22-02-2020

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

"Arranha discos" como ninguém, e isso faz dele um campeão a nível mundial e nacional. É uma referência na música urbana, dando cartas na mistura de diferentes sonoridades. Em conjunto com o Stereossauro, forma os 'Beatbombers', onde assegura existir um companheirismo que os faz puxar um pelo outro.
Nesta entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ, confessa não ter qualquer tipo de segredo na ponta dos dedos para conseguir triunfar importantes títulos, antes pelo contrário, Ride considera que este é o resultado de "muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas e a idealizar set's". Na manga para concretizar, a curto prazo, tem "cenas novas" enquanto 'Beatbombers', e um novo espetáculo que sincroniza música, vídeo e luzes.
Também nesta conversa, analisa o Turntablism e o Scratch em Portugal, revela as suas referências, com quem gostava de fazer um B2B e comenta a questão da pirataria. Estas e outras curiosidades, na primeira pessoa: eis DJ Ride.
 
 
Como surgiu a tua incursão na música?
Antes de se tornar no meu "ganha pão" a música esteve sempre presente, fosse nas aulas de teclados que tive com 10 anos, em programas de rádio que tinha mais uns amigos quando andava na escola, ou em brincadeiras com os primeiros softwares de produção a que tive acesso. Eu tive sempre um fascínio enorme pelo gira-discos (a minha Mãe contou-me que quando tinha dois anos de idade apanhei-a distraída e parti a agulha do gira-discos lá de casa, naquele que foi provavelmente o meu primeiro scratch). Nunca consegui explicar muito bem, mas sabia que podia utilizar o scratch como um instrumento e que isso me iria ajudar ao vivo e na produção, e assim foi.
 
Quando compraste o teu primeiro gira-discos? Ainda o usas ou está 'relegiosamente' guardado?
Em 2002. Ainda o uso bastante porque é o clássico Technics MK2, tenho também um vestax PDX e um Vestax QFO, mas continuo a tocar com os Technics.

Em conjunto com o Stereossauro, formas os 'Beatbombers'. Como surgiu esse projeto?
Somos da mesma cidade - Caldas da Rainha -, e conhecemo-nos mais ou menos quando estávamos a começar. Tornámo-nos grandes amigos e sentimos que devíamos oficializar aquilo que já fazíamos quando tocávamos juntos. Aprendemos e evoluímos muito, quer no scratch ou na produção, sempre puxámos muito um pelo outro. Ganhar o Mundial foi muito importante e foi recompensador por todo o trabalho que já desenvolvemos no Turntablism.
 

Não existem segredos. No fundo é muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas.


Desde 2003 que ganhas importantes títulos. Podes revelar-nos o ou os segredos que tens na 'ponta dos dedos'?
Penso que não existem segredos. No fundo, é muito treino, muitas horas no estúdio a aprender técnicas novas e a idealizar os sets. No que diz respeito aos campeonatos, há uma disciplina que não pode ser descurada, tens de planificar, produzir e treinar os sets ao segundo. Nos primeiros campeonatos cheguei a mandar fazer ''dubplates'' com os meus próprios samples, hoje com o ‘serato’ essa parte é mais simples. 

O que representa para ti cada título recebido? É um estímulo para desenvolver mais e melhor?
É uma recompensa pelo trabalho, principalmente pela parte que ''não se vê'', das centenas de horas fechado no estúdio a aprimorar técnicas e a criar. Todo esse processo ajuda a melhorar, a evoluir e a crescer como DJ e como músico.
 
Ter o título de 'Campeão do Mundo' é, de certa forma, uma grande responsabilidade...
Sem dúvida. Eleva a fasquia e há sempre uma pressão acrescida nos sets porque o público quer ver um pouco daquilo que fazemos nos campeonatos, mas eu lido bem com isso.

 
Quando participas em competições, guardas algum amuleto? Tens algum ritual supersticioso?
Sim, tenho alguns rituais e guardo sempre as credenciais e alguns prémios. Sou bastante supersticioso, entro sempre com o pé direito em palco, por exemplo.

Fala-nos um pouco sobre o projeto 'Pixel Thrasher'.
O live-act ''Pixel Thrasher'' é o meu show de vídeo scratch, em que manipulo som e imagem ao mesmo tempo, tudo através dos pratos. Uso o software 'Serato vídeo', em vez de passar ficheiros áudio passo vídeos, que saem diretamente para o projetor ou led wall. Tive uma equipa de seis pessoas a trabalhar, pessoal da Rockit Video dirigidas pelo Gonçalo Santos, desde conteúdos originais, edições de vídeos virais, temos um featuring do Bruno Aleixo - bastante conhecido -, e algum sampling de filmes clássicos.
 

É uma lufada de ar fresco que a movida noturna precisa?
Acho que esse 'refresh' está a acontecer, com muito sangue novo, novos projectos dentro da eletrónica mais alternativa e novas promotoras.
 
Trabalhas com várias marcas. Consideras que as mesmas são importantes na carreira de um artista? Em que moldes?
Muito mesmo. Depende sempre dos objetivos e da forma como queres gerir a tua carreira, e como consegues conciliar isso sem comprometer a parte ''artística''. Graças a parcerias que criei com algumas marcas, consegui financiar discos, projetos, ajuda nas minhas tour's e arranjar mais equipamento para o estúdio e para os meus gigs (com o sponsor da Rane, por exemplo). Sem todos os apoios dificilmente conseguia financiar os meus álbuns, investir no estúdio, equipamento e projetos, vídeos, etc... Tenho tido sorte, também porque nunca ninguém me impôs nada, a nível musical ou estético, sempre participei em coisas com o qual me identifiquei a 100% e sempre respeitaram as minhas escolhas musicais. De outra maneira, recusava.

Qual o gig que mais te marcou e porquê?
Sudoeste 2010, Pixel Thrasher no LUX e o primeiro Mundial em que participei (e o de 2010). Em 2007 fiquei em último lugar, em 2010 fiquei em primeiro. Foi uma boa lição.
 
Quais são as tuas referências e com quem gostarias de fazer um B2B?
Desde Q-bert, D-styles, Ricci Rucker, a Modeselektor, Zomby, Mala, Lunice, A-trak, dj Craze, Flying Lotus, J Rocc, Dimlite, Prefuse 73 e muitos outros... Um B2B... provavelmente com o J Rocc, Egon, Edan ou o Craze.
 
Nos dias de hoje, o que consideras mais importante para um DJ ter sucesso?
Apresentar algo diferente dos outros. Ter conteúdos frescos e originais, produzir boa música e, mais do que nunca, ter uma boa performance ao vivo.
 
Como é que vês o Turntablism e o Scratch em Portugal? Há condições para crescer e motivação necessária para quem deseja começar?
Existem bons scratcher's e muito bons DJ's. Penso que se calhar falta mais união, jam sessions e brainstormings. Faltam também mais tools (só existem dois discos de scratch, o Tuga Breakz/beatbombers e o 180 GR). Os campeonatos têm sido irregulares a meu ver, porque existem uns com muitos participantes e outras edições com muito pouca gente, talvez mais divulgação e profissionalismo nestas ações, ajudava. Mas temos muito pessoal com talento e bastante motivados. E sem dúvida pelo que já alcançámos (Beatbombers), isso serve de motivação e animo a nossa comunidade.
 
Já te passou pela cabeça dar formação na área?
Eu dei aulas durante dois anos na ETIC e dou vários workshops. É importante passar a mensagem e dar algo para a comunidade. Adoro partilhar aquilo que sei, e adoro estar ao lado de pessoas cheias de vontade e motivadas para aprenderem coisas novas.
 
Consideras que os portugueses são um público dificil de agradar?
É relativo. Depende do meio... Provavelmente nos grandes centros urbanos temos um público mais informado, e em certas zonas do país ainda temos pessoas que só ouvem house comercial e o que passa na Rádio. A Internet teve um papel super importante na divulgação da música, principalmente de cariz mais alternativo. Hoje com o público mais novo, têm um gosto mais vasto e, digamos, mais crossover e open minded do que no passado. Acho que os 'tugas' são difíceis de agradar quando experimentas coisas diferentes do seu registo ''habitual''. Às vezes parece que querem ouvir sempre o mesmo set, ou um caminho mais ''obvio''. Mas depende sempre do contexto e de onde se toca e para quem se toca. Sinceramente, acho que estamos a atravessar uma altura excelente para quem arrisca, já que existem muitos estilos que não funcionavam há uns anos atrás e hoje em dia há muito mais procura por coisas diferentes.
 

Penso que as pessoas têm de se habituar a voltar a pagar pela música que ouvem.

Como vês o assunto da pirataria, downloads ilegais, etc?
Acho que é uma questão de bom senso. Acho que toda a gente faz downloads ilegais, de uma maneira ou de outra. A questão passa por recompensar o artista mais cedo ou mais tarde. As vezes 'saco' coisas mas acabo sempre por comprar o vinil daquilo que realmente gosto e aí estou de consciência tranquila. 'Saquei' o MP3 para ouvir um pouco e assim que consigo compro o original ou vou ver um espetáculo e faço questão de pagar o bilhete. Penso que as pessoas têm de se habituar a voltar a pagar pela música que ouvem.
 
Que equipamento consideras essencial numa cabine?
O meu rider técnico reflete aquilo que para mim é essencial, mesa Rane TTM62, dois pratos Technics mk2 ou MK5, Pads Maschine, Mac Book Air e um micro shure SM58.
 
Quais são os teus projetos a curto prazo?
Produção, remixes, cenas novas enquanto 'Beatbombers', novo show a partir deste mês ''LIVE IN LOOPS'', é um live-act que engloba música, vídeo e luzes, tudo sincronizado, levado a cabo por mim e por uma equipa de quatro elementos, noites rockit e outras surpresas.
 
Que mensagem deixas aos leitores desta entrevista e do Portal 100% DJ?
Keep your ears Open! Keep Diggin! Keep Scratching! One love!
 
 
 
 
Publicado em Entrevistas
Diego Miranda, Club Banditz e DJ Ride são as mais recentes confirmações, que se vão juntar a Axwell /\ Ingrosso para um espetáculo épico no MEO Arena na Where’s The Party? by Carlsberg da capital portuguesa.
 
O atual número 58 do Top 100 da DJ Mag já pode ser considerado ‘residente’ das festas da Carlsberg, uma vez que atuou em Cascais, Portimão e regressa a Lisboa. DJ Ride e Club Banditz são as mais recentes aquisições da organização do evento, que pretende assim destacar os talentos nacionais.
 
A terceira edição deste ano do conceito Where’s The Party? by Carlsberg vai acontecer em Lisboa pela primeira vez no MEO Arena, com a estreia nacional do projeto Axwell /\ Ingrosso, no próximo dia 18 de dezembro.
 
A Carlsberg destaca o seu posicionamente de cerveja premium em território nacional com estas festas, ao juntar a sua bebida aos melhores talentos portugueses e estrangeiros da música eletrónica num só lugar.
 
As portas do recinto abrem às 20 horas, com início do espetáculo marcado para as 21h30 e o seu fim às 3 horas da madrugada. Os bilhetes já estão à venda na rede Blueticket e nos locais habituais desde 25,50 a 50,50 euros.
 
{youtube}EcfaoeTrYAs{/youtube}
Publicado em Eventos
O turntablism vai invadir o Super Bock Super Rock. DJ Shadow e o português DJ Ride são as mais recentes confirmações para o festival, que vai decorrer no Parque das Nações em Lisboa, entre os dias 14 e 16 de julho.
 
Shadow é um DJ norte-americano que é apontado por muitos como o responsável pela criação do género trip hop, com uma mestria e criatividade invejável. O artista sobe ao Palco Carlsberg do Super Bock Super Rock no dia 14 de julho.
 
Com um currículo único e que dispensa apresentações é o português DJ Ride, que vai divulgar o seu mais recente álbum de originais “From Scratch” ao Parque das Nações. A sua atuação está marcada para o dia 16 de julho, também no Palco Carlsberg.
 
Disclosure e Jamie XX são outros dos nomes de música eletrónica já confirmados para o festival português, cujos bilhetes estão à venda a preços entre os 50 e os 95 euros nos locais habituais.
 
{youtube}2NZ6sFJFzRA{/youtube}
Publicado em Festivais
segunda, 26 outubro 2015 21:09

DJ Ride apresenta preview do novo álbum

"From Scratch" é o título do novo álbum de DJ Ride, que verá a luz do dia no próximo dia 6 de novembro, com o selo da Nortesul. A lista de colaborações conta com Dengaz, Stereossauro, Holly, Jimmy P, Valete e muitos outros.
 
Este álbum tem um conceito que “aproxima-se ao de uma mixtape: quis ter um convidado em cada faixa. Este é o meu álbum com  mais vozes e com uma produção mais aprimorada. Foi feito num novo estúdio, com máquinas novas, software novo e mesmo a nível de mistura e masterização tive outro cuidado, algumas das faixas foram masterizadas no Cosmic Zoo em Los Angeles, estúdio onde Flying Lotus, Run The Jewels e outros gravam e misturam”, sublinha DJ Ride.
 
O membro dos Beatbombers lançou recentemente os excertos das músicas do seu novo álbum, que podem ser ouvidos aqui:
 
{youtube}RKRSc9JdgbA{/youtube}
Publicado em Música
O novo álbum de DJ Ride, “From Scratch” está à venda a partir de amanhã e o artista português lançou hoje um documentário sobre a gravação do mesmo, disponível no site oficial da Red Bull.
 
Este documentário demonstra o processo criativo do álbum, incluindo ainda várias fotografias inéditas e relatos de DJ Ride sobre a sua paixão pela música e djing. Foi gravado entre Lisboa e Caldas da Rainha, a terra de onde o DJ é natural, com a presença de vários convidados que fazem parte das colaborações de “From Scratch”.
 
O novo álbum de DJ Ride é lançado para o mercado amanha, dia 6 de novembro e conta com colaborações com Stereossauro, Capicua, MGDRV, entre outros.
 
Publicado em Artistas
sexta, 25 setembro 2015 17:43

DJ Ride oferece álbum inédito aos fãs

Quando comprares a revista Blitz deste mês, colocada hoje nas bancas, vais ter uma surpresa: um disco de DJ Ride totalmente grátis. O álbum intitulado “Remixes & B Sides” contém 17 faixas e colaborações com grandes artistas como Sarah Linhares, The Legendary Tigerman, Capicua, Helena Veludo, HMB, Gentleman, Valete, Batida, Holly e Stereossauro, que Ride produziu nos últimos 10 anos.
 
O DJ e produtor português prepara-se também para lançar o seu próximo álbum de originais, “From Scratch”, no próximo mês de novembro com o selo da NorteSul. No passado fim-de-semana, o artista natural das Caldas da Rainha esteve em Tóquio, a disputar na final da Red Bull Thre3Style World DJ Championships, tendo ficado colocado em 6º lugar.
 
Confere abaixo o alinhamento de “Remixes & B Sides”:
 
  • 1 – DJ Ride – Here Before (Scratch Take feat. Sarah Linhares)
  • 2 – The Legendary Tigerman – Do Come (DJ Ride Remix)
  • 3 – Capicua – Amigos Imaginários (DJ Ride Remix)
  • 4 – DJ Ride – Time Travel (feat. Helena Veludo)
  • 5 – HMB – Como Eu (DJ Ride Rework)
  • 6 – Nery – Paris (DJ Ride Remix)
  • 7 – Pernas de Alicate – Mosca (DJ Ride Remix)
  • 8 – Gentleman VS DJ Ride – Heart Of Rub-a-Dub (Rework)
  • 9 – DJ Ride – Always Remembers
  • 10 – Batida – Ka Heueh (DJ Ride Remix)
  • 11 – Holly – La Vie (feat. Wemvny & DJ Ride)
  • 12 – Susana – A Different Look (DJ Ride Remix)
  • 13 – Lewis M – Cure (DJ Ride Remix)
  • 14 – Beatbombers – LFO Player
  • 15 – DJ Ride – Serbia Interlude
  • 16 – Kika Santos – U Fill Me (DJ Ride Remix)
  • 17 – Micro Audio Waves – Long Tongue (DJ Ride Remix)
 
{youtube}eRmzTQYLf1k{/youtube}
Publicado em Música
A 10ª edição da Sumol Snowtrip, considerado o maior evento de neve da Penísula Ibérica, irá decorrer em Pas de La Casa, em Andorra, entre os dias 23 e 29 de março.
 
DJ Ride, Funk You 2, Nubai Sound System e DJs da Cidade FM são alguns dos artistas convidados, que irão animar os finais de tarde e as festas temáticas dos estudantes finalistas. Jimmy P e Dillaz também irão subir ao palco da Sumol Snowtrip.
 
“À espera de todos está uma semana de pura adrenalina e  Sumol volta a dar o seu melhor para tornar inesquecível esta experiência única na vida dos finalistas que poderão temperar a frescura dos desportos de inverno com a elevada temperatura da música de dança”, revelou Mafalda Carvalho, responsável pelos eventos da Sumol+Compal.
 
Para mais informações consulta o site oficial.
 
Publicado em Artistas
domingo, 28 agosto 2016 23:27

MTV assina festival de regresso às aulas

Este ano o regresso às aulas vai ter outra música com a primeira edição do festival “MTV Back To School” assinado pela MTV Portugal. No dia 17 de setembro, o Campo Pequeno, em Lisboa, será palco de um dia dedicado à música nacional e internacional com um cartaz que levará ao rubro a audiência. 
 
Abraham Mateo, April Ivy, Diego Miranda, Djodje e Dj Ride são os artistas que vão atuar no “MTV Back To School”. O festival promete encerrar em grande as férias de verão com muita música, várias atividades e surpresas.
 
“O regresso às aulas significa uma nova etapa na vida dos estudantes e a MTV Portugal quer estar presente nestes momentos de forma a torná-los memoráveis. Assim surgiu a ideia da primeira edição do festival ‘MTV Back To School’, um dia de festa para ser passado entre amigos com música de grande qualidade e com o cunho da MTV”, explica Victor Mourão, responsável da MTV Portugal. 
 
Os bilhetes já se encontram à venda nos vários locais habituais com valores a começar nos 20 euros.
 
Publicado em Eventos
O português DJ Ride foi selecionado como wild card para representar Portugal na competição Red Bull Thre3Style no Japão e vai documentar a sua viagem através de vários vídeos “Follow The #LuckyBastid”. A estreia será amanhã, com a exibição de um episódio por dia, até 21 de setembro.
 
A competição de DJs Red Bull Thre3Style nasceu no Canadá em 2011 e até agora já sagrou três camepões: DJ Hedspin, DJ Four Color Zack e DJ Shintaro. A única regra deste concurso é que o DJ tem de repreoduzir, no mínimo, três estilos musicais diferentes, juntamente com as suas técnicas e competências. O jurí vai avaliar todos estes aspetos, incluindo ainda a reação do público.
 
DJ Ride foi escolhido para a competição pois segundo Skratch Bastid, DJ canadiano que ficou responsável por selecionar a wild card de 2015, o produtor português contém “equilíbrio entre técnica e musicalidade e as suas seleções”.
 
A eliminatória que poderá dar o acesso de DJ Ride à final será no próximo dia 19 de setembro (sábado), onde vai disputar o lugar com Mr. Skin e Bomber Selecta. A final vai ser no dia seguinte e será transmitida em direto para todo o mundo através de um live stream.
 
Mas DJ Ride não fica por aqui. O artista das Caldas da Rainha ainda arranjou tempo para enviar um freestyle de vídeo scratch par a categoria Visual DJ do DMC World DJ Championships e apelou aos seus fãs, através da sua página oficial de Facebook, para votarem no mesmo.
 
 
Publicado em Artistas
DJ Ride venceu uma de três wildcards e garantiu lugar nas finais na maior competição de DJing do mundo, o Red Bull Music 3Style que acontece ao longo desta semana e até domingo, 27 de Janeiro em Taipé, Taiwan.

Até agora, o DJ das Caldas da Rainhas foi o único português a chegar à fase final desta prova, tendo-se estreado na edição de 2015, no Japão. DJ Ride já conta com o título de bicampeão de mundial de scratch da IDA enquanto "Beatbomber" e em Portugal, por voto do público, ocupa atualmente a posição número 8 do TOP 30 - 100% DJ.

A DJ Ride juntam-se Turne, O-One, Doc Trashz, DJ Ronfa, DJ ONDRASH, Praktyczna Pani, Mighty Atom, DJ Hamma, Mr. Tone, DJ Worm, DJ Beats, DJ FISA, DJ Lautaro Palenque, DJ Morenno, DJ Georgia, J. Espinosa, Trapment, Ameeth Shah, DjNutty, Mark Thompson, Redef, Fummy e Afro para as finais do Red Bull Music 3Style.

DJ Jazzy Jeff e Keys N Krates irão ser os anfitriões nos últimos dias da competição, que acontece até dia 27 de Janeiro, com a grande final no Memorial Nacional Chiang Kai-shek e que pode ser acompanhada na página de facebook da Red Bull Music 3Style.
 
Publicado em Artistas
Pág. 1 de 5
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.