20-05-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

A partir de hoje há mais um serviço de streaming musical no mercado. O Beats Music foi lançado hoje no mercado norte-americano e já está disponível para equipamentos da marca da famosa maçã - Apple.
 
A plataforma vai permitir o acesso a mais de 20 milhões de faixas e suporta playback online e offline. Ao contrário da recente tendência freemium em serviços como o Spotify ou o Rdio, o Beats Music não vai funcionar gratuitamente nem será suportado por publicidade. O serviço funciona mediante uma subscrição mensal de cerca de 10 dólares.
 
Os utilizadores interessados terão à sua disposição um período gratuito de sete dias para decidirem se optam pelo serviço ou não. Um dos aspectos mais divulgados deste serviço está nas listas de música que podem ser personalizadas consoante as preferências e o contexto dos utilizadores.
 
O serviço também irá chegar brevemente ao Android e Windows Phone, além da Web. Desconhecem-se detalhes sobre uma eventual chegada ao mercado internacional.
 
 
Publicado em Mix
O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está a investigar a conduta da Apple, acusada de usar a sua influência junto da indústria discográfica para acabar com o modelo de negócio da plataforma Spotify.
 
Segundo o The Verge, a empresa pode estar a pressionar as editoras para que não renovem os contratos com o Spotify, que disponibiliza de músicas de forma gratuita, uma vez que espera lançar um serviço de streaming pago em junho
 
Fontes do Verge indicam que a Apple chegou a dizer à Universal que está disposta a pagar as taxas do YouTube à editora, desde que a empresa interrompa as transmissões de suas músicas no site da Google.
 
O Spotify conta com 60 milhões de utilizadores, mas apenas 15 milhões optam por pagar pela versão premium do serviço. Os restantes beneficiam de músicas gratuitas, conseguidas graças a parcerias estabelecidas com as grandes editoras.
 
Fonte: Notícias ao Minuto.
Publicado em Mix
Os responsáveis do YouTube divulgaram um comunicado onde afirmam não comentar rumores e especulações, embora adiantem estar a ponderar um serviço de streaming de música por subscrição, onde se eliminaria a publicidade antes de se reproduzir o conteúdo.
 
A oferta do YouTube poderá ser mais uma num segmento que tem cada vez mais concorrente, como o Grooveshark, o Deezer ou o Spotify. No entanto, o site da Google tem a vantagem de já estar estabelecido e de já ter um modelo de negócio estável.
 
A experiência poderá vir a ser enriquecida com o Drive para armazenamento de músicas externas e com a rede social Google + para partilha de comentários e gostos, revela o site da Fortune.
Publicado em Mix
O serviço sueco de música online Spotify anunciou hoje que o seu sistema foi atacado por um pirata informático, mas que este não conseguiu aceder aos dados bancários e de pagamento dos utilizadores.
 
"Detetámos um acesso não-autorizado aos nossos sistemas e à base de dados interna da empresa", indicou a empresa de 'streaming' de música em comunicado, citado pela agência de notícias francesa, AFP.
 
"Assim que demos conta da intrusão, imediatamente iniciámos uma investigação", lê-se no texto.
 
O Spotify explicou que só os dados de um utilizador foram afetados, mas que estes não incluíam quaisquer palavras-passe ou informação bancária e de pagamento.
 
A empresa assegurou ainda que vai atualizar a sua aplicação Android nos próximos dias e pedir a alguns dos seus utilizadores que introduzam novamente o seu nome de utilizador e palavra-passe para acederem ao serviço.
 
O Spotify diz ter 40 milhões de utilizadores ativos em 56 países, incluindo 10 milhões de grandes clientes.
 
Publicado em Mix
O Twitter adquiriu o serviço 'We Are Hunted' no ano passado e está a usar a sua tecnologia para desenvolver uma aplicação para música, segundo avança o site CNET.
 
A aplicação, que se chamará Twitter Music, poderá ser lançada até ao final do mês e estará disponível para sistemas operativos iOs. De acordo com o site, com este serviço, que reproduz as músicas em streaming, o Twitter torna-se cada vez mais numa empresa de media.
 
A empresa reconhece que a música desempenha um papel importante na angariação de novos utilizadores, principalmente os mais jovens. O 'We Are Hunted' é um serviço de descoberta de músicas na internet como uma espécie de ranking de popularidade de músicas na internet.
Publicado em Mix

 

Segundo as estatísticas, cerca de 20% de todo o catálogo do serviço de streaming do Spotify, que corresponde a mais de 4 milhões de músicas, nunca foram ouvidas, ou seja, com zero reproduções.
 
O Forgotify foi criado para alterar essa situação e divulgar os artistas que nunca foram ouvidos.
 
São vários os artistas que, apesar do talento, não possuem reproduções e esta nova plataforma pode ser uma ajuda. Para funcionar, o utilizador terá de possuir conta no Spotify, que vai trabalhar em conjunto com o Forgotify. 
 
Publicado em Mix
A Administração Nacional de Direitos de Autor da China anunciou, na noite de quinta-feira, uma atualização à regulação sobre os serviços de música em streaming na Internet, que pretende acabar com a pirataria e proteger a propriedade intelectual. Para tal foi anunciado a proibição da oferta de música que não tenha os respetivos pagamentos de direitos de autor, existindo “graves castigos” caso as empresas não retirem os conteúdos até ao final do mês.
 
Esta nova regulação pode afetar plataformas como a Xiami Music, do gigante do comércio eletrónico Alibaba, a QQ Music, a maior empresa chinesa de serviços de Internet e telefones móveis, e a Tencent, que oferece música gratuitamente e goza de grande popularidade entre os chineses.
 
O regulador dos direitos de autor da China reconheceu que o sistema devia ser atualizado para proteger melhor os detentores desses direitos e restaurar a confiança no seu funcionamento.
 
Fonte: Económico.
 
Publicado em Mix
terça, 09 junho 2015 16:49

Apple Music: o contra-ataque ao Spotify

 

A moda dos streamings de música pegou a nível internacional, com o lançamento do Spotify, mas a Apple não quer ficar atrás e pretende sempre ser a pioneira nos seus serviços. Desta vez, anunciou uma nova plataforma que engloba um streaming, uma rádio e a habitual biblioteca do iTunes.
 
A novidade foi apresentada ontem no WWDC 2015 pelo CEO da Apple, Tim Cook e vai estar disponível a partir do dia 30 de junho, em 100 países. A aplicação vai também funcionar em Android e Windows.
 
Por 9,99 dólares por mês, os utilizadores podem ter acesso ao pacote completo. No entanto, vai existir também um pack familiar que dá a oportunidade a 6 utilizadores de usarem a Apple Music, a 14,99 dólares por mês.
 
Aderindo a um dos pacotes, é possível ter acesso a um total de 30 milhões de música disponíveis no iTunes, para ouvir em streaming, online ou offline, deixando de lado a opção de compra das faixas.
 
Tal como acontece no Spotify ou no TIDAL, a Apple Music contém várias playlists, mas também dá-te a oportunidade de criares a tua própria lista. Outra novidade desta app é a interação com a Siri. Os utilizadores podem pedir à Siri uma determinada playlist ou música, que será reproduzida automáticamente.
 
Além de ser uma aplicação musical, a Apple Music pode também ser uma rede social. A funcionalidade Connect oferece um feed de notícias semelhante ao do Facebook, onde qualquer pessoa pode observar as fotografias e vídeos partilhados pelos artistas que segue.
 
O iTunes Rádio terá um acesso gratuito mas, por enquanto, apenas existe a estação Beats1, com entrevistas, DJ set’s e notícias, com a ajuda de Drake, Pharrel Williams, Will.I.Am e Dr. Dre.
 
Publicado em Mix
Em média o utilizador português do Spotify Premium gasta 82 euros por ano, enquanto o utilizador do iTunes gasta 29 euros em música, quase três vezes menos. Quem o diz é o próprio Spotify que comemorou no passado dia 12 de fevereiro um ano de vida em Portugal. Os números provam que o serviço de música por streaming conseguiu cativar os lusitanos. 
 
Mesmo sem dados para revelar sobre quantos utilizadores tem no mercado português e quantos desses subscrevem o modelo Premium, não deixa de ser relevante a maior dedicação que os utilizadores do Spotify têm relativamente a um serviço com maior tradição no mercado português. 
 
Mas o primeiro ano de vida não fica imaculado. Tal como tem feito noutros países, ao fim de seis meses a empresa restringiu o acesso ilimitado à música, algo que deixou na altura os utilizadores insatisfeitos. Mas mais tarde o Spotify viria a transformar a sua estratégia, sobretudo no segmento mobile, além de ter apostado em novos serviços. 
 
O Spotify revela que o utilizador português caracteriza-se por gastar parte dos rendimentos em tecnologia, por adotar com facilidade novas tendências tecnológicas e por ser um sujeito ativo em mais do que uma rede social. 
 
Neste primeiro ano de vida os portugueses que usaram o Spotify ouviram o equivalente a 2.100 anos de música, cerca de 19 milhões de horas de faixas, tendo para isso contribuído as 3,4 milhões de playlists criadas. 
 
De acordo com uma infografia partilhada pela empresa, Justin Timberlake e John Legend lideram a lista dos artistas mais populares em território nacional, enquanto Pedro Abrunhosa e Ornatos Violeta são os artistas nacionais mais ouvidos.
 
Publicado em Mix
Os serviços de streaming, como o Spotify, Apple Music e o TIDAL, têm vindo a crescer de dia para dia e a sua utilização disparou nos últimos meses numa para uma escala global. A partir desta semana, todas as reproduções em streaming passam a contar para discos de ouro e platina nos Estados Unidos da América.
 
Esta medida foi anunciada pela Indústria Fonográfica (RIIA) norte-americana, que também declarou 17 novos discos de ouro e paltina, considerando ainda que “modernizar o nosso prémio para incluir o streaming de música é o passo lógico na evolução contínua dos prémios de ouro e platina, e assim permite que a RIIA recompense os melhores sucessos dos discos de hoje”, declarou Cary Sherman, presidente da associação, citada pelo Diário Digital.
 
A forma como os amantes de música consomem os seus produtos preferidos tem vindo a alterar-se de ano para ano. Depois dos vinis, dos CDs e das plataformas de venda digital, a era do streaming veio para ficar. “Sabemos que o acto de ouvir música está a aumentar, embora essa tendência não tenha sido refletida nas nossas certificações”, declarou a presidente.
 
{youtube}Bx0_jIlaM9A{/youtube}
Publicado em Mix
Pág. 1 de 3
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.