22-10-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

O website Resident Advisor divulgou hoje a lista dos 100 DJs do ano, escolhido através de uma votação online aberta ao público. Este top representa o oposto daquele que é apresentado pela conhecida revista DJ Mag onde o pódio é ocupado pelos irmãos Dimitri Vegas & Like Mike.
 
Nicole Moudaber, Steve Lawer, Luciano, Dubfire, Carl Cox, Jeff Mills, John Digweed, Sven Vath e Richie Hawtin são alguns dos artistas presentes nesta nova lista, liderada por Dixon, Maceo Plex e Tale Of Us, que ocupam o primeiro, segundo e terceiro lugar, respetivamente.
 
É uma disputa que levanta muitas críticas, até pelos próprios artistas de estilos musicais diferentes, mas esta batalha está longe de terminar, apesar de haver lugar para todos.
 
Confere abaixo o Top 100 do Resident Advisor:
 
  • 1 – Dixon
  • 2 – Maceo Plex
  • 3 – Tale Of Us
  • 4 – Ben UFO
  • 5 – Jackmaster
  • 6 – Ricardo Villalobos
  • 7 – Seth Troxler
  • 8 – Ben Klock
  • 9 – Ame
  • 10 – Rodhad
  • 11 – Four Tet
  • 12 – Laurent Garnier
  • 13 – Solomun
  • 14 – Motor City Drum Ensemble
  • 15 – Mano Le Tough
  • 16 – Jamie Jones
  • 17 – Bicep
  • 18 – Mind Against
  • 19 – Adam Beyer
  • 20 – Nina Kraviz
  • 21 – Richie Hawtin
  • 22 – Raresh
  • 23 – Marco Carola
  • 24 – Marcel Dettmann
  • 25 – John Talabot
  • 26 – Hunee
  • 27 – The Martinez Brothers
  • 28 – Job Jobse
  • 29 – Sven Vath
  • 30 – DJ Koze
  • 31 – Joris Voorn
  • 32 – Loco Dice
  • 33 – Eats Everything
  • 34 – Zip
  • 35 – Gerd Janson
  • 36 – Floating Points
  • 37 – The Black Madonna
  • 38 – Joseph Capriati
  • 39 – Hot Since 82
  • 40 – Apollonia
  • 41 – Skream
  • 42 – DVS1
  • 43 – John Digweed
  • 44 – Jeff Mills
  • 45 – Jeremy Underground
  • 46 – Daniel Avery
  • 47 – Rhadoo
  • 48 – Patrick Topping
  • 49 – Pan-Pot
  • 50 – DJ Tennis
  • 51 – Joy Orbinson
  • 52 – Roman Flugel
  • 53 – Black Coffee
  • 54 – Helena Hauff
  • 55 – Scuba
  • 56 – Adriatique
  • 57 – Sasha
  • 58 – Lee Burridge
  • 59 – Carl Cox
  • 60 – Jamie xx
  • 61 – Robert Hood
  • 62 – Enzo Siragusa
  • 63 – Claude VonStroke
  • 64 – Move D
  • 65 – Objekt
  • 66 – Midland
  • 67 – Levon Vincent
  • 68 – Dubfire
  • 69 – Chris Liebing
  • 70 – Len Faki
  • 71 – Alan Fitzpatrick
  • 72 – Kerri Chandler
  • 73 – tINI
  • 74 – Blawan
  • 75 – Maya Jane Coles
  • 76 – Donato Dozzy
  • 77 – DJ Harvey
  • 78 – Petre Inspirescu
  • 79 – Sonja Moonear
  • 80 – Luciano
  • 81 – Jasper James
  • 82 – Fur Coat
  • 83 – wAFF
  • 84 – Kolsch
  • 85 – George FitzGerald
  • 86 – Richy Ahmed
  • 87 – Hernan Cattaneo
  • 88 – Function
  • 89 – Barac
  • 90 – Mike Servito
  • 91 – Tama Sumo
  • 92 – Steve Lawler
  • 93 – Dusky
  • 94 – Barnt
  • 95 – Carl Craig
  • 96 – Ryan Elliot
  • 97 – Margaret Dygas
  • 98 – Omar-S
  • 99 – Answer Code Request
  • 100 – Nicole Moudaber
 
{youtube}WwTjqXtYyJA{/youtube}
Publicado em Mix
É já nesta segunda-feira, 15 de setembro, que terminam as votações para o mais famoso e polémico ranking de DJs, levado a cabo pela Revista britânica DJ Mag. As votações iniciaram-se a 12 de julho.
 
Os 100 DJs mais votados neste período de tempo, serão anunciado a 18 de outubro, data em que mais uma vez coincidirá com a realização da mais importante conferência europeia de música - Amsterdam Dance Event (ADE). Também a 18 de outubro será realizado em Londres um evento de comemoração do artista que irá alcançar a primeira posição.
 
Fazendo jus à frase "o que é nacional é bom", o Portal 100% DJ apela a quem ainda está indeciso e irá inserir o seu voto nestas últimas horas, que o mesmo seja feito apenas em artistas portugueses, para, desta forma, honrar o trabalho que por cá se faz.
 
Recorda o histórico de vencedores Top 100 da DJ Mag:
 
  • 1997 - Carl Cox
  • 1998 - Paul Oakenfold
  • 1999 - Paul Oakenfold
  • 2000 - Sasha
  • 2001 - John Digweed
  • 2002 - Tiësto
  • 2003 - Tiësto
  • 2004 - Tiësto
  • 2005 - Paul van Dyk
  • 2006 - Paul van Dyk
  • 2007 - Armin van Buuren
  • 2008 - Armin van Buuren
  • 2009 - Armin van Buuren
  • 2010 - Armin van Buuren
  • 2011 - David Guetta
  • 2012 - Armin Van Buuren
  • 2013 - Hardwell
Publicado em Mix

Há muito tempo que se especula a veracidade do Top 100 da revista britânica DJ Mag. Pela internet circulam inúmeras críticas que além de colocarem em causa da credibilidade da mesma, acusam também a publicação de receber dinheiro por parte dos artistas e agências, de forma a que os mesmos consigam figurar na lista anual. A mais recente “bomba” rebentou pelo testemunho de DJ Stamen, que divulgou através da sua página oficial de Facebook, imagens de e-mails trocados com a revista, a poucos dias de ser divulgada a listagem deste ano.

 
Segundo Stamen, toda esta história começou quando o mesmo contatou a DJ Mag a fim de solicitar os preços de publicidade no website da marca, que vão desde os 40 aos 50 mil euros, um valor que o artista considera alto. Quando se iniciaram as votações, em julho, Stamen partilhou um link direto para a votação do Top 100, que alcançou mais de 127 mil cliques. Cada 1.000 cliques no site oficial da publicação correspondem a 15 euros. Feitas as contas, a partilha de Stamen rendeu à revista mais de 1.900 euros.
 
Terminadas as votações - no passado dia 14 de setembro - o DJ recebe um e-mail da DJ Mag (no dia 28 do mesmo mês) com a excelente notícia de que tinha conseguido entrar no concorrido Top 100, e que teria ainda um lugar especial na revista que poderia aumentar, caso o artista quisesse pagar publicidade à DJ Mag.
 
 
Após receber um novo e-mail, a redação comunica que Stamen ficou colocado na posição número 83 e que o seu perfil vai ser publicado na edição norte-americana da revista. Na mesma mensagem, pode ler-se uma lista de preços e respetivos descontos, para que o artista apareça também em todas as revistas da marca a nível mundial, com valores que oscilam entre os 1.000 e 2.700 euros.
 
 
Em resposta à DJ Mag, o produtor ofereceu um máximo de 500 euros pelo anúncio, alegando que não poderia aumentar o valor. Entretanto foi-lhe apresentada uma contraproposta de 750 euros, que entretanto recusara. No meio de tanto e-mail, foi-lhe também solicitada uma entrevista, posteriormente enviada, com fotografias incluídas.
 
Passado algum tempo, Stamen recebe um novo e-mail da DJ Mag, a afirmar que todos os anos, enquanto se contam os votos, são encontradas várias fraudes e que os seus votos tinham sido excluídos. Concluindo e devido a este alegado problema, o produtor ficou de fora do Top 100 de 2015. Fica no ar a questão de como é que a DJ Mag divulgou a posição de Stamen num dos e-mails trocados, se os votos ainda estavam a ser contados.
 
 
Indignado com a situação, o produtor contatou a DJ Mag a fim de pedir esclarecimentos relativos à origem do problema, oferecendo ainda o ficheiro que provava os 127 mil cliques dos seus seguidores. Depois de vários e-mails trocados, Stamen recebe uma chamada telefónica a 2 de outubro, com a notícia de que a redação não poderia apresentar nenhuma prova sobre os votos fraudulentos, uma vez que os mesmos já tinham sido eliminados.
 
 
A confirmar-se a veracidade deste testemunho que está a dar muito que falar, certo é que a credibilidade do Top 100 levado a cabo pela DJ Mag ficará mais uma vez posta em causa, registando a partir de agora mais um ponto negativo, depois de uma ação não muito clara que contradiz os primeiros e-mails trocados entre a redação da revista e o artista.
 
Stamen ainda é desconhecido no mundo de música eletrónica, no entanto já possui diversos temas editados na Spinnin’, Ultra e Mixmash Records. Os resultados do Top 100 da DJ Mag de 2015 são revelados no próximo dia 16 de outubro, durante o Amsterdam Dance Event, na Holanda.

 

Publicado em Mix
Na noite desta sexta-feira, 16 de outubro, todas as atenções estarão centradas em Amesterdão, cidade onde será apresentado o Top 100 DJs que tem tanto de afamado como de polémico. 
 
A cerimónia tem início marcado para as 18:45 horas (menos uma hora em Portugal). Mais uma vez a listagem será apresentada de forma gradual no palco do Amsterdam Music Festival e contará com atuações de vários artistas, entre eles os vencedores das primeiras quatro posições, Vicetone e as irmãs australianas NERVO, que recentemente estiveram em Portugal.
 
Nesse sentido, o Portal 100% DJ está a preparar uma ação inédita, que irá acompanhar em tempo real, a partir das 18 horas, todos os desenvolvimentos e momentos antes, durante e depois do evento que divulgará o Top 100 DJs e que é levado a cabo pela revista britânica DJ Mag. Estarão em destaque as reações dos artistas e seguidores, as posições divulgadas e a festa propriamente dita.
 
Esta ação será conduzida pela redação do Portal 100% DJ, através de uma plataforma dinâmica que estará disponível na página www.100-dj.pt e onde os visitantes podem e devem interagir com as publicações. Também os conhecidos canais da marca 100% DJ estarão em constante atualização como a Página Oficial no Facebook, Twitter e Instagram.
 
Recorde-se que o Top 100 DJs é realizado desde 1993, mas as diferentes posições só começaram a partir do ano 1997, onde o primeiro artista a estrear a posição número 1, foi o mítico Carl Cox. Em 2014 foram contabilizadas 900 mil votações, provenientes de mais de 200 países de todo o mundo. Este ano as votações decorreram entre os dias 6 de julho e 14 de setembro.
Publicado em 100% DJ
O arranque das votações será feito a 12 de julho (sábado) num evento de lançamento no Paradiso em Amesterdão. Do cartaz consta a presença de um DJ convidado "mistério", Andrew Rayel, Dannic, Dubvision e Dyro. 
 
A votação estará aberta até ao dia 15 de setembro e o Top 100 de 2014 será anunciado a 18 de outubro, data que, mais uma vez, coincidirá com a realização da mais importante conferência europeia de música - Amsterdam Dance Event (ADE). Também a 18 de outubro será realizado em Londres um evento de comemoração do artista que irá alcançar a primeira posição.
 
A revista anunciou ainda que em breve serão anunciados os detalhes sobre o novo sistema de votação. 
 
Recorda o histórico de vencedores Top 100 da DJ Mag:
 
  • 1997 - Carl Cox
  • 1998 - Paul Oakenfold
  • 1999 - Paul Oakenfold
  • 2000 - Sasha
  • 2001 - John Digweed
  • 2002 - Tiësto
  • 2003 - Tiësto
  • 2004 - Tiësto
  • 2005 - Paul van Dyk
  • 2006 - Paul van Dyk
  • 2007 - Armin van Buuren
  • 2008 - Armin van Buuren
  • 2009 - Armin van Buuren
  • 2010 - Armin van Buuren
  • 2011 - David Guetta
  • 2012 - Armin Van Buuren
  • 2013 - Hardwell
Publicado em Mix
Até ao ano passado, apenas quatro artistas portugueses tinham figurado no Top 100 da Revista britânica DJ Mag: Kura, Pete Tha Zouk, Diego Miranda e DJ Vibe, que possuí o título de melhor posição de um português até ao momento (#36), decorria 1997, o primeiro ano em que este Top estreava as diferentes posições, hoje bastante disputadas. Apesar de ser o artista nacional com mais posições alcançadas, DJ Vibe não faz parte deste Top desde o ano 2011 (#84).
 
O DJ e produtor algarvio Pete Tha Zouk estreou-se em 2010 com uma entrada direta para a 80.ª posição. No ano a seguir (2011) subiu até ao número 37, a segunda melhor posição de um português neste Top.
 
E porque é de popularidade que esta listagem se faz, também Diego Miranda - que nos últimos anos tem arrastado multidões com o seu carisma e interatividade - não poderia faltar e foi em 2013 que comemorou a sua estreia na posição número 94. O trabalho de apelo ao voto deu frutos e o ano passado escalou até ao 70.º “andar”.
 
Além de Diego Miranda, o ano de 2014 também foi feliz para Kura, que ao jeito de um “kamehameha”, entrou a grande velocidade na cauda do Top e só parou na posição 42 - o número da sua estreia nestas andanças.
 
Ao que tudo indica, este ano será de muitas oscilações, quiçá novas entradas de artistas portugueses, mas tudo ficará em aberto até ao próximo dia 16 de outubro, data em que se realizará a cerimónia de apresentação do Top 100 no Amsterdam Music Festival, evento inserido no ADE (Amsterdam Dance Event) aquele que é considerado o maior encontro de música eletrónica a nível mundial e que este ano realiza a sua edição de 14 a 18 de outubro.
 
Em baixo, poderás conferir todas as posições alcançadas pelos DJs portugueses ao longo dos anos.
 

DJ Vibe

1997 - #36
1998 - #87
2004 - #80
2005 - #40
2006 - #47
2007 - #40
2008 - #79
2010 - #100
2011 - #84
 

Pete Tha Zouk

2010 - #80
2011 - #37
2012 - #47
 

Diego Miranda

2013 - #94
2014 - #70
 

Kura

2014 - #42
Publicado em Mix
segunda, 07 novembro 2011 18:52

Club Banditz sobem no Top da DJ Mag

Os Club Banditz batem recorde de popularidade ao subirem mais de 4000 posições na DJMAG TOP CHART em apenas um ano. Este chart que é considerado pela indústria como o mais fiel barómetro da cena actual DJ, serve anualmente para os principais players do mercado comprovarem a popularidade dos artistas no ranking mundial.

A provar o reconhecimento do empenho dos CBZ em 2011, seja pela qualidade dos seus bootlegs, remixes, sets, radio shows ou acima de tudo pela energia impressa nos seus gigs, os fãs dos Club Banditz “tomaram de assalto” a DJ CHART da DJMAG, subindo-os nada menos do que 4.037 lugares no ranking, classificando-os numa posição de enorme prestígio - 347º lugar.

A ajudar nesta proeza, tiveram a mais recente "Brazil Winter Tour” e “Yacht Week Tour”, nesta última ficaram como DJs oficiais do evento que decorre anualmente na Croácia, Sardenha, Ibiza e Mediterrâneo, o que, juntamente com uma enorme campanha on-line gerou milhares de fãs e seguidores da “quadrilha”.
Publicado em Artistas
Pela primeira vez, na história do Top 100 DJs, uma dupla chegou ao número 1: os irmãos belgas Dimitri Vegas & Like Mike, subiram este ano 1 posição, para descoroar o holandês de 27 anos, Robbert Van de Corput, conhecido no meio por Hardwell. O restante Top 5 foi, sem surpresas, preenchido por Martin Garrix (3), Armin Van Buuren (4) e Tiesto na quinta posição. Como sempre os resultados foram  apresentados debaixo de fogo e muito comentados pelas redes sociais, com frases de revolta e desagrado em relação à edição deste ano levada a cabo pela revista britânica DJ Mag.
 
Nesse sentido e pelo quarto ano consecutivo, o Portal 100% DJ lançou um desafio a rostos conhecidos e influentes na noite Portuguesa, a fim de responderem à questão “Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da DJ Mag?”. O nosso segundo convidado a responder é Ricardo Silva, da DWM Management. 
 

Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da DJ Mag?

 
Na antevisão dos resultados do TOP da DJ MAG, escrevi e tentei clarificar algumas situações relativas a esta tabela, onde todos sabemos que os resultados são baseados nos votos dos fãs mas também num forte investimento em promoção e na "angariação" de votos. 
 
Após ver os resultados e ler os meios de comunicação social, sites e blogs (worldwide) surgiu a indignação (que não tinha) referente a esta tabela. 
 
Ficou provado pelas classificações e entradas nesta tabela que houve muito mais do que simples investimento em promoção para haver subornos e métodos de persuasão na angariação de votos. 
 
Desde promotoras com Ipads a "solicitar" votos diretos em eventos (Dimitri Vegas e Like Mike foi um dos casos) a ofertas (leia-se subornos) de presentes em troca de votos, tudo valeu nestas votações. Ver entradas de "desconhecidos" a nomes como "Chetas e Miss K8" nesta tabela que destaca os nomes mais sonantes a nível mundial, deixa qualquer um indignado e que prova que neste mercado "vale tudo" para atingir os fins. 
 

Ficou provado pelas classificações e entradas nesta tabela que houve muito mais do que simples investimento em promoção (…)

De uma vez por todas, temos de perceber as diferenças entre investimento em promoção onde é dada a liberdade de escolha e de um "clique" e a "compra ou suborno" que nada traz de benéfico a este mercado e cria uma falsa ilusão de "fama e estatuto". Esta situação aplica-se também às redes sociais (Facebook e Youtube principalmente). Há diferenças entre ter anúncios promovidos ou patrocinados em que é dada a liberdade de fazermos um "like" ou um "view" com uma compra de um simples número irreal e que não traduz a realidade. 
 
Espero que seja o próprio mercado, os clientes e principalmente os fãs que pagam para assistir às actuações que consigam fazer a triagem e separar "o trigo do joio" para que esta tabela tenha algum significado.
 
Ricardo Silva
DWM Management
 
Publicado em Mix
terça, 22 outubro 2013 22:07

Vox Pop: o top 100 da revista DJ Mag 2013

Quisemos - e a exemplo do ano passado - saber a opinião de três pessoas influentes na noite nacional sobre o já revelado Top da Revista DJ Mag que sem surpresas dá vitória ao jovem holandês Hardwell. Para este VOX POP convidámos, o DJ e Produtor Carlos Manaça, Andreia Parrinha da Groove TV e Ricardo Silva, responsável pela DWM-D World Management.
 

"Qual é a sua opinião sobre o Top 100 da Revista DJ Mag?"

 
 
Carlos Manaça
DJ/Produtor
 
Apesar de ter sido assinante da revista entre os anos 1993 e 2005, há muitos anos que não presto muita atenção ao Top 100 da DJ Mag. Por vários motivos. No início do Top 100, a votação era feita através de um impresso destacável que era enviado, por correio, para os escritórios da revista. Fazia algum sentido ser os leitores da revista e eventuais "clubbers" a elegerem os "100 Melhores DJs". Embora a contagem fosse feita pela redacção da revista e sempre terem havido algumas suspeitas de "favorecimento" de alguns artistas, (tal como em quase todos os Top DJs nas várias revistas da especialidade...) na minha opinião, o método de votação fazia sentido.
 
A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet (através de empresas de marketing que gerem as suas páginas de Facebook, Twitter, Soundcloud, Instagram, entre muitas outras...) ou aqueles que cujas músicas atingem uma maior quantidade de pessoas (neste momento, os produtores do chamado "EDM"), quer sejam "clubbers", quer sejam simplesmente miúdos que não têm sequer idade para entrar numa discoteca/evento de música electrónica. 

A partir do momento que a votação passou a ser online, na minha opinião, a votação passou a eleger os DJ "mais populares", os que têm mais "presença" na Internet.

 
No entanto, acho que o principal problema das votações online foram as muitas irregularidades que foram detectadas logo desde o início, com alguns DJs (ou as suas agências de marketing) a serem "apanhados" (e desclassificados) a fazerem votações massivas com a mesma direcção IP, através de emails "fantasma" ou através de outros métodos. A partir desse momento, as pessoas passaram obviamente a questionar a autenticidade dos votos. Basta fazer uma busca no Google e facilmente se encontram "scripts", aplicações e outros métodos de "contornar" os métodos "normais" de verificação que as páginas usam para "certificar" os votos que são colocados nos respectivos artistas... ou seja, é praticamente impossível garantir que as votações online sejam 100% fiáveis.
 
É um facto que com as votações online a votação no Top 100 da DJ Mag "democratizou-se", permitindo a muitas mais pessoas votarem nos seus DJs favoritos. Também é um facto que neste momento, qualquer pessoa pode ver no Youtube (ou outros), em directo ou diferido, as actuações dos DJs, em alguns eventos, por isso podem ter uma opinião sobre os seus "sets", logo podem votar tendo isso em conta. Mas também é verdade que muita gente vota num determinado DJ sem nunca o ter visto actuar ao "vivo", simplesmente porque gosta dos temas que edita, ou seja pela sua vertente de produtor. Ou porque gosta dos vídeos em que o artista tem "performances" que nada têm a ver com o acto de "Djying" (basta ver as actuações de Steve Aoki).
 
O que me leva a perguntar: o "Top" da DJ Mag deveria continuar a chamar-se "Top 100 DJ"? Não se deveria retirar a palavra "DJ" e substitui-la por uma mais "abrangente"?
 
 
 
Andreia Parrinha
Groove TV
 
O Top 100 da DJ Mag, é apenas mais um concurso injusto como tantos outros.
E com o passar dos anos tem caído no ridículo com tanta especulação em volta das "acções" de marketing para angariar votos. Está completamente viciado e descredibilizado, ao ponto de, na minha opinião, ser preferível nem participar.
 
Não é por estar no Top 100 que se é o melhor, e a prova disso, é a quantidade de nomes (dos verdadeiros senhores) da dance-scene mundial que ficam de fora. Ainda assim, e já que esta votação acontece, é bom ver pelo menos um português na lista.
 
 
 
 
 
Ricardo Silva
DWM-D World Management
 
Mais uma edição do Top 100 da revista DJ MAG, mais uma "avalanche" de indignações sobre a votação. Todos sabemos como funcionam este tipo de "concursos" e a sua "veracidade" dos nomes que constam neste Top. 
 
Num ano em que apenas um Português (Diego Miranda) entrou nesta tabela, há algo que todos temos de compreender. A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação. Não se pode deixar de dar o mérito e o devido valor a quem integra esta lista, mas sabemos a quantidade de artistas que deviam constar na mesma (e não constam).

A indústria da música electrónica mudou e fazendo uma comparação ao futebol, tudo gira em torno dos interesses financeiros, empresários, marketing e especulação.

 
Independentemente de todos os factores agregados a este concurso e a esta listagem, quem vive e trabalha neste meio, só tem duas opções. Ou aceita e faz o mesmo que os outros, ou continua o seu trajecto de trabalho, abdicando e sujeitando-se onde poderá chegar. É um mercado cada vez mais difícil e onde a qualidade e o trabalho não são suficientes para garantir o sucesso. É justo? Não. De forma alguma, mas são estas as regras e nem todos conseguem ter condições financeiras, contactos, managers e tempo para poder competir mundialmente. 
 
Por último deixo apenas um pensamento. Quantos DJ's Portugueses poderiam ter uma entrada nesta tabela e porquê? Tirando uma elite de 5 ou 6 que têm actuações ao nível Mundial, Portugal continua com muito pouca qualidade musical para poder ver novos DJ’s a "entrar" nos melhores palcos mundiais. Não será com certeza com as sonoridades que ouvimos na larga maioria dos nossos clubes e discotecas, nem com o que os produtores Portugueses fazem, que os convites aparecem. Produções com "influências" brasileiras e africanas sem qualidade, onde nem ao Brasil ou aos Palop's chegam ou são ouvidas, não são certamente o caminho para podermos ver os novos produtores em festivais de renome mundial.
 
Devido a isso, todas as "queixas" que se possam ter (no que diz respeito aos Portugueses) são infundadas, mesmo sabendo a forma que se pode chegar ao Top 100 da DJ MAG. 
Publicado em Mix
O mais famoso e polémico Top de DJs a nível internacional está de volta e as votações arrancaram hoje, no site oficial do Top 100 DJs da DJ Mag. Este ano, a iniciativa é uma parceria com a UNICEF.
 
No ano passado foi o jovem Martin Garrix a ficar colocado no topo da tabela da DJ Mag, lista onde também estiveram presentes os portugueses Diego Miranda e Kura, nas posições 58 e 51, respetivamente.
 
As votações decorrem até ao próximo dia 13 de setembro. Os resultados vão ser apresentados em outubro, durante o Amsterdam Dance Event.
 
Publicado em Mix
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.

Este site utiliza cookies. Ao navegares neste site estás a consentir a sua utilização. Para mais informações consulta a nossa Política de Privacidade.