Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Semanal

Para onde caminha a Noite...

Publicado em segunda, 16 maio 2022 15:10 | Escrito por Carlos Vargas
Para onde caminha a Noite... D.R
À medida que a pandemia parece estar cada vez mais para trás, a necessidade de capitalização das empresas sobrepõe-se a tudo o resto. Cada vez mais reparo que não interessa muito o que se passa dentro do clube, desde que o mesmo esteja cheio. É pena este tipo de mentalidade, pode parecer estranho, mas acho mesmo que perdemos uma excelente oportunidade para mudar o paradigma da noite no nosso país. Durante a pandemia dei por mim várias vezes a pensar que no meio de tudo o que de mal nos estava a acontecer, pelo menos uma coisa boa seria o facto de todos podermos fazer uma auto-análise que nos permitiria ver como estávamos e víamos as coisas e de que forma as poderíamos alterar. Não resultou...

Independentemente dos gostos musicais de cada um, que podem ser próprios ou por imposição de uma máquina comercial completamente desprovida de consciência, a população mais jovem vai-se perdendo num vazio musical e pessoal onde o que conta é a aparência e a irreverência, seja lá isso o que for para eles. Claro que se pensarmos nisto numa forma mais profunda, por muito que custe ouvir, a culpa começa em casa, como é óbvio, mas para não me desviar do propósito desta crónica, é realmente assustador tentar perceber por onde andará a música dita "comercial" nos próximos tempos, se tomarmos em linha de consideração o que se está a passar agora.

Pelo caminho que as coisas estão a tomar, é óbvio que, salvo raras exceções, cada vez iremos ver menos deejays convidados a pisar as nossas cabines, ou pelo menos nacionais, uma vez que se é para se ser irreverente e cool, que seja em grande, por isso tem que ser internacional, para assim seguir a tendência do mercado. Se queremos ter um público cool e irreverente, temos que os educar dessa forma. Ao menos vejo aqui alguma coerência, há que admiti-lo!

O grande problema actual para qualquer artista nacional com personalidade e identidade musical é que se analisarmos friamente isto tudo com uma perspectiva única e exclusivamente virada para o imediato, obviamente que não faz sentido, do ponto de vista empresarial, estar a contratar um deejay com vontade própria por uma razão muito simples. Se o objetivo é injetar dinheiro na empresa, porquê estar a pagar muito dinheiro, quando praticamente pelo mesmo que se paga a um profissional de segurança podemos ter uma noite absolutamente garantida e não correr riscos? É óbvio que este tipo de pensamento, numa primeira análise rápida, nos faz elogiar os dotes empresariais de qualquer gerente de espaços nocturnos.
Mas infelizmente o que não estamos a conseguir perceber são as consequências que tudo isto vai causar na noite em termos futuros, no seu ambiente, na sua segurança, na forma como todos os profissionais da noite vão poder fazer o seu trabalho, em resumo, na essência da noite.

Na música, muitas vezes ouvi dizer que enquanto o artista mandava na indústria, as coisas iam fluindo. A humanidade artística e a singularidade humana dos mesmos mantinha tudo arrumado nos seus sítios. o problema foi quando a indústria começou a mandar no artista. Uma indústria que não olha a meios para atingir objectivos, que não tem sentimentos, qualquer tipo de amor ou criatividade para dar, uma indústria que apenas vê uma coisa, números. Da mesma forma, também a noite sempre ditou as regras nos clientes, regras essas que eram invioláveis, e que faziam com que a noite fosse especial, com uma mística e um mistério associados até a um ligeiro medo por quebrar certas barreiras, o que de uma forma muito lógica, mantinha o equilíbrio.
 
Mas o tempo passou, e as mentalidades mudaram. Infelizmente parece-me que também na oferta nocturna os papéis se inverteram. Os clientes passaram a mandar na noite. Vamos ver como vai correr... Ou muito me engano ou provavelmente num futuro próximo os protagonistas da noite mais bem remunerados terão que ser mesmo os seguranças, e com muita tristeza digo que uma noite sem segurança, visão de futuro e uma forma de estar comandada de dentro para fora não me parece muito próspera. Espero estar enganado.
 
DJ & Produtor
Este artigo foi lido 551 vezes