07-12-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

domingo, 02 dezembro 2012 21:59

Back in the club, the story

Este mês resolvi dar a conhecer todo o processo que atravessei para criar, desenvolver e acabar o nosso novo tema "Back In The Club". A faixa foi apresentada pela primeira vez, ao vivo, na 'MEGA HITS Kings Fest' no Campo Pequeno em Lisboa, a 27 de Outubro. A ideia de fazer um tema com o Dani (Daniel Fontoura) começou após o ter visto a cantar num karaoke, no Cruzeiro MEGA HITS que participámos em maio de 2011 - fiquei impressionado com a voz dele e gostei muito de o ouvir cantar. Nesse momento, o meu primeiro pensamento foi: "Vou ter que fazer uma música com ele". Começámos a conversar sobre essa possibilidade e de como poderíamos avançar para a música e mal cheguei ao estúdio, a primeira coisa que fiz foi selecionar todos os esboços que tinha guardados no disco do meu iMac, até que cheguei àquele que usei para o "Back In The Club".
 
Lembro-me que esse tema começou pelo verso, uma melodia simples e ao mesmo tempo alegre, que estivesse de alguma forma relacionada com o nosso estado de espírito, com aquilo que os FY2 – The Party Rockers apresentam no seu estilo de set, mas acima de tudo, algo que nos divertisse e que nos desse prazer construir. Desenvolvi um pouco a ideia, sequenciei a música de forma a ser algo "apresentável" para o Dani poder opinar e ter uma base sólida para começar a construir a melodia vocal e a letra. Claro que ao longo de todo o processo criativo, várias mudanças foram acontecendo: desde mudar toda a estrutura rítmica (pelo menos duas vezes), trocar vários elementos, acrescentar e retirar beats - mas tudo isto faz parte do processo criativo e da busca pela "batida perfeita".
A meio do tema, percebi que a ajuda de um compositor seria bem-vinda e que iria tornar a faixa mais interessante melodicamente. Foi aí que conheci o Miguel Amorim. Um jovem músico, compositor e produtor que me fez ver certas coisas de forma diferente e com quem, para além da relação de amizade, mantive uma relação de trabalho constante em diferentes áreas dentro da música! O Miguel veio desempatar algumas coisas e resolver certas "equações" musicais que serviram como a "cereja no topo do bolo" - e verdade seja dita, a união faz a força e quantas mais boas pessoas tivermos ao nosso lado para nos ajudar, apoiar e aconselhar, melhor!
 

(...) Mas o que interessa é que façam algo e que trabalhem, não deixem as ideias de músicas gravadas no telemóvel ou mesmo na cabeça - exteriorizem e materializem!

 
Depois do Dani concluir a letra e a melodia vocal, gravámos alguns takes "experimentais" daquilo que poderia ser a voz no tema e fomos reconstruindo a música de forma a se adequar que nem uma luva à voz. Uma vez o instrumental finalizado, fomos para estúdio gravar a voz. Depois, basicamente, foi substituir os takes gravados no meu "home studio" pelos novos que gravámos e a música estava pronta para enviar para o Engenheiro de Som que iria misturar e masterizar o tema.
 
Por intermédio do Miguel Amorim, conheci o José Diogo Neves, um músico, produtor e Engenheiro de Som fantástico, com uma capacidade de aprendizagem fora de série (e uma paciência de aço para ouvir todos os meus devaneios) e que acabou por misturar e "masterizar" o tema – e que, a par com o Miguel, se tornou meu amigo e hoje em dia, basicamente, fazemos os três parte de uma equipa e temos a nossa "cena" juntos onde estamos em constante ligação e a trabalhar em conjunto! Após alguns ajustes e experimentações ao vivo, chegámos ao resultado final - que podem ouvir em algumas das principais rádios nacionais!
 
Eu sei que toda a gente tem a sua forma de criar e começar uma música - seja pela linha de baixo, pela parte rítmica ou pelo refrão - whatever - mas o que interessa é que façam algo e que trabalhem, não deixem as ideias de músicas gravadas no telemóvel ou mesmo na cabeça - exteriorizem e materializem! E acima de tudo, nunca desistam dos vossos sonhos!
 
 
Daniel Poças
FY2 - The Party Rockers
Publicado em Daniel Poças
sábado, 17 outubro 2015 22:33

“To sync or not to sync”

Este é um tema sobre o qual recebo algumas perguntas nas minhas redes sociais e que até agora não tenho comentado ‘publicamente’ nas minhas crónicas. Tem havido algum debate sobre este assunto (que felizmente abrandou nos últimos tempos), mas de vez em quando volta a ocupar muito espaço nas redes sociais e fóruns. E há posições totalmente ‘extremistas’ quer de um lado, quer do outro!
 
De um lado, surgem aqueles que defendem exclusivamente a utilização dos pratos pelos DJs, o vinil como suporte musical, renegando outros suportes ou sistemas digitais como meio de ‘distinguir’ os ‘verdadeiros DJs’, desqualificando aqueles que não o fazem.
 
Do outro lado, temos os que dizem que o “vinil está totalmente desactualizado” e “fora de moda” e que os que usam os sistemas como Traktor, Serato (ou outros) é que estão ‘à frente’, muitas vezes catalogando de “antiquados” os DJs que ainda usam exclusivamente (ou quase) o vinil como formato. 
 
É verdade que o avanço da tecnologia, a divulgação e popularidade de sistemas como o Traktor e o Serato, veio permitir a muitas pessoas de outras áreas e que não tinham qualquer passado como DJs, actuarem em clubs ou eventos, uma vez que a sincronia entre as músicas é relativamente fácil com estes sistemas digitais. Até ao aparecimento destes sistemas, o ‘beat matching’, o acertar de batidas entre dois (ou mais) temas, era quase uma ‘arte oculta’ para as pessoas ‘normais’, ou pelo menos era uma tarefa que demorava algum tempo para ser aprendida, o que levava a que só alguns se aventurassem a tentar fazê-lo. 
 

Com a mediatização que o papel do DJ teve nos últimos anos, era normal que houvesse este aumento repentino no número de DJs.

 
Com a mediatização que o papel do DJ teve nos últimos anos, era normal que houvesse este aumento repentino no número de DJs. Se a tecnologia permite uma maior facilidade no djing, era só uma questão de tempo até muitas pessoas, que até aí nunca tinham entrado numa cabine, tentassem a sua sorte.
 
Esta repentina ‘invasão’ de DJs no mercado veio despertar o ‘fundamentalismo’ de alguns, defendendo que só através do vinil (ou CD’s - embora os últimos leitores de CD da Pioneer também já tenham o botão SYNC) se pode apreciar o ‘verdadeiro DJ’, uma vez que com um computador portátil “qualquer um pode ser DJ”. Houve até alguns clubs em que chegaram a proibir os ‘sets’ com Traktor ou Serato e cancelaram alguns artistas que os usavam.
 
Acontece que o ‘beat matching’ é só um dos factores que um (bom) DJ tem que dominar num set... A verdade, é que em todos estes anos já ouvi grandes sets em vinil, em CD (sem SYNC) com Traktor (ou Serato) com SYNC e também já ouvi alguns não tão bons em todos estes formatos... Por isso digo e repito, ser DJ não é só saber acertar batidas, sincronizar dois ou mais temas simultaneamente. 
 
Há muitos outros factores que contribuem para um grande (ou mau) set. Saber usar a mesa de mistura, os volumes, conhecer os temas que se vão tocar, perder horas a procurar/selecionar a música que se vai usar, ‘organizá-la’ para um set (não gosto da expressão ‘programar um set’, porque acho que isso não se programa) saber criar momentos, manter o público a dançar durante duas, três ou mais horas, não é tarefa fácil... E isso não vem incluído nos programas que permitem o SYNC dos temas.
 
É verdade que nos últimos anos se assistiu a uma aproximação de alguns top DJs às ‘playlists’ usadas pelas rádios. Não tenho nada contra isso, até porque esses artistas movem milhares de pessoas e enchem clubs, eventos e festivais. Mas esse factor - o facto de um DJ set de muitos top DJs ser composto de muitos temas que tocam nas rádios generalistas, aliado à facilidade que a tecnologia veio trazer, fez com que muita gente que até agora nunca tinha pensado em passar música entrasse no ‘circuito’ de DJs em Portugal (e não só). E isso veio criar alguns preconceitos contra o uso de laptops no DJing…
 

Sinceramente não tenho saudades da altura do vinil, até porque foram muitos quilómetros e horas a carregar malas de 120 discos.

 
Na minha opinião, o que conta realmente é a MÚSICA. Se esta é transmitida através de vinil, de CD’s, de um programa, de que forma for, é o resultado final do set que me importa. Se o DJ consegue fazer-me dançar durante uma, duas, três horas, se gosto da música dele, não me interessa qual o formato em que ela me chega... Tive o prazer de estar horas ao lado de DJs que só usaram dois pratos Technics e fizeram sets INCRÍVEIS, mas também assisti a alguns sets de DJs que montaram dois computadores portáteis, uma Maschine (uma caixa de ritmos da Native Instruments) dois controladores X1 da Native Instruments, uma caixa de ritmos, entre outras coisas e o resultado final não foi tão bom como outros DJs que usaram só os dois pratos...
 
Não tenho qualquer problema em usar o SYNC nas minhas actuações com o programa Traktor. Se a tecnologia está aí, não vejo o porquê de não a usar. Sinceramente não tenho saudades da altura do vinil, até porque foram muitos quilómetros e horas a carregar malas de 120 discos. Mesmo que agora decidisse voltar a usar só o vinil, a maior parte das cabines dos clubs ou eventos já não estão preparadas para esse formato e iria ter problemas em conseguir temas de alguns artistas que neste momento só existem em formato digital.
 
É óbvio que quando chegas a um club ou evento e vês uma parafernália de equipamento montado para o DJ actuar, visualmente isso cria alguma expectativa. Mas no final, o que interessa é a capacidade desse DJ te levar numa ‘viagem’, fazer-te dançar, fazer-te ‘explodir’ num momento, fazer-te abrandar noutro momento e conseguir que vibres com a sua música. E isso pode acontecer tanto com um artista que usa dois (ou mais) pratos e discos em vinil (ou CD) sem SYNC, como com um DJ que usa um programa como o Traktor, (ou outro) com SYNC. Na minha opinião, o que interessa é o resultado final e não o método para o alcançar...
 
Carlos Manaça
 
(Carlos Manaça escreve de acordo com a antiga ortografia)
Publicado em Carlos Manaça
sábado, 02 março 2013 17:44

Seleção musical

 
Hoje em dia quando saímos encontramos festas e clubes onde a "onda" musical é a mais variada possível. Essa mesma diversidade nem sempre é do agrado de todos. Mas a verdade é que essa variedade é um "mal necessário" bem-vindo, visto que os "gregos e troianos" saem por demais satisfeitos e realizados com essa "confusão" musical. No entanto, essa "estratégia" nem sempre é do agrado de todos pelo que os telemóveis começam (nessa altura) a voar na direção da cabine com sugestões e "exigências".
 
Todos os artistas poderão encarar isso como algo desanimador mas não o devem fazer. Qualquer DJ pode encontrar nesses momentos um forte fio condutor para se orientar numa boa leitura de pista. Aliado a isso vêm boas oportunidades de estreitar a relação com o público e/ou fãs.
 

Nem todos se podem dar ao luxo de passar o que realmente gostam em troca de um bom cachet.

 
Nós, 'FY2 - The Party Rockers', enquanto profissionais da área temos neste ponto um grande suporte para o nosso trabalho/projeto. A leitura de pista e a biblioteca musical diversificada são dois pormenores fulcrais na hora de "bombar" as pistas que encontramos no nosso caminho. Quilómetros de festas e eventos que nos desafiam a cada noite.
 
Claro está que as opiniões entre os DJs variam na hora de falar sobre este assunto. Mas iremos sempre cair na velha definição do que é realmente ser DJ. Nem todos se podem dar ao luxo de passar o que realmente gostam em troca de um bom cachet.
 
Por isso "caros colegas" sempre que torcerem o nariz neste tipo de situações fechem os olhos por momentos e lembrem-se que tudo tem uma vantagem, só temos que a encontrar no meio de toda a confusão de luzes, música e fumo.
 
 
Francisco Praia
FY2 - The Party Rockers
Publicado em Francisco Praia
sexta, 25 março 2016 21:44

O DJ Residente

Andando por aqui a explorar os temas que tenho em agenda para esta minha primeira crónica, decidi focar a importância do DJ residente num espaço noturno.
 
Na ideia e opinião de muita gente, o DJ residente não é mais do que um trabalhador habitual de um club que tem como função tocar ao início da noite, quando a casa se encontra ainda vazia e que ali está apenas a ‘encher chouriço’ como se diz na gíria popular, até que entre na cabine o convidado da noite, que esse sim é a estrela.
 
Nestes meus 16 anos de carreira como DJ, contei com 2 residências: uma de 2 anos e outra de 3 anos, sentindo-me como tal com capacidade de opinar livremente acerca daquilo que é um DJ residente e da suprema importância que ele tem para um club!
 
O DJ residente tem sido relegado para uma posição secundária na noite e cada vez mais se encontram espaços que não têm mesmo um residente. Parece que se esqueceu que o residente é o mais importante elo de ligação das normalmente 3 fases em que a noite se divide: Warm-up, Peak Hour e Closing.
 
O residente tem como principal missão preparar a noite para o convidado. Saber o que tocar e quando tocar. Levar o público ao encontro do convidado mas sem nunca chocar com a sonoridade que esse vai apresentar no seu set! Como residentes, temos de saber brilhar à nossa maneira.
 

(…) o residente é o mais importante elo de ligação das normalmente 3 fases em que a noite se divide: Warm-up, Peak Hour e Closing.

 
Aprendemos a conhecer as caras habituais do club e como tal, aprendemos a conhecer os seus gostos. Saber pôr o público a mexer deixa rapidamente de ser um problema e é com essa arma que muitas vezes salvamos a noite, ajudando também o convidado a familiarizar-se com o público que tem na sua frente. Tudo isto, sabendo sempre qual é o nosso lugar na noite e sem nunca querermos tomar a lead… lembrem-se: não são o ponto alto da noite.
 
É por isso que continuo a dizer que ser residente não é um trabalho fácil! Requer know-how, leitura de pista, trabalho de casa para com o convidado que vamos ter nessa noite, cultura musical acima da média, capacidade de gestão e acima de tudo saber conhecer as suas fronteiras. Muitos DJs falham isto e é por isso que vulgarmente vemos supostos residentes a fazer warm ups completamente desenquadrados daquilo que vai ser a noite, a reproduzirem musicas produzidas pelos convidados (parece um cliché, mas é uma situação que se repete frequentemente), a tocar ‘mais forte’ querendo mostrar ao convidado e às vezes ao público que também estão à altura do artista seguinte, mesmo ‘queimando’ completamente a noite… São pequenos detalhes mas muito importantes! Tão pequenos e tão importantes que até mesmo o nível de volume do som é para ter em conta. Sabemos o efeito que o som tem no nosso corpo… sentimo-lo como que se de uma batida de um coração se tratasse e é algo que marca o nosso ritmo ao longo da noite.    
 
Outra das situações recorrentes de muitos dos DJs residentes na atualidade é a de reproduzirem muita música antiga. Na tentativa de quererem fazer tão bem o seu trabalho de não querer ‘roubar’ o estrelato do convidado, acabam por pecar na sua playlist, reproduzindo muitas vezes a medo e recorrendo a temas mais antigos. Pessoalmente, considero isto um excesso! Há muita música nova e recente que não vai chocar com o trabalho do convidado. É certo que devemos guardar os chamados ‘hits’ para a Peak Hour, normalmente dominada pelo convidado, mas há muitos outros ‘hits’ de fácil uso no warm up. Mais uma vez , aqui encontramos os frutos do nosso trabalho de casa.
 
Assim sendo, se vos convidarem para ser residente, pensem primeiro se consideram ter os requisitos necessários para tal! Não é fácil! E não tomem esse trabalho apenas como uma oportunidade de atuar todas as noites sem terem de estar à procura de gigs, mas sim como uma escola, uma fonte de aprendizagem, que vos prepara para tudo. Até mesmo para os mais experientes, pois a arte de aprender é uma experiência contínua que devemos saber abraçar!
 
Pedro Carvalho
Publicado em Pedro Carvalho
segunda, 03 junho 2013 19:59

O que fazer e o que mudar

Aceitei o desafio da 100% DJ para poder dirigir algumas palavras a todos os leitores/visitantes.
Escolher o tema para esta primeira crónica foi complicado. Não por não haver inspiração, mas porque há tanto para falar e dizer sobre a música, DJs, produtores e noite Portuguesa. 
 
Para quem não me conhece, sou o responsável pela DWM e representamos vários DJs e produtores Nacionais e fazemos o seu management.
Vou partilhar convosco alguns pensamentos e experiência adquirida em 20 anos de mercado. 
 
Em primeiro lugar, já é tempo de se mudar mentalidades entre DJs e produtores. Em Portugal em vez de se pensar em "crescer" profissionalmente, prefere-se deitar abaixo os colegas de profissão. Se olharmos para países como a Holanda ou a Suécia, vemos o quanto estamos errados. Não é a denegrir um colega que o nosso trabalho sai valorizado. Especialmente na produção, é altura de puxarmos uns pelos outros para conquistar o mercado Internacional. Portugal tem muitos e bons produtores que não são valorizados porque existe esta "guerrilha interna" onde ninguém ajuda ninguém e o "falar mal" é muito mais fácil. Todos os produtores sofrem com isto e não há quem saia beneficiado. 

Não é a denegrir um colega que o nosso trabalho sai valorizado. Especialmente na produção, é altura de puxarmos uns pelos outros para conquistar o mercado Internacional.

 
Dentro da produção, há algo que tem de ser interiorizado. Quem produz (independentemente do estilo) tem de perceber para quem a sonoridade é destinada. Vejo muitos produtores a lançarem faixas Afro, Latinas, com sonoridades Brasileiras, vocais em Português e que depois não compreendem porque é que não têm datas Internacionais ou não vendem as suas produções. O motivo é fácil de perceber. São estilos musicais destinados ao mercado interno, PALOP's, Brasil e comunidades Lusas. 
 
Não estou a dizer com isto que não o devem fazer, apenas pretendo que compreendam que é um produto esgotado, limitado geograficamente e pouco "consumido" quando se trata de vendas musicais. Ou conseguem produzir algo "fresh" e com um estilo muito próprio, ou estarão a produzir algo com limitações e muita concorrência. 
 
Ainda dentro da produção, outro erro recorrente é a produção excessiva de sonoridades mais "clubbing" onde a concorrência Internacional é feroz. Para esta situação é essencial editarem numa label Internacional que promova convenientemente a vossa faixa. Editar num "depósito" de faixas ou numa label Nacional, é apenas um capricho. A vossa música por mais qualidade que tenha, não chega como promo aos Top DJs Internacionais (que são quem a pode projectar ao ser tocada), não é divulgada, não há seguidores da label onde editam a faixa para a poderem ouvir (e comprar), etc.
 
 
Quais são as alternativas? 
Como é que se pode projectar a música e abrir portas para as actuações?
 
Chegamos a um ponto que muitos rejeitam e teimam em não aceitar. A Promoção. 
Quer gostem ou não, hoje em dia é essencial terem imensos Likes, Followers, Subscribers, etc. Se não querem investir, falam mal de quem paga anúncios publicitários, não investem em vídeo e imagem e julgam que só a música vai ser suficiente, então nunca vão sair do patamar onde estão. 
Se a vossa música não chega ao público e profissionais, se a quiserem oferecer (free download) mas não têm seguidores ou têm muito poucos, como é que alguém sabe do vosso trabalho se a informação não chegou ao destinatário?
 

Tirem da ideia que vão produzir uma faixa que vai ser um Hit se não tiverem uma máquina à vossa volta para projectar a vossa música.

Podem não saber como o fazer ou a melhor forma de executar. Afinal de contas, são DJs/produtores e não têm obrigação de saber alguma coisa de Marketing. Neste caso, recorram a profissionais. Contactem um management (que vão ter de pagar, não julguem que há alguém que vai trabalhar de borla), falem com um PR (Public Relations) que vos coloque a música nas rádios, "disparem" newsletters, etc., e mentalizem-se que para colher, têm de semear. 
 
Não existe nenhum produtor actualmente que tenha ganho notoriedade sem ter efectuado investimento em Marketing. Tirem da ideia que vão produzir uma faixa que vai ser um hit se não tiverem uma máquina à vossa volta para projectar a vossa música. 
 
 
Então e os DJs?
 
O DJ como o conhecíamos acabou. Sim... acabou. Quem conseguiu atingir patamares elevados, foi porque andou (anda) há muitos anos no mercado. Actualmente o DJ mudou. Com as novas tecnologias tornou-se fácil passar musica (o que para mim, por si só, não faz um DJ). 
 
Situações como tocar durante 5 ou 6 horas seguidas, saber "ler a pista" ou saber baixar a intensidade musical para os clientes irem ao bar consumir e agarrar a pista novamente, são coisas que os actuais DJs não sabem fazer. Foi incutida uma ideia diferente do que é na realidade um DJ, principalmente quando todos pensam em tocar num palco para milhares de pessoas, quando o lugar do DJ é numa cabine a fazer aquilo que sabe (ou sabia) fazer melhor que ninguém. 
 
Um DJ era um "educador musical". Hoje em dia, ninguém quer ser educado porque a Internet dá-lhe tudo para ele escolher por si e é influenciado pelo que ouve na rádio ou na TV. O DJ actual tem de mentalizar-se que tem de optar. Ou toca um estilo muito próprio e fica sujeito à aceitação do mercado e dos clubes que aceitam essa sonoridade, ou "regressa às origens" e é um executante musical que tem de tocar para o que o publico quer ouvir. 
 
Muitos estarão a pensar que vêm DJs a tocar em palcos para milhares de pessoas em Festivais por todo o mundo. Sim, é verdade, mas se virem bem, ou são DJs/produtores que vão para passar a sua música ou ficaram conhecidos por uma determinada faixa ou então são DJs com muitos anos de experiência que ganharam a sua notoriedade há anos atrás. 
 
Actualmente não há um único profissional que seja apenas DJ que nos últimos 6/7 anos tenha atingido a ribalta. Principalmente para os novos DJs que todos os dias aparecem, tirem da ideia que por saberem misturar com um software e passarem as músicas dos SHM, Avicii ou Hardwell, que isso irá levar-vos a algum palco Internacional ou atingir um patamar elevado.
 

Um DJ era um "educador musical". Hoje em dia, ninguém quer ser educado porque a Internet dá-lhe tudo para ele escolher por si e é influenciado pelo que ouve na rádio ou na TV.

O meu conselho para todos os DJs que agora surgiram, é o de procurarem uma residência para trabalhar. Se realmente é como dizem e argumentam (que a música é a vossa vida, o vosso sonho, etc.) vivam então a música como ela tem de ser vivida e principalmente pensem no que realmente querem. Se o que querem é ser um Hardwell, Avicii, Skrillex ou Carl Cox (seja qual for o estilo) sigam o vosso sonho por causa da música e nunca pela fama, dinheiro, prestigio, sexo, copos, etc. porque para atingirem um patamar elevado, não basta ter vontade, qualidade e sorte. Precisam de muito investimento financeiro, "padrinhos", contactos, imenso trabalho e mesmo assim nada é garantido. 
 
Por hoje é tudo e há muito mais para falar, mas o texto já vai longo.
 
Lembrem-se que a oferta é muita e a procura é pouca. Vivam um sonho mas não criem ilusões e valorizem os outros profissionais e principalmente os Portugueses, porque só dando as mãos, podemos sair para o Mundo que é um mercado muito maior que este País no cantinho da Europa.
 
Ricardo Silva
DWM Management
Publicado em Ricardo Silva
terça, 09 agosto 2016 23:26

Música feita em Portugal

É de mim, ou este é um dos (últimos) anos que mais música portuguesa se ouve nas rádios e mais artistas portugueses se vêm em festivais? Era uma pergunta retórica, não é de mim, é mesmo verdade, felizmente. 
Seja música cantada em português, artistas que cantam em português ou música feita e cantada por portugueses mas cantadas em outras línguas. Não me faz grande diferença a língua em que a música é cantada, para ser sincero - nem podia, sendo eu uma pessoa que faz música cantada em Inglês - o que me interessa é que cada vez mais se ouve música feita por portugueses.

Ouve-se muita música feita por portugueses nas rádios nacionais que nada fica a dever aos artistas internacionais.

 
Acredito que a música portuguesa, na sua generalidade, está a mudar e a passar uma boa fase. Desde o house à música pop, passando pelo fado. Este verão já tive a oportunidade de estar em diversos eventos onde a música portuguesa era o foco principal dos cartazes e fiquei admirado com as milhares de pessoas que se deslocaram para ver os artistas portugueses a actuar. Desde os mais novos aos mais velhos. 
 
Sem querer mencionar nomes de artistas, é impossível não referenciar a Carminho e a Ana Moura, porque se hoje o fado é ouvido pelos mais jovens, deve-se a toda a criatividade e trabalho que elas e a equipa delas tiveram ao criar um fado, de certa forma, mais contemporâneo, dando uma nova dimensão ao nosso Património Imaterial da Humanidade.
Falar também acerca dos nossos produtores musicais, que estão a subir a fasquia cada vez mais. Ouve-se muita música feita por portugueses nas rádios nacionais que nada fica a dever aos artistas internacionais. O que depois se reflecte nos cartazes dos grandes festivais nacionais, que estão repletos de artistas nacionais, alguns deles como cabeças de cartaz. 
A Música Portuguesa está de boa saúde e recomenda-se!
 
Dan Maarten
Publicado em Daniel Poças
segunda, 07 novembro 2016 21:56

Espírito corporativo, existe?

 
O lançamento da APORFEST - Associação Portuguesa Festivais de Música (em setembro de 2015), veio no seguimento do Talkfest - International Music Festivals Forum (com uma primeira edição em 2012), um evento que ao longo de 2-3 dias por ano serve para aglutinar a indústria, torná-la frente-a-frente, fora dos escritórios ou dos nichos e assim torná-la mais humana e corporativa e assim seguidora de todas as outras áreas - marketing, direito, gestão de recursos humanos, psicologia. Daí até à organização de uma associação que representasse todos os setores (e.g. promotores, artistas, investigadores, media, prestadores de serviços, alunos) foi um passo porque ao longo do restante ano eram-nos colocadas dúvidas relacionadas com informação, legislação, fiscalidade, regulamentação ou financiamento entre tantas outras, o que nos obrigou a estar 365 disponíveis.
 
Os fundadores de ambas debateram-se ainda enquanto externos a esta indústria, porque não existe nesta área, a dos festivais de música a nível nacional (que todos falam, todos acham trendy, todos querem testar e dar-se a conhecer, mas que tem um défice de corporativismo) um seguimento normal de qualquer outra área - a partilha, o networking, o debate e o real interesse na evolução, que se consegue muito mais fácil de modo coletivo que individual ou em pequenos grupos (que não são mais que um disfarce)?
 
Orgulha-nos ter sido desbloqueadores deste ponto e colocar as entidades a falar de uma forma mais aberta, mesmo que concorrentes entre si, orgulha-nos ter dado a conhecer talento jovem em redes de contacto que são por si só pequenas e fechadas, assim como tantos outros fatores. Ao contrário de outros países e culturas, estamos a anos luz deste corporativismo sincero (sem invejas e beneficie com a concorrência e não com a falta dela) e que funcione em ligações privadas e públicas numa potenciação da internacionalização por exemplo, bastando ver o que outro evento organizado por nós, os Iberian Festival Awards, que apesar de estar na rede europeia dos Festival Awards, demonstra mais dificuldade em cativar e fomentar a cooperação ibérica entre portas que fora delas. Vemos com positivismo a chegada de novas associações que vão conseguir defender interesses e chegar mais rápido a objetivos que estivessem fora da associação de forma ad-hoc e espartilhada.
 

Existe ainda uma clara vontade de alguns players em quererem deter tudo no seu controlo e a não querer beneficiar daquilo que não comandam (...)

 
Da mesma forma, esta evolução tem sido alavancada por novos, pequenos e médios promotores, continuando a ser ainda difícil por todos num "mesmo barco" em que todos são iguais e todos valem o mesmo. Preocupa-nos o facto de não se ter apoiado eventos como os Portugal Festival Awards, organizado por uma dupla de jovens (que não a nossa que muitos confundiram), a querer premiar e valorizar uma área, sem conseguir rentabilizar a sua ideia, enquanto do outro lado se discutia a seriedade, a isenção dos mesmos, quando estes prémios são depois utilizados (e ainda bem) como forma de comunicação e credibilização de municípios e festivais. Enquanto lá fora, premiar uma área é apenas um "serviço mínimo" que deve existir em qualquer área.
 
Existe ainda uma clara vontade de alguns players em quererem deter tudo no seu controlo e a não querer beneficiar daquilo que não comandam, não se querendo imiscuir com os outros. Há muito caminho a percorrer, venham novas associações (de classes profissionais, de estilos musicais...), venham projetos como o WhyPortugal, venham debates, venha uma regulação e apoio claro a esta área. Mas venha de uma forma justa e realmente isenta como aquela que até aqui temos tentado fazer, sem se fazer contas a quem beneficia e aos lobbies que se quer deter ou não!
 
Ricardo Bramão
Presidente e Fundador APORFEST, Associação Portuguesa de Festivais de Música.
Publicado em Ricardo Bramão
quarta, 01 fevereiro 2017 21:25

It's all about music

Vivemos numa era digital. Inicialmente, quando surgiram as primeiras tecnologias digitais todos e em todas as áreas profissionais, mas em particular na música mostraram alguma resistência à mudança. No entanto, rapidamente os benefícios e vantagens do formato digital conquistaram os profissionais em todos os quadrantes.
 
Eu, por acaso, confesso ter sido um dos resistentes a esta mudança e deixei o vinyl muito depois de ter aparecido a possibilidade de trabalhar a música de forma digital. Mas isto tem uma justificação forte. Antigamente, nos primórdios da cena digital, todo o material técnico para DJ não era de grande qualidade. Felizmente as coisas mudaram, hoje em dia a qualidade por exemplo dos CDJ seja da gama mais básica aos topo de gama, apresentam qualidades técnicas e funcionalidades que os seus primórdios nem sonhavam.
 
Na minha área musical, atravessando esta nova tendência, alguns temas que me interessavam começaram a deixar de ser prensados em vinyl e por isso quase de uma forma natural fui incorporando no meu setup de DJ a tal vertente digital (CDJ) para poder ir acompanhando o que se passava e tocar até alguns temas exclusivos, remix’s ou mashup´s que em parte não eram editados no formato vinyl. Facto esse, prende-se com a redução de custos, não só de produção como de edição e distribuição. O formato digital revela-se assim, um meio extremamente económico e com potencial lucrativo brutal.
Com isto, viria mais tarde a comprar um Mac (computador portátil) para poder iniciar-me nesta nova era. À primeira vista só o facto de me libertar de kilos de peso das malas de discos para me movimentar de gig para gig já era uma grande vantagem.
 
Desenvolveu-se no entanto, ainda algum preconceito especialmente entre a comunidade DJ relativamente aos DJs que optam por abraçar esta evolução tecnológica recorrendo assim, por exemplo, ao tão afamado sync ou a controladores digitais que recorrem a comunicação MIDI. Parece-me um assunto que apesar de muito polémico, se afasta do conceito essencial que é o trabalho de DJ na sua essência.
 

O facto de um DJ assumir a utilização de sync, não faz dele menos DJ do que um DJ que continue a trabalhar com vinyl.

 
A essência de ser DJ não é, nem nunca foi o formato de som que se opta para tocar ou trabalhar, mas sim a forma como o faz, ou seja, a escolha dos discos e a técnica com que os passa é sempre o primordial, no entanto, historicamente o DJ é conhecido pela utilização de discos em vinyl, através do qual também a técnica transparecia, aliás, nos dias de hoje ainda se registam vendas muito acentuadas que são na sua maioria graças aos DJs que persiste com a utilização do vinyl.
 
O vinyl hoje é visto como uma jóia e os temas lançados neste formato são aclamados muitas vezes como raridades ou edições limitadas que são muito apetecíveis especialmente entre os DJs mais underground o que acontece mais em vertentes como o techno, tech-house e house.
 
Este preconceito de que falamos prende-se muito, na minha opinião, com a resistência a mudança. O facto de um DJ assumir a utilização de sync, não faz dele menos DJ do que um DJ que continue a trabalhar com vinyl. A época em que o DJ precisava e gostava do vinyl também para demonstrar a sua superioridade técnica já era… Na verdade, um "SYNC DJ" pode tornar o seu trabalho bem mais complexo e personalizado relativamente a qualquer outro DJ. Existem vários exemplos de sucesso internacional que utilizam um setup complexo recorrendo a sync para poderem introduzir desde samples,  loops ou acapellas.
 
O paradigma de DJ hoje é muito diferente do que era ha 10 anos... ou nem tanto. Porque na realidade as pessoas não querem muito saber se o DJ X ou Y toca em vinyl ou cd ou pen... a sério? Ainda há quem acredite que isso é a essência do que quer que seja? 
Pode ser um plus, ou algo que abone a favor do DJ para quem aprecie o som do vinyl por exemplo, mas mesmo assim nem nisso vejo uma vantagem... tudo depende do que é melhor para cada DJ... cada um escolhe o seu setup de acordo com o que acredita ser melhor para o seu trabalho. E aqui encontramos outra grande vantagem, na minha opinião da era digital que é a oferta de possibilidades de escolha e da entrada mais facilitada de novos talentos no mercado.
 

As pessoas não querem muito saber se o DJ X ou Y toca em vinyl ou cd ou pen.

Temos que olhar para tudo isto como uma espécie de benção. Temos DJs como o Richie Hawtin ou o Dubfire no techno ou ainda Deadmau5 do house progressivo que hoje em dia quase sempre só tocam recorrendo a controladores MIDI e eventualmente CDJ ou ainda exemplos como Ricardo Villalobos, Sven Vath, entre outros que preferem utilizar ainda o vinyl. 
 
Achei importante abordar este tema no sentido de tentar fazer as pessoas perceberem que o trabalho de DJ é muito mais do que o formato de música que utiliza para trabalhar. Embora trabalhe hoje em dia recorrendo unicamente ao formato digital mais precisamente aos CDJ, acho injusto muitas críticas que ouço, tanto de profissionais como de amadores ou público em geral relativamente ao facto de se usar CDs, pens ou ainda recorrendo a softwares como o Traktor ou o Serato para tocar fazendo assim parecer que só o vinyl é valido para profissionais e tudo o resto não interessa.
 
Hoje em dia, com a qualidade dos estúdios, das tecnologias, etc., a música tem uma qualidade incrível e portanto o formato analógico ou digital não diz respeito, nem afeta negativamente a música, ou pelo menos esse não é o suposto... a tecnologia existe para facilitar o nosso trabalho e para nos ajudar a desempenhar os nossos trabalhos.... mas seja como for, e aliás como dizia a musica... "It's All About Music”.
 
Publicado em João Garcia
sexta, 23 janeiro 2015 22:17

Os talibãns dos géneros musicais

 
A guerra dos géneros musicais que hoje em dia se vive na scene é quase tão inútil, descabida e infrutífera como a guerra dos sexos. Discutir se há um género musical superior ou inferior é o mesmo que discutir quem é que é melhor: os homens ou as mulheres. É óbvio que não há géneros musicais superiores ou inferiores e é óbvio que a música evolui, mas o talibanismo musical tem sido a saga da história da música electrónica: pelo menos em Portugal.
 
Comecei a interessar-me a sério pela música electrónica em pleno auge do Iberican Sound, quando o house progressivo era rei e senhor e era totalmente diferente do que é hoje em dia. Os ritmos tribais e étnicos pareciam encaixar na perfeição nas teclas mais dark e atmosféricas. E Portugal tinha uma palavra gigante a dizer na scene internacional. Rui da Silva tinha acabado de chegar a níveis estratosféricos com o tema "Touch Me" e artistas como DJ Vibe ou Carlos Manaça eram dos mais aclamados do mundo inteiro, o que fazia do nosso país: "A Paradise Called Portugal".
 
Depois aconteceu o inevitável quando se espreme uma laranja até à casca. Deixa de haver sumo e passamos para a próxima. E surgiu uma vaga de electro house que trouxe para a ribalta artistas como Trentemoller, Mylo, Tiga, Tiefschvartz e, numa vertente mais comercial, o mais conhecido David Guetta. Eu, que tinha nascido em plena era do tribal house e do house progressivo via esta nova vaga com um quase ódio. Eram os destruidores da minha cultura. Era um miúdo e sem o saber estava a comportar-me como um autêntico "velho do Restelo": acalorado pelo conforto do "mais do mesmo" e aterrorizado com a ideia de mudança. Mas tudo na vida evolui e a história - mesmo que cíclica - escreve-se sempre em frente. Foi então que o maximalismo do electro house e, de certa forma, do tribal house gerou a emergência de uma nova corrente: o minimal techno.

Não estar na redoma de um estilo musical único faz-nos evoluir musicalmente mesmo dentro do nosso estilo musical de origem.

Foi a primeira vez que evoluí a sério e num curto espaço de tempo a minha produção musical. Não estar na redoma de um estilo musical único faz-nos evoluir musicalmente mesmo dentro do nosso estilo musical de origem. Só depois de me dedicar a tentar perceber o conceito, técnicas e elementos do minimal é que consegui, enfim, colocar-me num patamar de produção musical que me satisfazia pessoalmente. 
 
Mas, rapidamente, o minimal techno gerou o ressurgimento com grande pompa e circunstância de um estilo que estava adormecido há demasiado tempo - o techno. Muita gente falava num novo techno com um BPM mais lento e capaz de se fundir facilmente com os estilos que tinha sucedido.
 
E foi com a exaustão desta vaga que começa a surgir o que actualmente se chama de "EDM" muito influenciado primeiramente pelo trabalho do Deadmau5 e da fusão brilhante entre o trance e o house que teve a mestria de fazer na altura certa. Muito do que se fez entre 2008 e 2010 eram reproduções quase intactas de um estilo muito próprio do canadiano. E é nessa senda que surgem os Swedish House Mafia e mais tarde Hardwell e tantos outros.
 
Tudo isto para vos dizer que a música, na minha opinião, é como a história: cíclica e pendular. Precisa de se esgotar, de se deteriorar, de degenerar-se e depois de uma revolução de abanões, e de gente que coloque tudo em causa para voltar a tornar-se interessante. Um exemplo que costumo dar e que acho dos mais interessantes é o dos Beatles. Quem ouvir pela primeira vez o primeiro LP "Please Please Me" e o último "Let it Be" de seguida, certamente achará que se trata de uma banda totalmente diferente. Mas quem ouvir todo o trabalho que está pelo meio e analisar a realidade musical da época rapidamente se apercebe que se tratou de uma profunda e extraordinária evolução. No final da década de 60 lançar temas como "Love me Do" ou "From me To You" já não faziam o mesmo sentido e, neste sentido, não deixa de ser curioso que o álbum que demonstrou de forma mais vincada a evolução musical dos Beatles: "Sgt. Pepper’s Lonelly Hearts Club Band" seja considerado pela Rolling Stone como o "maior álbum de todos os tempos."
 

(…) a música, na minha opinião, é como a história: cíclica e pendular.

 
É por este motivo que fico chocado ao ver os talibãs dos géneros musicais a actuar na internet. Estou a falar directamente para os arautos do underground/tech house e techno que vêm na EDM: "música de carrinhos de choque" e para os talibãs do EDM que só de pensarem na possibilidade de a house music voltar a ganhar terreno em géneros musicais como o "future house" ficam logo com urticária. Foram SEMPRE, mas SEMPRE os que souberam sair e aventurar-se, os que fizeram a scene evoluir e dar o próximo passo. Não estou com isto a dizer que todos devamos agora produzir e consumir todos os géneros musicais, mas somente que não se barriquem atrás do EDM e apedrejem o vosso vizinho que por acaso até gosta é de música latina, tech house, psy trance e vice-versa.
 
E acabo com as palavras do insuspeito Carl Cox: "It's about music! Not one music style is better than the other, not one music style is more truly than the other. The whole thing is based on respect. It's all about respect, respect to the music, respect to the DJ's, respect to the crowd and respect to each other. It's all music, music never separates people!". 
 
Hugo Rizzo
Publicado em Hugo Rizzo
segunda, 19 março 2018 19:36

O que fiz para estar onde estou

A música é o que nos faz ser DJs? 

Todos sabemos que hoje a indústria da música eletrónica atravessa um período de mudança - o que é bom para uns e maus para outros. Em todas as formas de arte há tendências, o público segue-as e dependemos do público para "vingar" neste ramo. A música tem um período de consumo muito mais rápido se comparado a anos passados. Não me quero alongar nesta questão, mas há forma de contornar isso? 

A minha carreira de DJ/Produtor começou há 6 anos atrás. Nunca imaginei poder trabalhar com grandes artistas, nem lançar em grandes editoras como Lokosound ou Revealed. Para mim era sem dúvida algo muito distante, sobretudo olhando para o estado do mercado: muito saturado de demasiada informação desnecessária e com escassez de música. Será que se perdeu o que realmente me fez passar horas agarrado ao computador? 

Já tive muitos fracassos, e já ouvi muitos “nãos” e ainda acontece - porque acontece a todos - mas as “derrotas musicais” não se superam com uma foto no Instagram, nem tão pouco com likes. De certo que sobe a auto-estima e que alivia o processo de focagem noutro passo. 

Estou a dar a minha opinião, não quero discordar de ninguém que diz o contrário. Claro que todos nós sabemos que as redes sociais têm um peso enorme na carreira de um artista e que hoje talvez até tenham mais peso do que a própria música. Isso não significa que precisamos de deixar de ser produtores para ser modelos - a música, como já disse, é e sempre será o mais importante. 

"Não digo que as redes sociais devem ser postas de parte, porque eu mesmo não as ponho (precisamos delas para promover o nosso trabalho e dar-nos a conhecer ao público), estou a dizer que a maneira mais fácil de não sermos postos de parte é não por de parte a música." 

 

É importante ter um Manager/Agente? Ou será mais importante ter uma equipa?

Uma das lições mais importantes que aprendi ao longo destes anos em que sigo no ramo da música, é a que temos de ser nós a “bater com a cabeça” para ver o que está mal e com quem não devemos trabalhar. 

Eu trabalhei desde sempre com o Miguel. O Miguel não é agente, nem manager, não tem formação na área: trabalha em restauração. Mas a vantagem de trabalhar com o Miguel é que ele me conhece: as fraquezas, as forças, os dias bons e maus. E o mais importante é que ele acredita tanto no "ZINKO" como eu. Por isso acredito solenemente que a formação de uma equipa forte, com base na credibilidade do projecto e na confiança mútua é um ponto-chave para tudo funcionar.

Hoje em dia sou agenciado, sim, e tenho alguém "do outro lado". Tratamo-nos como equipa, delineamos estratégias e caminhos para chegar onde queremos. Mesmo que não consigamos, amanhã tentamos novamente. 

Quem quer que escolham para a vossa equipa nunca tratem a pessoa como alguém que está a trabalhar para vocês, mas sim que está a trabalhar convosco. A importância de ter um manager ou agente passa a não ter nexo se não se tratarem como equipa. "Nenhum treinador consegue ganhar campeonatos sem jogadores", é uma mensagem simples, mas que para mim faz toda a diferença. Eu sei quem não estaria onde estou agora, talvez até mesmo a escrever um texto de opinião, se não tivesse uma equipa a trabalhar comigo. 


Enviar Promos

A parte mais importante do artista passa obviamente pela música. Podemos cada vez mais potenciar a mesma e fazê-la chegar aos ouvidos de quem queremos. O envio de promos é algo muito importante no momento em que temos uma "nova música", mas é importante termos um método adequado e prático para o fazer.
 
Alguns pontos que tenho notado quando recebo as promos no meu e-mail.
 
1 - Apresentação 
Acho que ninguém gosta de ser abordado sem uma apresentação do que vai ouvir antes - nome, idade, país, breve descrição -, mas não é preciso alongar ao ponto de escrever uma biografia inteira. Artistas como Hardwell, Afrojack, ou Martin Garrix não estão minimamente interessados se vocês têm uma casa à beira-mar, ou se o vosso cão se chama "Rex". Uma breve descrição e o link da música chega perfeitamente. 

2 - Links
Nenhum artista dos que falei há pouco vai fazer download do vosso ficheiro, por isso acho que o mais prático será enviar um link privado de Soundcloud com download activo, ou link de Dropbox. A falta de pré-escuta é um ponto crucial para a música não ser ouvida. Passados 5 ou 6 emails com anexo, o que enviarem será considerado spam,  perdendo-se boas oportunidades de serem ouvidos, porque a vossa música podia estar boa.

3 - Música
Têm de estar certos de que o que estão a enviar é o melhor que conseguem. Nunca sabemos se o artista a quem enviamos a promo vai ouvir ou não. Por isso é óbvio que um ponto que todos devem considerar é que músicas inacabadas, sem mix/master, entre outros problemas, provavelmente não vão ter feedback ou se tiverem não vai ser o que gostariam de ouvir. Isso faz com que nós fiquemos desmotivados.

Processo Criativo / Mixing e Mastering
Neste tópico certamente não há muito para dizer, pois cada um tem o seu formato de trabalho e as suas manias. Não vou falar de nada que quem faz música não saiba, contudo acho importante referir alguns pontos. Não são precisas colunas topo de gama para fazer música. Não é preciso um estúdio de milhares de euros, não é preciso um teclado midi super atual e cheio de controladores, pois a maior parte das minhas músicas foram feitas de fones, teclado do computador sentado na mesa da minha cozinha. 

É tudo uma questão de conforto. Ter um espaço organizado é o ponto, não tem de ser o espaço nem a altura, acho que naquele momento tem de se estar completamente focado no que se está a fazer - esse é o truque -, obviamente que um bom computador e um bom equipamento ajuda, mas não é o mais importante. O mais importante é sim conseguir passar a ideia da cabeça para o software. 

A música não tem tempo para se fazer, eu tenho músicas com dois anos que sofreram alterações durante esse espaço de tempo até ter o produto final com que me sinto satisfeito. A minha faixa “Footprint” em colaboração com o “Tong Apollo” saiu em novembro de 2017, a ideia da música ficou pronta ainda em 2016. Mudámos tudo, 4 drops diferentes até chegarmos ao resultado final. Já a “Guaraná” demorou três dias a ser feita e consegui assiná-la numa das maiores editoras do mundo. O que importa na realidade é a ideia. Claro que uma ideia bem executada só tem a ganhar. 

Tentar fazer algo diferente não é nada fácil, eu sei disso, sei que fazer algo num estilo muito ouvido - Big Room, por exemplo - mas que não soe genérico é complicado. As labels procuram cada vez mais ideias novas, para criar tendências, algo novo, que não se ouve no mercado. É isto que chama a atenção dos A&R´s, a meu ver é tudo uma questão de ideias e alguma sorte. 

Depois existe a segunda parte, talvez das coisas mais importantes, pode parecer que não faz diferença, mas faz: o Mix/Master é algo que vai finalizar a música. Por vezes sem darmos conta é o que falta, aquele pormenor que não sabemos o que é.  Eu pago esse serviço: https://wiredmasters.co.uk/. Não sou profissional da área, ainda estou a aprender e a pouco e pouco é algo que se vai encaixando no ouvido, pois também tem a ver com o gosto de cada um. 

Sei que é um entrave para muita gente, porque são preços que não são acessíveis a todos, e por isso é aconselhável que o investimento seja numa música que valha a pena, porque como disse há pouco faz toda a diferença.

Gostava mesmo muito que este texto ajudasse a malta, isto é só a minha opinião. Não fiz nem mais nem menos que outros artistas, eu trabalho assim e estou a partilhar alguns dos meus métodos com vocês. Todos os erros de que falei acima eu já os cometi. Não me arrependo de forma alguma, serviram para aprender e a acreditar cada vez mais na minha música. Todos os dias trabalho nisto porque acredito. Espero que vocês partilhem este pensamento. Assim será muito mais fácil que nós, amantes de música, tenhamos um maior sucesso e que levemos o nosso país fantástico além-fronteiras pelo que mais gostamos de fazer.
 
Zinko
Publicado em Zinko
Pág. 1 de 10
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.