19-06-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

"DJ Ride Pixel Thrasher live by Nokia Lumia" é o evento que a TMN criou para assinalar o lançamento do Nokia Lumia 920. Live sets interativos ao som de DJ Ride, na Baixa-Chiado PT BlueStation em Lisboa e na loja TMN Boavista no Porto, marcam a iniciativa, que junta tecnologia e música num espetáculo que procura proporcionar "momentos únicos" aos fãs de gadgets.
 
O lançamento do Nokia Lumia contará com uma campanha de comunicação multimeios com presença em Imprensa, Rádio, Internet, mupis de rua e mupis especiais em algumas estações de metro de Lisboa que vão permitir aos passageiros ver e ouvir vídeos do DJ com uma contagem decrescente para DJ Ride Pixel Thraser Live by Nokia Lumia.
 
Sexta-feira, dia do lançamento do novo smartphone, estes mupis especiais – desenvolvidos pela MOP em parceria com a agência de meios Carat - transformar-se-ão em ecrãs que vão transmitir em direto o evento a ter lugar na estação PT Bluestation. Será nas estações do Oriente, Saldanha, Cidade Universitária, Cais do Sodré e Rossio.
 
"Materializar as vantagens de ter permanentemente à mão um Nokia Lumia 920" é o objetivo da organização, que pretende atribuir às pessoas um "lugar central" no primeiro contato com o telefone.
 
Publicado em Mix
A 10ª edição da Sumol Snowtrip, considerado o maior evento de neve da Penísula Ibérica, irá decorrer em Pas de La Casa, em Andorra, entre os dias 23 e 29 de março.
 
DJ Ride, Funk You 2, Nubai Sound System e DJs da Cidade FM são alguns dos artistas convidados, que irão animar os finais de tarde e as festas temáticas dos estudantes finalistas. Jimmy P e Dillaz também irão subir ao palco da Sumol Snowtrip.
 
“À espera de todos está uma semana de pura adrenalina e  Sumol volta a dar o seu melhor para tornar inesquecível esta experiência única na vida dos finalistas que poderão temperar a frescura dos desportos de inverno com a elevada temperatura da música de dança”, revelou Mafalda Carvalho, responsável pelos eventos da Sumol+Compal.
 
Para mais informações consulta o site oficial.
 
Publicado em Artistas
A mais recente campanha publicitária do Festival Eurovisão da Canção de 2018 foi divulgada recentemente e conta com um remix de “Verdes Anos”, um original de Carlos Paredes numa nova versão dos Beatbombers.
 
A dupla campeã mundial de scratch, composta por DJ Ride e Stereossauro, juntou a sonoridade tradicional com o som próprio dos Beatbombers, resultando num tema único.
 
A campanha já conta com mais de 450 mil visualizações e pretende mostrar a cidade de Lisboa, que irá receber o festival no próximo ano depois de Salvador Sobral sagrar-se vencedor na última edição.
 

 

Publicado em Eventos
Diego Miranda, Club Banditz e DJ Ride são as mais recentes confirmações, que se vão juntar a Axwell /\ Ingrosso para um espetáculo épico no MEO Arena na Where’s The Party? by Carlsberg da capital portuguesa.
 
O atual número 58 do Top 100 da DJ Mag já pode ser considerado ‘residente’ das festas da Carlsberg, uma vez que atuou em Cascais, Portimão e regressa a Lisboa. DJ Ride e Club Banditz são as mais recentes aquisições da organização do evento, que pretende assim destacar os talentos nacionais.
 
A terceira edição deste ano do conceito Where’s The Party? by Carlsberg vai acontecer em Lisboa pela primeira vez no MEO Arena, com a estreia nacional do projeto Axwell /\ Ingrosso, no próximo dia 18 de dezembro.
 
A Carlsberg destaca o seu posicionamente de cerveja premium em território nacional com estas festas, ao juntar a sua bebida aos melhores talentos portugueses e estrangeiros da música eletrónica num só lugar.
 
As portas do recinto abrem às 20 horas, com início do espetáculo marcado para as 21h30 e o seu fim às 3 horas da madrugada. Os bilhetes já estão à venda na rede Blueticket e nos locais habituais desde 25,50 a 50,50 euros.
 
{youtube}EcfaoeTrYAs{/youtube}
Publicado em Eventos
"Arranha discos" como ninguém, e isso faz dele um campeão a nível mundial e nacional. É uma referência na música urbana, dando cartas na mistura de diferentes sonoridades. Em conjunto com o Stereossauro, forma os 'Beatbombers', onde assegura existir um companheirismo que os faz puxar um pelo outro.
Nesta entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ, confessa não ter qualquer tipo de segredo na ponta dos dedos para conseguir triunfar importantes títulos, antes pelo contrário, Ride considera que este é o resultado de "muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas e a idealizar set's". Na manga para concretizar, a curto prazo, tem "cenas novas" enquanto 'Beatbombers', e um novo espetáculo que sincroniza música, vídeo e luzes.
Também nesta conversa, analisa o Turntablism e o Scratch em Portugal, revela as suas referências, com quem gostava de fazer um B2B e comenta a questão da pirataria. Estas e outras curiosidades, na primeira pessoa: eis DJ Ride.
 
 
Como surgiu a tua incursão na música?
Antes de se tornar no meu "ganha pão" a música esteve sempre presente, fosse nas aulas de teclados que tive com 10 anos, em programas de rádio que tinha mais uns amigos quando andava na escola, ou em brincadeiras com os primeiros softwares de produção a que tive acesso. Eu tive sempre um fascínio enorme pelo gira-discos (a minha Mãe contou-me que quando tinha dois anos de idade apanhei-a distraída e parti a agulha do gira-discos lá de casa, naquele que foi provavelmente o meu primeiro scratch). Nunca consegui explicar muito bem, mas sabia que podia utilizar o scratch como um instrumento e que isso me iria ajudar ao vivo e na produção, e assim foi.
 
Quando compraste o teu primeiro gira-discos? Ainda o usas ou está 'relegiosamente' guardado?
Em 2002. Ainda o uso bastante porque é o clássico Technics MK2, tenho também um vestax PDX e um Vestax QFO, mas continuo a tocar com os Technics.

Em conjunto com o Stereossauro, formas os 'Beatbombers'. Como surgiu esse projeto?
Somos da mesma cidade - Caldas da Rainha -, e conhecemo-nos mais ou menos quando estávamos a começar. Tornámo-nos grandes amigos e sentimos que devíamos oficializar aquilo que já fazíamos quando tocávamos juntos. Aprendemos e evoluímos muito, quer no scratch ou na produção, sempre puxámos muito um pelo outro. Ganhar o Mundial foi muito importante e foi recompensador por todo o trabalho que já desenvolvemos no Turntablism.
 

Não existem segredos. No fundo é muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas.


Desde 2003 que ganhas importantes títulos. Podes revelar-nos o ou os segredos que tens na 'ponta dos dedos'?
Penso que não existem segredos. No fundo, é muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas e a idealizar os sets. No que diz respeito aos campeonatos, há uma disciplina que não pode ser descurada, tens de planificar, produzir e treinar os sets ao segundo. Nos primeiros campeonatos cheguei a mandar fazer ''dubplates'' com os meus próprios samples, hoje com o ‘serato’ essa parte é mais simples. 

O que representa para ti cada título recebido? É um estímulo para desenvolver mais e melhor?
É uma recompensa pelo trabalho, principalmente pela parte que ''não se vê'', das centenas de horas fechado no estúdio a aprimorar técnicas e a criar. Todo esse processo ajuda a melhorar, a evoluir e a crescer como DJ e como músico.
 
Ter o título de 'Campeão do Mundo' é, de certa forma, uma grande responsabilidade...
Sem dúvida. Eleva a fasquia e há sempre uma pressão acrescida nos sets porque o público quer ver um pouco daquilo que fazemos nos campeonatos, mas eu lido bem com isso.

 
Quando participas em competições, guardas algum amuleto? Tens algum ritual supersticioso?
Sim, tenho alguns rituais e guardo sempre as credenciais e alguns prémios. Sou bastante supersticioso, entro sempre com o pé direito em palco, por exemplo.

Fala-nos um pouco sobre o projeto 'Pixel Thrasher'.
O live-act ''Pixel Thrasher'' é o meu show de vídeo scratch, em que manipulo som e imagem ao mesmo tempo, tudo através dos pratos. Uso o software 'Serato vídeo', em vez de passar ficheiros áudio passo vídeos, que saem diretamente para o projetor ou led wall. Tive uma equipa de seis pessoas a trabalhar, pessoal da Rockit Video dirigidas pelo Gonçalo Santos, desde conteúdos originais, edições de vídeos virais, temos um featuring do Bruno Aleixo - bastante conhecido -, e algum sampling de filmes clássicos.
 

É uma lufada de ar fresco que a movida noturna precisa?
Acho que esse 'refresh' está a acontecer, com muito sangue novo, novos projectos dentro da eletrónica mais alternativa e novas promotoras.
 
Trabalhas com várias marcas. Consideras que as mesmas são importantes na carreira de um artista? Em que moldes?
Muito mesmo. Depende sempre dos objetivos e da forma como queres gerir a tua carreira, e como consegues conciliar isso sem comprometer a parte ''artística''. Graças a parcerias que criei com algumas marcas, consegui financiar discos, projetos, ajuda nas minhas tour's e arranjar mais equipamento para o estúdio e para os meus gigs (com o sponsor da Rane, por exemplo). Sem todos os apoios dificilmente conseguia financiar os meus álbuns, investir no estúdio, equipamento e projetos, vídeos, etc... Tenho tido sorte, também porque nunca ninguém me impôs nada, a nível musical ou estético, sempre participei em coisas com o qual me identifiquei a 100% e sempre respeitaram as minhas escolhas musicais. De outra maneira, recusava.

Qual o gig que mais te marcou e porquê?
Sudoeste 2010, Pixel Thrasher no LUX e o primeiro Mundial em que participei (e o de 2010). Em 2007 fiquei em último lugar, em 2010 fiquei em primeiro. Foi uma boa lição.
 
Quais são as tuas referências e com quem gostarias de fazer um B2B?
Desde Q-bert, D-styles, Ricci Rucker, a Modeselektor, Zomby, Mala, Lunice, A-trak, dj Craze, Flying Lotus, J Rocc, Dimlite, Prefuse 73 e muitos outros... Um B2B... provavelmente com o J Rocc, Egon, Edan ou o Craze.
 
Nos dias de hoje, o que consideras mais importante para um DJ ter sucesso?
Apresentar algo diferente dos outros. Ter conteúdos frescos e originais, produzir boa música e, mais do que nunca, ter uma boa performance ao vivo.
 
Como é que vês o Turntablism e o Scratch em Portugal? Há condições para crescer e motivação necessária para quem deseja começar?
Existem bons scratcher's e muito bons DJ's. Penso que se calhar falta mais união, jam sessions e brainstormings. Faltam também mais tools (só existem dois discos de scratch, o Tuga Breakz/beatbombers e o 180 GR). Os campeonatos têm sido irregulares a meu ver, porque existem uns com muitos participantes e outras edições com muito pouca gente, talvez mais divulgação e profissionalismo nestas ações, ajudava. Mas temos muito pessoal com talento e bastante motivados. E sem dúvida pelo que já alcançámos (Beatbombers), isso serve de motivação e animo a nossa comunidade.
 
Já te passou pela cabeça dar formação na área?
Eu dei aulas durante dois anos na ETIC e dou vários workshops. É importante passar a mensagem e dar algo para a comunidade. Adoro partilhar aquilo que sei, e adoro estar ao lado de pessoas cheias de vontade e motivadas para aprenderem coisas novas.
 
Consideras que os portugueses são um público dificil de agradar?
É relativo. Depende do meio... Provavelmente nos grandes centros urbanos temos um público mais informado, e em certas zonas do país ainda temos pessoas que só ouvem house comercial e o que passa na Rádio. A Internet teve um papel super importante na divulgação da música, principalmente de cariz mais alternativo. Hoje com o público mais novo, têm um gosto mais vasto e, digamos, mais crossover e open minded do que no passado. Acho que os 'tugas' são difíceis de agradar quando experimentas coisas diferentes do seu registo ''habitual''. Às vezes parece que querem ouvir sempre o mesmo set, ou um caminho mais ''obvio''. Mas depende sempre do contexto e de onde se toca e para quem se toca. Sinceramente, acho que estamos a atravessar uma altura excelente para quem arrisca, já que existem muitos estilos que não funcionavam há uns anos atrás e hoje em dia há muito mais procura por coisas diferentes.
 

Penso que as pessoas têm de se habituar a voltar a pagar pela música que ouvem.

Como vês o assunto da pirataria, downloads ilegais, etc?
Acho que é uma questão de bom senso. Acho que toda a gente faz downloads ilegais, de uma maneira ou de outra. A questão passa por recompensar o artista mais cedo ou mais tarde. As vezes 'saco' coisas mas acabo sempre por comprar o vinil daquilo que realmente gosto e aí estou de consciência tranquila. 'Saquei' o MP3 para ouvir um pouco e assim que consigo compro o original ou vou ver um espetáculo e faço questão de pagar o bilhete. Penso que as pessoas têm de se habituar a voltar a pagar pela música que ouvem.
 
Que equipamento consideras essencial numa cabine?
O meu rider técnico reflete aquilo que para mim é essencial, mesa Rane TTM62, dois pratos Technics mk2 ou MK5, Pads Maschine, Mac Book Air e um micro shure SM58.
 
Quais são os teus projetos a curto prazo?
Produção, remixes, cenas novas enquanto 'Beatbombers', novo show a partir deste mês ''LIVE IN LOOPS'', é um live-act que engloba música, vídeo e luzes, tudo sincronizado, levado a cabo por mim e por uma equipa de quatro elementos, noites rockit e outras surpresas.
 
Que mensagem deixas aos leitores desta entrevista e do Portal 100% DJ?
Keep your ears Open! Keep Diggin! Keep Scratching! One love!
 
 
 
 
Publicado em Entrevistas
domingo, 26 maio 2019 22:30

DJ Ride volta à Ásia em digressão

O artista português DJ Ride está de volta ao continente asiático em digressão, tendo já atuado em Guanzhou e Shangai nos dias 24 e 25 de maio. No próximo mês seguem-se mais quatro espetáculos.
 
Nanning, Zhuhai, Pequim e ainda outro local a anunciar serão as próximas paragens do membros dos Beatbombers, depois de no início do ano ter participado no Red Bull Thre3style no Taiwan.
 
Recorde-se que DJ Ride foi um dos artistas mais votados para o TOP 30 do Portal 100% DJ de 2018 tendo ficado colocado em 8º lugar.
 
Publicado em Artistas
O Mosteiro da Batalha foi o primeiro local escolhido para o vídeo de estreia da nova iniciativa de DJ Ride, "Scratch Locations", que pretende mostrar a técnica do artista em vários sítios emblemáticos.
 
O vídeo conta com o tema "Volcano" de Woodkid, mas nos próximos vídeos o DJ e produtor português pretende homenagear as suas músicas preferidas.
 
Recorde-se que DJ Ride ficou colocado em 9º lugar no TOP 30 de 2017 do Portal 100% DJ, através da votação do público.
 
Publicado em Artistas
O evento Red Bull Music Academy Culture Clash vai pisar solo português pela primeira vez no Coliseu dos Recreios em Lisboa, no próximo dia 20 de outubro, depois de percorrer cidades como Londres, Nova Iorque, Toronto e Milão.
 
Uma das salas de espetáculos mais conhecidas de Portugal vai receber quatro crews em quatro palcos diferentes, com uma interação enorme com o público e deixando a decisão da vitória nas mãos do mesmo, através de um sonómetro que vai medir o número de decibéis do entusiasmo dos presentes durante a atuação de inúmeros artistas.
 
Foram convidadas quatro crews com sonoridades completamente diferentes. A primeira, chamada de Club Atlas, é representada por Branko, Riot, Kalaf, Pongolove, Carlão e Fred Ferreira.
 
A Moullinex Live Machine crew conta com o próprio Moullinex, Xinobi, Da Chic e The Legendary Tigerman, enquanto que a crew Matilha tem DJ Ride, Jimmy P e MGDRV na sua equipa.
 
A última crew chama-se Batida + Kambas e o Próprio Kota! E junta Portugal e Angola com artistas como Batida, DJ Satélite, Karlon, André Cabral, Gonçalo Cabral, Bernardino Tavares e Bonga.
 
Os bilhetes para este evento estão disponíveis nos locais habituais com preços a partir dos 20 euros.
 
{youtube}1SjawsIlZgA{/youtube}
Publicado em Eventos
O artista português está a preparar um novo espetáculo, a estrear na primeira edição do Lisboa Dance Festival, que vai decorrer entre os dias 4 e 5 de março, na Lx Factory.
 
Esta nova performance será única e muito especial, com a participação de maior parte dos convidados do seu último álbum “From Scratch”, como HMB, Jimmy P, Stereossauro, Holly, MGDRV e Capicua.
 
Ainda antes da sua atuação, no dia 5 de março pelas 23h30, DJ Ride vai lecionar uma masterclass do programa Talks, dedicada ao scratch e à produção musical. O acesso à masterclass é livre para portadores de pulseira do Lisboa Dance Festival.
 
Seven Vath, Ame, Move D, Motor City, Drum Ensemble, Prosumer e Norman Nodge são outros nomes que constam no cartaz da primeira edição do Lisboa Dance Festival. Os bilhetes estão disponíveis a um preço de 50 euros nos locais habituais.
 
Dj Ride Live Band! últimos ensaios para o nosso primeiro concerto, dia 5 Março no Lisboa Dance Festival .Desde o meu primeiro álbum que eu sonhava um dia poder ter uma banda que tocasse no verdadeiro sentido da palavra os meus temas. O Lisboa Dance Festival convidou-me para fazer a apresentação do meu disco ''From Scratch'', em que vou reunir grande parte dos convidados e será a nossa primeira vez com esta formação, Fred, Gui, Zé Maria, Ariel e Ride. Este é um snippet gravado directamente na GoPro do tema ''Surprise Box''. Não faltem dia 5! LDF, Lx Faktory.
Publicado por Dj Ride em Domingo, 28 de fevereiro de 2016
 
Publicado em Artistas
Após ter sido alvo de uma fiscalização este mês, enquanto decorria a sua atuação, o DJ português decidiu partilhar alguns conselhos aos seus colegas de profissão através da sua página oficial do Facebook.
 
“Se compras 90% da música que passas ninguém te vai chatear.. (guarda as facturas numa pasta ou numa cloud onde possas aceder rapidamente). Se és produtor, regista as tuas músicas (o que também é super importante noutras situações) e tenta ter algo contigo que possa provar que os temas são mesmo teus”, revelou o artista na rede social.
 
Em relação à compra de músicas, o campeão mundial de scratch salienta que é um aspeto muito importante para evitar situações desagradáveis e que fez alguns esforços no início da sua carreira: “Quando comecei, tocava de borla e só passava vinil, os 12'' custavam entre 8 a 20 euros. Cheguei a saltar muitas refeições para poder comprar discos. Sem sacrifícios não se chega a lado nenhum. Se passas música de outras pessoas, tens de fazer a tua parte também…”.
 
DJ Ride detalhou ao pormenor e elogiou a fiscalização feita. “(…) Gostei da maneira como fui abordado. Não tive de interromper a música, perguntaram-me que CD estava a tocar, expliquei que não toco com CD's ou Pen's, e por acaso estava a tocar músicas originais minhas, que estão registadas na SPA (Sociedade Portuguesa de Autores). Dei o meu nome e número de registo e foi isso.”, descrevendo assim toda a situação.
 
Por fim, o português deixou algumas dicas aos seus colegas: “Deixo o desafio a todos os agentes envolvidos nesta questão, instituições que tratam dos direitos de autor, DJ's, músicos e produtores para haver uma conversa, de forma a todos perceberem os diferentes universos de cada um dos envolvidos e esclarecermos finalmente muitas dúvidas que ainda existem.”.
 
As dúvidas que Ride quer ver esclarecidas, estão relacionadas com “uma grande lacuna na legislação no que diz respeito a remix's e mashups, entre outras ‘práticas’ comuns dentro da música eletrónica.”, revelando que “é impossivel ter uma declaração de todos eles…”.
 
Publicado em Artistas
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.