25-05-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

O festival RFM SOMNII, que vai decorrer entre os dias 5 e 7 de julho na Figueira da Foz, além de acontecer na Praia do Relógio vai também invadir a cidade com vários palcos e artistas de outros géneros musicais como pop e hip-hop.
 
O anúncio foi feito hoje, com a confirmação do rapper Tyga e ainda outras novidades. Todos os dias, o cabeça de cartaz do palco principal será um nome de referência mundial dentro dos géneros pop e hip-hop.
 
A organização garante ainda o regresso de grandes nomes da música eletrónica internacional que já estiveram presentes no festival, prontos para reviver momentos únicos do RFM SOMNII.
 
Este ano, a pensar no ambiente, todas as bebidas serão servidas em copos recicláveis, além de uma campanha de sensibilização que será implementada com o lema “O Nosso #Sonho é uma #Praia limpa”.
 
O campismo vai receber várias festas especiais e exclusivas, com uma receção ao campista que promete ser memorável. Depois de terminado o festival, seguem-se as after parties que irão decorrer no centro da cidade da Figueira da Foz em locais como o casino, com a presença de artistas nacionais e internacionais.
 
Por fim, outra das novidades é a pulseira de acesso ao recinto, que será digital e marcará a edição deste ano do RFM SOMNII a nível tecnológico e que facilitará os festivaleiros a nível de bilhética e consumo.
 
Os bilhetes já estão disponíveis nos locais habituais com preços entre os 25 e os 271 euros.
 
 
Publicado em Festivais
O festival Rock in Rio celebra 15 anos das suas edições em Portugal e pretende assinalar esse aniversário com vários eventos que irão decorrer na cidade de Lisboa, com a presença de DJs nacionais.
 
É já neste mês de abril que começam as comemorações, com arranque das Galp Music Valley Sessions no Capitólio, em Lisboa. Nomes como Diego Miranda, Kura e Van Breda irão marcar presença nos dias 11 e 30 de abril e 28 de maio, respetivamente.
 
“São 15 anos de história em Portugal. Parece que foi ontem que chegámos a Lisboa, com o sonho de implementar o maior evento de música e entretenimento que o país alguma vez havia visto. Os números falam por si – cerca de 200 milhões de euros investidos no país, mais de 73 mil postos de trabalho gerados (entre diretos e indiretos), milhares de artistas que passaram pelos nossos palcos, mais de 2 milhões de pessoas que já visitaram a Cidade do Rock”, revelou Roberta Medina, vice-presidente executiva do festival.
 
O maior evento de música e entretenimento do mundo regressa ao Parque da Bela Vista, em Lisboa, nos dias 20, 21, 27 e 28 de junho de 2020 com a Galp como novo patrocinador principal e que dá nome ao palco Music Valley. A edição de 2022 está também já confirmada.
 
Na edição deste ano do Rock in Rio Brasil, alguns artistas portugueses estão confirmados no cartaz, como é o caso de Diego Miranda, Kura e Van Breda.
 
Publicado em Rock in Rio
A maior beach party da Europa anunciou nos últimos dias as novas confirmações para o line-up do evento do norte do país, que vai decorrer nos dias 29 e 30 de junho, na Praia do Aterro Norte em Matosinhos.
 
A EDP Beach Party conta agora com Club Banditz, Dubvision, Pegboard Nerds, LNY TNZ e Kayzo no cartaz, onde já estavam anunciados os nomes de Steve Aoki, Valentino Khan e Timmy Trumpet.
 
Os bilhetes para o festival já se encontram a venda, com preços a partir dos 20 euros, nos locais habituais.
 
Publicado em Festivais
A dupla Disclosure, que tem tido um grande destaque a nível internacional nos últimos anos, está de volta a Portugal para uma atuação no festival Super Bock Super Rock, que vai decorrer entre os dias 14 e 16 de julho, no Parque das Nações em Lisboa.
 
Os irmãos Guy e Howard Lawrence lançaram recentemente um novo álbum intitulado “Caracal”, com participações especiais de grandes nomes como Sam Smith, Gregory Porter, Lorde ou Miguel. Na última edição dos prémios Grammy, o segundo álbum de originais da dupla esteve nomeado como “Melhor Disco de Dança/Eletrónica”. Esta já é a segunda vez que os Disclosure pisam o palco do Super Bock Super Rock e no ano passado estiveram presentes no festival NOS Alive.
 
Os bilhetes já estão disponíveis entre os 50 e os 90 euros na Blueticket, Fnac, Worten, El Corte Inglés, ABEP, Portimão arena, Turismo de Lisboa, Media Markt, Bilheteiras MEO Arena, rede PAGAQUI e Agências Top Atlântico. O Fã Pack exclusivo Fnac já se encontra esgotado.
 
{youtube}b_KfnGBtVeA{/youtube}
Publicado em Festivais
Cada festival de Verão - como o Nos Alive que decorreu a semana passada - poderá ter um retorno mediático máximo de 18 milhões de euros no ano de 2014. O valor - que não integra a dimensão publicitária - é indicado pela Cision, empresa dedicada à monitorização de órgãos de comunicação social em Portugal.
 
Desde o início de 2014 que a Cision está a acompanhar a cobertura mediática que é feita pela comunicação social portuguesa aos festivais de Verão. Entre Janeiro e Julho, e no universo de nove festivais analisados, foram produzidas 15.745 notícias e dedicadas mais de 67 horas de emissão televisiva aos festivais.
 
O Rock in Rio Lisboa liderou o top enquanto festival mais mediático durante os primeiros cinco meses do ano, tendo sido apenas destronado em Junho pelo Nos Primavera Sound - realizado nesse mesmo mês.
 
Apesar de reconhecer "que a força de comunicação do Optimus (agora Nos) Alive está muito grande", Uriel Oliveira, diretor de operações da Cision acredita que vai ser difícil ultrapassar o Rock in Rio. O festival realizado em maio no Parque da Bela Vista, em Lisboa, registou 6.801 notícias e cerca de 48 horas em televisão desde o início do ano, sendo o líder neste indicador.
 
Até ao momento, são os festivais da chancela NOS - Primavera Sound e Nos - a ocupar os restantes lugares do pódio. O festival realizado no Porto obteve 1.952 notícias e cerca de 13 horas de conteúdos em televisão. O Super Bock Super Rock, que se realizará de 17 a 19 de julho no Meco, aproxima-se destes valores.
 
De uma forma global, o Optimus Alive deverá ficar abaixo dos valores registados pelo Rock in Rio, sobretudo porque "não contará com tantos espaços em canais de televisão não exclusivos", explica Uriel Oliveira. O festival de Algés teve apenas um canal exclusivo na operadora Nos e conteúdos na RTP, o que não lhe garante um retorno mediático tão acentuado.
 
Devido à continuidade nas ações de divulgação e comunicação deste género de eventos, cada festival aparece numa média de 400 a 800 notícias nos meses que antecedem o seu arranque, podendo atingir picos noticiosos quando são divulgados os nomes dos cabeças-de-cartaz. Quando se analisa a cobertura mediática no mês de realização do evento, esse número pode escalar para um intervalo entre 2.000 e 3.000 notícias por festival.
 
Fonte: Jornal de Negócios.
Publicado em Festivais
terça, 15 janeiro 2019 22:51

Kraftwerk confirmados no EDP Cool Jazz

O famoso grupo alemão de música eletrónica está de volta a Portugal. Os Kraftwerk são a mais recente confirmação para o festival EDP Cool Jazz, que vai decorrer em Cascais nos dias 9, 10, 16, 20, 24, 25 e 31 de julho.
 
A atuação está inserida na atual digressão dos artistas, que proporcionam um espetáculo único com animações em três dimensões. A última vez que os Kraftwerk estiveram em Portugal foi em 2017, no festival NEOPOP.
 
O espetáculo tem data marcada para o dia 31 de julho, no Hipódromo Manuel Possolo. Os bilhetes encontram-se à venda nos locais habituais com preços entre 45 e os 55 euros.
 
 
Publicado em Festivais
O MEO Sudoeste está de regresso de 4 a 11 de agosto de 2018 e já se conhecem as primeiras confirmações. Hardwell e Marshmello são os artistas divulgados hoje pela organização do festival da Zambujeira do Mar.
 
Os DJs e produtores não são estreias neste evento, tendo já subido ao palco principal da Herdade da Casa Branca em edições anteriores.
 
Os bilhetes já estão à venda com preços entre os 30 e os 180 euros até ao final deste ano. Podes também adquirir o Fã Pack Fnac, que inclui o passe para todos os dias do festival, área de campismo exclusiva, uma t-shirt oficial do MEO Sudoeste e ainda podes ser um dos 20 premiados e ter acesso à zona VIP.
 
Publicado em Festivais
Os habituais copos de plástico descartáveis estão proibidos no recinto do Rock in Rio Lisboa, que vai decorrer nos dias 23, 24, 29 e 30 de junho, no Parque da Bela Vista, em Lisboa.
 
Para substituí-los, a organização do eventos lançou uma coleção exclusiva de copos reutilizáveis que vai ser oferecida a todos os festivaleiros que estiverem dentro da Cidade do Rock. Ao todo, são 10 copos diferentes que podes levar para casa, com um design inspirado na pop art, disponíveis nas medidas de 25, 40 e 50cl. Todos os que reutilizarem o copo irão ter um desconto na Super Bock, Somersby, 7Up e outros refrigerantes.
 
“Apesar de já apresentarmos uma excelente taxa de reciclagem e valorização, ao adotarmos esta medida dos copos reutilizáveis para consumo de bebida dentro do recinto, poderemos, também, diminuir significamente os resíduos produzidos, enquanto incentivamos o nosso público para uma atitude mais sustentável”, referiu Roberta Medina, vice-presidente executiva do Rock in Rio.
 
O festival Rock in Rio foi sempre reconhecido pelas suas iniciativas a pensar no bem-estar do planeta Terra e do seu ambiente, além de proporcionar uma experiência única com boa música aos seus visitantes, tudo “Por um Mundo Melhor”. Até ao momento, o Rock in Rio Lisboa é o único festival certificado a nível nacional com a norma ISSO 20121 – Eventos Sustentáveis.
 
O cartaz do evento encontram-se completo e no line-up constam nomes como The Chemical Brothers, Diego Miranda, Vintage Culture, Moullinex, DJ Vibe, Karetus, Kamala, Rich & Mendes e o famoso conceito Revenge Of The 90s.
 
Os bilhetes para a edição deste ano do Rock in Rio Lisboa encontram-se à venda com preços entre os 69 e os 117 euros.
 
 
Publicado em Rock in Rio
O maior sunset de sempre, que vai decorrer entre os dias 6 e 8 de julho na Figueira da Foz, divulgou hoje o primeiro nome confirmado para a edição deste ano. Tratam-se dos holandeses Yellow Claw, que sobem ao palco do RFM SOMNII no dia 6 de julho.
 
A dupla de música eletrónica regressa a Portugal para apresentar o segundo álbum de originais, intitulado de “Los Amsterdam”, aclamado pela crítica especializada.
 
A organização do festival de música eletrónica promete o anúncio de novos artistas para breve. A edição do ano passado do RFM SOMNII contou com a presença de mais de 100 mil festivaleiros.
 
Os bilhetes já se encontram à venda nos locais habituais a preços entre os 13,50 e os 90 euros.
 
Publicado em Festivais
É um dos nomes da dance scene nacional que todos devem ouvir, ver e lembrar. Com uma carreira além fronteiras, Moullinex pisou o palco Music Valley na edição deste ano do Rock in Rio Lisboa numa atuação energética que pôs todos os presentes a dançar. O Portal 100% DJ esteve à conversa com o artista português nos bastidores do  evento e além da sua carreira, falou-nos sobre as suas parcerias e ainda do seu novo tema editado pela famosa Majestic Casual.
 
Como surgiu a oportunidade de criares remixes para os Two Door Cinema Club ou Cut Copy?
Comecei por fazer remixes não oficiais. Colocava-os online e comecei a ter alguma atenção em blogs, com pedidos para remixes oficiais. O primeiro grande remix foi o dos Cut Copy e mudou muita coisa, começaram a chamar-me aqui e ali para tocar e fazer remisturas. Com os Two Door Cinema Club surgiu nesse mesmo contexto, foi a editora deles que fez o convite. De facto, fiquei muito contente com esse início, foi uma grande ajuda para tudo o que faço agora.
 
Juntamente com Xinobi, és proprietário da editora Discotexas e já trabalharam muitas vezes juntos. O que vos ligou?
Desde o início do projeto Moullinex que eu trabalho com o Bruno (Xinobi), em “modo ping-pong”. Na altura em que eu lhe comecei a falar foi quando ele estava numa banda de rock português, a Vicious Five, que eu gostava muito e quis fazer uma remistura deles. Quem me respondeu ao pedido foi o Xinobi, que era o guitarrista. A partir daí começámos o nosso processo de “ping-pong” que nos motivou muito e então fazia todo o sentido criar a editora. Nós somos praticamente irmãos e vejo-o como um irmão mais velho e o projeto da editora acabou por fazer todo o sentido, para podermos editar a nossa própria música com aquela excitação da ingenuidade, de achar que era tudo muito fácil. É claro que nem sempre é. Fazemos edições digitais e físicas, em vinil e CD, mas editar música digitalmente hoje é muito fácil. Temos a sorte de ter muita gente por todo o mundo que nos apoia.
 
 
Como é aceitar um convite de pisar palcos de grandes festivais como o NOS Primavera Sound ou o Rock in Rio?
É com muito empenho, sobretudo numa altura em que me colocam a tocar em horários nobres e então é um privilégio muito grande. Normalmente respondo a estes desafios com muito trabalho e quero sempre dar o melhor de mim e o melhor espetáculo possível.
 
E o público adere, certamente...
Sim. Tem sido assim e é muito bom sentir esse carinho.
 
Fala-nos do teu tema mais recente, “Dream On”, editado pela Majestic Casual.
Essa editora começou como um canal de Youtube, normalmente com uma fotografia nos vídeos de uma menina bonita ou de um pôr-do-sol, mas depois ficou associada a um certo estilo de música mais chill e alguma eletrónica mais etérea. Na altura, eu tinha esse tema terminado e queria editá-lo o mais rápido possível. A editora mostrou interesse imediato, uma vez que já tinham publicado alguns temas meus e decidimos experimentar. Não queria ter a pressão de associar a música a um álbum ou numa edição mais longa. Tem corrido muito bem. Estou contente.
 
 
O que podes desvendar acerca da tua carreira a curto prazo?
Ainda estou a tocar muito este álbum que saiu em outubro. Acho que funciona muito bem em espetáculo ao vivo com banda e o Ghettoven a interpretar as diferentes personagens que são os cantores convidados. Estou a trabalhar em faixas novas, apesar de ainda não saber se serão apenas singles ou se irei incluir num novo álbum. Tenho uma linha de montagem quase alinhada de coisas para sair e não quero estar à espera de ter 20 músicas prontas para editar um álbum. Vou lançando músicas à medida que elas estiverem prontas e se for caso disso, editá-las. Se depois fizer sentido, ou não, incluí-las num álbum logo decido. Mas, por causa de vir também do mundo da pista, gosto muito de álbuns porque cresci a ouvir artistas de álbuns mas, também venho do mundo das 12 polegadas e faz sentido que as coisas saiam depressa. É uma tirania ter uma música pronta e ter de esperar 5 ou 6 meses para que elas saiam e então gosto de subverter esse processo. Como somos donos da nossa própria editora e donos do nosso destino, temos recursos para o fazer. É um privilegio, claro.
 
Que mensagem gostarias de deixar aos leitores e seguidores do Portal 100% DJ?
Continuem a apoiar a música de dança feita em Portugal. Acho que estamos num momento muito saudável da música de dança portuguesa e é bom sentir isso tanto a falar com público mais jovem como os da velha guarda. Apesar de já não me sentir desta geração, admiro os dois lados e sinto-me um bocado no meio disto tudo. É bom sentir que estamos a viver um momento muito saudável e os artistas estão muito bem representados nos festivais nacionais e internacionais. Para mim, é um privilégio que haja também pessoas interessadas em cobrirem o que está a acontecer, como vocês, e desejo o meu maior apoio para o vosso trabalho.
 

Publicado em Entrevistas
Pág. 1 de 14
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.