Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Semanal
A carismática DJ e produtora nacional Miss Sheila encerra a temática dos seus "20 Years of Music" com um aftermovie que a própria descreve como “muito especial”.

No passado 7 de dezembro, data em que fez precisamente um ano que festejou os seus 20 anos de carreira, a artista lançou um vídeo que relembra o grande evento de 2019 que decorreu na discoteca Pacha de Ofir, assim como algumas imagens recolhidas ao longo das suas últimas atuações antes da pandemia.
 
O evento "20 Years of Music" decorreu durante mais de 12 horas e contou com vários amigos e artistas no alinhamento, como os internacionais, Chus & Ceballos, Coyu, Pig & Dan, Rafa Barrios e os nacionais Carlos Manaça B2B Xl Garcia, Fauvrelle, Nuno Clam, Nunno, Eat Dust, Tiger Lewis, Nelly Deep e Mc Johnny Def.

À 100% DJ, Miss Sheila revela que está "imensamente grata por todo o apoio ao longo destes fantásticos anos" e que se encontra ansiosa pelo regresso às cabines. A responsável pela editora Digital Waves disse ainda ter vários projetos em mãos, "prontos a serem revelados dentro em breve".
 
 DJ e produtor Kura é pelo segundo ano consecutivo o artista português com mais ouvintes do Spotify durante o ano de 2020. De acordo com os dados divulgados pela plataforma de música, Kura contou com numa média de 430 mil ouvintes mensais. Mais de três milhões de utilizadores em 92 países ouviram mais de dez milhões de vezes as várias músicas disponibilizadas desde Janeiro.
 
Com uma carreira firmada tanto no nosso país como internacionalmente, Kura soma várias conquistas neste final de ano. Depois de ter lançado o seu mais recente tema "Check the Flow", editado pela Spinnin' Records, em parceria com Incognet, o artista que ocupa a posição número 74 do TOP 100 da DJ Mag, vê novamente o seu trabalho reconhecido, desta vez pela maior plataforma de streaming de música do mundo, o Spotify.
 
quinta, 10 dezembro 2020 22:29

Souza estreia novo projeto nos Açores

No ano em que assinala 10 anos de carreira, o DJ e produtor Souza lança esta sexta-feira dia 11 o seu novo projeto que pretende criar uma fusão entre a música e o que de melhor se pode visitar na Praia da Vitória, nos Açores.

Através de sets previamente gravados em locais emblemáticos, o artista açoriano irá apresentar-se numa transmissão de meia hora que será emitida a partir das 19 horas em Portugal Continental (18 horas nos Açores) nas redes sociais dos parceiros deste projeto onde também a 100% DJ se inclui.

"É para mim uma honra, difundir pelo mundo através desta arte o que de melhor temos na nossa região" disse Souza à imprensa, lançando o desafio a todos os seus seguidores para conhecerem "um pouco melhor a minha terra natal".

Confere em baixo o calendário de transmissões e o respetivo local.

11 de dezembro
Santa do Facho 

08 de janeiro
Serra do Cume

05 de fevereiro
Baías da Agualva 

05 de março
Baía da Praia
 

Segue DJ Souza nas redes sociais e acompanha o seu trabalho. 

O Movimento "A Pão e Água" acaba anunciar que terminou a sua greve de fome, ao fim de sete dias frente à Assembleia da República em Lisboa. Exigiam sentar-se à mesa com o Primeiro-ministro ou com Pedro Siza Vieira, Ministro da Economia.

Tal não aconteceu, mas sim uma reunião de duas horas com o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, que tomou a dianteira da resolução deste impasse, e à saída explicou aos jornalistas que tiveram uma conversa "olhos nos olhos, muito franca e de quem conhece bem a realidade da cidade e do país e de quem ouve os relatos de viva voz de pessoas e de situações concretas".

"Tentámos encontrar pistas, saídas e respostas de forma a apoiarmos a resolução de uma situação que é muito delicada para toda a gente. Saiu daqui um compromisso muito firme da minha parte, em que discuti matérias importantes e com as quais eu concordo" disse Medina.
 
Por outro lado, Ljubomir Stanisic pediu a Fernando Medina que lhe tirasse a fome explicando que o Presidente "esteve em conversa diretamente com Siza Vieira a marcar a reunião para discutirmos estas soluções e que sejam breves. Numa próxima reunião queremos encontrar soluções mais claras."
 
Recorde-se que nove representantes do Movimento "A Pão e Água" estiveram em greve de fome desde a passada sexta-feira. Exigiam ser ouvidos pelo Governo, de forma a discutirem 16 medidas para atenuar os efeitos das regras impostas no combate à Covid-19 e que afetaram os seus negócios.
 
Eis a lista de 16 exigências do movimento "A Pão e Água":
 
1- Apoios imediatos ao setor dos bares e discotecas, eventos, restauração, comércio e todos os fornecedores diretos e indiretos;
 
2- Apoios à restauração e comércio, pela redução de horário;
 
3- Reposição do horário, quer de restaurantes e bares, quer do comércio local;
 
4- Isenção da TSU;
 
5- Redução no pagamento das rendas;
 
6- Redução do IVA;
 
7- Abertura imediata e injeção direta nas empresas, sem a contrapartida de ter os pagamentos às finanças e à segurança social em dia.
 
8- Sócios gerentes terem acesso ao lay off, independentemente de terem uma ou mais empresas ou acumularem com trabalho por conta de outrem, pois fazem descontos em todas;
 
9- Pagamento do IVA automaticamente aprovado em 6 prestações;
 
10- Apoios reais, a fundo perdido, à manutenção de postos de trabalho;
 
11- Apoio às tesourarias das empresas, a fundo perdido;
 
12- Reforço imediato das linhas de crédito, retirando limitação de acessos às novas linhas a quem já recorreu às linhas anteriores;
 
13- Isenção de impostos nas rendas dos imóveis arrendados, durante o período de proibição de exercício da atividade;
 
14- Prolongamento dos contratos de arrendamento, caso sejam a termo por mais de 3 anos;
 
15- Anulação de multas por pagamento atrasado de impostos;
 
16- Prolongamento dos apoios da Segurança Social aos trabalhadores independentes.
quarta, 02 dezembro 2020 22:55

Eddie Ferrer apresenta o seu novo alter ego

Há muito, que Eddie Ferrer tinha o seu nome e caminho bem delineado em Portugal, de onde é natural e também de onde fez sempre questão de demonstrar as suas raízes e paixão pela bandeira e cultura, mas foi além-fronteiras que encontrou o verdadeiro desafio.

Depois de quatro continentes explorados e centenas de atuações realizadas, o artista eleva agora a fasquia e apresenta o seu novo alter ego "ETHNIIA".

Com este novo conceito, Eddie Ferrer pretende mostrar ao mundo, através das suas atuações, o resultado de diversas experiências e partilhar o que absorveu de todas estas culturas que apesar de distintas podem funcionar bem em conjunto através da melhor mensagem do mundo, a música.

"ETHNIIA é uma viagem, é entender o quanto o culto religioso, a posição solar e a rotação da terra pode interferir no caminho musical dos diversos povos" conta-nos o próprio.
 

Depois da colaboração com Moullinex em "Running in the Dark", é a vez de GPU Panic se dar a conhecer em nome próprio com o lançamento do seu mais recente single "Just Go", pela editora Discotexas.

"Just Go" leva-nos a uma viagem energética e acelerada, criando um vulto de emoções às quais podemos sempre voltar. Este é o primeiro lançamento do produtor em nome próprio desde o EP "Sand Haze" em 2017. Estreando-se também como cantor em "Running in the Dark", o último single de Moullinex, esta será a sua primeira faixa a interpretar as suas próprias letras numa voz sussurrante que nos questiona o caminho escolhido, levando-nos a segundos palpites.

O cubo de vidro que nos traz "Just Go" é representado numa capa em 3D por Lourenço Providência e feito no Girina Studio. Este single abre também o caminho para mais lançamentos de GPU Panic num futuro bem próximo e, por isso, a viagem por paisagens misteriosas não acaba aqui.

Não havendo respostas por parte do Governo, ao quarto dia de greve de fome, frente à Assembleia da República, o Movimento "A Pão e Água" lançou uma petição. Exigem ser ouvidos pelo Primeiro-ministro António Costa, ou pelo Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira.

Em cerca de cinco horas, mais de 17 mil pessoas assinaram a petição que tem como objetivo a audiência dos representantes deste movimento por parte do Governo, de forma a que possam ser discutidas 16 medidas pensadas para atenuar as dificuldades sentidas nos últimos meses devido às regras impostas a propósito da pandemia de Covid-19.

Na missiva da petição, o Movimento que representa o setor da restauração, bares, discotecas e eventos descreve que estas áreas foram "bandeira do nosso país. Levámos o nosso nome por esse mundo afora e trouxemos o mundo até nós. Conquistámos prémios em nome de Portugal, usando o país no peito. Trouxemos investimento, turismo, prestígio, receita. Pedimos que o nosso país nos escute agora e nos apoie como sempre o apoiámos."

Cerca de uma dezena de empresários, está, desde sexta-feira, em greve de fome, frente à Assembleia da República "como forma de protesto e em solidariedade por todos aqueles que, neste momento, não têm já o que comer".
JUNIORK, DJ português de Viseu e residente na Alternativa Club em Castelo Branco, lançou recentemente a sua primeira faixa musical.

"Makes Me Feel" conta com caraterísticas clássicas do Future House e marca a sua estreia como produtor. Apesar de a ter criado em 2018, foi agora que recebeu o convite da High Five Music Records para ser editada e lançada em todas as plataformas digitais de música.

Segundo o próprio, com a situação atual que atravessamos, durante os últimos meses, o principal foco foi a "produção musical" e adianta que novas sonoridades estão a ser terminadas e que serão lançadas no decorrer do próximo ano.

A par da produção musical, o seu projeto mensal "JUNIORK Radio Show" ganha cada vez mais força e suporte de grandes nomes nacionais. Durante a fase de confinamento criou o "JUNIORK At Home Invites" onde pretende trazer aos seus seguidores o trabalho de outros DJs e produtores que admira.
 
É mesmo uma sexta-feira negra. Depois da manifestação organizada na passada quarta-feira e que juntou cerca de 2 mil pessoas frente à Assembleia da República, em Lisboa, o movimento "A Pão e Água", representado por empresários e profissionais do setor da restauração, bares, discotecas e eventos vai avançar para uma greve de fome por tempo indeterminado no mesmo local da manifestação, depois da reunião tida esta tarde com a Casa Civil do Gabinete da Presidência ter-se revelado sem sucesso e sem respostas. 

"Não há respostas nenhumas. Só fomos ouvidos" comentava o Chef Ljubomir Stanisic, representante do movimento, à saída da reunião. 

Para atenuar as dificuldades sentidas nos últimos meses devido às regras impostas pelo Governo a propósito da pandemia de Covid-19, empresários e profissionais exigem a adoção de um conjunto de 16 medidas, entre as quais a atribuição de apoios imediatos, a fundo perdido, aos bares e discotecas, eventos, restauração e comércio, pela redução de horário, bem como, a todos os fornecedores diretos e indiretos.

Pede-se ainda a reposição dos horários de restaurantes, bares e comércio local e defende-se a isenção da Taxa Social Única (TSU), a redução no pagamento das rendas e do IVA determinando o pagamento automático em seis prestações.

Em declarações à RTP3 durante a manifestação, José Gouveia, um dos rostos ativos do movimento, relembrou que "110 mil postos de trabalho se irão perder até janeiro" e que, devido à falta de apoios, os trabalhadores "não terão Natal". 

Eis a lista de 16 exigências do movimento "A Pão e Água":
 
1- Apoios imediatos ao setor dos bares e discotecas, eventos, restauração, comércio e todos os fornecedores diretos e indiretos;
 
2- Apoios à restauração e comércio, pela redução de horário;
 
3- Reposição do horário, quer de restaurantes e bares, quer do comércio local;
 
4- Isenção da TSU;
 
5- Redução no pagamento das rendas;
 
6- Redução do IVA;
 
7- Abertura imediata e injeção direta nas empresas, sem a contrapartida de ter os pagamentos às finanças e à segurança social em dia.
 
8- Sócios gerentes terem acesso ao lay off, independentemente de terem uma ou mais empresas ou acumularem com trabalho por conta de outrem, pois fazem descontos em todas;
 
9- Pagamento do IVA automaticamente aprovado em 6 prestações;
 
10- Apoios reais, a fundo perdido, à manutenção de postos de trabalho;
 
11- Apoio às tesourarias das empresas, a fundo perdido;
 
12- Reforço imediato das linhas de crédito, retirando limitação de acessos às novas linhas a quem já recorreu às linhas anteriores;
 
13- Isenção de impostos nas rendas dos imóveis arrendados, durante o período de proibição de exercício da atividade;
 
14- Prolongamento dos contratos de arrendamento, caso sejam a termo por mais de 3 anos;
 
15- Anulação de multas por pagamento atrasado de impostos;
 
16- Prolongamento dos apoios da Segurança Social aos trabalhadores independentes.

"Depois de ter encerrado o primeiro período de candidaturas no passado dia 30 de outubro, o Fundo de Solidariedade com a Cultura abre agora uma nova fase de candidaturas à sua Linha de Apoio Geral", lê-se num comunicado divulgado esta quinta-feira.


A segunda fase de candidaturas irão estar abertas entre os dias 2 e 11 de dezembro com um valor mínimo de 130 mil euros, "podendo ser reforçado com donativos", disse à Lusa fonte da Santa Casa da Misericórdia, que gere o fundo.


A criação do Fundo de Solidariedade com a Cultura, para apoiar os profissionais da cultura, artistas e técnicos, que ficaram sem trabalho por causa da pandemia de Covid-19, foi anunciada em abril pela GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, juntamente com a Audiogest (Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Fonográficos em Portugal).


Entre 19 e 30 de outubro, quando decorreu a primeira fase das candidaturas, "foram submetidos 1.942 pedidos de apoio, onde se incluem 1.057 artistas, 215 técnicos e 171 estruturas artísticas, entre outros profissionais" sendo que a maioria foram submetidas "por profissionais das artes performativas, mais especificamente por aqueles que trabalham no meio da música".


A angariação de donativos "tornou possível a reabertura das candidaturas, desta vez dirigida exclusivamente à Linha de Apoio Geral, sendo que os profissionais que já se candidataram a qualquer uma das linhas de apoio na primeira fase, não poderão apresentar uma nova candidatura".


No comunicado divulgado, salienta-se que "para que possa manter a sua atividade e chegar a um maior número de profissionais, cumprindo verdadeira e plenamente a sua missão de apoio a todo o tecido cultural português, o Fundo continua a aceitar donativos de forma a poder aumentar a verba disponível para a atribuição de apoios".


As pessoas ou entidades que queiram contribuir "podem fazê-lo através de transferência bancária (IBAN: PT50 0018 0000 0301 5822 0015 5 com o titular Fundo de Solidariedade com a Cultura) ou MBWAY (+351 918 889 900)". Todas as informações sobre este Fundo de Solidariedade com a Cultura estão disponíveis no respetivo site

Pág. 10 de 80