estar enganado na classificação mas acho muito difícil que não seja este o TOP 5 em 2014. 
 

Estou plenamente convencido da 'queda' do Nicky Romero e das 'manas' NERVO (...)

 
No que diz respeito aos lugares cimeiros, estou plenamente convencido da "queda" do Nicky Romero e das "manas" NERVO, numa subida do Steve Angello e tenho algumas dúvidas sobre o posicionamento de David Guetta. Os W&W irão cair certamente, Calvin Harris e Alesso deverão subir e não se consegue prever se Skrillex continuará a ter uma grande votação com a queda do Dubstep e se a sua ligação ao Diplo com o projecto JackU terá sido suficiente para recolher os votos necessários dos fãs.
 
Tiesto, Steve Aoki e Deadmau5 continuam com uma base de fãs sólida e entrarão sem grandes dúvidas nos lugares de destaque tal como o Afrojack. 
 
Algo que ninguém consegue prever, é se nomes como Swedish House Mafia vão continuar na tabela (por razões óbvias e visto os seus elementos "competirem" a solo) e o que será que vai acontecer com os Daft Punk. 
 
Obviamente que faltam aqui imensos nomes que vão constar neste TOP (Above & Beyond, Zedd, Knife Party, Showtek, Dyro, Chuckie, Quentin Mosimann, Blasterjaxx, etc.) mas não quero perder mais tempo e vou falar do realmente interessa a todos nós. OS PORTUGUESES. 
 
Sim, escrevi bem... OS PORTUGUESES. Tudo leva a crer que vamos ter 2 Portugueses no TOP 100 Mundial em 2014. É escusado dizer os nomes mas o KURA e DIEGO MIRANDA estarão nesta tabela e estou convicto de uma entrada histórica do Kura (perto da posição 80) e de uma melhoria do posicionamento do Diego Miranda (em 2013 atingiu a 94ª posição) podendo mesmo chegar aos "70's". 
 

É escusado dizer os nomes mas o KURA e DIEGO MIRANDA estarão nesta tabela (...)

 
Volto a referir que isto são tudo previsões que são baseadas no conhecimento e experiência que fui obtendo ao longo dos anos e que permitem uma análise mais aprofundada mas poderei estar errado (faço votos para que não esteja porque é um orgulho ver 2 Portugueses nesta tabela). 
 
Não posso esquecer os nossos irmãos Brasileiros nesta minha previsão (até porque estou a torcer por um deles). Se os Felguk são presença certa nesta tabela, estou convicto da entrada de um "fenómeno" chamado Ftampa e de quem muito me orgulho, não só pelo seu trabalho e qualidade mas também pelo trabalho do seu manager de quem sou amigo e admirador confesso (Guilherme Tannenbaum) que tem feito um trabalho notável apesar da sua tenra idade.
 
Não vou alongar-me mais e cá estaremos todos para conferir se estas previsões em forma de antevisão estarão correctas e se iremos celebrar a presença de 2 nomes Portugueses nesta tabela que tem servido de referência na escolha dos melhores DJ's dos mundo.
 
Ricardo Silva
Publicado em Mix
Foi com agrado que recebi o convite da 100% DJ para efectuar uma antevisão do TOP 100 da DJ MAG. 
Se em anos anteriores foi relativamente "fácil" acertar nas posições cimeiras desta tabela (um lugar acima ou abaixo), este ano não tenho tantas certezas. 
Muitos de vocês poderão estar neste momento a pensar que é óbvio que este será o ano do Martin Garrix, outros que o Hardwell ou o Armin Van Buuren regressam ao primeiro lugar e ainda outros que os vencedores do ano passado (Dimitri Vegas e Like Mike) permanecem no topo da tabela, no entanto, nenhum de nós pode afirmar com toda a certeza que o seu palpite será o correcto. 
 
2016 foi ano de Campeonato Europeu de Futebol e tivemos o David Guetta com uma exposição planetária com o seu tema oficial, temos sempre um Tiësto na "corrida" e não nos podemos esquecer do "adeus" do Avicii, do "Sr. dos bolos" Steve Aoki, do Calvin (Harris) e do ano em grande do Oliver Heldens, sem esquecer o DJ Snake, KSHMR e o Kygo (qualquer um destes últimos três nomes devem subir lugares na tabela). 
 
A "luta" pelo Top 20 vai ser mais renhida que nunca e não arrisco dar a minha previsão para posições certas. Estou a esquecer-me de muitos nomes que poderão entrar nos 20 primeiros? 
Certamente que sim (Skrillex, Alesso, W&W, Afrojack, DVBBS, Axwell e Ingrosso, Nicky Romero e até os JackU ou o próprio Diplo). 
 
Por esta altura, já estarás tão baralhado e sem certezas tal como eu estou e nem sequer mencionei os Yellow Claw, Eric Prydz, Major Lazer, Carnage, Kaskade, Don Diablo ou o Steve Angello. Percebes agora as minhas dúvidas para a tabela deste ano? 
 
Falta-me falar dos "nossos" portugueses. Parece-me óbvio que o Kura e o Diego vão fazer parte do Top 100 mas também não consigo prever se irão subir ou descer na classificação. O importante para mim e para os portugueses é que ambos se mantenham nesta tabela sendo a sua classificação irrelevante. Teria certamente um relevo maior se estivessem a competir ou com probabilidades de entrar num Top 10 ou 20 mas não é o caso e assim sendo a classificação que tiverem, para nós portugueses, já é motivo de orgulho (seja ela qual for). 
 

O importante para mim e para os portugueses é que ambos se mantenham nesta tabela sendo a sua classificação irrelevante.

 
Gostava de deixar uma última nota. 
Muitos de vocês ainda se lembram dos nomes que compunham esta tabela à meia dúzia de anos atrás. Certamente 70% ou 80% desses nomes não entram neste Top. Podíamos divagar e voltar a abrir a discussão dos motivos e/ou da forma como estas votações são efectuadas e seria algo que não nos levaria a lado nenhum. Todos temos de compreender que a indústria da música electrónica mudou. É uma indústria que envolve milhões (dinheiro e pessoas) e devido a isso teve de ser adaptada. Hoje em dia "não se vende música" (formato físico ou até digital) como se vendia antigamente, as fontes de rendimento são outras (actuações, streaming, youtube, etc.) e o marketing tem uma importância vital no sucesso dos DJs, mas, na minha opinião, o principal factor de mudança foi a própria musica. 
 
Se à 10 anos atrás me dissessem que o D&B ia mover multidões, que ia haver um estilo "esquisito" como o Dubstep que enchia pavilhões e arenas ou que o Electro ia ter este impacto, eu iria desatar a rir. Tudo acelerou e o que antigamente era "Underground" passou a ser "pop". O que era "moda" e todos ouviam (House, Techouse, etc.) passaria para segundo plano em termos de massas. Alguém conseguiria prever que haveria festivais só com DJs que levassem mais pessoas que os concertos de bandas Internacionais? 
 
Quero acreditar que a música era e vai continuar a ser o principal factor para todas as tabelas, rankings, escolhas do público e até investimento desta indústria. Quem decide é sempre quem consome a música que é produzida. A dimensão que um DJ ou produtor atinge, se é com investimento em marketing, se é produzida por terceiros, se são factores externos (sejam eles quais forem) é sempre algo secundário porque se o público não consumir a música desse artista, não há marketing que lhe valha ou investimento que dê retorno. A música é sempre o primeiro factor de diferenciação.
 
Ricardo Silva
 
Publicado em Mix
Até ao ano passado, apenas quatro artistas portugueses tinham figurado no Top 100 da Revista britânica DJ Mag: Kura, Pete Tha Zouk, Diego Miranda e DJ Vibe, que possuí o título de melhor posição de um português até ao momento (#36), decorria 1997, o primeiro ano em que este Top estreava as diferentes posições, hoje bastante disputadas. Apesar de ser o artista nacional com mais posições alcançadas, DJ Vibe não faz parte deste Top desde o ano 2011 (#84).
 
O DJ e produtor algarvio Pete Tha Zouk estreou-se em 2010 com uma entrada direta para a 80.ª posição. No ano a seguir (2011) subiu até ao número 37, a segunda melhor posição de um português neste Top.
 
E porque é de popularidade que esta listagem se faz, também Diego Miranda - que nos últimos anos tem arrastado multidões com o seu carisma e interatividade - não poderia faltar e foi em 2013 que comemorou a sua estreia na posição número 94. O trabalho de apelo ao voto deu frutos e o ano passado escalou até ao 70.º “andar”.
 
Além de Diego Miranda, o ano de 2014 também foi feliz para Kura, que ao jeito de um “kamehameha”, entrou a grande velocidade na cauda do Top e só parou na posição 42 - o número da sua estreia nestas andanças.
 
Ao que tudo indica, este ano será de muitas oscilações, quiçá novas entradas de artistas portugueses, mas tudo ficará em aberto até ao próximo dia 16 de outubro, data em que se realizará a cerimónia de apresentação do Top 100 no Amsterdam Music Festival, evento inserido no ADE (Amsterdam Dance Event) aquele que é considerado o maior encontro de música eletrónica a nível mundial e que este ano realiza a sua edição de 14 a 18 de outubro.
 
Em baixo, poderás conferir todas as posições alcançadas pelos DJs portugueses ao longo dos anos.
 

DJ Vibe

1997 - #36
1998 - #87
2004 - #80
2005 - #40
2006 - #47
2007 - #40
2008 - #79
2010 - #100
2011 - #84
 

Pete Tha Zouk

2010 - #80
2011 - #37
2012 - #47
 

Diego Miranda

2013 - #94
2014 - #70
 

Kura

2014 - #42
Publicado em Mix
terça, 22 outubro 2013 22:07

Vox Pop: o top 100 da revista DJ Mag 2013

Quisemos - e a exemplo do ano passado - saber a opinião de três pessoas influentes na noite nacional sobre o já revelado Top da Revista DJ Mag que sem surpresas dá vitória ao jovem holandês Hardwell. Para este VOX POP convidámos, o DJ e Produtor Carlos Manaça, Andreia Parrinha da Groove TV e Ricardo Silva, responsável pela DWM-D World Management.
 

"Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"

 
 
Carlos Manaça
DJ/Produtor
 
Apesar de ter sido assinante da revista entre os anos 1993 e 2005, há muitos anos que não presto muita atenção ao Top 100 da DJ Mag. Por vários motivos. No início do Top 100, a votação era feita através de um impresso destacável que era enviado, por correio, para os escritórios da revista. Fazia algum sentido ser os leitores da revista e eventuais "clubbers" a elegerem os "100 Melhores DJs". Embora a contagem fosse feita pela redacção da revista e sempre terem havido algumas suspeitas de "favorecimento" de alguns artistas, (tal como em quase todos os Top DJs nas várias revistas da especialidade...) na minha opinião, o método de votação fazia sentido.
 
A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet (através de empresas de marketing que gerem as suas páginas de Facebook, Twitter, Soundcloud, Instagram, entre muitas outras...) ou aqueles que cujas músicas atingem uma maior quantidade de pessoas (neste momento, os produtores do chamado "EDM"), quer sejam "clubbers", quer sejam simplesmente miúdos que não têm sequer idade para entrar numa discoteca/evento de música electrónica. 

A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet.

 
No entanto, acho que o principal problema das votações online foram as muitas irregularidades que foram detectadas logo desde o início, com alguns DJs (ou as suas agências de marketing) a serem "apanhados" (e desclassificados) a fazerem votações massivas com a mesma direcção IP, através de emails "fantasma" ou através de outros métodos. A partir desse momento, as pessoas passaram obviamente a questionar a autenticidade dos votos. Basta fazer uma busca no Google e facilmente se encontram "scripts", aplicações e outros métodos de "contornar" os métodos "normais" de verificação que as páginas usam para "certificar" os votos que são colocados nos respectivos artistas... ou seja, é praticamente impossível garantir que as votações online sejam 100% fiáveis.
 
É um facto que com as votações online a votação no Top 100 da DJ Mag "democratizou-se", permitindo a muitas mais pessoas votarem nos seus DJs favoritos. Também é um facto que neste momento, qualquer pessoa pode ver no Youtube (ou outros), em directo ou diferido, as actuações dos DJs, em alguns eventos, por isso podem ter uma opinião sobre os seus "sets", logo podem votar tendo isso em conta. Mas também é verdade que muita gente vota num determinado DJ sem nunca o ter visto actuar ao "vivo", simplesmente porque gosta dos temas que edita, ou seja pela sua vertente de produtor. Ou porque gosta dos vídeos em que o artista tem "performances" que nada têm a ver com o acto de "Djying" (basta ver as actuações de Steve Aoki).
 
O que me leva a perguntar: o "Top" da DJ Mag deveria continuar a chamar-se "Top 100 DJ"? Não se deveria retirar a palavra "DJ" e substitui-la por uma mais "abrangente"?
 
 
 
Andreia Parrinha
Groove TV
 
O Top 100 da DJ Mag, é apenas mais um concurso injusto como tantos outros.
E com o passar dos anos tem caído no ridículo com tanta especulação em volta das "acções" de marketing para angariar votos. Está completamente viciado e descredibilizado, ao ponto de, na minha opinião, ser preferível nem participar.
 
Não é por estar no Top 100 que se é o melhor, e a prova disso, é a quantidade de nomes (dos verdadeiros senhores) da dance-scene mundial que ficam de fora. Ainda assim, e já que esta votação acontece, é bom ver pelo menos um português na lista.
 
 
 
 
 
Ricardo Silva
DWM-D World Management
 
Mais uma edição do Top 100 da revista DJ MAG, mais uma "avalanche" de indignações sobre a votação. Todos sabemos como funcionam este tipo de "concursos" e a sua "veracidade" dos nomes que constam neste Top. 
 
Num ano em que apenas um Português (Diego Miranda) entrou nesta tabela, há algo que todos temos de compreender. A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação. Não se pode deixar de dar o mérito e o devido valor a quem integra esta lista, mas sabemos a quantidade de artistas que deviam constar na mesma (e não constam).

A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação.

 
Independentemente de todos os factores agregados a este concurso e a esta listagem, quem vive e trabalha neste meio, só tem duas opções. Ou aceita e faz o mesmo que os outros, ou continua o seu trajecto de trabalho, abdicando e sujeitando-se onde poderá chegar. É um mercado cada vez mais difícil e onde a qualidade e o trabalho não são suficientes para garantir o sucesso. É justo? Não. De forma alguma, mas são estas as regras e nem todos conseguem ter condições financeiras, contactos, managers e tempo para poder competir mundialmente. 
 
Por último deixo apenas um pensamento. Quantos DJ's Portugueses poderiam ter uma entrada nesta tabela e porquê? Tirando uma elite de 5 ou 6 que têm actuações ao nível Mundial, Portugal continua com muito pouca qualidade musical para poder ver novos DJ’s a "entrar" nos melhores palcos mundiais. Não será com certeza com as sonoridades que ouvimos na larga maioria dos nossos clubes e discotecas, nem com o que os produtores Portugueses fazem, que os convites aparecem. Produções com "influências" brasileiras e africanas sem qualidade, onde nem ao Brasil ou aos Palop's chegam ou são ouvidas, não são certamente o caminho para podermos ver os novos produtores em festivais de renome mundial.
 
Devido a isso, todas as "queixas" que se possam ter (no que diz respeito aos Portugueses) são infundadas, mesmo sabendo a forma que se pode chegar ao Top 100 da DJ MAG. 
Publicado em Mix
Chega a altura do ano em que os amantes de música electrónica ficam na expectativa pelos resultados do Top da revista DJ Mag. Não serão certamente todos, mas grande parte, porque continuamos com o embate entre duas tabelas distintas: A DJ Mag e o Resident Advisor. 
 
É mais um ano em que recebo com agrado o convite do Portal 100% DJ para comentar e efectuar uma antevisão dos resultados da DJ Mag, que serão revelados no Amsterdam Dance Event e este ano, antes de deixar essa antevisão, vou dizer algumas palavras para tentar clarificar alguma confusão e críticas que esta votação parece exercer. 
 
Apesar de se chamar ‘Top’, temos todos de perceber que os resultados desta tabela valem o que valem, ou seja, não é por um determinado DJ estar numa posição superior ou inferior que é melhor ou pior que outro que nem sequer apareça nesta tabela. 
 
Estes resultados são de alguma forma o reconhecimento dos fãs pelo trabalho que um DJ efectuou durante um ano, uma forma de promoção dos artistas que terá reflexo no valor da actuação dos mesmos, um investimento elevadíssimo por parte de agências ou dos próprios DJs e um ‘veículo promocional’ onde a marca/produto (leia-se DJ) chega aos clientes em todo o globo. Quem não conseguir compreender o objectivo e as diferenças deste ‘Top’ para uma simples votação ou análise de produção ou skills técnicas, irá sempre criticar esta tabela e os seus resultados.
 
No que diz respeito à antevisão dos resultados propriamente dita, este ano não tenho tantas certezas como o ano passado. Foram feitas campanhas e investimentos elevadíssimos e a indústria da Electronic Dance Music está cada vez mais forte. Está a entrar numa espiral que, na minha opinião, está errada com investimentos das largas centenas de milhares de euros, quer em valores cobrados nas actuações, quer no investimento efectuado, o que leva a um descrédito da qualidade musical e dos artistas. A música e o DJ deve estar sempre acima de tudo mas é fácil entender que sem promoção e investimento, por muita qualidade que exista, é difícil alguém chegar a um patamar elevado e global. 
 
No Top 10 julgo que não devemos ter diferenças e os nomes serão os mesmos do ano passado. Hardwell, Dimitri Vegas & Like Mike, Armin van Buuren, Martin Garrix, Tiësto, Avicii, David Guetta, Skrillex e Steve Aoki deverão estar presentes, deixando Calvin Harris e Afrojack na luta pela entrada nestes 10. A minha convicção é a de que este ano, Calvin Harris irá subir a sua classificação, que o Top 5 não terá mudanças e que Axwell /\ Ingrosso vão subir na tabela, tal como DJ Snake (vamos ter surpresas) e os projectos Major Lazer e JackÜ vão aparecer. 
 

Será que não atingimos já valores de actuações descabidos e pedidos inimagináveis por parte dos DJs? Será que o grau de exigência dos DJs desta tabela justificam o que se paga por eles?

 
Relativamente aos portugueses, Kura é claramente onde depositamos as nossas maiores expectativas, com o Diego Miranda sempre à espreita de uma entrada no Top 100. Uma certeza, é que Mastiksoul e Pete Tha Zouk não irão entrar nesta tabela, apesar das suas actuações e reconhecimento mundial, mas por opção própria pois nem sequer fizeram campanha. 
 
Do Brasil, fica a expectativa se Ftampa irá entrar, depois de ter ficado na 102ª posição o ano passado e se os Felguk conseguirão permanecer nos 100. 
 
Certamente iremos ver nomes a sair desta tabela, tendo alguns deles entrado pela primeira vez o ano passado e DJs que muita gente desconhece vão dar entrada. Haverá algumas surpresas (há sempre) como a classificação em 2014 do Deorro e do Borgore e são esses resultados que trazem a curiosidade sobre os mesmos. 
 
Deixo uma última nota e um pensamento sobre esta tabela e o que ela fez nos últimos anos. Será que não atingimos já valores de actuações descabidos e pedidos inimagináveis por parte dos DJs? Será que o grau de exigência dos DJs desta tabela justificam o que se paga por eles?
 
Fica ao critério de cada um que paga para os ir ver/ouvir e de quem os contrata, essa mesma análise. Sabemos os cachets dos DJs portugueses e quem os contrata acha sempre caro, mas continuamos a pagar centenas de milhares de euros por artistas que não são melhores do que temos por cá e na larga maioria das vezes não atraem público que justifique esse investimento. 
 
Esperemos que as mentalidades mudem e que a valorização do que é nosso e da nossa música seja uma realidade em 2016.
 
Ricardo Silva
 
Publicado em Mix
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.

Este site utiliza cookies. Ao navegares neste site estás a consentir a sua utilização. Para mais informações consulta a nossa Política de Privacidade.