09-07-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária

Vox Pop: o top 100 da revista DJ Mag 2013

Publicado em terça, 22 outubro 2013 22:07 | Escrito por
Quisemos - e a exemplo do ano passado - saber a opinião de três pessoas influentes na noite nacional sobre o já revelado Top da Revista DJ Mag que sem surpresas dá vitória ao jovem holandês Hardwell. Para este VOX POP convidámos, o DJ e Produtor Carlos Manaça, Andreia Parrinha da Groove TV e Ricardo Silva, responsável pela DWM-D World Management.
 

"Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"

 
 
Carlos Manaça
DJ/Produtor
 
Apesar de ter sido assinante da revista entre os anos 1993 e 2005, há muitos anos que não presto muita atenção ao Top 100 da DJ Mag. Por vários motivos. No início do Top 100, a votação era feita através de um impresso destacável que era enviado, por correio, para os escritórios da revista. Fazia algum sentido ser os leitores da revista e eventuais "clubbers" a elegerem os "100 Melhores DJs". Embora a contagem fosse feita pela redacção da revista e sempre terem havido algumas suspeitas de "favorecimento" de alguns artistas, (tal como em quase todos os Top DJs nas várias revistas da especialidade...) na minha opinião, o método de votação fazia sentido.
 
A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet (através de empresas de marketing que gerem as suas páginas de Facebook, Twitter, Soundcloud, Instagram, entre muitas outras...) ou aqueles que cujas músicas atingem uma maior quantidade de pessoas (neste momento, os produtores do chamado "EDM"), quer sejam "clubbers", quer sejam simplesmente miúdos que não têm sequer idade para entrar numa discoteca/evento de música electrónica. 

A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet.

 
No entanto, acho que o principal problema das votações online foram as muitas irregularidades que foram detectadas logo desde o início, com alguns DJs (ou as suas agências de marketing) a serem "apanhados" (e desclassificados) a fazerem votações massivas com a mesma direcção IP, através de emails "fantasma" ou através de outros métodos. A partir desse momento, as pessoas passaram obviamente a questionar a autenticidade dos votos. Basta fazer uma busca no Google e facilmente se encontram "scripts", aplicações e outros métodos de "contornar" os métodos "normais" de verificação que as páginas usam para "certificar" os votos que são colocados nos respectivos artistas... ou seja, é praticamente impossível garantir que as votações online sejam 100% fiáveis.
 
É um facto que com as votações online a votação no Top 100 da DJ Mag "democratizou-se", permitindo a muitas mais pessoas votarem nos seus DJs favoritos. Também é um facto que neste momento, qualquer pessoa pode ver no Youtube (ou outros), em directo ou diferido, as actuações dos DJs, em alguns eventos, por isso podem ter uma opinião sobre os seus "sets", logo podem votar tendo isso em conta. Mas também é verdade que muita gente vota num determinado DJ sem nunca o ter visto actuar ao "vivo", simplesmente porque gosta dos temas que edita, ou seja pela sua vertente de produtor. Ou porque gosta dos vídeos em que o artista tem "performances" que nada têm a ver com o acto de "Djying" (basta ver as actuações de Steve Aoki).
 
O que me leva a perguntar: o "Top" da DJ Mag deveria continuar a chamar-se "Top 100 DJ"? Não se deveria retirar a palavra "DJ" e substitui-la por uma mais "abrangente"?
 
 
 
Andreia Parrinha
Groove TV
 
O Top 100 da DJ Mag, é apenas mais um concurso injusto como tantos outros.
E com o passar dos anos tem caído no ridículo com tanta especulação em volta das "acções" de marketing para angariar votos. Está completamente viciado e descredibilizado, ao ponto de, na minha opinião, ser preferível nem participar.
 
Não é por estar no Top 100 que se é o melhor, e a prova disso, é a quantidade de nomes (dos verdadeiros senhores) da dance-scene mundial que ficam de fora. Ainda assim, e já que esta votação acontece, é bom ver pelo menos um português na lista.
 
 
 
 
 
Ricardo Silva
DWM-D World Management
 
Mais uma edição do Top 100 da revista DJ MAG, mais uma "avalanche" de indignações sobre a votação. Todos sabemos como funcionam este tipo de "concursos" e a sua "veracidade" dos nomes que constam neste Top. 
 
Num ano em que apenas um Português (Diego Miranda) entrou nesta tabela, há algo que todos temos de compreender. A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação. Não se pode deixar de dar o mérito e o devido valor a quem integra esta lista, mas sabemos a quantidade de artistas que deviam constar na mesma (e não constam).

A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação.

 
Independentemente de todos os factores agregados a este concurso e a esta listagem, quem vive e trabalha neste meio, só tem duas opções. Ou aceita e faz o mesmo que os outros, ou continua o seu trajecto de trabalho, abdicando e sujeitando-se onde poderá chegar. É um mercado cada vez mais difícil e onde a qualidade e o trabalho não são suficientes para garantir o sucesso. É justo? Não. De forma alguma, mas são estas as regras e nem todos conseguem ter condições financeiras, contactos, managers e tempo para poder competir mundialmente. 
 
Por último deixo apenas um pensamento. Quantos DJ's Portugueses poderiam ter uma entrada nesta tabela e porquê? Tirando uma elite de 5 ou 6 que têm actuações ao nível Mundial, Portugal continua com muito pouca qualidade musical para poder ver novos DJ’s a "entrar" nos melhores palcos mundiais. Não será com certeza com as sonoridades que ouvimos na larga maioria dos nossos clubes e discotecas, nem com o que os produtores Portugueses fazem, que os convites aparecem. Produções com "influências" brasileiras e africanas sem qualidade, onde nem ao Brasil ou aos Palop's chegam ou são ouvidas, não são certamente o caminho para podermos ver os novos produtores em festivais de renome mundial.
 
Devido a isso, todas as "queixas" que se possam ter (no que diz respeito aos Portugueses) são infundadas, mesmo sabendo a forma que se pode chegar ao Top 100 da DJ MAG. 
Este artigo foi lido 2910 vezes