Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Semanal
O DJ e produtor português Conde uniu-se à sul-africana Mavhungu para juntos criarem "Manda Aluimbo", um novo tema que retrata o poder que a música tem de unir e de alegrar as pessoas.

Depois de no ano passado ver o seu EP "Connected" a ser editado na Kazukuta Records, Conde apresenta agora "Manda Aluimbo", tema acompanhado de um vídeo-clip gravado entre Portugal e a África do Sul.
 
Com raízes e influências africanas e na música eletrónica desde 2017, Conde promete muita música para os próximos meses, repleta de boa energia e celebração.

O DJ e produtor belga, Yves V, residente do festival Tomorrowland, apresenta o seu mais recente single "Echo" e faz a sua estreia na editora brasileira Controversia Records, sub-label da famosa Spinnin' Records.
 
Natural da cidade de Antuérpia, na Bélgica, Yves V é um dos artistas que mais contribui para a exportação da dance music do seu país na memória recente. Além das inúmeras colaborações com Afrojack, Laidback Luke, Sam Feldt, entre muitos outros, acumula mais de 135 milhões de plays em 96 países.

Ao trabalhar com o duo alemão Quarterhead, que arrecadou disco de platina com "Head Shoulders Knees & Toes" no ano passado, Yves trouxe a sua criatividade única e elementos estilísticos para a produção de "Echo" que já se encontra disponível nas plataformas de música digitais. Repleta de emoção, a música traz acordes crescentes e batidas eletrónicas envolventes dignas do género. 

"Quis fazer algo que fosse uma combinação de Slap House e Brazilian Bass. O drop leva o ouvinte a uma viagem mais profunda mas ao mesmo tempo traz felicidade. É isso que precisamos para 2021", conta o artista.
 
A empresa portuguesa MOT (Memories Of Tomorrow), promotora do RFM Somnii e parceira nacional dos festivais Rolling Loud, Electric Daisy Carnival (EDC) e Afro Nation acredita que o verão de 2021 será de retoma para o setor.

Para Tiago Castelo Branco, diretor executivo da empresa, "é totalmente impensável não ser elaborado um plano concreto, com regras bem definidas, que permita a realização de festivais este verão. Nenhum setor de atividade aguenta dois anos sem trabalhar, para além de que este tipo de eventos representam uma fatia bastante considerável na retoma do turismo nacional".

O impacto económico dos festivais previstos para Portimão (Rolling Loud, EDC e Afro Nation) é gigante e não pode ser descurado no momento de serem tomadas decisões. De acordo com a promotora, estima-se que estes eventos tragam de retorno direto ao Algarve mais de 91 milhões de euros, dos quais 43 milhões serão receitas diretas da hotelaria. "Estes eventos internacionais focam-se muito na captação de público internacional, sendo que à data, 93,5% dos bilhetes comprados foram adquiridos no estrangeiro, representando 163.650 passagens aéreas, das quais 44.185 adquiridas fora do espaço europeu".

Para a região Centro e em particular para a Figueira da Foz, o RFM Somnii é o maior evento do género e aquele que atrai mais turistas. "Existe toda uma cidade a preparar-se, anualmente, para o Somnii. Muitos setores económicos, como a hotelaria e a restauração, veem no festival o início da abertura da época alta de verão. De acordo com um estudo elaborado na última edição (2019), este evento tem um retorno direto na economia figueirense de 11,8 milhões de euros."

Na visão do responsávelo pela empresa, será possível existirem eventos seguros bastando, para tal, criarem-se condições para se realizarem previamente testes à covid-19 e criando "vias verdes" para quem já estiver vacinado. "A DGS deverá definir as condições o mais rapidamente possível para que, em tempo, seja possível aos promotores assumirem os seus compromissos junto do público, fornecedores e artistas".

"Sei que existe vontade do governo e dos municípios em se encontrar uma solução viável, que permita a realização de eventos mitigando o risco. Apesar de estarmos a viver um momento complicado, este é o tempo de se definir uma estratégia para o próximo verão, que permita voltar a trazer a esperança e a confiança nos consumidores e a alavancar o turismo nacional", sublinhou o empresário em comunicado.
 
A nova "Red Edition" de Melancia acaba de chegar ao mercado português, atualizando assim a oferta da marca energética. Diferenciando-se da restante família pela textura e cor vermelha da lata, esta proposta introduz o novo sabor leve e fresco da Melancia.

Disponível exclusivamente em latas de 250 ml, a Red Edition (Melancia) junta-se à Tropical Edition (Tropical) e à Açaí Edition Sugarfree (Açaí) - três sabores que complementam o sabor original de Red Bull Energy Drink e Red Bull Sugar Free.

Presente em 171 países, a Red Bull Energy Drink foi criada há 34 anos, para dar "asas" a um público ativo e dinâmico nos mais variados momentos e ambientes. Seja no exigente dia-a-dia profissional, em época de exames, a jogar online pela noite fora, ao volante ou quando a intensidade dos treinos requer toda a energia e concentração.
"Números dramáticos e preocupantes". Foi desta forma que os responsáveis pela Ticketline e Blueticket, descreveram a situação atual relativamente aos processos de bilhética em Portugal. 

Entre março deste ano, quando foi declarado o primeiro estado de emergência em Portugal, devido à pandemia de covid-19, e o passado mês de novembro, a Ticketline obteve uma receita de bilheteira de 5,312 milhões de euros, o que equivale a uma quebra de 90%, em relação aos 50,690 milhões de euros, obtidos em igual período (março a novembro) de 2019.

Quanto ao total de bilhetes vendidos, entre março e novembro deste ano, atingiram a casa de 643 mil, enquanto no mesmo período do ano passado foram vendidos mais de 3,964 milhões, o que representa uma quebra de 84%.

Por sua vez, a Blueticket refere à Lusa que entre março e novembro desde ano, os meses marcados pela pandemia, registou uma quebra de 82% na venda de bilhetes, face a igual período de 2019. Nestes meses totalizou 1,092 milhões de bilhetes vendidos, enquanto em 2019 a soma atingira as 5,997 milhões de unidades.

Sem referir montantes de faturação, a Blueticket afirma, porém, ter registado uma quebra de 78% entre março e novembro deste ano.

Já a Ticketline, por seu lado, refere que de março a novembro últimos, responderam "a mais 146 mil 'e-mails' de clientes", para "trocas e devoluções de milhares de bilhetes".

Além da diminuição de receitas e do total de ingressos vendidos, a empresa mostra-se ainda preocupada com "a queda do preço médio" dos ingressos, "na ordem dos 23%", o que "desvaloriza cada projeto" que, "na maioria, são de artistas portugueses".
A editora de música eletrónica fundada pelo DJ e produtor DJEFF, celebra nove anos de existência com uma tarde de música este domingo, 17 de dezembro. 

O Kazukuta Live Fest será transmitido a partir das 15 horas nas redes sociais da editora e ainda no Portal 100% DJ e o alinhamento vai contar com os DJs Alpha, Meith, Homeboyz, Helen Ting, Conde, o próprio DJEFF e um convidado surpresa. 

Criada em 2011, a editora Kazukuta foi a primeira label angolana focada em música eletrónica, que em muito já contribuiu para a proliferação deste género musical além-fronteiras. Começou a ganhar reconhecimento internacional em 2014, com o lançamento do segundo álbum de DJEFF "Soldier Ascension" que contou com o apoio de Tony Humphries, Boddhi Satva e Mr. V.

Com registos dentro dos mais variados subgéneros do house music, a Kazukuta Records conta já com inúmeros lançamentos ao longo destes anos. Em 2020, entre outros, lançou "Ven Pa Ka" dos Homeboyz, o álbum de estreia de Meith "When Everything's Gone" e o quarto álbum de estúdio de DJEFF "Enlightened Path".
Três anos depois do seu último lançamento, o DJ e produtor DJEFF presenteia-nos agora com o um quarto álbum de estúdio.

Produzido no decorrer do ano passado, "Enlightened Path" foi inspirado nas inúmeras atuações do artista em todo o mundo e nas suas experiências subsequentes, sendo que apenas foi consolidado nos últimos meses. Tem a colaboração de artistas como Josh Milan, Homeboyz, Brenden Praise, entre outros.

DJEFF revela que "cada faixa foi meticulosamente elaborada para apresentar um som claro e poderoso. Em todo o projeto está presente uma vibração de house music".

Este novo trabalho encontra-se disponível nas principais plataformas online de música e o primeiro single contou com estreia exclusiva no programa de rádio de Pete Tong, transmitido na BBC Radio 1. 

O reconhecido DJ e produtor português The Fox assinou recentemente um novo EP que pode ser adquirido através da sua página na plataforma Bandcamp.

"Love United" apresenta-se com quatro faixas, numa vertente "old school, com influências de terras germânicas e muito por causa de nomes como da Plastic City, Terry Lee Brown Jr, Timewriter, entre outros" afirma o artista.

Imparável durante a Pandemia, além deste EP, The Fox tem também trabalhado noutros projetos musicais que envolvem a rádio e transmissões de sets e conversas informais nas redes sociais.
 

A Altice Arena, em Lisboa, acolhe esta quinta e sexta-feira o Rádio SBSR.FM em Sintonia, um festival de música portuguesa que inclui concertos e conferências, adaptado à pandemia atual. O uso de máscara será obrigatório e em todo o recinto será disponibilizado álcool gel.

Ao longo dos dois dias e a partir das 17h15, pelos três palcos do festival vão passar artistas e bandas como ProfJam e benjiprice, Capitão Fausto, B Fachada, Papillon, Chico da Tina, Afonso Cabral, Paulo Bragança, Amaura, Sreya e o espetáculo "Closer Integral" - Joy Division 40 anos depois, que junta Flak, Alexandre Cortez, Luís San Payo, Filipe Valentim, João Peste e Nancy Knox.

Luís Montez, responsável pela promotora Música no Coração explicou que "era quase uma obrigação da Música no Coração ajudar a nova música portuguesa. Se os artistas consagrados estão a passar dificuldade, imaginem os emergentes, os novos, e muitos deles com trabalhos acabados de sair que ainda não tiveram oportunidade de mostrar ao vivo".

Para este evento está assegurada "a questão do afastamento". "A Altice Arena tem uma capacidade para 20 mil lugares e nós vamos trabalhar para cinco mil, um quarto da capacidade", disse Montez.

Os palcos estarão situados em três salas diferentes - Arena, Sala Tejo e Sala Fernando Pessoa - e o público poderá circular entre eles. "Há vários corredores e só vão ter um sentido. As pessoas entram por um lado e saem pelo outro, nunca há cruzamento", explicou o promotor.

Além da componente musical, o festival inclui seis conferências, subordinadas ao tema "A Indústria da Música no Contexto Atual" que decorrerão entre as 15 horas e as 17h15 e terão transmissão nas redes sociais. 

Durante o festival, será feita no local uma recolha de alimentos não perecíveis para a União Audiovisual, grupo informal criado em contexto de pandemia para ajudar trabalhadores do setor da Cultura.
O Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor revelou esta semana que "os pagamentos no âmbito do programa Apoiar.PT, que disponibiliza 750 milhões de euros a fundo perdido a um vasto conjunto de atividades económicas, vão ocorrer na sua primeira tranche em dezembro". O anúncio foi feito após uma reunião tida na passada quarta-feira com os representantes da Associação Discotecas Nacional.

De acordo com João Torres, o programa já prevê, no caso dos estabelecimentos encerrados desde março, nomeadamente bares e discotecas, "uma majoração dos tectos de apoios de 50%".

"No caso das microempresas, bares e discotecas podem aceder a um subsídio a fundo perdido com um máximo de 11.250 euros e, nas pequenas empresas, esse montante vai até 60 mil euros", explicou.

João Torres sublinhou a importância da reunião, justificando que serviu para "perceber quais seriam as possibilidades de alguma forma poder ir mais especificamente ao encontro da situação muito difícil que vivem os estabelecimentos encerrados desde março de 2020".

Escusando-se a dizer que mais medidas podem ser tomadas para ajudar este setor, o Secretário de Estado avançou que o "anúncio de medidas às atividades económicas de natureza geral ou específica será feito brevemente pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira".

Questionado igualmente sobre uma eventual data de abertura para os bares e discotecas, João Torres referiu ser "precoce e prematuro" avançar com qualquer cenário, reiterando que o Governo tem a "consciência do esforço muito grande" que estas empresas e os seus trabalhadores estão a fazer em prol da saúde pública.

O presidente da Associação Discotecas Nacional, José Gouveia, mostrou-se satisfeito à saída da reunião, considerando que ficou marcada "a abertura imensa do governo" em ouvir o setor das discotecas, que está inserido na animação noturna, "mas tem necessidades específicas" porque "está encerrado há 10 meses sem qualquer tipo de receitas e com custos imensuráveis".

"Todas as medidas tomadas inicialmente era com uma visão a curto prazo, entretanto passaram 10 meses e a perspetiva é irmos para o 15º mês. Não há perspetiva de abrir senão depois do segundo semestre [de 2021]", disse José Gouveia.

A ideia de José Gouveia prende-se com a previsão do plano de vacinação anti-covid-19, que, se "correr como previsto, só a partir do verão de 2021 estas empresas podem pensar em reabrir. Se correr melhor, poderá ser antes", acrescentou.

Segundo o empresário, é necessário "começar a revitalizar as empresas e a renascer as tesourarias que estão todas em falência técnica", lembrando que foram pedidos na reunião "apoios a fundo perdido, o ressarcir de alguns apoios que supostamente eram para curto prazo e depois alongaram-se".

No Apoiar.PT, os apoios são atribuídos sob a forma de subvenção não reembolsável e a taxa de financiamento a atribuir é de 20% do montante da diminuição da faturação da empresa, com o limite máximo de 7.500 euros para as microempresas e de 40.000 euros para as pequenas empresas, mas no caso das empresas cuja atividade principal se encontra encerrada administrativamente o limite máximo é alargado para 11.250 euros, no caso das microempresas, e para 60.000 euros, no caso das pequenas empresas.

Para se candidatarem, as empresas beneficiárias têm de ter situação líquida positiva a 31 de dezembro de 2019 e sujeitam-se a obrigações como não distribuir fundos aos sócios, não promover despedimentos coletivos e não extinguir postos de trabalho por motivos económicos.
Pág. 9 de 80