23-03-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

segunda, 12 outubro 2015 21:55

DJ Ride lança novo single com Capicua

“Fumo Denso” é o nome do mais recente single de DJ Ride, que conta com a participação especial de Capicua. O DJ e produtor português prepara-se agora para lançar o seu novo álbum intitulado “From Scratch” no próximo dia 6 de novembro, com o selo da Nortesul.
 
O videoclip do single também já foi divulgado, com a realização a cargo da Bro e Sónia Balacó e Tiago Lobo no elenco. O álbum contém várias participações especiais com grandes artistas nacionais como Dengaz, HMB, Stereossauro, Holly, Jimmy P e Valete.
 
{youtube}blQQZclEUuc{/youtube}
Publicado em Música
quarta, 17 setembro 2014 23:54

DJ Ride 'marcha' com Valete e Jimmy P

"Marcha", - o novo single de Jimmy P - é a mais recente colaboração de DJ Ride. O campeão mundial de scratch, só em 2014, já produziu beats e remixes para nomes tão insuspeitos quanto Capicua, Legendary Tigerman, Pernas de Alicate, HMB e... Gentleman! 
 
Segundo DJ Ride, "é um sonho tornado realidade ter estes dois gigantes do hip-hop tuga (Jimmy P e Valete) a rimar por cima de um beat meu. É um street banger cheio de rimas fortes e punchlines, num beat inspirado em Jay Dilla (basicamente é MPC+Moog voyager e sons de 808 com distorção…)." 
 
"Marcha" obteve mais de 40.000 plays nas primeiras 24 horas e deu origem a um vídeo feito em registo cinematográfico que estreou na passada segunda-feira.
 
O vídeo foi gravado na sua totalidade no Algarve, local que oferece excelentes localizações e recursos para este género de produção, e tem como protagonistas os próprios músicos. Com "Marcha" afirma-se um novo caminho. Entre cenas de perseguição, jogos de póker e armas, os protagonistas subvertem o mundo capitalista e edificam uma nova era, fazendo um paralelo com o Robin dos Bosques dos tempos modernos.
 
Publicado em Artistas
Considerada como uma das melhores queimas das fitas do país, a organização do evento dos estudantes de Coimbra anunciou hoje os cabeças de cartaz, que vão subir ao palco entre os dias 8 e 15 de maio.
 
DVBBS, Dynamic Duo, Fucking Bastards e DJ Ride são os nomes de música eletrónica que vão marcar presença na Queima das Fitas de Coimbra. A apresentação oficial do cartaz decorreu hoje, na Praça Água, com a atuação do português DJ Ride.
 
No Palco RUC estão confirmados DJ Maboku CDM e DJ Lilo Cox, em formato B2B e Ansome, nome emergente do techno britânico, entre os dias 8 e 11 de maio.
 
Confere abaixo o cartaz completo:
 
  • 8 de maio – Palco Principal: TFMUC, Frankie Chavez, James Arthur, TMUC. Palco Ruc: The Limboos, Subway Riders, Eduardo Negrão & Daniela Silva, A Boy Named Sue
  • 9 de maio – Palco Principal: Orquestra Típica e Rancho, The Gift, Miguel Araújo, Estudantina. Palco Ruc: Tribruto, Ghost Wavvves x No Future, Evil Needle, Catarina Ribeiro
  • 10 de maio – Palco Principal: Quantunna, Tiago Miguel, Hi-Fi, Quim Barreiros, Fan-Farra. Palco Ruc: DJ Maboku CDM & DJ Lilo Cox (B2B), Sauvage FM Live Drum, DJ Nigga Fox, Francisco Monteiro
  • 11 de maio – Palco Principal: Mondenguinas, Dillaz, Sam The Kid & Mundo Segundo, Estudantina Feminina. Palco Ruc: Ansome, Eomac, José Sousa, Liliana Carvalho
  • 12 de maio – Palco Principal: Phartuna, Fucking Bastards, Dynamic Duo, DVBBS, TAFFUC
  • 13 de maio – Palco Principal: D.A.M.A., Tara Perdida, DJ Ride, Coral Quecofónico do Cifrão
  • 14 de maio – Palco Principal: Desconcertuna, Vencedor Concurso de Bandas, Anselmo Ralph, Orxestra Pitagórica
  • 15 de maio – Palco Principal: As Fans, Paus, The Kooks, Grupo de Cordas, Grupo de Fado
 
Publicado em Eventos
"Arranha discos" como ninguém, e isso faz dele um campeão a nível mundial e nacional. É uma referência na música urbana, dando cartas na mistura de diferentes sonoridades. Em conjunto com o Stereossauro, forma os 'Beatbombers', onde assegura existir um companheirismo que os faz puxar um pelo outro.
Nesta entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ, confessa não ter qualquer tipo de segredo na ponta dos dedos para conseguir triunfar importantes títulos, antes pelo contrário, Ride considera que este é o resultado de "muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas e a idealizar set's". Na manga para concretizar, a curto prazo, tem "cenas novas" enquanto 'Beatbombers', e um novo espetáculo que sincroniza música, vídeo e luzes.
Também nesta conversa, analisa o Turntablism e o Scratch em Portugal, revela as suas referências, com quem gostava de fazer um B2B e comenta a questão da pirataria. Estas e outras curiosidades, na primeira pessoa: eis DJ Ride.
 
 
Como surgiu a tua incursão na música?
Antes de se tornar no meu "ganha pão" a música esteve sempre presente, fosse nas aulas de teclados que tive com 10 anos, em programas de rádio que tinha mais uns amigos quando andava na escola, ou em brincadeiras com os primeiros softwares de produção a que tive acesso. Eu tive sempre um fascínio enorme pelo gira-discos (a minha Mãe contou-me que quando tinha dois anos de idade apanhei-a distraída e parti a agulha do gira-discos lá de casa, naquele que foi provavelmente o meu primeiro scratch). Nunca consegui explicar muito bem, mas sabia que podia utilizar o scratch como um instrumento e que isso me iria ajudar ao vivo e na produção, e assim foi.
 
Quando compraste o teu primeiro gira-discos? Ainda o usas ou está 'relegiosamente' guardado?
Em 2002. Ainda o uso bastante porque é o clássico Technics MK2, tenho também um vestax PDX e um Vestax QFO, mas continuo a tocar com os Technics.

Em conjunto com o Stereossauro, formas os 'Beatbombers'. Como surgiu esse projeto?
Somos da mesma cidade - Caldas da Rainha -, e conhecemo-nos mais ou menos quando estávamos a começar. Tornámo-nos grandes amigos e sentimos que devíamos oficializar aquilo que já fazíamos quando tocávamos juntos. Aprendemos e evoluímos muito, quer no scratch ou na produção, sempre puxámos muito um pelo outro. Ganhar o Mundial foi muito importante e foi recompensador por todo o trabalho que já desenvolvemos no Turntablism.
 

Não existem segredos. No fundo é muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas.


Desde 2003 que ganhas importantes títulos. Podes revelar-nos o ou os segredos que tens na 'ponta dos dedos'?
Penso que não existem segredos. No fundo, é muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas e a idealizar os sets. No que diz respeito aos campeonatos, há uma disciplina que não pode ser descurada, tens de planificar, produzir e treinar os sets ao segundo. Nos primeiros campeonatos cheguei a mandar fazer ''dubplates'' com os meus próprios samples, hoje com o ‘serato’ essa parte é mais simples. 

O que representa para ti cada título recebido? É um estímulo para desenvolver mais e melhor?
É uma recompensa pelo trabalho, principalmente pela parte que ''não se vê'', das centenas de horas fechado no estúdio a aprimorar técnicas e a criar. Todo esse processo ajuda a melhorar, a evoluir e a crescer como DJ e como músico.
 
Ter o título de 'Campeão do Mundo' é, de certa forma, uma grande responsabilidade...
Sem dúvida. Eleva a fasquia e há sempre uma pressão acrescida nos sets porque o público quer ver um pouco daquilo que fazemos nos campeonatos, mas eu lido bem com isso.

 
Quando participas em competições, guardas algum amuleto? Tens algum ritual supersticioso?
Sim, tenho alguns rituais e guardo sempre as credenciais e alguns prémios. Sou bastante supersticioso, entro sempre com o pé direito em palco, por exemplo.

Fala-nos um pouco sobre o projeto 'Pixel Thrasher'.
O live-act ''Pixel Thrasher'' é o meu show de vídeo scratch, em que manipulo som e imagem ao mesmo tempo, tudo através dos pratos. Uso o software 'Serato vídeo', em vez de passar ficheiros áudio passo vídeos, que saem diretamente para o projetor ou led wall. Tive uma equipa de seis pessoas a trabalhar, pessoal da Rockit Video dirigidas pelo Gonçalo Santos, desde conteúdos originais, edições de vídeos virais, temos um featuring do Bruno Aleixo - bastante conhecido -, e algum sampling de filmes clássicos.
 

É uma lufada de ar fresco que a movida noturna precisa?
Acho que esse 'refresh' está a acontecer, com muito sangue novo, novos projectos dentro da eletrónica mais alternativa e novas promotoras.
 
Trabalhas com várias marcas. Consideras que as mesmas são importantes na carreira de um artista? Em que moldes?
Muito mesmo. Depende sempre dos objetivos e da forma como queres gerir a tua carreira, e como consegues conciliar isso sem comprometer a parte ''artística''. Graças a parcerias que criei com algumas marcas, consegui financiar discos, projetos, ajuda nas minhas tour's e arranjar mais equipamento para o estúdio e para os meus gigs (com o sponsor da Rane, por exemplo). Sem todos os apoios dificilmente conseguia financiar os meus álbuns, investir no estúdio, equipamento e projetos, vídeos, etc... Tenho tido sorte, também porque nunca ninguém me impôs nada, a nível musical ou estético, sempre participei em coisas com o qual me identifiquei a 100% e sempre respeitaram as minhas escolhas musicais. De outra maneira, recusava.

Qual o gig que mais te marcou e porquê?
Sudoeste 2010, Pixel Thrasher no LUX e o primeiro Mundial em que participei (e o de 2010). Em 2007 fiquei em último lugar, em 2010 fiquei em primeiro. Foi uma boa lição.
 
Quais são as tuas referências e com quem gostarias de fazer um B2B?
Desde Q-bert, D-styles, Ricci Rucker, a Modeselektor, Zomby, Mala, Lunice, A-trak, dj Craze, Flying Lotus, J Rocc, Dimlite, Prefuse 73 e muitos outros... Um B2B... provavelmente com o J Rocc, Egon, Edan ou o Craze.
 
Nos dias de hoje, o que consideras mais importante para um DJ ter sucesso?
Apresentar algo diferente dos outros. Ter conteúdos frescos e originais, produzir boa música e, mais do que nunca, ter uma boa performance ao vivo.
 
Como é que vês o Turntablism e o Scratch em Portugal? Há condições para crescer e motivação necessária para quem deseja começar?
Existem bons scratcher's e muito bons DJ's. Penso que se calhar falta mais união, jam sessions e brainstormings. Faltam também mais tools (só existem dois discos de scratch, o Tuga Breakz/beatbombers e o 180 GR). Os campeonatos têm sido irregulares a meu ver, porque existem uns com muitos participantes e outras edições com muito pouca gente, talvez mais divulgação e profissionalismo nestas ações, ajudava. Mas temos muito pessoal com talento e bastante motivados. E sem dúvida pelo que já alcançámos (Beatbombers), isso serve de motivação e animo a nossa comunidade.
 
Já te passou pela cabeça dar formação na área?
Eu dei aulas durante dois anos na ETIC e dou vários workshops. É importante passar a mensagem e dar algo para a comunidade. Adoro partilhar aquilo que sei, e adoro estar ao lado de pessoas cheias de vontade e motivadas para aprenderem coisas novas.
 
Consideras que os portugueses são um público dificil de agradar?
É relativo. Depende do meio... Provavelmente nos grandes centros urbanos temos um público mais informado, e em certas zonas do país ainda temos pessoas que só ouvem house comercial e o que passa na Rádio. A Internet teve um papel super importante na divulgação da música, principalmente de cariz mais alternativo. Hoje com o público mais novo, têm um gosto mais vasto e, digamos, mais crossover e open minded do que no passado. Acho que os 'tugas' são difíceis de agradar quando experimentas coisas diferentes do seu registo ''habitual''. Às vezes parece que querem ouvir sempre o mesmo set, ou um caminho mais ''obvio''. Mas depende sempre do contexto e de onde se toca e para quem se toca. Sinceramente, acho que estamos a atravessar uma altura excelente para quem arrisca, já que existem muitos estilos que não funcionavam há uns anos atrás e hoje em dia há muito mais procura por coisas diferentes.
 

Penso que as pessoas têm de se habituar a voltar a pagar pela música que ouvem.

Como vês o assunto da pirataria, downloads ilegais, etc?
Acho que é uma questão de bom senso. Acho que toda a gente faz downloads ilegais, de uma maneira ou de outra. A questão passa por recompensar o artista mais cedo ou mais tarde. As vezes 'saco' coisas mas acabo sempre por comprar o vinil daquilo que realmente gosto e aí estou de consciência tranquila. 'Saquei' o MP3 para ouvir um pouco e assim que consigo compro o original ou vou ver um espetáculo e faço questão de pagar o bilhete. Penso que as pessoas têm de se habituar a voltar a pagar pela música que ouvem.
 
Que equipamento consideras essencial numa cabine?
O meu rider técnico reflete aquilo que para mim é essencial, mesa Rane TTM62, dois pratos Technics mk2 ou MK5, Pads Maschine, Mac Book Air e um micro shure SM58.
 
Quais são os teus projetos a curto prazo?
Produção, remixes, cenas novas enquanto 'Beatbombers', novo show a partir deste mês ''LIVE IN LOOPS'', é um live-act que engloba música, vídeo e luzes, tudo sincronizado, levado a cabo por mim e por uma equipa de quatro elementos, noites rockit e outras surpresas.
 
Que mensagem deixas aos leitores desta entrevista e do Portal 100% DJ?
Keep your ears Open! Keep Diggin! Keep Scratching! One love!
 
 
 
 
Publicado em Entrevistas
O português DJ Ride foi selecionado como wild card para representar Portugal na competição Red Bull Thre3Style no Japão e vai documentar a sua viagem através de vários vídeos “Follow The #LuckyBastid”. A estreia será amanhã, com a exibição de um episódio por dia, até 21 de setembro.
 
A competição de DJs Red Bull Thre3Style nasceu no Canadá em 2011 e até agora já sagrou três camepões: DJ Hedspin, DJ Four Color Zack e DJ Shintaro. A única regra deste concurso é que o DJ tem de repreoduzir, no mínimo, três estilos musicais diferentes, juntamente com as suas técnicas e competências. O jurí vai avaliar todos estes aspetos, incluindo ainda a reação do público.
 
DJ Ride foi escolhido para a competição pois segundo Skratch Bastid, DJ canadiano que ficou responsável por selecionar a wild card de 2015, o produtor português contém “equilíbrio entre técnica e musicalidade e as suas seleções”.
 
A eliminatória que poderá dar o acesso de DJ Ride à final será no próximo dia 19 de setembro (sábado), onde vai disputar o lugar com Mr. Skin e Bomber Selecta. A final vai ser no dia seguinte e será transmitida em direto para todo o mundo através de um live stream.
 
Mas DJ Ride não fica por aqui. O artista das Caldas da Rainha ainda arranjou tempo para enviar um freestyle de vídeo scratch par a categoria Visual DJ do DMC World DJ Championships e apelou aos seus fãs, através da sua página oficial de Facebook, para votarem no mesmo.
 
 
Publicado em Artistas
sexta, 25 setembro 2015 17:43

DJ Ride oferece álbum inédito aos fãs

Quando comprares a revista Blitz deste mês, colocada hoje nas bancas, vais ter uma surpresa: um disco de DJ Ride totalmente grátis. O álbum intitulado “Remixes & B Sides” contém 17 faixas e colaborações com grandes artistas como Sarah Linhares, The Legendary Tigerman, Capicua, Helena Veludo, HMB, Gentleman, Valete, Batida, Holly e Stereossauro, que Ride produziu nos últimos 10 anos.
 
O DJ e produtor português prepara-se também para lançar o seu próximo álbum de originais, “From Scratch”, no próximo mês de novembro com o selo da NorteSul. No passado fim-de-semana, o artista natural das Caldas da Rainha esteve em Tóquio, a disputar na final da Red Bull Thre3Style World DJ Championships, tendo ficado colocado em 6º lugar.
 
Confere abaixo o alinhamento de “Remixes & B Sides”:
 
  • 1 – DJ Ride – Here Before (Scratch Take feat. Sarah Linhares)
  • 2 – The Legendary Tigerman – Do Come (DJ Ride Remix)
  • 3 – Capicua – Amigos Imaginários (DJ Ride Remix)
  • 4 – DJ Ride – Time Travel (feat. Helena Veludo)
  • 5 – HMB – Como Eu (DJ Ride Rework)
  • 6 – Nery – Paris (DJ Ride Remix)
  • 7 – Pernas de Alicate – Mosca (DJ Ride Remix)
  • 8 – Gentleman VS DJ Ride – Heart Of Rub-a-Dub (Rework)
  • 9 – DJ Ride – Always Remembers
  • 10 – Batida – Ka Heueh (DJ Ride Remix)
  • 11 – Holly – La Vie (feat. Wemvny & DJ Ride)
  • 12 – Susana – A Different Look (DJ Ride Remix)
  • 13 – Lewis M – Cure (DJ Ride Remix)
  • 14 – Beatbombers – LFO Player
  • 15 – DJ Ride – Serbia Interlude
  • 16 – Kika Santos – U Fill Me (DJ Ride Remix)
  • 17 – Micro Audio Waves – Long Tongue (DJ Ride Remix)
 
{youtube}eRmzTQYLf1k{/youtube}
Publicado em Música
O português DJ Ride juntou-se em estúdio com Rita Redshoes e The Legendary Tigerman para criarem a banda sonora da marca Alegro. A inspiração para este trabalho foi a cidade de Setúbal, o rio, os habitantes e as características e texturas visuais.
 
O projeto vai ser apresentado ao vivo no próximo dia 19 de abril, no Centro Comercial Alegro em Setúbal, a partir das 17 horas. Os artistas irão realizar um showcase, com direito a um DJ set de Ride.
 
A iniciativa chama-se Projeto.09 do Arte em Toda a Parte, com o objetivo de cosolidar a arte e a cultura no posicionamento da marca Alegro.
 
Publicado em Marcas
O turntablism vai invadir o Super Bock Super Rock. DJ Shadow e o português DJ Ride são as mais recentes confirmações para o festival, que vai decorrer no Parque das Nações em Lisboa, entre os dias 14 e 16 de julho.
 
Shadow é um DJ norte-americano que é apontado por muitos como o responsável pela criação do género trip hop, com uma mestria e criatividade invejável. O artista sobe ao Palco Carlsberg do Super Bock Super Rock no dia 14 de julho.
 
Com um currículo único e que dispensa apresentações é o português DJ Ride, que vai divulgar o seu mais recente álbum de originais “From Scratch” ao Parque das Nações. A sua atuação está marcada para o dia 16 de julho, também no Palco Carlsberg.
 
Disclosure e Jamie XX são outros dos nomes de música eletrónica já confirmados para o festival português, cujos bilhetes estão à venda a preços entre os 50 e os 95 euros nos locais habituais.
 
{youtube}2NZ6sFJFzRA{/youtube}
Publicado em Festivais
Mais uma vez, o DJ e produtor DJ Ride está de regresso ao maior campeonato mundial de scratch intitulado DMC. O artista está a contar com os votos dos seus fãs, para mais uma vez alcançar o topo da competição.
 
No ano passado, em conjunto com Stereossauro que formam a dupla Beatbombers, os produtores ficaram posicionados no número dois na categoria de equipas do concurso. Em 2014, a dupla ficou colocada em 3º lugar no Pump IDA World DJ Championships e em 2011 foram campeões mundiais de scratch/turntablism. No ano anterior arrecadaram o prémio de segundo lugar.
 
Esta não é a única novidade de DJ Ride. O artista foi convidado pela organização da Queima das Fitas de Coimbra, para realizar uma curadoria no dia 11 de maio, com Jimmy P, Regula e MGDRV como convidados especiais da noite. No ano passado, o artista português realizou a curadoria de um dos palcos do festival Sumol Summer Fest, na Ericeira.
 
{youtube}pLjwGxHctd8{/youtube}
Publicado em Artistas
Após ter sido alvo de uma fiscalização este mês, enquanto decorria a sua atuação, o DJ português decidiu partilhar alguns conselhos aos seus colegas de profissão através da sua página oficial do Facebook.
 
“Se compras 90% da música que passas ninguém te vai chatear.. (guarda as facturas numa pasta ou numa cloud onde possas aceder rapidamente). Se és produtor, regista as tuas músicas (o que também é super importante noutras situações) e tenta ter algo contigo que possa provar que os temas são mesmo teus”, revelou o artista na rede social.
 
Em relação à compra de músicas, o campeão mundial de scratch salienta que é um aspeto muito importante para evitar situações desagradáveis e que fez alguns esforços no início da sua carreira: “Quando comecei, tocava de borla e só passava vinil, os 12'' custavam entre 8 a 20 euros. Cheguei a saltar muitas refeições para poder comprar discos. Sem sacrifícios não se chega a lado nenhum. Se passas música de outras pessoas, tens de fazer a tua parte também…”.
 
DJ Ride detalhou ao pormenor e elogiou a fiscalização feita. “(…) Gostei da maneira como fui abordado. Não tive de interromper a música, perguntaram-me que CD estava a tocar, expliquei que não toco com CD's ou Pen's, e por acaso estava a tocar músicas originais minhas, que estão registadas na SPA (Sociedade Portuguesa de Autores). Dei o meu nome e número de registo e foi isso.”, descrevendo assim toda a situação.
 
Por fim, o português deixou algumas dicas aos seus colegas: “Deixo o desafio a todos os agentes envolvidos nesta questão, instituições que tratam dos direitos de autor, DJ's, músicos e produtores para haver uma conversa, de forma a todos perceberem os diferentes universos de cada um dos envolvidos e esclarecermos finalmente muitas dúvidas que ainda existem.”.
 
As dúvidas que Ride quer ver esclarecidas, estão relacionadas com “uma grande lacuna na legislação no que diz respeito a remix's e mashups, entre outras ‘práticas’ comuns dentro da música eletrónica.”, revelando que “é impossivel ter uma declaração de todos eles…”.
 
Publicado em Artistas
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.