22-04-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

A compra e escuta de música estão mais baratas, por causa da Internet, mas têm um maior impacto no ambiente pelo consumo de energia poluente, releva um estudo divulgado hoje pela Universidade de Glasgow no Reino Unido.

"O custo da música", analisou a indústria discográfica e o consumo de música nos Estados Unidos, e concluiu que os consumidores gastam menos pela música que ouvem, em particular com o aumento dos serviços de streaming.

No entanto, a energia que é gasta para carregar a bateria de todos os dispositivos para a partilhar e ouvir, como telemóveis e computadores, representa um aumento das emissões de gases de efeito de estufa no ambiente.

No estudo são ainda avançados dados concretos sobre o panorama nos Estados Unidos: em 1977, no pico das vendas dos discos de vinil, o consumo de música gerou 140 milhões de quilos de dióxido de carbono, mas em 2016 o armazenamento, transmissão e escuta de música online levou à emissão de 200 milhões a 350 milhões de quilos de CO2.

Do ponto de vista do impacto ambiental, os investigadores apresentam um dado positivo sobre a desmaterialização do consumo de música que consta que em 2016 o uso de plástico na indústria discográfica desceu drasticamente para oito milhões de quilos.

O estudo não pretende dissuadir as pessoas de ouvirem música, mas espera que "ganhem consciência da alteração de custos envolvidos no consumo", afirmou o investigador Matt Brennan, citado pela Universidade de Glasgow.
Cerca de um mês depois de ser distinguido pela sexta edição consecutiva com o prémio "Outstanding Greener Festival Award 2018", o português Boom Festival acaba de conquistar mais um prémio internacional, o "AGF International Award" na categoria "Greener Creative Award" numa iniciativa internacional que tem como objetivo premiar eventos exemplares para a indústria através das suas práticas de sustentabilidade. Foram distinguidos nove festivais, de oito países. O Boom Festival, que esteve nomeado para cinco das 10 categorias premiadas, foi o único festival português distinguido.  

Os 40 festivais de 17 países que estiveram nomeados para os "AGF International Awards" tiveram de passar por uma avaliação rigorosa, que inclui visitas aos recintos, bem como uma análise detalhada. 

O esforço da organização do Boom Festival, evento bienal de cultura independente e sustentável, que se realiza em Idanha-a-Nova, em criar espaços, instalações de arte e ambientes com base nos princípios da sustentabilidade ambiental e da ética social foi reconhecido pelo júri independente que premiou os vencedores na primeira edição destes prémios internacionais.

De acordo com a organização dos prémios, o Boom Festival foi distinguido na categoria "AGF Greener Creative Award" por "ser um evento único a nível criativo que conduz à dissolução das barreiras restritas que o pensamento do mundo moderno impõe, através da promoção de uma conexão maravilhosa com a natureza e uns com os outros. A Boomland é uma obra-de-arte em si própria, com as estruturas e esculturas do festival a fundirem-se perfeitamente na envolvente pelo uso de materiais naturais e técnicas de permacultura". A organização destaca ainda o facto de o festival juntar cientistas, académicos, artistas, xamãs, tribos indígenas e ativistas num único espaço, debatendo ideias com vista ao bem-estar das pessoas e das comunidades "num novo paradigma de tolerância e compreensão que incentiva a felicidade e a integração".
 
Após uma auspiciosa entrada em 2019 com a apresentação de Pan-Pot e Laurent Garnier, os eventos com assinatura Neopop regressam à cena no próximo dia 13 de abril, sábado, com mais um astro do firmamento eletrónico. 

Desta feita o Hard Club no Porto, recebe o próximo convidado Sam Paganini, artista italiano que de há duas décadas a esta parte tem vindo paulatinamente a impor-se no panorama mundial com o seu já designado "Sexy Groovy Dark Techno", conseguindo conciliar presenças tanto no circuito mais underground, como nos palcos mainstream

O início da sua história remonta a meados dos anos 90 quando através do alias Paganini Trax irrompe nos charts com "Zoe" numa abordagem progressive à música de dança. Desde então a sua sonoridade tem percorrido diversos percursos, nunca relegando a experimentação e impondo-se em casas como a Plus 8 (Richie Hawtin), Cocoon (Sven Väth) ou Drumcode (Adam Beyer), editora que deu a conhecer “Rave” um clássico e peça intemporal de techno. 

Ao cartaz juntam-se os portugueses Frank Maurel, Freshkitos e Tiago Fragateiro. Os bilhetes podem ser adquiridos na MadeOfYouTickets e rede Ticketline pelo preço de 15 euros em regime de pré-venda.
 
Sem margem para dúvidas o Tomorrowland é um dos maiores eventos de música eletrónica do mundo. A cada ano que passa, os mais mediáticos DJs visitam a cidade de Boom na Bélgica para fazer vibrar os milhares de festivaleiros que rumam até ao festival em busca do melhor fim-de-semana das suas vidas. Embora o recinto seja gigantesco, um evento desta magnitude não consegue comportar a lotação de todas as pessoas que desejam estar presentes. Foi por isso que no ano 2015 a organização decidiu criar o conceito "Unite With Tomorrowland", de forma a reunir em simultâneo o máximo de fãs do evento e que estes pudessem viver uma experiência similar ao festival, mas perto da sua casa. Nesse mesmo ano, o evento decorreu na Índia e no México e desde então tem percorrido os quatro cantos do mundo, como a Colômbia, Alemanha, Israel, Japão, Itália, Grécia, Espanha e agora a estreia em Portugal - confirmado no dia de hoje.

A notícia da estreia em terras lusas deixou os festivaleiros em êxtase, no entanto importa ter em conta que o Tomorrowland Unite que vai acontecer no próximo dia 27 de julho no Parque Oriental da cidade do Porto não é o Tomorrowland que estamos acostumados a ver na Bélgica. Porém, existem semelhanças e todo o conceito é inspirado no evento principal que este ano comemora 15 anos de existência e se realiza nos dias 19, 20 e 21 e 26, 27 e 28 de julho

O Palco
Todos os anos o festival Tomorrowland tem um tema. É a partir desse tema que é construída toda a estrutura do evento, que vai desde a decoração, ao cenário, performances, etc. O palco principal não é exceção, e é aí que se centram todas as atenções. Enquanto que no Tomorrowland existem vários palcos, no Tomorrowland Unite apenas existe um que será ocupado por vários DJs e por uma vasta panóplia de logística repleta de efeitos especiais e multimédia. Este ano o tema do festival belga será "The Book of Wisdom" (o livro da sabedoria), que já foi apresentado em 2012 e também no Tomorrowland Brasil, em 2015. 
 

Para ler também: 



Os Artistas
Embora ainda não tenham sido divulgados, os artistas que compõem o Tomorrowland Unite, serão na sua maioria DJs que atuam no evento na Bélgica e também artistas locais. No ano passado em Barcelona, além das transmissões (de Armin van Buuren; Afrojack e Dimitri Vegas & Like Mike) que foram apresentadas no ecrã gigante com imagens em direto da Bélgica, subiram ao palco os DJs Steve Angello, Steve Aoki, Galantis, Quintino, Yves V, Kungs, Albert Neve e Abel Ramos, Albert Gonzalez, Ofenbach e os Double Pleasure.

Os Bilhetes
O bilhete para um dia de Tomorrowland na Bélgica custa cerca de 100 euros. No Tomorrowland Unite os preços são mais baixos e a organização aconselha que todos os interessados se registem no site oficial até ao próximo dia 15 de abril de forma a garantirem a sua presença a um preço mais económico. Os valores ainda não foram divulgados mas haverá vários preços.

A Festa
Por último e não menos importante, é o que vai acontecer no Parque Oriental do Porto, magnífico anfiteatro natural, em parte semelhante ao recinto do Tomorrowland na Bélgica. A festa começará a partir das quatro da tarde e decorre em simultâneo em cinco locais distintos: Atenas, Malta, Barcelona, Porto e no seu berço, a Bélgica. Muito mais que um evento de música eletrónica, o Tomorrowland Unite é uma sincronização de sentimentos em torno do maior festival do mundo que nos permite ter uma experiência interativa e única, quer seja sozinhos ou rodeado de amigos.

27 de julho de 2019 marca a chegada do UNITE with Tomorrowland a Portugal que irá juntar-se a mais três países na celebração dos 15 anos do Tomorrowland.
 
O Porto foi a cidade escolhida para a realização deste evento sem fronteiras que liga via satélite a Bélgica e o resto do mundo através de uma conexão live do palco principal do Tomorrowland. Os efeitos especiais sincronizados com o espetáculo na Bélgica, combinados com o cenário típico do Tomorrowland e um line up de artistas de peso ao vivo faz do UNITE with Tomorrowland um espectáculo único que nos leva para outra dimensão.

Ao fabuloso line up de DJs, nacionais e internacionais que vão atuar ao vivo no palco do UNITE with Tomorrowland Portugal juntam-se os The Amicorum Spectaculum. Este grupo de entertainers cujo nome tem origem no mítico tema do Tomorrowland de 2017 está a preparar-se para embarcar numa viagem fantástica até aos horizontes místicos da Grécia, Malta, Portugal e Espanha

Mais que um evento local, Unite with Tomorrowland é um evento que permite que públicos em diferentes cidades da Europa estejam juntos, numa perfeita sincronização via satélite, numa mesma emoção, numa mesma realidade, no ambiente único que caracteriza 

O pré-registo está disponível no site do evento onde é possível reservar um lugar no UNITE with Tomorrowland Portugal até ao dia 15 de abril. Ao efectuar este registo aumentam as hipóteses de garantir a entrada no evento e o bilhete fica mais económico.
 

Para ler também: 



Criado em 2005 pelos irmãos Beers, Tomorrowland é o maior festival de música na Bélgica e acontece em Schorre, na cidade de Boom. Famoso pelo seu ambiente mágico, onde não faltam os efeitos especiais e as decorações temáticas anuais, a celebração dos 15 anos revisita um dos mais emblemáticos temas do festival: The Book of Wisdom: The Return, onde se juntam mais de 1.000 artistas e uma audiência estimada em 400.000 pessoas.
 
Em Portugal, o evento acontece no Parque Oriental da cidade do Porto, é co-produzido pela UAU e a PEV Entertainment em parceria com a Câmara Municipal do Porto.
 
 
Em parceria com a ESCS FM, a APORFEST - Associação Portuguesa de Festivais de Música, lançou recentemente o programa radiofónico "Cabeça de Cartaz" que pretende dar voz aos responsáveis, executantes e artistas dos festivais de música.

A estreia contou com Jorge Silva, diretor do festival Bons Sons, numa conversa informal que durou cerca de uma hora. "Cabeça de Cartaz" é um projeto quinzenal que terá conversas, várias rúbricas e música escolhida pelos convidados.
 
A APORFEST tem por missão defender os interesses e direitos de todos os Associados, a nível nacional como internacional, bem como contribuir para o desenvolvimento e profissionalização de todos os stakeholders da área dos festivais de música em Portugal.
 
Ouve aqui o primeiro episódio de "Cabeça de Cartaz".
Depois de anunciar que muito em breve estará de regresso ao selo holandês Spinnin Records e com um tema tocado no passado fim-de-semana no Mainstage do Ultra Music Festival, o DJ e produtor português Pedro Carrilho remistura agora um dos mais emblemáticos músicos jamaicanos de sempre: Shaggy. O tema intitula-se "Own The Night" e nele participam também Nicola Fasano e Honorebel. 

"Achei o tema original bastante catchy e decidi dar-lhe uma roupagem mais club e festivaleira, de forma a poder enquadrar-se nos meus DJ sets. O Nicola Fasano adorou o resultado e foi rapidamente assinada como remistura oficial. Na fase de promos tivemos ótima recetividade por parte de DJs e diversas rádios um pouco por todo o mundo. Estou muito satisfeito com o feedback até agora!" conta Pedro Carrilho, que atualmente ocupa a posição número 15 do TOP 30 - 100% DJ.

Esta nova remix está disponível nas plataformas Spotify, Beatport e iTunes, pela Route75 Recordings.
 
Embora fosse uma partida para celebrar o primeiro de abril, vulgarmente conhecido por ser o dia das mentiras, a confirmação do artista português Toy, não caiu bem na comunidade do festival da RFM, que nas últimas semanas tem sido surpreendida com confirmações de artistas de outros géneros musicais que não os habitais, como é o caso de Tyga e do reggaeton porto-riquenho Ozuna.

"Como é dia 1 de Abril um gajo ainda se ri mas olhando bem para o cartaz ainda pensamos 2 vezes, se assim for... RIP Portugal", "Promotores da RFM estão a querer acabar com um festival que tinha tudo para ser dos melhores da Europa. Ninguém quer ir ver o Toy", "Estamos com muita piadinha este ano. Até no cartaz" e "Essa partida do Toy não é nada comparativamente a partida ou melhor dizendo realidade que tem vindo a ser o cartaz do Somnii deste ano", são alguns dos comentários que se podem ler na publicação que se esperava divertida, mas que acabou por ser um mural de observações negativas que continuaram numa outra publicação que dava conta de que a confirmação do artista Toy tinha sido uma simples partida.

O RFM Somnii regressa à Figueira da Foz nos próximos dias 5, 6 e 7 de julho e neste momento os ingressos - à venda nos locais habituais - custam entre 29,50 euros (o bilhete diário) e os 288 euros com campismo. O line-up até agora divulgado apresenta-se da seguinte forma:
 
5 de julho
Afrojack / Alesso / Fedde Le Grand / Radical Redemption / Vigel
 
6 de julho
DJ Snake / Ozuna / Netsky / Redfoo / Jay Hardway 
 
7 de julho
Don Diablo / Tyga / Jonas Blue
 
A notícia foi recebida de forma inesperada e o artista português não acreditou à primeira. Na atuação deste sábado no palco principal do Ultra Music Festival em Miami, Armin van Buuren incluiu no seu set a faixa "For Life" assinada pelo DJ e produtor português Francisco Cunha, que atualmente ocupa a posição número 18 do TOP 30 da 100% DJ. 

Esta sua última faixa, lançada em janeiro pela Release Records tem recebido feedback positivo e apoio de grandes nomes da música eletrónica como é o caso de Yves V, Lost Frequencies, Oliver Heldens, Blasterjaxx, Don Diablo e agora do holandês Armin van Buuren.

A par disso, Cunha prepara-se para viajar esta sexta-feira até Londres onde irá ter uma presença especial no conhecido Ministry of Sound ao lado dos Third Party, numa apresentação da "For Life".

De forma a celebrar os seus 15 anos, o Tomorrowland lançou uma votação para que os fãs possam eleger as 1000 músicas mais icónicas da história do festival belga. Para participar nesta votação, basta aceder ao site da One World Radio e escolher três músicas.

As 1000 mais votadas serão transmitidas continuamente numa contagem decrescente que decorrerá entre os dias 02 e 11 de abril, na própria rádio do festival. A votação não será extensa e encerra já este domingo, 31 de março.

Todos os participantes desta votação terão ainda a oportunidade de conhecer o seu artista favorito nesta edição do Tomorrowland, que se realizará em Boom, na Bélgica, nos dias 19, 20 e 21 e 26, 27 e 28 de julho, sob o tema "The Book of Wisdom" (o livro da sabedoria), que já foi apresentado em 2012 e também no Tomorrowland Brasil, em 2015.
 
Pág. 1 de 51
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.