24-06-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

×

Erro

[sigplus] Erro crítico: A pasta da galeria de imagens eventos-meoarena deve ter um caminho relativo para a pasta base das imagens especificada na back-end.

sábado, 08 dezembro 2012 19:56

Estamos de volta aos sets

Quem acompanha o 100% DEEJAY desde quase o seu nascimento, sabe que foi nos sets que o Projeto ganhou forma e se desenvolveu.
Na altura era o RadioShow eletrónico mais ouvido no Alentejo e rapidamente se espalhou por todo o país, divulgando e promovendo artistas amadores e profissionais.
 
Passados alguns meses e até anos, decidimos voltar "à carga" com os sets, mas desta vez em formato podcast.

Mensalmente pretendemos colocar cerca de dois sets on-air. Para tal utilizaremos a plataforma digital conhecida por todos os amantes da música – mixcloud [mixcloud.com/100porcentoDJ/]. Os interessados em ter o seu set no nosso Podcast poderão entrar em contato com a nossa equipa utilizado o formulário na página dos Contactos.
 
Para inaugurar o 100% DEEJAY PODCAST convidámos o DJ Riverdeck. Palavras à parte, ouvidos na escuta e play.
Publicado em 100% DJ

[sigplus] Erro crítico: A pasta da galeria de imagens eventos-meoarena deve ter um caminho relativo para a pasta base das imagens especificada na back-end.

Desde que foi inaugurada, em 1998, pela maior sala multiusos do país já passaram inúmeros eventos, das mais diferentes tipologias, desde congressos, exposições, concertos e até mesmo provas desportivas.
 
Localizada às portas de Lisboa, a (agora) Meo Arena dispõe de uma área total de construção de 47 mil metros quadrados e na sua capacidade máxima pode albergar 20 mil pessoas em pé e 12.900 sentadas. Tem dois balcões (1.º e 2.º andar) e a área total da arena é de 5.200 metros quadrados.
 
A ideia de construir este edifício remonta às primeiras discussões sobre o Plano de Urbanização da Expo 98. Ao contrário de outras cidades europeias, Lisboa não possuía uma sala polivalente para acolher eventos de grande envergadura. As salas existentes, tanto na capital como noutros pontos do país, ou tinham lotação limitada - até 4000 lugares -, ou eram dificilmente adaptáveis a eventos não convencionais, como o desporto de alta competição em recinto coberto. Além disso, não dispunham do aparato tecnológico exigido para coberturas televisivas modernas ou pelos grandes espetáculos musicais ou teatrais.
 

Na sua capacidade máxima pode albergar 20 mil pessoas em pé e 12.900 sentadas.

 
Recuando atrás no tempo, durante os 132 dias de Expo 98, o edifício era designado Pavilhão da Utopia, onde era realizado, quatro vezes ao dia, um espetáculo de efeitos teatrais clássicos com as modernas tecnologias multimédia, designado "Oceanos e Utopias". A sua autoria foi de François Confino e Philipe Genty, produzido pela empresa Rozon. 
 
Esta construção não foi feita ao acaso. A localização foi um dos pontos fortes aquando da fase de projeto, pois tinha a vantagem de servir não só a população da maior área metropolitana portuguesa, mas também o país no seu conjunto, dada a proximidade da Estação do Oriente (onde se interligam os principais meios de transporte público) e dos principais nós rodoviários.
 
Ao longo dos últimos anos, além dos concertos que estamos habituados a assistir com banda, também os espetáculos de música eletrónica têm vindo a ganhar o seu lugar cativo nesta arena portuguesa e a atingir um público-alvo cada vez maior. O primeiro evento com DJs aconteceu em 2003. O conhecido “Olá Love 2 Dance” contou com uma gigantesca produção, onde em destaque esteve a música e todo o conjunto de efeitos multimédia. Roger Sanchez, Luís leite, Carlos Manaça, Diego Miranda e Miss Blondie estreavam desta feita a maior “discoteca” do país. 
 
Na timeline em baixo, poderás conferir todos os eventos de música eletrónica que decorreram na Meo Arena a partir do ano 2003. De recordar que os dois últimos ainda vão acontecer este ano, dias 18 e 31 respetivamente.
 
 
{gallery}eventos-meoarena{/gallery}
 
Agradecimentos 
  • Meo Arena
  • Unilever Portugal
 
Publicado em Infografias
segunda, 24 dezembro 2012 18:57

Eles oferecem prendas aos fãs

Para além de nos presenciarem com as suas magnificas produções e atuações ao longo do ano, os vários DJs e produtores nacionais e internacionais estão a oferecer música aos seus melhores fãs. Na lista em baixo apresentamos algumas das suas prendas.
Para fazeres o download, clica no ícone.
 
 
D-Note vs Chuckie & Junxterjack - Shed My Skin vs Make Some Noise (Massivedrum Btlg)
 
Xmas Pack - faixas originais e remixes - Deepblue
 
Mashups & Bootlegs - Hugo Rizzo
 
Club Banditz & Digital Militia ft Asta - Toxic Love (Radio Edit)
 
Flow 212 - Ritmo do meu Flow (Pini-Pon & Olivs Bootleg)
 
Buraka Som Sistema ft. Pongolove- Kalemba (Pini-Pon & Olivs Bootleg)
 
Kura - Synopsys (Original mix)
 
Psy - Gangnam Style (Freaky Swagger'z Remix)
 
Sandro Silva & Quintino vs Afrojack feat Ne-Yo – Let’s  The Epic Rock- (Roberth S Mashup)
 
Tony Igy - Astronomia (DJ Niro)
 
Xmas Pack - Mark Tha House
 
Pedro Freitas feat. Sina Key - Ya... Não Te Quero Mais (Charlie Spot & Groove Salvation Remix)
 
Strater's Mashup Pack - Feliz Natal!
 
Dannic - Countdown Promises For Tombo (Mauro Barros X-mas Mashup)
 
The XX - Fiction [Funkagenda Bootleg Re-Edit]
 
The Aston Shuffle Vs Tommy Trash Vs Tony Romera - Pandor Sunrise (Dj NEO Mash)
 
Kika Lewis - White Christmas Set
 
Kaiser-T 2012 Bootleg Pack Vol.2 (Xmas Gift)
 
Mini Bootleg Pack 2012 - Francisco Cunha
 
 
 
Para inserires aqui a tua prenda, envia-nos e-mail para djs[at]100-dj.pt.
Publicado em Música
É considerado um dos maiores concursos de DJs do mundo e está de volta com mais uma edição. Este ano, o vencedor recebe um contrato de 100 mil euros de investimento, além de participar numa experiência única.
 
Os novos talentos da música eletrónica internacional podem concorrer a esta iniciativa e ver a sua carreira evoluir, com a oportunidade de subir ao palco de uma cidade europeia e de ter uma residência de 6 semanas em Ibiza.
 
Cada etapa deste concurso irá ser avaliada por um painel de jurados de luxo, como já tem acontecido em edições anteriores com a presença de Carl Cox, Pete Tong, John Digweed, Maceo Plex, Steve Lawler, Fatboy Slim, Luciano ou Jamie Jones.
 
A primeira etapa consiste na inscrição do DJ com um set no parceiro oficial da Burn Residency, o Mixcloud. Depois, apenas é necessário promover o set e angariar o maior número de votos. Após a contagem dos votos, vai ser escolhido um finalista por país, sendo os participantes reduzidos a 26 candidatos.
 
Os representantes de cada território passarão à fase de Bootcamp, uma prova que dura 4 dias e de onde serão selecionados apenas 16. Estes 16 finalistas vão ter a oportunidade de subir ao palco de um evento da Burn numa cidade europeia a revelar em breve, com os seus sets a serem transmitidos em direto através da Be-At.Tv. A segunda etapa do Bootcamp será em Ibiza durante 7 dias, onde os participantes irão estar presentes em palestras, workshops de mixing, masterclasses e vários desafios de DJ e produção.
 
Os três finalistas irão ter a oportunidade de assumir a sua própria residência em Ibiza nas seis últimas semanas da temporada, onde serão avaliados e testados pelos jurados, com o objetivo de descobrir o grande vencedor.
 
O vencedor do Burn Residency do ano passado foi Lollino, que assinou com a Ask My Management, lançando depois um set com a Bedrock, a editora de John Digweed. Na edição de 2016, o representante português foi DJ Baron.
 
Para te inscreveres e esclareceres dúvidas, acede ao site oficial da Burn em www.burn.com. O Portal 100% DJ é, mais uma vez, Media Partner Oficial desta iniciativa e deseja a maior sorte a todos os participantes.
 
{youtube}qJuhPMSpLmA{/youtube}
Publicado em Marcas
Vai estar disponível dentro de poucas horas a mais popular e polémica votação de DJs de todo o Mundo, promovida pela revista Britânica - DJ Mag.
Até meados de setembro, os fãs dos artistas são mais uma vez convidados a votar nos seus cinco ídolos - por ordem de preferência (1-5) -, através da plataforma digital disponibilizada pela revista.
 
Nos últimos anos, esta votação tem-se revelado bastante polémica. Há registo de uma fraude que foi descoberta, quando vários DJs votaram várias vezes em si mesmos, utilizando softwares para camuflar o IP, e até mesmo uma venda de votos do Ebay por 1000 euros - situações que receberam inúmeras criticas e colocaram em causa a credibilidade da própria votação. No entanto ano após ano, a DJ Mag afirma que esta é uma eleição dos artistas mais populares e não necessariamente dos melhores da 'cena'.
 
É cada vez maior a preocupação da revista em melhorar a sua plataforma, a fim de evitar fraudes nas votações, e é também cada vez maior o número de candidatos em agressivas campanhas promocionais 'vota em mim'.
 
Recorde-se que o último vencedor foi Amin Van Buuren que voltou a conquistar o primeiro lugar, depois de em 2011, David Guetta lhe ter 'passado a perna' por apenas 1 lugar. Neste momento Van Buuren arrecada cinco primeiros prémios dos anos 2007, 2008, 2009, 2010 e 2012.
 
Pete Tha Zouk (47º), Diego Miranda (108º), e DJ Vibe (150º), foram os quatro portugueses que figuraram no Top, mas apenas Pete Tha Zouk ocupou lugar no Top 100.
 
A exemplo de outros anos, os resultados serão conhecidos no próximo mês de outubro na 18ª edição do ADE - Amsterdam Dance Event, que este ano decorre entre 16 e 20 de outubro.
 
 
Publicado em Mix
segunda, 06 abril 2015 19:16

Com que idade morrem os DJs?

 

Os DJs também são humanos. Com que idade morrem? As respostas podem ser consultadas num estudo publicado no site The Conversation, que incluí gráficos.
 
Em relação à idade, os artistas de música eletrónica podem morrer entre os 40 e os 45 anos (mulheres) e os 45 e os 50 anos (homens). As causas de morte podem ser várias, como acidentais (16,7%), suicídio (5,0%), homicídio (10,0%), relacionados com problemas de coração (15,0%) e cancro (25,0%), segundo o estudo.
 
Estes dados estão também relacionados com os hábitos dos artistas, como a dependência de álcool e drogas, horários irregulares, cansaço de digressões, elevados níveis de stress e ansiedade.
 
Publicado em Mix
segunda, 06 fevereiro 2012 12:41

Malibu lança aplicação «DJ Music Mixer»

A marca de bebidas alcoólicas Malibu lançou uma plataforma portátil de mistura de músicas denominada “DJ Music Mixer”, disponível para iPhone, iPod Touch e iPad.

A aplicação permite «misturar músicas a partir de dual decks que automaticamente sincronizam o “beat-mix” e a partir daí “brincar” com os efeitos de som, fazer loop da base específica de uma música, misturar duas músicas, gravar, guardar e partilhar as novas misturas» nas redes sociais, explica a Malibu em comunicado.

A aplicação Malibu “DJ Music Mixer” já se encontra carregada com músicas de DJ’s como Major Lazer, Riva Starr e Mowgli, e pode ser descarregada gratuitamente na iTunes Store.
Publicado em Marcas
Uma listagem de regras, algumas hilariantes, está a tornar-se viral e a correr as redes sociais. O "regulamento" faz parte de um novo clube que vai abrir portas durante este mês de fevereiro, na cidade do pecado - Las Vegas.
 
No documento pode ler-se que não é permitido tocar alguns géneros musicais como trap, hip hop e até mesmo dubstep. Faixas de artistas como Hardwell, Calvin Harris, Martin Garrix, Tiësto, Swedish House Mafia e Wolfgang Gartner estão também proibidas de serem tocadas. Fora de questão, está também o DJ falar ao microfone. 
 
No remate final a administração do clube, que assina o documento, avisa que se alguma das regras for quebrada, o DJ sai imediatamente da cabine e não será renumerado. 
Que te parecem estas regras? Puro marketing?
 
 
Publicado em Nightlife
quinta, 08 março 2018 22:05

As mulheres na música eletrónica

Em quase todos os line-ups dos festivais internacionais, a presença de DJs femininas tem uma percentagem de apenas 10%. No ranking da revista Forbes, não existe nenhuma DJ feminina e no Top 10 da famosa tabela da DJ Mag, também nunca uma mulher figurou. O sexo forte representa apenas 4% de toda a lista. Quais foram as últimas três DJs mulheres que já ouviste ao vivo?

É do conhecimento geral que o mundo da música eletrónica é dominado pelo género masculino. Um mercado lucrativo em ascensão a nível mundial, onde a pouco e pouco as mulheres vão assumindo a sua posição de destaque na música de dança, área associada aos homens. 

"(...) neste campo uma mulher tem que trabalhar o dobro para alcançar metade do reconhecimento de um artista masculino", referiu Miss Sheila, na sua crónica de opinião publicada no Portal 100% DJ, “Djing no feminino”. No entanto, a artista portuguesa considera que “as coisas estão a mudar de uma forma mais positiva”.

Apesar desta lenta mudança de mentalidade, ainda é pouca a credibilidade que é dada às DJs, muito por culpa de algumas artistas que prejudicaram a imagem do género feminino da música eletrónica. Mariana Couto, na crónica de opinião publicada em 2014, intitulada "Teremos sempre Paris", criticava Paris Hilton por ter entrado no mundo da música eletrónica: "Presença habitual nos melhores clubs do mundo, Paris a Empreendedora conseguiu encontrar a forma certa de continuar a fazer dinheiro. (...) Mas é por isso que alguém "vai ver" a Paris Hilton? A expressão está lá: "ver", que ouvir é outra coisa. Afinal, ainda que separadas por um oceano de dinheiro, não há todo um segmento no mercado nacional que está na cabine para - essencialmente - ser visto?", remata.

Recentemente a dupla Krewella também comentou a presença de mulheres na área. “A indústria da música eletrónica pode ser assustadora para as mulheres. Se mais mulheres estiverem dispostas a assumirem grandes riscos e não terem medo do ridículo e quaisquer outros contratempos ou problemas, nós começaremos lentamente a ver mais mulheres a produzir músicas, espetáculos e festivais, e assim teríamos mais espaço no Top 100.”

É importante que a igualdade de género seja uma realidade e que a curto prazo consigamos ver mais DJs femininas no topo do mundo da música eletrónica. Em baixo, apresentamos algumas artistas nacionais e internacionais, referências na área da eletrónica, enquanto DJs e também produtoras de música.
 
  • - Miss Sheila
  • - Von di Carlo
  • - Kika Lewis
  • - Poppy
  • - Rita Zukt
  • - Joana Perez
  • - Rita Mendes
  • - Miss Pink
  • - DJoana
  • - Heartbreakers
  • - Lady M
  • - Lady Van
  • - Magalie
  • - Miss Blondie
  • - Miss Nutz
  • - Mónica Seidl
  • - NERVO
  • - Nicole Moudaber
  • - Krewella
  • - Juicy M
  • - Alison Wonderland
  • - Nina Kraviz
  • - Deborah de Luca
  • - Sophie Francis
  • - Ruby Rose
  • - Miss Nine
  • - Oriska
  • - Lovra

 

Publicado em Mix
A ‘campanha eleitoral’ para o Top 100 da DJ Mag deste ano já começou. Além dos artistas internacionais, são muitos os DJs e produtores portugueses que estão a apelar ao voto, utilizando, maioritariamente, as redes sociais.
 
Kura, que se estreou o ano passado na lista ocupando a posição número 42, iniciou a sua campanha através de um vídeo que mostra os bastidores da vida de DJ. “As votações da DJ Mag já começaram, o vosso apoio é mais importante do que nunca!”, revelou Kura na sua página oficial de Facebook.
 
Há também outros DJs portugueses empenhados a tentar a sua sorte para a edição deste ano do mais disputado TOP 100 de DJs, com apelo ao voto através das redes sociais, junto dos fãs. É o caso do DJ The Fox, que considera que “esta entrada em votação é idealizada de forma a querer mostrar mais do que se faz em Portugal. A produção é o foco e um resultado inesperado pode acontecer!”.
 
Tom Enzy também já iniciou a sua ‘campanha eleitoral’, afirmando que “tem sido um ano incrível” e que “é o momento certo para fazer isto acontecer!”. Depois de apelar votos aos seus fãs, agradece por tornar este “sonho em realidade”.
 
Depois de atuarem no mesmo palco de grandes nomes como Dimitri Vegas & Like Mike ou Steve Angello, a dupla Club Banditz decidiu também apelar ao voto. “As votações da DJ Mag já começaram, o vosso apoio é muito importante!”, relatam os DJs e produtores na página oficial de Facebook.
 
Diego Miranda é também outro português que quer continuar a marcar presença na lista mais cobiçada da música eletrónica. Além de apelar ao voto durante as suas atuações o DJ aposta ainda na distribuição de autocolantes pelos fãs. Através de um vídeo com alguns dos melhores momentos da sua carreira nos últimos anos, o DJ tem contado com o apoio dos seus seguidores para fazer história.
 
Desde o ano 1997 que a presença de portugueses na lista já vem sendo habitual. DJ Vibe foi o estreante, na posição número 36, a mais alta de um DJ nacional até aos dias de hoje.
 
Pete Tha Zouk, Diego Miranda e Kura também já estiveram presentes no Top 100 da DJ Mag nos últimos anos.
 
Em baixo poderás conferir todas as posições de DJs portugueses no Top da DJ Mag, nos respetivos anos:
 
DJ Vibe:
  • 1997 - #36
  • 1998 - #87
  • 2004 - #80
  • 2005 - #40
  • 2006 - #47
  • 2007 - #40
  • 2008 - #79
  • 2010 - #100
  • 2011 - #84
 
Pete Tha Zouk:
  • 2010 - #80
  • 2011 - #37
  • 2012 - #47
 
Diego Miranda:
  • 2013 - #94
  • 2014 - #70
 
Kura:
  • 2014 - #42
 
 
{youtube}b_fjj48U3zk{/youtube}
Publicado em Mix
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.