26-09-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 85

A Associação Nacional de Discotecas considera que, até final do ano, não haverá notícias positivas para o setor noturno, sublinhando a importância de o Governo ter uma "resposta musculada" para a empresas "não caírem todas".

"A pergunta que se faz neste momento impor, é o que é que o Governo pretende fazer para que estas empresas não caiam todas. Começam a cair uma a uma e acho que tem de haver, por parte do Governo, uma resposta bastante musculada", disse à agência Lusa José Gouveia, da referida Associação.

Segundo o também porta-voz do movimento "O Silêncio da Noite", as medidas poderiam passar por "apoios à tesouraria a fundo perdido, créditos com taxas de juro próximas de zero, isenção de impostos e a redução de algumas taxas e impostos como a TSU".

"São medidas que o Governo terá de estudar e perceber para apoiar estas empresas e para que consigam sobreviver ao tempo enquanto não puderem abrir numa normalidade", disse José Gouveia, lembrando que há alguns espaços que foram "abertos a conta-gotas", mesmo a 20 ou 30% da sua lotação. "Entre despesas e lucros a média fica abaixo do valor da linha de água", afirmou.

O responsável lembrou que há seis meses que as discotecas e bares estão fechados, o que "leva ao desespero" de muitos empresários, lembrando que "dia sim, dia não, uma empresa entra em falência ou insolvência".
 
"Se fizermos uma leitura dos factos atuais, até final do ano não haverá noticias positivas. No início do ano 2021 estaremos em pleno inverno, não haverá alterações e muitos proprietários não estarão em condições de abrir na incerteza de ter clientes", reconheceu.

Apesar de todos os problemas, José Gouveia reconheceu que alguns espaços aproveitaram a uma nova regra do Governo, implementada no início de agosto, que permitiu que as discotecas e bares abrissem como pastelarias ou cafés, dando como exemplo a noite no Algarve durante o verão.
Publicado em Mix
segunda, 06 abril 2015 00:40

Discoteca Bauhaus anuncia encerramento

 
 
Foi através da página oficial no Facebook que a gerência da mais conhecida discoteca da linha de Cascais - Bauhaus -, anunciou hoje, domingo, o encerramento de um ciclo com mais de 25 anos a animar a movida noturna da linha.
 
O encerramento deste “local de culto” de muitos noctívagos será feito com nostalgia e orgulho “porque contam-se pelos dedos de uma mão os espaços noturnos que no país inteiro atingiram tão grande longevidade e ainda menos os que fecharam a fase final do ciclo em festa e pelo lado positivo” pode ler-se no comunicado divulgado que deixa também a possibilidade no ar de “haver um ou mais projetos de continuidade noutro espaço/cenário, porque o Bauhaus está muito longe de ser o espaço fisíco.”
 
A festa de despedida com direito a retrospetiva musical de alguns do maiores êxitos da história da discoteca e destaque para as "malhas" das grandes noites de rock, será feita no próximo sábado dia 11 de abril e à cabine subirão os DJs Rui Remix, Miguel Ventura, Miguel Assumpção e Bdasilva.
 
Nas redes sociais as reações a este término de ciclo estão a multiplicar-se com partilhas e mensagens de agradecimento ao espaço que agora encerra portas no Monte Estoril.
 
Publicado em Nightlife
A discoteca Pacha de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, vai encerrar portas em janeiro de 2016, depois de 10 anos de sucesso. A (má) notícia foi dada através da página oficial de Facebook da discoteca.
 
“O maior abalo na música de dança da década teve lugar na pista de dança do Pacha. Durante 10 anos, foi a casa das maratonas de mais de 24 horas ao estilo de Nova Iorque, onde a música eletrónica e de dança testou as suas variações e ganhou vínculos, onde as estrelas nasceram e os fãs ficaram convertidos. Em janeiro, o Pacha de Nova Iorque fecha as portas pelo melhor.”, são as palavras deixadas na rede social.
 
O espaço noturno, no entanto, não vai fechar as suas portas sem proporcionar um mês inesquecível aos seus clientes. O aniversário de uma década vai ser comemorado com várias festas especiais, que vão contar com a presença de Puff Daddy, Carnage, Dirty South e Markus Schulz. Um dos destaques vai para a atuação de Erick Morillo, DJ residente e um dos proprietários do espaço, que vai subir à cabine do Pacha de Nova Iorque pela última vez no próximo dia 12 de dezembro. A passagem de ano também está marcada, tal como as últimas festas, que estão a ser preparadas em jeito de despedida.
 
“A média de duração de uma discoteca é de 18 meses – nós durámos 120”, disse o presidente do Pacha de Nova Iorque, Eddie Dean, em comunicado na página oficial do espaço noturno norte-americano. “Tem sido uma viagem selvagem que nenhum de nós vai conseguir esquecer. As últimas festas vão comemorar os diferentes artistas, estilos e momentos que fizeram o Pacha ser o melhor”, concluiu.
 
O Pacha de Nova Iorque ganhou diversos prémios ao longo dos últimos 10 anos, incluindo o de “Melhor Superclub” dos Club World Awards cinco vezes consecutivas e um dos melhores clubs do mundo pela revista DJ Mag.
 
Segundo o site oficial, durante os últimos 10 anos passaram 6 milhões de pessoas pela pista de dança, durante mais de 12 mil horas, o que dá um total de 1500 atuações em 500 semanas. Os fãs de uma das casas noturnas mais conhecidas a nível americano e mundial queimaram cerca de 10 bilhões de calorias ao longo de dez anos e os empregados correram cerca de 10 mil milhas e queimaram um milhão de calorias a transportar mais de 2 milhões de garrafas de álcool, o suficiente para encher duas piscinas de tamanho olímpico.
 
O português DJ Vibe foi um dos artistas nacionais que teve a oportunidade de atuar neste grande espaço.
 
{youtube}Rs54kZUm7k8{/youtube}
Publicado em Nightlife
A divulgação foi feita na reunião pública do executivo pelo vereador da Proteção Civil e Fiscalização, António Sousa Lemos, que acrescentou estarem pendentes dez processos, devido a providências cautelares interpostas pelos donos dos estabelecimentos.

Novas medidas para disciplinar a noite portuense foram aprovadas hoje pela autarquia, incluindo a proibição da venda de bebidas em vasilhame de vidro, para consumo na via pública, e a possibilidade de encerrar estabelecimentos ou de lhes reduzir horários, em caso de infração.

As alterações incluídas no Código Regulamentar do Município mereceram o voto contra da CDU, que pretendia uma duplicação do valor das coimas, e não impediram duas moradoras de se queixarem de mercearias abertas "até à meia-noite", cafés a vender "litrosas", esplanadas que não cumprem horários, estacionamento caótico e falta de limpeza das ruas.

A Câmara poderá ainda proceder à "cassação da autorização de utilização" do estabelecimento se, "nos últimos três anos", o seu titular tiver sido condenado por "três contraordenações relacionadas com o exercício da atividade".
Nestes casos, o novo código regulamentar determina que durante dois anos "não pode ser concedido ao titular" novo título de utilização.

As novas "regras de funcionamento dos estabelecimentos" impõem que os espaços com "aparelho emissor de som com amplificação ou mesa de mistura" comprem e instalem um "limitador de potência sonora, que deverá ser calibrado e selado pelos serviços municipais competentes".

A Câmara pretende também proibir "a instalação de colunas e demais equipamentos de som no exterior do estabelecimento ou nas respetivas fachadas", e vedar a instalações dos mesmos na via pública. O incumprimento reiterado destas regras pode determinar "a restrição do horário de funcionamento para as 24:00", durante um período mínimo de 30 dias ou de 90 dias, no máximo.

O espaço pode ser encerrado pela Câmara quando a culpa do agente e a gravidade da infração "o justifique" ou nos "casos de reincidência". Porém, o fecho deverá ser feito "durante um período não inferior a três meses e não superior a dois anos".

A Câmara do Porto aprovou em março medidas para disciplinar a movida noturna, mas, segundo explica Rui Rio na proposta hoje votada, "importa acautelar a eficácia das referidas medidas".

A Associação de Bares da Zona Histórica (ABZH) do Porto disse no dia 11 à Lusa que disciplinar a movida implica mexer na "lei geral", já que a distinção feita entre sociedades por quotas e empresários em nome individual permite que os primeiros paguem multas "entre os 2.500 e os 30.000 euros" e os segundos "entre os 250 e os 3.000 euros".
 
Fonte: Lusa.
Publicado em Nightlife
O Governo dos Açores deliberou esta terça-feira encerrar a partir de quinta, e até 1 de setembro, as discotecas em São Miguel, sendo que os bares na ilha terão as 22 horas como hora limite de atividade, devido à pandemia de covid-19.

Numa nota enviada às redações, após a reunião realizada via videoconferência, o Governo açoriano sublinhou que os atuais 27 casos positivos de covid-19 em São Miguel mereceram um reforço de medidas de contenção.

"A situação que inspira maiores cuidados e suscita a necessidade de maior atenção é a relativa à prova da existência de, pelo menos, uma cadeia de transmissão local do vírus SARS-CoV-2, com incidência nos concelhos de Ponta Delgada e Vila Franca do Campo", adianta a nota.

O mesmo comunicado informa ainda que "da análise realizada pela Autoridade de Saúde Regional constata-se que o universo de indivíduos relacionados com essa cadeia de transmissão local - casos positivos e contactos próximos - têm idades na casa dos 20/30 anos e que os locais de contaminação principais são os espaços recreativos noturnos".

Por outro lado, é ainda referido que as evidências de incumprimento das recomendações de saúde pública "são crescentes, nomeadamente, a existência de aglomerações e ausência de uso de máscara".
Publicado em Nightlife
A discoteca Estado Chic, em Corroios, anunciou o encerramento definitivo no próximo fim de semana, dias 28 e 29 de novembro, 10 anos depois da inauguração.
 
O evento de despedida do espaço noturno da margem sul, marcado para sábado, Van Breda e Alpha são os convidados especiais para a celebração do “fecho de um ciclo e de uma casa que tantas noites e alegrias deu”, como é referido em comunicado na página oficial do Facebook do Estado Chic. Sexta feira é a última ladies night “à grande e à francesa”, com uma festa dedicada ao sexo feminino com o DJ residente Alpha.
 
O conhecido DJ português Massivedrum reagiu ao comunicado da discoteca e publicou um pequeno texto na sua página pessoal de Facebook, onde recorda a sua residência  de 8 anos. “Era como se de um ritual se tratasse. Todas as sextas feiras tinha que estar naquela cabine, tinha que ver aqueles sorrisos na pista, tinha que estar com a minha ‘família’, mesmo que no sábado tivesse 800 km para fazer, ou ‘apenas’ apanhar um avião às 7h da manhã”, referiu o artista na rede social.
 
O grupo Chic era composto por diversos espaços, entre eles o Estado Chic, Estado Absoluto, Taverna Chic, Chic Caffé e Waikiki Summer Chic, por onde passar diversos DJ’s reconhecidos.
 
Para não perderes esta festa de encerramento podes enviar os teus nomes para a guestlist do evento através do e-mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..
Publicado em Nightlife
A noite em Portugal está a poucas semanas de ficar mais pobre. As conhecidas discotecas Europa, Jamaica e Tokyo vão encerrar no próximo dia 14 de abril, para dar lugar a projetos hoteleiros.
 
Os espaços de diversão noturna localizados no Cais do Sodré pagam rendas baixas, de valor inferior a 1000 euros o conjunto das três discotecas. A Jamaica será a única que irá reabrir, com novas condições, renda atualizada e a desistência dos processos que decorrem em tribunal contra os senhorios.
 
Em 2010 um colapso no prédio obrigou aos proprietários das discotecas a realizar obras de recuperação e o processo em tribunal é um pedido de indemnização de 400 mil euros aos senhorios pelos danos causados enquanto os espaços estiveram de portas fechadas durante aquele período.
 
Os arrendatários dos três espaços afirmaram à agência Lusa que este caso trata-se de especulação imobiliária e que a nova lei do arrendamento não defende o património cultural. Já foram entregues à Câmara Municipal de Lisboa vários relatórios assinados por peritos que defendem que a obra pode começar sem obrigar ao encerramento das discotecas.
 
A notícia foi avançada pela SIC e muitos são os clientes das discotecas que já se demonstraram descontentes nas redes sociais por esta situação que apanhou todos de surpresa. Pela internet já decorre uma petição pública, assinada até ao momento por mais de mil pessoas.
 
Lisboa perde assim três locais de eleição para os noctívagos da capital portuguesa, de uma só vez.
Publicado em Nightlife
quarta, 10 agosto 2016 12:00

Leiria: Beat Club encerra portas

A discoteca Beat Club, um dos espaços noturnos mais conhecidos da cidade de Leiria, encerrou portas por ordem do tribunal. Em causa, segundo o Jornal de Leiria, está um pedido de insolvência da discoteca depois de um conflito entre a gerência e dois antigos funcionários.
 
Além de festas temáticas e noites académicas, o Beat Club recebia regularmente alguns festivais e concertos. As noites académicas eram um dos pontos fortes do espaço, realizadas às terças e quintas-feiras, onde era habitual a presença de estudantes universitários da cidade que enchiam os dois pisos da discoteca.
 
O Jornal de Leiria chegou a comparar o Beat Club com o The Hacienda de Manchester, uma vez que os dois espaços foram palco de grandes estreias de bandas e pela aposta nos novos talentos musicais.
 
{youtube}weTWuNdPdJk{/youtube}
Publicado em Nightlife
sexta, 12 fevereiro 2016 20:49

Soundcloud na falência?

A plataforma de música Soundcloud, muito utilizada por DJs e produtores, pode estar à beira da falência. Segundo os dados divulgados, a empresa possui um prejuízo de mais de 70 milhões de dólares (quase 62 milhões de euros) contraídos nos últimos dois anos.
 
No ano passado o Soundcloud não conseguiu lucros, apesar de ter atingido os quase 200 milhões de utilizadores e ter implementado vários anúncios publicitários. No mesmo ano a empresa recebeu um financiamento de 77 milhões de dólares, que deverá ser utilizado para negócios de licenciamento.
 
Segundo a Billboard, enquanto o Spotify consegue em média cerca de 24 euros por cada subscritor, o Soundcloud consegue apenas cerca de 1 cêntimo por subscritor.
 
Em comunicado oficial ao website Dancing Astronaut, os responsáveis pela plataforma afirmaram que, apesar das perdas, a empresa encontra-se numa “forte fase de crescimento” e que os seus investidores “acreditam no futuro da empresa”.
 
Recentemente o Soundcloud anunciou a realização de um acordo com as editoras Universal Music Group e Warner Music Group, devido a vários processos por infrações a direitos de autor.
Publicado em Mix
O Ministério da Administração Interna (MAI) esclareceu hoje que o encerramento do Urban Beach, hoje de madrugada, após agressões a dois jovens, deve-se também às 38 queixas apresentadas à PSP ao longo deste ano sobre aquela discoteca.
 
O MAI confirma que ordenou o encerramento daquele estabelecimento de diversão noturna na madrugada de hoje, diz que notificação do despacho do ministro Eduardo Cabrita "foi feita cerca das 04:30" e que o Urban Beach foi encerrado na altura, com a retirada das pessoas que estavam no interior.
 
"A decisão foi tomada após audição do presidente da Câmara Municipal de Lisboa", acrescenta o MAI.
 
Recorde-se que no dia de ontem foi divulgado um vídeo que mostrava um grupo de seguranças da referida discoteca a agredir dois jovens em plena via pública.
Publicado em Nightlife
Pág. 1 de 2