24-06-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está a investigar a conduta da Apple, acusada de usar a sua influência junto da indústria discográfica para acabar com o modelo de negócio da plataforma Spotify.
 
Segundo o The Verge, a empresa pode estar a pressionar as editoras para que não renovem os contratos com o Spotify, que disponibiliza de músicas de forma gratuita, uma vez que espera lançar um serviço de streaming pago em junho
 
Fontes do Verge indicam que a Apple chegou a dizer à Universal que está disposta a pagar as taxas do YouTube à editora, desde que a empresa interrompa as transmissões de suas músicas no site da Google.
 
O Spotify conta com 60 milhões de utilizadores, mas apenas 15 milhões optam por pagar pela versão premium do serviço. Os restantes beneficiam de músicas gratuitas, conseguidas graças a parcerias estabelecidas com as grandes editoras.
 
Fonte: Notícias ao Minuto.
Publicado em Mix

 

A iniciativa Youtube for Artists, uma nova ferramenta do site de vídeos online, consegue aconselhar os artistas sobre os locais onde devem atuar, a partir do número de fãs que têm em determinado sítio ou de onde mais pessoas assistem aos seus vídeos.
 
Outra novidade desta aplicação do Youtube é que informa ainda os artistas quais são as músicas mais populares em determinado local, o que pode influenciar na escolha de singles ou de alinhamento da atuação.
 
 
Publicado em Mix
O Spotify recusa-se a apagar playlists criadas por utilizadores com alinhamentos exatamente iguais aos das compilações criadas pela Ministry of Sound. A acusação é feita pela editora londrina, que na segunda-feira interpôs uma ação judicial contra a plataforma de música.
 
O caso deverá fazer jurisprudência. Os 24 milhões de utilizadores que o Spotify tem atualmente, criaram desde o lançamento deste serviço de música online, em 2008, mais de mil milhões de playlists. É uma funcionalidade popular para reunir e partilhar conjuntos de canções com amigos - que também podem participar na construção dos alinhamentos - ou, nos casos de alguns sites, com leitores.
 
À escolha existem mais de 20 milhões de temas (dados de Dezembro de 2012), devidamente licenciados, que os utilizadores podem ouvir ou compilar. Entre eles estão os temas usados nas compilações da Ministry of Sound, que apenas detém os direitos para os editar em formato disco (físico ou digital) mas não para streaming
 
A Ministry of Sound, marca associada a uma discoteca de Londres com o mesmo nome, aceita essa contingência como uma dificuldade criada pela transformação da indústria da música no tempo da Internet. O que a deixa a lutar pelo que sobra - a curadoria. A editora defende que esse trabalho intelectual também deve estar protegido pela lei dos direitos de autor.
 
"O que fazemos é mais do que agrupar temas: há muita pesquisa na criação das nossas compilações e propriedade intelectual envolvida nisso. Não é apropriado que alguém faça corta-e-cola com elas", argumenta o presidente executivo da Ministry of Sound, Lohan Presencer, em declarações ao "Guardian", que deu a notícia do processo à imprensa.
 
A editora londrina - que se dedica à música de dança e já vendeu mais de 50 milhões de discos nos últimos 20 anos - exige na ação judicial que as playlists sejam apagadas, que o Spotify bloqueie de forma permanente a possibilidade de os seus alinhamentos voltarem a ser copiados e ainda uma indeminização que a compense por danos e custos com o processo.
 
O diário britânico lembra que, em 2010, houve um caso idêntico no Reino Unido, envolvendo as ligas de futebol inglesa e escocesa. Na altura, o Tribunal Superior deu razões a estes dois representantes dos clubes britânicos, que pretendia que os seus calendários (ordem dos jogos) fossem protegidos pela lei dos direitos de autor. Mas a decisão foi revertida na sequência de um recurso. No setor da música, é o primeiro caso a chegar à justiça.
 
Fonte: P3.
 
Publicado em Mix
A Google entrou com um pedido curioso no escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos. O documento, preenchido na passada terça-feira pela empresa multinacional, prevê o registo de um simples e popular gesto, o 'coração' que pode ser feito com as mãos para gostar de imagens captadas pelo Google Glass - os óculos inteligentes do gigante das buscas. O resultado pode ser publicado nas redes sociais, como o Facebook, Twitter e Google+, ou armazenado no álbum de fotos do usuário.
 
De acordo com a descrição enviada ao órgão americano, a intenção da companhia é facilitar o uso do produto, tornando a experiência dos clientes muito mais simples e intuitiva. Atualmente, o Google Glass é capaz de tirar fotos através de comandos de voz registados pelos sensores do dispositivo.
 

 
Além do famoso 'coração', a empresa também quer patentear gestos específicos para ativar o zoom da câmara, cortar fotos e fazer marcações em pontos de interesse (como monumentos históricos e endereços). O recurso também será disponibilizado a programadores de aplicações, que poderão adaptar os gestos a serviços de geolocalização e jogos.
 
Este conhecido gesto é também muito utilizado nos artistas que se encontram atrás da cabine, que o utilizam como forma de agradecimento e amizade aos seus fãs.
 
 
Publicado em Tech
O serviço sueco de música online Spotify anunciou hoje que o seu sistema foi atacado por um pirata informático, mas que este não conseguiu aceder aos dados bancários e de pagamento dos utilizadores.
 
"Detetámos um acesso não-autorizado aos nossos sistemas e à base de dados interna da empresa", indicou a empresa de 'streaming' de música em comunicado, citado pela agência de notícias francesa, AFP.
 
"Assim que demos conta da intrusão, imediatamente iniciámos uma investigação", lê-se no texto.
 
O Spotify explicou que só os dados de um utilizador foram afetados, mas que estes não incluíam quaisquer palavras-passe ou informação bancária e de pagamento.
 
A empresa assegurou ainda que vai atualizar a sua aplicação Android nos próximos dias e pedir a alguns dos seus utilizadores que introduzam novamente o seu nome de utilizador e palavra-passe para acederem ao serviço.
 
O Spotify diz ter 40 milhões de utilizadores ativos em 56 países, incluindo 10 milhões de grandes clientes.
 
Publicado em Mix
A partir de agora vai ser possível introduzir marcas nos vídeos de música. A estratégia é da Universal Music que vai permitir que as agências de publicidade promovam produtos junto de audiências específicas.
 
A Universal recorre, assim, à startup tecnológica MirriAd que desenvolveu uma solução para inserir marcas nos vídeos de música, mesmo depois das filmagens terminadas. Assim, pode-se inserir diferentes marcas no mesmo vídeo e dirigidas a um público-alvo. 
 
A Havas Media Network, que trabalha marcas como LG e Coca-Cola, junta-se à discográfica, sendo a primeira agência a aderir ao serviço.
 
Com esta tecnologia os interesses dos artistas e das marcas estão alinhados enquanto a discográfica se foca em apresentar aos fãs uma experiência musical completa, diz a Universal ao Marketing Magazine.
 
Através de tecnologias inovadoras, como a MirriAd, e agências globais como a Havas, a Universal Music pode oferecer aos artistas mais oportunidades de gerar receitas a partir dos vídeos musicais, acrescenta.
 
Fonte: Briefing.
 
Publicado em Mix
quarta, 10 novembro 2010 17:45

Drive Me 'oferece' boleias à noite

A campanha de segurança rodoviária 100% Cool vai entrar numa nova fase com o lançamento da Drive Me, uma rede social que quer ligar jovens para a "gestão" online de boleias.
A ideia é da Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas (ANEBE) e o objectivo é garantir a saída e o regresso a casa em segurança, depois de uma saída nocturna, recorrendo ao grupo de cibercontactos.

A rede social, cujo lançamento está previsto para esta sexta-feira, passa assim a ser o mais recente recurso da 100% Cool.

Refira-se que o eixo central da 100% Cool, criada em 2004, são as brigadas que se deslocam aos locais de diversão nocturna para sensibilizar os jovens para o consumo moderado de álcool, realizar testes de alcoolemia e premiar simbolicamente os jovens com 0% de álcool.

A 100% Cool "difere em larga medida de muitas outras desenvolvidas no nosso país, pois procura evitar o lado repressivo, apostando antes na educação, motivação e responsabilização dos jovens para um consumo moderado de álcool", considera a ANEBE.
Publicado em Mix
A nova aplicação Bangers promete revolucionar o mundo e a maneira como as pessoas se relacionam através da música. Disponível apenas para iPhone, a aplicação móvel dá a oportunidade a qualquer utilizador de fazer beats, remixes e criar produções originais numa experiência interativa.
 
Na App Store podes encontrar a aplicação de forma gratuita, em inglês e espanhol e não é preciso teres conhecimentos ou experiência em produção musical para começares a utilizá-la.
 
No Bangers estão incluídos temas dos artistas de música eletrónica mais conhecidos a nível internacional, como é o caso de Martin Garrix, Swedish House Mafia, DJ Snake, Skrillex, Dillon Francis, Oliver Heldens, David Guetta e Tiesto.
 
São mais de 70 músicas disponíveis na app, com uma vasta escolha de possibilidades de outros sons para misturar e depois partilhar com os teus amigos no Facebook. Além da partilha nas redes sociais, podes competir com outros utilizadores por um lugar no Top 20.
 
Publicado em Mix
sexta, 06 abril 2012 00:17

Jameson tem nova aplicação na Meo

O botão azul do comando Meo dá acesso a uma nova funcionalidade. Chama-se “Jameson Meo” e é o mais recente projecto tecnológico da marca irlandesa de whiskey Jameson, disponível para clientes Meo ADSL e Meo Fibra.

Entre as secções disponíveis na aplicação “Jameson Meo” encontram-se a de “Agenda Cultural”, com informação actualizada sobre concertos e eventos em todo o País, e a “Jameson Urban Routes”, onde se podem encontrar vídeos de actuações deste festival de música Jameson. Em “Eventos” são disponibilizados vídeos e fotografias dos eventos onde a marca garante presença e em “Done in 60 Seconds” os melhores vídeos desta competição de cinema Jameson. No “Facebook”, por sua vez, é possível acompanhar as actualizações da página oficial da Jameson no Facebook.

A aplicação “Jameson Meo” está disponível na categoria “Úteis” do Meo Interactivo de forma gratuita.
Publicado em Marcas
A plataforma de streaming Spotify anunciou uma parceria inédita com a famosa aplicação de relacionamentos Tinder onde o objetivo é promover “matches” de acordo com o gosto musical. A parceria pretende facilitar a vida aos utilizadores que procuram a sua cara-metade através das músicas que são mais ouvidas mutuamente e com regularidade. 
 
O processo é simples e os usuários deverão ter conta em ambas as plataformas. Basta conectar o Spotify ao Tinder e partilhar um conjunto de músicas preferidas com os pretendentes. Mesmo que o usuário do Tinder não tenha conta do Spotify, poderá na mesma ouvir excertos das músicas de quem está interessado diretamente no perfil do Tinder. Para quem tem conta nas duas aplicações, será possível ver também os artistas em comum antes do “match”.
Publicado em Mix
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.