25-09-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
Em resposta aos jornalistas e depois da reunião do Conselho de Ministros, o ministro da Economia Siza Vieira, afirmou, esta quinta-feira, que os festivais de música vão manter-se proibidos até ao final do ano, devido à pandemia de Covid19.

"Os efeitos do diploma que tinha suspenso a realização de festivais são prorrogados até ao final deste ano. Isto significa que, mantendo-se este regime, por princípio, aquilo que se costuma denominar festivais de música continuam proibidos", declarou.

Ainda assim, esclareceu que "é possível realizar [determinados] eventos" desde que "nas condições que sejam definidas em diálogo com as autoridades de saúde e com as forças de segurança".

Quanto aos festivais, o ministro da Economia relembrou que "todos os eventos desta natureza, que tenham que ser cancelados sem virtude da prorrogação desta lei, beneficiam do regime que está em vigor e que obriga os organizadores dos festivais a permitirem aos potenciais titulares de bilhetes poderem utilizá-los numa próxima ocasião ou terem um crédito para utilizarem no futuro".
A ANEBE (Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas) assinou, em Lisboa, o Memorando de Entendimento relativo à informação sobre o valor energético, ingredientes e composição nutricional das bebidas espirituosas vendidas na Europa. A ratificação deste documento foi feita na presença de Sarah Melina, diretora de Mercado Interno da SpiritsEurope, associação que representa os interesses dos produtores europeus de bebidas espirituosas.

Desta forma, o setor das bebidas espirituosas compromete-se assim a disponibilizar nos rótulos e no canal online a informação sobre o valor energético, lista de ingredientes e composição nutricional dos respetivos produtos.
 
O memorando determina que, até final do ano 2020, uma em cada quatro garrafas deverá incluir esta nova informação e peso que deverá aumentar para 50% e 66% até ao final de 2021 e 2022.

João Vargas, secretário-geral da ANEBE, evidencia o pioneirismo do setor e do país, em comunicado de imprensa. "Somos dos primeiros a assumir voluntariamente, antes do tempo estabelecido pela Comissão Europeia, a disponibilização desta informação." Isto apesar "do esforço adicional decorrente dos desafios financeiros e logísticos associados ao processo".
Numa carta enviada ao Governo, a Associação de Bares do Porto propôs a atribuição de licenças de funcionamento temporário mediante candidatura individual, alertando para a chegada dos universitários e para o "expectável" aumento do fenómeno do botellón.

A Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP) diz estar vigilante e acusa o Governo de não ter prestado atenção suficiente aos espaços de diversão noturna de "relevância capital para a sociedade", como espaços de confraternização, de envolvimento cultural, social, turístico e económico.

Com o fenómeno do botellón a proliferar na noite portuense, o presidente da ABZHP, António Fonseca, mostra-se preocupado com o regresso dos estudantes universitários e "a mais do que previsível" concentração dos mesmos na via pública.

No sentido de assegurar por um lado a proteção do setor, mas também da comunidade estudantil e civil, a associação entende ser crucial a adoção de conjunto de medidas a começar pela criação de um procedimento de atribuição de licenças de funcionamento temporário, mediante a apresentação individual de candidaturas por parte dos estabelecimentos.

A ABZHP propõe ainda a criação de um sistema de "Certificação DGS", alusivo ao cumprimento de requisitos de higiene e limpeza para prevenção e controlo do coronavírus, com um sistema de monitorização mais fiável, em substituição de outros sistemas, como o selo "Clean&Safe" atualmente em uso, mas que não são, no entender da associação, "credíveis".

Entre as 22 horas de sexta-feira e as 3 da manhã do passado sábado, a PSP do Porto instaurou 23 autos de contraordenação por consumo de bebidas na via pública, avisando que vai manter ações similares "no contexto da atual situação epidemiológica".
A Praia da Rocha em Portimão foi o local escolhido para o EDC (Electric Daisy Carnival) celebrar os seus 25 anos de existência numa edição especial que se realiza nos dias 18, 19 e 20 de junho de 2021. Classificado como um dos maiores festivais do mundo ligado à música de dança eletrónica, o EDC - que tem a sua residência em Las Vegas - realiza-se no próximo ano e pela segunda vez na Europa, depois de ter passado também pela China, México e Japão.
    
Os artistas que compõem o cartaz vão ser divulgados nas próximas semanas, no entanto a organização adianta que será uma oferta imperdível, do melhor que a música electrónica tem. Above &  Beyond, Alesso, Eric Prydz, David Guetta, Deadmau5, Martin Garrix e Steve Aoki, são alguns dos nomes que já fizeram parte do festival.

Para os promotores, Portugal é o destino ideal para a produção de festivais de verão, em particular Portimão, pelas suas condições naturais e pelo apoio do seu município e de todas as restantes autoridades.

"Estou muito feliz por trazer o EDC de volta à Europa e apresentar o primeiro espetáculo da Insomniac em Portugal. Cresci como surfista na Califórnia e as praias de Portugal sempre foram um destino de sonho para mim", disse em comunicado Pasquale Rotella, fundador e CEO da Insomniac, empresa fundadora do festival.

A organização será feita em parceria com a MOT, empresa também associada ao Rolling Loud e ao Afro Nation. "Portimão será a capital europeia dos festivais de música. Nenhum outro destino terá a oportunidade de ter 3 eventos internacionais desta envergadura. Estou convencido que Portugal tudo fará para que este evento em particular, e todos os outros, sejam um sucesso na afirmação do destino turístico. O facto do EDC ter escolhido Portugal para comemorar na Europa os seus 25 anos é motivo de orgulho, mas também de reflexão para o Governo, que não pode deixar de olhar para estas oportunidades" assegura Tiago Castelo Branco da promora portuguesa MOT.

Os bilhetes gerais podem ser adquiridos em breve no site do evento e contam com preços a partir dos 129 euros. Os passes VIP custam, no mínimo, 199 euros, sendo que em ambas as opções terá de ser feito um depósito de 20 euros.
 
Mário Henriques, ou Huma-Noyd como é conhecido no mundo artístico desde 1993, está a celebrar 25 anos de carreira. Para assinalar 1/4 de século dedicado sobretudo ao Techno, Tech House e Underground o DJ e produtor português vai lançar um álbum inédito com as 25 faixas que melhor retratam o seu trabalho.

Para além deste lançamento, Huma-Noyd preparou também um livestream especial a que deu o nome de "Somewhere on Planet Earth" e que acontecerá já no próximo sábado, dia 19 de setembro pelas 18 horas.

O estilo muito próprio de Huma-Noyd e ao qual o mesmo assume não querer fugir, já lhe valeram, ao longo destes 25 anos, muitos êxitos e presenças bem-sucedidas em festivais como o Tomorrowland, na Bélgica, o Awakenings, na Holanda, e a passagem por clubes míticos um pouco por todo o mundo.
 
Depois ter assinado a sua faixa "Outline", em março, pela primeira vez na editora Less Is More de Diego Miranda, e esta ter sido tocada na RFM pelos DJs Rich&Mendes, o DJ e produtor português VOXKASH volta a lançar uma nova faixa na mesma editora.

Trata-se de "Konkani", uma sonoridade diferente do seu registo habitual e que promete fazer tremer qualquer membrana auditiva. "Tentei afastar-me um pouco da minha sonoridade que é o Big Room. Um dos estilos que mais gosto e identifico e que nunca tinha produzido era Psy-Trance e resolvi ouvir algumas faixas desse género para me inspirar" conta-nos o artista ribatejano. 

Segundo VOXKASH, a faixa começou a ser produzida em "agosto do ano passado, mas tive de fazer diversas versões até que finalmente chegasse a um produto final que me deixasse satisfeito a mim e ao público". 

"Konkani" já se encontra disponível nas principais plataformas digitais de música.
 

A Pandemia de Covid-19 obrigou muitas pessoas a semanas de confinamento em casa. O que, para muitos, foi uma autêntica "dor de cabeça" para outros significou um período particularmente produtivo e o DJ e produtor Meith sabe-o melhor que ninguém porque acaba de lançar o primeiro álbum intitulado "When Everything's Gone".

Este novo trabalho musical tem como single "Fall", um tema que conta com a colaboração da artista Shakira Aly e que retrata a dificuldade de uma pessoa amar depois de experiências menos positivas em relacionamentos anteriores.

Para além da colaboração com a intérprete moçambicana este álbum conta ainda com a participação de Djeff e TT.

Meith integrou, em 2018 e 2019, o TOP30 promovido pela 100% DJ, alcançando as posições 29 e 24, respetivamente.

Os veteranos Pedro Carrilho e Mixtec (membro da banda Ninja Kore) lançaram em agosto o tema "Keep Pushin" na editora de Fedde Le Grand, a Darklight Recordings.

Tocada no radioshow "Tiësto Club Life" mas também por nomes como Fedde Le Grand, Kryder, Dannic, Jonas Blue ou Thomas Gold, esta nova produção traz-nos uma sonoridade house bem ritmada e vigorosa, que se adequa tanto a pistas de dança como a ambiente de festival. 

"Keep Pushin" está disponível nas principais plataformas digitais e inclui um excerto vocal de Annette Taylor, antiga diva do house que chegou inclusivamente a ser remisturada por DJ Vibe. 

"Devido ao processo de clearance, o lançamento tardou quase um ano e chegámos a considerar a hipótese de abandonar a ideia. Felizmente não o fizemos e valeu a pena a espera! Estamos muitos satisfeitos com o resultado e o próprio Fedde Le Grand tem sido apoiante incondicional da música no último ano" afirma Pedro Carrilho.

Mas as novidades não se ficam por aqui e o DJ e produtor português revela também que remisturou oficialmente para Snoop Dogg & Dead or Alive para o imortal tema "Spin Me", estando este trabalho apenas disponível no mercado japonês. 

"Ainda não há data prevista para outros territórios, por enquanto podem escutá-la em exclusivo nos meus radioshows" acrescenta.

A Associação Nacional de Discotecas considera que, até final do ano, não haverá notícias positivas para o setor noturno, sublinhando a importância de o Governo ter uma "resposta musculada" para a empresas "não caírem todas".

"A pergunta que se faz neste momento impor, é o que é que o Governo pretende fazer para que estas empresas não caiam todas. Começam a cair uma a uma e acho que tem de haver, por parte do Governo, uma resposta bastante musculada", disse à agência Lusa José Gouveia, da referida Associação.

Segundo o também porta-voz do movimento "O Silêncio da Noite", as medidas poderiam passar por "apoios à tesouraria a fundo perdido, créditos com taxas de juro próximas de zero, isenção de impostos e a redução de algumas taxas e impostos como a TSU".

"São medidas que o Governo terá de estudar e perceber para apoiar estas empresas e para que consigam sobreviver ao tempo enquanto não puderem abrir numa normalidade", disse José Gouveia, lembrando que há alguns espaços que foram "abertos a conta-gotas", mesmo a 20 ou 30% da sua lotação. "Entre despesas e lucros a média fica abaixo do valor da linha de água", afirmou.

O responsável lembrou que há seis meses que as discotecas e bares estão fechados, o que "leva ao desespero" de muitos empresários, lembrando que "dia sim, dia não, uma empresa entra em falência ou insolvência".
 
"Se fizermos uma leitura dos factos atuais, até final do ano não haverá noticias positivas. No início do ano 2021 estaremos em pleno inverno, não haverá alterações e muitos proprietários não estarão em condições de abrir na incerteza de ter clientes", reconheceu.

Apesar de todos os problemas, José Gouveia reconheceu que alguns espaços aproveitaram a uma nova regra do Governo, implementada no início de agosto, que permitiu que as discotecas e bares abrissem como pastelarias ou cafés, dando como exemplo a noite no Algarve durante o verão.
"Let's Love" é o título da mais recente colaboração que junta, uma vez mais, a dupla David Guetta e Sia. O trabalho, editado pela Warner Records, tem como o nome sugere uma forte mensagem de esperança e amor.

A parceria entre estes dois músicos e produtores não é nova e o sucesso de ambos também não. No passado, faixas como "Titanium" ou "Flames" tornaram-se sucessos à escala global com milhões de visualizações. O novo hino ao amor promete seguir a senda dos trabalhos anteriores e começa com a voz irrepreensível de Sia a que se segue um Groove que dificilmente sai do ouvido de qualquer amante de música eletrónica.

Sobre este trabalho, o músico e produtor francês afirmou que o tempo de isolamento o inspirou a "lançar músicas que tenham uma energia edificante". Sem esquecer o papel determinante de Sia que considera que "surpreendeu nos vocais", Guetta conclui que "Let's Love" é "uma mensagem de amor e esperança e que aproxima as pessoas".

Pág. 1 de 67