21-06-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
Uma investigação levada a cabo pela Universidade de Harvard quis determinar como são desencadeados os "calafrios" quando se ouve uma determina música. O investigador Matthew Sachs examinou 20 estudantes, 10 que afirmavam ter experimentado essas sensações, outros 10 que diziam não ter qualquer reação física.

Através de eletroencefalogramas, o investigador detetou diferenças na estrutura do cérebro. Aqueles com uma ligação emocional e física à música tinham um volume mais denso de fibras que ligam o córtex auditivo às áreas que processam as emoções, ou seja, têm uma melhor ligação entre as duas zonas.

Daqui resulta que, quem tem arrepios ao ouvir uma música, tem muito provavelmente emoções muito mais intensas. Além disso, as sensações podem também estar associadas às memórias ligadas a determinada música.

Os resultados deste estudo foram publicados na revista Oxford Academic e citados na Neuroscience News. Embora o estudo tenha sido feito numa pequena escala, Matthew Sachs continua a desenvolver a sua investigação que poderá ajudar no tratamento de alguns problemas neurológicos.
Publicado em Mix
Os Estados Unidos estão a investigar a eventual relação entre o consumo de bebidas energéticas da marca Monster e a morte de cinco pessoas nos últimos três anos.
 
O processo foi desencadeado na sequência de uma queixa por parte da família de uma menina de 14 anos de Maryland contra a empresa que comercializa as bebidas, avança o diário espanhol El País na sua edição online.

A rapariga morreu em Dezembro de 2011 depois de ter bebido duas latas de 709 mililitros de Monster em menos de 24 horas e a família acredita que as elevadas doses de cafeína ingeridas podem ter sido a causa da morte, já que o relatório da autópsia concluía "arritmia cardíaca provocada por intoxicação de cafeína". Uma lata desta bebida equivale a 14 latas de 350 mililitros de Coca-Cola.

As bebidas em causa podem ter cerca de 240 miligramas de cafeína por cada 709 mililitros, ou seja, o equivalente a três chávenas de café. A Food and Drug Administration, organismo que regula o sector dos medicamentos e dos alimentos nos Estados Unidos, decidiu por isso investigar os riscos do consumo deste tipo de bebidas e prometeu divulgá-los logo que seja possível.

Este tipo de bebidas são muito consumidas entre os norte-americanos e, apesar do esforço para promover uma alimentação saudável, a verdade é que a quota de mercado continua a crescer. Apesar disso, o Governo do país não exige que os fabricantes revelem na embalagem a quantidade exata de cafeína que cada bebida contém.

A cafeína, apesar de ser uma substância aditiva, em geral não apresenta riscos para a saúde, desde que o consumo seja moderado. Mas níveis altos de cafeína (normalmente a partir de cinco cafés) podem aumentar o ritmo cardíaco e a pressão sanguínea, causando palpitações, insónia, tremores, irritabilidade, ansiedade ou cansaço. Se a bebida for misturada com álcool, então o risco de complicações cardíacas ainda acresce mais.

Nos últimos meses os meios de comunicação dos Estados Unidos têm dado conta de supostas intenções por parte da Coca-Cola de comprar a marca Monster. Esta informação nunca foi confirmada, mas depois de ser anunciada uma investigação às bebidas as acções da marca caíram 14%.

Em Portugal, em 2011, a Associação de Defesa do Consumidor (Deco) alertou num artigo para a denúncia feita por um grupo de pais de Almada que detectaram alterações no comportamento dos seus filhos após o consumo de bebidas da marca Monster. Em Portugal as latas têm 500 mililitros e são vendidas em três versões: Khaos, Energy e Low carb. A última inclui 145 mg de cafeína por embalagem e as duas primeiras 160 miligramas.

"Os estudos sugerem ainda que o consumo elevado durante a gravidez está associado a atrasos no crescimento do feto e aumento do risco de aborto espontâneo", informa a Deco, que defende que as embalagens deveriam ser mais claras nos alertas de contra-indicações. Aliás, a designação bebida energética nem está contemplada na lei. No entanto, a designação é geralmente atribuída a bebidas com elevados teores de cafeína e outras substâncias, como taurina e glucoronolactona, hidratos de carbono, vitaminas e sais minerais.
Publicado em Marcas
As instalações do Yamba Bar, espaço de restauração localizado na Praia do Castelo, na Costa da Caparica, foram consumidas por um incêndio que deflagrou durante a noite do passado domingo. As causas estão a ser investigadas pela Polícia Judiciária de Setúbal.

Apesar dos danos materiais, não houve registo de vítimas, uma vez que o espaço encontrava-se vazio na altura do incêndio que foi dado como circunscrito ao início da madrugada de segunda-feira.

Estiveram envolvidos nas operações de rescaldo 50 operacionais e 19 viaturas das corporações de Almada, Amora, Cacilhas, Trafaria e da Associação Humanitária de Bombeiros Mistos do Concelho do Seixal.

O Yamba Bar tinha sido recentemente nomeado pela revista norte americana Condé Nast Traveler como um dos melhores bares de praia do mundo para este verão de 2021. O espaço tinha sido inaugurado o ano passado.
Publicado em Mix