27-01-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
"Números dramáticos e preocupantes". Foi desta forma que os responsáveis pela Ticketline e Blueticket, descreveram a situação atual relativamente aos processos de bilhética em Portugal. 

Entre março deste ano, quando foi declarado o primeiro estado de emergência em Portugal, devido à pandemia de covid-19, e o passado mês de novembro, a Ticketline obteve uma receita de bilheteira de 5,312 milhões de euros, o que equivale a uma quebra de 90%, em relação aos 50,690 milhões de euros, obtidos em igual período (março a novembro) de 2019.

Quanto ao total de bilhetes vendidos, entre março e novembro deste ano, atingiram a casa de 643 mil, enquanto no mesmo período do ano passado foram vendidos mais de 3,964 milhões, o que representa uma quebra de 84%.

Por sua vez, a Blueticket refere à Lusa que entre março e novembro desde ano, os meses marcados pela pandemia, registou uma quebra de 82% na venda de bilhetes, face a igual período de 2019. Nestes meses totalizou 1,092 milhões de bilhetes vendidos, enquanto em 2019 a soma atingira as 5,997 milhões de unidades.

Sem referir montantes de faturação, a Blueticket afirma, porém, ter registado uma quebra de 78% entre março e novembro deste ano.

Já a Ticketline, por seu lado, refere que de março a novembro últimos, responderam "a mais 146 mil 'e-mails' de clientes", para "trocas e devoluções de milhares de bilhetes".

Além da diminuição de receitas e do total de ingressos vendidos, a empresa mostra-se ainda preocupada com "a queda do preço médio" dos ingressos, "na ordem dos 23%", o que "desvaloriza cada projeto" que, "na maioria, são de artistas portugueses".
A editora de música eletrónica fundada pelo DJ e produtor DJEFF, celebra nove anos de existência com uma tarde de música este domingo, 17 de dezembro. 

O Kazukuta Live Fest será transmitido a partir das 15 horas nas redes sociais da editora e ainda no Portal 100% DJ e o alinhamento vai contar com os DJs Alpha, Meith, Homeboyz, Helen Ting, Conde, o próprio DJEFF e um convidado surpresa. 

Criada em 2011, a editora Kazukuta foi a primeira label angolana focada em música eletrónica, que em muito já contribuiu para a proliferação deste género musical além-fronteiras. Começou a ganhar reconhecimento internacional em 2014, com o lançamento do segundo álbum de DJEFF "Soldier Ascension" que contou com o apoio de Tony Humphries, Boddhi Satva e Mr. V.

Com registos dentro dos mais variados subgéneros do house music, a Kazukuta Records conta já com inúmeros lançamentos ao longo destes anos. Em 2020, entre outros, lançou "Ven Pa Ka" dos Homeboyz, o álbum de estreia de Meith "When Everything's Gone" e o quarto álbum de estúdio de DJEFF "Enlightened Path".
Três anos depois do seu último lançamento, o DJ e produtor DJEFF presenteia-nos agora com o um quarto álbum de estúdio.

Produzido no decorrer do ano passado, "Enlightened Path" foi inspirado nas inúmeras atuações do artista em todo o mundo e nas suas experiências subsequentes, sendo que apenas foi consolidado nos últimos meses. Tem a colaboração de artistas como Josh Milan, Homeboyz, Brenden Praise, entre outros.

DJEFF revela que "cada faixa foi meticulosamente elaborada para apresentar um som claro e poderoso. Em todo o projeto está presente uma vibração de house music".

Este novo trabalho encontra-se disponível nas principais plataformas online de música e o primeiro single contou com estreia exclusiva no programa de rádio de Pete Tong, transmitido na BBC Radio 1. 

O reconhecido DJ e produtor português The Fox assinou recentemente um novo EP que pode ser adquirido através da sua página na plataforma Bandcamp.

"Love United" apresenta-se com quatro faixas, numa vertente "old school, com influências de terras germânicas e muito por causa de nomes como da Plastic City, Terry Lee Brown Jr, Timewriter, entre outros" afirma o artista.

Imparável durante a Pandemia, além deste EP, The Fox tem também trabalhado noutros projetos musicais que envolvem a rádio e transmissões de sets e conversas informais nas redes sociais.
 

A Altice Arena, em Lisboa, acolhe esta quinta e sexta-feira o Rádio SBSR.FM em Sintonia, um festival de música portuguesa que inclui concertos e conferências, adaptado à pandemia atual. O uso de máscara será obrigatório e em todo o recinto será disponibilizado álcool gel.

Ao longo dos dois dias e a partir das 17h15, pelos três palcos do festival vão passar artistas e bandas como ProfJam e benjiprice, Capitão Fausto, B Fachada, Papillon, Chico da Tina, Afonso Cabral, Paulo Bragança, Amaura, Sreya e o espetáculo "Closer Integral" - Joy Division 40 anos depois, que junta Flak, Alexandre Cortez, Luís San Payo, Filipe Valentim, João Peste e Nancy Knox.

Luís Montez, responsável pela promotora Música no Coração explicou que "era quase uma obrigação da Música no Coração ajudar a nova música portuguesa. Se os artistas consagrados estão a passar dificuldade, imaginem os emergentes, os novos, e muitos deles com trabalhos acabados de sair que ainda não tiveram oportunidade de mostrar ao vivo".

Para este evento está assegurada "a questão do afastamento". "A Altice Arena tem uma capacidade para 20 mil lugares e nós vamos trabalhar para cinco mil, um quarto da capacidade", disse Montez.

Os palcos estarão situados em três salas diferentes - Arena, Sala Tejo e Sala Fernando Pessoa - e o público poderá circular entre eles. "Há vários corredores e só vão ter um sentido. As pessoas entram por um lado e saem pelo outro, nunca há cruzamento", explicou o promotor.

Além da componente musical, o festival inclui seis conferências, subordinadas ao tema "A Indústria da Música no Contexto Atual" que decorrerão entre as 15 horas e as 17h15 e terão transmissão nas redes sociais. 

Durante o festival, será feita no local uma recolha de alimentos não perecíveis para a União Audiovisual, grupo informal criado em contexto de pandemia para ajudar trabalhadores do setor da Cultura.
O Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor revelou esta semana que "os pagamentos no âmbito do programa Apoiar.PT, que disponibiliza 750 milhões de euros a fundo perdido a um vasto conjunto de atividades económicas, vão ocorrer na sua primeira tranche em dezembro". O anúncio foi feito após uma reunião tida na passada quarta-feira com os representantes da Associação Discotecas Nacional.

De acordo com João Torres, o programa já prevê, no caso dos estabelecimentos encerrados desde março, nomeadamente bares e discotecas, "uma majoração dos tectos de apoios de 50%".

"No caso das microempresas, bares e discotecas podem aceder a um subsídio a fundo perdido com um máximo de 11.250 euros e, nas pequenas empresas, esse montante vai até 60 mil euros", explicou.

João Torres sublinhou a importância da reunião, justificando que serviu para "perceber quais seriam as possibilidades de alguma forma poder ir mais especificamente ao encontro da situação muito difícil que vivem os estabelecimentos encerrados desde março de 2020".

Escusando-se a dizer que mais medidas podem ser tomadas para ajudar este setor, o Secretário de Estado avançou que o "anúncio de medidas às atividades económicas de natureza geral ou específica será feito brevemente pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira".

Questionado igualmente sobre uma eventual data de abertura para os bares e discotecas, João Torres referiu ser "precoce e prematuro" avançar com qualquer cenário, reiterando que o Governo tem a "consciência do esforço muito grande" que estas empresas e os seus trabalhadores estão a fazer em prol da saúde pública.

O presidente da Associação Discotecas Nacional, José Gouveia, mostrou-se satisfeito à saída da reunião, considerando que ficou marcada "a abertura imensa do governo" em ouvir o setor das discotecas, que está inserido na animação noturna, "mas tem necessidades específicas" porque "está encerrado há 10 meses sem qualquer tipo de receitas e com custos imensuráveis".

"Todas as medidas tomadas inicialmente era com uma visão a curto prazo, entretanto passaram 10 meses e a perspetiva é irmos para o 15º mês. Não há perspetiva de abrir senão depois do segundo semestre [de 2021]", disse José Gouveia.

A ideia de José Gouveia prende-se com a previsão do plano de vacinação anti-covid-19, que, se "correr como previsto, só a partir do verão de 2021 estas empresas podem pensar em reabrir. Se correr melhor, poderá ser antes", acrescentou.

Segundo o empresário, é necessário "começar a revitalizar as empresas e a renascer as tesourarias que estão todas em falência técnica", lembrando que foram pedidos na reunião "apoios a fundo perdido, o ressarcir de alguns apoios que supostamente eram para curto prazo e depois alongaram-se".

No Apoiar.PT, os apoios são atribuídos sob a forma de subvenção não reembolsável e a taxa de financiamento a atribuir é de 20% do montante da diminuição da faturação da empresa, com o limite máximo de 7.500 euros para as microempresas e de 40.000 euros para as pequenas empresas, mas no caso das empresas cuja atividade principal se encontra encerrada administrativamente o limite máximo é alargado para 11.250 euros, no caso das microempresas, e para 60.000 euros, no caso das pequenas empresas.

Para se candidatarem, as empresas beneficiárias têm de ter situação líquida positiva a 31 de dezembro de 2019 e sujeitam-se a obrigações como não distribuir fundos aos sócios, não promover despedimentos coletivos e não extinguir postos de trabalho por motivos económicos.
A carismática DJ e produtora nacional Miss Sheila encerra a temática dos seus "20 Years of Music" com um aftermovie que a própria descreve como “muito especial”.

No passado 7 de dezembro, data em que fez precisamente um ano que festejou os seus 20 anos de carreira, a artista lançou um vídeo que relembra o grande evento de 2019 que decorreu na discoteca Pacha de Ofir, assim como algumas imagens recolhidas ao longo das suas últimas atuações antes da pandemia.
 
O evento "20 Years of Music" decorreu durante mais de 12 horas e contou com vários amigos e artistas no alinhamento, como os internacionais, Chus & Ceballos, Coyu, Pig & Dan, Rafa Barrios e os nacionais Carlos Manaça B2B Xl Garcia, Fauvrelle, Nuno Clam, Nunno, Eat Dust, Tiger Lewis, Nelly Deep e Mc Johnny Def.

À 100% DJ, Miss Sheila revela que está "imensamente grata por todo o apoio ao longo destes fantásticos anos" e que se encontra ansiosa pelo regresso às cabines. A responsável pela editora Digital Waves disse ainda ter vários projetos em mãos, "prontos a serem revelados dentro em breve".
 
 DJ e produtor Kura é pelo segundo ano consecutivo o artista português com mais ouvintes do Spotify durante o ano de 2020. De acordo com os dados divulgados pela plataforma de música, Kura contou com numa média de 430 mil ouvintes mensais. Mais de três milhões de utilizadores em 92 países ouviram mais de dez milhões de vezes as várias músicas disponibilizadas desde Janeiro.
 
Com uma carreira firmada tanto no nosso país como internacionalmente, Kura soma várias conquistas neste final de ano. Depois de ter lançado o seu mais recente tema "Check the Flow", editado pela Spinnin' Records, em parceria com Incognet, o artista que ocupa a posição número 74 do TOP 100 da DJ Mag, vê novamente o seu trabalho reconhecido, desta vez pela maior plataforma de streaming de música do mundo, o Spotify.
 
quinta, 10 dezembro 2020 22:29

Souza estreia novo projeto nos Açores

No ano em que assinala 10 anos de carreira, o DJ e produtor Souza lança esta sexta-feira dia 11 o seu novo projeto que pretende criar uma fusão entre a música e o que de melhor se pode visitar na Praia da Vitória, nos Açores.

Através de sets previamente gravados em locais emblemáticos, o artista açoriano irá apresentar-se numa transmissão de meia hora que será emitida a partir das 19 horas em Portugal Continental (18 horas nos Açores) nas redes sociais dos parceiros deste projeto onde também a 100% DJ se inclui.

"É para mim uma honra, difundir pelo mundo através desta arte o que de melhor temos na nossa região" disse Souza à imprensa, lançando o desafio a todos os seus seguidores para conhecerem "um pouco melhor a minha terra natal".

Confere em baixo o calendário de transmissões e o respetivo local.

11 de dezembro
Santa do Facho 

08 de janeiro
Serra do Cume

05 de fevereiro
Baías da Agualva 

05 de março
Baía da Praia
 

Segue DJ Souza nas redes sociais e acompanha o seu trabalho. 

O Movimento "A Pão e Água" acaba anunciar que terminou a sua greve de fome, ao fim de sete dias frente à Assembleia da República em Lisboa. Exigiam sentar-se à mesa com o Primeiro-ministro ou com Pedro Siza Vieira, Ministro da Economia.

Tal não aconteceu, mas sim uma reunião de duas horas com o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, que tomou a dianteira da resolução deste impasse, e à saída explicou aos jornalistas que tiveram uma conversa "olhos nos olhos, muito franca e de quem conhece bem a realidade da cidade e do país e de quem ouve os relatos de viva voz de pessoas e de situações concretas".

"Tentámos encontrar pistas, saídas e respostas de forma a apoiarmos a resolução de uma situação que é muito delicada para toda a gente. Saiu daqui um compromisso muito firme da minha parte, em que discuti matérias importantes e com as quais eu concordo" disse Medina.
 
Por outro lado, Ljubomir Stanisic pediu a Fernando Medina que lhe tirasse a fome explicando que o Presidente "esteve em conversa diretamente com Siza Vieira a marcar a reunião para discutirmos estas soluções e que sejam breves. Numa próxima reunião queremos encontrar soluções mais claras."
 
Recorde-se que nove representantes do Movimento "A Pão e Água" estiveram em greve de fome desde a passada sexta-feira. Exigiam ser ouvidos pelo Governo, de forma a discutirem 16 medidas para atenuar os efeitos das regras impostas no combate à Covid-19 e que afetaram os seus negócios.
 
Eis a lista de 16 exigências do movimento "A Pão e Água":
 
1- Apoios imediatos ao setor dos bares e discotecas, eventos, restauração, comércio e todos os fornecedores diretos e indiretos;
 
2- Apoios à restauração e comércio, pela redução de horário;
 
3- Reposição do horário, quer de restaurantes e bares, quer do comércio local;
 
4- Isenção da TSU;
 
5- Redução no pagamento das rendas;
 
6- Redução do IVA;
 
7- Abertura imediata e injeção direta nas empresas, sem a contrapartida de ter os pagamentos às finanças e à segurança social em dia.
 
8- Sócios gerentes terem acesso ao lay off, independentemente de terem uma ou mais empresas ou acumularem com trabalho por conta de outrem, pois fazem descontos em todas;
 
9- Pagamento do IVA automaticamente aprovado em 6 prestações;
 
10- Apoios reais, a fundo perdido, à manutenção de postos de trabalho;
 
11- Apoio às tesourarias das empresas, a fundo perdido;
 
12- Reforço imediato das linhas de crédito, retirando limitação de acessos às novas linhas a quem já recorreu às linhas anteriores;
 
13- Isenção de impostos nas rendas dos imóveis arrendados, durante o período de proibição de exercício da atividade;
 
14- Prolongamento dos contratos de arrendamento, caso sejam a termo por mais de 3 anos;
 
15- Anulação de multas por pagamento atrasado de impostos;
 
16- Prolongamento dos apoios da Segurança Social aos trabalhadores independentes.
Pág. 1 de 71