04-08-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
quinta, 14 maio 2020 10:22

Não tenham medo de fazer música

Não, não vou falar do atual tema que tanto assombra o nosso trabalho, de nome COVID-19. Não vou falar em números, perdas, ganhos ou datas de quando tudo pode voltar ao normal. Hoje vou falar do que realmente nos une: a música. 

Nestas últimas semanas como tenho tido mais tempo, como todos nós, tenho estado a trabalhar muito em produções novas, e por isso até decidi trabalhar num EP. Algo que já queria há algum tempo, mas devido a outros trabalhos, atuações, lançamentos, etc., a que tive de dar prioridade, ainda não me tinha debruçado sobre o "assunto". Isto para dizer que acho fascinante a capacidade que nós temos para ser criativos quando temos algum tempo, tempo que sobra até... Deixo uma pequena mensagem direcionada para a malta, que, como eu, está dias inteiros agarrada ao computador a fazer música. 

Não tenham medo de explorar, de fazer Rock, Kizomba, Fado ou Hip-Hop. Não tenham medo de criar coisas novas e tirar o melhor partido deste dom que temos, que é o de criar música. Vamos deixar o "EDM" descansar um pouco. Acreditem, faz falta. Temos de "mudar de ares" para conseguirmos fazer o que gostamos cada vez melhor. Tentem samplar, gravar a vossa voz, gravem instrumentos, instalem plugins random, explorem outros meios de produção. Toquem piano, guitarra, bateria e até flauta. Vejam vídeos, documentários, filmes sobre música, ouçam temas de outras alturas, de outros estilos. 

Volto a dizer: façam isto sem medo. Estamos na altura certa de experimentar. Garanto-vos que vai aumentar as vossas skills de produção, vai estimular a vossa criatividade e fazer-vos ver algo para além de "puntz, puntz, puntz". Isto não é uma crítica ao "EDM" porque eu também gosto e faço com a mesma dedicação. 

Mas se explorarmos outras "áreas" temos mais hipóteses de evoluir as nossas capacidades dentro da música. A nível pessoal não temos de estar vinculados a um estilo musical - é importante não esquecer isso. Em primeiro lugar, antes de sermos DJs, Produtores, somos criativos, e se praticarmos da maneira certa, conseguimos fazer coisas incríveis e conseguimos chegar a resultados onde nunca pensámos chegar outrora. 

A música tem um tempo de consumo muito rápido e depois de tudo passar, é muito provável que existam novas tendências a aparecer, o que me leva a crer que se nós formos dedicados e criativos o suficiente, podemos fazer algo que se torne "novo". Não precisamos de mais música "igual". Eu próprio estou, como referi, a criar um EP onde aplico tudo o que disse anteriormente. Não, não vou deixar de ser ZINKO, nem deixar de fazer "EDM" mas vou lançar algo da minha autoria, onde mostro um pouco mais do que aquilo que tenho feito. Considero que há males que vêm por bem, talvez esta pausa na vida de todos seja o caso, talvez seja um "bónus" de tempo para nos reinventarmos como artistas, como criativos e como humanos. 

Façam muita música. Não tenham medo de a mostrar.
 
Publicado em Zinko
O talento português está de novo em destaque na famosa Revealed Recordings - editora de Hardwell, desta vez com o lançamento de uma faixa produzida pelos artistas Zinko e Slowminded em colaboração com o holandês Aftermarket.

Além deste lançamento, a faixa "Trembling" foi tocada pela primeira vez no programa Hardwell On Air 387 e será umas das faixas a incluir no tão esperado "ADE Sampler 2018".

Zinko e Slowminded contam que o feedback tem sido fantástico e que esta música acabou por ser uma oportunidade única a novas colaborações e a um desejado reconhecimento internacional. Zinko representará o nosso país no Amsterdam Dance Event a decorrer entre os dias 17 e 21 de outubro.
 
Publicado em Música
segunda, 19 março 2018 19:36

O que fiz para estar onde estou

A música é o que nos faz ser DJs? 

Todos sabemos que hoje a indústria da música eletrónica atravessa um período de mudança - o que é bom para uns e maus para outros. Em todas as formas de arte há tendências, o público segue-as e dependemos do público para "vingar" neste ramo. A música tem um período de consumo muito mais rápido se comparado a anos passados. Não me quero alongar nesta questão, mas há forma de contornar isso? 

A minha carreira de DJ/Produtor começou há 6 anos atrás. Nunca imaginei poder trabalhar com grandes artistas, nem lançar em grandes editoras como Lokosound ou Revealed. Para mim era sem dúvida algo muito distante, sobretudo olhando para o estado do mercado: muito saturado de demasiada informação desnecessária e com escassez de música. Será que se perdeu o que realmente me fez passar horas agarrado ao computador? 

Já tive muitos fracassos, e já ouvi muitos “nãos” e ainda acontece - porque acontece a todos - mas as “derrotas musicais” não se superam com uma foto no Instagram, nem tão pouco com likes. De certo que sobe a auto-estima e que alivia o processo de focagem noutro passo. 

Estou a dar a minha opinião, não quero discordar de ninguém que diz o contrário. Claro que todos nós sabemos que as redes sociais têm um peso enorme na carreira de um artista e que hoje talvez até tenham mais peso do que a própria música. Isso não significa que precisamos de deixar de ser produtores para ser modelos - a música, como já disse, é e sempre será o mais importante. 

"Não digo que as redes sociais devem ser postas de parte, porque eu mesmo não as ponho (precisamos delas para promover o nosso trabalho e dar-nos a conhecer ao público), estou a dizer que a maneira mais fácil de não sermos postos de parte é não por de parte a música." 

 

É importante ter um Manager/Agente? Ou será mais importante ter uma equipa?

Uma das lições mais importantes que aprendi ao longo destes anos em que sigo no ramo da música, é a que temos de ser nós a “bater com a cabeça” para ver o que está mal e com quem não devemos trabalhar. 

Eu trabalhei desde sempre com o Miguel. O Miguel não é agente, nem manager, não tem formação na área: trabalha em restauração. Mas a vantagem de trabalhar com o Miguel é que ele me conhece: as fraquezas, as forças, os dias bons e maus. E o mais importante é que ele acredita tanto no "ZINKO" como eu. Por isso acredito solenemente que a formação de uma equipa forte, com base na credibilidade do projecto e na confiança mútua é um ponto-chave para tudo funcionar.

Hoje em dia sou agenciado, sim, e tenho alguém "do outro lado". Tratamo-nos como equipa, delineamos estratégias e caminhos para chegar onde queremos. Mesmo que não consigamos, amanhã tentamos novamente. 

Quem quer que escolham para a vossa equipa nunca tratem a pessoa como alguém que está a trabalhar para vocês, mas sim que está a trabalhar convosco. A importância de ter um manager ou agente passa a não ter nexo se não se tratarem como equipa. "Nenhum treinador consegue ganhar campeonatos sem jogadores", é uma mensagem simples, mas que para mim faz toda a diferença. Eu sei quem não estaria onde estou agora, talvez até mesmo a escrever um texto de opinião, se não tivesse uma equipa a trabalhar comigo. 


Enviar Promos

A parte mais importante do artista passa obviamente pela música. Podemos cada vez mais potenciar a mesma e fazê-la chegar aos ouvidos de quem queremos. O envio de promos é algo muito importante no momento em que temos uma "nova música", mas é importante termos um método adequado e prático para o fazer.
 
Alguns pontos que tenho notado quando recebo as promos no meu e-mail.
 
1 - Apresentação 
Acho que ninguém gosta de ser abordado sem uma apresentação do que vai ouvir antes - nome, idade, país, breve descrição -, mas não é preciso alongar ao ponto de escrever uma biografia inteira. Artistas como Hardwell, Afrojack, ou Martin Garrix não estão minimamente interessados se vocês têm uma casa à beira-mar, ou se o vosso cão se chama "Rex". Uma breve descrição e o link da música chega perfeitamente. 

2 - Links
Nenhum artista dos que falei há pouco vai fazer download do vosso ficheiro, por isso acho que o mais prático será enviar um link privado de Soundcloud com download activo, ou link de Dropbox. A falta de pré-escuta é um ponto crucial para a música não ser ouvida. Passados 5 ou 6 emails com anexo, o que enviarem será considerado spam,  perdendo-se boas oportunidades de serem ouvidos, porque a vossa música podia estar boa.

3 - Música
Têm de estar certos de que o que estão a enviar é o melhor que conseguem. Nunca sabemos se o artista a quem enviamos a promo vai ouvir ou não. Por isso é óbvio que um ponto que todos devem considerar é que músicas inacabadas, sem mix/master, entre outros problemas, provavelmente não vão ter feedback ou se tiverem não vai ser o que gostariam de ouvir. Isso faz com que nós fiquemos desmotivados.

Processo Criativo / Mixing e Mastering
Neste tópico certamente não há muito para dizer, pois cada um tem o seu formato de trabalho e as suas manias. Não vou falar de nada que quem faz música não saiba, contudo acho importante referir alguns pontos. Não são precisas colunas topo de gama para fazer música. Não é preciso um estúdio de milhares de euros, não é preciso um teclado midi super atual e cheio de controladores, pois a maior parte das minhas músicas foram feitas de fones, teclado do computador sentado na mesa da minha cozinha. 

É tudo uma questão de conforto. Ter um espaço organizado é o ponto, não tem de ser o espaço nem a altura, acho que naquele momento tem de se estar completamente focado no que se está a fazer - esse é o truque -, obviamente que um bom computador e um bom equipamento ajuda, mas não é o mais importante. O mais importante é sim conseguir passar a ideia da cabeça para o software. 

A música não tem tempo para se fazer, eu tenho músicas com dois anos que sofreram alterações durante esse espaço de tempo até ter o produto final com que me sinto satisfeito. A minha faixa “Footprint” em colaboração com o “Tong Apollo” saiu em novembro de 2017, a ideia da música ficou pronta ainda em 2016. Mudámos tudo, 4 drops diferentes até chegarmos ao resultado final. Já a “Guaraná” demorou três dias a ser feita e consegui assiná-la numa das maiores editoras do mundo. O que importa na realidade é a ideia. Claro que uma ideia bem executada só tem a ganhar. 

Tentar fazer algo diferente não é nada fácil, eu sei disso, sei que fazer algo num estilo muito ouvido - Big Room, por exemplo - mas que não soe genérico é complicado. As labels procuram cada vez mais ideias novas, para criar tendências, algo novo, que não se ouve no mercado. É isto que chama a atenção dos A&R´s, a meu ver é tudo uma questão de ideias e alguma sorte. 

Depois existe a segunda parte, talvez das coisas mais importantes, pode parecer que não faz diferença, mas faz: o Mix/Master é algo que vai finalizar a música. Por vezes sem darmos conta é o que falta, aquele pormenor que não sabemos o que é.  Eu pago esse serviço: https://wiredmasters.co.uk/. Não sou profissional da área, ainda estou a aprender e a pouco e pouco é algo que se vai encaixando no ouvido, pois também tem a ver com o gosto de cada um. 

Sei que é um entrave para muita gente, porque são preços que não são acessíveis a todos, e por isso é aconselhável que o investimento seja numa música que valha a pena, porque como disse há pouco faz toda a diferença.

Gostava mesmo muito que este texto ajudasse a malta, isto é só a minha opinião. Não fiz nem mais nem menos que outros artistas, eu trabalho assim e estou a partilhar alguns dos meus métodos com vocês. Todos os erros de que falei acima eu já os cometi. Não me arrependo de forma alguma, serviram para aprender e a acreditar cada vez mais na minha música. Todos os dias trabalho nisto porque acredito. Espero que vocês partilhem este pensamento. Assim será muito mais fácil que nós, amantes de música, tenhamos um maior sucesso e que levemos o nosso país fantástico além-fronteiras pelo que mais gostamos de fazer.
 
Zinko
Publicado em Zinko
O DJ e produtor Zinko acaba de lançar mais uma faixa na Revealed Recordings, editora de Hardwell, que atualmente se encontra afastado dos palcos e apenas focado na produção musical. Esta é a terceira faixa do artista que recebe o carimbo da prestigiada editora holandesa que nos últimos tempos tem lançado faixas de inúmeros artistas de todo o mundo.

"Pompero" foi produzida em conjunto com Sebastian Mateo, sendo a primeira de um conjunto de três faixas desta colaboração. O nome desta faixa surgiu por meto acaso, conta-nos Zinko que ficou decidido aquando numa videochamada com Sebastian, "de repente olhei para a marca de uns lençóis do hotel onde estava alojado e fez-se luz. Decidimos logo o nome."

Zinko estreou-se na Revealed em 2017 quando lançou uma das suas melhores faixas que diz já ter produzido: "Guaraná". Mais tarde consegue em conjunto com Slowminded e o internacional Aftermarket assinar "Trembling", que saiu na clássica coletânea “Revealed ADE Sampler” apresentada na edição do evento em Amesterdão no ano passado. "Pompero" tem recebido feedback positivo e já conta com o suporte de artistas como Hardwell, Sick Individuals e David Guetta.
 
A par deste lançamento, Zinko conta com uma agenda de verão bastante preenchida com atuações em vários eventos, onde se destaca a Expofacic, a recepção ao campista do RFM Somnii e as Sanjoaninas nos Açores.
 

Publicado em Artistas
sexta, 06 outubro 2017 20:03

Zinko edita novo EP com download gratuito

Pedro Loios, conhecido artisticamente por Zinko, lançou hoje um novo EP intitulado de "Uanabi" para comemorar os 20 mil likes da sua página oficial de Facebook.
 
O EP já se encontra disponível em download gratuito em forma de agradecimento aos seus fãs que têm crescido de dia para dia. "Uanabi" conta com 4 temas de estilos diferentes como Big Room, Bounce, Electro House e Future House.
 
Recorde-se que Zinko ficou colocado em 30º lugar no Top 30 de 2016 do Portal 100% DJ, através do voto dos seus fãs e seguidores. Mais recentemente, o artista português viu um dos seus temas ser transmitido no radioshow de Hardwell, mais conhecido como "Hardwell On Air".
 
Publicado em Música
“On The Lung” é o nome da nova colaboração de Zinko e Slamtype, lançada no passado dia 30 de julho com o selo da Peakhour Music. 
 
A produção deste tema começou durante a digressão dos artistas nos Açores, onde se encontraram e juntaram-se de imediato em estúdio para trabalhar na faixa. Mais tarde, depois de continuarem a produção em Portugal Continental, a mesma foi assinada pela editora norte-americana do artista Exodos.
 
Hardwell, David Guetta, Don Diablo e Afrojack foram alguns dos artistas internacionais que já deram o seu apoio aos produtores portugueses. 
 
Publicado em Música
O DJ e produtor português Zinko continua a dar que falar. Depois de um ano em grande, tendo ficado em 19.º lugar do TOP 30 de 2018 do Portal 100% DJ, o artista português acaba de lançar uma colaboração com a dupla Club Banditz, intitulada "Forever".

A faixa de house progressivo durou cerca de dois anos a ser produzida. "Foi sem dúvida uma das melhores músicas que produzi, talvez por ter algum sentimento quando a fiz, as influências que deixei na faixa vêm de um house mais antigo, de quando começámos a ouvir a música eletrónica em palcos principais", revelou Zinko.

"Forever" tem o selo da Aftercluv, que pertence à Universal Music Group norte-americana e já conta com o apoio de inúmeros artistas nacionais e internacionais. 

Outra das novidades na carreira de Zinko é a criação de uma "Oficina de Produção" no Centro Juvenil de Montemor-O-Novo. Este workshop de produção musical totalmente gratuito, conta com o apoio do Município da cidade alentejana, do Centro Juvenil e ainda dos artistas blaeckfull e Xxoy. Este novo projeto arrancou no passado dia 11 de fevereiro e estende-se até ao dia 17 de junho. 

Os interessados que não vivem naquela cidade, poderão participar neste workshop entre os dias 1, 2 e 3 de março, no mesmo local.
 
Publicado em Artistas
domingo, 17 março 2019 16:41

Valores

Este tema é algo que até mesmo eu não sei expressar a 100%, mas vou falar-vos um pouco dos valores que devemos considerar válidos e no limite da humildade, e também dos cuidados que nós artistas devemos ter em conta quando nos propomos a um público. 

Todos sabemos que a música eletrónica entrou na "moda" há alguns anos, e, consequentemente o número de DJs/Produtores/Sonhadores/Amantes aumentou ao longo desde esse período. 

No contexto artístico onde estou inserido, já me deparei com inúmeros casos onde o artista elabora enormes riders hospitaleiros, com direito a camarim de luxo, bebidas de marcas caras, toalhas PRETAS, entre outras tantas coisas... Perguntam-me "O que tens contra isso?" Respondo claramente que nada e considero que os artistas se valorizem e peçam aquilo que acham indispensável para o dia da sua performance. Mas será que depois na hora da atuação estão em condições de alguma coisa? Parece que alguns não compreendem que estão a tocar para o público, que estão a ser pagos e que têm de agir como qualquer contratado em qualquer outro serviço. Refiro isso porque há muitos artistas que antes da atuação bebem exageradamente, fazem uma vida de excessos antes de entrar em cena e depois "dá barraca".  O porquê de escrever sobre este tema não é nada contra quem o faz, porque sinceramente não me importo com o nível de atuação de A, B, ou C, escrevo apenas porque prentendo chamar a atenção dos excessos no meio onde estamos. Todos nós nos dizemos ser grandes artistas, falamos bem de nós próprios a toda a hora e considero isso positivo, no entanto é necessário fazer valer o que dizemos. Sinto até que seja um pouco imaturo não nos sabermos comportar dentro do nosso espaço de trabalho, a cabine. 

Para além disso, há ainda aqueles que não sabem ser educados com os colegas de trabalho, não me refiro a colegas/artistas, mas sim Técnicos de Som/Luz/Produção/Organização/Fotógrafos, etc... Sim, porque somos todos parte de uma comunidade! Comunidade esta em que precisamos uns dos outros para trabalhar, onde os artistas aparentam ter algum complexo com a comunicação, porque muitas vezes são mal-educados e chegam a ser desagradáveis para quem com eles está a trabalhar. 

"CAROS AMIGOS DJS, NÓS NÃO SOMOS REIS DE NADA, NÃO SOMOS ESTRELAS E O MUNDO NÃO GIRA À NOSSA VOLTA".

Entendam que não precisamos ser arrogantes para quem está a trabalhar. Temos espaço para ser artistas, músicos e na nossa cabeça até temos espaço para ser estrelas, mas acima de tudo devemos ser pessoas, e boas pessoas, porque só assim deixamos a nossa marca. Este é realmente um tema que me incomoda, não por viver isso na pele, mas porque já vi acontecer inúmeras vezes.

Nunca se esqueçam desta lista:
Sem Técnico de Som: Não ouvimos 
Sem Técnico de Luz: Não vimos
Sem Produção: Não comemos 
Sem Organização: Não recebemos 
Sem Fotógrafos: Não recordamos 
Sem Público: Não nada.
 
Zinko
Publicado em Zinko
Quer seja um ponto final ou uma simples pausa na carreira de DJ, certo é que a decisão de Hardwell apanhou tudo e todos de surpresa. Num comunicado divulgado esta sexta-feira, o artista holandês afirmou que "ser Hardwell 24 horas por dia e 7 dias por semana acaba por deixar pouca energia, amor, criatividade e atenção" para a sua vida como uma pessoa normal. 

Além das suas grandes tours pelo planeta, a vida de Hardwell é também ocupada com a sua editora Revealed e com "Hardwell On Air", programa emitido não só na internet como em várias rádios por todo o mundo e onde já vários artistas portugueses tiveram em destaque, como é o caso de Ben Ambergen, Kevu, Zinko, Se7en e o seu amigo pessoal Kura

A propósito desta decisão de Hardwell fomos ao encontro dos referidos artistas onde a opinião é unânime. No DJing nem tudo é como parece ser e para combater a pressão e desgaste físico e psicológico nada melhor de que uma pausa. Neste caso, por tempo indeterminado.
 
 
Ben Ambergen
Esta decisão de Hardwell é para mim de coragem e merece todo o nosso respeito. A mesma coragem que ele teve quando decidiu deixar toda uma vida pessoal, enquanto Robbert, para se tornar Hardwell a "full time". Não imagino o que é ser o Hardwell, a pressão de todos os compromissos com tudo e com todos. Calculo que seja uma vida, tal como os espetáculos dele, programada ao segundo. É certamente difícil e desgastante seja fisicamente seja psicologicamente. No documentário do Avicii, deparamo-nos com esse mesmo facto. Imagino que este comunicado não será o fim das tours do Hardwell mas sim o repensar de uma carreira com tours mais moderadas. Espera-se que seja apenas uma breve pausa para que possa descansar e estar junto da família e amigos. Toda a gente precisa e ele merece. Ele deixa boas notícias ainda há música para sair e que não vai deixar de produzir. Agora percebe-se o adiamento do álbum Hardwell & Friends Vol. 4. Acho que teremos direito uma atuação surpresa dele no Ultra Music Festival 2019, como "comeback" e que será a sua melhor atuação de sempre.
 
 
 
Kevu (João Rosário)
A ideia que o público em geral tem da vida de um DJ internacional é bastante errada. Muitas pessoas pensam que é tudo fácil, muitas festas, passear, estar junto dos fãs... mas existe uma história bem diferente daquilo que se mostra nas redes sociais. O viajar constantemente onde inúmeras vezes os horários de sono são bastante reduzidos, a pressão de dar bons espetáculos enquanto se tem de lançar musica regularmente acaba por afetar toda a gente. Acredito que o Hardwell com o seu horário incrivelmente preenchido sentiu que estava na hora de aproveitar algum tempo para si mesmo. Não nos podemos esquecer que é um homem normal, com família de quem está muitas vezes longe. Acredito que seja essa umas das razões porque decidiu fazer uma pausa. Sendo ele quem é, tenho a certeza que vai voltar ainda mais forte. Às vezes temos de dar um passo atrás para dar dois em frente.
 
 
 
Zinko
Não sei o que pensar nestas situações, pois a especulação é sempre muita e muitas vezes sem fundos de fontes seguras do que realmente acontece, dou a minha opinião mais sincera. Todos sabemos quem é o Hardwell, o que fez, o que ajudou no crescimento do EDM no mundo e de alguma forma no nosso país, obviamente que o peso de uma retirada é enorme e causa um impacto brutal na indústria. Ele e a sua equipa sabem com certeza do envolvente deste facto. Nunca falei com o Hardwell pessoalmente, tenho alguma ligação por intermédios a partir da editora Revealed, por isso vou comparar de certo modo com a minha situação. A minha carreira já tem alguns anos, e de alguma forma já senti o peso da pressão, e muitas vezes eu próprio digo... "Bem se eu tenho 4 ou 5 gigs seguidos chego a casa todo partido, imagino alguém como o Hardwell, por exemplo". E a verdade é esta, todo um acumular de uma carreira no EDM numa altura em que a música eletrónica é na maior parte dos eventos Mainstream é uma alta pressão, acho que ele diz a verdade quando tem de pensar nele enquanto pessoa e enquanto "parte" de uma família, não só por já ter alguns longos anos disto, mas também porque as nossas bases seja para o que for, estão nos nossos princípios familiares, a falta de imaginação pode ser motivo para um artista entrar em depressão. Considero esta retirada do Hardwell como um "precaver" a uma situação similar a isso, não acho que seja jogada, nem um estudo de mercado, acho que é sim uma pausa interior e pessoal para com ele mesmo. Será para voltar em força daqui a algum tempo? Será para realmente sentir falta da pressão e da vida agitada? Não sei. Mas sei que Hardwell estando ou não no ativo já deixou provas e a sua marca ao mundo de que sempre será um nome de referência no EDM. Claro que fico triste, mas por outro lado fico tranquilo por saber que a música continuará a existir. Espero que não seja mais um caso Avicii e que o "Rei" do EDM volte em força brevemente.
 
 
 
Se7en
Penso que foi a melhor opção que ele possa ter tomado. Não é saudável ter de lidar com uma agenda cheia de entrevistas e atuações, e chegar ao final do dia e ainda ter forças para se focar em futuros lançamentos e na produção musical... Portanto percebo perfeitamente como se sente e respeito totalmente a sua decisão. Se formos a ver as coisas como elas são, é dos poucos artistas que mantém-se fiel ao seu género de música e trabalha diariamente de forma árdua para agradar os seus fãs. Leve o tempo que precisar, tenho a certeza que o número 1 do mundo voltará com toda a energia que nos tem acostumado ao longo dos anos. Força Hardwell!
 
 
 
Kura
A decisão do Robbert foi bastante pensada pois ele sabe o impacto que vai ter nos fãs que o adoram e que o gostariam de ver atuar brevemente, mas precisamos de ter tempo para cuidar de nós. Esta vida é extremamente exigente, tanto psicologicamente como fisicamente. A maioria das pessoas pensa que é tudo um mar de rosas mas não é bem assim, são centenas de voos por ano, várias noites sem dormir, onde o cansaço se começa a acumular, não vês os teus familiares e amigos durante semanas a fio, enfim. Todos estes fatores começam a desgastar o artista e por vezes a melhor solução é parar um bocado para recarregar baterias.
Publicado em Artistas
O jovem DJ e produtor Zinko lançou no passo dia 27 de junho o seu mais recente tema “Clubbin”, através da editora Peakhour Music. A faixa já está disponível para compra nas principais plataformas online.
 
“É complicado fazer algo que não seja igual ao que costuma sair, mas que não soe estranho aos ouvidos de quem vai ouvir. A melodia da música era um projeto já entigo que tinha desde 2013, mas que rapidamente encaixou e se transformou num edit deste ano”, referiu Zinko em entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ.
 
“Clubbin” já tem o apoio de grandes nomes da música eletrónica internacional, como é o caso de Fedde Le Grand, Chuckie, Don Diablo, D. O. D, Exodus, entre outros. Na opinião de Zinko, “não existe um segredo” para os grandes artistas ouvirem uma faixa de um jovem produtor. “Na minha opinião, os apoios conseguem-se com os contactos e amizades que se vão mantendo ao longo da carreira e é um processo demorado e de alguma persistência”, revelou.
 
Para a sua faixa ser ouvida, Zinko enviou “cerca de 300 promos” da “Clubbin” e o artista considera que há vários fatores básicos que levam as faixas serem ouvidas: Qualidade; Uma boa editora; uma boa base de contactos; não enviar quatro ou cinco faixas no mesmo email; Não enviar o mesmo e-mail para todos; Enviar sempre as faixas finalizadas; Não alongar o dialogo, mas referir os apoios de artistas e editoras com quem já se trabalhou; Persistência; Paciência e claro, Sorte.
 
Os novos talentos nacionais destacam-se cada vez mais no cenário da música eletrónica internacional e para Zinko é “algo bom, não só para a ‘noite’ nem para o mundo artístico mas também para o nosso país, digo isto porque acho que ainda há falta de reconhecimento neste ramo”, considera Pedro Loios. Os novos talentos “estão sem dúvida num bom caminho e com muito trabalho de qualidade”, referindo produtores como David Souza e Ben Ambergen como exemplo.
 
A carreira de Zinko vai crescer “a partir de setembro”, com o lançamento de “colaborações com grandes artistas” e uma faixa “numa grande editora”.
 
{soundcloud}https://soundcloud.com/peak-hour-music-official/zinko-clubbin-original-mix{/soundcloud}
Publicado em Música
Pág. 1 de 2