11-12-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

sábado, 12 janeiro 2019 00:49

AIMEC abre curso de psytrance

A AIMEC – Academica Internacional de Música Eletrónica, agora com sede em Lisboa, abriu recentemente um novo curso onde vais poder aprofundar o teu conhecimento na produção e djing dentro do género psytrance.
 
Este expert course vai ser lecionado por Ricardo Colaço Marques aka Battousai eLukas Mantodea aka Circus Bent. Mesmo que o teu género de eleição não seja o psytrance, este curso é importante para quem quer saber mais sobre produção musical.
 
O curso arranca no próximo dia 16 de janeiro, conta ainda com algumas vagas disponíveis e vai ser dado em inglês e em português, com a dução de 28 horas (4 horas por dia, durante 7 dias).
 
 
Publicado em Mix
A AIMEC, Academia Internacional de Música Eletrónica, prepara-se para comemorar o primeiro aniversário da sua sede em Lisboa no próximo dia 18 de maio com muita música.
 
Alunos, professores, amigos, familiares, parceiros e todos os interessados estão convidados a fazer parte desta festa, que contará primeiramente com a atuação de DJ Roriz, DJ Kace e DJ Surik, três ex-alunos da AIMEC. De seguida, começa a sunset party com a atuação dos professores DJ Nokin e Handerson DJ.
 
Esta academia nasceu no Brasil em 2004 e hoje tem 8 sedes. Em Portugal, a AIMEC oferece cursos de DJ e Produção Musical, Teoria Musical, Mixagem e Masterização e ainda Produção Musical Avançada. No Brasil, já foi cinco vezes distinguida como a melhor escola de música eletrónica brasileira pela Rio Music Conference.
 
Publicado em Mix
A Academica Internacional de Música Eletrónica (AIMEC), sediada no Brasil e recentemente em Lisboa, tem um desafio para todos os produtores. Através de um concurso, podes ouvir um remix teu na compilação “Cocada”.
 
Esta compilação tem o selo da editora alemã Get Physical Music e contém apenas música de produtores brasileiros. Para este concurso, a música que irá ser remisturada é “Maresia” de Flow & Zeo.
 
Para participares neste concurso consulta todas as regras e inscreve-te aqui até ao dia 17 de setembro.
 
Publicado em Mix
sexta, 11 outubro 2019 22:20

O lado B do Hiphop

Hoje em dia quando falamos de Hiphop, de uma maneira geral, referimo-nos ao género musical composto pelo DJ/produtor e o MC (Mestre de Cerimónia), ou cantor. Mas se voltarmos ao início, ao nascimento deste estilo musical, a realidade é que não estamos a falar de Hiphop, mas sim de RAP (Rhythm and Poetry ou Ritmo e Poesia). 
Quando se fala em Hiphop nos seus primórdios, em meados dos anos 80, estamos a falar de todos os elementos que compõem uma cultura. Ou seja, a maneira especifica de vestir, a maneira de comunicar, as diferentes formas de expressão artística, tais como o Graffiti e o "Writing", o Breakdancing (B-boys e B-girls) e também o DJ e MC.

Ou seja, quando falamos do Hiphop, na sua forma mais genuína, estamos a falar de uma forma de viver a vida. E não apenas de um estilo musical. 

Com o passar do tempo, o RAP foi ganhando terreno no seu percurso, chegando a atingir um patamar mais "mainstream" e mais aceite pelo público em geral. Por consequência, indirecta ou não, o RAP acabou por influenciar diversos estilos musicais, principalmente a música POP que ouvimos hoje. Daí ouvirmos falar em Hiphop como género musical, quando na realidade a definição "correcta" será RAP. No entanto, continua a ser um tema bastante debatido, e algo controverso, porque não deixa de ser um estilo que abrange inúmeras influências musicais e culturas diferentes.

Como DJ à 18 anos, gostava de transmitir uma mensagem a todos os iniciantes a esta arte de Djing: Este estilo musical é o mais difícil de se tocar, e o mais difícil de começar a treinar, mas também é dos mais ilimitados, porque quem sabe tocar Hiphop, sabe tocar tudo.

A dificuldade de dominar este estilo dá-se a diversos factores, sendo um deles a grande presença vocal em cada faixa. Obviamente, quando estamos a misturar duas músicas, não queremos duas vozes a atropelarem-se uma à outra, criando uma confusão vocal tal que até os menos entendidos na matéria se apercebem que algo de muito errado está acontecer na pista de dança.
Logo aí temos um grande obstáculo para ultrapassar visto que, ao contrário da música eletrónica, não temos versões com introduções mais longas ou "amigas" do DJ que nos facilitam bastante as misturas. No Hiphop temos de usar outras maneiras de introduzir as músicas, fazendo-as soar o melhor possível e sem atropelamentos. 
 
Este estilo musical é o mais difícil de se tocar, e o mais difícil de começar a treinar, mas também é dos mais ilimitados, porque quem sabe tocar Hiphop, sabe tocar tudo.

Este é um dos factores que torna este género de música tão desafiante. Exige mais horas de treino e muito mais "trabalho de casa", obrigando o DJ a tornar-se num profissional com muito mais "bagagem", conhecimento e experiência. Com todo este trabalho, depois de horas infindáveis de treinos intensivos, não há nada melhor do que pôr tudo isto em prática e usar todos os conhecimentos adquiridos para rebentar as pistas em nome próprio. 


No entanto, existe uma vertente igualmente gratificante, e muito importante, que é pouco falada na indústria: acompanhar artistas nas suas digressões. No hiphop (ou no RAP), os DJs são um elemento essencial, e geralmente ignorado, para o sucesso do estilo musical. 

Isto pode acontecer de diversas maneiras, o DJ tanto pode fazer parte da banda do cantor, como pode adicionar arranjos musicais únicos, acrescentar as suas competências de Turntablism/Scratch ou mesmo pisar o palco ao lado do artista e acompanhá-lo, disparando as suas "backing tracks", substituindo uma banda. 

Esta vertente do Djing apesar de pouco falada, eleva o papel da profissão e mostra a sua versatilidade, pois existem inúmeras vantagens em partilhar um palco com um DJ. Uma delas, e uma das mais importantes para mim, é a possibilidade de fazer um curto DJ set para aquecer o público antes do artista entrar em palco.

E claro, quanto melhor e mais bem preparado estiver o DJ para entrar em palcos, que podem parecer enormes quando se entra sozinho, e causar o impacto necessário para fazer a diferença no espectáculo, melhor a probabilidade de o público estar mais receptivo  a receber calorosamente o artista, o que vai fazer toda a diferença no show. 

Podem não dar valor a um que DJ que não faz mais nada para além de disparar músicas do cantor X e há até quem pense que qualquer pessoa sem conhecimento de Djing o consegue fazer, mas eu não gosto de menosprezar essa vertente. A verdade é que quanto melhor e mais experiente é o DJ que assume esse papel, mais facilmente se minimiza a probabilidade de falhas, técnicas ou não, que por vezes estão fora do controlo do artista, e de toda a sua equipa. Mesmo que passem despercebidas e sejam identificadas e ajustadas rapidamente pelo DJ, antes do público se aperceber da situação. 
 
A verdade é que quanto melhor e mais experiente é o DJ que assume esse papel, mais facilmente se minimiza a probabilidade de falhas, técnicas ou não, que por vezes estão fora do controlo do artista, e de toda a sua equipa.

Outro factor que gosto de referenciar é a cumplicidade na comunicação entre o artista e o DJ. Esta ligação é muito importante para que o espectáculo corra bem e sem falhas, e que se vai adquirindo com tempo e experiência. Por exemplo, se um cantor quiser alterar alguma faixa no alinhamento, se necessitar de uma entrada ou saída mais rápida, ou de uma música fora do alinhamento, muitas vezes nem necessita de falar com o DJ, ele apercebe-se da situação e faz acontecer o mais breve possível. Isto só acontece se tivermos alguém a preencher correctamente esse papel em cima do palco. 


Por fim, o último factor que considero muito importante referir, é a capacidade técnica do DJ como músico, ou seja, a capacidade de adicionar elementos e arranjos musicais orgânicos de forma a colorir e melhorar o espectáculo do artista. Isto pode surgir através das suas capacidades de Scratch/Turntablism, ou também, pela sua formação e estudos de música, adicionando instrumentos ou efeitos que complementam as faixas originais. 

Outra mais valia que merece ser referida, é a sua capacidade vocal. Esta ferramenta é das mais importantes, pois o facto de conseguir estar "à vontade" para comunicar e entusiasmar o público, ou mesmo para cantar, e duplicar as vozes do cantor (backvocals) é uma técnica que pode causar mais impacto do que o vosso melhor "disco". 

Ao longo da história do Djing podemos encontrar inúmeros exemplos de DJs que não só faziam parte de bandas, como em algumas delas eram consideradas o elemento principal. 
Temos o exemplo do pioneiro DJ GrandMixer DXT, que fazia parte da banda do gigante do Jazz / Funk, o Herbie Hancock, como temos bandas internacionais e nacionais de diversos estilos de música com DJs na sua formação, como: Sublime, Incubus, Limp Bizkit, Slipknot, Linkin Park, Beastie Boys, Portishead, Keys n Krates, Da Weasel, Buraka Som Sistema, Boss A.C., Supa Squad, entre outras.
 
DJ Nokin / Professor do Curso de DJ da AIMEC Portugal 
Publicado em Nokin
terça, 16 abril 2019 19:39

DJs vs Produtores Musicais

A indústria da música é um mistério para todos os que estão de fora. As portas para entrar são muitas, mas pouco nítidas. Existem vários caminhos a percorrer, mas estão todos intercalados. 

Na música eletrónica um dos primeiros dilemas é por onde começar. Vou ser DJ ou vou ser Produtor Musical? Queremos ser os dois, mas será que essa é a solução para todos?

Um DJ não tem de ser um Produtor e vice-versa, cada um tem um papel dentro da indústria e o caminho a percorrer está diretamente relacionado com o objectivo de cada um.

O DJ é um entertainer, um intérprete das músicas que toca. Os seus talentos passam pela selecção da música, pela presença de palco e pela capacidade de ler a multidão que tem à sua frente. O seu grande desafio é pôr até a pessoa mais tímida, no fundo da plateia, a dançar. Não é um trabalho fácil. Cada espectáculo exige preparação, capacidade de interpretação e uma energia equivalente àquela recebida pelas dezenas, centenas ou milhares de pessoas que têm à frente.

O produtor não precisa de ser um entertainer. O processo de criação de áudio requer outro tipo de competências. É um processo igualmente criativo, mas mais longo e mais solitário. Precisa de existir uma capacidade de apreciar e absorver vários estilos de música e, mesmo assim, criar algo completamente diferente. 

Embora seja comum no meio associar imediatamente o DJing e a Produção Musical à música eletrónica, ambos os profissionais têm um leque de competências que vão muito além deste universo. Um apaixonado pela música eletrónica tem dúvidas por onde começar, porque as vê como complementos, imagina-se como um DJ de festas e festivais que pretende produzir as próprias músicas. 

No entanto, num contexto de formação, é importante que no início do seu percurso sejam guiados, mostrando-lhes as diversas carreiras que podem percorrer, e que cada caminho é infinitamente mais abrangente do que o preconceito inicial. Como em qualquer área de formação e desenvolvimento, é necessário entender que o futuro é incerto e que uma formação sólida numa dada área pode resultar numa carreira promissora por caminhos não previstos. É nestes caminhos alternativos que as duas áreas se separam e cada um deve analisar qual a opção que reúne competências que o possam levar a trajetos profissionais mais promissores e nos quais se sentirá mais realizado.

Ainda que um DJ possa estar mais associado à música eletrónica, a festas, clubes ou festivais, e que esse seja o grande sonho de um jovem aluno, o futuro pode reservar-lhe a uma carreira de sucesso na rádio, relegando as festas para complemento esporádico ou apenas hobby. Neste caso, as competências de Produção Musical serão pouco mais do que um saber que não ocupa lugar ou mais uma ocupação de tempos livres.
 
Por outro lado, um produtor musical, poderá escolher ao longo do seu percurso dedicar-se à produção de música para outros, sejam eles DJs ou bandas, etc. O conhecimento técnico e criatividade de um produtor musical pode levá-lo até carreiras ainda mais distantes da sua ideia inicial, fazendo carreira na televisão, cinema, rádio ou até no desenvolvimento de músicas para a indústria dos videojogos. Tudo o que precisa de acompanhamento de música precisa das competências de um produtor musical. 
 
Se já andas com o "bichinho" da música, seja eletrónica ou não, começa por pensar em que contexto é que gostarias de te inserir. Alarga o leque de opções e entende que decisão te pode abrir mais portas com que te identifiques. Esse primeiro passo vai-te ajudar a aproveitar ao máximo o tempo de aprendizagem. 

Se o teu objectivo é entreter uma multidão, então vais querer ser DJ.
Se gostavas de fazer a banda sonora de um filme, vais querer ser produtor musical. 
Se gostavas de fazer criar efeitos sonoros para um jogo de playstation, vais querer ser produtor.
Se gostavas de passar música na rádio, então, se calhar, queres mesmo ser DJ.
E os exemplos continuam.

A verdade é que não estás limitado a um ou outro, podes ser os dois, podes não querer perder a oportunidade de tocar o teu próprio som. As opções são infinitas e nós não podemos escolher por ti. Esperemos que isto tenha ajudado, pelo menos a definir prioridades e a alinhar objectivos.
 
AIMEC
Academia Internacional de Música Eletrónica
Publicado em AIMEC
O Ministerium Club, em Lisboa, recebe esta quinta-feira, 4 de julho, o DJ e produtor brasileiro Illusionize no "Deu Bass", o primeiro evento europeu de Tech House e Brazilian Bass, criado e produzido pelo DJ BonBoxx, que também faz parte do line-up desta edição. 

Illusionize estreia-se desta forma em Portugal, depois de ter marcado presença em vários festivais como é o caso do Tomorrowland, Ultra Music Festival e do XXXPerience. Atualmente ocupa a terceira posição no TOP 50 da Revista brasileira HouseMag, sucesso que foi alcançado antes mesmo dos seus 22 anos com a música "BASS", numa parceria com o duo Chemical Surf e Sharam Jay.

Além de Illusionize e BonBoxx, fazem também parte do cartaz Dave Oak e a Shayane Kling, vencedora do DJ Contest promovido pela AIMEC Portugal e que irá abrir a pista de dança. Os bilhetes podem ser adquiridos na plataforma Eventbrite pelo valor de 18 euros.

Além de Portugal e até ao final do ano, o evento "Deu Bass" irá passar por Inglaterra, Espanha e Luxemburgo, com artistas renome na música eletrónica.
 
Publicado em Eventos
É já no próximo dia 20 de novembro que a AIMEC Portugal, localizada em Lisboa, vai promover um workshop de Mistura e Masterização com a presença de Bernardo Schwanka e Paranormal Attack.
 
Bernardo Schwanka, também conhecido por Heiken, é engenheiro de mistura e masterização e ainda proprietário do estúdio FABRIEK, com uma carreira com mais de 10 anos.
 
Neste workshop, pretende-se demonstrar o poder e a importância da mistura na produção musical. Todos os participantes poderão interagir, com a oportunidade de tirar todas as dúvidas existentes.
 
No final, os presentes poderão conversar com Xangaii, dos Paranormal Attack, sobre a sua carreira musical. Para confirmares a tua presença basta enviares um e-mail para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..
 
 
Publicado em Mix
2019 começou da melhor maneira na AIMEC, a Academia Internacional de Música Eletrónica, agora com filial em Lisboa. O primeiro workshop do ano aconteceu na passada quinta-feira e teve o DJ e produtor Hugo Rizzo como anfitrião que partilhou a sua experiência no processo criativo da produção musical
 
Focado nesse tema e muito mais do que no aspecto técnico, Rizzo foi partilhando dicas aos jovens produtores e curiosos presentes na sala."É impossível controlarem a vossa inspiração, por isso é preciso ter atenção a uma coisa: se perdermos demasiado tempo a trabalhar num style, num sample, no quer que seja, será que depois vamos ter tempo para criar? Eu acho que não."
 
O membro dos Putzgrilla falou ainda do seu método para melhor gerir o tempo, de forma a evitar que esse bem precioso se foque nos pormenores e como guardar a sua energia e produtividade para a fase da criação. Depois disso seguiu para a inspiração e partilhou técnicas para tirar proveito dos momentos em que a inspiração surge. O método de criação não foi esquecido e Rizzo partilhou três importantes fases: "a fase positiva, onde tudo soa bem"; a fase negativa, "fiz o projeto ontem e tudo soa mal" nesta fase Rizzo sugeriu que sejamos os nossos próprios ditadores, onde é necessário abdicar de algumas coisas; e por último, a fase terminal: "há que saber quando desligar a máquina."
 
Terminada a parte teórica, Rizzo passou para a prática. Além do processo, da inspiração e da preparação, os participantes tiveram a oportunidade de assistir, no Ableton, à criação de uma música. "As pessoas mais importantes são as que nos dizem a verdade e não o que queremos ouvir. Não peças feedback só à tua mãe e aos teus amigos" afirmou o artista português.
 
Para além da interação entre alunos e profissionais, os workshops promovidos pela AIMEC permitem ainda que quem se inscreve tenha a oportunidade de, através de uma conversa informal, expor as suas dúvidas, de partilhar a sua música ou até saber como começar a tocar enquanto DJ.
Publicado em Mix
A partir das sete da tarde desta quinta-feira, 9 de maio, a AIMEC Portugal receberá um novo workshop, desta vez dedicado ao negócio por trás da música. Neste Workshop Music Business, a Academia Internacional de Música Eletrónica, a celebrar um ano de existência em Lisboa, convidou Paulo Silver para partilhar a sua vasta experiência na música e na organização dos conhecidos eventos Rebel Bingo, Battle Royale, HARD On e mais recentemente as Revenge of the 90's. A juntar a esses conceitos, Silver é ainda responsável pela curadoria de vários palcos em diferentes festivais nacionais.

Os lugares são limitados e todos os interessados em participar deverão enviar um e-mail para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. com nome e contacto de forma a confirmarem a sua presença.
Publicado em Mix
No próximo dia 7 de março, quinta-feira, a AIMEC Portugal irá promover um novo workshop de produção musical, desta vez dedicado ao Ableton Live onde os participantes terão a oportunidade de aprender a utilizar o referido software para a gravação e mistura de áudio.

Para lecionar este workshop a Academia Internacional de Música Eletrónica (AIMEC) convidou Dani Lança, artista influenciado por vários estilos de música, de Ska a Reggae e que conta com espetáculos energéticos, repletos de letras positivas que pedem mudanças, consciência, união e harmonia, com ritmos de de Afro-Reggae-Rumba cantado em várias línguas.

Os lugares são limitados e todos os interessados em participar devem enviar um e-mail para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. com nome e contacto de forma a confirmarem a sua presença.
Publicado em Mix
Pág. 1 de 2
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.