Diretor Ivo Moreira  \  Periodicidade Semanal

O Regresso de uma Noite Anunciada

Publicado em quarta, 02 março 2022 20:59 | Escrito por Zé Gouveia
O Regresso de uma Noite Anunciada D.R
Ultrapassados quase dois anos, os bares e discotecas, de Norte a Sul do Portugal Noturno, voltam a abrir portas sem restrições. Aquela que foi a indústria mais afetada em toda a Era pandémica, é agora a mais livre.

Junta-se à ausência de máscaras, o levantamento da necessidade de apresentação de qualquer certificado ou teste Covid, e assim o fim de todas e qualquer restrição, regressamos assim a Março de 2020.

Mas se julgam que o pesadelo terminou, desenganem-se, o buraco deixado pela pandemia é demasiado grande para ser tapado com um ou dois meses mais satisfatórios. Por tradição, que não mudou, em função do calendário académico, as noites de Janeiro e Fevereiro são mais serenas e, até à Páscoa, só o Carnaval descontinua uma temporada ascendente lenta, até lá, luta-se para retirar as tesourarias do red line.

O Estado, escudado pelas eleições e posterior demorada tomada de posse, livra-se de negociar novos apoios. As empresas estão, nesta altura, entregues à própria sorte. Contudo, não foi só dinheiro que se perdeu nestes dois anos, não foram só empregos, muito se perdeu com esta paragem, com este período forçado de alqueive, perderam-se oportunidades.

Este tinha sido o tempo de mudança, de limpar a casa, ser audaz, mudar mentalidades, mudar a cultura de noite, da nossa noite. A necessidade de faturar levou a que a maioria apostasse de forma segura, como se tivessem parado no tempo, optaram por formatos seguros de faturação, quem os pode censurar? Abençoados destemidos que procuraram vingar pela diferença.

Arrepia-me ver uma publicação, numa qualquer rede social, de alguém numa discoteca qualquer e ouvir músicas que nunca deveriam ter saído das colunas no passado, e que deviam ter sido exterminadas neste período de silêncio nas pistas de dança.

Já dizia o Evaristo (não é o Luís), no Pátio das Cantigas"comprei esta grafonola, a pronto pagamento, propositadamente, para educar o povo." Durante anos fizemos isso mesmo, educámos o povo, não fomos em modas, criámos as modas, mas isso é tema para outra crónica.

Outra questão que não viu mudanças foi a questão da segurança, apesar dos esforços da ADN junto do poder central e local, não há melhorias à vista e ainda a noite não está a 100%. A noite continua boa para o larápio, o agressor, e os assaltos e as agressões gratuitas vão continuar, não porque não exista contingente policial, mas porque estamos perante uma total ausência de estratégia. Já me sentei à mesa com presidentes de câmara, secretários de Estado e Ministros, a todos levo a mesma ideia, dissuasão. Deixo um exemplo em Lisboa, um carro, uma mota, das Docas de Santo Amaro de Alcântara ao Cais do Sodré demora menos de 5 minutos, se tivermos um veículo ou motorizada a circular de um lado para o outro, de 5 em 5 minutos, temos um elemento policial, dissuasor, nos pontos mais frequentados da Zona Ribeirinha, prevenção, antecipação.

Termino esta crónica com uma palavra a todos os empresários desta indústria tão fustigada pela pandemia, foi com orgulho que defendi os vossos interesses, foi um privilégio falar em nome de tantos que sobreviveram, pela sua resiliência, pela sua paixão, pelo amor, que partilhamos pela Noite. Boa Noite!
 
Zé Gouveia
Presidente da Associação de Discotecas Nacional
Este artigo foi lido 695 vezes