21-06-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
"Spiritual Battery" do produtor nacional Paul Jays e editada em maio de 2001, foi a terceira referência da Magna Recordings. Rapidamente se tornou num dos "best-sellers" em vinil da editora a nível nacional e entrou em inúmeras compilações e charts internacionais, o que levou a Danny Tenaglia a considerá-la um dos seus clássicos de todos os tempos.

Depois do êxito de "Feel The Drums" de Carlos Manaça (Magna 001) e de "The First Tribal Feeling" de Pete Tha Zouk e Bruno Marciano (Magna 002), editados em 2000, "Spiritual Battery", veio cimentar a Magna Recordings como uma das principais referências da música electrónica mais underground em Portugal. 

20 anos depois da edição original, DJ Vibe, um dos principais embaixadores e referência máxima do underground nacional, quer como DJ, quer como produtor em Portugal, quis, com esta remistura, apresentar-nos uma excelente versão deep house do clássico da Magna Recordings, mantendo os vocais do tema original, perfeito para o Verão que se aproxima.

Também XL Garcia, outra das figuras centrais da música eletrónica em Portugal, e que conta já com uma vasta carreira, com participações como cabeça de cartaz em alguns dos maiores eventos nacionais, quis juntar-se a Massivedrum, um dos mais versáteis e prolíficos produtores nacionais, para apresentar uma remistura de progressive house, com um espírito bem diferente da versão original.

Apesar de manterem as percussões e os vocais, conseguiram levar "Spiritual Battery" a um outro nível, acrescentando até um "acid break", que irá surpreender os (muitos) fãs da versão original e que se enquadra ainda mais na música house.

A edição 110D da Magna Recordings inclui também um novo master produzido por Carlos Manaça na Beat Works, da versão original de 2001 - Extended Lithium Mix.

As Remixes de "Spiritual Battery" já se encontram disponíveis na loja online Beatport e nas restantes lojas e plataformas de streaming.
 

Publicado em Música
segunda, 01 fevereiro 2010 22:00

Massivedrum assina novo remix de 'Puro Flow'

O deejay e produtor Massivedrum, nomeado nos Prémios Noite.pt nas categorias de Melhor Produtor Nacional e DJ Revelação, apresenta um novo trabalho - a remistura do tema “Puro Flow” dos Candy Shop Project.

Com um ritmo acelerado é um tema bastante melódico, com batidas fortes, muito groove e também saliências comerciais orientadas para as pistas de dança.
O synth poderoso e a voz conjugam-se perfeitamente e criam o perfeito beat para as pistas de dança. Uma remistura com incidência nas sonoridades house, puro happy house com um vocal masculino fantástico.
Entre o vocal de Dadhu King e a batida de Maravalhas, a remix de Massivedrum resulta numa conjugação perfeita, criando uma atmosfera de euforia contagiante, que irá decididamente “rebentar” com as pistas de dança.

A versão que Massivedrum apresenta surpreende pela capacidade de construção, simplicidade e diferença, num ritmo dançável e marcante, que fica no ouvido e nos impele para as pistas de dança, quase que de uma forma hipnótica.

A música pode ser ouvida no link: http://www.youtube.com/watch?v=gOpqzOIBr-c
Publicado em Artistas
O evento Arcos Jovem regressa àquela freguesia de Estremoz para a sua 11ª edição, entre os dias 20 e 22 de julho, com um cartaz variado e música eletrónica de qualidade.
 
O primeiro dia vai ficar marcado pela atuação de DJ Rui Gonçalves numa festa que pretende recordar os maiores sucessos dos anos 90 e 2000.
 
Christian F e Massivedrum são os cabeças de cartaz da noite de sábado e prometem agitar a pista de dança do evento alentejano, com as sonoridades que os seus seguidores já estão habituados.
 
Além das atuações dos DJs, vai também decorrer um festival de dança, torneio Alcatrone, street-fut, zumba, uma concentração de motorizadas antigas e sobem ao palco outros artistas como Tinho Pinho & Bruno Cramez, Banda Gástrica e Baixinho do Fado.
 
Publicado em Eventos
O DJ e produtor português Massivedrum lançou no passado dia 1 de agosto o seu mais recente single, intitulado de “Feel The Need”, através da editora Sirup Music.
 
A faixa foi produzida num registo de future house com synths britânicos, acordes fortes e uma voz masculina ideal para a época do verão, para animar as pistas de dança nacionais e internacionais.
 
O tema já está disponível no Beatport e pode ser ouvido no Youtube, nas versões de Radio e Original Mix.
 
Recorde-se que Massivedrum foi um dos artistas presentes na iniciativa “Os 20+ de 2015” do Portal 100% DJ, que teve como objetivo premiar os DJs e produtores nacionais que mais se destacaram no ano passado.
 
{youtube}DIOI9bCG4Rs{/youtube}
Publicado em Música
sexta, 05 abril 2013 14:50

Mudam-se os tempos, muda-se o respeito

 
Passo bastante tempo em estúdio e esse facto permite-me estar também atento ao que se passa nas redes sociais e internet. Ora algo que me tem vindo a intrigar nos últimos tempos, é a tremenda falta de respeito e facilidade com que os mais novos (talentosos ou não) artistas, tratam os mais velhos (maior parte com "cartas mais que dadas").

Eu compreendo o entusiasmo de alguns jovens, que conseguindo "imitar" a sonoridade de alguns artistas internacionais, são colocados em pedestais por amigos "facebookianos", que sendo igualmente joviais, não medem a "crítica exageradamente positiva".
 
Todos sabemos que colocar um preview musical no facebook leva a que 90% dos comentários sejam positivos, por razões óbvias. Ora essa situação não demonstra a realidade do talento artístico. Pelo menos no caso dos jovens. Mas acontece que estes jovens "artistas" ficam deslumbrados e pensam que podem argumentar, criticar e achar que apenas o que fazem está correcto e é bom.

Esta é uma situação grave. O respeito é um dos alicerces da inteligência e bem-estar entre "nós", seres pensantes.


Presenciei, recentemente uma bárbara situação em que um importantíssimo produtor foi "gozado", criticado e "escovado", até ao limite. Por quem?! Pois, aí é que está! Por quem ainda não mostrou/provou nada. Por quem ainda não tem sequer argumentos de "venda" artística e acima de tudo, e mais grave, por quem, ao pé de quem criticou é muito pequenino.

Esta é uma situação grave. O respeito é um dos alicerces da inteligência e bem-estar entre "nós", seres pensantes. Opiniões são opiniões, e todos somos livres de as ter, de as dar. Mas a crítica, a crítica é algo diferente e quando é dada com malícia, torna-se falta de respeito.

Gozar um artista que até já pouco tem a almejar, vindo de quem tem ainda tudo a almejar, é sinceramente e desculpem a expressão, mentecapto!

Estes "jovens" esquecem-se que editar uma música nos dias de hoje, não tem sequer um terço do valor que era editar há dez anos atrás. Porquê? Porque hoje em dia não tem custos, porque hoje é facílimo chegar às editoras, porque hoje, se "te enganares" num release, dois dias depois podes lançar uma nova. Porque hoje o risco para as editoras é quase nulo. E porque hoje, hoje até o youtube te ensina a "criar um hit"!
Com isto não significa que o talento tenha deixado de existir, porque existe e bastante, mas esse, esse não precisa de anos para "dar o salto" e afirmar.

Tentar subir uns degraus, difamando o mais velho é feio e no facebook, todos vêem!

Penso que colocar os pés bem assentes no chão e olhar o futuro com entusiasmo e "ganas" é o melhor caminho para os jovens, mas sempre a respeitar o próximo e o mais velho, pois esse, foi o que abriu portas para o "sonho"!
 
 
Publicado em Massivedrum
O ano 2015 não podia ter começado da melhor forma para os DJs Dan Maarten e Massivedrum. Os dois artistas com reputação elevada no panorama noturno português têm agora um novo projeto a que deram o nome de "Future Is Now".
 
Este novo radioshow tem lançamento marcado para a meia-noite da próxima segunda-feira, 2 de fevereiro na emissora radiofónica Mega Hits. De duas em duas semanas e de forma alternada, os «mega» ouvintes poderão ouvir uma hora focada na dance music do futuro, numa viagem musical que também passará pelo baú dos clássicos, “sempre apostando na qualidade” referem ambos os artistas. A primeira edição terá a assinatura de Massivedrum.
 
Segunda-feira pelas 00 horas, não te esqueças de te ligar à Mega Hits, até porque o futuro é agora!
Publicado em Artistas
A editora Newlight Records não poderia ter entrado da melhor maneira em 2013.
A sua primeira compilação digital foi lançada no passado dia 5 de janeiro e reúne as 16 melhores músicas do ano 2012.

Massivedrum, Di Paul e Silvio Luz, Kura, D-Rashid, Mavgoose & Quin e Praia Del Sol são apenas alguns dos produtores que assinam esta nova compilação de boa música, para ouvir em casa, no carro e até no trabalho.

Disponível para compra no Beatport, Itunes e em todas as lojas digitais.
Publicado em Música
quarta, 12 fevereiro 2014 12:28

Identidade

 
Olá a todos, leitores, ouvintes e demais amantes da música de dança, colegas cronistas e toda a equipa da 100% Deejay. Feliz 2014 a todos!
 
Na minha primeira crónica do presente ano, falarei de um assunto que aos poucos, está a acabar com algo bastante importante em todos os negócios, IDENTIDADE. Não só na música, mas também nos espaços.
Parece que neste momento, e em jeito de gíria, temos dois pesos, duas medidas:
 
    - Tudo ao molho e fé em Deus
    - Isto é o Tomorrowland
 
Pode parecer demasiado generalizado, mas não o é. Vamos por partes. No primeiro, temos as casas e os DJs que tocam tudo e mais alguma coisa. Da música pimpa portuguesa ao Electro/Progressive/EDM (call it what you want), passando pela musica brasileira (de quase todos os géneros), remixes de bradar aos céus de clássicos (a típica remix portuguesa com grooves afro), e não esquecendo claro, a vaga de música africana (dos afro-beats pimba à Kizomba, lá toca de quando em vez, um Liquideep, Blackcoffe???) que assaltou o país com as suas danças... peculiares. 
 
Ora isto não tem mal nenhum se se enquadrar no negócio a que a casa se propôs, e, claro, se feito com pés e cabeça. Tocar um "Animals" depois de um "Show das Poderosas" seguido de um "Baixó" com uma acapella pelo meio de Daft Punk é uma "sopa" que pode criar "enfartamento". As coisas feitas com nexo, sentido, neste tipo de casas/negócio, só têm a ganhar. A noite mudou mas há coisas que não, e os horários (sim, as pessoas chegam mais tarde, é verdade), sendo uma das coisas que prejudicou bastante, podem, se bem aproveitados, não prejudicar tanto como se julga. É uma questão de aproveitar certos estilos musicais para fazer as pessoas chegarem mais cedo. É possível, e eu já o vi feito em muito bom negócio por muito bom DJ que pela nossa noite ainda vai tendo... Identidade. O DJ residente deve proporcionar uma viagem ao público, uma sensação de bem-estar, tocar nas emoções e acima de tudo, fazê-lo se tiver mestria, com a sua identidade de encontro ao que se propõe o negócio do club onde trabalha.

A música mudou, os festivais, os clubs e até os próprios DJs, mas olhar só para um lado, acho que não é opção.

 
A segunda... bem, a segunda, é aquele típico trabalho de DJ que, ou começou há pouco tempo, ou então, quer agradar aos amigos que tal como ele, sonham com o festival Belga e com o Top 10 do Beatport. Cada qual com a sua ideologia e direito, mas esta opção para um DJ residente, pode não ser a melhor. Principalmente quando ainda com a casa a menos de meio gás, já vai para lá do "Land". Se esta é a identidade dele - ser residente - pode não ser a melhor opção, ou então como muitos fazem sabiamente, incutem o seu gosto e cunho aos clientes, de forma correcta, com mestria, podendo então tocar o que mais se gosta, não chocando com o ouvido e gosto do público a que o club se propôs agradar e cativar. Penso que ouvir o "Distorted Kick" da Spinnin' Records a noite inteira não é a ideologia de um club com... Identidade.
 
A música mudou, os festivais, os clubs e até os próprios DJs, mas olhar só para um lado, acho que não é opção. Portugal vive provavelmente a maior crise (não só económica), a nível de noite e de tudo o que engloba esta. Musical, temática, mas acima de tudo uma grave crise de identidade que leve as pessoas a querer dizer: "Vamos lá!". E neste aspecto, o DJ actual (salvo excepções como é lógico), não ajuda com a referida "sopa" ou a ilusão do palco "Tomorrowland" que em cima referi. 
 
Esta realidade já me fez pensar várias vezes porque ainda continuam artistas de outros estilos a produzir, a caminhar e a remar para um lado que parece condenado. Pois bem, não está condenado e recomenda-se. Há poucos dias, a senhora Roisin Murphy (a Diva dos Moloko), esteve a actuar na discoteca Lux em Lisboa, para uma casa cheia, e o que me arrepiou ver um vídeo de um Lux cheio a cantar a uma só voz "Forever More". Lux é um exemplo de uma casa com IDENTIDADE (sim, em letras maiúsculas). Quem não gosta não consome, mas quem gosta, sabe sempre que mesmo desconhecendo o que se vai passar, é dentro do que está habituado. Isto é Identidade. Isto é o que falta à noite portuguesa. Diversidade, identidade, qualidade a que se propõe o negócio, independentemente do que seja. Há espaço para todos, para todos os gostos, mas na minha modesta opinião, há que perceber a que cada tipo de cliente se quer chegar. O DJ pode e tem que ter um papel fundamental nesse aspecto, e muito sinceramente, faltam bons profissionais para fazer o "negócio" andar. 
 

(...) Isto é o que falta à noite portuguesa. Diversidade, identidade, qualidade a que se propõe o negócio, independentemente do que seja...

 
É lógico que existem muito boas excepções que fogem a esta crise de identidade. Negócios cimentados, outros mais recentes, sabem desde o porteiro ao DJ, ao que a casa se propôs e... são sucesso. Saber o que se quer e acima de tudo, saber o que se poder oferecer e fazer com o que se tem, necessita de uma liderança com mestria, seguida de uma equipa com vontade e a remar toda na mesma direcção. 
 
Um último reparo. Aos DJs que aceitam residências para não estarem em casa e depois não se predispõem a tocar dentro do enquadramento a que o negócio da casa se dirige, mais vale ficarem no quarto. Prejudicam a casa e a eles próprios. Penso que será melhor opção tentarem perceber onde podem mostrar o seu trabalho e o mesmo funcionar. Erros de casting podem acabar com carreiras e/ou negócios. É tudo uma questão de perceber onde nos enquadramos, qual é a nossa Identidade.
 
Saudações musicais.
 
Publicado em Massivedrum
sexta, 17 dezembro 2010 22:20

Massivedrum lança desafio

O conhecido DJ e Produtor português, acaba de lançar um desafio a todos os criativos, baseado num contest para a criação de um logótipo 'Massivedrum'.

Este desafio está aberto a todos os que quiserem participar e o logótipo oficial de Massivedrum, irá ser escolhido pelo próprio após uma selecção dos vários trabalhos gráficos que serão enviados.

O criativo vencedor terá como prémio um jantar com o artista e direito a lugar priveligiado na cabine, próximo daquele que é considerado o 'melhor produtor nacional'.
 
A participação neste concurso, não dispensa a consulta do regulamento pormenorizado do mesmo, no Facebook do DJ/Produtor.
Publicado em Artistas
segunda, 30 abril 2012 21:57

Warm Up

Warm up é um expressão do Inglês que significa "aquecer" ou "aquecimento". É utilizada na gíria dos DJ's quando se refere ao primeiro que toca, ou o que toca no início da noite.
Posto isto, a minha primeira crónica vem a propósito disso mesmo, dos "Warm up" na noite Nacional.

São raras as noites que no fim das mesmas, consigo comentar, "que grande Warm up que me fizeram hoje". Muito raras e é uma pena que em Portugal pouco ou nada se perceba desse assunto.
A globalização dos DJ’s, a aposta das casas em DJ’s residentes sem nenhuma cultura musical (excetuando os "hits" e "bootlegs" de "hits" do momento), levou a que não exista um cuidado com o ouvido do cliente.
A noite nos dias de hoje começa por volta das 2h30, e termina tarde, bastante tarde. Se não houver um cuidado musical, pode acabar bastante cedo, e como em tudo na vida, os preliminares são muito importantes.
Infelizmente, muitos DJ’s residentes não percebem que quando têm um DJ convidado, o Warm up, é talvez a parte mais importante para o sucesso musical dessa noite. É o trabalho que se faz antes do convidado que prepara o cliente para o que vem.
 
Nestes quase 5 anos que toco de Norte a Sul do país todos os fins de semana, raras foram as noites em que o Warm Up foi bem feito. O DJ residente é o responsável pela música da Discoteca o ano todo, não apenas quando lá vai um convidado, e o facto de não perceber isso, leva a que muitas vezes as noites não corram como esperado, ou da melhor forma. O DJ residente não percebe que tem o ano todo para brilhar (e aí sim, brilha, se o fizer o ano todo), não apenas aquela noite.
 
É muito triste ver DJ’s residentes a colocarem às 2h00 da manhã a fasquia tão alta que o convidado (por melhor que seja), pouco ou nada irá fazer depois. Esquece-se o residente que não está a brilhar nem a tirar protagonismo ao convidado, está pura e simplesmente a estragar a noite. Cansa os clientes, pois a loucura vem com os copos (e aquela hora ainda não "estão no ponto"), gasta músicas, fere ouvidos (muitas vezes até o som já está "no pico"), etc...
 
Um Warm up é para aquecer, não para escaldar assim que se chega à pista de dança.
É realmente triste ver que pouca ou nenhuma cultura se ouve nos dias que correm. Tocar os Hits todos antes do convidado entrar, muitas vezes tocar músicas do convidado, é realmente demonstrativo do que vai na noite nacional. Brilhar quando uma casa está cheia por um convidado, é fácil. Mas brilhar a sério é quando não se tem um convidado, e aí, aposto que até se faz um Warm Up em condições.
 
Um bem haja e controlem as emoções, a noite funcionará muito melhor, experimentem!! Abraço!
 
Massivedrum
www.facebook.com/massivedrum.official
Publicado em Massivedrum
Pág. 1 de 2