01-06-2020
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
Vando Camarinha tem 28 anos e depois de conquistar o território nacional, começa agora a dar cartas no mundo da música eletrónica a nível internacional, através de imagens capturadas por si, no momento certo. Natural do Porto e formou-se em Multimédia pelo Instituto Superior da Maia, unindo assim várias das suas paixões: design gráfico, vídeo e fotografia. Fica a conhecer melhor a sua personalidade e trabalho através da entrevista que lhe fizemos.

Como começou a tua história no mundo da fotografia ligada à música eletrónica? 
Foi há 5 anos. Eu trabalhava na noite como fotógrafo e o meu melhor amigo veio à discoteca nessa noite e acabou por me fazer a pergunta: “Vando já que gostas tanto de fotografar, porque não apostas em festivais de música?”. A partir daí comecei a pesquisar sobre alguns trabalhos de alguns fotógrafos profissionais na área dos festivais e com alguns contactos que tinha fui convidado a fazer os meus primeiros festivais. Estava um pouco nervoso no início porque não sabia onde me ia meter! Mas a partir desse momento foi ‘sempre a abrir’. Adoro a fotografia de ambiente festivaleiro, adoro música eletrónica e esses dois temas juntos é perfeito para mim e para o que eu faço!

Que festivais e artistas já fotografaste? 
Portugal: MEO Sudoeste, EDP Beach Party, Melhores do Ano, RFM Somnii, Mega Hits Kings Fest, I’ am Hardwell. Internacionais Inox Park Paris e Elektric Park Festival. Artistas: Dannic, Hardwell, Martin Garrix, Bob Sinclar, Laidback Luke, Dimitri Vegas & Like Mike, Sebastian Ingrosso, Showtek, DVBBS, Thomas Gold, Lost Frequencies, Alesso, Pete tha Zouk, Kura, Nervo, Don Diablo, Bassjackers ,Tujamo, entre outros.

Que história caricata podes contar sobre um dos teus trabalhos?
Tenho várias, mas uma que recordo mais foi quando estava a fotografar as NERVO em Paris e no momento em que ia a sair do palco, acabei por cair de cu no chão! No momento senti-me um pouco envergonhado porque tinha todas as pessoas a olhar para mim e porque foi o primeiro festival que fiz internacionalmente. Como devem calcular, as pessoas começaram-se a rir e eu com a minha calma toda disse-lhes que era uma coisa normal quando se ama o que se faz! 

Que artista gostaste mais de fotografar? 
Kura foi sem dúvida um dos que mais gostei de trabalhar. Para além de humilde, foi das pessoas que mais apostou em mim e que me deu força para continuar a fazer mais e mais neste ramo! 
 
Que material fotográfico aconselhas para um jovem fotógrafo que queira seguir os teus passos? E algumas dicas?
De material fotográfico aconselho para os iniciantes desta modalidade, a Canon 550D ou Canon 700D. Para iniciar é perfeita para praticar. 
Pesquisando, inovando e tendo sempre uma open mind, isso é a melhor dica que podem ter. Não se deixem intimidar por ninguém, sejam simples, humildes, idealizem, concretizem e principalmente sejam unidos.

Quais os eventos e artistas que mais gostarias de fotografar?
Ultra Music Festival e Tomorrowland.
 

Publicado em Zoomdrop
sexta, 18 outubro 2013 13:12

New York Times rendido à noite de Lisboa

O Hot Clube de Portugal, o B.Leza, o Vinyl e o Can The Can foram os espaços eleitos por uma reportagem do New York Times para falar sobre a música que se ouve em Lisboa. O jornal diz que nos últimos dois anos surgiram "spots inovadores" para ouvir música na capital.
 
Uma volta pelos espaços noturnos da cidade mostra que há música de todos os estilos de várias partes do globo, desde o indie jazz até às experiências eletrónicas. O texto começa com uma descrição da recuperação do Hot Club, que sofreu um incêndio em 2009, tendo sido depois recuperado com o apoio de dinheiros públicos.
 
"Muita gente pensa que Lisboa é só fado mas há muita mais para ouvir", diz Luís Rodrigues, editor de música da Time Out e que é citado no artigo. O roteiro do jornal começa no Hot Club e acaba no B.Leza, passando pelo Vinyl e o Can the Can. O artigo foi publicado na quarta-feira.
 
Publicado em Nightlife
A MEO Arena, em Lisboa, recebeu no passado sábado cerca de 14 mil pessoas para assistir ao novo espetáculo de Hardwell, “United We Are”, especialmente dedicado ao seu álbum de estreia, lançado em janeiro. O evento teve a duração de cinco horas e contou com o warm-up de Kill The Buzz. O DJ “número 1”, segundo a revista britânica DJ Mag, voltou a encantar os portugueses num dos eventos de música eletrónica mais aguardados do ano, tendo os seguidores do holandês começado a concentrar-se nas imediações do recinto logo pela manhã.
 

A ESTREIA QUE FEZ “BUZZ” (COM ENTREVISTA)

Diretamente de Breda, a mesma cidade de Robbert, chega Kill The Buzz, o primeiro a dominar a batuta. Além das suas próprias faixas e da estreia de novos temas, The Buzz durante as duas horas de set, reproduziu também músicas de David Guetta (“Just One Last Time” com Taped Rai) e Alesso (“Tear The Roof Up”). No dia anterior ao espetáculo, tinha estreado uma nova faixa intitulada “Metric”, em colaboração com Manse, no radioshow “Hardwell On Air”.
 
Numa entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ e ainda com a adrenalina pós-gig a fervilhar, Kill The Buzz não escondeu o orgulho e satisfação que é fazer o warm-up de Hardwell: “Eu e o Robbert somos amigos desde, mais ou menos, 8 ou 9 anos, e tenho-o acompanhado nas suas tours como amigo, nomeadamente em muitos festivais na Holanda. Há cerca de três anos atrás produzi três faixas que ele gostou imenso. Significa muito para mim que ele me tenha trazido para o seu espetáculo. É ótimo estar aqui!”
 
Questionado quanto ao grau de dificuldade em abrir as hostes do “#1”, The Buzz confessa que Hardwell lhe diz as coisas mais difíceis de tocar ao vivo. “Por exemplo, não podes tocar muitas músicas que são “top” e que grande parte das pessoas quer ouvir num festival. Essencialmente não te podes expor. A coisa mais inteligente num warm-up é dizer às pessoas que tu estás ali” referiu.
 
 
Esta é a primeira vez do holandês em Portugal: “Estou a adorar esta cidade - Lisboa. Um ótimo sítio para estar, e as pessoas são simpáticas, bem como a comida. É ótima!” rematou com um sorriso nos lábios, indicando Kura como o DJ português que conhece.
 

A PROVA QUE SOMOS UNIDOS

A estrutura e logística de palco teve assinatura portuguesa, enquanto que a estrutura superior foi desenhada na Holanda e irá acompanhar Hardwell nesta tour. Semelhante a uma nave espacial, Hardwell, que desta vez “aterrou” em Portugal acompanhado pela sua cara-metade, levou os fãs a uma viagem alucinante e cheia de energia, ao som dos maiores êxitos do passado, do presente, e ainda, de novas músicas.
 
Vestindo uma nova camisola de Portugal, oferecida pela rádio Mega Hits, tal como aconteceu no espetáculo de 2013, o artista holandês contagiou os presentes com a sua paixão e dedicação pela música eletrónica, criando uma forte interação e ligação com o público que delirava em todo o recinto, erguendo por vezes uma bandeira portuguesa e um cachecol, gritando algumas palavras como “braços no ar” e “obrigado”.
 
As letras de algumas músicas eram visíveis no ecrã gigante, que acompanhadas por efeitos de CO2, pirotecnia e um conjunto de luzes único, transformaram a MEO Arena numa autêntica pista de dança gigante. Na plateia e no balcão 1, podiam-se observar vários cartazes, t-shirts e ainda bandeiras do Tomorrowland e de países como Portugal, Espanha, Colômbia, Holanda e Brasil.
 
 
Apesar do balcão 2 não ter sido aberto ao público, a moldura humana de 14 mil fãs do “#1” demonstrou que Portugal tem um dos melhores públicos a nível mundial.
 
Além do seu álbum de estreia, “United We Are”, lançado em janeiro, Hardwell também estreou novas sonoridades. Da sua autoria, não podiam faltar os sucessos como “Spaceman” e “Dare You”, enquanto gritava “Portugal, i love you!”. Hit’s como “Blame” (Calvin Harris & John Newman), “A Sky Full Off Stars” (Coldplay & Avicii), “Drop It Like It’s Hot” (Snoop Dogg & Pharrel Williams) e “Leave The World Behind” (Swedish House Mafia) fizeram as delícias dos fãs, que receberam uma pequena surpresa no final: as últimas duas músicas contaram com selo português: “Hangover” e “Kalemba (Wegue Wegue)”, dos Buraka Som Sistema, foram os temas que finalizaram a atuação, numa recordação que nos retornou ao espetáculo de 2013, ocorrido no mesmo local.
 

NEM OS FAMOSOS RESISTEM A HARDWELL

Algumas caras conhecidas compareceram no MEO Arena para assistir a um dos eventos mais esperados do ano. Nomes como Inácio Ramos, Luís Evaristo, Diogo Dias, Diana Monteiro, João Montez, Dan Maarten, Olga Ryazanova, Dynamic Duo, Hugo Rizzo, Ricardo Silva, Mauro Barros, Olívia Ortiz e Joana Vieira fizeram questão de marcar presença neste regresso de Hardwell ao nosso país.
 

VOX POP

José Paulo Costa, de 20 anos, veio de Santa Maria da Feira para assistir ao concerto de Hardwell pela primeira vez. Para ele, a prestação do “número 1” foi "espetacular e fantástica". Já Telma Silva, de 32 anos, "estava à espera de um pouco melhor" em relação à área VIP do evento. Tiago, natural de Almeirim, de 36 anos, confessou-nos que achou um bom espetáculo, mas que o mesmo "acabou muito cedo". Já Mónica, de 31 anos, gostou do seu primeiro espetáculo de Hardwell e admitiu voltar um dia.
 
 

A PARCERIA DE SUCESSO CONTINUA (COM ENTREVISTA A NELSON CUNHA)

Depois de “One Last Tour” (Swedish House Mafia), o RFM SOMNII e a tour “I Am Hardwell”, foi a vez da “United We Are” chegar a Portugal. Mais uma vez, a parceria entre a Genius Y Meios, a Mega Hits e a Sociedade Lusa de Espetáculos foi um sucesso, elevando a fasquia para aquilo que poderá vir no futuro. 
 
“Duas vezes ‘melhor do mundo’, duas vezes em Portugal no MEO Arena, e superámos as espectativas. Voltámos a repetir a ‘dose’ com um espetáculo diferente, inovador... e o Hardwell está praticamente a ‘jogar em casa’”, revelou-nos Nelson Cunha, Diretor da Mega Hits. “Existem fortes afinidades de Hardwell com Portugal, ele sente o nosso país de uma maneira muito especial. A maior parte dos países da Europa onde ele toca não tem um público tão emotivo, e aqui sim, ao mínimo toque/gesto, o público português reage e isso é muito bom”, por isso, “ele gosta de vir a Portugal e é por isso que veio cá outra vez” disse o diretor da estação.
 
Em relação à rádio Mega Hits, Nelson desvendou algumas das novidades, como a estreia do radioshow da editora de Hardwell – Revealed Records, o radioshow semanal do Quintino, a residência mensal com Djeff Afrozilla e, além dos Beatbombers, o “regresso” do DJ Glue e a Mega DJ Academy. Quanto ao Mega Hits Kings Fest, que contou com a presença de Martin Garrix no ano passado, está a ser realizado um “trabalho de pesquisa”.
 
Para concluir e em relação ao Portal 100% DJ, Nelson Cunha prestou um agradecimento: “Quero agradecer à 100% DJ por ter vindo mais uma vez, pelo grande apoio dado à dance music em Portugal, mantendo sempre aquela isenção, que é importante, e respeitando os artistas e produtores. Têm feito um trabalho excecional - parabéns a vocês”.

 

BACKSTAGE

Nos bastidores do espetáculo, Hardwell teve ainda tempo de conhecer alguns dos seus fãs portugueses, através de um Meet & Greet. Diogo Calhó, de 16 anos, foi um dos fãs sortudos que teve a oportunidade de conhecer o seu ídolo. “Achei-o uma pessoa simpática e nada fria com os fãs”, foi a descrição que Diogo nos fez, em exclusivo, sobre o sonho de conhecer o DJ holandês, pois é o seu ídolo e inspiração. Relativamente ao espetáculo, o jovem de Barcarena confessou que adorou todo o espetáculo, desde os “LED’s, sonoridade, ambiente e a interação com o público”. Foi o primeiro espetáculo de “EDM” de Diogo e “teve um maior significado por ser do Hardwell”, revelou.
                        
A Mega Hits, patrocinadora do evento, além da t-shirt, ofereceu a Hardwell o prémio de “Melhor DJ do Ano”, um totem com logótipo da rádio em 3D.
 

BILHETES SOLIDÁRIOS

Todos os espetáculos da tour “United We Are” têm uma vertente solidária. Para quem comprou bilhete, contribuiu automaticamente com 50 cêntimos para a organização DANCE4LIFE. Este projeto de solidariedade é apoiado por Robbert e tem como objetivo o combate à SIDA nos jovens a nível mundial, através da educação, música e dança.
 

REDES SOCIAIS

Nas redes sociais como o Facebook, Instagram e Twitter, Hardwell foi um dos temas que mais “buzz” gerou. Quando o DJ chegou ao nosso país, fez questão de colocar uma fotografia na sua página oficial de Facebook e do Instagram, de uma vista privilegiada de Lisboa, elogiando o clima: “A aproveitar o lindo clima em Lisboa. Preparado para a I Am Hardwell desta noite!”. Kill The Buzz publicou também uma fotografia sua, com a descrição: “A aproveitar esta vista de topo em Lisboa, Portugal”. Após o espetáculo na MEO Arena, Hardwell partilhou ainda uma fotografia tirada durante o concerto, onde se pode ler “Obrigado Portugal! #UnitedWeAre”.
 

 

O REGRESSO ANUNCIADO

O DJ e produtor holandês, em entrevista à Mega Hits, confirmou acidentalmente o seu regresso ao MEO Sudoeste deste ano, pouco tempo antes da sua atuação em Lisboa. Entretanto, a organização do festival alentejano já confirmou a presença de Hardwell na Zambujeira do Mar, no dia 8 de agosto. Robbert esteve presente na edição de 2014 do MEO Sudoeste.
 
Vemo-nos em Agosto, Robbert!
 
Publicado em Reportagens
 
Em 30 anos, a noite de Lisboa mudou profundamente. Mudaram os locais da moda, mudaram as pessoas que os frequentam e sobretudo os hábitos dos notívagos.
 
À geração do anos 80, fica colada a marca deixada pela discoteca mais emblemática da época: o Rock Rendez Vous. Lugar de culto, que viu nascer a maioria das bandas de rock nacionais como os Xutos e Pontapés. Na década seguinte, qualquer saída noturna implicava uma incursão inevitável pela Avenida 24 de Julho, onde existia a maior concentração de locais de diversão por quilómetro quadrado.
 
Das discotecas aos bares da moda,  das tendências do passado à afirmação do presente, a rúbrica "Perdidos e Achados" emitida no sábado dia 18, fez uma viagem no tempo pelas ruas de Lisboa quando a noite cai. 
Para conferir: "A noite mudou-se".
 
 
Jornalista: Isabel Osório
Repórter de Imagem: Nuno Fróis
Edição de Imagem: Ricardo Piano
Produção: Diana Matias, Madalena Durão
Coordenação: Maria João Ruela
Direção: Alcides Vieira
SIC
 
Publicado em Nightlife
A noite de 24 de fevereiro foi um marco para os franceses. DJ Snake atuou em casa - no Accorhotels Arena -, mostrando que o seu país poderá ser um exemplo para os jovens, encorajando-os e dizendo que os mesmos são os que vão mudar o país. No recinto estavam presentes 20 mil pessoas.

Após duas incríveis actuações de Point Point e Malaa, William Grigahcine, conhecido no mundo artístico como Snake, entrou em palco e rapidamente colocou o público em euforia: "esta noite estamos em casa e eu estou com o meu povo"!

Nos últimos tempos, o DJ francês tem apostado bastante na sua carreira e não se esquece de convidar alguns amigos para actuar em palco. Depois da sua última actuação no Zenith Paris a ansiedade e determinação do DJ francês estavam no auge e voltou para fazer tremer a AccorHotels, num cenário repleto de efeitos de luz, vídeo e efeitos especiais. 

A sala inteira cantou juntamente com o DJ o hino francês, como se fosse uma só voz e desafiou ainda o público a realizar um "moche" com a música "In The Pit" de Lil Jon. 

Pouco passava das onze da noite, hora de terminar o concerto e surpreendendo tudo e todos, Snake comunicou uma decisão importante: "Meu povo, os organizadores e o pessoal que trabalha na arena acabam de me dizer que terei que terminar o concerto agora, porque a polícia estava a mandar parar com a música e que poderiam levar com uma multa senão terminar agora. Mas que se lixe! Nós pagamos a multa e continuamos!". O anfitrião não voltou a trás na decisão. E continuou com a festa, recorrendo aos seus clássicos "Let Me Love You" e à sua nova música, lançada um dia antes do concerto, "Magenta Riddim" e ainda a duas faixas exclusivas. O artista provou que definitivamente Paris é a cidade que ama, que o viu crescer e que não vai esquecer este dia memorável.
 

Publicado em Reportagens
Uma das épocas mais esperadas do ano chegou. O festival Tomorrowland, que acontece nos dois próximos fins-de-semana, está de volta a Boom, na Bélgica, com um cartaz de luxo direcionado para os amantes da música eletrónica em todas as suas vertentes. Como já é habitual, são vários os festivaleiros portugueses que partem em direção ao evento, com o objetivo de viver os melhores dias das suas vidas repletos de música, amor e união. O Portal 100% DJ falou mais uma vez em exclusivo com três portugueses que neste momento já estão no Tomorrowland. 
 
“O Tomorrowland é um lugar mágico”
 
Dylan Silva, de 23 anos, parte de Paris em direção ao festival belga pela terceira vez. “O Tomorrowland é um lugar mágico. A primeira vez que lá vamos é o realizar de um sonho e nas vezes seguintes torna-se na nossa casa”, referiu o português em exclusivo ao Portal 100% DJ.
 
Coone, Alesso, Martin Garrix e Armin van Buuren são os artistas que não quer perder no festival. Em relação à segurança do evento, considera que “não devemos pensar nisso e sim aproveitar ao máximo esses dias”, uma vez que já conhece o Tomorrowland e o seu ambiente.
 
Quando questionado se Portugal merecia um festival como o Tomorrowland, a resposta de Dylan foi afirmativa, apesar de ser “impossível” e do nosso país não ter “organização para tanto”.
 
“Mística e envolvência do festival” 
 
Pela primeira vez no Tomorrowland, Daniel Dias foi atraído pela “mística e envolvência do festival em conjunto com os artistas que irão atuar”, afirmou o português de 24 anos, residente em São João da Talha.
 
Durante o evento promete não perder um segundo dos sets de Carl Cox, Solomun e Dimitri Vegas & Like Mike e refere ainda que não se irá sentir inseguro num dos maiores festivais de música eletrónica a nível mundial, apesar dos alertas de terrorismo.
 
Se o Tomorrowland viesse para Portugal, Daniel considera ainda que “não seria a mesma coisa” e que “não faz falta um evento destes” no nosso país.
 
“Sempre foi um sonho a concretizar”
 
Joana Lima, de Lisboa e com 26 anos, vai pela primeira vez ao festival de Boom. “O Tomorrowland sempre foi um sonho a concretizar. Sou fã de música eletrónica e todo o ambiente e pormenores do festival sempre me fascinaram”, referiu a festivaleira.
 
Armin van Buuren, KSHMR, Martin Garrix e Dimitri Vegas & Like Mike são os seus artistas de eleição, considerando-se fã e que não irá perder durante o evento. Quando questionada sobre a falta de um festival do mesmo género em Portugal, Joana considera que seria “incrível”, apesar de já existirem eventos do mesmo género “mas nenhum que se aproxime da qualidade do Tomorrowland”.
 
Em relação às ameaças terroristas que o mundo tem vindo a sofrer, Joana afirma que “é impossível não sentir alguma insegurança, mas a verdade é que o risco está em todo o lado. Prefiro não pensar nisso e simplesmente disfrutar daquele que será, provavelmente, uma das melhores experiências que irei ter na vida, num festival que apela ao amor e à união: ‘Live today, love tomorrow, unite forever”, concluiu.
 
Publicado em Tomorrowland
Podem não ter inventado a pólvora, mas sabem - e bem - como a fazer explodir. A prova disso mesmo, foi o espetáculo que apresentaram terça-feira, dia 18 em Portugal no Pavilhão Atlântico por ocasião do 25º Aniversário da RFM.
16 mil fãs do coletivo de DJs suecos puderam assistir àquele que foi denominado como o "espetáculo do ano". Num rescaldo extremamente positivo, há que destacar toda a produção, por ter trazido a Portugal, a "ONE LAST TOUR", única data em toda a península ibérica.

Numa atuação literalmente explosiva de duas horas e meia, Sebastian Ingrosso, Axwell e Steve Angello, mostraram-se fascinados com o nosso país: "Obrigado, Lisboa! Obrigado por esta noite incrível e por nos terem mostrado que Portugal não é só Ronaldo, nem só fado. São vocês! E vocês são incríveis! Hoje, não somos Swedish House Mafia. Com vocês, esta noite, somos 'Portuguese House Mafia'".
 
"One", "Don't You Worry Child" e "Leave The World Behind" foram alguns dos potentes hit's que não puderam faltaram.
Lasers, Co2, pirotecnia e grandes efeitos na projeção visual ajudaram ao espetáculo que levou à loucura os milhares de fãs.
 
Destaque para "Save The World" que foi o último tema a passar e rendeu todos os presentes. Uma mistura brilhante e energética que não poderia ter terminado melhor o espetáculo. Os fãs cantavam enquanto iam saindo da maior sala de espectáculos do país, e os mais resistentes ouviam as palavras de agradecimento dos SHM a todos os presentes e por tudo o que lhes proporcionaram.
 
No ecrã gigante a frase: "You Come, You Raved, We Loved It" fez arrepiar as 16 mil pessoas e serviu na perfeição para uma despedida em grande.
 
 

Warm-Up

A abertura foi feita com prata da casa. As portas abriram - mais cedo que o previsto, por motivos de segurança - e os DJs oficiais da RFM - António Mendes e D'Jay Rich - já ofereciam música ao público. Poucas horas depois, subia à cabine um dos mais conceituados produtores nacionais, Kura - o mais recente rosto da Agência WBD – que se empenhou bastante numa performance excepcional.
Pete Tha Zouk tinha uma missão de extrema importância: Ligar o botão da ignição para a explosão acontecer à meia-noite. Sem hipóteses de vacilar, Tha Zouk cumpriu com absoluto sucesso a sua missão, agradando aos milhares presentes, ansiosos pelo grande momento.
 
 

O público

Este foi sem dúvida o espetáculo das várias gerações. Os temas contagiantes do trio sueco, fizeram com que se visse no Pavilhão Atlântico um impressionante misto de idades a divertir-se, esquecendo por momentos os problemas que afrontam a sociedade.
O público saltou, cantou e chorou. Não havia uma única pessoa parada: "Dançar" foi a palavra de ordem.
Na multidão fizeram-se notar vários países presentes: França, Suécia, Espanha, Inglaterra, Polónia, Argentina e Itália.
 
 

VIPs

Para festejar em grande a última atuação dos Swedish House Mafia em terras lusas e os 25 anos da RFM, estiveram presentes inúmeras personalidades como Cláudia Vieira e Pedro Teixeira, Luís Evaristo, Sérgio Delgado e Marco Delgado, Dino Alves, Helga Barroso, Flávia Moreira, António Pereira, Hélder Vilas Boas, Catarina Mira, Liliana Santos, Maya, Patrícia Henrique, Sara Prata, Liliana Aguiar, Diana Monteiro, Chakall, Rodrigo Menezes, Miguel Gameiro, Rita Pereira, Fernando Cunha, Zé Pedro, Vanessa Oliveira, entre outras caras conhecidas que também se juntaram à festa.
 
 

Artistas agradeceram aos fãs

Antes, durante e depois, as redes sociais também estiveram bem agitadas com centenas de posts, não só dos fãs, como também dos próprios artistas. Recorrendo ao twitter, no final do espectáculo os principais anfitriões deixaram mensagens de agradecimento aos seus fãs e a Portugal. 
 
 

We Came. We Raved. We Loved.

 
 
Clica aqui para conheceres a história dos Swedish House Mafia.
 
Publicado em Reportagens
A quarta edição do festival Dancefloor, em Leiria, decorreu no passado fim-de-semana, nos dias 27 e 28 de julho no estádio municipal Dr. Magalhães Pessoa com um cartaz diversificado, mas com destaque para o hardstyle.
 
Nicky Romero, Borgore, Blasterjaxx, NEW_ID e os portugueses KEVU foram alguns dos artistas que subiram ao palco do Dancefloor, que teve o Portal 100% DJ como Media Partner Oficial.
 
O género hardstyle, que tem vindo a aumentar a sua notoriedade e público, foi o ‘rei’ deste evento que promete voltar e crescer no próximo ano, para ser “a meca nacional” deste estilo, mas sem esquecer a chamada ‘EDM’.
 
Além das atuações ao vivo, o festival contou ainda com o evento Be Fit, que transformou o estádio da cidade de Leiria num ginásio gigante ao ar livre, com aulas de Zumba, Body Pump, Body Attack e Cycling.
 
Para os festivaleiros que estiveram a acampar na Praia do Pedrógão, a festa começou mais cedo com um sunset no dia 26 de julho, com atuações de Rob Willoe, Madara e Solberjum.
 
Para inaugurar o palco do Dancefloor no dia 27 de julho, subiram ao palco os artistas Solberjum e Madara, que ficarem encarregues do warm up de dois dias que se adivinhavam épicos.
 

 
Após a atuação de Vendark, João Rosário dos KEVU subiu ao palco com um set enérgico e repleto de drops que puseram o público presente a saltar. No final, ainda houve tempo para apresentar a música oficial do Dancefloor, uma colaboração com Vendark, intitulada “Be Free”.
 

 
Seguiu-se Will Sparks, que já tinha o público bem preparado para a sua atuação. Os efeitos especiais, C02, confetis, lasers, fogo e pirotecnia foram cada vez mais utilizados, levando os festivaleiros à loucura.
 

 
A dupla VINAI subiu posteriormente ao palco do Dancefloor, com um dos membros a vestir uma camisola da Seleção Portuguesa de Futebol, numa demonstração do carinho que os artistas italianos têm pelo público nacional. Os drops de todas as faixas eram acompanhados por saltos dos presentes, bem como as letras que os festivaleiros tinham na ponta da língua.
 

 
E chegou o momento que muitos esperavam: o regresso de Nicky Romero a palcos portugueses. A ansiedade era sentida e notável no público, que recebeu o artista de braços abertos, em euforia. O fogo de artifício fez-se ver no ar e todos puderam dançar e cantar os êxitos do momento e alguns clássicos. Na fila da frente, houve quem usa-se a famosa máscara dos Anonymous ou do V de Vendetta, usada no videoclip de “Toulouse”.
 

 
A noite já era longa e o hardstyle ocupou lugar no palco do Dancefloor, com as atuações de Noisecontrollers e Zatox. As batidas agressivas deste género musical que está a tornar-se popular entre os amantes de música eletrónica contagiaram o público, que reagia a cada faixa que era reproduzida. Muitos eram aqueles que envergaram com muito orgulho as bandeiras referentes ao hardstyle.
 

 
Se o primeiro dia do festival já tinha um bom cartaz, o segundo ainda elevou mais a fasquia. Depois do warm-up feito pelos mesmos artistas do dia anterior, Alecks subiu ao palco antes da atuação de NEW_ID.
 

 
Para quem não conhecia ou nunca tinha assistido a uma performance de NEW_ID, o artista surpreendeu todos os presentes pela positiva. Foi um set pensado, com uma seleção musical feita a rigor, desde os hits da atualidade até aos clássicos. NEW_ID foi dos que mais agradeceu ao público, através de gestos, sorrisos e palavras.
 

 
O dubstep também teve lugar no Dancefloor, com Borgore. Depois da sua atuação no Lick, no Algarve, o DJ israelita encantou os amantes de música eletrónica que estavam no estádio de Leiria, desde os mais novos até aos mais velhos. Bandeiras, cartazes e t-shirts com o seu nome eram muito visíveis na frontline.
 

 
Seguiu-se Tujamo, que continuou a festa que já estava a ficar memorável, mas que não ia ficar por ali. Os efeitos especiais cada vez mais levavam o público à loucura, antes da entrada do convidado especial: Carnage.
 

 
Depois da sua atuação na EDP Beach Party, Carnage ganhou uma grande legião de fãs portugueses que não saíram da frente do palco por nada. A sua atuação foi acompanhada por todos bem de perto, com direito a vários momentos de mosh pit, impressionantes para quem via de cima, desde a zona VIP.
 

 
Os cabeças de cartaz, Blasterjaxx, sobem ao palco apenas com a presença de Thom, mas mais uma vez sem desiludir. O ambiente vivido no relvado do Dancefloor era de invejar, ond era possível sentir uma energia única e uma única paixão: a música eletrónica.
 

 
Por fim, a dupla Audiotricz encerrou a edição deste ano do festival Dancefloor com muita música hardstyle, levando os fãs do estilo à loucura, mais uma vez, depois do aquecimento de Carnage. No final, fizeram questão de descer do palco e trocar algumas palavras com os fãs, além das habituais selfies e autógrafos.
 

 
Durante os dois dias de festival, o estádio de Leiria recebeu cerca de 15 mil amantes de música eletrónica e a organização já está a preparar a edição de 2019, que promete ser ainda melhor.
 
Até para o ano, Dancefloor!
 
Galeria de Fotos:
 
Publicado em Reportagens
Foi com o pôr-do-sol, da Praia do Relógio, onde decorre o festival, como pano de fundo que decorreu a conferência de imprensa de apresentação e divulgação dos primeiros artistas do "RFM SOMNII - O Melhor Sunset de Sempre", no Sweet Atlantic Hotel & Spa, na Figueira da Foz. O evento vai decorrer nos dias 11 e 12 de julho (sábado e domingo), das 15 à 01 hora da madrugada em pleno areal.
 

AS CONFIRMAÇÕES DE PESO

O DJ e produtor Nicky Romero, a dupla Dubvision e Kura são os três primeiros artistas confirmados para a edição deste ano da beach party, revelados aos jornalistas e entidades presentes, além dos DJs residentes da RFM, Djay Rich e André Henriques. Este é o regresso de Nicky Romero ao nosso país, depois de ter atuado o ano passado na Queima das Fitas do Porto, enquanto que os Dubvision são uma estreia absoluta em solo lusitano. Kura volta a pisar o palco do festival de praia, depois de ter estado presente na edição de 2013. Até ao dia 24 de março, todo o cartaz será divulgado.
Em entrevista ao Portal 100% DJ, Kura afirmou que agora que é o número 40 - segundo a revista britânica DJ Mag, "isso acaba por acrescer uma responsabilidade maior” e "é necessário subir a fasquia" .
 
As apostas na eletrónica têm sido sempre dentro do mesmo género, mas essa tendência pode mudar. António Mendes, Diretor da RFM, em entrevista ao Portal 100% DJ, afirmou que a equipa está a "procurar fechar contratos com o resto dos DJs que vão compor o cartaz deste ano. Estamos atentos à evolução do mercado e dos gostos das pessoas". Em relação ao estilo musical, a eletrónica vai manter-se “apesar de haver muita gente que vaticinava o seu fim, a curto prazo, mas acho que se tem vindo a provar que há uma reinvenção constante deste género e, portanto, continua a haver um espaço muito grande para a eletrónica”, disse o Diretor da rádio RFM.
 
 

DJS RESIDENTES DO RFM SOMNII

Em todas as edições do festival, os DJs residentes da RFM subiram ao palco, para dar música aos presentes. Este ano, Djay Rich e André Henriques invadem a cabine do sunset para uma festa única. “Nós felizmente temos tido a oportunidade de poder tocar juntos e estar no mesmo palco com grandes nomes”, afirmou António Mendes. Na edição de 2014, António teve a oportunidade de pôr música logo a seguir aos DVBBS e revelou-nos alguns pormenores acerca desse espetáculo: “O ano passado, quando subi ao palco depois de DVBBS, não senti as pernas durante os primeiros vinte minutos, mas depois quando se começa a ver o público a reagir, isso dá uma adrenalina brutal e para nós é um privilégio enorme poder partilhar o palco e conviver com eles. É uma experiência única e brutal”.
 
NOVIDADES E MELHORIAS PARA O SUNSET
Além do novo site online, foram divulgadas outras novidades para a edição deste ano do sunset da RFM. Melhor sistema de som, melhores acessos, colocação de ecrãs nas zonas laterais do palco, mais diversidade de alimentação, mais casas de banho, melhorias na iluminação e o aumento do recinto (mais 100 metros para norte) e da zona VIP, são as novas medidas que prometem surpreender os festivaleiros presentes. O recinto fica assim com uma área total de 28 mil m2.
 
As medidas de segurança foram também melhoradas, em colaboração com a Proteção Civil Municipal, PSP, GNR e Capitania do Porto da Figueira da Foz, para garantir todas as condições necessárias às 80 mil pessoas que são esperadas este ano.
 

A ORIGINALIDADE DO EVENTO E A SUA INTERNACIONALIZAÇÃO

O RFM SOMNII, para Luís Salgueiro, Diretor da Genius y Meios, “é uma forma de viver o conceito “sunset” de uma maneira diferente, numa experiência única. Se tivermos bom tempo, um pôr do sol bonito e pouco vento, estão criadas as condições para podermos ter um bom evento”.
 
Para o Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, o RFM SOMNII é um “motivo de grande orgulho”, considerando a localidade como o “local certo para fazer este sunset”, devido à “harmonia entre a cidade e o espaço envolvente”.  
 
Uma das apostas deste ano é a internacionalização do evento. A Genius Y Meios realizou uma parceria com o Turismo do Centro e a MTV, que será a televisão oficial do evento, sendo divulgado em países como Bélgica, França, Itália e Espanha.
Segundo Pedro Machado, Presidente da Região de Turismo do Centro, através de um vídeo previamente gravado e transmitido durante a conferência de imprensa, a beach party da RFM é “um dos eventos de referência internacional para a região centro”.
 

RFM ASSINA O MAIOR SUNSET DE SEMPRE

A rádio RFM está associada a este festival há 3 anos “porque é um evento original, único e diferente”, revelou-nos António Mendes. “É muito importante na reinvenção e atualização da RFM e deixa-nos muito satisfeitos poder trazer os melhores DJS do mundo, a uma praia única no país, com condições espetaculares” rematou.
 
 

PARCERIAS DE SUCESSO

A Genius Y Meios e o Grupo R/com produzem mais uma vez o “Maior Sunset de Sempre” e prometem, no futuro, continuar a apostar na música eletrónica. Luís Salgueiro, Diretor da Genius Y Meios, em entrevista ao Portal 100% DJ, afirmou que a eletrónica “é ainda uma área em crescimento, ou seja, ainda não estamos naquele patamar de estabilização, ainda está a crescer. Parece-me que temos caminho para fazer ainda nessa área. Para já, temos o Hardwell no MEO Arena [no dia 7 de março, em Lisboa] e o RFM SOMNII”.
A produção do espetáculo fica a cargo de uma parceria entre a Genius Y Meios e a Sociedade Lusa de Espetáculos, com a coordenação artística da WDB Management.
 
O RFM SOMNII conta com o selo “The Biggest Sunsets In The World”, uma parceria entre os maiores sunsets mundiais, com o objetivo de estabelecer uma plataforma de partilha de público, criando assim um circuito mundial dedicado às festas de praia.
 

BILHETES À VENDA

Os bilhetes já se encontram disponíveis na Blueticket, Casino da Figueira e nos locais habituais, com preços a partir dos 9,5 euros (promoção válida até ao dia 31 de maio). Foi também revelado o novo “Pack Campismo”, onde os festivaleiros podem ter a oportunidade de acampar no Parque de Campismo Municipal durante os dois dias, localizado a cerca de 800 metros do recinto.  Tal como aconteceu na edição de 2014, está à venda o Pack CP Norte e Centro, que inclui o bilhete de dois dias e a viagem de ida e volta [é obrigatório trocar o voucher nas bilheteiras da CP até ao dia 10 de julho].
 

EDIÇÕES ANTERIORES

Cedric Gervais, Sebastian Ingrosso, W&W, Erick Morillo, DVBBS, Otto Knows e Joy Dale foram alguns dos artistas que já passaram pela beach party da Praia do Relógio. A realização do RFM SOMNII está assegurada até 2017, segundo um protocolo assinado entre a organização e a Câmara Municipal da Figueira da Foz.
 

APELO AOS LEITORES DO PORTAL 100% DJ

António Mendes, Diretor da RFM, deixou um apelo a todos os leitores do Portal 100% DJ, em relação ao evento da Praia do Relógio: “Venham ao RFM SOMNII. De certeza que vão gostar. Se conseguirmos confirmar os nomes que estamos a trabalhar, vai ser, sem dúvida, o melhor sunset de sempre, maior que os outros anos e tenho a certeza que se vão divertir. Para os leitores que são produtores e DJs - sei que têm muitos - continuem a trabalhar, porque há produto muito bom feito em Portugal”.
 
Publicado em Eventos
domingo, 09 novembro 2014 22:55

Prefácio do APC

Em 2009, a Akai Professional, após ter colaborado com os criadores e designers do Ableton Live, um poderoso software de performance e de produção musical, introduz o   APC 40 - Ableton Performance Controller, um potente e inovador controlador midi desktop que revolucionou o design, manipulação, performance e produção deste tipo de equipamentos e com integração em software musical, neste caso o Ableton Live.
 
Desde então, a Akai Professional tem vindo a desenvolver este formato standard e a destacar-se na tecnologia e design de hardware (controladores midi) com integração em software, mostrando ser indispensável quer para simples amadores (musicos/DJ’s), de estúdio, ou mesmo reconhecidos artistas profissionais.
 
Desta vez, passados cinco anos esta mesma empresa volta a surpreender com o ressurgimento de novos modelos APC, de porte mais reduzido, (só na dimensão), e design redefinido, elevando mais ainda este tipo de tecnologia e o legado AKAI APC no design, manipulação e performance em hardware e sofware midi.
 

Formatos APC

O APC existe em 2 formatos distintos, Keyboard (Key 25) e Desktop (Mini ou APC 40 v2).
 

O APC Mini (Desktop)

O pequeno APC mini (apenas no tamanho) segue as pisadas do seu “pai” APC 40-mk2. Nada frágil, bastante portátil, com um design inovador, versátil, estruturado para aceder às funções essenciais do Ableton Live. Equipado com uma porta Usb, plug-and play, pads, botões e faders que espelham bem o layout do software ou que poderão ser mapeados ao gosto e estilo de produção de cada um. Composto por uma matriz de 64 (8 por 8) pads iluminados sensíveis ao toque, 16 botões iluminados (quase todos com dupla funcionalidade) um botão Shift e 9 faders, permite aceder com simplicidade aos diversos parâmetros do Ableton Live. 
Basta pressionar um dos pads da matriz de pads de (8 pistas por 8 cenas). Neste equipamento, cada coluna (vista como pista no Ableton) é composta por 8 slots de clips dispostos na vertical e cada linha (vista como scene no Ableton) por 8 pistas na horizontal. Ao ser pressionado cada pad ilumina segundo um codigo RGB de 3 cores distintas, vermelho, indicando a gravação do clip no slot vazio, verde indicando play do clip no slot ocupado, e âmbar (laranja) para indicar o loading do clip no Ableton Live. Quando não iluminado, este não contém nenhum clip na pista (slot vazio). 
 
Os 9 faders que se encontram abaixo da matriz de 8 por 8 clips, são normalmente utilizados para funções de mistura, alterando o volume de cada pista, incluindo o master volume (último fader da direita) do Ableton Live. Quando associado com o botão Shift, permite activar 4 funcionalidades (Volume/pan/send/macro device) que se encontram descritas abaixo.
 

APC Key 25 (Keyboard)

O APC Key incorpora as mesmas funções que o seu homónimo Mini, com a adição de um teclado de 25 teclas com sensibilidade de resposta. Vem ainda equipado com 8 pots (possivelmente “retirados” do lpd 8) que magnificam o poder criativo deste, (ex: na manipulação de parâmetros de plug-ins(instr./fx), etc.)
 
Este distingue-se do Mini apenas na matriz de pads 5x8 (menos 3 linhas de pads que o APC mini), nas funções de transporte (Rec/Play), transposição de 8 notas (Oct +/-), e de sustain da(s) nota(s). Estes botões estão situados à direita do layout do Key 25. Para as restantes funcionalidades o APC Key é semelhante ao Mini.
 

APC 40 v2 (Desktop)

O APC 40 foi também redesenhado, sendo de porte mais reduzido que o anterior modelo APC 40, layout mais detalhado, robusto, plug-and-play, porta com alimentação por usb, entrada para footswitch, com superior leitura, visibilidade e resposta nos controlos(pots rotativos de 360 graus)/pads retro-iluminados), com novas funcionalidades de DJ, performance e produção, reforçando e mesmo superando as anteriores do seu “irmão mais velho”. Desde o transporte, navegação no projecto, vista detalhada, (vista de clip ou dispositivo(Plug-in(instr./fx)), gravação, mistura, chegando mesmo a poder navegar dentro das racks de dispositivos (device) no Ableton Live.
 
 
Equipado com uma matriz de 5 por 8 pads, e 5 botões, de lançamento de clips/scene, com codigo de cores, ambos RGB, podendo ser alterado (apenas no APC 40 v2), conforme o gosto/estilo, ou simplesmente utilizar o código de 3 cores já pré-definido. Os 16 potenciómetros rotativos (pots) iluminados a amarelo e vermelho estão melhorados. Destes 16, o conjunto de 8 pots que está situado na parte superior do APC 40, acima da matriz de pads pode mudar de função, tendo à escolha (pan), volume de efeito individual em cada pista, (send fx), ou mesmo ser mapeado ao gosto do utilizador. A secção de device control está situada à direita do APC (e contém os outros 8 pots rotativos), possibilitando a modificação de parâmetros do(s) dispositivos (plug-in(s)) que estão assignados na pista seleccionada, chegando mesmo ao ponto de poder "bloquear" o APC para um determinado plug-in para apenas modificar os parâmetros deste, mesmo que outro esteja seleccionado em áreas diferentes do Ableton Live.
 
Para o DJ set e performance, o APC 40 v2 vem ainda equipado com uma secção de crossfade, com resposta rápida e suave, podendo faze-lo entre a pista definida (A/B) ou mesmo desligar este.
 
Botões dedicados para medição dos tempos/click (metronome)/ tap tempo, correção do tempo (nudge +/-), bem como um pot rotativo para modificação dos bpms do projecto fazem parte do layout do APC 40, bem como um botão Shift dedicado para escolher funções secundárias no mesmo layout. (ex: em conjunto com o botão track select, selecciona-se o tipo de quantização que se pretende realizar no clip seleccionado, do projecto (desde None (sem quant.),/ 8/4/2/1/ até 1/16).
 
Consulta mais detalhes deste equipamento na Loja Danceplanet.
 
 
Publicado em Tech
Pág. 1 de 2