01-03-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária
Nos últimos meses, uma das maiores curiosidades que circulou a grande velocidades nas redes sociais foi a pergunta: “afinal, quem são os Kanalhas?”. Depois de terem recebido destaque e apoio a nível internacional com os seus mais recentes remixes, o Portal 100% DJ esteve, em exclusivo, à conversa com a dupla portuguesa que promete dar que falar nos próximos tempos. As suas influências musicais, os projetos e se Portugal é um público difícil de agradar, são apenas alguns dos assuntos abordados nesta entrevista que desvenda quem está por detrás destes Kanalhas.

 

Que influências musicais possuem?
Musicalmente escutamos de tudo um pouco. O que ficar no ouvido serve de influência e inspiração para produzirmos boa música. Somos duas pessoas criadas nos arredores de Lisboa e temos várias influências desde ritmos africanos, latinos, música árabe, brasileira, Rap, Old School, House… Tudo para nós passa por uma fusão de estilos. Enquanto produtores as nossas referências passam por GTA, Major Lazer, Diplo, DJ Snake, Dillon Francis, Bro Safari, Hasse de Moor, Wiwek, Ape Drums, entre muitos outros. As nossas bases vão desde o Hip Hop à música eletrónica. 
Temos em mente que o futuro da música passa por criar uma “fusão” mas temos sempre uma forte influência do Moombahton. 
 
Que projetos querem realizar a curto e longo prazo? 
Nós começámos com dois remixes totalmente diferentes um do outro ao nível da sonoridade. O primeiro completamente Moombahton e o outro muito Jungle com um toque Dirty Dutch.
Podemos dizer que foi inesperado o apoio que tivémos no primeiro remix "Dillon Francis & DJ Snake - Get Low". Desde blogs norte-americanos, a produtores dentro da cultura Moombahton, feedback da América Latina à Holanda (com suporte do tema). Foi algo incrível para o nosso primeiro trabalho. Temos muitas ideias guardadas que nos permitem lançar material a curto prazo. Para já, estamos a trabalhar num original com um artista português bastante conhecido, que ainda não podemos revelar o nome.
Neste momento estamos a finalizar dois remixes. Um para o KURA e outro para um amigo nosso francês - o R.WAN. Será um remix da sua música original com o artista americano Snoop Dogg. A longo prazo estamos já a preparar um EP e estamos em contato com artistas norte-americanos e alguns nacionais.
 
 
 
Consideram que Portugal tem público para este projeto? 
O nosso projeto é virado para o mercado internacional (nem poderia ser de outra forma). Portugal tem um mercado relativamente pequeno e existem imensos artistas com qualidade no nosso país, o que dificulta que todos consigam ganhar cota de mercado. Iremos apenas estar presentes em festivais e eventos que justifiquem, para não “cansar” o projeto e as atuações serão escolhidas com critério. 
Temos recebido bastante apoio nas nossas redes sociais (Facebook e Soundcloud) e queremos que quem vá assistir às nossas atuações se identifique connosco e com a nossa música.  
 
É um público difícil de agradar? 
É uma pergunta complexa. Nos dias de hoje está tudo muito rápido. A música está como a fast food... de “consumo rápido”. O público habituou-se a ter muito por onde escolher e tem um grau de exigência muito maior do que tinha antigamente. Não basta a componente musical. Hoje temos de dar um bom espetáculo e boas atuações e é isso que pretendemos fazer. 
 

Nos dias de hoje está tudo muito rápido. A música está como a fast food... de ‘consumo rápido’.

 
Para finalizar, a pergunta que se impõe: quem são os Kanalhas ?
Os Kanalhas são uma dupla composta por dois DJs e produtores: o Stikup e o King Kong (Pedro Maurício).
O Stikup tem um longo trajeto e passou por projetos como Makongo, Flow 212 e agora com os Dynamic Duo tem percorrido os palcos e clubes nacionais. O King Kong esteve ligado à Enchufada (editora dos Buraka Som Sistema) e já produziu temas com o Branko, Fred (Orelha Negra, 5-30, Banda do Mar), além de originais e temas para inúmeros artistas tais como Carlão, Blaya, Diogo Piçarra, Francis Dale, entre outros. Produziu recentemente com Fred a famosa música "Hands Up" para a Moche.
Já nos conhecemos desde o início do movimento Moombahton e da altura do Dirty House (Holandês) e como temos o mesmo gosto musical decidimos produzir algo a dois e ficou logo uma química. A partir daí foi trabalhar e aqui estamos. 


 
Que mensagem querem deixar aos leitores da 100% DJ?


Antes de mais, queremos agradecer à 100% DJ pelo trabalho que tem feito e pela importância que tem no mercado nacional da música eletrónica. Para os leitores, deixamos uma mensagem de agradecimento pelo apoio que temos recebido. A seguir ao verão, iremos iniciar os nossos concertos e esperamos por vocês. 
 

Segue os Kanalhas nas Redes Sociais

   

 
 
Publicado em Entrevistas
Localizada na cidade de El Havre, a primeira cabine pública para DJs em França promete ser uma excelente iniciativa, incluída no projeto “Vibrez au Havre”, com o objetivo de aumentar a criatividade dos habitantes.
 
Este projeto é assinado pela empresa holandesa Yalp Interactive, que também já construiu outras cabines públicas em países como a Noruega e a Finlândia.
 
A cabine dispõe de todo o material que um DJ precisa e funciona a energia solar, a poucos metros da praia e a sua inauguração está prevista para o mês de junho de 2017.
 
A iniciativa foi apoiada pela câmara municipal de El Havre e tem um custo de 200 mil euros. Para quando em Portugal?
 
{youtube}mNL2vpXl3Ek{/youtube}
Publicado em Mix
O Mosteiro da Batalha foi o primeiro local escolhido para o vídeo de estreia da nova iniciativa de DJ Ride, "Scratch Locations", que pretende mostrar a técnica do artista em vários sítios emblemáticos.
 
O vídeo conta com o tema "Volcano" de Woodkid, mas nos próximos vídeos o DJ e produtor português pretende homenagear as suas músicas preferidas.
 
Recorde-se que DJ Ride ficou colocado em 9º lugar no TOP 30 de 2017 do Portal 100% DJ, através da votação do público.
 
Publicado em Artistas
quarta, 21 outubro 2015 19:45

Há sempre um brinde para cada ocasião

Para criar uma ocasião ou um momento especial para recordar mais tarde, juntos de amigos e família, um brinde de vinho, aperitivo e digestivo é uma das melhores companhias. A iniciativa “A Ocasião faz o Copo” inicia em outubro e novembro a “Rota dos Bons Momentos” aos seus clientes, com uma experiência única de partilhar bons momentos em sítios únicos.
 
Para participar nesta iniciativa, basta estar atento ao site oficial e às redes sociais do projeto e no momento em que é anunciada a saída d’A Ocasião faz o Copo, é só partilhar no Instagram uma fotografia com a hashtag “aocasiaofazocopo, acompanhado do local onde estás e ao que queres brindar. A organização da iniciativa vai depois comentar a publicação e combinar o local do encontro, que vai acontecer nas horas seguintes, com direito a um conjunto de bebidas selecionadas.
 
“A Ocasião faz o Copo” é a mais recente iniciativa da PrimeDrinks, uma plataforma de comunicação que junta várias marcas de vinho e bebidas espirituosas como o Esporão, Henricks, Grant’s e The Famous Grouse.
Publicado em Mix

 

Bio Poli é o nome do projeto português de Ana Sofia Malta e Hugo Moreira, um copo reutilizável e ecológico, para ser implantado em eventos e festivais de música.
 
No passado sábado à noite, foi transmitido um novo episódio do “Shak Tank”, na SIC, onde foi apresentado o Bio Poli. Os ‘tubarões’ Susana Sequeira, Tim Vieira e João Rafael Koehler gostaram da ideia e decidiram investir neste projeto.
 
O objetivo deste copo reutilizável, que pode ser personalizado, é evitar a utilização de milhares de copos descartáveis que são deixados no chão e posteriormente levados para aterros sanitários, contribuindo assim para a poluição ambiental. Cada copo de plástico pode demorar cerca de 400 anos para deteriorar-se.
 
O Bio Poli recebeu recentemente uma menção honrosa dos Green Project Awards Portugal 2014. O projeto já marcou também presença em diversos eventos e feiras.
 
 
Publicado em Festivais
A notícia surgiu no dia de hoje através do videoclip lançado pela dupla francesa Daft Punk. Em "Epilogue” os dois músicos responsáveis por algumas das músicas mais dançáveis das últimas décadas, envergando os seus icónicos capacetes de viseiras negras despedem-se um do outro no deserto antes de um deles se autodestruir.

A separação foi depois confirmada pelo manager da dupla composta por Thomas Bangalter e Guy-Manue de Homem-Christo (luso-descendente) - após 28 anos juntos, os músicos vão seguir projetos a solo.

Formada em Paris em 1993, a banda destacou-se com as suas músicas em que misturavam acid house com elementos de pop.

O seu álbum de estreia, “Homework”, é um marco na música de dança. E o seu mais recente trabalho, Random Access Memories ganhou o Grammy pra melhor álbum em 2014.

A dupla demarcou-se pela discrição quanto à sua identidade. Em público apareceram quase sempre de máscara no rosto, em particular com capacetes e guarda-roupa futurista, que marcaram a identidade visual do grupo. Atuaram em Portugal em agosto de 2006 no festival Sudoeste, na Zambujeira do Mar.

O estatuto de estrelas internacionais, com vendas de milhões de exemplares, foi conseguido com temas como One More Time e Get Lucky, com a participação do guitarrista Nile Rodgers e Pharrell Williams.
 
Publicado em Artistas
O DJ e produtor GAMIIX estreou recentemente o seu novo projeto "7ETS em 7SÍTIOS", que, tal como o nome indica, pretende levar os  música eletrónica a sete diferentes sítios, por si escolhidos.

O projeto está disponível no Youtube do artista e o Estádio de Futebol do Samouco, em Alcochete, foi o primeiro local a receber uma viagem musical de cerca de 20 minutos entre as sonoridades Trance e Trap. Já o segundo local, foi a Praia de Albarquel em Setúbal. Os restantes episódios serão lançados nas próximas segundas-feiras.

"Num ano em que nos temos de adaptar e que não há concertos, nem palcos montado, decidi montar o meu próprio palco e tocar em qualquer sítio" refere GAMIIX.

Publicado em Artistas

São dois nomes incontornáveis da cena eletrónica e do hip hop, sobejamente conhecidos pelas suas atuações energéticas e pelas produções repletas de talento. Cruzfader e Stickup dão vida ao projeto Dynamic Duo, que anda imparável e tem percorrido o país em grandes eventos. Durante o Rock in Rio Lisboa, o Portal 100% DJ teve a oportunidade de estar à conversa com a dupla, onde ficámos a saber algumas curiosidades e novidades para o futuro.

 

Com tantas atuações a nível nacional e internacional, como é que vocês têm tempo para os vossos projetos paralelos?
Stikup: Vou dizer uma coisa que parece uma bocado estranha. Nós viemos de uma ‘escola’ chamada turntables, que te dá bastante técnica para se fazer tudo a nível de produção e mistura. O scratch é uma coisa que se ganha, treina-se e tem um complemento totalmente diferente dos outros tipos de DJs. Nós conseguimos fazer isso, conseguimos conciliar tocar aqui hoje, amanhã outro estilo, depois outro e ainda estar a produzir. É um bocadinho por aí. Ajuda-nos bastante.
 
Como é a reação do público aos vossos sets, recheados de hip hop nacional e internacional, que é muito habitual nas vossas atuações?
Stikup: É um complemento. O Cruzfader é o pilar do hip hop dos Dynamic Duo.
Cruzfader: Cada atuação é diferente e cada caso é um caso. Por vezes experimento tocar hip hop e não pega e aí vimos que neste caso será mais música eletrónica, mais comercial.
Stikup: Basicamente, eu acho que esse vai ser o futuro do DJ, ser uma pessoa, que não toque só uma linha de música. Eu vejo isto a longo prazo porque as pessoas cada vez mais estão “come e deita fora”, o chamado consumo rápido. E acho que o DJ já é isso. É aquele DJ que toca tudo, que o faz bem porque também não é fácil tocar todos os estilos musicais.
 

(...) as pessoas cada vez mais estão “come e deita fora”, o chamado consumo rápido.

 
Vocês conseguem observar esse aspeto logo no início das atuações?
Stikup: Não. Dynamic Duo é um projeto 100% freestyle. Se for uma Queima das Fitas como a de Coimbra, nós levamos algo já estruturado ou se for algo diferente usamos mais o microfone, o que conta também bastante hoje em dia, mas usamos muito o freestyle.
Cruzfader: Também tem a ver com o line-up do evento. Se for um cartaz com mais artistas de hip hop, obviamente que o público vai estar mais virado para esse estilo. Se há um cartaz mais virado para o kizomba e outros artistas, vai ser um set mais comercial. A leitura do cartaz em si indica mais ou menos como irá ser o set. Nos primeiros 10 a 15 minutos consegue-se ver o que o pessoal quer ouvir.
Stikup: Muitos DJs não têm noção disto. Como me disse sempre o Cruzfader, “os primeiros 15 minutos são a tua marca”. 
Cruzfader: Outra coisa importante que nós fazemos é criar picos de subida e descida dentro do nosso estilo musical. Por exemplo, quando tem de subir, passa-se por uma coisa mais afro, não propriamente hits. Às vezes o balanço da música, o bpm em si, chama pelo público. Depois vamos contornando. É muito importante fazer a gestão do set, que não é só disparar as músicas: é saber coordena-las com o público para criar um ambiente com altos e baixos.
 
Alguma vez pensaram atuar no Rock in Rio Lisboa?
Cruzfader: Sinceramente, não. Quer dizer, como dupla já me passou pela cabeça aquela vontade.
Stikup: Havia uma vontade mas nunca me passou pela cabeça vir ao Rock in Rio. Tem mais a ver connosco o MEO Sudoeste. Mas o Rock in Rio é o início.
 
O que representa esta atuação para vocês?
Cruzfader: Representa um reconhecimento da nossa rádio, a Mega Hits.
Stikup: Nós estamos aqui muito por causa da Mega Hits. É preciso referir isso. E também é certo que o Rock in Rio também tem a sua parte de dizer vai ou não vai. Por isso é um reconhecimento das duas partes.
 
Para quando um tema original dos Dynamic Duo?
Cruzfader: Não sabemos. Estamos sempre a produzir e a fazer coisas mas ainda não veio essa parte.
 
Que projetos pretendem desenvolver agora a curto prazo?
Stikup: Eu tenho um projeto novo com o Kking Kong, que trabalha com o Branko dos Buraka Som Sistema e com o Sensi, o irmão do Fred dos Orelha Negra, que se chama KNS, ou seja Kanalhas e estamos a vir aí com um registo mais trap, de música mais urbana, mais bass music. Temos os nossos projetos a solo.
Cruzfader: Estamos muito em estúdio, sempre a trabalhar.
 
 
Segue Dynamic Duo nas redes sociais

    

 
Publicado em Entrevistas
A Sound Fusion apresenta os primeiros auscultadores, projetados e fabricados em Portugal, que oferecem uma qualidade de som profissional e que são totalmente personalizáveis, desde o molde até ao design.
 
Os verdadeiros amantes de música, que não dispensam auriculares de alta-fidelidade, vão ficar rendidos aos in ears da Sound Fusion. O molde é feito à medida, por técnicos profissionais, o que permite melhorar a qualidade do som obtido, e o seu design é personalizável, com uma diversidade de cores e insígnias à escolha do cliente.
 
A Sound Fusion é a única empresa em Portugal que produz auscultadores com este nível de personalização e qualidade, permitindo fazer o molde na sua loja. "Só assim é possível uma adaptação perfeita da cápsula ao pavilhão auricular, bloqueando o ruído parasita", esclarece Silas Rechau, fundador da Sound Fusion. Desta forma, deixa também de ser necessário enviar os auscultadores para outros países, caso seja necessário fazer ajustes. Além disso, todos os  materiais Sound Fusion são certificados.
 
O nível profissional dos in ears da Sound Fusion foi já comprovado por músicos e cantores como Boss AC, Maria João, Tiago Machado e Fernando Pereira, que já têm os seus auscultadores personalizados.
 
Clareza de som e proteção auditiva
Com um elevado nível de precisão e equilíbrio, cada auricular apresenta uma configuração interna composta por modelos de três e quatro vias utilizando auscultadores com Balanced Armature (BA) e um crossover integrado de duas vias. O resultado é uma resposta de frequência com graves fortes e detalhados, e uma clareza de som impressionante.
 
"A Sound Fusion nasceu com o objetivo de melhorar as condições de audição de todos os profissionais de som, de comunicação e músicos." refere Silas Rechau.
 
A proteção auditiva é outra das apostas da Sound Fusion. Desenvolvidos para proporcionar uma melhor proteção quando expostos a elevados níveis de ruído, os filtros da Sound Fusion permitem ouvir um som natural. Confortáveis e personalizados, estes filtros acústicos atuam por mais tempo e de forma segura, sem o risco de danificar a audição.
 
 
Publicado em Tech
Breda, na Holanda, é conhecida por ser a cidade natal de vários artistas de música eletrónica conhecidos a nível internacional como Dannic, Tiësto e Hardwell. Por esse motivo, o promotor Frank Martijn Dirks lembrou-se de criar o “Passeio da Fama de DJs”, tal como existe em Los Angeles, nos Estados Unidos da América.
 
Este projeto já recebeu elogios de DJs como Hardwell e Dannic e está à espera de aprovação e de financiamento. Segundo o autor, a ideia será homenagear os melhores artistas de música eletrónica holandeses.
 
Além do Passeio da Fama, outro projeto do promotor pode passar por um monumento que ficará situado perto de Valkenburg.
 
{youtube}R4n-h5h5M-M{/youtube}
Publicado em Mix
Pág. 1 de 2