29-11-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária

«Das duas, três»

Publicado em segunda, 01 novembro 2021 18:52 | Escrito por José Manso
«Das duas, três» D.R
Quando tudo parece ter regressado à dita normalidade, as notícias de um eventual regresso aos confinamentos surgem a pesar, mais uma vez, sobre a cultura, mais precisamente sobre o entretenimento, e discotecas, eventos e festivais parecem ser os primeiros da lista.
 
Ou as vacinas demonstram que dão realmente uma proteção elevada para defender os vacinados (e salvaguardar o próprio sistema de saúde), ou seremos obrigados a montar uma operação “Gouveia de Melo, ato 2”. Ou, numa terceira hipótese, encerramos tudo de novo - ou seja: das duas, três!
 
A cultura já foi interditada por motivos políticos (tempos da União Soviética), por motivos religiosos (regime talibã) e agora por motivos sanitários (pandemia da COVID-19).
 
Pois bem, para DJs e produtores de música eletrónica qual é a perspetiva? Para muitos as economias já são escassas, os recursos e as ajudas deixaram de existir - que farão face a uma nova paragem? Terão muitos deles a obrigação de se reinventar ou de mudar de profissão e deixar de fazer o que os apaixona, ou bastará aguardar que se reponham ajudas e esperar que tudo reabra? Mas, na realidade, será que voltarão a ser recordados e amados como em 2019? Será que esta geração de artistas propulsionados pela internet e os seus algoritmos de interação possa tão depressa desaparecer para dar lugar a novas caras? Resumindo: aguardar, mudar de estilo ou, como terceira hipótese, mudar de atividade?
 
E para os profissionais do entretenimento, será que o verão de 2022 vai ser igual aos de 2020 e 2021? Se assim for, interrogo-me sobre o nosso futuro, porque além da questão financeira, fica a sensação de que esta passou a ser uma profissão sem futuro, onde tudo fica remetido a esparsas oportunidades de espetáculos à margem do essencial das nossas vidas. Seremos os empestados que só sobreviverão na marginalidade da lei sanitária em vigor. Das duas, três: esperar que tudo se mantenha como está, candidatar-se a esmola do Estado ou mudar de atividade.
 
É muito importante que os nossos dirigentes entendam que a cultura não pode ser MAIS UMA VEZ encerrada, colocando numa situação desastrosa milhares, milhões, de famílias pelo mundo e decretando o fim de uma atividade essencial para o bem-estar e equilíbrio das nossas sociedades.
 
José Manso
Este artigo foi lido 220 vezes