21-06-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária

Quando Cultura não rima com Cura e Felicidade com Liberdade

Publicado em terça, 18 maio 2021 21:04 | Escrito por José Manso
Quando Cultura não rima com Cura e Felicidade com Liberdade D.R.
Nunca como hoje foi tão necessário vivermos uns para os outros. Perante as dificuldades causadas pelo medo e pela incerteza, todos conhecemos pessoas que acham que não passa tudo de uma grande mentira, outras que acham que a pandemia foi criada pelo homem, e ainda outras que afirmam que a Covid-19 não passa de uma gripezinha e que temos é que viver normalmente ignorando as consequências...

Com este debate entre tantas opiniões diferentes, que nos fazem agir de formas díspares face ao problema que a humanidade vive, 17 meses depois ainda não conseguimos obter um consenso sobre o comportamento a adotar. Enquanto uns acham que fizeram melhor que os demais, outros acham que estão no caminho certo, e os mais pobres não têm hipótese de fazer de forma diferente!

Será este um problema das democracias, que não tem poder para impor regras unânimes de forma autoritária, estando estas limitadas a recomendar a vacinação para todos aqueles que podem ser vacinados? 

Será que esta pandemia poderá causar um desequilíbrio político-social a nível mundial e potenciar o regresso de movimentos autocráticos, de regimes ditatoriais? Somos diariamente e crescentemente confrontados com agressões por grupos de jovens desesperados com a ausência de um futuro, com crimes domésticos, com violência sobre os mais fracos e sobre as mulheres em geral, com violência e abuso de crianças, com assaltos e um desrespeito generalizado pelas forças da ordem! Caso os regimes democratas não optem por endurecer as medidas de contenção e, ao mesmo tempo, de proteção aos mais vulneráveis, estarão a abrir a porta a populistas com vontade de se apresentarem como justiceiros do povo e salvadores da Pátria. 

A desconfiança que se instalou entre as pessoas, nos locais de trabalho, na sala do restaurante, nos transportes públicos, na fila do supermercado e até no próprio seio familiar, fez com que a proximidade e o contato - o mero abraço ou beijo ao pai, à mãe aos avós - sejam um gesto que acarreta riscos que não nos atrevemos a correr. 

Chegamos, aliás, a um ponto em que estão em causa os hábitos e a estrutura sociocultural existentes nos países ocidentais.

Dito isto, é agora tempo de falarmos de cultura e de entretenimento, tal como estávamos habituados a viver. E digo estávamos porque não sei se iremos retomar esses hábitos em breve - na realidade a cultura e o entretenimento, nos seus formatos pré-pandémicos, implicam o ajuntamento de centenas, milhares de pessoas que, em conjunto, saltam, riem, se abraçam e beijam... Todos esses comportamentos que nos fazem felizes, permitem-nos descontrair e descomprimir de uma semana de trabalho ou de um momento menos bom na vida. 

Será que vamos em breve voltar ao dito normal de 2019, ou recomeçar no formato de há de 40 anos, onde tudo tinha menores dimensões? Apesar da enorme vontade de voltar aos festivais de grandes proporções, as regras sanitárias vão ditar já de si algumas restrições que, aliadas à crise financeira, ao aumento do desemprego e consequente perda de poder de compra, e conjugadas com o medo e algum trauma coletivo em voltar a grandes multidões, irão certamente ter um forte impacto na indústria da cultura e entretenimento. 

Se esta for a possível normalidade nos próximos dois anos, acredito que está na hora de todos nos adaptarmos, acreditando que vai ser possível regressarmos aos nossos eventos, agindo em conjunto para o bem de todos!
 
José Manso
Este artigo foi lido 266 vezes