28-11-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
É mesmo uma sexta-feira negra. Depois da manifestação organizada na passada quarta-feira e que juntou cerca de 2 mil pessoas frente à Assembleia da República, em Lisboa, o movimento "A Pão e Água", representado por empresários e profissionais do setor da restauração, bares, discotecas e eventos vai avançar para uma greve de fome por tempo indeterminado no mesmo local da manifestação, depois da reunião tida esta tarde com a Casa Civil do Gabinete da Presidência ter-se revelado sem sucesso e sem respostas. 

"Não há respostas nenhumas. Só fomos ouvidos" comentava o Chef Ljubomir Stanisic, representante do movimento, à saída da reunião. 

Para atenuar as dificuldades sentidas nos últimos meses devido às regras impostas pelo Governo a propósito da pandemia de Covid-19, empresários e profissionais exigem a adoção de um conjunto de 16 medidas, entre as quais a atribuição de apoios imediatos, a fundo perdido, aos bares e discotecas, eventos, restauração e comércio, pela redução de horário, bem como, a todos os fornecedores diretos e indiretos.

Pede-se ainda a reposição dos horários de restaurantes, bares e comércio local e defende-se a isenção da Taxa Social Única (TSU), a redução no pagamento das rendas e do IVA determinando o pagamento automático em seis prestações.

Em declarações à RTP3 durante a manifestação, José Gouveia, um dos rostos ativos do movimento, relembrou que "110 mil postos de trabalho se irão perder até janeiro" e que, devido à falta de apoios, os trabalhadores "não terão Natal". 

Eis a lista de 16 exigências do movimento "A Pão e Água":
 
1- Apoios imediatos ao setor dos bares e discotecas, eventos, restauração, comércio e todos os fornecedores diretos e indiretos;
 
2- Apoios à restauração e comércio, pela redução de horário;
 
3- Reposição do horário, quer de restaurantes e bares, quer do comércio local;
 
4- Isenção da TSU;
 
5- Redução no pagamento das rendas;
 
6- Redução do IVA;
 
7- Abertura imediata e injeção direta nas empresas, sem a contrapartida de ter os pagamentos às finanças e à segurança social em dia.
 
8- Sócios gerentes terem acesso ao lay off, independentemente de terem uma ou mais empresas ou acumularem com trabalho por conta de outrem, pois fazem descontos em todas;
 
9- Pagamento do IVA automaticamente aprovado em 6 prestações;
 
10- Apoios reais, a fundo perdido, à manutenção de postos de trabalho;
 
11- Apoio às tesourarias das empresas, a fundo perdido;
 
12- Reforço imediato das linhas de crédito, retirando limitação de acessos às novas linhas a quem já recorreu às linhas anteriores;
 
13- Isenção de impostos nas rendas dos imóveis arrendados, durante o período de proibição de exercício da atividade;
 
14- Prolongamento dos contratos de arrendamento, caso sejam a termo por mais de 3 anos;
 
15- Anulação de multas por pagamento atrasado de impostos;
 
16- Prolongamento dos apoios da Segurança Social aos trabalhadores independentes.

"Depois de ter encerrado o primeiro período de candidaturas no passado dia 30 de outubro, o Fundo de Solidariedade com a Cultura abre agora uma nova fase de candidaturas à sua Linha de Apoio Geral", lê-se num comunicado divulgado esta quinta-feira.


A segunda fase de candidaturas irão estar abertas entre os dias 2 e 11 de dezembro com um valor mínimo de 130 mil euros, "podendo ser reforçado com donativos", disse à Lusa fonte da Santa Casa da Misericórdia, que gere o fundo.


A criação do Fundo de Solidariedade com a Cultura, para apoiar os profissionais da cultura, artistas e técnicos, que ficaram sem trabalho por causa da pandemia de Covid-19, foi anunciada em abril pela GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, juntamente com a Audiogest (Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Fonográficos em Portugal).


Entre 19 e 30 de outubro, quando decorreu a primeira fase das candidaturas, "foram submetidos 1.942 pedidos de apoio, onde se incluem 1.057 artistas, 215 técnicos e 171 estruturas artísticas, entre outros profissionais" sendo que a maioria foram submetidas "por profissionais das artes performativas, mais especificamente por aqueles que trabalham no meio da música".


A angariação de donativos "tornou possível a reabertura das candidaturas, desta vez dirigida exclusivamente à Linha de Apoio Geral, sendo que os profissionais que já se candidataram a qualquer uma das linhas de apoio na primeira fase, não poderão apresentar uma nova candidatura".


No comunicado divulgado, salienta-se que "para que possa manter a sua atividade e chegar a um maior número de profissionais, cumprindo verdadeira e plenamente a sua missão de apoio a todo o tecido cultural português, o Fundo continua a aceitar donativos de forma a poder aumentar a verba disponível para a atribuição de apoios".


As pessoas ou entidades que queiram contribuir "podem fazê-lo através de transferência bancária (IBAN: PT50 0018 0000 0301 5822 0015 5 com o titular Fundo de Solidariedade com a Cultura) ou MBWAY (+351 918 889 900)". Todas as informações sobre este Fundo de Solidariedade com a Cultura estão disponíveis no respetivo site

"O Sol da Caparica" anunciou novos artistas para a sua sétima edição. O Festival regressa ao Parque Urbano da Costa de Caparica entre os dias 12 e 15 de agosto do próximo ano, com um cartaz que continua a surpreender pela sua diversidade e qualidade, sempre enaltecendo a música de expressão portuguesa.

Com um conceito abrangente que vai do fado ao samba ou do rock ao kizomba, aos artistas já anunciados para dia 12, juntam-se agora nomes como António Zambujo, Clã, Fernando Daniel e Melim. Já no dia 13, sobe também ao palco do festival, Alberto Indio. Sam The Kid com Orquestra e Orelha Negra e Twenty Fingers são as novidades para o cartaz de dia 14.

A grande aposta d'O Sol da Caparica através da produção do Grupo Chiado, em parceria com a Câmara Municipal de Almada (CMA), continua a ser a promoção da região bem como da música dos países de língua oficial portuguesa e o entretenimento e a experiência para todos os que passem pelo recinto.

Além dos artistas, a organização divulgou outras novidades da nova edição do evento. Voltará ao recinto a Zona Graffiti, a Zona de Gaming será reforçada, a restauração alargada ao longo do espaço verde e a Zona Zen terá um lounge diferenciador. Mantém-se o palco principal e o palco secundário, bem como os palcos comédia e dança e ainda o parque de desportos radicais.

Os bilhetes estão à venda nos locais habituais com preços que variam entre os 22 euros (bilhete diário) e os 54 euros, o passe para os quatro dias de evento.
Salzburgo sucede em 2020 a Bombaim como cidade anfitriã da Final Mundial do Red Bull BC One, a mais importante competição internacional de Breaking. O encontro está marcado para este sábado 28 de novembro, tendo como cenário o edifício icónico do Hangar 7, situado em pleno aeroporto de Salzburgo, na Áustria.

A modalidade que é hoje conhecida por breaking não tem parado de crescer nos últimos anos e é já vista como uma forte candidata ao programa dos Jogos Olímpicos. Realizado deste 2004, o Red Bull BC One tem sido um evento agregador, levando os melhores desta vertente da dança a destinos marcantes como Nova Iorque, Rio de Janeiro, Moscovo, Tóquio e Berlim. Ao longo dos últimos 17 anos, passaram também por este palco referências portuguesas como os b-boys Bruce Almighty e Lagaet e a b-girl Vanessa. 

A Final Mundial do Red Bull BC One reúne os oito melhores B-Boys e as oito melhores B-Girls para uma competição "mano-a-mano", que resultará na atribuição dos respetivos títulos. Tal como tem sido habitual, os fãs do breaking podem acompanhar toda a ação à distância, a partir das 19 horas de sábado na Red Bull TV e nos canais da competição no Facebook e YouTube. No ano passado, foram mais de sete milhões que assistiram em todo o mundo à coroação do B-Boy Menno e a B-Girl Kastet.
 
A agência de publicidade Stream and Tough Guy lançou um novo projeto com a finalidade de apoiar a União Audiovisual "em resposta ao grave impacto no setor dos espetáculos, festivais e eventos provocado pela pandemia de Covid-19". O projeto consiste na criação de uma plataforma online através da qual serão vendidos produtos de merchandising dos eventos que teriam lugar em 2020 e que acabaram por ser cancelados por força da pandemia, sendo que a receita obtida reverterá na totalidade para a União Audiovisual.

"Ao comprarem uma lembrança do evento que não aconteceu, os portugueses não estão apenas a comprar uma recordação de um espetáculo cultural ou desportivo que este vírus obrigou a cancelar mas estão, sobretudo, a ajudar os profissionais do sector na fase mais difícil das suas vidas", salienta João Ribeiro, managing partner da Stream and Tough Guy, defendendo que esta é "uma forma de transformar o desperdício numa causa onde todos podem participar".

A loja online ficará disponível até ao próximo dia 15 de dezembro e contará com vários artigos, havendo ainda "espaço para mais marcas se juntarem", já que "a organização espera que outros eventos e marcas adiram a esta campanha que pretende ajudar quem mais precisa nesta fase negra que a indústria está a viver, e onde a fome é já uma realidade". 

O Rock in Rio, NOS Alive e NOS Primavera Sound, Vodafone Paredes de Coura, SBSR ou Meo Sudoeste são alguns dos festivais que já aderiram ao projeto.

Além dos produtos de eventos cancelados, foi criada a t-shirt virtual Uncancel Collection a pensar em quem deseje ajudar mas não tenha interesse em nenhum dos produtos disponíveis ou caso a colecção esgote. 

"Esta e-shirt, que também funciona com um conteúdo partilhável nas redes sociais, é um donativo direto aos profissionais do setor audiovisual que pode ser feito por particulares ou empresas e tem como objetivo sensibilizar para a causa, dentro deste conceito de ajudar quem mais sofre com o cancelamento dos eventos públicos", explica a agência.
 
O movimento "A Pão e Água", representado por empresários e profissionais do setor da restauração, bares e discotecas convocou uma nova manifestação para Lisboa, depois de outras ações já terem decorrido por todo país. A próxima manifestação vai acontecer na quarta-feira dia 25 de novembro, às 15h30, junto à Assembleia da República.

O anúncio foi feito pelo chefe de cozinha, Ljubomir Stanisic, através da sua página de Facebook. O responsável tem sido um dos rostos conhecidos por esta luta, onde os empresários exigem ao governo a criação de mais apoios num momento de incerteza e dificuldades.

Para além de Lisboa e Porto também as cidades de Aveiro, Vila Real, Faro e Funchal receberam ou vão receber os protestos deste movimento.

Para atenuar as dificuldades sentidas, os empresários exigem a adoção de um conjunto de 16 medidas, entre as quais a atribuição de apoios imediatos, a fundo perdido, aos bares e discotecas, eventos, restauração e comércio, pela redução de horário, bem como, a todos os fornecedores diretos e indiretos.

Pede-se ainda a reposição dos horários de restaurantes, bares e comércio local e defende-se a isenção da Taxa Social Única (TSU), a redução no pagamento das rendas e do IVA determinando o pagamento automático em seis prestações.

Os empresários exigem igualmente a abertura imediata e injeção direta nas empresas, sem a contrapartida de ter os pagamentos às Finanças e à Segurança Social em dia e de defendem o acesso dos sócios-gerentes ao lay-off.

"Há oito meses, muitos de nós encerramos os nossos estabelecimentos dias antes do governo o decretar, por uma questão de saúde pública e com o intuito de proteger não só os nossos clientes, mas também os nossos colaboradores", referem numa nota enviada à imprensa.

Na mesma nota os empresários dizem ter pensado inicialmente "que tudo iria voltar ao normal em breve", mas garantem: "Nunca estivemos tão enganados. Entretanto, as contas acumulam-se e o duradouro silêncio do Estado é avassalador".
O mercado dos espetáculos registou uma quebra de 87% entre janeiro e outubro deste ano, face a 2019, segundo o manifesto da Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE), que promove este sábado em Lisboa um protesto do setor.

Para a associação, "é chegado o momento de os decisores políticos dizerem o que querem para Portugal, no que respeita à Cultura e às manifestações artísticas", pode ler-se no manifesto, onde são também enumeradas uma série de questões, às quais considera que é "preciso, clara e inequivocamente responder", recordando que "os promotores, as salas, as empresas de audiovisuais e equipamentos para espetáculos, os artistas, os autores, os agentes, os produtores, os técnicos, e profissionais dos espetáculos estão sem chão".

De modo a evitar, entre outros, "o aumento dos desempregados, as falências e as insolvências das empresas, e os danos irreparáveis para a saúde mental de toda a sociedade, se esta atividade for interrompida", a APEFE exige "um apoio a fundo perdido da 'Bazuca Europeia' correspondente a 20% da quebra de faturação das empresas e a 40% no rendimento de artistas, técnicos e profissionais dos espetáculos, vulgo 'intermitentes', valor este a ser pago em duodécimos, de janeiro a dezembro de 2021".

A "Bazuca Europeia" a que se refere a APEFE são os 13,2 mil milhões de euros (a preços de 2018) que Portugal vai receber em subvenções (a fundo perdido), até 2023, através do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, o principal instrumento do Fundo de Recuperação europeu pós-crise gerada pela Covid-19.

"Algumas dezenas de empresas já fecharam portas e outras centenas lutam diariamente para não seguirem o mesmo caminho, lutam para não despedir nenhum colaborador. Sem apoios concretos e contextualizados adequados às reais necessidades das empresas do sector e aos milhares de trabalhadores para quem a cultura é sinónimo de existência e subsistência, o fim está próximo. Infelizmente para muitos, o fim já chegou", assegura.

Para este sábado a referida Associação agendou uma "Manifestação pela Cultura" que irá decorrer no Campo Pequeno, em Lisboa. Sandra Faria, da APEFE, explicou que a manifestação irá decorrer "dentro do Campo Pequeno, como se de um espetáculo se tratasse, cumprindo as regras impostas pela DGS" e com a capacidade do recinto limitada a duas mil pessoas.

A Associação convidou "associações e movimentos formais e informais do setor", bem como artistas a juntarem-se ao protesto.
"Andam a dar música aos DJs", “Estamos sem discotecas há 8 meses, mas não paramos de levar baile" ou "Vou ao Rossio sábado, para podermos dançar amanhã". São estas algumas das frases de ordem que circulam nas redes sociais e que engrossam o descontentamento e a luta do primeiro setor económico do país a fechar portas como forma de mitigar possíveis surtos de covid-19: a noite.

Cinco meses depois de se terem manifestado, em Lisboa, os empresários e profissionais da animação noturna voltam a fazer-se ouvir, desta vez para além da capital, Lisboa, também no Porto. 

A primeira manifestação está agendada para as 16 horas desta sexta-feira dia 13, na Avenida dos Aliados da cidade invicta. Sábado é a vez de Lisboa, sendo que a concentração acontece pelas 12h30 no Rossio.

Além da reposição do horário de funcionamento, são exigidos apoios urgentes ao Governo e outras medidas como a isenção da TSU, a redução do IVA e a isenção de impostos nas rendas dos imóveis arrendados, durante o período de proibição de exercício da atividade.
quarta, 11 novembro 2020 22:07

Lanova lança nova faixa em editora sueca

O DJ e produtor Lanova lançou uma nova faixa, fruto de nos últimos meses ter dedicado o seu tempo ao estúdio. "Investi em criar algo mais único e que pudesse chamar de 'meu'" afirma o artista português.

"Sacred Chants" apresenta-se num registo Electro House e foi editada na Electronic Future, editora sueca a dar cartas na música eletrónica.

A faixa assinada conta o suporte de DJs mundialmente conhecidos tais como Steff da Campo, Tungevaag, Castion, Blinders, musicbyLukas, entre outros.

A par da música, Lanova criou recentemente uma empresa chamada Future Blasting que como o próprio descreve "consiste em fornecer produtos de design, social media e qualquer assistência necessária de um produtor musical ou DJ para conseguir alcançar os seus objetivos a nível de branding".
 

A Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP) solicitou uma reunião urgente ao Governo para exigir o pagamento de uma compensação aos bares e discotecas afetados pela decisão de encerrar o setor.

"Espero que o Governo assuma, desta vez, as responsabilidades relativamente às despesas diretas e encargos permanentes dos estabelecimentos, que por decreto do Governo, ficaram impedidas de funcionar. Relativamente às outras [empresas] que abriram terão de ser compensadas pelas quebras e danos comparativamente com o período homólogo do ano anterior", afirmou o presidente da ABZHP, António Fonseca, em declarações hoje à Lusa.

Na missiva entregue esta segunda-feira ao Governo, a associação refere que a reunião pretende "analisar a atual situação do setor, bem como o seu futuro, o qual se prevê ser dramático com consequências nefastas e irreparáveis", avaliando soluções e a implementação de medidas compensatórias que evitem o fim do setor.

"Neste momento já não está em causa abrir ou não abrir. Esqueçam lá a abertura, esqueçam a DGS, queremos é que os senhores [o Governo] paguem não só aos que estiveram fechados, como digam como é que vai ser o futuro", assinalou, lembrando que só no Porto, há pelo menos 20 discotecas que nunca mais abriram portas desde março.

António Fonseca salienta que face à evolução da pandemia e à implementação de medidas mais restritivas, a angústia vivida pelos profissionais do setor agravou, perante a incerteza do quanto à reabertura dos bares e discotecas.

Na última semana, avança o dirigente, vários bares fecharam temporariamente, não sabendo, no entanto se vão voltar a abrir portas.

Enquanto isto, as festas privadas continuam a realizar-se sem que as forças de segurança atuem, denunciou o dirigente e também presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto,

"Uma coisa é certa, as festas privadas continuam a acontecer no Centro histórico do Porto, e sem a polícia fazer o seu dever. Não estamos a ver medidas eficazes no que concerne à fiscalização", lamentou, insistindo na necessidade do reforço da atuação da polícia.

Em outubro, a Associação de Bares da Zona Histórica do Porto lançou uma petição pela criação de um apoio financeiro do Estado para salvar empresas e trabalhadores do setor, tendo sido subscrita até ao momento por 2.961 pessoas. No entanto, são precisas 4.000 para que o tema seja discutido na Assembleia da República.
Pág. 1 de 70