21-06-2021
  Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Diária

Cultura Remota e Monetização

Publicado em segunda, 10 maio 2021 18:05 | Escrito por Miss Sheila
Após todo este período de pandemia, confinamentos e o impacto negativo que sabemos ter afetado o mercado da electrónica em Portugal e no mundo, com os clubs e eventos em "standby" decidi fazer uma retrospectiva e a minha opinião para o futuro, relativamente às opções adoptadas pela maioria do mercado de forma a subsistir e promover os projectos.

Todo o mercado teve de se adaptar ao inesperado, fosse para conseguir liquidez ou para manter o "hype". Fazer uma revisão ao plano de negócio como as redes sociais, press kit, biografia, conteúdo vídeo e audio, programas de rádio e claro, todo o trabalho de estúdio foi das primeiras atitudes que a meu ver deveriam ser tomadas. Com o tempo livre extra, foi uma excelente altura para parar e analisar tudo isto e decidir o que mudar ou acrescentar.

Recentemente abordei a questão "A conexão que falta", onde fiz uma relação entre os eventos “stream” e a ligação com o publico. Com esta questão segue-se outra muito relevante e imprescindível é a sua abordagem, a questão da monetização (o processo de converter algo em dinheiro).

Os live streams foram e são óptimos para promoção de identidades, locais, conteúdo, etc. A meu ver é algo que se vai manter no futuro, ainda mais tendo em conta que já era algo que vinha a crescer. 
Contudo, falha aqui um aspeto muito importante para a subsistência de qualquer indivíduo, a forma de "financial income" para pagar as contas e investimentos.

Na minha opinião, algumas das formas para monetizar ao máximo (possível) passam por:

- Live Streams, é possível monetizar com os streams, seja através das estrelas no Facebook, os subscritores e donations no Twitch e Youtube ou mesmo através de bilhetes adquiridos previamente em plataformas para essas mesmas atuações em exclusivo num website privado.

- Streaming, quando tens música ou conteúdos em plataformas como Spotify, Youtube, Youtube Music, Apple Music, Deezer, etc., esses conteúdos devem ser monetizados. Há um benefício gerado a partir de direitos de autor para a reprodução e esse pagamento é feito ao compositor por cada uma das suas músicas ouvidas na respetiva plataforma de streaming. Mais abaixo um exemplo de algumas cotações de streaming interativo:
 

 

- Merchandising, é uma estratégia muito utilizada, através de vestuário, acessórios, autocolantes, etc. Aqui a finalidade é a monetização em paralelo com a publicidade no "e-comerce", resumidamente é um conjunto de técnicas para dar visibilidade ou promover um produto ou serviço a potenciais clientes de forma assertiva num meio publicitário diferente do habitual.
 
- Patrocínios, é fundamental ter parcerias e apoios com marcas, não só pela liquidez mas também por visibilidade, reconhecimento e redução de custos.
 
- Cursos e Masterclasses, este período tem sido ótimo para todos os que querem adquirir algum conhecimento extra com alguns dos melhores nomes do mercado, o tempo livre gerado pela pandemia levou a que houvesse também mais tempo para o desenvolvimento de Masterclasses e Cursos, sendo estes extremamente personalizados até ao mais pequeno pormenor desejado. Estes aparecem nos mais variados formatos: Djing, Produção, Masterização, Management, Agenciamento entre muitos outros.
 
Estas são algumas ideias que cada um pode adaptar mediante as suas necessidades e capacidades de monetização. São também opções a considerar numa carreira, seja no presente ou no futuro.

Para acabar é importante referir que a principal receita da maioria dos artistas de electrónica é proveniente das atuações ao vivo (Concert Tickets), por isso, abram os clubs e realizem os eventos, todos temos que monetizar!
 
Este artigo foi lido 473 vezes